Scouting no Futebol - Estrutura Relatório de Jogo

2.725 visualizações

Publicada em

Scouting no Futebol
Estrutura base essencial para realizar um relatório de jogo.

Publicada em: Esportes
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.725
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
532
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
110
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Scouting no Futebol - Estrutura Relatório de Jogo

  1. 1. GRUPO DESPORTIVO CORUCHENSE OBSERVAÇÃO PRÓXIMO ADVERSÁRIO GD BENAVENTE
  2. 2. RESULTADOS ÚLTIMOS 5 JOGOS vs Barrosense (C) 1-3 vs Cartaxo (C) 1-0 vs Rio Maior (F) 2-1 vs U. Santarém (C) 1-1 vs Mação (F) 1-0 ÚLTIMOS 5 JOGOS FORA vs Empregados 2-1 vs Amiense 2-1 vs Pontével * 1-1 vs Rio Maior 2-1 vs Mação 1-0 CAMPEONATO TAÇA * 10º (16 Pontos) Eliminados (Fase de Grupos)
  3. 3. CONTEXTUALIZAÇÃO Objetivo: Manutenção Plantel: Misto entre jogadores experientes e com anos de clube, com jogadores da formação (alguns ainda juniores). Estádio: Portas do Sol (Relvado Natural) Outros: Jogadores castigados na jornada observada e titulares em jogos anteriores: António Maia 6 Defesa Cláudio Cardoso 20 Defesa/Médio
  4. 4. SISTEMA TÁTICO (INICIAL) 1x4x4x1x1 71’ 77’ 85’
  5. 5. SISTEMA TÁTICO (FINAL) 1x3x5x2
  6. 6. PROCESSO OFENSIVO Método: composto (ataque rápido/ataque organizado)  Nos pontapés de baliza, colocação preferencial no corredor esquerdo, onde avançado veio disputar no ar. Objetivo principal de pentear para entrada nas costas da defesa. Se não for possível, apoio frontal para ataque organizado. Lateral direito não realiza concentração.  Algumas tentativas de saída pelos centrais. Sem objetividade e com o central a quem foi dirigido o passe a colocar rapidamente na frente (sem critério). Explorar a incapacidade técnica dos centrais.
  7. 7. PROCESSO OFENSIVO  Em momento de organização, tendência em lateralizar o jogo. Com bola no lateral, extremo aproxima por dentro e médio ofensivo faz diagonal para o corredor. Extremo do lado oposto por dentro. Miguel Frieza (25) o mais influente.  Avançado a dar pouca profunidade, oferecendo quase sempre uma linha de passe frontal.  Com bola no corredor em zona adiantada do terreno, cruzamento à procura do segundo poste (avançado). Extremo mais atrás.
  8. 8. TRANSIÇÃO DEFENSIVA  Algumas perdas de bola no corredor central, lentidão da decisão pelo nº 17 Paulo Coelho (perda durante a progressão).  Avançado muito ativo após perda de bola, muitas vezes compensando desposicionamento do nº 17.
  9. 9. ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA  Equipa adversária com facilidade em sair deste trás. Com a equipa colocada no sistema base (4x4x1x1), avançado e médio-ofensivo não dividiam o espaço para defender.  Restante equipa colocada entre no sector médio-defensivo.
  10. 10. ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA  Basculação em função da bola. Extremo direito preso à mentalidade HxH, acompanhando movimento lateral avançado. Muito espaço proporcionado para um dos médios aparecer livre para circulação em igualdade numérica (2x2).
  11. 11. ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA  Marcação HxH nas duas linhas defensivas, com acompanhamento dos movimentos de médios e avançados – espaço concedido para entradas.  No corredor e perto da área, dificuldades em controlar trocas entre extremos/laterais, muito espaço concedido para cruzamentos.
  12. 12. TRANSIÇÃO OFENSIVA  Recuperação no corredor central. Não sendo possível organizar, centrais e médios colocam longo nas costas da defesa adversária.
  13. 13. ESQUEMAS TÁTICOS OFENSIVOS CANTO LIVRE Jogadores-alvo: Ganhão, Paulo Coelho e Daniel Executante: Miguel Frieza
  14. 14. ESQUEMAS TÁTICOS OFENSIVOS PONTAPÉ SAÍDA LANÇAMENTO
  15. 15. ESQUEMAS TÁTICOS DEFENSIVOS CANTO LIVRE Método: Misto (zona primeiro poste; HxH marca penalty). Método: Individual (HxH)
  16. 16. ANÁLISE INDIVIDUAL 1. Sebastião Esquerdino. Algumas dificuldes em passes longos. Facilidade em sair da área, fazendo de “líbero”. 6. António Jovem, arrisca pouco. Problemas com recepção de bola. 4. Ganhão Alto e possante, boa capacidade no jogo aéreo. Tenta sair a jogar, mas sem qualidade técnica para executar. 16. Mauro Central do lado esquerdo, apesar de destro. Limitado tecnicamente mas forte na disputa aérea. 15. Fred Ultrapassado no 1x1. Pouca profundidade. 17. Paulo Coelho Alto, possante e lento. Algumas tentativas de progressão facilmente anuladas. 25. Miguel Frieza Boa capacidade de passe, referência no meio-campo. Jovem, não muito alto mas não se esconde do duelo. 3. Luís “Gasolina” Combativo e rápido, não dá uma bola por perdida. Dificuldade na transição defensiva.
  17. 17. ANÁLISE INDIVIDUAL 7. Carlos David Bom tecnicamente mas algo afastado do jogo. 22. João Fernandes Capacidade de luta e a aperecer no espaço solicitado. Algumas dificuldades nas combinações diretas. 23. Dani Lopes Rápido e voluntarioso. Tenta oferecer linha de passe e não foge do duelo, no chão (transição defensiva forte) ou no ar. 14. Caixeiro Acrescentou pouco. 30. Rui Pinto Jovem, entrou e perdou algumas bolas nos duelos a meio-campo. Boa capacidade de passe. 67. Arranhado Pouco tempo em campo. Jogador alto, referência nos momentos finais para jogo direto.

×