SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Reino ANIMALIA
(9 filos)
Filo 3: Platyhelminthes
(do grego platys = achatado + helminthes = verme)
PLATIELMINTOS = VERMES ACHATADOS DORSO-VENTRALMENTE
ESPÉCIE
Taenia
saginata
Taenia
solium
Schistosoma
mansoni
DOENÇA
Teníase Teníase Cisticercose Esquistossomose
CONTÁGIO
Ingestão
da
LARVA
do verme:
cisticercos
na carne de
BOI
Ingestão
de
LARVA
do verme:
cisticercos
na carne de
PORCO
Ingestão
dos
OVOS
microscópicos
do verme:
água não tratada,
frutas não lavadas,
verduras não lavadas,
mãos sujas
Banhar-se
nas
“lagoas de coceira”:
larva aquática
penetra no corpo
atravessando a pele
Os platielmintos
(3 espécies)
TÊNIA ADULTA.
A seta vermelha aponta para a
cabeça do verme, o ESCÓLEX.
Dele vão brotando novas
proglótides.
Conforme as proglótides
amadurecem sexualmente, vão
aumentando de tamanho.
Assim, as proglótides mais velhas
se encontram na extremidade do
corpo do verme e as mais novas
perto da cabeça.
Taenia saginata pode atingir até 12
m de comprimento.
Taenia solium pode atingir entre 3
a 9 m de comprimento.
Taenia solium ampliada 15 vezes.
Vemos a cabeça (escólex) com ventosas e espinhos que permitem a fixação do
verme no intestino.
Proglótides grávidas repletas de ovos em seu interior.
ESPÉCIE 1
Taenia saginata
CICLO
DE
VIDA
ESPÉCIE 2 Taenia solium – CICLO DE VIDA
ESPÉCIE 3 Schistosoma mansoni – CICLO DE VIDA
Caramujo de água doce Biomphalaria glabrata:
concha espiralada, plana e de coloração marrom acinzentada
ATENÇÃO !!!
• O esquistossomo adulto tem de 1,0 a 1,5 cm de comprimento e 1 a 2 mm de
espessura.
• Os vermes adultos podem viver até 30 anos e as fêmeas liberam 300 ovos por
dia !!!
• Os miracídios tem cerca de 24 horas para encontrar um caramujo e invadí-lo.
Após esse tempo, o miracídio morrerá.
• Para cada miracídio que infesta um caracol, serão produzidas 200.000
cercárias.
• As cercárias (forma larval do verme) permanecem vivas por até 60 horas após
deixarem o caramujo.
• A cercária gasta até 15 minutos para conseguir penetrar na pele humana.
• 40 dias após a cercária ter penetrado no corpo humano, a fêmea adulta começa
a postura dos ovos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
2 a 3-platelmintos
2 a 3-platelmintos2 a 3-platelmintos
2 a 3-platelmintos
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
Os vermes
Os vermes Os vermes
Os vermes
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
As principais parasitoses humanas
As principais parasitoses humanasAs principais parasitoses humanas
As principais parasitoses humanas
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
009 os protozoários
009   os protozoários009   os protozoários
009 os protozoários
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Amarelão
AmarelãoAmarelão
Amarelão
 
Nematelmintos, novo
Nematelmintos, novoNematelmintos, novo
Nematelmintos, novo
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
 
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
 
Apresentação slides andréa (Cruz Vermelha)
Apresentação slides andréa (Cruz Vermelha)Apresentação slides andréa (Cruz Vermelha)
Apresentação slides andréa (Cruz Vermelha)
 
Platelmintos verminoses
Platelmintos verminosesPlatelmintos verminoses
Platelmintos verminoses
 
Filo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e NematodaFilo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e Nematoda
 

Destaque

Guia de supervivencia teorico practico de parasitologia
Guia de supervivencia teorico practico de parasitologiaGuia de supervivencia teorico practico de parasitologia
Guia de supervivencia teorico practico de parasitologiaMijail JN
 
Seminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e ParasitaSeminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e ParasitaNathy Oliveira
 
platelmintes parasitas
platelmintes parasitasplatelmintes parasitas
platelmintes parasitasRodrigo
 
Aula 1 conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
Aula 1   conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)Aula 1   conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
Aula 1 conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)ApolloeGau SilvaeAlmeida
 
Parasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigoParasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigornogueira
 
Resumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e ParasitaResumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e ParasitaNathy Oliveira
 
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009nynynha
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaSafia Naser
 
Atlas de Parasitologia Clínica
Atlas de Parasitologia ClínicaAtlas de Parasitologia Clínica
Atlas de Parasitologia Clínicarailuz07
 
Manual Total parasilotolgia
Manual Total parasilotolgiaManual Total parasilotolgia
Manual Total parasilotolgia1395872
 

Destaque (18)

Ancilostomideos
AncilostomideosAncilostomideos
Ancilostomideos
 
Guia de supervivencia teorico practico de parasitologia
Guia de supervivencia teorico practico de parasitologiaGuia de supervivencia teorico practico de parasitologia
Guia de supervivencia teorico practico de parasitologia
 
Ancilostomídeos
AncilostomídeosAncilostomídeos
Ancilostomídeos
 
Seminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e ParasitaSeminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e Parasita
 
platelmintes parasitas
platelmintes parasitasplatelmintes parasitas
platelmintes parasitas
 
Aula 1 conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
Aula 1   conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)Aula 1   conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
Aula 1 conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Parasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigoParasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigo
 
Parasitologia l
Parasitologia lParasitologia l
Parasitologia l
 
Resumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e ParasitaResumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e Parasita
 
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Atlas de Parasitologia Clínica
Atlas de Parasitologia ClínicaAtlas de Parasitologia Clínica
Atlas de Parasitologia Clínica
 
Atlas completo
Atlas completoAtlas completo
Atlas completo
 
Manual Total parasilotolgia
Manual Total parasilotolgiaManual Total parasilotolgia
Manual Total parasilotolgia
 

Semelhante a Vermes parasitas 1 2011

Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+AnelideosPlatelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+AnelideosVitor Maciel
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosCarla Brígida
 
Parte II Reino Animal - vermes
Parte II   Reino Animal - vermesParte II   Reino Animal - vermes
Parte II Reino Animal - vermesRibeirocan
 
Parte II Reino animal - Vermes
Parte II   Reino animal - VermesParte II   Reino animal - Vermes
Parte II Reino animal - VermesRibeirocan
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3mRodrigo
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3mRodrigo
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosCarson Souza
 
Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosErnesto Silva
 
Invertebrados platelmintos e nematelmintos
Invertebrados   platelmintos e nematelmintosInvertebrados   platelmintos e nematelmintos
Invertebrados platelmintos e nematelmintosNAPNE
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Bio
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctistainfoeducp2
 
Principais vermes parasitas
Principais vermes parasitasPrincipais vermes parasitas
Principais vermes parasitasErcio Novaes
 
dokumen.tips_revisao-prova-mensal-ciencias-3o-bimestre-7o-ano-2011-invertebra...
dokumen.tips_revisao-prova-mensal-ciencias-3o-bimestre-7o-ano-2011-invertebra...dokumen.tips_revisao-prova-mensal-ciencias-3o-bimestre-7o-ano-2011-invertebra...
dokumen.tips_revisao-prova-mensal-ciencias-3o-bimestre-7o-ano-2011-invertebra...JosemeireDaSilvaConc
 
Filo platelminto
Filo platelmintoFilo platelminto
Filo platelmintoGunScript
 
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanasMarcos Santos
 

Semelhante a Vermes parasitas 1 2011 (20)

Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+AnelideosPlatelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
 
Parte II Reino Animal - vermes
Parte II   Reino Animal - vermesParte II   Reino Animal - vermes
Parte II Reino Animal - vermes
 
Parte II Reino animal - Vermes
Parte II   Reino animal - VermesParte II   Reino animal - Vermes
Parte II Reino animal - Vermes
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
 
MICRO AULA 4 PARASITO.pdf
MICRO AULA 4 PARASITO.pdfMICRO AULA 4 PARASITO.pdf
MICRO AULA 4 PARASITO.pdf
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
 
Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoarios
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
 
Invertebrados platelmintos e nematelmintos
Invertebrados   platelmintos e nematelmintosInvertebrados   platelmintos e nematelmintos
Invertebrados platelmintos e nematelmintos
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
 
Principais vermes parasitas
Principais vermes parasitasPrincipais vermes parasitas
Principais vermes parasitas
 
Relacoes-Ecologicas.pdf
Relacoes-Ecologicas.pdfRelacoes-Ecologicas.pdf
Relacoes-Ecologicas.pdf
 
CIÊNCIAS 7 AN0.ppt
CIÊNCIAS 7 AN0.pptCIÊNCIAS 7 AN0.ppt
CIÊNCIAS 7 AN0.ppt
 
dokumen.tips_revisao-prova-mensal-ciencias-3o-bimestre-7o-ano-2011-invertebra...
dokumen.tips_revisao-prova-mensal-ciencias-3o-bimestre-7o-ano-2011-invertebra...dokumen.tips_revisao-prova-mensal-ciencias-3o-bimestre-7o-ano-2011-invertebra...
dokumen.tips_revisao-prova-mensal-ciencias-3o-bimestre-7o-ano-2011-invertebra...
 
Filo platelminto
Filo platelmintoFilo platelminto
Filo platelminto
 
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
 

Mais de BriefCase

White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack LondonBriefCase
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileiraBriefCase
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010BriefCase
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
TotalitarismoBriefCase
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoBriefCase
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão PalestinaBriefCase
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosBriefCase
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organicaBriefCase
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisBriefCase
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroBriefCase
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República OligárquicaBriefCase
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaBriefCase
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBriefCase
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosasBriefCase
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade MédiaBriefCase
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradoraBriefCase
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaBriefCase
 

Mais de BriefCase (20)

Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Biomas
Biomas Biomas
Biomas
 
White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack London
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileira
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organica
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e Grécia
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosas
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradora
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
 

Vermes parasitas 1 2011

  • 1. Reino ANIMALIA (9 filos) Filo 3: Platyhelminthes (do grego platys = achatado + helminthes = verme) PLATIELMINTOS = VERMES ACHATADOS DORSO-VENTRALMENTE
  • 2. ESPÉCIE Taenia saginata Taenia solium Schistosoma mansoni DOENÇA Teníase Teníase Cisticercose Esquistossomose CONTÁGIO Ingestão da LARVA do verme: cisticercos na carne de BOI Ingestão de LARVA do verme: cisticercos na carne de PORCO Ingestão dos OVOS microscópicos do verme: água não tratada, frutas não lavadas, verduras não lavadas, mãos sujas Banhar-se nas “lagoas de coceira”: larva aquática penetra no corpo atravessando a pele Os platielmintos (3 espécies)
  • 3. TÊNIA ADULTA. A seta vermelha aponta para a cabeça do verme, o ESCÓLEX. Dele vão brotando novas proglótides. Conforme as proglótides amadurecem sexualmente, vão aumentando de tamanho. Assim, as proglótides mais velhas se encontram na extremidade do corpo do verme e as mais novas perto da cabeça. Taenia saginata pode atingir até 12 m de comprimento. Taenia solium pode atingir entre 3 a 9 m de comprimento.
  • 4. Taenia solium ampliada 15 vezes. Vemos a cabeça (escólex) com ventosas e espinhos que permitem a fixação do verme no intestino.
  • 5. Proglótides grávidas repletas de ovos em seu interior.
  • 7. ESPÉCIE 2 Taenia solium – CICLO DE VIDA
  • 8. ESPÉCIE 3 Schistosoma mansoni – CICLO DE VIDA
  • 9. Caramujo de água doce Biomphalaria glabrata: concha espiralada, plana e de coloração marrom acinzentada
  • 10. ATENÇÃO !!! • O esquistossomo adulto tem de 1,0 a 1,5 cm de comprimento e 1 a 2 mm de espessura. • Os vermes adultos podem viver até 30 anos e as fêmeas liberam 300 ovos por dia !!! • Os miracídios tem cerca de 24 horas para encontrar um caramujo e invadí-lo. Após esse tempo, o miracídio morrerá. • Para cada miracídio que infesta um caracol, serão produzidas 200.000 cercárias. • As cercárias (forma larval do verme) permanecem vivas por até 60 horas após deixarem o caramujo. • A cercária gasta até 15 minutos para conseguir penetrar na pele humana. • 40 dias após a cercária ter penetrado no corpo humano, a fêmea adulta começa a postura dos ovos.