SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Instrumentos e Técnicas para Coleta de Dados para o RH
(Procedimentos)
Conceito:
A coleta de dados é um processo que visa reunir os dados para uso
secundário por meio de técnicas específicas de pesquisa.
A coleta de dados é o processo de obter, por meio de determinadas
técnicas, dados, pesquisas e documentos capazes de auxiliar a empresa
a realizar planejamentos, análises, experimentações, direcionamentos e
estudos de melhor qualidade, que influenciem positivamente seus
resultados.
O primeiro passo para realizar uma coleta de dados de excelência, é
desenvolver um planejamento, pois somente através dele, será possível
estruturar as etapas de todo o processo, além de facilitar a compreensão das
informações coletadas.
O próximo passo é definir qual é o objetivo do projeto, isso é fator
determinante para o fundamento dos conhecimentos coletados e para o foco
da organização. Depois, é preciso escolher o público-alvo analisado, que
deve ser representado por uma amostra de um pequeno grupo. Assim, a
empresa terá uma margem daquilo que deseja analisar.
A próxima etapa é definir a revisão bibliográfica utilizada, como por
exemplo: revistas, histórico de arquivos, dados estatísticos, livros, etc. O
importante é que a fonte seja legitima e assim, não faça a empresa perder
tempo na coleta ou prejudique o resultado da pesquisa.
É preciso também escolher o método utilizado. É importante lembrar que
ele deve estar intimamente ligado ao objetivo estipulado, pois eles são o
norte para a obtenção de dados significativos. Depois, se define a técnica
mais adequada para a coleta, ela será capaz de interpretar o objetivo da
organização e assim, utilizar da melhor forma possível as informações.
Após a realização da coleta de dados, é feita a análise e interpretação dos
conhecimentos obtidos. Nessa etapa, os pontos principais da coleta são
organizados em uma linha de raciocínio lógico e sistêmica, capaz de gerar
conclusões assertivas à empresa, tanto em âmbito operacional quanto em
âmbito estratégico.
Coleta de dados por entrevista: passo a passo
1. Estabeleça um roteiro para a coleta de dados
Em primeiro lugar, deve-se determinar como será feita a entrevista, que podem ser
estruturadas, semi-estruturadas ou livres..
Entrevista estruturada
Com perguntas pré-determinadas
Entrevista semiestruturada
Neste formato, você deverá apenas relacionar os principais tópicos que deseja abordar,
tendo maior liberdade durante a conversa.
De qualquer forma, o ideal é estabelecer um roteiro para a sua entrevista, tendo claro
quais dados você irá coletar, seja por meio de perguntas previamente elaboradas, ou
apenas através da ordem que os assuntos serão abordados.
Tipos de entrevistas para coleta de dados
Além disso, você também pode optar por algum método de entrevista abaixo.
Esta classificação não exclui a classificação acima, porquanto as entrevistas podem ser
organizadas com mais critérios e características, assumindo um caráter único de acordo
com o objeto de estudo.
Entrevistas informais
Neste formato você poderá conversar com o entrevistado de maneira totalmente livre,
quase como uma conversa informal.
Assim, a única diferença é que na entrevista deve haver o registro.
Entrevistas focalizadas
Já, esse tipo de entrevista é muito semelhante à informal, porém ao escolher esse
formato você irá evitar que o entrevistado fuja do tema escolhido para abordar em seu
trabalho.
Entrevista por pautas
Por meio dessa modalidade, as entrevistas passam a ter uma estrutura básica.
Assim, você deve estabelecer previamente os tópicos a serem tratados durante a
conversa e a ordem que serão desenvolvidos.
Então, ao concluir cada um deles, você pode riscá-los de sua lista. O ideal é que as
pautas tenham uma relação entre si, garantindo a consistência do relato.
Entrevista formalizada/estruturada
Em último lugar, neste modelo deve ser escolhido caso você deseje
recolher o mesmo tipo de relato de mais de um indivíduo.
Com ele, você possui uma relação fixa de perguntas para a coleta de dados,
às quais todos os entrevistados deverão responder. Você pode optar por
elaborar perguntas abertas ou fechadas, de acordo com seu propósito.
2. Registre a conversa para analisar os dados
Dê sempre preferência por realizar as entrevistas pessoalmente,
certificando-se de gravar o áudio para preservar a integridade do relato.
Ou faça um resumo escrito de toda a entrevista.
O entrevistado deve estar ciente de que a conversa será gravada, por isso é
importante pedir uma autorização prévia por meio de um termo de
consentimento livre e esclarecido.
Em alguns casos, você pode se deparar com o relato de assuntos sigilosos.
Se isso acontecer e esses trechos forem relevantes para a sua pesquisa,
converse com a fonte sobre a possibilidade de omitir a sua identidade.
Essa prática é muito utilizada principalmente em pesquisas que envolvem
crianças ou pessoas em situação de risco.
3. Mantenha a objetividade e a imparcialidade
É fundamental que se preze por alguns valores durante a condução da
entrevista, como a objetividade e a imparcialidade.
Dessa forma, você ganha a confiança da sua fonte e evita interferir no
relato compartilhado, algo de extrema importância para a integridade da
pesquisa.
Formulários
O formulário é uma série de perguntas cujas respostas podem
auxiliar a extrair informações qualitativas e quantitativas de
um determinado grupo social. Podem ser realizados em
formato analógico (em papel) e em formato digital (por meio
de plataformas que suportam esses formulários, muitas vezes
de forma gratuita), cada vez mais frequentes. Não é
necessária a presença de um entrevistador, o que torna a sua
execução bem mais simplificada; no entanto, é preciso
considerar que muitas pessoas não se sentem impelidas a
responder. Ex: formulários de clima organizacional.
Observação
A observação como técnica para a coleta de dados,
pode requerer mais trabalho do pesquisador, pois
caberá a ele observar determinado comportamento
ou característica e, a partir disso, realizar contagens
ou marcações para que possam ser interpretadas
posteriormente no momento da pesquisa. Exemplo:
avaliar quantas das mulheres estudantes de uma
faculdade são usuárias de cabelos tingidos de azul ou
então observar o comportamento das araras azuis no
Pantanal Mato-grossense.
Livros,
documentos,
veículos de
comunicação ou
mídias sociais
Nesta modalidade, o pesquisador realizará uma
pesquisa por meio de dados disponíveis em materiais
físicos ou digitais, procurando dados qualitativos ou
quantitativos. Exemplo: análise das atas de reuniões
de um sindicato.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Instrumentos para Coleta de Dados no RH

Técnicas para a coleta de dados
Técnicas para a coleta de dadosTécnicas para a coleta de dados
Técnicas para a coleta de dadosRaquel Stela de Sá
 
Modelando Os Usuarios maio 2009
Modelando Os Usuarios maio 2009Modelando Os Usuarios maio 2009
Modelando Os Usuarios maio 2009eriveltonxe
 
2013 pesquisa-poligrafo-02-novo
2013 pesquisa-poligrafo-02-novo2013 pesquisa-poligrafo-02-novo
2013 pesquisa-poligrafo-02-novoAtomy Brasil
 
Pesquisa de pesMercado_slide03atual.pptx
Pesquisa de pesMercado_slide03atual.pptxPesquisa de pesMercado_slide03atual.pptx
Pesquisa de pesMercado_slide03atual.pptxJHONATANBARBOSA10
 
Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Lu Terceiro
 
O questionário na pesquisa cientifica
O questionário na pesquisa cientificaO questionário na pesquisa cientifica
O questionário na pesquisa cientificaRonilson de Souza Luiz
 
Aula pesquisa de mercado
Aula pesquisa de mercadoAula pesquisa de mercado
Aula pesquisa de mercadoLiliane Ennes
 
EBOOK-ComoEscolherMelhoresPerguntas.pdf
EBOOK-ComoEscolherMelhoresPerguntas.pdfEBOOK-ComoEscolherMelhoresPerguntas.pdf
EBOOK-ComoEscolherMelhoresPerguntas.pdfEderson Pinto
 
2. Preparando materiais para testes de usabilidade
2. Preparando materiais para testes de usabilidade2. Preparando materiais para testes de usabilidade
2. Preparando materiais para testes de usabilidadeLuiz Agner
 
Aula pesquisa de marketing
Aula pesquisa de marketingAula pesquisa de marketing
Aula pesquisa de marketingPROF. SHASTIN
 
Identificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHC
Identificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHCIdentificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHC
Identificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHCAlanna Gianin
 
e-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdf
e-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdfe-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdf
e-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdfBoog Consultoria
 
Identificação de necessidades e estabelecimento de requisitos
Identificação de necessidades e estabelecimento de requisitosIdentificação de necessidades e estabelecimento de requisitos
Identificação de necessidades e estabelecimento de requisitosptbr
 
modelagem sistema da informação Unid 2
modelagem sistema da informação Unid 2modelagem sistema da informação Unid 2
modelagem sistema da informação Unid 2spawally
 

Semelhante a Instrumentos para Coleta de Dados no RH (20)

Técnicas para a coleta de dados
Técnicas para a coleta de dadosTécnicas para a coleta de dados
Técnicas para a coleta de dados
 
Pesquisa de marketing
Pesquisa de marketingPesquisa de marketing
Pesquisa de marketing
 
Modelando Os Usuarios maio 2009
Modelando Os Usuarios maio 2009Modelando Os Usuarios maio 2009
Modelando Os Usuarios maio 2009
 
2013 pesquisa-poligrafo-02-novo
2013 pesquisa-poligrafo-02-novo2013 pesquisa-poligrafo-02-novo
2013 pesquisa-poligrafo-02-novo
 
Pesquisa de pesMercado_slide03atual.pptx
Pesquisa de pesMercado_slide03atual.pptxPesquisa de pesMercado_slide03atual.pptx
Pesquisa de pesMercado_slide03atual.pptx
 
Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5
 
A Entrevista quês e porquês
A Entrevista quês e porquêsA Entrevista quês e porquês
A Entrevista quês e porquês
 
Como elaborar uma pesquisa de mercado
Como elaborar uma pesquisa de mercadoComo elaborar uma pesquisa de mercado
Como elaborar uma pesquisa de mercado
 
O questionário na pesquisa cientifica
O questionário na pesquisa cientificaO questionário na pesquisa cientifica
O questionário na pesquisa cientifica
 
Aula pesquisa de mercado
Aula pesquisa de mercadoAula pesquisa de mercado
Aula pesquisa de mercado
 
EBOOK-ComoEscolherMelhoresPerguntas.pdf
EBOOK-ComoEscolherMelhoresPerguntas.pdfEBOOK-ComoEscolherMelhoresPerguntas.pdf
EBOOK-ComoEscolherMelhoresPerguntas.pdf
 
2. Preparando materiais para testes de usabilidade
2. Preparando materiais para testes de usabilidade2. Preparando materiais para testes de usabilidade
2. Preparando materiais para testes de usabilidade
 
Aula pesquisa de marketing
Aula pesquisa de marketingAula pesquisa de marketing
Aula pesquisa de marketing
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Identificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHC
Identificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHCIdentificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHC
Identificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHC
 
e-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdf
e-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdfe-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdf
e-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdf
 
PESQUISA DE MERCADO
PESQUISA DE MERCADOPESQUISA DE MERCADO
PESQUISA DE MERCADO
 
Como fazer pesquisa
Como fazer pesquisaComo fazer pesquisa
Como fazer pesquisa
 
Identificação de necessidades e estabelecimento de requisitos
Identificação de necessidades e estabelecimento de requisitosIdentificação de necessidades e estabelecimento de requisitos
Identificação de necessidades e estabelecimento de requisitos
 
modelagem sistema da informação Unid 2
modelagem sistema da informação Unid 2modelagem sistema da informação Unid 2
modelagem sistema da informação Unid 2
 

Último

Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoDjalmadeAndrade2
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfGiza Carla Nitz
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfGiza Carla Nitz
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfRodrigoSimonato2
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfamaroalmeida74
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfGiza Carla Nitz
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....TharykBatatinha
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfmarrudo64
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdfGiza Carla Nitz
 

Último (17)

Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalho
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
 

Instrumentos para Coleta de Dados no RH

  • 1. Instrumentos e Técnicas para Coleta de Dados para o RH (Procedimentos) Conceito: A coleta de dados é um processo que visa reunir os dados para uso secundário por meio de técnicas específicas de pesquisa. A coleta de dados é o processo de obter, por meio de determinadas técnicas, dados, pesquisas e documentos capazes de auxiliar a empresa a realizar planejamentos, análises, experimentações, direcionamentos e estudos de melhor qualidade, que influenciem positivamente seus resultados. O primeiro passo para realizar uma coleta de dados de excelência, é desenvolver um planejamento, pois somente através dele, será possível estruturar as etapas de todo o processo, além de facilitar a compreensão das informações coletadas. O próximo passo é definir qual é o objetivo do projeto, isso é fator determinante para o fundamento dos conhecimentos coletados e para o foco da organização. Depois, é preciso escolher o público-alvo analisado, que deve ser representado por uma amostra de um pequeno grupo. Assim, a empresa terá uma margem daquilo que deseja analisar. A próxima etapa é definir a revisão bibliográfica utilizada, como por exemplo: revistas, histórico de arquivos, dados estatísticos, livros, etc. O importante é que a fonte seja legitima e assim, não faça a empresa perder tempo na coleta ou prejudique o resultado da pesquisa. É preciso também escolher o método utilizado. É importante lembrar que ele deve estar intimamente ligado ao objetivo estipulado, pois eles são o norte para a obtenção de dados significativos. Depois, se define a técnica mais adequada para a coleta, ela será capaz de interpretar o objetivo da organização e assim, utilizar da melhor forma possível as informações. Após a realização da coleta de dados, é feita a análise e interpretação dos conhecimentos obtidos. Nessa etapa, os pontos principais da coleta são organizados em uma linha de raciocínio lógico e sistêmica, capaz de gerar conclusões assertivas à empresa, tanto em âmbito operacional quanto em âmbito estratégico.
  • 2. Coleta de dados por entrevista: passo a passo 1. Estabeleça um roteiro para a coleta de dados Em primeiro lugar, deve-se determinar como será feita a entrevista, que podem ser estruturadas, semi-estruturadas ou livres.. Entrevista estruturada Com perguntas pré-determinadas Entrevista semiestruturada Neste formato, você deverá apenas relacionar os principais tópicos que deseja abordar, tendo maior liberdade durante a conversa. De qualquer forma, o ideal é estabelecer um roteiro para a sua entrevista, tendo claro quais dados você irá coletar, seja por meio de perguntas previamente elaboradas, ou apenas através da ordem que os assuntos serão abordados. Tipos de entrevistas para coleta de dados Além disso, você também pode optar por algum método de entrevista abaixo. Esta classificação não exclui a classificação acima, porquanto as entrevistas podem ser organizadas com mais critérios e características, assumindo um caráter único de acordo com o objeto de estudo. Entrevistas informais Neste formato você poderá conversar com o entrevistado de maneira totalmente livre, quase como uma conversa informal. Assim, a única diferença é que na entrevista deve haver o registro. Entrevistas focalizadas Já, esse tipo de entrevista é muito semelhante à informal, porém ao escolher esse formato você irá evitar que o entrevistado fuja do tema escolhido para abordar em seu trabalho. Entrevista por pautas Por meio dessa modalidade, as entrevistas passam a ter uma estrutura básica. Assim, você deve estabelecer previamente os tópicos a serem tratados durante a conversa e a ordem que serão desenvolvidos. Então, ao concluir cada um deles, você pode riscá-los de sua lista. O ideal é que as pautas tenham uma relação entre si, garantindo a consistência do relato.
  • 3. Entrevista formalizada/estruturada Em último lugar, neste modelo deve ser escolhido caso você deseje recolher o mesmo tipo de relato de mais de um indivíduo. Com ele, você possui uma relação fixa de perguntas para a coleta de dados, às quais todos os entrevistados deverão responder. Você pode optar por elaborar perguntas abertas ou fechadas, de acordo com seu propósito. 2. Registre a conversa para analisar os dados Dê sempre preferência por realizar as entrevistas pessoalmente, certificando-se de gravar o áudio para preservar a integridade do relato. Ou faça um resumo escrito de toda a entrevista. O entrevistado deve estar ciente de que a conversa será gravada, por isso é importante pedir uma autorização prévia por meio de um termo de consentimento livre e esclarecido. Em alguns casos, você pode se deparar com o relato de assuntos sigilosos. Se isso acontecer e esses trechos forem relevantes para a sua pesquisa, converse com a fonte sobre a possibilidade de omitir a sua identidade. Essa prática é muito utilizada principalmente em pesquisas que envolvem crianças ou pessoas em situação de risco. 3. Mantenha a objetividade e a imparcialidade É fundamental que se preze por alguns valores durante a condução da entrevista, como a objetividade e a imparcialidade. Dessa forma, você ganha a confiança da sua fonte e evita interferir no relato compartilhado, algo de extrema importância para a integridade da pesquisa.
  • 4. Formulários O formulário é uma série de perguntas cujas respostas podem auxiliar a extrair informações qualitativas e quantitativas de um determinado grupo social. Podem ser realizados em formato analógico (em papel) e em formato digital (por meio de plataformas que suportam esses formulários, muitas vezes de forma gratuita), cada vez mais frequentes. Não é necessária a presença de um entrevistador, o que torna a sua execução bem mais simplificada; no entanto, é preciso considerar que muitas pessoas não se sentem impelidas a responder. Ex: formulários de clima organizacional. Observação A observação como técnica para a coleta de dados, pode requerer mais trabalho do pesquisador, pois caberá a ele observar determinado comportamento ou característica e, a partir disso, realizar contagens ou marcações para que possam ser interpretadas posteriormente no momento da pesquisa. Exemplo: avaliar quantas das mulheres estudantes de uma faculdade são usuárias de cabelos tingidos de azul ou então observar o comportamento das araras azuis no Pantanal Mato-grossense. Livros, documentos, veículos de comunicação ou mídias sociais Nesta modalidade, o pesquisador realizará uma pesquisa por meio de dados disponíveis em materiais físicos ou digitais, procurando dados qualitativos ou quantitativos. Exemplo: análise das atas de reuniões de um sindicato.