A PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO CLIMATÉRIO,
É UMA SITUAÇÃO EXTREMAMENTE DESAGRADÁVEL, MAS
MUITO MAIS QUE ISSO CO...
Somando-se a resistina, duas outras moléculas símiles à insulina, RELM-α
e RELM-β com 29 e 37 por % de sequência homóloga ...
atividade do sistema nervoso simpático (o metabolismo de repouso e
termogênese) não podem ser desconsiderados. A participa...
Portanto, a obesidade não significa apenas ingestão descoordenada de
alimentos em faixas etárias diferentes e é muito mais...
3. O período da adolescência é mais associado com o crescer, embora
suas expressões físicas, psicológicas e culturais pode...
VAN DER HAAGEN BRAZI
Instagram
https://instagram.com/clinicascaio/
Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Obesidade e climatério, parceiros inseparáveis mas descartáveis se tratados corretamente.

334 visualizações

Publicada em

Três proteínas, codificadas por genes distintos, têm sido identificadas: PPARα, PPARβ e PPARγ, que controlam a expressão gênica pela ligação a elementos responsivos específicos (PPREs) localizados na região promotora. Estudos recentes sugerem que a ativação do PPARγ pode diminuir a progressão da aterosclerose e aumentar a sensibilidade à insulina, podendo ser um potencial alvo terapêutico para o tratamento de diversas enfermidades, incluindo o diabetes mellitos do tipo 2 e dislipidemia.

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Obesidade e climatério, parceiros inseparáveis mas descartáveis se tratados corretamente.

  1. 1. A PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO CLIMATÉRIO, É UMA SITUAÇÃO EXTREMAMENTE DESAGRADÁVEL, MAS MUITO MAIS QUE ISSO COMPROMETE A SAÚDE DA MULHER DE FORMA RELEVANTE E SUA AUTO-ESTIMA TAMBÉM INFLUENCIADA PELA IDADE E NÃO PELO ESTADO MENOPAUSAL SOMENTE. A ASSOCIAÇÃO ENTRE O ESTADO MARITAL E A PREOCUPAÇÃO COM O IMC REFORÇA A HIPÓTESE DE QUE A SAÚDE DA MULHER CLIMATÉRICA NÃO É INFLUENCIADA APENAS POR FATORES BIOLÓGICOS, MAS TAMBÉM POR FATORES PSICOSSOCIAIS E ESTILO DE VIDA. A etiologia da obesidade é multifatorial e ainda não estão claros todos os fatores. Os fatores genéticos desempenham um papel significativo e incluem vários genes candidatos: polimorfismos de genes para ss (2) adrenorreceptor, resistina (a molécula de Resistina (Resistin), produzida no tecido adiposo, tem sido envolvida no fator de resistência a insulina tanto no diabetes quanto na obesidade. A resistina pode ser o possível elo de ligação entre diabetes e obesidade.
  2. 2. Somando-se a resistina, duas outras moléculas símiles à insulina, RELM-α e RELM-β com 29 e 37 por % de sequência homóloga a nível proteico são produzidas no tecido adiposo e no intestino, respectivamente), um receptor de estrogênio e ativado pelo proliferador de peroxissoma gama do receptor (os receptores ativados por proliferadores de peroxissoma (PPARs) são fatores de transcrição pertencentes à família de receptores nucleares que regulam a homeostase da glicose, metabolismo de lipídeos e inflamação. Três proteínas, codificadas por genes distintos, têm sido identificadas: PPARα, PPARβ e PPARγ, que controlam a expressão gênica pela ligação a elementos responsivos específicos (PPREs) localizados na região promotora. Estudos recentes sugerem que a ativação do PPARγ pode diminuir a progressão da aterosclerose e aumentar a sensibilidade à insulina, podendo ser um potencial alvo terapêutico para o tratamento de diversas enfermidades, incluindo o diabetes mellitos do tipo 2 e dislipidemia. Esta revisão destaca os estudos recentes e os avanços das principais funções que esse receptor desempenha no metabolismo, com ênfase nos mecanismos moleculares e eficácia terapêutica). Além disso, os peptídeos que regulam a fome e a saciedade, p. ex., a leptina, galanina, colecistoquinina, o neuropeptídeo Y, e os padrões nutricionais alterados foram implicados. Além disso, fatores associados ao envelhecimento, p. ex., diminuição dos níveis de hormônio do crescimento hGH (fator-relevante), dehidroepiandrosterona, e a
  3. 3. atividade do sistema nervoso simpático (o metabolismo de repouso e termogênese) não podem ser desconsiderados. A participação dos esteróides sexuais e fatores inflamatórios também tem sido postulados na etiologia da obesidade. Três fenótipos de obesidade são postulados, no entanto, a obesidade visceral (abdominal) fenótipo é típico de mulheres na pós-menopausa (mas fiquem atentos pois a obesidade abdominal ultimamente não escolhe gêneros e nem idades, embora possa ser por mecanismos e causas diversas, e é caracterizada por vários distúrbios metabólicos com riscos elevados de diabetes mellitus tipo 2 e também doenças cardiovasculares. Com base na experiência de pesquisadores, dados clínicos e dados de medicina baseada em evidências, os algoritmos de diagnóstico-terapêuticas de climatério obesidade são apresentados como fatores frequentes, que comprometem de forma significativa o sistema metabólico e toda a fisiologia orgânica.
  4. 4. Portanto, a obesidade não significa apenas ingestão descoordenada de alimentos em faixas etárias diferentes e é muito mais complexa e devastadora do que se possa pensar. Em sendo assim leve em consideração que apesar da gravidade dessas moléstias, seja a obesidade em suas diversas formas, principalmente a abdominal, além do climatério e menopausa. A medicina tem evoluído de forma logarítmica e dado alento a pessoas que sofrem de forma indescritível com essas patologias e que os meandros logísticos, metabólicos de nossos organismos sempre acham meios eficientes para minorar tão grande mal, pois a prevenção dessas doenças é a melhor forma de evitar patologias que com o passar dos anos se agravam e a normalização simulatória da reposição podem evitar ou minorar o agravamento desagradável mas retroativo em parte. Dr. João Santos Caio Jr. Endocrinologia – Neuroendocrinologista CRM 20611 Dra. Henriqueta V. Caio Endocrinologista – Medicina Interna CRM 28930 Como saber mais: 1. O desenvolvimento das diversas fases características de cada etapa da idade da criança seja de criança para infantil, de infantil para juvenil, de juvenil para adolescente, de adolescente para pré-pubere e de pré- púbere para púbere... http://hormoniocrescimentoadultos.blogspot.com. 2. Na adolescência (do latim adolescere, que significa "crescer") é uma fase de transição física e psicológica do desenvolvimento humano, que geralmente ocorre durante o período de puberdade para a fase legal da idade adulta (idade da maioridade)... http://longevidadefutura.blogspot.com
  5. 5. 3. O período da adolescência é mais associado com o crescer, embora suas expressões físicas, psicológicas e culturais podem começar mais cedo e terminar mais tarde... http://imcobesidade.blogspot.com AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA. Referências Bibliográficas: Caio Jr, João Santos, Dr.; Endocrinologista, Neuroendocrinologista, Caio,H. V., Dra. Endocrinologista, Medicina Interna – Van Der Häägen Brazil, São Paulo, Brasil; Hill JO, Wyatt HR, Reed GW, Peters JC. Obesity and the environment: where do we go from here? Science. 2003;299(5608):853-5; Monteiro CA, D'A Benício MH, Conde WL, Popkin BM. Shifting obesity trends in Brazil. Eur J Clin Nutr. 2000;54(4):342-6; Lins APM, Sichieri R. Influência da menopausa no índice de massa corporal. Arq Bras Endocrinol Metab. 2001;45(3):265-70; Tremollières FA, Pouilles JM, Ribot CA. Relative influence of age and menopause on total and regional body composition changes in postmenopausal women. Am J Obstet Gynecol. 1996;175(6):1594-600; Jousilahti P, Vartiainen E, Tuomilehto J, Puska P. Sex, age, cardiovascular risk factors, and coronary heart disease: a prospective follow-up study of 14 786 middle-aged men and women in Finland. Circulation. 1999;99(9):1165-72; Must A, Spadano J, Coakley EH, Field AE, Colditz G, Dietz WH. The disease burden associated with overweight and obesity. JAMA. 1999;282(16):1523-9; Zaffari D, Pfaffenzeller A. Assistência nutricional no climatério. In: Almeida ABR, editor. Reavaliando o climatério: enfoque atual e multidisciplinar. São Paulo: Atheneu; 2003. p. 367-81; Nahas EAP, Pontes A, Nahas Neto J, De Lucca LA. A relação entre obesidade, menopausa e terapia hormonal. Reprod Clim. 1998;13(1):28-31; Rodrigues de Lima G, Baracat EC. Síndrome do climatério. In: Rodrigues de Lima G, Baracat EC, editores. Ginecologia endócrina. São Paulo: Atheneu; 1995. p. 253-98; De Lorenzi DRS, Danelon C, Saciloto B, Padilha Junior I. Fatores indicadores da sintomatologia climatérica. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005;27(1):7-11; Simkin-Silverman LR, Wing RR, Boraz MA, Kuller LH. Lifestyle intervention can prevent weight gain during menopause: result from a 5-year randomized clinical trial. Ann Behav Med. 2003;26(3):212-20; Fernandes AMS, Leme LCP, Yamada EM, Sollero CA. Avaliação do índice de massa corpórea em mulheres atendidas em ambulatório geral de ginecologia. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005;27(2):69-74; Sociedade Brasileira de Cardiologia. III Diretrizes Brasileiras sobre Dislipidemias e Diretriz de Prevenção da Aterosclerose. Arq Bras Cardiol. 2001;77 Supl 3:1-48. Site Van Der Häägen Brazil www.vanderhaagenbrazil.com.br www.clinicavanderhaagen.com.br www.crescimentoinfoco.com www.obesidadeinfoco.com.br http://drcaiojr.site.med.br http://dracaio.site.med.br Joao Santos Caio Jr http://google.com/+JoaoSantosCaioJr google.com/+JoãoSantosCaioJrvdh google.com/+VANDERHAAGENBRAZILvdh Video http://youtu.be/woonaiFJQwY
  6. 6. VAN DER HAAGEN BRAZI Instagram https://instagram.com/clinicascaio/ Google Maps: http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=- 23.578256,46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie =UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t = h&z=17

×