O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Necessidade e acesso a medicamentos no SUS: o desafio do financiamento da assistência farmacêutica

906 visualizações

Publicada em

Apresentação feita pela assessora técnica do CONASS, Lore Lamb, durante o debate sobre o desafio do financiamento da assistência farmacêutica no SUS, no XXX Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, realizado em Serra/ES, entre os dias 01 e 04 de junho de 2014.

Publicada em: Saúde e medicina
  • Entre para ver os comentários

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Necessidade e acesso a medicamentos no SUS: o desafio do financiamento da assistência farmacêutica

  1. 1. www.conass.org.br       XXX  CONGRESSO  NACIONAL  DE  SECRETARIAS  MUNICIPAIS  DE  SAÚDE   SUS:  DESAFIOS  DO  FINANCIAMENTO       Necessidade  e  acesso  a  medicamentos  no  SUS:     o  desafio  do  financiamento  da    assistência   farmacêuDca         SERRA    –  ES   3  de  junho  de  2014        
  2. 2. www.conass.org.br  SOBRE  O  ACESSO     “Acesso  é  um  conceito  complexo  que  muitas  vezes  é   empregado  de  forma  imprecisa  e  que  muda  ao  longo  do   tempo  e  de  acordo  com  o  contexto."  (1)       Barbara  Starfield  usa  a  terminologia  acessibilidade    para   caracterizar  a  oferta  de  serviços  ou  insumos  e  acesso  a   forma    como  as  pessoas  percebem  essa  acessibilidade   (2)           (1)  E  (2)Fonte:  Travassos,  C>;  MarTm,  M.  Uma  revisão  sobre  os  conceitos  de  acesso  e  uTlização   dos  serviços  de  saúde,  Cad.  Saúde  Pub.,  RJ,  20  sup.2,  2004.        
  3. 3. www.conass.org.br Ao  nos  referirmos  a   medicamentos,  o  acesso   aos  mesmos  é  precedido   de  uma  série  de  etapas.          
  4. 4. www.conass.org.br O  acesso  aos  medicamentos  tem  pré-­‐ requisitos,  entre  eles  a  existência  de   uma  prescrição.   Para  chegar  a  essa  prescrição  o  usuário   passa  por  uma  ”CORRIDA  DE  OBSTÁCULOS”  :     Procura  do  serviço  de  saúde         Acesso  a  consulta  médica      
  5. 5. www.conass.org.br   Acesso  a  exames  complementares     Prescrição  dos  medicamentos     Farmácia  do  SUS   SE  AQUI  CONSIDERAMOS  A  FARMÁCIA  COMO  A  "LINHA  DE   CHEGADA”  O  ACESSO  AO  MEDICAMENTO  É  O  PRÊMIO   ESPERADO.   .      
  6. 6. www.conass.org.br  A  disponibilidade  do  medicamento  na  farmácia   também  depende  de  uma  série  de  ações:   •  Seleção   •  Planejamento  das  necessidades   •  Aquisição   •  Entrega  pelo  fornecedor   •  Distribuição             ACESSO  AO   MEDICAMENTO  
  7. 7. www.conass.org.br  Quando  falamos  em  acesso  a  medicamentos  no   SUS  é  necessário  que  se  estabeleça  a  que   medicamentos:     •  A  medicamentos  essenciais  no  SUS  inseridos  na   RENAME  após  submeTdos  as  avaliações   previstas.     Há  áreas  para  as  quais  ainda  se  carece  de  cobertura   na  AF?  Como  se  dará  o  acesso  nesses  casos?    
  8. 8. www.conass.org.br  A  ASSISTÊNCIA  FARMACÊUTICA    SE  ENCERRA  NESTE   ACESSO  AOS  MEDICAMENTOS?     Conforme  a  PNAF  a    AF    “(...)  envolve  um  conjunto  de  ações  voltadas   à  promoção,  proteção  e  recuperação  da  saúde  e  garanTndo  os   princípios  da  universalidade,  integralidade  e  eqüidade”  e  ainda,     “(…)  tendo  o  medicamento  como  insumo  essencial  e  visando  o   acesso  e  ao  seu  uso  racional  (…)”.         As  necessidades  da  AF  não  se  resumem  ao  acesso  a   medicamentos,  abrangendo  um  grupo  abrangente  de  ações.          
  9. 9. www.conass.org.br     EIXOS  ESTRATÉGICOS  da  AF  (PNAF/2004):     •  Manutenção  de  serviços    de  AF  na  rede  pública  de  saúde  (...)   •  Qualificação  dos  serviços  de  AF  na  rede  publica  de  saúde  (...)   •  Descentralização  das  ações  com  definição  das   responsabilidades  das  instâncias  gestoras  mediante  pactuação   (...)   •  Desenvolvimento,  valorização,  fixação,  capacitação  e  formação   de  RH;   •  Modernização  e  aumento  da  capacidade  de  produção  dos   laboratórios  oficiais;   •  UTlização  da  Rename;          
  10. 10. www.conass.org.br     •  Pactuação  e  implementação  de  poliTcas   públicas  e  de  ações  intersetoruais  de  C&T;   •  Desenvolvimento  de  ações  para  uTlização  de   plantas  medicinais  e  fitoterápicos;   •  GaranTa  de  acesso  a  produtos    seguros  e   eficazes;   •  Mecanismos  de  regulação  e  monitoramento   mercado  (Anvisa/CED)   •  Promoção  do  uso  racional  de  medicamentos.  
  11. 11. www.conass.org.br Em  todos  os  eixos  estratégicos  estabelecidos  para  a  AF   houveram  avanços  e  ações  concretas,  com  parDcipação  do   Ministério  da  Saúde,  Secretarias  Estaduais  e  Municipais  de   Saúde.     No  entanto,  relatos  apontam  para  grandes  diferenças  entre  a   situação  da  AF  em  disDntos  estados  e  municípios  em  relação   aos  estágios  de  organização  da  AF  e  acesso  aos   medicamentos.     Por  que  isso  ocorre  ????          
  12. 12. www.conass.org.br Ainda  que  seja  uma  área  complexa,  que   hajam  enormes    diferenças   socioeconômicas,  sanitárias  e   geográficas  no  país,  uma  das  razões   possivelmente  se    relacione  a  questão   do  financiamento  da  saúde  no  país.        
  13. 13. www.conass.org.br   REFLEXOS  DO  SUBFINANCIAMENTO  DA    SAÚDE  NA   ASSISTÊNCIA  FARMACÊUTICA     Não  se  pode  falar  de     •  Acesso  aos  medicamentos   •  Estruturação  jsica  adequada   •  Pessoal  em  número  e  com  formação  compakveis  com  a   necessidade   •  Qualificação  dos  serviços  com  inserção  de  novas  aDvidades     SEM  FINANCIAMENTO  COMPATÍVEL.      
  14. 14. www.conass.org.br OS  FATOS   A  SAÚDE  É  SUBFINANCIADA     A  ASSISTÊNCIA  FARMACÊUTICA    É  SUBFINANCIADA   CONSIDERANDO-­‐SE  OS  DESAFIOS  QUE  SE   APRESENTAM  AOS  GESTORES     É  necessário  maior  aporte  financeiro  para  essa   área:    SAÚDE  +  10      
  15. 15. www.conass.org.br   A  forma  como  os  sistemas  são  financiados   determina  a  atenção  à  saúde  a  ser  ofertada  à   população  e  a  implementação  de  um  sistema   universal,  com  equidade.            
  16. 16. www.conass.org.br DESAFIOS:     •  Cenário  é  de  gastos  crescentes  na  saúde  e  na  assistência   farmacêuTca  e  necessidade  de  uTlizar  da  melhor  forma   os  recursos  disponíveis.   •  O  financiamento  da  AF  no  SUS  se  insere  no   financiamento  global  da  saúde  e  concorre  com  outras   ações,  prioridades  e  programas.     •  Além  de  financiamento  compaqvel  é  preciso  que  os   recursos  ora  disponíveis  sejam  aplicados  em  ações  com   as  quais  se  obtenham  os  melhores  resultados  sanitários.        
  17. 17. www.conass.org.br NOVOS  TEMPOS,  NOVAS  PROPOSTAS  PARA  A  AF     Mudanças  no  perfil  demográfico  e  epidemiológico   da  população  brasileira  e  os  impactos  na  saúde  não   respondem  ao  atual  modelo  de  atenção  à  saúde.     A  mudança  de  modelo  proposta,  na  qual  a  atenção     em  Rede  tendo  a  APS  como  ordenadora  do   cuidado,  tem  a  AF  como  transversal  as  ações  de   atenção  à  saúde.        
  18. 18. www.conass.org.br   •  Assim  a  AF  deve  inserir-­‐se  nesse  movimento  que   se  estrutura  a  parTr  de  um  modelo  de  atenção  à   saúde  em  Rede  de  Atenção  à  Saúde.   •  A  AF    é  transversal  as  demais  ações  de  saúde              
  19. 19. www.conass.org.br A  PERGUNTA  A  SER  RESPONDIDA:     Qual    a    visão  de  futuro  que   temos  para  a  Assistência   Farmacêu=ca  e  quais  as   condições  para  alcançá-­‐la?        
  20. 20. www.conass.org.br OBRIGADA     Lore  Lamb   Assessora  Técnica  do  CONASS   Núcleo  Técnico  de  Assistência  FarmacêuTca   lore@conass.org.br   htp://www.conass.org.br      

×