SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
“Turmas infantis: trabalhando
   conteúdos e disciplina”


                        Bruna Moreno
“ [...] Children who learn a foreign language
  beginning in early childhood demonstrate certain
  cognitive advantages over children who do not.
  […] Bilingual students learn sooner that an object
  remains the same, even though the object has a
  different name in another language. For example,
  a foot remains a foot and performs the function
  of a foot, whether it is labeled a foot in English or
  un pied in French.”

  (Therese Sullivan Caccavale, president of the National Network for Early Language
                                                                  Learning (NNELL))
“Beginning foreign language instruction early
  sets the stage for students to develop advanced
  levels of proficiencies in one or more languages.
  In addition, younger learners still possess the
  capacity to develop near native-like
  pronunciation and intonation in a new language.
  Finally, young learners have a natural curiosity
  about learning which is evident when they
  engage in learning a new language. They also are
  open and accepting of people who speak other
  languages and come from other cultures.”
(Martha G. Abbott, Director of Education for the American Council on the Teaching of
                                                         Foreign Languages (ACTFL))
   Fale em inglês com as crianças. (De instruções,
    conte “casos”, etc)
   Aproveite as histórias que eles já conhecem
   Busque fazer com que as crianças interajam
   Mantenha-se atualizado (busque sites,
    histórias, atividades, músicas)
   Tenha cuidado especial com a pronúncia
    (fossilização)
   Busque variar o ambiente da sala de aula
   Procure trazer atividades que envolvam o
    corpo e movimento
De 2 a 3 anos:
 Necessidade de manipular materiais diversos
 Precisam desenvolver a parte motora
 Desenvolver a imaginação
 Estimular a criatividade
 Precisam conviver com outras crianças
 Gostam de brincar sozinhos
 Estão descobrindo o próprio corpo
De 4 a 6 anos:
 Gostam de elogios
 Emoções extremadas
 Adoram novidades (lugares, pessoas, objetos)
 Pouco tempo de atenção
 É preciso variar as atividades
 Gostam de mostrar o que sabem fazer
 Estão descobrindo o prazer de brincar com as
  outras crianças
 São muito apegadas aos familiares
De 7 a 9 anos:
 Ápice do desenvolvimento motor
 Fase favorável às atividades que exigem
  esforço físico
 Precisam ser motivadas para o convívio social
 Aprendem a respeitar o espaço do outro
 Fase de desenvolvimento intelectual
 Precisam ser desafiadas intelectualmente
De 10 a 12 anos:
 Fase para jogos de equipe e competições
 Gostam de atividades ao ar livre
 Buscam autonomia
 Buscam a aceitação do grupo
 Dividem as atividades em “de menino” e “de
  menina”
 Fica mais notável a diferença de
  amadurecimento (meninos x meninas)
 Precisam trabalhar a sensibilidade e o ciúme
Como fazer para crianças de 3 a 6 anos pararem
         quietas e prestarem atenção?

Não existe uma fórmula pronta pra manter a
turma [...] interessada na aula. [...]
Nesta faixa etária, o comportamento e as noções
de ética e moral encontram-se em processo de
construção. Uma das funções da professora é
justamente colaborar com essa construção.

(Dicas da Psicóloga Daniela Alonso, de São Paulo, para a Revista "Guia Prático para
                          Professoras de Educação Infantil" de setembro de 2005.)
1) Seja coerente: Não confunda as crianças
 com graus de aceitação diferentes perante
 um determinado comportamento. [...]
 Se você deixar num dia e não deixar no
 outro, as crianças tentarão tirar proveito
 dessa brecha.
"Apenas alunos com hiperatividade ou alguma
 deficiência devem receber, eventualmente,
 um tratamento diferenciado. E isso os
 colegas de classe conseguem entender",
 observa Daniela.
2) Altere a voz e a expressão, mas não grite:
    Quando fizer uma censura, altere a voz para
    marcar a emoção, mas não se mostre muito
    irritada, pois pode parecer que você não se sente
    capaz de controlá-los. Em caso de balbúrdia
    geral, adote códigos de silêncio:

-   Bata palma 3 vezes;
-   Apague a luz;
-   Comece a cantar;
-   Pare tudo e sente-se.

(Decida com sua turma o próprio código de
  silêncio)
3) Combine as regras de antemão:
Essa atitude impede que você tenha de
explicar a razão de uma regra no momento
em que ela é quebrada.
"Promova uma assembléia: Em roda,
estimule-os a expressar o que consideram
certo e errado. Fale você também. Os motivos
das regras devem ser discutidos nessa hora.
Assim, no momento de chamar a atenção de
um aluno, diga "Lembra que isso é errado?",
partindo do princípio de que a justificativa já
foi dada."
   5) Adote a cooperação: Peça para os alunos
    arrumarem a classe com você no dia que utilizarem
    uma organização de carteiras diferentes ou para
    participar do "conserto" de algo que fez: se machuca
    um colega, pode ajudar no curativo.

   6) Expressão dos sentimentos: Dizer "Não gostei" ou
    "Isso me ofende" é muito válido, pois, na vida em
    sociedade, sempre teremos de lidar com os limites
    das outras pessoas. Se você se expressa, mostra ao
    aluno que tem sentimentos a ser respeitados.

   7) Dê exemplos positivos: Não basta dizer que a
    atitude está errada. Especifique com o aluno como
    poderia ter sido diferente.
IMPORTANTE
- A autoridade da classe é a professora: seja firme!
- Se a turma inteira estiver desinteressada,
  questione-se sobre a atividade. Ela pode não ser
  adequada.
- Tente resolver os problemas diretamente com os
  alunos.
- Caso o aluno tenha dificuldade especial em
  seguir as regras siga os passos do manual dos
  professores.
-Lembre-se: crianças de até 6 anos não têm
  disposição para ouvir sermões. Faça observações
  curtas e diretas, como "Isso não pode" e "Pare
  com isso"
No ato da criação das regras combine com os
alunos as sanções ao não cumprimento destas
normas.
Além de comprometê-la, responsabiliza-a pelas
conseqüências de seus atos, caso não as cumpra.
Assim, o adulto a está auxiliando a tomar
consciência das conseqüências de suas atitudes.
Não se trata apenas de suprimir um
comportamento indesejável (indução pelo medo,
ou pela imposição), mas de difundir a adesão ao
comportamento desejado.

(Por exemplo, o aluno não fica com o mascote da
 turma naquela semana, não ganhar o FISK dólar)
Sugestões de atividades
A aula deve ser composta de:

Warm up (cerca de 5 minutos)

Heavy Learning Period

Fun part (Entre 5 e 10 minutos)
Com as crianças mais novas evite jogos
competitivos, pois eles se frustram facilmente.
Favoreça os jogos colaborativos.

-   Hot Potato
-   Dancing Chairs
-   What’s appearing
-   Treasure hunt
-   Simons Says
Traga coisas
da vida real
para a aula
Utilize materiais
diferentes.

Copie os personagens
das lições, faça
fantoches e deixe os
alunos interpretarem
os diálogos.

Traga objetos para
ensinar vocabulário
Abuse de recursos:
Colagens, materiais
variados (giz,
canetinha, tinta,
papéis coloridos,
etc.)

Variação: coloque
coisas que não são
“red” e peça para
eles colorirem só o
red.
http://learnenglishkids.britishcouncil.org/en/s
 ongs/i-can-run

Músicas de Hello / Good Bye
“Hello, hello, hello and how are you?
I’m fine, I’m fine, I’m fine thank you!”

Vídeos
   http://www.english-4kids.com/
   http://www.teachingenglish.org.uk/teaching-
    kidshttp://www.teachingenglish.org.uk/teach
    ing-kids (mantido pelo British Council)
   http://supersimplelearning.com/
   http://criancasaprendemingles.blogspot.com.
    br/ (blog de uma professora que dá aula na
    FISK)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Questionário sobre indisciplina
Questionário sobre indisciplinaQuestionário sobre indisciplina
Questionário sobre indisciplinaTeresa Moreira
 
brincadeiras infantis
brincadeiras infantisbrincadeiras infantis
brincadeiras infantisanecrisnobi
 
Atividades interativas
Atividades interativasAtividades interativas
Atividades interativasInês Marques
 
Jogos para 1º dia de aulas
Jogos para 1º dia de aulasJogos para 1º dia de aulas
Jogos para 1º dia de aulasRaquel Campos
 
Relação através da linguagem entre a educadora e as crianças do grupo
Relação através da linguagem entre a educadora e as crianças do grupoRelação através da linguagem entre a educadora e as crianças do grupo
Relação através da linguagem entre a educadora e as crianças do grupoMiriam Camargo
 
Questionario indisciplina
Questionario indisciplinaQuestionario indisciplina
Questionario indisciplinafacris
 
Aividades ludicas jogos em sala de aula
Aividades ludicas   jogos em sala de aulaAividades ludicas   jogos em sala de aula
Aividades ludicas jogos em sala de aulaLeticia Miura
 
Vineland - escala de comportamento adaptativo
Vineland - escala de comportamento adaptativoVineland - escala de comportamento adaptativo
Vineland - escala de comportamento adaptativoRafael Martins
 
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filhoLeandro Rodrigues
 
267 curso orientações educacionais sobre autismo
267 curso orientações educacionais sobre autismo267 curso orientações educacionais sobre autismo
267 curso orientações educacionais sobre autismoSimoneHelenDrumond
 
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidadeJogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidadePriscilla Barbosa
 
Psicopedagogia
PsicopedagogiaPsicopedagogia
Psicopedagogiapublic
 
Ambiente na educacao_infantil___thais_almeida_costa
Ambiente na educacao_infantil___thais_almeida_costaAmbiente na educacao_infantil___thais_almeida_costa
Ambiente na educacao_infantil___thais_almeida_costaMarcia Gomes
 
Tea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativosTea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativoscraeditgd
 
RelatóRio De DeficiêNcia Visual
RelatóRio De DeficiêNcia VisualRelatóRio De DeficiêNcia Visual
RelatóRio De DeficiêNcia VisualGuilherminaP
 
Atividades ludicas de geografia
Atividades ludicas de geografiaAtividades ludicas de geografia
Atividades ludicas de geografiaRamon Santos
 
Indisciplina escolar
Indisciplina escolarIndisciplina escolar
Indisciplina escolarCarla Choffe
 

Mais procurados (20)

Questionário sobre indisciplina
Questionário sobre indisciplinaQuestionário sobre indisciplina
Questionário sobre indisciplina
 
brincadeiras infantis
brincadeiras infantisbrincadeiras infantis
brincadeiras infantis
 
Atividades interativas
Atividades interativasAtividades interativas
Atividades interativas
 
Jogos para 1º dia de aulas
Jogos para 1º dia de aulasJogos para 1º dia de aulas
Jogos para 1º dia de aulas
 
Relação através da linguagem entre a educadora e as crianças do grupo
Relação através da linguagem entre a educadora e as crianças do grupoRelação através da linguagem entre a educadora e as crianças do grupo
Relação através da linguagem entre a educadora e as crianças do grupo
 
Questionario indisciplina
Questionario indisciplinaQuestionario indisciplina
Questionario indisciplina
 
Aividades ludicas jogos em sala de aula
Aividades ludicas   jogos em sala de aulaAividades ludicas   jogos em sala de aula
Aividades ludicas jogos em sala de aula
 
Projecto curricular 4 anos 1
Projecto curricular 4 anos 1Projecto curricular 4 anos 1
Projecto curricular 4 anos 1
 
E book aulas online.docx
E book aulas online.docxE book aulas online.docx
E book aulas online.docx
 
Vineland - escala de comportamento adaptativo
Vineland - escala de comportamento adaptativoVineland - escala de comportamento adaptativo
Vineland - escala de comportamento adaptativo
 
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
 
267 curso orientações educacionais sobre autismo
267 curso orientações educacionais sobre autismo267 curso orientações educacionais sobre autismo
267 curso orientações educacionais sobre autismo
 
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidadeJogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
 
Psicopedagogia
PsicopedagogiaPsicopedagogia
Psicopedagogia
 
Ambiente na educacao_infantil___thais_almeida_costa
Ambiente na educacao_infantil___thais_almeida_costaAmbiente na educacao_infantil___thais_almeida_costa
Ambiente na educacao_infantil___thais_almeida_costa
 
Tea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativosTea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativos
 
Projecto curricular sala dos 5 anos
Projecto curricular  sala dos 5 anosProjecto curricular  sala dos 5 anos
Projecto curricular sala dos 5 anos
 
RelatóRio De DeficiêNcia Visual
RelatóRio De DeficiêNcia VisualRelatóRio De DeficiêNcia Visual
RelatóRio De DeficiêNcia Visual
 
Atividades ludicas de geografia
Atividades ludicas de geografiaAtividades ludicas de geografia
Atividades ludicas de geografia
 
Indisciplina escolar
Indisciplina escolarIndisciplina escolar
Indisciplina escolar
 

Destaque

English attack resumo senac 2
English attack resumo senac 2English attack resumo senac 2
English attack resumo senac 2Mien Mien Ho
 
Simulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas Tenologias
Simulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas TenologiasSimulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas Tenologias
Simulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas TenologiasPrivada
 
Aprendizagem acelerada 1322010150
Aprendizagem acelerada 1322010150Aprendizagem acelerada 1322010150
Aprendizagem acelerada 1322010150joh1204
 
Aulas de Inglês, criativas, divertidas
Aulas de Inglês, criativas, divertidasAulas de Inglês, criativas, divertidas
Aulas de Inglês, criativas, divertidasMaria Vieira
 
Inglês Básico Aula 1
Inglês Básico Aula 1Inglês Básico Aula 1
Inglês Básico Aula 1analeitesco
 

Destaque (9)

Inglês em Boston
Inglês em BostonInglês em Boston
Inglês em Boston
 
English attack resumo senac 2
English attack resumo senac 2English attack resumo senac 2
English attack resumo senac 2
 
Class room
Class roomClass room
Class room
 
Why english?
Why english?Why english?
Why english?
 
Simulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas Tenologias
Simulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas TenologiasSimulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas Tenologias
Simulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas Tenologias
 
Aprendizagem acelerada 1322010150
Aprendizagem acelerada 1322010150Aprendizagem acelerada 1322010150
Aprendizagem acelerada 1322010150
 
AULA DE INGLÊS
AULA DE INGLÊSAULA DE INGLÊS
AULA DE INGLÊS
 
Aulas de Inglês, criativas, divertidas
Aulas de Inglês, criativas, divertidasAulas de Inglês, criativas, divertidas
Aulas de Inglês, criativas, divertidas
 
Inglês Básico Aula 1
Inglês Básico Aula 1Inglês Básico Aula 1
Inglês Básico Aula 1
 

Semelhante a Workshop IV

Cantos de atividades
Cantos de atividades Cantos de atividades
Cantos de atividades vivianelima
 
Modificando os métodos de ensino
Modificando os métodos de ensinoModificando os métodos de ensino
Modificando os métodos de ensinoCíntia Macedo
 
Apresentação Planejamento (2).pptx
Apresentação Planejamento (2).pptxApresentação Planejamento (2).pptx
Apresentação Planejamento (2).pptxPerlaGrazieladaSilva
 
Indisciplina escolar
Indisciplina escolarIndisciplina escolar
Indisciplina escolarCarla Choffe
 
Encontro pedagógico
Encontro pedagógicoEncontro pedagógico
Encontro pedagógicoMagda Marques
 
Indisciplina-escolar.pptx
Indisciplina-escolar.pptxIndisciplina-escolar.pptx
Indisciplina-escolar.pptxJoana Faria
 
Projeto interdisciplinar fundamentos da educação infantil
Projeto interdisciplinar fundamentos da educação infantilProjeto interdisciplinar fundamentos da educação infantil
Projeto interdisciplinar fundamentos da educação infantilAlineGarotti
 
Didática professores trânsito fácil1
Didática professores trânsito fácil1Didática professores trânsito fácil1
Didática professores trânsito fácil1Priscilla Binotto
 
Processo de Aprendizagem
Processo de AprendizagemProcesso de Aprendizagem
Processo de AprendizagemKelly Vanderlei
 
Organização da coletividade em sala de aula
Organização da coletividade em sala de aulaOrganização da coletividade em sala de aula
Organização da coletividade em sala de aulaMaria Cecilia Silva
 
SLIDES SUGESTÃO TRAB COLETIVO.pptx
SLIDES SUGESTÃO TRAB COLETIVO.pptxSLIDES SUGESTÃO TRAB COLETIVO.pptx
SLIDES SUGESTÃO TRAB COLETIVO.pptxMnicaSantos995245
 
Idéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternalIdéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternalLiliane Corte
 
Professor, o que fazer quando a sala está uma bagunça?
Professor, o que fazer quando a sala está uma bagunça?Professor, o que fazer quando a sala está uma bagunça?
Professor, o que fazer quando a sala está uma bagunça?Juliana Soares
 
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
50 dicas para professores começarem bem o ano letivoViotto advocacia
 
A escola que ensina: A prática dos novos saberes no processo de ensino e apre...
A escola que ensina: A prática dos novos saberes no processo de ensino e apre...A escola que ensina: A prática dos novos saberes no processo de ensino e apre...
A escola que ensina: A prática dos novos saberes no processo de ensino e apre...Capacitações Pedagógicas
 

Semelhante a Workshop IV (20)

Cantos de atividades
Cantos de atividades Cantos de atividades
Cantos de atividades
 
Modificando os métodos de ensino
Modificando os métodos de ensinoModificando os métodos de ensino
Modificando os métodos de ensino
 
Apresentação Planejamento (2).pptx
Apresentação Planejamento (2).pptxApresentação Planejamento (2).pptx
Apresentação Planejamento (2).pptx
 
Indisciplina escolar
Indisciplina escolarIndisciplina escolar
Indisciplina escolar
 
Encontro pedagógico
Encontro pedagógicoEncontro pedagógico
Encontro pedagógico
 
Indisciplina escolar
Indisciplina escolarIndisciplina escolar
Indisciplina escolar
 
Indisciplina-escolar.pptx
Indisciplina-escolar.pptxIndisciplina-escolar.pptx
Indisciplina-escolar.pptx
 
Projeto interdisciplinar fundamentos da educação infantil
Projeto interdisciplinar fundamentos da educação infantilProjeto interdisciplinar fundamentos da educação infantil
Projeto interdisciplinar fundamentos da educação infantil
 
Limites
LimitesLimites
Limites
 
Reunião coletiva 1º ano
Reunião coletiva  1º anoReunião coletiva  1º ano
Reunião coletiva 1º ano
 
Didática professores trânsito fácil1
Didática professores trânsito fácil1Didática professores trânsito fácil1
Didática professores trânsito fácil1
 
Dinamicas
DinamicasDinamicas
Dinamicas
 
Como atrair os pais para a escola
Como atrair os pais para a escolaComo atrair os pais para a escola
Como atrair os pais para a escola
 
Processo de Aprendizagem
Processo de AprendizagemProcesso de Aprendizagem
Processo de Aprendizagem
 
Organização da coletividade em sala de aula
Organização da coletividade em sala de aulaOrganização da coletividade em sala de aula
Organização da coletividade em sala de aula
 
SLIDES SUGESTÃO TRAB COLETIVO.pptx
SLIDES SUGESTÃO TRAB COLETIVO.pptxSLIDES SUGESTÃO TRAB COLETIVO.pptx
SLIDES SUGESTÃO TRAB COLETIVO.pptx
 
Idéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternalIdéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternal
 
Professor, o que fazer quando a sala está uma bagunça?
Professor, o que fazer quando a sala está uma bagunça?Professor, o que fazer quando a sala está uma bagunça?
Professor, o que fazer quando a sala está uma bagunça?
 
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
 
A escola que ensina: A prática dos novos saberes no processo de ensino e apre...
A escola que ensina: A prática dos novos saberes no processo de ensino e apre...A escola que ensina: A prática dos novos saberes no processo de ensino e apre...
A escola que ensina: A prática dos novos saberes no processo de ensino e apre...
 

Mais de Bruna Moreno

Let 132 fundamentos metodológicos do ensino de inglês (bruna moreno)
Let 132   fundamentos metodológicos do ensino de inglês (bruna moreno)Let 132   fundamentos metodológicos do ensino de inglês (bruna moreno)
Let 132 fundamentos metodológicos do ensino de inglês (bruna moreno)Bruna Moreno
 
Symbolism in "A Rose for Emily"
Symbolism in "A Rose for Emily"Symbolism in "A Rose for Emily"
Symbolism in "A Rose for Emily"Bruna Moreno
 
Critical thinking in college writing
Critical thinking in college writingCritical thinking in college writing
Critical thinking in college writingBruna Moreno
 
Effective Power Point Presentations
Effective Power Point PresentationsEffective Power Point Presentations
Effective Power Point PresentationsBruna Moreno
 

Mais de Bruna Moreno (10)

Workshop viii
Workshop viiiWorkshop viii
Workshop viii
 
Workshop vii
Workshop viiWorkshop vii
Workshop vii
 
Workshop v
Workshop vWorkshop v
Workshop v
 
Workshop III
Workshop IIIWorkshop III
Workshop III
 
Workshop II
Workshop IIWorkshop II
Workshop II
 
Workshop I
Workshop IWorkshop I
Workshop I
 
Let 132 fundamentos metodológicos do ensino de inglês (bruna moreno)
Let 132   fundamentos metodológicos do ensino de inglês (bruna moreno)Let 132   fundamentos metodológicos do ensino de inglês (bruna moreno)
Let 132 fundamentos metodológicos do ensino de inglês (bruna moreno)
 
Symbolism in "A Rose for Emily"
Symbolism in "A Rose for Emily"Symbolism in "A Rose for Emily"
Symbolism in "A Rose for Emily"
 
Critical thinking in college writing
Critical thinking in college writingCritical thinking in college writing
Critical thinking in college writing
 
Effective Power Point Presentations
Effective Power Point PresentationsEffective Power Point Presentations
Effective Power Point Presentations
 

Workshop IV

  • 1. “Turmas infantis: trabalhando conteúdos e disciplina” Bruna Moreno
  • 2. “ [...] Children who learn a foreign language beginning in early childhood demonstrate certain cognitive advantages over children who do not. […] Bilingual students learn sooner that an object remains the same, even though the object has a different name in another language. For example, a foot remains a foot and performs the function of a foot, whether it is labeled a foot in English or un pied in French.” (Therese Sullivan Caccavale, president of the National Network for Early Language Learning (NNELL))
  • 3. “Beginning foreign language instruction early sets the stage for students to develop advanced levels of proficiencies in one or more languages. In addition, younger learners still possess the capacity to develop near native-like pronunciation and intonation in a new language. Finally, young learners have a natural curiosity about learning which is evident when they engage in learning a new language. They also are open and accepting of people who speak other languages and come from other cultures.” (Martha G. Abbott, Director of Education for the American Council on the Teaching of Foreign Languages (ACTFL))
  • 4. Fale em inglês com as crianças. (De instruções, conte “casos”, etc)  Aproveite as histórias que eles já conhecem  Busque fazer com que as crianças interajam  Mantenha-se atualizado (busque sites, histórias, atividades, músicas)  Tenha cuidado especial com a pronúncia (fossilização)  Busque variar o ambiente da sala de aula  Procure trazer atividades que envolvam o corpo e movimento
  • 5. De 2 a 3 anos:  Necessidade de manipular materiais diversos  Precisam desenvolver a parte motora  Desenvolver a imaginação  Estimular a criatividade  Precisam conviver com outras crianças  Gostam de brincar sozinhos  Estão descobrindo o próprio corpo
  • 6. De 4 a 6 anos:  Gostam de elogios  Emoções extremadas  Adoram novidades (lugares, pessoas, objetos)  Pouco tempo de atenção  É preciso variar as atividades  Gostam de mostrar o que sabem fazer  Estão descobrindo o prazer de brincar com as outras crianças  São muito apegadas aos familiares
  • 7. De 7 a 9 anos:  Ápice do desenvolvimento motor  Fase favorável às atividades que exigem esforço físico  Precisam ser motivadas para o convívio social  Aprendem a respeitar o espaço do outro  Fase de desenvolvimento intelectual  Precisam ser desafiadas intelectualmente
  • 8. De 10 a 12 anos:  Fase para jogos de equipe e competições  Gostam de atividades ao ar livre  Buscam autonomia  Buscam a aceitação do grupo  Dividem as atividades em “de menino” e “de menina”  Fica mais notável a diferença de amadurecimento (meninos x meninas)  Precisam trabalhar a sensibilidade e o ciúme
  • 9. Como fazer para crianças de 3 a 6 anos pararem quietas e prestarem atenção? Não existe uma fórmula pronta pra manter a turma [...] interessada na aula. [...] Nesta faixa etária, o comportamento e as noções de ética e moral encontram-se em processo de construção. Uma das funções da professora é justamente colaborar com essa construção. (Dicas da Psicóloga Daniela Alonso, de São Paulo, para a Revista "Guia Prático para Professoras de Educação Infantil" de setembro de 2005.)
  • 10. 1) Seja coerente: Não confunda as crianças com graus de aceitação diferentes perante um determinado comportamento. [...] Se você deixar num dia e não deixar no outro, as crianças tentarão tirar proveito dessa brecha. "Apenas alunos com hiperatividade ou alguma deficiência devem receber, eventualmente, um tratamento diferenciado. E isso os colegas de classe conseguem entender", observa Daniela.
  • 11. 2) Altere a voz e a expressão, mas não grite: Quando fizer uma censura, altere a voz para marcar a emoção, mas não se mostre muito irritada, pois pode parecer que você não se sente capaz de controlá-los. Em caso de balbúrdia geral, adote códigos de silêncio: - Bata palma 3 vezes; - Apague a luz; - Comece a cantar; - Pare tudo e sente-se. (Decida com sua turma o próprio código de silêncio)
  • 12. 3) Combine as regras de antemão: Essa atitude impede que você tenha de explicar a razão de uma regra no momento em que ela é quebrada. "Promova uma assembléia: Em roda, estimule-os a expressar o que consideram certo e errado. Fale você também. Os motivos das regras devem ser discutidos nessa hora. Assim, no momento de chamar a atenção de um aluno, diga "Lembra que isso é errado?", partindo do princípio de que a justificativa já foi dada."
  • 13. 5) Adote a cooperação: Peça para os alunos arrumarem a classe com você no dia que utilizarem uma organização de carteiras diferentes ou para participar do "conserto" de algo que fez: se machuca um colega, pode ajudar no curativo.  6) Expressão dos sentimentos: Dizer "Não gostei" ou "Isso me ofende" é muito válido, pois, na vida em sociedade, sempre teremos de lidar com os limites das outras pessoas. Se você se expressa, mostra ao aluno que tem sentimentos a ser respeitados.  7) Dê exemplos positivos: Não basta dizer que a atitude está errada. Especifique com o aluno como poderia ter sido diferente.
  • 14. IMPORTANTE - A autoridade da classe é a professora: seja firme! - Se a turma inteira estiver desinteressada, questione-se sobre a atividade. Ela pode não ser adequada. - Tente resolver os problemas diretamente com os alunos. - Caso o aluno tenha dificuldade especial em seguir as regras siga os passos do manual dos professores. -Lembre-se: crianças de até 6 anos não têm disposição para ouvir sermões. Faça observações curtas e diretas, como "Isso não pode" e "Pare com isso"
  • 15. No ato da criação das regras combine com os alunos as sanções ao não cumprimento destas normas. Além de comprometê-la, responsabiliza-a pelas conseqüências de seus atos, caso não as cumpra. Assim, o adulto a está auxiliando a tomar consciência das conseqüências de suas atitudes. Não se trata apenas de suprimir um comportamento indesejável (indução pelo medo, ou pela imposição), mas de difundir a adesão ao comportamento desejado. (Por exemplo, o aluno não fica com o mascote da turma naquela semana, não ganhar o FISK dólar)
  • 17. A aula deve ser composta de: Warm up (cerca de 5 minutos) Heavy Learning Period Fun part (Entre 5 e 10 minutos)
  • 18. Com as crianças mais novas evite jogos competitivos, pois eles se frustram facilmente. Favoreça os jogos colaborativos. - Hot Potato - Dancing Chairs - What’s appearing - Treasure hunt - Simons Says
  • 19. Traga coisas da vida real para a aula
  • 20. Utilize materiais diferentes. Copie os personagens das lições, faça fantoches e deixe os alunos interpretarem os diálogos. Traga objetos para ensinar vocabulário
  • 21. Abuse de recursos: Colagens, materiais variados (giz, canetinha, tinta, papéis coloridos, etc.) Variação: coloque coisas que não são “red” e peça para eles colorirem só o red.
  • 22. http://learnenglishkids.britishcouncil.org/en/s ongs/i-can-run Músicas de Hello / Good Bye “Hello, hello, hello and how are you? I’m fine, I’m fine, I’m fine thank you!” Vídeos
  • 23. http://www.english-4kids.com/  http://www.teachingenglish.org.uk/teaching- kidshttp://www.teachingenglish.org.uk/teach ing-kids (mantido pelo British Council)  http://supersimplelearning.com/  http://criancasaprendemingles.blogspot.com. br/ (blog de uma professora que dá aula na FISK)