Deficiência GH determinantes da resistência Óssea que podem ser afetados principalmente por DGH

454 visualizações

Publicada em

O módulo de seção, um índice de força dos ossos, foi calculado da largura da diáfise a partir do úmero e do fêmur medidas obtidas a partir de radiografias seriais. As larguras musculares do antebraço e coxa, também medidas radiograficamente, foram utilizadas para estimar as áreas transversais musculares. O tamanho do corpo foi avaliado como o produto do peso corporal e do comprimento do úmero ou do fêmur.

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Deficiência GH determinantes da resistência Óssea que podem ser afetados principalmente por DGH

  1. 1. Dr. João Santos Caio Jr - CRM 20.611 Neuro-Endocrinologista Clínico Dra. Henriqueta V Caio - CRM 28.960 Endocrinologista Clínico A VELOCIDADE DE CRESCIMENTO INFANTIL, JUVENIL EM FORÇA FEMORAL FOI FORTEMENTE CORRELACIONADA COM A VELOCIDADE DE CRESCIMENTO EM PESO CORPORAL. O COMPRIMENTO DO FÊMUR MUITO POUCO CORRELACIONADO COM A VELOCIDADE DE CRESCIMENTO EM ESTATURA, E FRACAMENTE, MAS SIGNIFICATIVAMENTE CORRELACIONADA COM A VELOCIDADE DE CRESCIMENTO NO TAMANHO DO MÚSCULO DA COXA Em uma pesquisa efetuada recentemente Centro de Anatomia Funcional e Evolução da Faculdade de Medicina, Baltimore, EUA Universidade Johns Hopkins em uma amostra longitudinal de 20 indivíduos, medida uma média de 34-35 vezes em intervalos de aproximadamente 6 meses sendo a 1ª medida próxima ao nascimento até o final da adolescência, foi utilizada para investigar as relações entre o tamanho do corpo, o tamanho do músculo e desenvolvimento estrutural do osso. O módulo de seção, um índice de força dos ossos, foi calculado da largura da diáfise a partir do úmero e do fêmur medidas obtidas a partir de radiografias seriais. As larguras musculares do antebraço e coxa, também medidas radiograficamente, foram utilizadas para estimar as áreas transversais musculares. O tamanho do corpo foi avaliado como o produto do peso corporal e do comprimento do úmero ou do fêmur. A estatura também foi investigada como uma medida do tamanho do corpo substituto. A velocidade de crescimento em força femoral foi fortemente correlacionada com a velocidade de crescimento em peso corporal. O
  2. 2. Dr. João Santos Caio Jr - CRM 20.611 Neuro-Endocrinologista Clínico Dra. Henriqueta V Caio - CRM 28.960 Endocrinologista Clínico comprimento do fêmur (r2 = 0,65-0,80), foi muito pouco correlacionado com a velocidade de crescimento em estatura (r2 <0,06), e fracamente, mas significativamente correlacionada com a velocidade de crescimento no tamanho do músculo da coxa (r2 = 0,10-0,25). A velocidade de crescimento na força do úmero foi moderadamente correlacionada com que o peso do corpo x o comprimento do úmero (r2 = 0,40-0,73), muito pouco correlacionadas com a estatura (r2 <0,05), e mostrou uma diferença marcada entre os sexos com velocidade da área do músculo do antebraço, com homens que têm uma correlação mais forte (r2 aproximadamente 0,65) e as fêmeas uma correlação muito mais fraca (r2 aproximadamente 0,15). A idade em velocidade de crescimento no adolescente o pico não foi significantemente diferente entre a força dos ossos, o peso do corpo x o comprimento do osso, e a área do músculo, mas significativamente mais cedo para a estatura. Assim, enquanto houve um início de atraso no adolescente ("lag") (entre a estatura e a força dos ossos, não havia nenhum "lag" (atraso) entre uma medida mais mecanicamente apropriada de tamanho corporal e força dos ossos. Os "picos na infância" em velocidades de força óssea, com início no úmero e não no fêmur e não acompanhado por mudanças similares no tamanho do corpo, pode ser o resultado do início do trajeto, quando as cargas mecânicas em relação ao tamanho do corpo estão mudando, tanto na parte superior quanto nos membros inferiores. Estes resultados sustentam fortemente a importância dos fatores mecânicos no desenvolvimento do esqueleto pré-adulto. O tamanho do fêmur é o elemento mais importante no membro inferior do esqueleto do que a força muscular, enquanto que tanto o tamanho do úmero e sua força muscular são importantes no membro superior, especialmente nos indivíduos do sexo masculino.
  3. 3. Dr. João Santos Caio Jr - CRM 20.611 Neuro-Endocrinologista Clínico Dra. Henriqueta V Caio - CRM 28.960 Endocrinologista Clínico THE GROWTH OF BONE STRENGTH, BODY SIZE AND SIZE MUSCLE IN A SAMPLE OR LINEAR LONGITUDINAL YOUTH. SPEED OF GROWTH FOR CHILD AND YOUTH IN FEMORAL FORCE WAS STRONGLY CORRELATED WITH THE SPEED OF GROWTH IN BODY WEIGHT. FEMUR LENGTH CORRELATED WITH VERY LITTLE SPEED GROWTH IN HEIGHT, AND WEAKLY BUT SIGNIFICANTLY CORRELATED WITH THE SPEED GROWTH IN SIZE OF THIGH MUSCLE: PHYSIOLOGY- ENDOCRINOLOGY-NEUROENDOCRINOLOGY-GENETICS-ENDOCRINE- PEDIATRICS (SUBDIVISION OF ENDOCRINOLOGY): DR. JOÃO SANTOS CAIO JR. ET DRA. HENRIQUETA V. CAIO. In a survey recently conducted Johns Hopkins Center for Functional Anatomy and Evolution, School of Medicine, Baltimore, USA in a longitudinal sample of 20 individuals, as an average of 34-35 times each at intervals of approximately 6 months of birth to close late adolescence, was used to investigate the relationships between body size, muscle size and structural bone development. The section modulus, an index of bone strength, was calculated from the humerus and femur diaphysis width measurements obtained from serial radiographs. Muscle of the forearm and thigh widths also measured radiographically were used to estimate the transverse muscle areas. The body size was evaluated as the product of the weight and length of the bone (femoral or humeral). Height was also investigated as a measure of the size of the replacement body. Growth velocity in femoral strength was strongly correlated with growth rate in body weight. Femur length (r2 =
  4. 4. Dr. João Santos Caio Jr - CRM 20.611 Neuro-Endocrinologista Clínico Dra. Henriqueta V Caio - CRM 28.960 Endocrinologista Clínico 0.65-0.80), very little correlated with growth rate in height (r2 < 0.06), and weakly but significantly correlated with growth rate in size of thigh muscle (R2 = 0.10-0.25). The rate of growth in the strength of the humerus was moderately correlated with the body weight x length of the humerus (r2 = 0.40 to 0.73), very little correlated with that for height (r2 < 0.05), and showed a marked sex difference with speed forearm muscle area, with men having a stronger correlation (r2 approximately 0.65) and females a much weaker correlation (r2 ~ 0.15). Age at peak growth velocity teenagers were not significant different between bone strength, body weight x bone length and muscle area, but significantly earlier for height. So while there was an early delay teenager (“lag”) (between height and bone strength, there was no delay (“lag”) between such a more mechanically appropriate measure of body size and bone strength. “Peaks in childhood” at speeds of bone strength at the beginning of the humerus than in the femur and not accompanied by similar changes in body size, may be the result of the beginning of the tour, when the mechanical loads in relation to body size are changing both. The upper and lower limbs. These results argue strongly for the importance of mechanical factors in skeletal development pre-the adult body size is the most important element of the skeleton of the lower limb weight-bearing, while both the size of body and muscle strength are important in the upper limb, especially in men. Dr. João Santos Caio Jr. Endocrinologia – Neuroendocrinologista CRM 20611 Dra. Henriqueta V. Caio Endocrinologista – Medicina Interna CRM 28930 Como saber mais: 1. As formas menos severas de deficiência parcial do GH-hormônio de crescimento (DPGH) são descritas com menos características anormais além da baixa estatura longitudinal ou linear e atraso de idade óssea... http://hormoniocrescimentoadultos.blogspot.com 2. Há um aumento da incidência de hiperlipidemia com elevação do
  5. 5. Dr. João Santos Caio Jr - CRM 20.611 Neuro-Endocrinologista Clínico Dra. Henriqueta V Caio - CRM 28.960 Endocrinologista Clínico colesterol total e da lipoproteína de baixa densidade (LDL) na deficiência do GH-hormônio de crescimento (DGH)... http://longevidadefutura.blogspot.com 3. A deficiência de GH-hormônio de crescimento (DGH) em recém- nascidos e crianças pequenas também pode ocasionar hipoglicemia sintomática e convulsões; se ocorrer associação com deficiência de ACTH, a hipoglicemia será severa... http://imcobesidade.blogspot.com AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA. Referências Bibliográficas: Caio Jr, João Santos, Dr.; Endocrinologista, Neuroendocrinologista, Caio,H. V., Dra. Endocrinologista, Medicina Interna – Van Der Häägen Brazil, São Paulo, Brasil; Tanner JM, Hughes PCR, Whitehouse RH. Radiograficamente determinadas larguras do músculo do osso e gordura na parte superior do braço e panturrilha de idade 3-18 anos. Ann Hum Biol 1981; 8:495-517;Beck TJ, Mourtada FA, Ruff CB, Scott WW, Kao G. Experimental teste de um modelo de viga curva DEXA derivado do proximal fêmur. J Orthop Res 1998; 16:394-8; Klenerman L, Swanson SAV, Freeman março Um método para o estimativa clínica da resistência de um osso. Proc R Soc Med 1967; 60:10-14; Myers ER, Hecker AT, Rooks DS, Hipp JA, Hayes WC. Geométrico variáveis de DXA do raio prever carga de fratura antebraço em vitro. Calcif Tissue Int 1993; 52:199-204; Sievanen H, Kannus P, Nieminen V, Heinonen A, Oja P, Vuori I. Estimativa de várias características mecânicas dos ossos humanos usando a energia de emissão dupla de raios-X: metodologia e precisão.Osso 1996; 18:17 S-27S; E Schoenau, Neu CM, Rauch F, Manz F. O desenvolvimento do osso força no raio proximal durante a infância e adolescência.J Clin Endocrinol Metab 2001; 86:613-618; Summer DR, Andriacchi TP. Adaptação ao diferencial de carga: com comparação de alterações relacionadas com o crescimento em propriedades transversais do fêmur humano e úmero. Osso 1996; 19:121-126; McCammon RW. Crescimento e desenvolvimento humano. Springfield, IL: Thomas, 1970; Maresh MM. Crescimento das principais ossos longos em crianças saudáveis. Am J Dis Child 1943; 66:227-257; Maresh MM. O crescimento linear dos ossos longos das extremidades da infância até a adolescência. Am J Dis Child 1955; 89:725-742; Green WT, Wyatt GM, Anderson M. Orthoroentgenography como método de medição dos ossos dos membros inferiores. J Bone Joint Surg 1946. Site Van Der Häägen Brazil www.vanderhaagenbrazil.com.br www.clinicascaio.com.br www.crescimentoinfoco.com www.obesidadeinfoco.com.br http://drcaiojr.site.med.br http://dracaio.site.med.br Joao Santos Caio Jr
  6. 6. Dr. João Santos Caio Jr - CRM 20.611 Neuro-Endocrinologista Clínico Dra. Henriqueta V Caio - CRM 28.960 Endocrinologista Clínico http://google.com/+JoaoSantosCaioJr Video http://youtu.be/woonaiFJQwY Google Maps: http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=V an+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=- 23.578256,46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie =UTF8&ll=- 23.575591,-46.650481&spn=0,0&t = h&z=17

×