SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
A Atenção AmbulatorialA Atenção Ambulatorial
Especializada nas Redes de AtençãoEspecializada nas Redes de Atenção
à Saúdeà Saúde
Eugenio Vilaça Mendes
CONASS Debates V
Brasília, 6 de agosto de 2015
Escopo da apresentaçãoEscopo da apresentação
• As redes de atenção à saúde e seus elementos
• Os modelos de atenção às condições crônicas
• Os modelos de organização da atenção
ambulatorial especializada (AAE)
• A construção de novas relações entre a AAE e a
APS: o modelo do ponto de atenção secundária
ambulatorial
O referencial teórico: asO referencial teórico: as
Redes de Atenção à Saúde (RAS´s)Redes de Atenção à Saúde (RAS´s)
 A população e as regiões de saúde
 A estrutura operacional
 O modelo de atenção à saúde
Fonte: Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010
Sistema de Acesso
Regulado
Registro Eletrônico
em Saúde
Sistema de Transporte
em Saúde
Sistema de Apoio
Diagnóstico e Terapêutico
Sistema de Assistência
Farmacêutica
Teleassistência
Sistema de
Informação em Saúde
RT 1
PONTOSDEATENÇÃOSECUNDÁRIOSE
TERCIÁRIOS
SISTEMAS
DEAPOIO
SISTEMAS
LOGÍSTICOS
A estrutura operacional das Redes de AtençãoA estrutura operacional das Redes de Atenção
à Saúdeà Saúde
PONTOSDEATENÇÃOSECUNDÁRIOSE
TERCIÁRIOS
RT 2
PONTOSDEATENÇÃOSECUNDÁRIOSE
TERCIÁRIOS
RT 3
PONTOSDEATENÇÃOSECUNDÁRIOSE
TERCIÁRIOS
RT 4
ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
POPULAÇÃO
APS E PONTOS DE ATENÇÃO
SECUNDÁRIA E TERCIÁRIA
Unid. de Atenção Primária à Saúde - UAPs
H
H
Ambulatório Especializado Microrregional
Ambulatório Especializado Macrorregional
Hospital Microrregional
Hospital Macrorregional
H
H
H
H
H
H
H
H
Os modelos de atenção à saúdeOs modelos de atenção à saúde
• O modelo de atenção às condições agudas
• O modelo de atenção às condições crônicas
Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
A resposta social às condiçõesA resposta social às condições
crônicas não agudizadascrônicas não agudizadas
Fontes:
Wagner EH. Chronic disease management: what will take to improve care for chronic illness? Effective
Clinical Practice, 1: 2-4, 1998
Organização Mundial da Saúde. Cuidados inovadores para condições
crônicas: componentes estruturais de ação. Brasília, OMS, 2003.
• proativa
• contínua
• integrada
• do sistema de atenção
• dos profissionais de saúde
• das pessoas usuárias
Gestão
de Caso
Gestão da Condição
de Saúde
Autocuidado Apoiado
Nível 1
70-80% de pessoas
com condições simples
Nível 2
20-30% de pessoas com
condições complexas
Nível 3
1- 5% de pessoas com
condições altamente
complexas
Os modelos de atenção àsOs modelos de atenção às
condições crônicascondições crônicas
Fontes:
Wagner EH. Chronic disease management: what will take to improve care for chronic illness? Effective Clinical
Practice, 1: 2-4, 1998 Porter M,
Kellogg M. Kaiser Permanente: na integrated health care experience. Revista de Innovación Sanitária y Atención
Integrada: 1:1, 2008.
O modelo da atenção
crônica
O modelo da pirâmide de
risco
O modelo de atenção às condiçõesO modelo de atenção às condições
crônicas não agudizadas para o SUScrônicas não agudizadas para o SUS
Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
Gestão
de Caso
Gestão da Condição
de Saúde
Autocuidado Apoiado
Nível 1
70-80%de pessoas
com condições simples
Nível 2
20-30%de pessoas com
condições complexas
Nível 3
1- 5%de pessoas com
condições altamente
complexas
Os modelos de organização da AAEOs modelos de organização da AAE
• O modelo da organização fragmentada em silos:
o modelo do Posto de Atenção Médica (modelo
SILOS)
• O modelo da organização em redes de atenção à
saúde:
o Modelo do Ponto de
Atenção Secundária Ambulatorial (modelo
PASA)
Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
Levante a mão se já se defrontou,Levante a mão se já se defrontou,
em sua prática, com alguma destasem sua prática, com alguma destas
situaçõessituações
• O generalista não conhece o especialista a quem refere uma pessoa e eles
nunca trabalharam juntos
• A central de regulação encaminha a mesma pessoa a diferentes
especialistas
• O especialista não recebe as informações do generalista ao receber a
pessoa
• O generalista não recebe as orientações do especialista ao receber de
volta a pessoa
• A pessoa se queixa de que o especialista parecia não saber porque ela
estava ali com ele
• O especialista não resolve o problema para o qual o generalista
encaminhou
• O especialista se apossa definitivamente da pessoa na atenção
especializada
• O especialista repete exames que já haviam sido feitos na aps
• O especialista recebe pessoas que não deveriam ser referidas a ele
• O especialista se queixa de que o médico de família encaminha errado
porque tem poucos conhecimento
• A consulta com especialista demora muito tempo para ser realizada
Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da
estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012
Os fundamentos da organização daOs fundamentos da organização da
AAE nas RAS´sAAE nas RAS´s
• O princípio da suficiência
• O princípio da coordenação
• O princípio da complementaridade
Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da
consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Oreganização Pan-Americana da Saúde, 2012
O princípio da suficiência nas RASsO princípio da suficiência nas RASs
• Numa RAS não deve haver redundâncias ou
retrabalhos entre a APS, os pontos de atenção
secundários e terciários e os sistemas de apoio
• Esse princípio garante a atenção no lugar certo
e com o custo certo nas RASs
Fonte: Francesc JM et al. La gobernanza em las redes integradas de servicios de salud (RISS): contextos, modelos
y actores em America Latina. Washington, Organizacion Panamericana de la Salud, 2011
Os diferenciais da atenção à saúdeOs diferenciais da atenção à saúde
por custo, nível de atenção e tempopor custo, nível de atenção e tempo
das pessoasdas pessoas
Fonte: Gobierno Vasco.Estrategia para afrontar el reto de la cronicidad em Euskadi. Vitoria, Departamento de
Sanidad y Consumo, 2010
O princípio da coordenação daO princípio da coordenação da
atenção: os papéis da APS nas RASatenção: os papéis da APS nas RAS
´s´s
• A responsabilização pela população adscrita
• A resolução dos problemas mais frequentes
• A coordenação da atenção em todos os pontos
das RASs
Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
As evidências sobre as referênciasAs evidências sobre as referências
da APS para a atenção especializadada APS para a atenção especializada
no sistemas fragmentadosno sistemas fragmentados
• O número de referências à atenção especializada não tem associação com a
prevalências das doenças
• Há uma grande variabilidade entre organizações e entre médicos, podendo
chegar a uma proporção de 4:1
• Há uma associação forte entre o número de referências à atenção especializada
e o número de especialistas que existem numa região ou numa organização
• Há uma associação forte entre o número de referências e as formas de
organização e de pagamento
• Os médicos de família e comunidade referem menos à atenção especializada
que os clínicos gerais
• Quando não há um sistema de coordenação das referências pela APS à
atenção especializada o número de referências à atenção especializada é
muito maior
Fontes:
Roland M, Morris R. Are referrals by general practitioners influenced by the availability of consultants? British Medical Journal, 297:
599-600, 1988
Wilkin D, Dornan CGP. Referral to hospital: a review of research and its implications for policy and practice. Manchester,
Center for Primary Care Research, 1990
Franks P, Clancy C. Referral of adult patients from primary care: demographic disparities and their relationship to HMO
insurance. J Fam Pract, 45: 47-53, 1997
Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília,
O princípio da complementaridadeO princípio da complementaridade
• Cada macaco no seu galho: a atenção no lugar
certo, com a qualidade certa e com o custo certo
• As diferenças nas clínicas da APS e da AAE
• Quem se beneficia da AAE?
• O modelo da atenção crônica
• O modelo da pirâmide de risco
Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
Fontes:
Vargas I et al. Guía para la implantación de mecanismos de coordinación asistencial em Redes Integradas de Servicios
de Salud (RISS). Washington, Organización Panamericana de la Salud/Consorcio de Salud y Atención Social, 2011
Mendes EV. A construção social da atenção primária à saúde. Brasília, CONASS, 2015
As clínicas da APS e da AAE sãoAs clínicas da APS e da AAE são
diferentes, mas complementaresdiferentes, mas complementares
CAMPO APS AAE
Ambiente do cuidado • foco na pessoa
• foco na saude
• foco em problemas pouco
definidos vistos no início
• ambiente pouco medicalizado
• foco no orgão ou sistema
• foco na doença
• foco em problemas bem
definidos vistos mais tarde
• ambiente muito medicalizado
Formas de atuação dos
profissionais
• aceitam-se falsos negativos
que podem ser minimizados
pela repetição de exames
• cuidado disperso em vários
problemas
• provas em série
• aceitam-se
sobrediagnósticos mas não
se aceitam falsos negativos
• concentração do cuidado
num único problema ou num
número mínimo de problemas
• provas em paralelo
Continuidade do cuidado • continuidade sustentada • continuidade relativa
Resultados • menores custos e iatrogenias • maiores custos e iatrogenias
Fontes:
Cunillera R. Arquitetura e modelo de atenção: níveis e gestão de processos assistenciais. Rio de Janeiro: ENSP/FIOCRUZ; 2012.
lopes JMC. Princípios da medicina de
família e comunidade. In: Gusso G, Lopes JMC. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. Porto
As referências da APS à AAEAs referências da APS à AAE
• Pesquisa feita em Florianópolis verificou uma
referência média para a AAE de 12,5%
• Pesquisa feita em Porto Alegre (Grupo
Hospitalar Conceição) verificou uma referência
média para a AAE de 9%
• Em alguns países europeus as referências
médias para a AAE não passam de 5%
Fontes:
Gusso GDF. Diagnóstico de demanda em Florianópolis utilizando a Classificação Internacional de Atenção
Primária: 2ª. Edição (CIAP). São Paulo, Tese apresentada à Faculdade de Medicina da USP para obtenção do
título de Doutor em Ciências, 2009
Takeda S. A organização de serviços de atenção primária à saúde. In: Duncan BB et al. Medicina
ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. Porto Alegre, Artmed, 4ª. Ed., 2013
Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia.
Brasília, UNESCO/Ministério da Saúde, 2002
Como identificar quem se beneficiaComo identificar quem se beneficia
com a AAE: o modelo da pirâmidecom a AAE: o modelo da pirâmide
de riscosde riscos
Fontes:
Department of Health. Supporting people with long-term conditions: a NHS and social care model to support local
innovation and integration. Leeds, Long Term Conditions Team Primary Care/Department of Health, 2005
Porter M, Kellogg M. Kaiser Permanente: an integrated health care experience. Revista de Innovación Sanitaria y
Atención Integrada. 1: 1, 2008
É possível que todos as pessoas comÉ possível que todos as pessoas com
condição crônica sejam cuidadas na atençãocondição crônica sejam cuidadas na atenção
ambulatorial especializada? O caso daambulatorial especializada? O caso da
hipertensão arterial na 14ª Coordenadoriahipertensão arterial na 14ª Coordenadoria
Regional de Saúde de Tauá, CearáRegional de Saúde de Tauá, Ceará
• População da 14ª Coordenadoria Regional de Saúde: 111.053
habitantes
• Subpopulação de portadores de hipertensão arterial (70% da
população adulta): 15.547 habitantes
• 1,5 consulta com cardiologista habitante/ano: 23.320
consultas/ano
• Produção de consulta médica por cardiologista por ano
considerando 1/3 da carga de trabalho de 20 horas semanais
somente para hipertensão arterial: 1.160
• Número de cardiologistas para atenção à hipertensão arterial
no SUS na região: 20
Fonte: Estimativa feita pelo apresentador
Uma conclusão sobre osUma conclusão sobre os
fundamentos da organização dafundamentos da organização da
AAEAAE
• Não é possível passar todos os portadores de
condições crônicas por especialistas
• Só se gera valor para as pessoas quando se
atua de forma racional no binômio APS/AAE
• Uma organização consequente da AAE exige
uma organização concomitante e integrada da
APS e da AAE
Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
As evidências do modelo de atençãoAs evidências do modelo de atenção
crônica em relação à AAEcrônica em relação à AAE
Há evidências robustas de que só se consegue
estabilizar as condições crônicas quando há um
trabalho compartilhado entre especialistas e
profissionais da APS
Fonte: Wagner EH. Chronic disease management: what will take to improve care for chronic illness? Effective
Clinical Practice,. 1: 2-4, 1998. Autorização de uso de imagem dada pelo American College of Physicians
As características do modelo SILOSAs características do modelo SILOS
• É organizado de forma autônoma, sem relação com a organização da APS
• A fragilidade da APS para exercitar a coordenação da atenção nas RASs: a
regulação feita por centrais de regulação
• Os especialistas e os generalistas atuam em silos que não se comunicam
• Os generalistas não coordenam a atenção
• Há uma competição predatória entre especialistas e generalistas
• O produto final é uma consulta médica, uma prescrição e/ou um
pedido/realização de exame complementar
• Os sistemas de referência e contrarreferência ou inexistem ou são
desorganizados
• Os generalistas e os especialistas atuam de forma despersonalizada
• A atenção é muito concentrada no médico especialista
• A atenção é muito concentrada na consulta médica presencial de curta
duração
• Os sistemas de referência e contrarreferência não operam com base em
estratificação de riscos
• A fragilidade dos registros eletrônicos em saúde
• Forte presença do efeito velcro
• A AAE limita-se à função assistencial
• As pessoas se sentem abandonadas nos momentos de transição
• Pagamento por procedimento
Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da
consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012
Algumas evidências do modeloAlgumas evidências do modelo
SILOSSILOS
• 63% dos generalistas e 35% dos especialistas estão
insatisfeitos com o processo de referência e
contrarreferência
• 68% dos especialistas relatam não receber as
informações dos generalistas sobre as pessoas referidas
• 47% das pessoas reportam estarem insatisfeitas com a
atenção recebida
• A maioria dos portadores de condições crônicas não se
beneficiam da atenção recebida
• A produção de iatrogenias
• Não há evidência que o sistema clássico de referência e
contrarreferência, isoladamente, agregue valor para as
pessoas
Fontes:
The Commonwealth Fund. Reducing fragmentation. Disponível em: http://improvingchroniccare.org
Gandhi TK et al. Communication breakdown in the outpatient referral process. J.Gen.Intern. Med., 15:
626-631, 2000
A incoerência entre as estruturas daA incoerência entre as estruturas da
demanda e da oferta no modelodemanda e da oferta no modelo
SILOSSILOS
• Estrutura da demanda
• Por condições crônicas
muito complexas
• Por condições crônicas
complexas não
estabilizadas
• Estrutura da oferta
• Consultas médicas
• Apoio de enfermagem
• Dispensação de
medicamentos
• Solicitação,coleta e/ou
oferta de exames
complementares
Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação
da estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012.
O modelo PASAO modelo PASA
O modelo PASA é uma forma de organizar a
AAE como um ponto de atenção à saúde em
RASs, comunicando-se organicamente com a
APS, com os sistemas de apoio e com os
sistemas logísticos e operando segundo
modelos de atenção baseados em evidência a
fim de agregar valor para as pessoas usuárias
Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da
consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012
A ampliação da estrutura da oferta emA ampliação da estrutura da oferta em
coerência com o estrutura da demanda nocoerência com o estrutura da demanda no
modelo PASAmodelo PASA
• Estrutura da demanda
• Por condições crônicas estabilizadas
• Por condições crônicas instáveis
• Estrutura da oferta
• Consultas médicas
• Consultas de enfermagem especializada
• Dispensação de medicamentos e farmácia
clínica
• Solicitação/coleta e oferta de exames
complementares
• Consultas com outros profissionais
especializados
• Grupos operativos
• Grupos terapêuticos
• Atendimentos compartilhados a grupos
• Atendimentos conjuntos de especialistas e
generalistas
• Atendimentos contínuos
• Atendimentos à distância
• Atendimentos por pares
• Apoio ao autocuidado
• gestão de casos
• Provisão de segunda opinião
• Educação permanente para profissionais da
APS
• Pesquisa clínica
Fonte:
Mendes EV. O cuidado das condições crônicas
na atenção primária à saúde: o imperativo da
consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília,
Organização Pan-Americana da Saúde, 2012.
As características do modelo PASAAs características do modelo PASA
• Ponto de atenção fechado
• Necessidades de atenção programadas na APS
• Acesso regulado pela APS com base na estratificação dos riscos
• A definição conjunta por generalistas e especialistas de critérios de referência
e contrarreferência segunda a estratificação de risco e sua padronização por
meio de protocolos clínicos com base em evidência
• Os acordos sobre procedimentos clínicos para reduzir redundâncias ou
retrabalhos
• Os acordos sobre exames complementares para reduzir duplicações
• Atenção prestada por uma equipe multiprofissional trabalhando de forma
interdisciplinar
• O produto final da atenção é um plano de cuidado interdisciplinar para ser
executado na APS
• A incorporação de novas formas de encontro clínico além da consulta
presencial face-a-face
• O conhecimento pessoal de especialistas e generalistas
• A atuação clínica conjunta de especialistas e generalistas em planos de
cuidados compartilhados
• A vinculação de generalistas a especialistas envolvendo a regionalização da
atenção especializada
• O envolvimento de especialistas em atividades educacionais da equipe da APS,
em segunda opinião, em supervisão e em pesquisa
• A busca da complementaridade entre generalistas e especialistas
• Pagamento por orçamento global, capitação ajustada e/ou desempenho
Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da
estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012
Alguns passos para a organizaçãoAlguns passos para a organização
da AAE no modelo PASAda AAE no modelo PASA
• Elaboração de linhas-guia e protocolos clínicos baseados em
evidências
• A mudança do produto da atenção: da consulta e dos exames para o
plano de cuidado interdisciplinar
• A estratificação dos riscos dos portadores de condições crônicas
• A capacitação dos profissionais da APS para a estratificação de riscos
e para o manejo dos diferentes estratos de risco
• Definição das relações personalizadas e compartilhadas entre
especialistas e generalistas
• Organização de trabalho em equipes multiprofissionais
interdisciplinares na AAE
• Implantação de um sistema de informação clínica integrado
• Definição de um sistema de educação permanente com participação
dos especialistas
• Definição de um sistema de segunda opinião com participação dos
especialistas
• Os especialistas como supervisores dos generalistas
• Quando couber a pesquisa clínica na AAE
Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da
consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012
Evidências do modelo de atençãoEvidências do modelo de atenção
crônica no trabalho da equipe decrônica no trabalho da equipe de
AAEAAE
• Trabalho em equipe multiprofissional com
tarefas claramente definidas e de forma
interdisciplinar
• Introdução de novas formas de encontro clínico
Fonte: Wagner EH. Chronic disease management: what will take to improve care for chronic illness? Effective
Clinical Practice,. 1: 2-4, 1998. Autorização de usoi de imagem dada pelo American College of Physicians
As novas tecnologias na AAEAs novas tecnologias na AAE
• A atenção contínua
• A atenção compartilhada a grupo
• O grupo de pares
• O autocuidado apoiado
• As novas relações entre especialistas
e generalistas
Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da
consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012
Uma reflexão sobre as relaçõesUma reflexão sobre as relações
entre a APS e a AAEentre a APS e a AAE
“Deve-se proteger as pessoas dos especialistas
inadequados e proteger os especialistas das
pessoas inadequadas”
J. Fry
Fonte: Gusso G. O panorama da atenção primária à saúde no Brasil e no mundo: informações e saúde.
Florianópolis, Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 2005

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Redes de atenção em saúde (ras)
Redes de atenção em saúde (ras)Redes de atenção em saúde (ras)
Redes de atenção em saúde (ras)Kellen Medina
 
Programa melhor em casa
Programa melhor em casaPrograma melhor em casa
Programa melhor em casaAnielle Alves
 
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção BásicaConsulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção BásicaCentro Universitário Ages
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susMarcos Nery
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaJarquineide Silva
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...
PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...
PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Política Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básicaPolítica Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básicaRenata Cadidé
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeAroldo Gavioli
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasilkellyschorro18
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaJose Roberto
 
HumanizaSUS
HumanizaSUSHumanizaSUS
HumanizaSUSLene So
 

Mais procurados (20)

Desafios do SUS
Desafios do SUS Desafios do SUS
Desafios do SUS
 
Redes de atenção em saúde (ras)
Redes de atenção em saúde (ras)Redes de atenção em saúde (ras)
Redes de atenção em saúde (ras)
 
Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Programa melhor em casa
Programa melhor em casaPrograma melhor em casa
Programa melhor em casa
 
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção BásicaConsulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
 
PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...
PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...
PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...
 
Política Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básicaPolítica Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básica
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
 
HumanizaSUS
HumanizaSUSHumanizaSUS
HumanizaSUS
 
A atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
A atenção primária nas Redes de Atenção à SaúdeA atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
A atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
 

Semelhante a Os fundamentos da Atenção Ambulatorial Especializada

gestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptgestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptZoraide6
 
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdfgabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdfTHALLITADEFREITASRAM
 
Atenção à saúde no nível secundário e terciário
Atenção à saúde no nível secundário e terciárioAtenção à saúde no nível secundário e terciário
Atenção à saúde no nível secundário e terciárioUNIME
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE Guilherme Barcellos
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio LiraCNseg
 
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdfNOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdfSamara165561
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxFrancielttonsantos
 
Protocolos de enfermagem na Atenção Primária à Saúde
Protocolos de enfermagem na Atenção Primária à SaúdeProtocolos de enfermagem na Atenção Primária à Saúde
Protocolos de enfermagem na Atenção Primária à SaúdeSebástian Freire
 

Semelhante a Os fundamentos da Atenção Ambulatorial Especializada (20)

A IMPORTÂNCIA DA APS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE
A IMPORTÂNCIA DA APS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDEA IMPORTÂNCIA DA APS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE
A IMPORTÂNCIA DA APS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE
 
As redes de atenção à saúde – Eugenio Vilaça Mendes
As redes de atenção à saúde – Eugenio Vilaça MendesAs redes de atenção à saúde – Eugenio Vilaça Mendes
As redes de atenção à saúde – Eugenio Vilaça Mendes
 
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Gestão Clínica no SUS (E...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Gestão Clínica no SUS (E...CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Gestão Clínica no SUS (E...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Gestão Clínica no SUS (E...
 
Luis Fernando Rolim
Luis Fernando RolimLuis Fernando Rolim
Luis Fernando Rolim
 
gestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptgestão da clínica.ppt
gestão da clínica.ppt
 
Gestão populacional
Gestão populacionalGestão populacional
Gestão populacional
 
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio VilaçaO Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
 
Aula erno
Aula ernoAula erno
Aula erno
 
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdfgabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
 
Pesquisa em APS
Pesquisa em APSPesquisa em APS
Pesquisa em APS
 
Eugênio Vilaça – O futuro do SUS
Eugênio Vilaça – O futuro do SUSEugênio Vilaça – O futuro do SUS
Eugênio Vilaça – O futuro do SUS
 
Atenção à saúde no nível secundário e terciário
Atenção à saúde no nível secundário e terciárioAtenção à saúde no nível secundário e terciário
Atenção à saúde no nível secundário e terciário
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
 
Desafios e perspectivas do SUS em tempo de crise
Desafios e perspectivas do SUS em tempo de criseDesafios e perspectivas do SUS em tempo de crise
Desafios e perspectivas do SUS em tempo de crise
 
FGV / IBRE – As Redes de Atenção á Saúde
FGV / IBRE – As Redes de Atenção á SaúdeFGV / IBRE – As Redes de Atenção á Saúde
FGV / IBRE – As Redes de Atenção á Saúde
 
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdfNOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
 
Puericultura em Angola
Puericultura em AngolaPuericultura em Angola
Puericultura em Angola
 
Protocolos de enfermagem na Atenção Primária à Saúde
Protocolos de enfermagem na Atenção Primária à SaúdeProtocolos de enfermagem na Atenção Primária à Saúde
Protocolos de enfermagem na Atenção Primária à Saúde
 

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS (20)

Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do SulModelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
 
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
 
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à SaúdeBanners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
 
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
 
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - ROPIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
 
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
 
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
 
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
 
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
 
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
 
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e HipertensãoJornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
 
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APSA Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
 
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DFEstratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
 
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicasCuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
 
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
 
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de DiabetesPor um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
 
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no BrasilO pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
 
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à SaúdeNotas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
 
Ministério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APSMinistério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APS
 
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
 

Último

relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (7)

relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 

Os fundamentos da Atenção Ambulatorial Especializada

  • 1. A Atenção AmbulatorialA Atenção Ambulatorial Especializada nas Redes de AtençãoEspecializada nas Redes de Atenção à Saúdeà Saúde Eugenio Vilaça Mendes CONASS Debates V Brasília, 6 de agosto de 2015
  • 2. Escopo da apresentaçãoEscopo da apresentação • As redes de atenção à saúde e seus elementos • Os modelos de atenção às condições crônicas • Os modelos de organização da atenção ambulatorial especializada (AAE) • A construção de novas relações entre a AAE e a APS: o modelo do ponto de atenção secundária ambulatorial
  • 3. O referencial teórico: asO referencial teórico: as Redes de Atenção à Saúde (RAS´s)Redes de Atenção à Saúde (RAS´s)  A população e as regiões de saúde  A estrutura operacional  O modelo de atenção à saúde Fonte: Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010
  • 4. Sistema de Acesso Regulado Registro Eletrônico em Saúde Sistema de Transporte em Saúde Sistema de Apoio Diagnóstico e Terapêutico Sistema de Assistência Farmacêutica Teleassistência Sistema de Informação em Saúde RT 1 PONTOSDEATENÇÃOSECUNDÁRIOSE TERCIÁRIOS SISTEMAS DEAPOIO SISTEMAS LOGÍSTICOS A estrutura operacional das Redes de AtençãoA estrutura operacional das Redes de Atenção à Saúdeà Saúde PONTOSDEATENÇÃOSECUNDÁRIOSE TERCIÁRIOS RT 2 PONTOSDEATENÇÃOSECUNDÁRIOSE TERCIÁRIOS RT 3 PONTOSDEATENÇÃOSECUNDÁRIOSE TERCIÁRIOS RT 4 ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE POPULAÇÃO APS E PONTOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIA E TERCIÁRIA Unid. de Atenção Primária à Saúde - UAPs H H Ambulatório Especializado Microrregional Ambulatório Especializado Macrorregional Hospital Microrregional Hospital Macrorregional H H H H H H H H
  • 5. Os modelos de atenção à saúdeOs modelos de atenção à saúde • O modelo de atenção às condições agudas • O modelo de atenção às condições crônicas Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
  • 6. A resposta social às condiçõesA resposta social às condições crônicas não agudizadascrônicas não agudizadas Fontes: Wagner EH. Chronic disease management: what will take to improve care for chronic illness? Effective Clinical Practice, 1: 2-4, 1998 Organização Mundial da Saúde. Cuidados inovadores para condições crônicas: componentes estruturais de ação. Brasília, OMS, 2003. • proativa • contínua • integrada • do sistema de atenção • dos profissionais de saúde • das pessoas usuárias
  • 7. Gestão de Caso Gestão da Condição de Saúde Autocuidado Apoiado Nível 1 70-80% de pessoas com condições simples Nível 2 20-30% de pessoas com condições complexas Nível 3 1- 5% de pessoas com condições altamente complexas Os modelos de atenção àsOs modelos de atenção às condições crônicascondições crônicas Fontes: Wagner EH. Chronic disease management: what will take to improve care for chronic illness? Effective Clinical Practice, 1: 2-4, 1998 Porter M, Kellogg M. Kaiser Permanente: na integrated health care experience. Revista de Innovación Sanitária y Atención Integrada: 1:1, 2008. O modelo da atenção crônica O modelo da pirâmide de risco
  • 8. O modelo de atenção às condiçõesO modelo de atenção às condições crônicas não agudizadas para o SUScrônicas não agudizadas para o SUS Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011 Gestão de Caso Gestão da Condição de Saúde Autocuidado Apoiado Nível 1 70-80%de pessoas com condições simples Nível 2 20-30%de pessoas com condições complexas Nível 3 1- 5%de pessoas com condições altamente complexas
  • 9. Os modelos de organização da AAEOs modelos de organização da AAE • O modelo da organização fragmentada em silos: o modelo do Posto de Atenção Médica (modelo SILOS) • O modelo da organização em redes de atenção à saúde: o Modelo do Ponto de Atenção Secundária Ambulatorial (modelo PASA) Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
  • 10. Levante a mão se já se defrontou,Levante a mão se já se defrontou, em sua prática, com alguma destasem sua prática, com alguma destas situaçõessituações • O generalista não conhece o especialista a quem refere uma pessoa e eles nunca trabalharam juntos • A central de regulação encaminha a mesma pessoa a diferentes especialistas • O especialista não recebe as informações do generalista ao receber a pessoa • O generalista não recebe as orientações do especialista ao receber de volta a pessoa • A pessoa se queixa de que o especialista parecia não saber porque ela estava ali com ele • O especialista não resolve o problema para o qual o generalista encaminhou • O especialista se apossa definitivamente da pessoa na atenção especializada • O especialista repete exames que já haviam sido feitos na aps • O especialista recebe pessoas que não deveriam ser referidas a ele • O especialista se queixa de que o médico de família encaminha errado porque tem poucos conhecimento • A consulta com especialista demora muito tempo para ser realizada Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012
  • 11. Os fundamentos da organização daOs fundamentos da organização da AAE nas RAS´sAAE nas RAS´s • O princípio da suficiência • O princípio da coordenação • O princípio da complementaridade Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Oreganização Pan-Americana da Saúde, 2012
  • 12. O princípio da suficiência nas RASsO princípio da suficiência nas RASs • Numa RAS não deve haver redundâncias ou retrabalhos entre a APS, os pontos de atenção secundários e terciários e os sistemas de apoio • Esse princípio garante a atenção no lugar certo e com o custo certo nas RASs Fonte: Francesc JM et al. La gobernanza em las redes integradas de servicios de salud (RISS): contextos, modelos y actores em America Latina. Washington, Organizacion Panamericana de la Salud, 2011
  • 13. Os diferenciais da atenção à saúdeOs diferenciais da atenção à saúde por custo, nível de atenção e tempopor custo, nível de atenção e tempo das pessoasdas pessoas Fonte: Gobierno Vasco.Estrategia para afrontar el reto de la cronicidad em Euskadi. Vitoria, Departamento de Sanidad y Consumo, 2010
  • 14. O princípio da coordenação daO princípio da coordenação da atenção: os papéis da APS nas RASatenção: os papéis da APS nas RAS ´s´s • A responsabilização pela população adscrita • A resolução dos problemas mais frequentes • A coordenação da atenção em todos os pontos das RASs Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
  • 15. As evidências sobre as referênciasAs evidências sobre as referências da APS para a atenção especializadada APS para a atenção especializada no sistemas fragmentadosno sistemas fragmentados • O número de referências à atenção especializada não tem associação com a prevalências das doenças • Há uma grande variabilidade entre organizações e entre médicos, podendo chegar a uma proporção de 4:1 • Há uma associação forte entre o número de referências à atenção especializada e o número de especialistas que existem numa região ou numa organização • Há uma associação forte entre o número de referências e as formas de organização e de pagamento • Os médicos de família e comunidade referem menos à atenção especializada que os clínicos gerais • Quando não há um sistema de coordenação das referências pela APS à atenção especializada o número de referências à atenção especializada é muito maior Fontes: Roland M, Morris R. Are referrals by general practitioners influenced by the availability of consultants? British Medical Journal, 297: 599-600, 1988 Wilkin D, Dornan CGP. Referral to hospital: a review of research and its implications for policy and practice. Manchester, Center for Primary Care Research, 1990 Franks P, Clancy C. Referral of adult patients from primary care: demographic disparities and their relationship to HMO insurance. J Fam Pract, 45: 47-53, 1997 Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília,
  • 16. O princípio da complementaridadeO princípio da complementaridade • Cada macaco no seu galho: a atenção no lugar certo, com a qualidade certa e com o custo certo • As diferenças nas clínicas da APS e da AAE • Quem se beneficia da AAE? • O modelo da atenção crônica • O modelo da pirâmide de risco Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
  • 17. Fontes: Vargas I et al. Guía para la implantación de mecanismos de coordinación asistencial em Redes Integradas de Servicios de Salud (RISS). Washington, Organización Panamericana de la Salud/Consorcio de Salud y Atención Social, 2011 Mendes EV. A construção social da atenção primária à saúde. Brasília, CONASS, 2015
  • 18. As clínicas da APS e da AAE sãoAs clínicas da APS e da AAE são diferentes, mas complementaresdiferentes, mas complementares CAMPO APS AAE Ambiente do cuidado • foco na pessoa • foco na saude • foco em problemas pouco definidos vistos no início • ambiente pouco medicalizado • foco no orgão ou sistema • foco na doença • foco em problemas bem definidos vistos mais tarde • ambiente muito medicalizado Formas de atuação dos profissionais • aceitam-se falsos negativos que podem ser minimizados pela repetição de exames • cuidado disperso em vários problemas • provas em série • aceitam-se sobrediagnósticos mas não se aceitam falsos negativos • concentração do cuidado num único problema ou num número mínimo de problemas • provas em paralelo Continuidade do cuidado • continuidade sustentada • continuidade relativa Resultados • menores custos e iatrogenias • maiores custos e iatrogenias Fontes: Cunillera R. Arquitetura e modelo de atenção: níveis e gestão de processos assistenciais. Rio de Janeiro: ENSP/FIOCRUZ; 2012. lopes JMC. Princípios da medicina de família e comunidade. In: Gusso G, Lopes JMC. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. Porto
  • 19. As referências da APS à AAEAs referências da APS à AAE • Pesquisa feita em Florianópolis verificou uma referência média para a AAE de 12,5% • Pesquisa feita em Porto Alegre (Grupo Hospitalar Conceição) verificou uma referência média para a AAE de 9% • Em alguns países europeus as referências médias para a AAE não passam de 5% Fontes: Gusso GDF. Diagnóstico de demanda em Florianópolis utilizando a Classificação Internacional de Atenção Primária: 2ª. Edição (CIAP). São Paulo, Tese apresentada à Faculdade de Medicina da USP para obtenção do título de Doutor em Ciências, 2009 Takeda S. A organização de serviços de atenção primária à saúde. In: Duncan BB et al. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. Porto Alegre, Artmed, 4ª. Ed., 2013 Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília, UNESCO/Ministério da Saúde, 2002
  • 20. Como identificar quem se beneficiaComo identificar quem se beneficia com a AAE: o modelo da pirâmidecom a AAE: o modelo da pirâmide de riscosde riscos Fontes: Department of Health. Supporting people with long-term conditions: a NHS and social care model to support local innovation and integration. Leeds, Long Term Conditions Team Primary Care/Department of Health, 2005 Porter M, Kellogg M. Kaiser Permanente: an integrated health care experience. Revista de Innovación Sanitaria y Atención Integrada. 1: 1, 2008
  • 21. É possível que todos as pessoas comÉ possível que todos as pessoas com condição crônica sejam cuidadas na atençãocondição crônica sejam cuidadas na atenção ambulatorial especializada? O caso daambulatorial especializada? O caso da hipertensão arterial na 14ª Coordenadoriahipertensão arterial na 14ª Coordenadoria Regional de Saúde de Tauá, CearáRegional de Saúde de Tauá, Ceará • População da 14ª Coordenadoria Regional de Saúde: 111.053 habitantes • Subpopulação de portadores de hipertensão arterial (70% da população adulta): 15.547 habitantes • 1,5 consulta com cardiologista habitante/ano: 23.320 consultas/ano • Produção de consulta médica por cardiologista por ano considerando 1/3 da carga de trabalho de 20 horas semanais somente para hipertensão arterial: 1.160 • Número de cardiologistas para atenção à hipertensão arterial no SUS na região: 20 Fonte: Estimativa feita pelo apresentador
  • 22. Uma conclusão sobre osUma conclusão sobre os fundamentos da organização dafundamentos da organização da AAEAAE • Não é possível passar todos os portadores de condições crônicas por especialistas • Só se gera valor para as pessoas quando se atua de forma racional no binômio APS/AAE • Uma organização consequente da AAE exige uma organização concomitante e integrada da APS e da AAE Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
  • 23. As evidências do modelo de atençãoAs evidências do modelo de atenção crônica em relação à AAEcrônica em relação à AAE Há evidências robustas de que só se consegue estabilizar as condições crônicas quando há um trabalho compartilhado entre especialistas e profissionais da APS Fonte: Wagner EH. Chronic disease management: what will take to improve care for chronic illness? Effective Clinical Practice,. 1: 2-4, 1998. Autorização de uso de imagem dada pelo American College of Physicians
  • 24. As características do modelo SILOSAs características do modelo SILOS • É organizado de forma autônoma, sem relação com a organização da APS • A fragilidade da APS para exercitar a coordenação da atenção nas RASs: a regulação feita por centrais de regulação • Os especialistas e os generalistas atuam em silos que não se comunicam • Os generalistas não coordenam a atenção • Há uma competição predatória entre especialistas e generalistas • O produto final é uma consulta médica, uma prescrição e/ou um pedido/realização de exame complementar • Os sistemas de referência e contrarreferência ou inexistem ou são desorganizados • Os generalistas e os especialistas atuam de forma despersonalizada • A atenção é muito concentrada no médico especialista • A atenção é muito concentrada na consulta médica presencial de curta duração • Os sistemas de referência e contrarreferência não operam com base em estratificação de riscos • A fragilidade dos registros eletrônicos em saúde • Forte presença do efeito velcro • A AAE limita-se à função assistencial • As pessoas se sentem abandonadas nos momentos de transição • Pagamento por procedimento Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012
  • 25. Algumas evidências do modeloAlgumas evidências do modelo SILOSSILOS • 63% dos generalistas e 35% dos especialistas estão insatisfeitos com o processo de referência e contrarreferência • 68% dos especialistas relatam não receber as informações dos generalistas sobre as pessoas referidas • 47% das pessoas reportam estarem insatisfeitas com a atenção recebida • A maioria dos portadores de condições crônicas não se beneficiam da atenção recebida • A produção de iatrogenias • Não há evidência que o sistema clássico de referência e contrarreferência, isoladamente, agregue valor para as pessoas Fontes: The Commonwealth Fund. Reducing fragmentation. Disponível em: http://improvingchroniccare.org Gandhi TK et al. Communication breakdown in the outpatient referral process. J.Gen.Intern. Med., 15: 626-631, 2000
  • 26. A incoerência entre as estruturas daA incoerência entre as estruturas da demanda e da oferta no modelodemanda e da oferta no modelo SILOSSILOS • Estrutura da demanda • Por condições crônicas muito complexas • Por condições crônicas complexas não estabilizadas • Estrutura da oferta • Consultas médicas • Apoio de enfermagem • Dispensação de medicamentos • Solicitação,coleta e/ou oferta de exames complementares Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012.
  • 27. O modelo PASAO modelo PASA O modelo PASA é uma forma de organizar a AAE como um ponto de atenção à saúde em RASs, comunicando-se organicamente com a APS, com os sistemas de apoio e com os sistemas logísticos e operando segundo modelos de atenção baseados em evidência a fim de agregar valor para as pessoas usuárias Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012
  • 28. A ampliação da estrutura da oferta emA ampliação da estrutura da oferta em coerência com o estrutura da demanda nocoerência com o estrutura da demanda no modelo PASAmodelo PASA • Estrutura da demanda • Por condições crônicas estabilizadas • Por condições crônicas instáveis • Estrutura da oferta • Consultas médicas • Consultas de enfermagem especializada • Dispensação de medicamentos e farmácia clínica • Solicitação/coleta e oferta de exames complementares • Consultas com outros profissionais especializados • Grupos operativos • Grupos terapêuticos • Atendimentos compartilhados a grupos • Atendimentos conjuntos de especialistas e generalistas • Atendimentos contínuos • Atendimentos à distância • Atendimentos por pares • Apoio ao autocuidado • gestão de casos • Provisão de segunda opinião • Educação permanente para profissionais da APS • Pesquisa clínica Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012.
  • 29. As características do modelo PASAAs características do modelo PASA • Ponto de atenção fechado • Necessidades de atenção programadas na APS • Acesso regulado pela APS com base na estratificação dos riscos • A definição conjunta por generalistas e especialistas de critérios de referência e contrarreferência segunda a estratificação de risco e sua padronização por meio de protocolos clínicos com base em evidência • Os acordos sobre procedimentos clínicos para reduzir redundâncias ou retrabalhos • Os acordos sobre exames complementares para reduzir duplicações • Atenção prestada por uma equipe multiprofissional trabalhando de forma interdisciplinar • O produto final da atenção é um plano de cuidado interdisciplinar para ser executado na APS • A incorporação de novas formas de encontro clínico além da consulta presencial face-a-face • O conhecimento pessoal de especialistas e generalistas • A atuação clínica conjunta de especialistas e generalistas em planos de cuidados compartilhados • A vinculação de generalistas a especialistas envolvendo a regionalização da atenção especializada • O envolvimento de especialistas em atividades educacionais da equipe da APS, em segunda opinião, em supervisão e em pesquisa • A busca da complementaridade entre generalistas e especialistas • Pagamento por orçamento global, capitação ajustada e/ou desempenho Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012
  • 30. Alguns passos para a organizaçãoAlguns passos para a organização da AAE no modelo PASAda AAE no modelo PASA • Elaboração de linhas-guia e protocolos clínicos baseados em evidências • A mudança do produto da atenção: da consulta e dos exames para o plano de cuidado interdisciplinar • A estratificação dos riscos dos portadores de condições crônicas • A capacitação dos profissionais da APS para a estratificação de riscos e para o manejo dos diferentes estratos de risco • Definição das relações personalizadas e compartilhadas entre especialistas e generalistas • Organização de trabalho em equipes multiprofissionais interdisciplinares na AAE • Implantação de um sistema de informação clínica integrado • Definição de um sistema de educação permanente com participação dos especialistas • Definição de um sistema de segunda opinião com participação dos especialistas • Os especialistas como supervisores dos generalistas • Quando couber a pesquisa clínica na AAE Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012
  • 31. Evidências do modelo de atençãoEvidências do modelo de atenção crônica no trabalho da equipe decrônica no trabalho da equipe de AAEAAE • Trabalho em equipe multiprofissional com tarefas claramente definidas e de forma interdisciplinar • Introdução de novas formas de encontro clínico Fonte: Wagner EH. Chronic disease management: what will take to improve care for chronic illness? Effective Clinical Practice,. 1: 2-4, 1998. Autorização de usoi de imagem dada pelo American College of Physicians
  • 32. As novas tecnologias na AAEAs novas tecnologias na AAE • A atenção contínua • A atenção compartilhada a grupo • O grupo de pares • O autocuidado apoiado • As novas relações entre especialistas e generalistas Fonte: Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2012
  • 33. Uma reflexão sobre as relaçõesUma reflexão sobre as relações entre a APS e a AAEentre a APS e a AAE “Deve-se proteger as pessoas dos especialistas inadequados e proteger os especialistas das pessoas inadequadas” J. Fry Fonte: Gusso G. O panorama da atenção primária à saúde no Brasil e no mundo: informações e saúde. Florianópolis, Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 2005