SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
O BANQUETE (Platão) Ronaldo Antônio P. da Silva Chirlei Aparecida Ferreira Centro Universitário Claretiano – Polo Belo Horizonte DISCUSSÃO INTRODUÇÃO                    FEDRO: considerava que o amor era o  grande  deus do cosmo , o deus                    mais antigo. Hesíodo afirma que primeiro nasceu o caos, depois a terra,                   e o Amor. Portanto, o amor é entre os deuses  antigo, o mais honrado e                    o mais poderoso para  a aquisição da virtude e da felicidade.                   PAUSÂNIAS:  Descreve o amor como duplo, através da dualidade da deusa                Afrodite. Urânia, a mais velha, filha de Urânio e não possuia mãe,                 denominada “celestial”, Pandêmia filha de Zeus e de Dione, “a popular”.                  Descreve que ´”popular” representa o amor dos homens vulgares, amando                   mais o corpo que a   alma sem se preocupar se há decência ou não.              ERIXÍMACO: médico, acrescenta a Pausânias que o amor não  se encontra               somente nos homens, mas em outras partes e objetos. Fala do amor baseando              se na medicina e relata que é preciso ser  capaz de fazer com que os elementos            mais hostis (os opostos) se  amem mutuamente .. Baseado em Asclépio relata              que par o amor é necessário a  harmonia.                  ARISTÓFANES:  descreve sobre a natureza humana antiga,  considerando                  três gêneros da humanidade: masculino, feminino andrógino, que ao                 se revoltaram quanto aos deuses tiveram por  Zeus decepados e se tornaram                  um único ser  e não dois como eram necessitando de sua outra parte, que                  quando destruída, a outra metade se desesperava e procurava por outra até                  a sua extinção.                      AGATHON: discorda de Fedro em relação a ser o amor uma  das deusas                     mais antigas, mas a considera mais jovem e aquele que tira os sentimentos                    de estranheza  e enche de familiaridade excluindo a rudeza, pródigo do                      bem-querer; propício e bom contemplado pelos sábios e admirados pelos                      deuses,  invejado pelos desafortunados e conquistado pelos fortunados                     guia belíssimo e excelente que todo bem deve ser.                    SÓCRATES: inicia sua fala a partir de uma  personagem DIOTIMA que                 havia lhe ensinado sobre o amor: diz que Recurso, filho de Prudência pene trou na jardim de Zeus e adormeceu, lá surgiu Pobreza que se deitou ao seu                  lado e concebe o AMOR. Esse é sempre  pobre, seco, descalço e sem lar,                  deitando ao desabrigo, às portas e nos caminhos porque herdou a natureza                 da mãe. Mas do pai herdou ser insidioso com o belo, bom , corajoso, deci-                 do, enérgico caçador, terrível, ávido de sabedoria e cheio de recursos.                 Descreve o amor  como a contemplação do  belo e o desejo de todos.                   ALCEBÍABES: apaixonado por Sócrates, compara-o aos selênios, em suas                  palavras embriagadas esforça-se para conquistar seu mestre de uma forma                 caricaturizada de iniciação de  amorosa descrita por Diotima.  Platão, o mais célebre discípulo de Sócrates, nos relata um episódio ocorrido em Atenas, em casa de Agáthon. Era um costume comum da época, os filósofos se reunirem para comerem, beberem e após discutirem sobre diversos temas. Sócrates nada deixou escrito, portanto, temos a descrição de seu discípulo, cujo tema desse episódio: O AMOR METODOLOGIA Através da pesquisa bibliográfica das obras de Platão identifica e utiliza discursos dos diversos convidados presentes naquele banquete, e suas expressões sobre o AMOR, observando a diversidade de cada um pelo seus conceitos e explanações. CONCLUSÃO O amor continua sendo uma incógnita que sempre procuraremos entender. BILBIOGRAFIA DORIAN, L. Compreender Sócrates, tradução de Lúcia M.Endlich Orth. Petrópolis, RJ, Ed. Vozes, 2006 ROQUE, C. Compreender Platão, tradução de Jaime A .Classen. Petrópolis, RJ, Ed. Vozes, 2005 SOUZA, J.C.Dialógos de Platão, - O Banquete – inOs Pensadores, vol.II, Ed.Abril, São Paulo, S.P., Nov.1972

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesaAuto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesaAntónio Fernandes
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasLeandro Nazareth Souto
 
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do InfernoOs Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do InfernoCaroline Gouveia
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!Lu Rebordosa
 
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médioAvaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médioAdriana Ruas Lacerda
 
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuaisComparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuaisWesley Germano Otávio
 
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agostoLista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agostoGleycilene Garcia Lima
 
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência validaSilogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência validapcls66
 
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
1º ENCONTRO DE TUTORIA.pptx
1º ENCONTRO DE TUTORIA.pptx1º ENCONTRO DE TUTORIA.pptx
1º ENCONTRO DE TUTORIA.pptxMarceloArajo79
 

Mais procurados (20)

Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesaAuto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
 
Conto maravilhoso
Conto maravilhosoConto maravilhoso
Conto maravilhoso
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Orações adjetivas
Orações adjetivasOrações adjetivas
Orações adjetivas
 
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do InfernoOs Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
 
A felicidade à luz da filosofia 2
A felicidade à luz da filosofia 2A felicidade à luz da filosofia 2
A felicidade à luz da filosofia 2
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médioAvaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
 
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuaisComparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
 
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agostoLista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
 
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência validaSilogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
 
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Epicurismo
EpicurismoEpicurismo
Epicurismo
 
1º ENCONTRO DE TUTORIA.pptx
1º ENCONTRO DE TUTORIA.pptx1º ENCONTRO DE TUTORIA.pptx
1º ENCONTRO DE TUTORIA.pptx
 

Destaque

Banquete Medieval - Prof.Altair Aguilar.
Banquete Medieval - Prof.Altair Aguilar.Banquete Medieval - Prof.Altair Aguilar.
Banquete Medieval - Prof.Altair Aguilar.Altair Moisés Aguilar
 
Introdução processos de fabricação - metais
Introdução   processos de fabricação - metaisIntrodução   processos de fabricação - metais
Introdução processos de fabricação - metaisfmssimoes
 
A teoria estética de Aristoteles
A teoria estética de AristotelesA teoria estética de Aristoteles
A teoria estética de AristotelesFelipe Barros
 
O banquete - Platão
O banquete - PlatãoO banquete - Platão
O banquete - PlatãoCerkvenik
 
Vida quotidiana da grécia antiga
Vida quotidiana da grécia antigaVida quotidiana da grécia antiga
Vida quotidiana da grécia antigabiamagalhaes
 
Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor Rithielly Rocha
 
A alimentação na Idade Média - Madalena Quitério
A alimentação na Idade Média - Madalena QuitérioA alimentação na Idade Média - Madalena Quitério
A alimentação na Idade Média - Madalena Quitérioefaparaiso
 
História da alimentação
História da alimentaçãoHistória da alimentação
História da alimentaçãoMaria Pires
 
A alimentação na Idade Média - Inácia Pratas
A alimentação na Idade Média - Inácia PratasA alimentação na Idade Média - Inácia Pratas
A alimentação na Idade Média - Inácia Pratasefaparaiso
 
Alimentos – ao longo do tempo
Alimentos – ao longo do tempoAlimentos – ao longo do tempo
Alimentos – ao longo do tempobertott5
 
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimaraDor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimaraemaildocavalcante
 
Platão
PlatãoPlatão
Platãorafael
 

Destaque (20)

Banquete Medieval - Prof.Altair Aguilar.
Banquete Medieval - Prof.Altair Aguilar.Banquete Medieval - Prof.Altair Aguilar.
Banquete Medieval - Prof.Altair Aguilar.
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
O Banquete
O BanqueteO Banquete
O Banquete
 
Introdução processos de fabricação - metais
Introdução   processos de fabricação - metaisIntrodução   processos de fabricação - metais
Introdução processos de fabricação - metais
 
Fedro de Platão
Fedro de PlatãoFedro de Platão
Fedro de Platão
 
Dor e subjetividade
Dor e subjetividadeDor e subjetividade
Dor e subjetividade
 
A teoria estética de Aristoteles
A teoria estética de AristotelesA teoria estética de Aristoteles
A teoria estética de Aristoteles
 
O banquete - Platão
O banquete - PlatãoO banquete - Platão
O banquete - Platão
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Banquete grego
Banquete gregoBanquete grego
Banquete grego
 
Vida quotidiana da grécia antiga
Vida quotidiana da grécia antigaVida quotidiana da grécia antiga
Vida quotidiana da grécia antiga
 
8. Psicologia e a dor
8. Psicologia e a dor8. Psicologia e a dor
8. Psicologia e a dor
 
Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor
 
A alimentação na Idade Média - Madalena Quitério
A alimentação na Idade Média - Madalena QuitérioA alimentação na Idade Média - Madalena Quitério
A alimentação na Idade Média - Madalena Quitério
 
História da alimentação
História da alimentaçãoHistória da alimentação
História da alimentação
 
A alimentação na Idade Média - Inácia Pratas
A alimentação na Idade Média - Inácia PratasA alimentação na Idade Média - Inácia Pratas
A alimentação na Idade Média - Inácia Pratas
 
Alimentos – ao longo do tempo
Alimentos – ao longo do tempoAlimentos – ao longo do tempo
Alimentos – ao longo do tempo
 
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimaraDor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
 
Dor
DorDor
Dor
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 

Semelhante a O banquete (20)

Banquete
BanqueteBanquete
Banquete
 
Deuses Gregos
Deuses GregosDeuses Gregos
Deuses Gregos
 
Empédocles
Empédocles   Empédocles
Empédocles
 
Mitologia
MitologiaMitologia
Mitologia
 
Mitologia
MitologiaMitologia
Mitologia
 
Filosofia mitologia
Filosofia mitologiaFilosofia mitologia
Filosofia mitologia
 
Mundo de Sofia Resumo
Mundo de Sofia ResumoMundo de Sofia Resumo
Mundo de Sofia Resumo
 
Eder mitologia grega
Eder mitologia gregaEder mitologia grega
Eder mitologia grega
 
Filosofia e Mito
Filosofia e MitoFilosofia e Mito
Filosofia e Mito
 
Mitos
MitosMitos
Mitos
 
Deuses Gregos
Deuses GregosDeuses Gregos
Deuses Gregos
 
Apostila de filosofia
Apostila de filosofiaApostila de filosofia
Apostila de filosofia
 
A mitologia iorubana e greco-romana
A mitologia iorubana e greco-romanaA mitologia iorubana e greco-romana
A mitologia iorubana e greco-romana
 
Tipos de amor
Tipos de amorTipos de amor
Tipos de amor
 
Comparacao mitologia africana e grega
Comparacao mitologia africana e gregaComparacao mitologia africana e grega
Comparacao mitologia africana e grega
 
ROMANA GREGA E EGÍPCIA - MITOLOGIA
ROMANA GREGA E EGÍPCIA - MITOLOGIAROMANA GREGA E EGÍPCIA - MITOLOGIA
ROMANA GREGA E EGÍPCIA - MITOLOGIA
 
Os deuses iorubás e a mitologia greco romana.
Os deuses iorubás e a mitologia greco romana.Os deuses iorubás e a mitologia greco romana.
Os deuses iorubás e a mitologia greco romana.
 
Chnotícias5 1 (1)
Chnotícias5 1 (1)Chnotícias5 1 (1)
Chnotícias5 1 (1)
 
Prova filosofia (1)
Prova filosofia (1)Prova filosofia (1)
Prova filosofia (1)
 
Atividades filosofia mito
Atividades filosofia mitoAtividades filosofia mito
Atividades filosofia mito
 

Mais de chirlei ferreira

Alterações benignas da mama
Alterações benignas da mamaAlterações benignas da mama
Alterações benignas da mamachirlei ferreira
 
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmicaCorrelacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmicachirlei ferreira
 
Sangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormalSangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormalchirlei ferreira
 
Gravidez na adolescência aula
Gravidez na adolescência   aulaGravidez na adolescência   aula
Gravidez na adolescência aulachirlei ferreira
 
Gravidez após técnica de reprodução assistida
Gravidez   após  técnica de   reprodução  assistidaGravidez   após  técnica de   reprodução  assistida
Gravidez após técnica de reprodução assistidachirlei ferreira
 
Dor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologiaDor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologiachirlei ferreira
 
Desafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de goDesafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de gochirlei ferreira
 
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
Câncer de mama   rastreamento e diagnosticoCâncer de mama   rastreamento e diagnostico
Câncer de mama rastreamento e diagnosticochirlei ferreira
 
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexualAssistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexualchirlei ferreira
 
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidezAbordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidezchirlei ferreira
 
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvicaCorrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvicachirlei ferreira
 
DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da InfertilidadeDiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidadechirlei ferreira
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Riscochirlei ferreira
 
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da GravidezDoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidezchirlei ferreira
 

Mais de chirlei ferreira (20)

Alterações benignas da mama
Alterações benignas da mamaAlterações benignas da mama
Alterações benignas da mama
 
Spinoza slides
Spinoza slidesSpinoza slides
Spinoza slides
 
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmicaCorrelacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
 
Tumores de ovário
Tumores de ovárioTumores de ovário
Tumores de ovário
 
Sangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormalSangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormal
 
O sus e o ensino médico
O sus e o ensino médicoO sus e o ensino médico
O sus e o ensino médico
 
Gravidez na adolescência aula
Gravidez na adolescência   aulaGravidez na adolescência   aula
Gravidez na adolescência aula
 
Gravidez após técnica de reprodução assistida
Gravidez   após  técnica de   reprodução  assistidaGravidez   após  técnica de   reprodução  assistida
Gravidez após técnica de reprodução assistida
 
Dor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologiaDor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologia
 
Desafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de goDesafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de go
 
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
Câncer de mama   rastreamento e diagnosticoCâncer de mama   rastreamento e diagnostico
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
 
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexualAssistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
 
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidezAbordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
 
Endometriose
EndometrioseEndometriose
Endometriose
 
O Lago
O LagoO Lago
O Lago
 
Tumores Ovarianos
Tumores OvarianosTumores Ovarianos
Tumores Ovarianos
 
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvicaCorrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
 
DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da InfertilidadeDiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da GravidezDoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
 

O banquete

  • 1. O BANQUETE (Platão) Ronaldo Antônio P. da Silva Chirlei Aparecida Ferreira Centro Universitário Claretiano – Polo Belo Horizonte DISCUSSÃO INTRODUÇÃO FEDRO: considerava que o amor era o grande deus do cosmo , o deus mais antigo. Hesíodo afirma que primeiro nasceu o caos, depois a terra, e o Amor. Portanto, o amor é entre os deuses antigo, o mais honrado e o mais poderoso para a aquisição da virtude e da felicidade. PAUSÂNIAS: Descreve o amor como duplo, através da dualidade da deusa Afrodite. Urânia, a mais velha, filha de Urânio e não possuia mãe, denominada “celestial”, Pandêmia filha de Zeus e de Dione, “a popular”. Descreve que ´”popular” representa o amor dos homens vulgares, amando mais o corpo que a alma sem se preocupar se há decência ou não. ERIXÍMACO: médico, acrescenta a Pausânias que o amor não se encontra somente nos homens, mas em outras partes e objetos. Fala do amor baseando se na medicina e relata que é preciso ser capaz de fazer com que os elementos mais hostis (os opostos) se amem mutuamente .. Baseado em Asclépio relata que par o amor é necessário a harmonia. ARISTÓFANES: descreve sobre a natureza humana antiga, considerando três gêneros da humanidade: masculino, feminino andrógino, que ao se revoltaram quanto aos deuses tiveram por Zeus decepados e se tornaram um único ser e não dois como eram necessitando de sua outra parte, que quando destruída, a outra metade se desesperava e procurava por outra até a sua extinção. AGATHON: discorda de Fedro em relação a ser o amor uma das deusas mais antigas, mas a considera mais jovem e aquele que tira os sentimentos de estranheza e enche de familiaridade excluindo a rudeza, pródigo do bem-querer; propício e bom contemplado pelos sábios e admirados pelos deuses, invejado pelos desafortunados e conquistado pelos fortunados guia belíssimo e excelente que todo bem deve ser. SÓCRATES: inicia sua fala a partir de uma personagem DIOTIMA que havia lhe ensinado sobre o amor: diz que Recurso, filho de Prudência pene trou na jardim de Zeus e adormeceu, lá surgiu Pobreza que se deitou ao seu lado e concebe o AMOR. Esse é sempre pobre, seco, descalço e sem lar, deitando ao desabrigo, às portas e nos caminhos porque herdou a natureza da mãe. Mas do pai herdou ser insidioso com o belo, bom , corajoso, deci- do, enérgico caçador, terrível, ávido de sabedoria e cheio de recursos. Descreve o amor como a contemplação do belo e o desejo de todos. ALCEBÍABES: apaixonado por Sócrates, compara-o aos selênios, em suas palavras embriagadas esforça-se para conquistar seu mestre de uma forma caricaturizada de iniciação de amorosa descrita por Diotima. Platão, o mais célebre discípulo de Sócrates, nos relata um episódio ocorrido em Atenas, em casa de Agáthon. Era um costume comum da época, os filósofos se reunirem para comerem, beberem e após discutirem sobre diversos temas. Sócrates nada deixou escrito, portanto, temos a descrição de seu discípulo, cujo tema desse episódio: O AMOR METODOLOGIA Através da pesquisa bibliográfica das obras de Platão identifica e utiliza discursos dos diversos convidados presentes naquele banquete, e suas expressões sobre o AMOR, observando a diversidade de cada um pelo seus conceitos e explanações. CONCLUSÃO O amor continua sendo uma incógnita que sempre procuraremos entender. BILBIOGRAFIA DORIAN, L. Compreender Sócrates, tradução de Lúcia M.Endlich Orth. Petrópolis, RJ, Ed. Vozes, 2006 ROQUE, C. Compreender Platão, tradução de Jaime A .Classen. Petrópolis, RJ, Ed. Vozes, 2005 SOUZA, J.C.Dialógos de Platão, - O Banquete – inOs Pensadores, vol.II, Ed.Abril, São Paulo, S.P., Nov.1972