COIED2_Robots na aula de Matemática

522 visualizações

Publicada em

Apresentação de Boa Prática - Paula Cristina Lopes

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
522
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

COIED2_Robots na aula de Matemática

  1. 1. ROBOTS NA AULA DE MATEMÁTICA: Aprender Estatística com recurso a TecnologiasPaula Cristina Lopes E. B 2, 3 dos Louros Funchal – Madeira ORIENTADORA: Destacada – Projeto CEM Elsa Fernandescrislopes@netmadeira.com Universidade da Madeira elsa@uma.pt
  2. 2. QUESTÃO CENTRAL• Compreender de que forma o uso de tecnologias, com especial enfoque nos robots, como artefactos da aprendizagem, contribuem para que os alunos, desenvolvam a comunicação matemática, o raciocínio matemático e a sua capacidade de resolução de problemas, produzindo significado e incrementando a aprendizagem de tópicos e conceitos matemáticos específicos do 8.º ano de escolaridade.
  3. 3. CONCEITOS MATEMÁTICOS• Analisar de que forma, o uso dos Robots, são facilitadores da aprendizagem o Planeamento Estatístico o Organização e Tratamento de Dados o e muito mais…
  4. 4. CONSTRUÇÃO E IMPLEMENTAÇÃODO CENÁRIO DE APRENDIZAGEM Uma das funções essenciais do professor de matemática é educar matematicamente os seus alunos (Ponte, Serrazina, Guimarães, Brenda, Guimarães, Sousa, Menezes, Martins & Oliveira, 2007)
  5. 5. IMPLEMENTAÇÃO DO CENÁRIO DE APRENDIZAGEM • Uma turma de 8.º ano, de uma E.B. 2 3 da RAM • 9 aulas de 90 minutosOs alunos • Seguiram uma metodologia de trabalho de projeto (Greeno & Middle School Mathematics through Applications Project, 1998) • Trabalharam em grupo, com robots Professora de Matemática Trabalharam em conjunto na Investigadora orientação das tarefas Conduziu as discussões com os alunos
  6. 6. IMPLEMENTAÇÃO DOCENÁRIO DE APRENDIZAGEM• Primeira experiência com o robot da LEGO MINDSTORMS NXT 2.0. e com o seu ambiente de programação LEGO MINDSTORMS LEGO MINDSTORMS NXT RCX
  7. 7. IMPLEMENTAÇÃO DO CENÁRIO DE APRENDIZAGEM• Familiarizaram-se com as componentes do robot  Foram fornecidas instruções para a estrutura base do carro  O aspeto final ficou a cargo de cada grupo
  8. 8. IMPLEMENTAÇÃO DOCENÁRIO DE APRENDIZAGEM• Três momentos de programação e competição  Programaram o robot para correr à volta de quatro mesas dispostas duas a duas (formando um retângulo) Realizaram corridas, em linha reta, de um lado ao outro da sala, sem que o robot tocasse na parede oposta
  9. 9. IMPLEMENTAÇÃO DOCENÁRIO DE APRENDIZAGEM Programaram tendo em atenção que o robot teria que:  iniciar a corrida assim que fosse dado o sinal de partida (sensor de som)  percorrer o troço seguindo a linha preta (sensor de luz)  parar 15cm antes do fim do troço (utilização do sensor ultrassónico)
  10. 10. IMPLEMENTAÇÃO DOCENÁRIO DE APRENDIZAGEM• Criaram um protótipo de um troço de corridas justo  Cada peça do protótipo era 15 vezes mais pequena do que a peça em tamanho real  O troço tinha que caber na sala de aula
  11. 11. IMPLEMENTAÇÃO DOCENÁRIO DE APRENDIZAGEM• Apresentaram o protótipo à turma• Escolheram o troço em que queriam realizar as corridas• Montaram o troço na sala• Realizaram as corridas
  12. 12. IMPLEMENTAÇÃO DOCENÁRIO DE APRENDIZAGEM• Decidiram que:  cada robot teria de correr duas vezes contra cada adversário  uma vez em cada faixa do troço• Cada grupo registou os dados queconsiderou importantes para a definiçãodo vencedor
  13. 13. IMPLEMENTAÇÃO DO CENÁRIO DE APRENDIZAGEM• Com os dados registados:  Encontraram argumentos para escolher o vencedor  Definiram critérios de classificação para os robots  Elaboraram um estudo estatístico sobre os aspetos das corridas  Fizeram um relatório sobre o trabalho realizado  Apresentaram à turma os aspetos que consideraram importantes
  14. 14. CONSIDERAÇÕES EMERGENTESComeçou-se a caracterizar a prática (Wenger, 1998)matemática escolar dos alunosA implementação deste cenário originou uma prática matemáticaescolar com características diferentes das práticas escolares comíndole mais tradicionalOs alunos estiveram engajados na prática e trabalharam comeste propósito comum Realizar e Vencer as Corridas com os Robots Motor impulsionador da prática
  15. 15. CONSIDERAÇÕES EMERGENTES  Os alunos envolveram-se na realização de diferentes tarefas • construir e programar o robot • construir e escolher o troço de corridas • realizar as corridasFoi a grande vontade de realizar e vencer as corridas quemanteve os alunos envolvidos nesta prática Empreendimento conjunto dos alunos (Wenger, 1998)
  16. 16. CONSIDERAÇÕES EMERGENTES Empreendimento conjunto Objetivos do grupo da turma (programar eficazmente e mais (realizar e vencer as corridas) rapidamente que os restantes) Argumentação Desacordo Criação de estratégias propiciouCompetição Justificação de procedimentos Manteve os alunos engajados nas tarefas Parte produtiva do empreendimento
  17. 17. UNIÃO FORTE ENTRE OS ELEMENTOS DO GRUPO DE TRABALHO  Três momentos de programação A programação emergiu pela negociação estabelecida entre os elementos do grupo Nesse processoExistiu um conjunto de significados partilhados e negociados que contribuíram para uma programação eficaz
  18. 18. UNIÃO FORTE ENTRE OS ELEMENTOSDO GRUPO DE TRABALHO  Estabelecimento de critérios de vencedor • Os alunos utilizaram a folha de cálculo para registar, analisar e apresentar os dados Negociação Pesquisa na internet Partilha de ideias Aprendizagem Potencialidades da folha de cálculo Conceitos matemáticos
  19. 19. UNIÃO FORTE ENTRE OS ELEMENTOSDO GRUPO DE TRABALHO Potencialidades da folha de cálculo • Análise dos dados • Apresentação dos dados através de gráficos  De barras  Histogramas  Diagramas de extremos e quartis
  20. 20. RELAÇÕES DE RESPONSABILIDADE MÚTUA Tudo o que fizeram foi negociado e definido pelos alunos na prática que empreenderam Nesse processo existiram Conflitos Tensões Confiança Desconfiança  Encontraram formas que facilitaram o processo  respeitando as diferenças  coordenando as aspirações individuais e do próprio grupo
  21. 21. DURANTE A PRÁTICA Negociação Partilha de ideias e histórias Permissão que trouxessem conhecimentos de outras práticas não escolares Engajamento nas várias tarefasArgumentação Criação de Justificação de estratégias procedimentos
  22. 22. DESENVOLVERAM SIGNIFICADOSRelacionaram Conjugaram Ganharam coerência Gerarem e apropriarem-se de um reportório partilhado (Wenger, 1998)
  23. 23. ROBOTS NA AULA DE MATEMÁTICA: Aprender Estatística com recurso a Tecnologias ORIENTADORA:Paula Cristina Lopes Elsa Fernandes E. B 2, 3 dos Louros Universidade da Madeira Funchal – Madeira elsa@uma.pt Destacada – Projeto CEMcrislopes@netmadeira.com OBRIGADA

×