O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Estratégia para minimizar a infeção causada por Phythophthora cinnamomi

330 visualizações

Publicada em

Presentación llevada a cabo por Ana Cristina Marcelino de INIAV Portugal en el FORO INIA TEMÁTICO DE COLABORACIÓN PÚBLICO-PRIVADA No 18: LA SECA celebrado el 3 de Julio de 2014 en la sede de CICYTEX en Mérida.

Publicada em: Ciências
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Estratégia para minimizar a infeção causada por Phythophthora cinnamomi

  1. 1. Foro I+D+i Ana Cristina Moreira Av. da República, Quinta do Marquês, 2784-505 Oeiras, Portugal
  2. 2. Os resultados indicam que existem factores que influenciam a ocorrência de P. cinnamomi:  Tipo de solo (texturas com elevados níveis de argila e limo)- solos esqueléticos e com baixos a muito baixos níveis de nutrientes (fósforo e MO);  Situação do povoamento/montado (exposição a sul influencia a actividade de P. cinnamomi e a expressão do declínio e morte nas árvores);  O estracto sob-coberto (muitas espécies presentes nestes povoamentos encontram-se infectadas, embora não apresentem sintomas);  Entre 1995-2005 observou-se um aumento frequência do patogénio, em particular nas regiões do sul. ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS EM PORTUGAL ASSOCIADOS A Phytophthora cinnamomi INIAV-UALG
  3. 3. ESTUDOS DE PATOGENICIDADE E DA INFECÇÃO POR Phytophthora cinnamomi NOS TECIDOS DE SOBREIRO E AZINHEIRA  A infecção conduz à destruição das raízes por intensa invasão do cilindro vascular nas duas espécies;  A azinheira é mais susceptível à infecção por P. cinnamomi do que o sobreiro. O patogénio coloniza com maior rapidez e com maior número de hifas as raízes da azinheira, atingindo o cilindro vascular em 24 horas. Hifas de P. cinnamomi INIAV
  4. 4. IMPACTO DE P. CINNAMOMI NA SOBREVIVÊNCIA DE PLÂNTULAS DE SOBREIRO NUM SOLO NATURALMENTE INFESTADO APFSC-INIAV2004
  5. 5. 2013  Os resultados mostram que existem factores locais que podem influenciar a incidência da doença:  Existem diferenças significativas entre as parcelas, quer no desenvolvimento das plantas, quer no número de plantas sobreviventes.  A proveniência das plantas também evidenciou influência no seu comportamento. IMPACTO DE P. CINNAMOMI NA SOBREVIVÊNCIA DE PLÂNTULAS DE SOBREIRO NUM SOLO NATURALMENTE INFESTADO
  6. 6. SNI+CVEG SNI+MYC SNI HOLM OAK SNI SNI+MYC SNI+CVEG CORK OAK EFEITO DO COMPOSTO VEGETAL E DE FUNGOS MICORRÍZICOS NA SOBREVIVÊNCIA DE PLÂNTULAS DE SOBREIRO E AZINHEIRA NUM SOLO NATURALMENTE INFESTADO COM P. CINNAMOMI  No solo com o composto as plantas evidenciaram um melhor desenvolvimento e a % da mortalidade foi menor;  Os fungos micorrízicos testados (Pisolithus tinctorius e Scleroderma verrucosum) não melhoraram a sobrevivência das plantas quando comparada com as plantas do solo naturalmente infestado (SNI);  A mortalidade dos sobreiros aumentou ao longo do tempo INIAV
  7. 7. PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE MONTADO (ALENTEJO-OURIQUE) ACPA-INIAV (Equipa pluridisciplinar) Objectivo principal: Recuperar uma área de 652 ha de Montado localizada no Baixo Alentejo-Ourique. •aumento da densidade do arvoredo existente •recuperação vegetativa das árvores adultas Esta área possui : •Leptossolos / Regossolos (solos derivados de xistos e / ou grauvaques) áreas planas de menor declive •Luvissolos Férricos (solos avermelhados de "ranãs“) Solos com baixa capacidade produtiva
  8. 8. PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE MONTADO (ALENTEJO-OURIQUE)- PARCELAS 1- M-V-VM-T 2- T-M-V-VM 3- VM-T-M-V 4- V-VM-T-M 5- M-V-VM-T 6- V-VM-T-M 7- M-V-VM-T 8- T-M-V-VM 9- VM-T-M-V 10- V-VM-T-M 1- T-VM-V-M 2- VM-V-T-M 3- M-VM-V-T 4- V-T-M_VM 5- VM-M-T-V 6- VM-M-V-T 7- T-V-M-VM 8- V-M-T-VM 9- M-T-VM-V 10- M-VM-V-T 1- M-V-VM-T 2- VM-V-M-T 3- M-T-VM-V 4- VM-V-M-T 5- VM-V-M-T 6- V-VM-T-M 7- V-T-VM-M 8- VM-M-V-T 9- M-T-V-VM 10- V-VM-T-M Plot I Plot II Plot III A-S. Martinho Amoreiras-Ourique B- Ourique C- Garvão-Ourique Luvissolos férricos Regossolos háplicos /Leptossolos 95,0% 82,5% 67,5% T-Control;VM-Compost+Mycorrhizae M-Mycorrhizae;V- Compost; Regossolos háplicos /Leptossolos  Correcção geral dos solos (CaCO3 e P)  Aplicação de composto nas arvores adultas (10kg/arv)  Sementeira forrageira (aveia x ervilhaca)- 5kg/ha/ano;  Instalação de parcelas experimentais em 3 solos infestados com P. cinnamomi:  Sementeira com bolota  Ectomicorrizas (pastilhas)  Vermicomposto (2kg/arv)
  9. 9. PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE MONTADO (ALENTEJO-OURIQUE) Com a fertilização geral observou-se:  Regossolos (Px e Px(d)  Ligeiro aumento pH  MO aumentou ligeiramente nalguns casos e noutros ficou igual  Tendência para que o teor de P2O5 fique <10 mg/kg.  Melhoria do teor de K2O.  Luvissolos Férricos (Sr)  Melhoria ténue do pH  MO sem alteração (por vezes reduziu)  Teores de P2O5 muito baixos  Redução do teor de K2O Germinação/sobrevivência Plot 1- 95,0% Plot 2- 67,5% Plot 3- 82,5% 2012-2014
  10. 10. InstitutoNacionaldeInvestigaçãoAgráriaeVeterinária,I.P. Av. da República, Quinta do Marquês, 2780-157 Oeiras, Portugal Tel: (+ 351) 21 440 35 00 - Fax: (+ 351) 21 440 36 66 www.iniav.pt

×