Teodoro gonzalez de léon

2.279 visualizações

Publicada em

Vida e obra de Teodoro Gonzalez de Léon

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Teodoro gonzalez de léon

  1. 1. Teodoro Gonzalez de Léon Bruno Lima - Carla Tajra - Christianne Quintino
  2. 2.  Arquiteto mexicano nascido em 1926 na Cidade do México;  Formado pela Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM);  Pertence a uma geração educada pelo Movimento Moderno;  Reconhecido internacionalmente BreveHistórico
  3. 3.  Estagiou por 18 meses com Le Corbusier, de quem recebeu influências significativas Influências concreto elementos pré- fabricados funcionalismo módulo
  4. 4.  Primeiras obras: presença do pilotis, influência direta de Le Corbusier. Clínica do IMSS em Toluca, México VisãoPanorâmica
  5. 5.  A partir da década de 60, há uma série de mudanças em sua linguagem; Terminal do Aeroporto em La Ceiba, Honduras, 1965. 1. Edifícios presos ao chão (abandono do pilotis); 2. Uso do brise-soleil como elemento de proteção solar e, em alguns casos, como elemento estrutural; 3. Alta exploração da plástica dos edifícios com o uso dos brises; 4. Uso de painéis pré-fabricados nas fachadas; 5. Colunas no pano da fachada. VisãoPanorâmica
  6. 6. Escola de Direito da Universidade de Tamaulipas, 1966. 6. Uso do pátio. VisãoPanorâmica
  7. 7.  Ao final dos anos 60, introduz o uso da grapa, um elemento mural em forma de “C”, e das portadas;  As portadas, aliadas aos brises e, algumas vezes à colunada da fachada, deixa claro a transição entre o público e o privado. Biblioteca da República, México, 1966. VisãoPanorâmica
  8. 8. Embaixada do México no Brasil, Brasília, 1974-76. VisãoPanorâmica
  9. 9. VisãoPanorâmica Embaixada do México no Brasil, Brasília, 1974-76.
  10. 10.  A partir dos final dos anos 70, Teodoro substitui o concreto liso, pelo concreto esculpido (concreto + mármore, ao invés dos agregados tradicionais). VisãoPanorâmica Embaixada do México em Berlim, 1998-2000 concreto liso
  11. 11. VisãoPanorâmica Palácio da Justiça Federal, México, 1987-91.
  12. 12. VisãoPanorâmica Colégio do México, 1974-76.
  13. 13. VisãoPanorâmica Embaixada do México em Berlim. 1998-2000.
  14. 14.  Teodoro afirma que em sua obra ele trabalha a plástica arquitetônica como uma colagem de elementos geométricos, chegando a se identificar com a frase de Aldo Rossi: “ A arquitetura é indiferente à sua função”, ou seja, pode- se recombinar s elementos e criar coisas totalmente diferentes. VisãoPanorâmica Auditório Nacional, Cidade do México,1992.
  15. 15. VisãoPanorâmica Museu Universitário de Arte Contemporânea, Cidade do México, 2008.
  16. 16. VisãoCrítica  Octávio Paz (1914-1998), um dos mais importantes ensaístas do México, escreveu a respeito da obra de Teodoro Gonzalez de León: “Sua obra é composta pela aliança entre dois movimentos opostos: a gravidade e o ritmo. Gravidade devido ao aspecto pesado, que realmente dá a sensação de que o prédio está fixo ao chão; e ritmo pelos elementos que compõem o a forma, juntamente com o jogo de luz, que nos dá a sensação de contemplarmos uma dança imóvel.”
  17. 17.  Localização: Cidade do México  Projeto: 1990  Construção: 1990 – 2007  Superfície de construção: 20,0000 m² ArcosBosquesCorporativoObras
  18. 18. Histórico  1980: governo concede permissão para construção de edifícios de escritórios;  Idéia: zona de escritórios com solução integral;  Desenvolvimento integral: evitar desordens viárias e problemas de estacionamento. ArcosBosquesCorporativoObras
  19. 19.  Harmonia visual e funcionalidade;  Atrair empresas mundiais.  Conceito totalmente novo em edifícios de escritórios – símbolo da modernidade da Cidade do México; Histórico ArcosBosquesCorporativoObras
  20. 20.  Objetivo: desenvolver um conceito que reúne todas as características dos chamados grupos inteligentes;  Todos os serviços necessários em um mesmo espaço de escritórios.  Concurso arquitetônico – Grupo Dine (1990); O Projeto ArcosBosquesCorporativoObras
  21. 21.  Imagem arquitetônica: pátio urbano de grande impacto visual e entorno arquitetonicamente harmônico.  Projeto: Francisco Serrano, Teodoro González de Léon e Carlos Tejeda; O Projeto ObrasArcosBosquesCorporativoArcosBosquesCorporativoObras
  22. 22.  Maior desenvolvimento que foi feito no país;  Edifício único: mesmo material para toda a estrutura – concreto branco  Vidro temperado e alumínio;  Pátio urbano: visitantes se sintam em um espaço visual controlado. O Projeto ArcosBosquesCorporativoObras
  23. 23.  Circulações verticais e abertas;  Janelas quadradas que conservam uma harmonia visual e permitem a entrada da luz durante o dia;  Forma de arco: particularidade original. O Projeto ArcosBosquesCorporativoObras
  24. 24. Implantação
  25. 25.  Projeto interativo e multidisciplinar;  Eficiência nos recursos e no desenho sem perder a qualidade original;  Preocupação com o meio ambiente;  Evitar problemas de tráfego. Construção ArcosBosquesCorporativoObras
  26. 26.  Necessidade de um plano diretor de várias etapas;  Início: Edifício leste – 27,000 m² de escritórios – terminado em Agosto de 1993;  Segunda etapa: fim do Arcos Torre I – 60,000 m² - inaugurado em Junho de 1996. Construção ArcosBosquesCorporativoObras
  27. 27. Arcos Torre I:  “El Pantalón”;  161,5 metros (34 andares);  Corporativo e seus setores;  Heliporto: 2560 metros acima do nível do mar;  Segundo edifício mais alto do país. Construção ArcosBosquesCorporativoObras
  28. 28. Obras Arcos Torre I:  Espaço total de escritórios: 200,000 m²;  Estacionamento com capacidade para 10740 automóveis – 4 níveis subterrâneos;  Entrada com pé-direito duplo;  Possui 24 elevadores. ArcosBosquesCorporativoObras Construção
  29. 29. Planta centro comercial
  30. 30. Planta dos escritórios
  31. 31. Planta de coberta
  32. 32. Arcos Bosques II:  Duas torres unidas por um suporte;  Fevereiro de 2008;  161,2 metros (34 andares);  Hotel cinco estrelas;  Centro comercial na torre I. ArcosBosquesCorporativoObras Construção
  33. 33. Arcos Bosques II:  Cada pavimento: 1600 a 1655 m², livre de colunas e altura de 3,82m;  Espaço de oficinas: 98,900 m²;  Torre I: 15 elevadores;  Torre II: 18 elevadores;  Estacionamento para 3000 automóveis. ArcosBosquesCorporativoObras Construção
  34. 34. Mapa de lojas – Nível -1
  35. 35. Mapa de lojas – Nível CC
  36. 36. Mapa de lojas – Nível 1
  37. 37.  Serviços: perfeitamente estudados e pensados;  Primeiro edifício inteligente da América Latina equipado com Building Management System (BMS);  Sistema Energypack: economia de gás, água e luz. ArcosBosquesCorporativoObras
  38. 38.  Sistema de drenagem: sem perturbações na encanação e sem elevada pressão contra o piso;  Sistema de emergência: rigidez no exterior sem sobrecarga das colunas – zona de terremotos. ArcosBosquesCorporativoObras
  39. 39.  Arquiteto: Teodoro González de León/Francisco Serrano Cacho  Contribuintes: José Arce, Oscar Rodriguez, ASSMANN Beraten  Cliente: Governo do México  Localização: Berlim, Alemanha  Ano: 2000  Área do Terreno: 2317 m²  Área utilizada no Projeto: 3300 m² EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras
  40. 40. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Histórico  Embaixadas estrageiras se transferiram da cidade de Bonn para a cidade de Berlim;  Ministério dos Negócios Estrangeiros organizou um concurso para projetar a nova embaixada do México;  1997 – resultado do concurso - proposta vencedora a dos arquitetos Teodoro Gonzalez de Leon e Francisco Serrano.
  41. 41. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Contexto  Localizado em um lugar privilegiado, no centro de Berlim;  Situado no bairro diplomático de Tiergarten a poucos metros do parque central da cidade;  Área caracterizada pela ligação bairro - natureza e pela hospedagem de edifícios corporativos e diplomáticos.
  42. 42. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Contexto  Local de nascimento de ícones da arquitetura contemporânea e de renovação de edifícios que foram abandonados quando a Alemanha se dividiu apos a 2ªGuerra Mundial;  A proposta atende às diretrizes rigorosas do plano diretor para a área.
  43. 43. Implantação
  44. 44. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Intenções do projeto  Criar um edifício que tenha uma imagem distinta e que ficaria registrada na memória urbana;  Representar o país de forma diferente, mas que atenda às normas do local a ser implantado.
  45. 45. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Principais Críticas  Edifício não se enquadra com o contexto urbano em que está inserido;  Ícones da arquitetura contemporânea e edifícios notáveis ​​obscurecem o projeto;  Luz do sol e perspectivas que poderiam ser gerados são ofuscados.
  46. 46. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Aspectos Interessantes do Projeto  Manipulação de fachada;  Simplicidade e limpeza;  Uso do telhado;  Luz dinâmica;  Perspectivas;  Estrutura.
  47. 47.  Pórtico de 18m de altura com destaque aos dois planos de colunas;  Junção dos planos forma um buraco que marca o acesso. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Fachada Principal
  48. 48. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras  As colunas servem como elementos construtivos;  Total transparência do interior e dão uma imagem de solidez e transparência variável da parte externa. Fachada Principal
  49. 49. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras  Efeito de leveza, monumentalidade e transparência;  Na fachada lateral é repetido os mesmos planos. Fachada Principal
  50. 50. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras  Conjunto de dois volumes: um cilindro e um paralelepípedo com pilotis de 2 pavimentos. Fachada dos fundos
  51. 51. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Dividido em seis níveis:  Subsolo semi-embutido: serviços e estacionamento;  Térreo: espaço com pé direito duplo que contém: jardim do átrio, hall de entrada, sala de múltiplo uso, centro de informação; e no mesanino: serviços consulares e de cultura. Programa
  52. 52. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras  Pavimentos superiores: chancelarias;  Último pavimento: jardim com vista para o entorno e para os monumentos do centro de Berlim. Programa
  53. 53. Planta do Térreo
  54. 54. Planta do Mesanino
  55. 55. Planta do 1º, 2º e 3º pavimento
  56. 56. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Interior  Ponto focal do edifício: grande cilindro de 18m de altura e 14m de diâmentro;  Metade do cilindro está em balanço num jardim interior escalonado;  Acomoda a circulação vertical do edifício.
  57. 57. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Interior  Ponto de encontro do edifício e espaço simbólico da Embaixada;  Fornece uma iluminação interessante jardim interior e proporciona um ambiente agradável no interior do edifício;  Espaços generosos compostos por diagonais;  Diversas alturas e coberturas que proporcionam um interessante jogo de iluminação.
  58. 58. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Materiais Revestimentos:  Interior e Exterior: concreto cinzelado branco (acabamento utilizado em muitas obras no México e agora experimentado em Berlim);  Textura forte que estabelece perfeito diálogo com o acabamento alemão.
  59. 59. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Volumetria  Pilares da fachada inclinados fazem um convite para a entrar no edifício;  Desenho abstrato e fachada de concreto branco dão destaque ao edifício.
  60. 60. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Volumetria  Fachada dinâmica e cilindro interno fornecem impacto suficiente para ser lembrado e catalogados por quem visita ou ver.
  61. 61. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Estrutura  Sistema de construção inovador e atraente;  Alvenaria estrutural de concreto;  Cilindro proporciona estabilidade e rigidez à estrutura do edifício.
  62. 62. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Estrutura  Pilares da fachada como carga desnecessária e vertical à posição do vento;  1º construído suas colunas e alvenarias de estrutura com ajuda de andaimes.
  63. 63. EmbaixadadoMéxicoemBerlimObras Estrutura  Apos a remoção de andaimes a fachada adquire o seu papel estrutural do predio;  Foi usado um andaime de carga de 17,40m para construir o balanço da cobertura de concreto.
  64. 64. Bibliografia  SEGAWA, Hugo. Arquitectura latinoamericana contemporánea. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2005;  LARIOS, Jose María. Columna, estructura, y composición em la obra de Teodoro Gonzalez de León;  CURTIS, William J. R. Arquitetura moderna desde 1900. Bookman Companhia Ed., 2008;  TOCA, Antonio (org). Arquitetura América Latina: Nueva Arquitectura em America Latina: Presente y Futuro. México: Editorial Gistavo Gili, 1990;  Revista Projeto nº 130;  www.vituvius.com.br;  www.arqred.mx;  www.revista.unam.mx;  www.paseoarcosbosques.com.mx;  www.arquitour.com;  www.artigos.tol.pro.br/portal.

×