Unidade 04 germinação das sementes

2.209 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.209
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
137
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Unidade 04 germinação das sementes

  1. 1. Germinação das Sementes
  2. 2. Marcos Buckeridge – IB/USP
  3. 3. Desenvolvimento do embrião
  4. 4. Arabidopsis thaliana
  5. 5. Figura 1. Representação esquemática da sequência de eventos que caracterizam o repouso fisiológico pós-maturidade.
  6. 6. Conceito  vários Segundo Marcos Filho (1986)
  7. 7. O PROCESSO DE GERMINAÇÃO Bewley & Black (1994), sugeriram três etapas principais durante a germinação, ou seja: I – Embebição II - Processo bioquímico preparatório III – Crescimento (emergência propriamente dita)
  8. 8. (- negativo) (+ negativo)
  9. 9. FASE I: EMBEBIÇÃO Figura 2 .Padrão trifásico de captação de água pelas sementes durante a germinação ( Bewley & Black, 1978) I: Rápida transferência de água do substrato para a semente (diferença acentuada entre os potenciais hídricos) II: Reduções na velocidade de hidratação e da intensidade respiratória III: Torna visível a retomada do crescimento do embrião  identificado pela protrusão da raiz primária  Padrão trifásico da semente
  10. 10.  A hidratação da semente As partes constituintes da semente absorvem água com velocidades distintas. Figura 3.Captação de água por diferentes partes de sementes de soja(A) e de aveia (B), durante a germinação (Burch & Delouche, 1959) . FASE I: EMBEBIÇÃO
  11. 11. 724824126 20 40 60 80
  12. 12.  Liberação de exsudados e danos durante a embebição Figura 4. Redução da liberação de exsudados com o decorrer do processo de embebição das sementes, associada à reestruturação das membranas (Powell, 1986). FASE I: EMBEBIÇÃO
  13. 13. FASE II - PROCESSO BIOQUÍMICO PREPARATÓRIO  Respiração  Cadeia respiratória Figura 5. Alterações da taxa de absorção de água e da taxa respiratória de sementes de feijão’ Carioca’, durante as primeiras horas de embebição (Paulillo, 1980).
  14. 14. FASE II - PROCESSO BIOQUÍMICO PREPARATÓRIO  Digestão das reservas Tabela 2. Principais enzimas hidrolíticas envolvidas na mobilização de reservas nutricionais das sementes.
  15. 15.  FASE II - PROCESSO BIOQUÍMICO PREPARATÓRIO  Digestão das reservas Figura 7. Esquema geral da mobilização de reservas durante a germinação.
  16. 16.  Translocação e assimilação dos nutrientes
  17. 17.  FASE III - CRESCIMENTO DO EMBRIÃO Figura 13. Principais eventos metabólicos que caracterizam a germinação de sementes ( Bewlew, 1997).
  18. 18.  FASE III - CRESCIMENTO DO EMBRIÃO Figura 14. Representação esquemática de eventos desencadeadores com a captação de água pela semente de uma gramínea e pela síntese de giberelinas, culminando com a retomada de crescimento do embrião.
  19. 19.  TIPOS DE GERMINAÇÃO  Epígea: em que os cotilédones ultrapassam a superfície do solo. Figura 15. Germinação de sementes de mamona (Dicotiledônea) Germinação
  20. 20.  TIPOS DE GERMINAÇÃO Figura 15. Germinação de sementes de milho (Monocotiledônea) Germinação  Hipógea: quando os cotilédones permanecem no solo (abaixo)
  21. 21.  TIPOS DE GERMINAÇÃO Figura 15. Germinação de sementes de guadu (Dicotiledônea) Germinação  Hipógea
  22. 22. Genótipo Grau de maturidade Longevidade
  23. 23. 20 40 60 80 100 41 55 69 84
  24. 24. H-55 WF-9 WF-9 x H-55
  25. 25. Cuidar com a profundidade de semeadura e cobertura ou não; - 1 cm (sementes pequenas), para que a luz vermelha, estimulante da germinação, possa atingi-las. (não germinam ou é reduzida na ausência de luz  presença de luz) (não germinam ou é reduzida na presença de luz  ausência de luz)
  26. 26. Exercício: -Trazer sementes de espécie qualquer, que não tenha dormência, para ser utilizada na próxima aula prática. - Prática: germinação de sementes.

×