O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Teoria da expansão Oceânica

759 visualizações

Publicada em

Teoria da expansão Oceânica

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Teoria da expansão Oceânica

  1. 1. Teoria da expansão Oceânica
  2. 2. Relevo do fundo Oceânico
  3. 3. Plataforma continental: A porção do fundo dos Oceanos que chega, em média, a 200 metros de profundidade, apresentando largura variável. É recoberta por sedimentos de origem continental trazidos pelos rios, ventos, enxurradas e geleiras, o que implica a existência de grandes concentrações de recursos minerais.
  4. 4. Dorsal Oceânica: Constituída por cordilheiras submersas que se estendem pelo fundo oceânico. Muitas vezes as porções mais elevadas ultrapassam o nível do oceano ocasionando ilhas oceânicas.
  5. 5. Fossa Oceânicas: São as regiões mais profundas dos oceanos. As fossas oceânicas são depressões abissais que aparecem abaixo das planícies abissais, em zonas de encontro de placas tectónicas.
  6. 6. Talude Continental (ou vertente continental): Corresponde à porção intermediaria recoberta por sedimentos finos. Planícies abissais são as regiões profundas e mais ou menos planas dos oceanos.
  7. 7. Modelos de estrutura interna da Terra
  8. 8. Crosta: Camada superficial sólida que se envolve a Terra. Tem, em média, de 30 a 40 km de espessura, mas pode ser bem mais fina ou chegar a até 70km.
  9. 9. Manto: Camada viscosa logo abaixo da crosta. É formada por vários tipos de rochas que, devido às altas temperaturas, encontram-se em um estado complexo que mistura materiais fundidos e sólidos e recebe o nome de magma. Vai até os 2900 km de profundidade.
  10. 10. Núcleo É a parte central do planeta. Acredita-se que seja formado por metais como ferro e níquel em altíssimas temperaturas. Possui duas partes: Núcleo externo: Líquido – de 2900 a 5150 km. Núcleo interno: Sólido, devido à altíssima pressão – até 6371 km.
  11. 11. Tanto entre a crosta e o manto como entre o manto e o núcleo existem zonas intermediárias de separação, as chamadas descontinuidades. Entre a crosta e o manto há a descontinuidade de Mohorovicic, e entre o manto e o núcleo, existe a descontinuidade de Gutenberg. Os limites dessas camadas são definidos principalmente pela sismologia.

×