O INDIVÍDUO QUE APRESENTA HIPERTIREOIDISMO SUBCLÍNICO RARAMENTE EVOLUI PARA HIPERTIREOIDISMO CLÍNICO

470 visualizações

Publicada em

Apenas uma pequena porcentagem dos pacientes com hipertireoidismo subclínico desenvolvem hipertireoidismo clínico. A grande maioria pode permanecer com a doença na forma subclínica ou voltar ao normal, em proporções semelhantes.Tem-se estudado a história natural dohipertireoidismo subclínico endógeno (alterações produzidas pelo organismo) e se observou que a condição é definida por um nível baixo ou indetectável de hormônio tireoestimulante (TSH), mas com tetraiodotironina (T4 livre), triiodotironina (T3 e T3 livre) em concentrações na faixa da normalidade

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

O INDIVÍDUO QUE APRESENTA HIPERTIREOIDISMO SUBCLÍNICO RARAMENTE EVOLUI PARA HIPERTIREOIDISMO CLÍNICO

  1. 1. Dr. João Santos Caio Jr - CRM 20.611 Neuro-Endocrinologista Clínico Dra. Henriqueta V Caio - CRM 28.960 Endocrinologista Clínico O INDIVÍDUO QUE APRESENTA HIPERTIREOIDISMO SUBCLÍNICO RARAMENTE EVOLUI PARA HIPERTIREOIDISMO CLÍNICO, MAS MESMO ASSIM DEVE FAZER ACOMPANHAMENTO COM ENDOCRINOLOGISTA POIS UM PERCENTUAL DELES DESENVOLVE HIPERTIREOIDISMO CLÍNICO QUE TEM CONSEQUÊNCIAS QUE DEVEM SER CONTROLADAS. Apenas uma pequena porcentagem dos pacientes comhipertireoidismo subclínico desenvolvem hipertireoidismo clínico. A grande maioria pode permanecer com a doença na forma subclínica ou voltar ao normal, em proporções semelhantes.Tem-se estudado a história natural dohipertireoidismo subclínico endógeno (alterações produzidas pelo organismo) e se observou que a condição é definida por um nível baixo ou indetectável de hormônio tireoestimulante (TSH), mas com tetraiodotironina (T4 livre), triiodotironina (T3 e T3 livre) em concentrações na faixa da normalidade. Foram pesquisados 2.024 casos de hipertireoidismo subclínico endógeno. Desse grupo, 1.507 foram classificados como tendo hormônio tireoestimulante (TSH) baixo e 417 como tendo hormônio tireoestimulante (TSH) indetectável, e destes 100 indivíduos foram separados de cada grupo para a pesquisa.O acompanhamento variou por um período de quatro meses a 16 anos, com media de 4,3 anos. A progressão para hipertireoidismo clínico no primeiro ano, indicado por um tratamento clínico da tireóide ou por cirurgia, ocorreu em 4,7% dos pacientes com hormônio tireoestimulante (TSH) baixo e 10,2% daqueles com hormônio tireoestimulante (TSH) indetectável. Se acredita que os que progrediram para hipertireoidismo clínico, provavelmente tiveram início incipiente de hipertireoidismo primário. Entre os pacientes que não fizeram qualquer tratamento para hipertireoidismo subclínico, as taxas de regressão ao estado datireóide normal, ocorreram da seguinte forma, nos primeiros 2 anos 17.2% regrediu, até o 5º ano 31.5% regrediu e até o 7º ano 35.6% regrediu. As taxas correspondentes de hipertireoidismo subclínico estáveis foram 81,8%, 67,5% e 63,0%. Apenas 0,6%, 0,7% e 0,5% dos pacientes que
  2. 2. Dr. João Santos Caio Jr - CRM 20.611 Neuro-Endocrinologista Clínico Dra. Henriqueta V Caio - CRM 28.960 Endocrinologista Clínico permaneceram na pesquisa desenvolveram hipertireoidismo clínico. É recomendado fazer o controle regular dos testes laboratoriais defunção da tireóide, possivelmente, a cada seis meses, para pacientes com hipertireoidismo subclínico. Além disso, não está claro se existem eventuais sequelas. Não se sabe as conseqüências clínicas a longo prazo do hipertireoidismo subclínico, mas esse é um aspecto que tem sido pesquisado ostensivamente para se obter uma resposta o mais breve possível. Outras pesquisas sugeriram um possível risco de doença cardiovascular, fraturas, arritmias e, possivelmente, a demência, embora esses dados não sejam definitivos e esperamos que nossa pesquisa ajude a solucionar esses pontos conflitantes. Portanto um indivíduo que apresente hipertireoidismo subclínico deve fazer acompanhamento médico com endocrinologista. AUTORES PROSPECTIVOS Dr. João Santos Caio Jr. Endocrinologia – Neuroendocrinologista CRM 20611 Dra. Henriqueta V. Caio Endocrinologista – Medicina Interna CRM 28930 Como Saber Mais: 1. Apenas uma pequena porcentagem dos pacientes com hipertireoidismo subclínico desenvolvem hipertireoidismo clínico... http://tireoidecontrolada.blogspot.com http://tireoidecontrolada.blogspot.com 2. A condição é definida por um nível baixo ou indetectável de hormônio tireoestimulante (TSH), mas com tetraiodotironina (T4 livre), triiodotironina (T3 e T3 livre) em concentrações na faixa da normalidade...
  3. 3. Dr. João Santos Caio Jr - CRM 20.611 Neuro-Endocrinologista Clínico Dra. Henriqueta V Caio - CRM 28.960 Endocrinologista Clínico http://hipertireoidismo.blogspot.com 3. As taxas correspondentes de hipertireoidismo subclínico estáveis foram, 81.8%, 67.5% e 63.0%... AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA. Referências Bibliográficas: J Clin Endocrinol Metab. Posted outubro 6, 2010. Dr. Graham Leese; Dr. Thenmalar Vadiveloo e outros colegas da Universidade de Dundee. Site Van Der Häägen Brazil www.vanderhaagenbrazil.com.br www.clinicascaio.com.br www.crescimentoinfoco.com www.obesidadeinfoco.com.br http://drcaiojr.site.med.br http://dracaio.site.med.br Joao Santos Caio Jr http://google.com/+JoaoSantosCaioJr Video http://youtu.be/woonaiFJQwY Google Maps: http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie =UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t = h&z=17

×