SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Curso: ENSINO MÉDIO Disciplina: BIOLOGIA Professor : LUIS HENRIQUE Data: ____ / ___ / ___
Aluno (a) : N° ___ Série: 1 º ANO ____
A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA
(3 PARTES)
1. MEMBRANA CELULAR
2. CITOPLASMA ( 10 ITENS ): 2.01 HIALOPLASMA
2.02 CITOESQUELETO
2.03 CENTRÍOLOS
2.04 CÍLIOS E FLAGELOS
2.05 RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO LISO
2.06 RIBOSSOMOS
2.07 RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO
2.08 COMPLEXO DE GOLGI
2.09 LISOSSOMOS
2.10 MITOCÔNDRIAS
3. NÚCLEO ( 3 ITENS ): 3.1 CARIOTECA
3.2 NUCLEOPLASMA
3.3 CROMATINA
A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA
( 3 PARTES )
PARTE 2: O CITOPLASMA ( 10 ITENS )
2.01 O HIALOPLASMA
1. COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA:
• ÁGUA;
• SAIS MINERAIS;
• VITAMNINAS;
• MONOSSACARÍDEOS, AMINOÁCIDOS E NUCLEOTIDEOS EXÓGENOS ( PROVENIENTES DA
ALIMENTAÇÃO)
• PROTEINAS ESTRUTURAIS: TUBULINA ( FORMA OS MICROTÚBULOS)
ACTINA E MIOSINA ( FORMA OS MICROFILAMENTOS)
QUERATINA ( FORMA OS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS.)
• PROTEINAS ENZIMÁTICAS QUE VÃO REALIZAR: A GLICÓLISE ( CRQ – M E)
A FERMENTAÇÃO (CRQ – M E)
2. FUNÇÕES :
• ARMAZENAMENTO DE SUBSTÂNCIAS COMO GORDURA (NOS ADIPÓCITOS) E
GLICOGÊNIO (NOS HEPATÓCITOS ). TAIS SUBSTÂNCIAS FUNCIONAM COMO RESERVAS
DE ENERGIA QUÍMICA PARA A CÉLULA;
• SEDE DO CONJUNTO DE REAÇÕES QUÍMICS QUE COSTITUEM A GLICÓLISE E A
FERMENTAÇÃO;
OBS.: O HILOPLASMA REPRESENTA 55% DO VOLUME TOTAL DA CÉLULA.
A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA
( 3 PARTES )
PARTE 2: O CITOPLASMA ( 9 ITENS ):
2.02 O CITOESQUELETO
1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA:
• MICROTÚBULOS: TUBOS FORMADOS PELO ASSOCIAÇÃO (POLIMERIZAÇÃO) DE VÁRIAS PROTEINAS GLOBULARES
CHAMADAS TUBULINAS. OS MICROTÚBULOS APRESENTAM DIAMETRO EXTERNO DE 0,025 – 0,028 µM E UM DIÂMETRO
INTERNO DE 0,014 –0,015 µM
• MICROFILAMENTOS: FILAMENTOS FORMADOS PELO ASSOCIAÇÃO (POLIMERIZAÇÃO) DE PROTEINAS GLOBULARES
CHAMADAS ACTINA. OS MICROFILAMENTOS DE ACTINA APRESENTAM UM DIAMETRO DE 0,006 µM. EXISTEM TAMBÉM
MICROFILAMENTOS FORMADOS PELA PROTEINA MIOSINA.
• FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS: FILAMENTOS FORMADOS PELA PROTEINA EM FORMA DE FIO CHAMADA QUERATINA .
OS FILAMENTOS APRESENTAM UM DIÂMETRO DE 0,007 A 0,011 µM.
2. FUNÇÕES:
• MANUTENÇÃO DA FORMA DA CÉLULA E PELA MANUTENÇÃO DE SUA ARQUITETURA INTERNA, MANTENDO OS
ORGÂNULOS CELULARES EM POSIÇÃO QUASE FIXA;
• ALTERAÇÕES DA FORMA DAS CÉLULAS COMO ALONGAMENTOS, E ACHATAMENTOS. EXEMPLO: A DIAPEDESE DOS
LEUCÓCITOS (PROPRIEDADE DE MUDAR DE FORMA E ATRAVESSAR A PAREDE DOS VASO SANGUINEOS ENTRANDO EM
REGIÕES DO CORPO NAS QUAIS EXISTAM MICRÓBIOS)
• EMISSÃO DE PSEUDÓPODES NOS LEUCÓCITOS QUE FAGOCITAM COMO OS NEUTRÓFILOS, OS LINFÓCITOS E OS
MACRÓFAGOS
• CONTRAÇÃO DAS CÉLULAS MUSCULARES DEVIDO AO DESLIZAMENTO DOS FEIXES DE ACTINA SOBRE OS FEIXES DE
MIOSINA;
• CITOCINESE EM CÉLULAS ANIMAIS TAMBÉM DEVIDO AO DESLIZAMENTO DOS FEIXES DE ACTINA SOBRE OS DE MIOSINA.
• FORMAÇÃO DOS CENTRÍOLOS (CADA CENTRÍOLO É FORMADO POR UM CONJUNTO DE 9 TRIOS DE MICROTÚBULOS).
A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA
(3 PARTES)
PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS):
2.03 OS CENTRÍOLOS
1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA:
• CILINDRO FORMADO POR NOVE TRIOS DE MICROTÚBULOS
• DIÂMETRO DE 0,150 µM. COMPRIMENTO: 0,300 A 0,500 µM.
• OCORREM AOS PARES NAS CÉLULAS
2. FUNÇÕES:
• FORMAÇÃO DOS CÍLIOS E DOS FLAGELOS
• FORMAÇÃO DAS FIBRAS DO FUSO MITÓTICO E MEIÓTICO
A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFOMRE DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA
(3 PARTES)
PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS):
2.04 OS CÍLIOS E FLAGELOS
1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA:
• SÃO CILINDROS RECOBERTOS PELA MEBRANA PLASMÁTICA QUE SE PROJETAM PARA FORA
DA CÉLULA. CADA CILINDRO É FORMADO POR NOVE DUPLAS DE MICROTÚBULOS MAIS UMA
DUPLA DE MICROTÚBULOS NO CENTRO DE CADA CILINDRO.
2. FUNÇÕES:
• CÍLIOS: OCORREM EM GRANDE NÚMERO POR CÉLULA E SÃO MAIS CURTOS QUE OS FLAGELOS
( 02 A 10 µM DE COMPRIMENTO POR 0,500 µM DE DIÂMETRO).
EXEMPLO: ESTÃO PRESENTES NAS CÉLULAS QUE REVESTEM INTERNAMENTE A TRAQUÉIA
HUMANA. SEUS BATIMENTOS “VARREM” PARA FORA O MUCO QUE LUBRIFICA AS VIAS
RESPIRATÓRIAS. É NESSE MUCO QUE FICAM PRESAS AS BACTÉRIAS E AS PARTÍCULAS INALDAS
JUNTO COM O AR.
OBS.: O USO DE CIGARRO INIBE A AÇÃO DOS CÍLIOS PRESENTES NAS CÉLULAS DA TRAQUÉIA ,
DIFICULTANDO ASSIM A REMOÇÃO DAS IMPUREZAS DO AR INALADO.
.
• FLAGELOS: OCORREM UM POR CÉLULA E SÃO MAIS COMPRIDOS QUE OS CÍLIOS (100 A 200 µM
DE COMPRIMENTO POR 0,500 µM DE DIÂMETRO).
EXEMPLO: ESTÃO PRESENTES NOS ESPERMATOZÓIDE E SÃO SEUS BATIMENTOS QUE PERMITEM
QUE O ESPERMATOZÓIDE POSSA SE LOCOMOVER.
A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA
(3 PARTES)
PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS):
2.06 OS RIBOSSOMOS
1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA:
• FORMADOS POR 60% DE RNA RIBOSSÔMICO E 40% DE PROTEÍNAS
• DUAS SUBUNIDADES, COM PESOS MOLECULARES DIFERENTES. ELAS SÃO FORMADAS NO NÚCLEO E ENVIADAS AO HIALOPLASMA ONDE SE UNEM
DURANTE A FABRICAÇÃO DE UMA PROTEÍNA. ACABADA A FABRICAÇÃO, AS SUBUNIDADES SE SEPARAM. OS RIBOSSOMOS SÃO ENCONTRADOS OU LIVRES,
DISPERSOS PELO HIALOPLASMA OU ASSOCIADOS ÀS PAREDES DO RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO FORMANDO O RER.
• DIÂMETRO DE 0,015 µM.
2. FUNÇÕES:
• SÃO RESPONSÁVEIS PELA SÍNTESE DAS PROTEINAS ESTRUTURAIS, DAS ENZIMÁTICAS. E DAS PROTEINAS DE EXPORTAÇÃO.
ATENÇÃO: AS PROTEINAS QUE DEVERÃO SER UTILIZADAS NO INTERIOR DA CÉLULA (TANTO AS ESTRUTURAIS QUANTO AS ENZIMÁTICAS) SÃO FABRICADAS PELOS
RIBOSSOMOS LIVRES;
AS PROTEINAS QUE SERÃO EXPORTADAS PARA FORA DA CÉLULA SÃO FABRICADAS PELOS RIBOSSOMOS UNIDOS AO RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO
(RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO). DEPOIS DE SINTETIZADAS, ELAS PASSAM PARA O INTERIOR DO RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO, SÃO EMBALADAS
EM VESÍCULAS E SÃO TRANSFERIDAS PARA O COMPLEXO DE GOLGI, O QUAL CUIDARÁ DA SUA EXPORTAÇÃO.
EXEMPLOS DE PROTEINAS ESTRUTURAIS:
QUERATINA
AS PROTEINAS QUE FORMAM O CITOESQUELETO ( TUBULINA, ACTINA, MIOSINA ).
A HEMOGLOBINA, PROTEINA PRESENTE NAS HEMÁCIAS (GLÓBULOS VERMELHOS DO SANGUE) CUJA FUNÇÃO É SE LIGAR AO O2 PRENDENDO-O E
TRANSPORTANDO-O PARA TODAS AS CÉLUAS DO ORGANISMO.
COLÁGENO
EXEMPLOS DE PROTEINAS ENZIMÁTICAS:
AS ENZIMAS DIGESTIVAS QUE DECOMPÕEM OS ALIMENTOS AO LONGO DO TUBO DIGESTOR.
AS ENZIMAS QUE VÃO EXECUTAR REAÇÕES QUÍMICAS NO INTERIOR DO HIALOPLASMA, COMO AS ENZIMAS DA GLICÓLISE.
A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA
(3 PARTES)
PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS):
2.05 O RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO LISO
1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA:
• REDE DE CANAIS QUE PERCORRE O HIALOPLASMA.
• ORGÂNULO MEMBRANOSO (PORTANTO COMPOSIÇÃO QUÍMICA SEMELHANTE À DA
MEMBRANA CELULAR, OU SEJA, LIPOPROTEICA)
• COMUNICA-SE COM A MEMBRANA CELULAR E/OU COM A CARIOTECA.
2. FUNÇÕES:
• TRANSPORTE DE SUBSTÂNCIAS NO INTERIOR DA CÉLULA
• SÍNTESE DE LÍPIDIOS ESTRUTURAIS COMO O COLESTEROL E A LECITINA, PRINCIPAIS
COMPONENTES DA MEMBRANA PLASMÁTICA.
• SÍNTESE DOS HORMÔNIOS SEXUAIS MASCULINO (A TESTOSTERONA) E FEMININO (O
ESTRÓGENO) PELAS CÉLULAS QUE FORMAM OS TESTÍCULOS E OS OVÁRIOS,
RESPECTIVAMENTE.
• DESINTOXICAÇÃO: NAS CÉLULAS DO FÍGADO (OS HEPATÓCITOS), O RETÍCULO ABSORVE
SUBSTÂNCIAS TÓXICAS (COMO ÁLCOOL, MEDICAMENTOS E OUTRAS SUBSTÂNCIAS
POTENCIALMENTE NOCIVAS QUE INGERIMOS) MODIFICANDO-AS OU DESTRUINDO-AS,
DE MODO A NÃO CAUSAREM DANOS AO ORGANISMO.
A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA
(3 PARTES)
PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS):
2.07 O RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO
(RIBOSSOMOS ASSOCIADOS AO RETICULO ENDOPLASMÁTICO LISO)
OS RIBOSSOMOS ASSOCIADOS AO RETICULO ENDOPLASMÁTICO FORMAM UM ESTRUTRA DENOMINADA RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO. TAIS RIBOSSOMOS SÃO RESPONSÁVEIS PELA SINTESE DE PROTEINAS QUE SERÃO EXPORTADAS,
ENVIADAS PARA FORA DA CÉLULA. DEVIDO À SUA IMPORTANCIA, DAREMOS ALGUNS EXEMPLOS DESSAS PROTEINAS E DAS CÉLULAS QUE AS FABRICAM.
1. AS ENZIMAS DIGESTIVAS QUE VÃO ATUAR SOBRE O ALIMENTO PRESENTE NA LUZ DO TUBO DIGESTIVO REALIZANDO A DIGESTÃO EXTRACELULAR.
ENZIMA CÉLULA PRODUTORA LOCAL DE ATUAÇÃO ALVO
AMILASE SALIVAR
(CARBOIDRATASE)
AS QUE FORMAM AS GLÂNDULAS SALIVARES BOCA AMIDO (CARBOIDRATO) PRESENTE NO ALIMENTO
INGERIDO
PEPSINA
(PROTEASE)
AS QUE FORMAM O REVESTIMENTO INTERNO DO
ESTOMÂGO
LUZ DO ESTOMÂGO PROTEINAS PRESENTES NO ALIMENTO INGERIDO
QUIMIOTRIPSINA E TRIPSINA
(PROTEASES)
CÉLULAS DO PÂNCREAS LUZ DO INTESTINO DELGADO
( DUODENO)
PROTEINAS PRESENTES NO ALIMENTO INGERIDO
SACARASE E LACTASE
( CARBOIDRATASES)
CÉLULAS DO PÂNCREAS LUZ DO INTESTINO DELGADO
( DUODENO)
SACAROSE (AÇUCAR DE MESA) E LACTOSE (AÇUCAR DO
LEITE) PRESENTES NO ALIMENTO INGERIDO.
LIPASES AS QUE REVESTEM INTERNAMENTE O INTESTINO
DELGADO (DUODENO)
LUZ DO INTESTINO DELGADO LIPÍDIOS PRESENTES NO ALIMENTO INGERIDO
NUCLEASES AS QUE REVESTEM INTERNAMENTE O INTESTINO
DELGADO (DUODENO)
LUZ DO INTESTNO DELGADO DNA E RNA PRESENTES NO ALIMENTO INGERIDO
2. O COLÁGENO PRODUZIDO PELAS CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO FROUXO, DO DENSO ( TENDÕES), DO CARTILAGINOSO E DO ÓSSEO.
3. OS ANTICORPOS PRODUZIDOS PELAS CÉLULAS DO SISTEMA IMUNOLÓGICO, OS LINFÓCITOS B. A FUNÇÃO DOS ANTICORPOS É ATACAR SERES ESTRANHOS ( VIRUS, BACTÉRIAS, FUNGOS E SUBSTÂNCIAS TÓXICAS POR ELES PRODUZIDAS) BEM
COMO SUBSTÂNICAS ESTRANHAS AO ORGANISMO (COMO VENENOS DE COBRA, DE ESCORPIÕES, DE ARANHAS, DA ABELHAS, DE VESPAS E DE FORMIGAS QUE SEJAM INJETADOS NO NOSSO CORPO).
4.
5. HORMÔNIOS PROTEICOS COMO A INSULINA E O GLUCAGON PRODUZIDOS PELAS CÉLULAS QUE FORMAM O PÂNCREAS ( CÉLULAS DAS ILHOTAS DE LANGERHANS).
A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA
(3 PARTES)
PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS):
2.08 O COMPLEXO DE GOLGI
1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA:
• ORGÂNULO FORMADO POR UMA DUPLA MEMBRANA ( LIPOPROTEICO).
• VÁRIOS GRUPOS DE SACOS ACHATADOS E EMPILHADOS UNS SOBRE OS OUTROS. CADA CONJUNTO DE SACOS ACHATADOS É CHAMADO DE
DICTIOSSOMO E O CONJUNTO DE TODOS OS SACOS ACHATADOS É CHAMADO DE COMPLEXO DE GOLGI.
2. FUNÇÕES:
• SECREÇÃO DE SUBSTÂNCIAS PROTEICAS: RECEBE AS PROTEINAS PRODUZIDAS NO RETICULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO, EMPACOTA TAIS
PROTEINAS EM VESÍCULAS (OS GRÂNULOS DE SECREÇÃO). TAIS VESÍCULAS SE DESTACAM DO COMPLEXO DE GOLGI E SE FUNDEM À
MEMBRANA PLASMÁTICA LIBERANDO AS PROTEINAS CONTIDAS NO SEU INTERIOR PARA O MEIO EXTERNO À CÉLULA. EXEMPLO: AS CÉLULAS
DO PÂNCREAS FABRICAM ENZIMAS DIGESTIVAS AS QUAIS SERÃO LIBERADAS NA LUZ DO INTESTINO DELGADO.
• SECREÇÃO DE COMPOSTOS LIPIDICOS: O CG RECEBE OS LIPIDIOS PRODUZIDOS PELO REL EMPACOTA-OS EM VESÍCULAS (GRANULOS DE
SECREÇÃO). TAIS VESÍCULAS SE DESPRENDEM DO CG E SE FUNDEM À MEMBRANA CELULAR LIBERANDO PARA O MEIO EXTERNO OS LIPÍDIOS
CONTIDOS NO SEU INTERIOR. EXEMPLO: AS CÉLULAS DOS TESTÍCULOS E DOS OVÁRIOS QUE PRODUZEM O HORMÔNIO SEXUAL MASCULINO
E O HORMÔNIO SEXUAL FEMININO, RESPECTIVAMENTE, E OS LANÇAM NO INTERIOR DE UM VASO SANGUINEO.
• SECREÇÃO DE MUCO: O MUCO É UMA SUBSTÂNCIA VISCOSA CUJA FUNÇÃO É PROTEGER AS SUPERFÍCIES INTERNAS DE ALGUNS ÓRGÃOS. O
MUCO É FORMADO POR PROTEÍNAS (PRODUZIDAS NO RER) E POR POLISSACARÍDEOS (PRODUZIDOS NO C.G.). O MUCO ENTÃO É EMBALADO
POR UMA VESÍCULA (GRÂNULO DE SECREÇÃO) A QUAL SE DESTACA DO CG EE SE FUNDE À MEMBRANA PLASMÁTICA LIBERANDO O SEU
CONTEÚDO PARA O MEIO EXTERNO À CÉLULA. EXEMPLO: AS CÉLULAS QUE REVESTEM INTERNAMENTE TRAQUÉIA. O MUCO SERVE PRA
RETER AS PARTÍCULAS E OU MICROORGANSIMOS INALADOS JUNTO COM O AR.
• FORMAÇÃO DO ACROSSOMO NOS ESPERMATOZÓIDES: O ACROSSOMO É UMA VESÍCULA REPLETA DE ENZIMAS DIGESTIVAS QUE EXISTENA
CABEÇA DOS ESPERMATOZÓIDES DE MAMÍFEROS. SUA FUNÇÃO É PERFURAR A MEMBRANA PLASMÁTICA DO ÓVULO E PERMITIR QUE O
ESPERMATOZÓIDE POSSA PENETRAR NO INTERIOR DO ÓVULO, FECUNDANDO-O E ASSIM PRODUZINDO O ZIGOTO.
• FORMAÇÃO DOS LISOSSOMOS.
• PRODUÇÃO DE MEMBRANA CELULAR.
A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA
(3 PARTES)
PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS):
2.09 OS LISOSSOMOS
1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA:
• SÃO VESICULAS QUE BROTAM DO C.G. E QUE CONTEM EM SEU INTERIOR ENZIMAS DIGESTIVAS.
• DIÂMETRO: 0,500 µM.
2. FUNÇÕES:
• PARTICIPAM DO PROCESSO DE DIGESTÃO INTRACELULAR:
EXEMPLO: OS LINFÓCITOS EMITEM PSEUDÓPODES QUE ENVOLVEM BACTÉRIAS, FAGOCITANDO-AS. AS
BACTÉRIAS SÃO ENTÃO ISOLADAS NO INTERIOR DE UMA VESICULA MEMBRANOSA CHAMADA
FAGOSSOMO . OS LISOSSOMOS SE APROXIMAM E FUNDEM SUA MEMBRANA À MEMBERANA DO
FAGOSSOMO. FORMAM ASSIM UMA VESÍCULA ÚNICA CHAMADA VACÚOLO DIGESTIVO (OU VACÚOLO
HETEROFÁGICO) E LIBERAM EM SEU INTEIROR AS ENZIMAS DIGESTIVAS. AS BACTÉRIAS SÃO
DESTRUÍDAS POR MEIO DAS ENZIMAS DIGESTIVAS. ALGUMAS SUBSTÂNCIAS PODERÃO SER
REAPROVEITADAS PELA CÉLULA E SAEM DO INTERIOR DA VESÍCULA PARA O HIALOPLASMA. O
MATERIAL QUE NÃO PUDER SER REAPROVEITADO PELA CÉLULA PERMANCE NO INTERIOR DA
VESÍCULA QUE PASSA AGORA A SER CHAMADA DE VACÚOLO RESIDUAL. ESTE UNIRÁ SUA MEMBRANA
À MEMBRANA PLASMÁTICA E ELIMINÁRA OS RESTOS NÃO APROVEITÁVEIS DA BACTÉRIA PARA O MEIO
EXTERNO À CÉLULA. ESSE PROCESSO DE ELIMINAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS NÃO UTEIS À CÉLULA É
CHAMADA CLASMOCITOSE OU DEFECAÇÃO CELULAR. (FUNÇÃO HETEROFÁGICA DOS LISOSSOMOS)
• DESTRUIÇÃO DE SUCATA CELULAR, MATERIAIS CELULARES NÃO UTILIZADOS E ENVELHECIDOS , QUE
DEVEM SER DESTRUÍDOS. PERMITE ASSIM A RENOVAÇÃO DO MATERIAL CITOPLASMÁTICO.
EXEMPLO: OS NEURÔNIOS, FORMADOS DURANTE A NOSSA VIDA EMBRIONÁRIA, APRESENTAM OS SEUS
COMPONENTES CITOPLASMÁTICOS COM MENOS DE UM MÊS DE IDADE. OS HEPATÓCITOS (CÉLULAS DO
FÍGADO) RECONSTRÕEM A MAIORIA DOS SEUS COMPONENTES A CADA SEMANA.
(FUNÇÃO AUTOFÁGICA DOS LISOSSOMOS).
A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA
(3 PARTES)
PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS):
2.10 AS MITOCÔNDRIAS
1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA:
• ORGÂNULO MEMBRANOSO FORMADO POR DUAS MEMBRANAS: UMA MEMBRANA EXTERNA EM
CONTATO COM O HILOPLASMA E UMA MEMBRANA INTERNA QUE SE DOBRA FORMANDO PREGAS
(AS CRISTAS MITOCONDRIAIS). PREENCHENDO A MEMBRANA INTERNA EXISTE UM MATERIAL
FLUIDO CHAMDADO DE MATRIZ.
• DIÂMETRO MAIOR: 3 A 4 µM, DIÂMETRO MENOR: 0,500µM
2. FUNÇÕES :
• CONVERTE AS MOLÉCULAS DERIVADAS DE AÇUCARES E DE LIPÍDOS EM CO2 E H2O E DESSAS
CONVERSÕES EXTRAI ENERGIA QUE É ESTOCADA NAS MOLÉCULAS DE ATP. QUANDO A CÉLULA
NECESSITA DE ENERGIA, ELA QUEBRA A MOLÉCULA DE ATP EM ADP + P E UTILIZA A ENERGIA
QUE ESTAVA ESTOCADA NESSA LIGAÇÃO QUÍMICA.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memorex Biologia 1.1
Memorex Biologia  1.1Memorex Biologia  1.1
Memorex Biologia 1.1Alice MLK
 
Aula 1 conceitos em bio celular
Aula 1 conceitos em bio celularAula 1 conceitos em bio celular
Aula 1 conceitos em bio celularSaulo Muniz
 
Relatório da aula experimental cn células da cebola
Relatório da aula experimental cn células da cebolaRelatório da aula experimental cn células da cebola
Relatório da aula experimental cn células da cebolaAntónio Morais
 
Actividade Experimental nº2
Actividade Experimental nº2Actividade Experimental nº2
Actividade Experimental nº2Gabriela Bruno
 
Bio01 livro-propostos
Bio01 livro-propostosBio01 livro-propostos
Bio01 livro-propostosAlice MLK
 
Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2Alice MLK
 
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e ColoraçãoAula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e ColoraçãoHamilton Nobrega
 
Prática cells[1]Primeiras séries
Prática cells[1]Primeiras  sériesPrática cells[1]Primeiras  séries
Prática cells[1]Primeiras sériesIonara Urrutia Moura
 
Relatório actividade experimental - batata & cebola
Relatório   actividade experimental - batata & cebolaRelatório   actividade experimental - batata & cebola
Relatório actividade experimental - batata & cebolaInês Fernandes
 
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia CelularRoteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia CelularNathália Vasconcelos
 
Relatório de ciências
Relatório de ciências Relatório de ciências
Relatório de ciências Sasuke Sakura
 
Biologia 1EM 1BIM
Biologia 1EM 1BIM Biologia 1EM 1BIM
Biologia 1EM 1BIM Alice MLK
 
Conteudos ensino fundamental provão
Conteudos ensino fundamental provãoConteudos ensino fundamental provão
Conteudos ensino fundamental provãosupletivoariquemes
 
FT5 - Célula vegetal vs célula animal
FT5 - Célula vegetal vs célula animalFT5 - Célula vegetal vs célula animal
FT5 - Célula vegetal vs célula animalGabriela Bruno
 
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio ópticoRoteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio ópticoCélia Maria Antunes
 

Mais procurados (19)

Doc bcm
Doc bcmDoc bcm
Doc bcm
 
Memorex Biologia 1.1
Memorex Biologia  1.1Memorex Biologia  1.1
Memorex Biologia 1.1
 
Aula 1 conceitos em bio celular
Aula 1 conceitos em bio celularAula 1 conceitos em bio celular
Aula 1 conceitos em bio celular
 
Relatório da aula experimental cn células da cebola
Relatório da aula experimental cn células da cebolaRelatório da aula experimental cn células da cebola
Relatório da aula experimental cn células da cebola
 
Actividade Experimental nº2
Actividade Experimental nº2Actividade Experimental nº2
Actividade Experimental nº2
 
Bio01 livro-propostos
Bio01 livro-propostosBio01 livro-propostos
Bio01 livro-propostos
 
Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2
 
Plano aula 6
Plano aula 6Plano aula 6
Plano aula 6
 
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e ColoraçãoAula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
 
Prática cells[1]Primeiras séries
Prática cells[1]Primeiras  sériesPrática cells[1]Primeiras  séries
Prática cells[1]Primeiras séries
 
Relatório actividade experimental - batata & cebola
Relatório   actividade experimental - batata & cebolaRelatório   actividade experimental - batata & cebola
Relatório actividade experimental - batata & cebola
 
A celula
A celulaA celula
A celula
 
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia CelularRoteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
 
Relatório de ciências
Relatório de ciências Relatório de ciências
Relatório de ciências
 
Biologia 1EM 1BIM
Biologia 1EM 1BIM Biologia 1EM 1BIM
Biologia 1EM 1BIM
 
Conteudos ensino fundamental provão
Conteudos ensino fundamental provãoConteudos ensino fundamental provão
Conteudos ensino fundamental provão
 
FT5 - Célula vegetal vs célula animal
FT5 - Célula vegetal vs célula animalFT5 - Célula vegetal vs célula animal
FT5 - Célula vegetal vs célula animal
 
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio ópticoRoteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
 
Uma Visão Geral da Célula
Uma Visão Geral da CélulaUma Visão Geral da Célula
Uma Visão Geral da Célula
 

Semelhante a A estrutura da célula animal

Semelhante a A estrutura da célula animal (20)

Citologia - fund 2.pptx
Citologia - fund 2.pptxCitologia - fund 2.pptx
Citologia - fund 2.pptx
 
Citologia I
Citologia ICitologia I
Citologia I
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Tema 0 biologia pdf
Tema 0   biologia pdfTema 0   biologia pdf
Tema 0 biologia pdf
 
Citologia total
Citologia totalCitologia total
Citologia total
 
Mitcondria e cloroplasto
Mitcondria e cloroplastoMitcondria e cloroplasto
Mitcondria e cloroplasto
 
preparacao_enferm_elisa
preparacao_enferm_elisapreparacao_enferm_elisa
preparacao_enferm_elisa
 
preparacao_enferm_elisa.ppt
preparacao_enferm_elisa.pptpreparacao_enferm_elisa.ppt
preparacao_enferm_elisa.ppt
 
preparacao_enferm_elisa.ppt
preparacao_enferm_elisa.pptpreparacao_enferm_elisa.ppt
preparacao_enferm_elisa.ppt
 
Preparacao enferm elisa
Preparacao enferm elisaPreparacao enferm elisa
Preparacao enferm elisa
 
preparacao_enferm_elisa.ppt
preparacao_enferm_elisa.pptpreparacao_enferm_elisa.ppt
preparacao_enferm_elisa.ppt
 
Aula 3 cels procariotas e eucariotas betania
Aula 3 cels procariotas e eucariotas betaniaAula 3 cels procariotas e eucariotas betania
Aula 3 cels procariotas e eucariotas betania
 
Micro apostila1
Micro apostila1Micro apostila1
Micro apostila1
 
A5 introdução citológica.célula
A5 introdução citológica.célulaA5 introdução citológica.célula
A5 introdução citológica.célula
 
Resumo de Introdução a Citologia
Resumo de Introdução a CitologiaResumo de Introdução a Citologia
Resumo de Introdução a Citologia
 
Mitocôndrias
MitocôndriasMitocôndrias
Mitocôndrias
 
Aula 1 - M
Aula 1 - MAula 1 - M
Aula 1 - M
 
Mitocôndrias
MitocôndriasMitocôndrias
Mitocôndrias
 
Citoplasma
CitoplasmaCitoplasma
Citoplasma
 
5c citoesqueletoaula3
5c citoesqueletoaula35c citoesqueletoaula3
5c citoesqueletoaula3
 

Mais de BriefCase

White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack LondonBriefCase
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileiraBriefCase
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010BriefCase
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
TotalitarismoBriefCase
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoBriefCase
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão PalestinaBriefCase
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosBriefCase
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organicaBriefCase
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisBriefCase
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroBriefCase
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República OligárquicaBriefCase
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaBriefCase
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBriefCase
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosasBriefCase
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade MédiaBriefCase
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradoraBriefCase
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaBriefCase
 

Mais de BriefCase (20)

Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Biomas
Biomas Biomas
Biomas
 
White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack London
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileira
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organica
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e Grécia
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosas
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradora
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
 

A estrutura da célula animal

  • 1. Curso: ENSINO MÉDIO Disciplina: BIOLOGIA Professor : LUIS HENRIQUE Data: ____ / ___ / ___ Aluno (a) : N° ___ Série: 1 º ANO ____ A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA (3 PARTES) 1. MEMBRANA CELULAR 2. CITOPLASMA ( 10 ITENS ): 2.01 HIALOPLASMA 2.02 CITOESQUELETO 2.03 CENTRÍOLOS 2.04 CÍLIOS E FLAGELOS 2.05 RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO LISO 2.06 RIBOSSOMOS 2.07 RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO 2.08 COMPLEXO DE GOLGI 2.09 LISOSSOMOS 2.10 MITOCÔNDRIAS 3. NÚCLEO ( 3 ITENS ): 3.1 CARIOTECA 3.2 NUCLEOPLASMA 3.3 CROMATINA
  • 2. A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA ( 3 PARTES ) PARTE 2: O CITOPLASMA ( 10 ITENS ) 2.01 O HIALOPLASMA 1. COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA: • ÁGUA; • SAIS MINERAIS; • VITAMNINAS; • MONOSSACARÍDEOS, AMINOÁCIDOS E NUCLEOTIDEOS EXÓGENOS ( PROVENIENTES DA ALIMENTAÇÃO) • PROTEINAS ESTRUTURAIS: TUBULINA ( FORMA OS MICROTÚBULOS) ACTINA E MIOSINA ( FORMA OS MICROFILAMENTOS) QUERATINA ( FORMA OS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS.) • PROTEINAS ENZIMÁTICAS QUE VÃO REALIZAR: A GLICÓLISE ( CRQ – M E) A FERMENTAÇÃO (CRQ – M E) 2. FUNÇÕES : • ARMAZENAMENTO DE SUBSTÂNCIAS COMO GORDURA (NOS ADIPÓCITOS) E GLICOGÊNIO (NOS HEPATÓCITOS ). TAIS SUBSTÂNCIAS FUNCIONAM COMO RESERVAS DE ENERGIA QUÍMICA PARA A CÉLULA; • SEDE DO CONJUNTO DE REAÇÕES QUÍMICS QUE COSTITUEM A GLICÓLISE E A FERMENTAÇÃO; OBS.: O HILOPLASMA REPRESENTA 55% DO VOLUME TOTAL DA CÉLULA.
  • 3. A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA ( 3 PARTES ) PARTE 2: O CITOPLASMA ( 9 ITENS ): 2.02 O CITOESQUELETO 1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA: • MICROTÚBULOS: TUBOS FORMADOS PELO ASSOCIAÇÃO (POLIMERIZAÇÃO) DE VÁRIAS PROTEINAS GLOBULARES CHAMADAS TUBULINAS. OS MICROTÚBULOS APRESENTAM DIAMETRO EXTERNO DE 0,025 – 0,028 µM E UM DIÂMETRO INTERNO DE 0,014 –0,015 µM • MICROFILAMENTOS: FILAMENTOS FORMADOS PELO ASSOCIAÇÃO (POLIMERIZAÇÃO) DE PROTEINAS GLOBULARES CHAMADAS ACTINA. OS MICROFILAMENTOS DE ACTINA APRESENTAM UM DIAMETRO DE 0,006 µM. EXISTEM TAMBÉM MICROFILAMENTOS FORMADOS PELA PROTEINA MIOSINA. • FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS: FILAMENTOS FORMADOS PELA PROTEINA EM FORMA DE FIO CHAMADA QUERATINA . OS FILAMENTOS APRESENTAM UM DIÂMETRO DE 0,007 A 0,011 µM. 2. FUNÇÕES: • MANUTENÇÃO DA FORMA DA CÉLULA E PELA MANUTENÇÃO DE SUA ARQUITETURA INTERNA, MANTENDO OS ORGÂNULOS CELULARES EM POSIÇÃO QUASE FIXA; • ALTERAÇÕES DA FORMA DAS CÉLULAS COMO ALONGAMENTOS, E ACHATAMENTOS. EXEMPLO: A DIAPEDESE DOS LEUCÓCITOS (PROPRIEDADE DE MUDAR DE FORMA E ATRAVESSAR A PAREDE DOS VASO SANGUINEOS ENTRANDO EM REGIÕES DO CORPO NAS QUAIS EXISTAM MICRÓBIOS) • EMISSÃO DE PSEUDÓPODES NOS LEUCÓCITOS QUE FAGOCITAM COMO OS NEUTRÓFILOS, OS LINFÓCITOS E OS MACRÓFAGOS • CONTRAÇÃO DAS CÉLULAS MUSCULARES DEVIDO AO DESLIZAMENTO DOS FEIXES DE ACTINA SOBRE OS FEIXES DE MIOSINA; • CITOCINESE EM CÉLULAS ANIMAIS TAMBÉM DEVIDO AO DESLIZAMENTO DOS FEIXES DE ACTINA SOBRE OS DE MIOSINA. • FORMAÇÃO DOS CENTRÍOLOS (CADA CENTRÍOLO É FORMADO POR UM CONJUNTO DE 9 TRIOS DE MICROTÚBULOS).
  • 4. A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA (3 PARTES) PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS): 2.03 OS CENTRÍOLOS 1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA: • CILINDRO FORMADO POR NOVE TRIOS DE MICROTÚBULOS • DIÂMETRO DE 0,150 µM. COMPRIMENTO: 0,300 A 0,500 µM. • OCORREM AOS PARES NAS CÉLULAS 2. FUNÇÕES: • FORMAÇÃO DOS CÍLIOS E DOS FLAGELOS • FORMAÇÃO DAS FIBRAS DO FUSO MITÓTICO E MEIÓTICO
  • 5. A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFOMRE DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA (3 PARTES) PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS): 2.04 OS CÍLIOS E FLAGELOS 1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA: • SÃO CILINDROS RECOBERTOS PELA MEBRANA PLASMÁTICA QUE SE PROJETAM PARA FORA DA CÉLULA. CADA CILINDRO É FORMADO POR NOVE DUPLAS DE MICROTÚBULOS MAIS UMA DUPLA DE MICROTÚBULOS NO CENTRO DE CADA CILINDRO. 2. FUNÇÕES: • CÍLIOS: OCORREM EM GRANDE NÚMERO POR CÉLULA E SÃO MAIS CURTOS QUE OS FLAGELOS ( 02 A 10 µM DE COMPRIMENTO POR 0,500 µM DE DIÂMETRO). EXEMPLO: ESTÃO PRESENTES NAS CÉLULAS QUE REVESTEM INTERNAMENTE A TRAQUÉIA HUMANA. SEUS BATIMENTOS “VARREM” PARA FORA O MUCO QUE LUBRIFICA AS VIAS RESPIRATÓRIAS. É NESSE MUCO QUE FICAM PRESAS AS BACTÉRIAS E AS PARTÍCULAS INALDAS JUNTO COM O AR. OBS.: O USO DE CIGARRO INIBE A AÇÃO DOS CÍLIOS PRESENTES NAS CÉLULAS DA TRAQUÉIA , DIFICULTANDO ASSIM A REMOÇÃO DAS IMPUREZAS DO AR INALADO. . • FLAGELOS: OCORREM UM POR CÉLULA E SÃO MAIS COMPRIDOS QUE OS CÍLIOS (100 A 200 µM DE COMPRIMENTO POR 0,500 µM DE DIÂMETRO). EXEMPLO: ESTÃO PRESENTES NOS ESPERMATOZÓIDE E SÃO SEUS BATIMENTOS QUE PERMITEM QUE O ESPERMATOZÓIDE POSSA SE LOCOMOVER.
  • 6. A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA (3 PARTES) PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS): 2.06 OS RIBOSSOMOS 1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA: • FORMADOS POR 60% DE RNA RIBOSSÔMICO E 40% DE PROTEÍNAS • DUAS SUBUNIDADES, COM PESOS MOLECULARES DIFERENTES. ELAS SÃO FORMADAS NO NÚCLEO E ENVIADAS AO HIALOPLASMA ONDE SE UNEM DURANTE A FABRICAÇÃO DE UMA PROTEÍNA. ACABADA A FABRICAÇÃO, AS SUBUNIDADES SE SEPARAM. OS RIBOSSOMOS SÃO ENCONTRADOS OU LIVRES, DISPERSOS PELO HIALOPLASMA OU ASSOCIADOS ÀS PAREDES DO RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO FORMANDO O RER. • DIÂMETRO DE 0,015 µM. 2. FUNÇÕES: • SÃO RESPONSÁVEIS PELA SÍNTESE DAS PROTEINAS ESTRUTURAIS, DAS ENZIMÁTICAS. E DAS PROTEINAS DE EXPORTAÇÃO. ATENÇÃO: AS PROTEINAS QUE DEVERÃO SER UTILIZADAS NO INTERIOR DA CÉLULA (TANTO AS ESTRUTURAIS QUANTO AS ENZIMÁTICAS) SÃO FABRICADAS PELOS RIBOSSOMOS LIVRES; AS PROTEINAS QUE SERÃO EXPORTADAS PARA FORA DA CÉLULA SÃO FABRICADAS PELOS RIBOSSOMOS UNIDOS AO RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO (RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO). DEPOIS DE SINTETIZADAS, ELAS PASSAM PARA O INTERIOR DO RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO, SÃO EMBALADAS EM VESÍCULAS E SÃO TRANSFERIDAS PARA O COMPLEXO DE GOLGI, O QUAL CUIDARÁ DA SUA EXPORTAÇÃO. EXEMPLOS DE PROTEINAS ESTRUTURAIS: QUERATINA AS PROTEINAS QUE FORMAM O CITOESQUELETO ( TUBULINA, ACTINA, MIOSINA ). A HEMOGLOBINA, PROTEINA PRESENTE NAS HEMÁCIAS (GLÓBULOS VERMELHOS DO SANGUE) CUJA FUNÇÃO É SE LIGAR AO O2 PRENDENDO-O E TRANSPORTANDO-O PARA TODAS AS CÉLUAS DO ORGANISMO. COLÁGENO EXEMPLOS DE PROTEINAS ENZIMÁTICAS: AS ENZIMAS DIGESTIVAS QUE DECOMPÕEM OS ALIMENTOS AO LONGO DO TUBO DIGESTOR. AS ENZIMAS QUE VÃO EXECUTAR REAÇÕES QUÍMICAS NO INTERIOR DO HIALOPLASMA, COMO AS ENZIMAS DA GLICÓLISE.
  • 7. A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA (3 PARTES) PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS): 2.05 O RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO LISO 1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA: • REDE DE CANAIS QUE PERCORRE O HIALOPLASMA. • ORGÂNULO MEMBRANOSO (PORTANTO COMPOSIÇÃO QUÍMICA SEMELHANTE À DA MEMBRANA CELULAR, OU SEJA, LIPOPROTEICA) • COMUNICA-SE COM A MEMBRANA CELULAR E/OU COM A CARIOTECA. 2. FUNÇÕES: • TRANSPORTE DE SUBSTÂNCIAS NO INTERIOR DA CÉLULA • SÍNTESE DE LÍPIDIOS ESTRUTURAIS COMO O COLESTEROL E A LECITINA, PRINCIPAIS COMPONENTES DA MEMBRANA PLASMÁTICA. • SÍNTESE DOS HORMÔNIOS SEXUAIS MASCULINO (A TESTOSTERONA) E FEMININO (O ESTRÓGENO) PELAS CÉLULAS QUE FORMAM OS TESTÍCULOS E OS OVÁRIOS, RESPECTIVAMENTE. • DESINTOXICAÇÃO: NAS CÉLULAS DO FÍGADO (OS HEPATÓCITOS), O RETÍCULO ABSORVE SUBSTÂNCIAS TÓXICAS (COMO ÁLCOOL, MEDICAMENTOS E OUTRAS SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE NOCIVAS QUE INGERIMOS) MODIFICANDO-AS OU DESTRUINDO-AS, DE MODO A NÃO CAUSAREM DANOS AO ORGANISMO.
  • 8. A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA (3 PARTES) PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS): 2.07 O RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO (RIBOSSOMOS ASSOCIADOS AO RETICULO ENDOPLASMÁTICO LISO) OS RIBOSSOMOS ASSOCIADOS AO RETICULO ENDOPLASMÁTICO FORMAM UM ESTRUTRA DENOMINADA RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO. TAIS RIBOSSOMOS SÃO RESPONSÁVEIS PELA SINTESE DE PROTEINAS QUE SERÃO EXPORTADAS, ENVIADAS PARA FORA DA CÉLULA. DEVIDO À SUA IMPORTANCIA, DAREMOS ALGUNS EXEMPLOS DESSAS PROTEINAS E DAS CÉLULAS QUE AS FABRICAM. 1. AS ENZIMAS DIGESTIVAS QUE VÃO ATUAR SOBRE O ALIMENTO PRESENTE NA LUZ DO TUBO DIGESTIVO REALIZANDO A DIGESTÃO EXTRACELULAR. ENZIMA CÉLULA PRODUTORA LOCAL DE ATUAÇÃO ALVO AMILASE SALIVAR (CARBOIDRATASE) AS QUE FORMAM AS GLÂNDULAS SALIVARES BOCA AMIDO (CARBOIDRATO) PRESENTE NO ALIMENTO INGERIDO PEPSINA (PROTEASE) AS QUE FORMAM O REVESTIMENTO INTERNO DO ESTOMÂGO LUZ DO ESTOMÂGO PROTEINAS PRESENTES NO ALIMENTO INGERIDO QUIMIOTRIPSINA E TRIPSINA (PROTEASES) CÉLULAS DO PÂNCREAS LUZ DO INTESTINO DELGADO ( DUODENO) PROTEINAS PRESENTES NO ALIMENTO INGERIDO SACARASE E LACTASE ( CARBOIDRATASES) CÉLULAS DO PÂNCREAS LUZ DO INTESTINO DELGADO ( DUODENO) SACAROSE (AÇUCAR DE MESA) E LACTOSE (AÇUCAR DO LEITE) PRESENTES NO ALIMENTO INGERIDO. LIPASES AS QUE REVESTEM INTERNAMENTE O INTESTINO DELGADO (DUODENO) LUZ DO INTESTINO DELGADO LIPÍDIOS PRESENTES NO ALIMENTO INGERIDO NUCLEASES AS QUE REVESTEM INTERNAMENTE O INTESTINO DELGADO (DUODENO) LUZ DO INTESTNO DELGADO DNA E RNA PRESENTES NO ALIMENTO INGERIDO 2. O COLÁGENO PRODUZIDO PELAS CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO FROUXO, DO DENSO ( TENDÕES), DO CARTILAGINOSO E DO ÓSSEO. 3. OS ANTICORPOS PRODUZIDOS PELAS CÉLULAS DO SISTEMA IMUNOLÓGICO, OS LINFÓCITOS B. A FUNÇÃO DOS ANTICORPOS É ATACAR SERES ESTRANHOS ( VIRUS, BACTÉRIAS, FUNGOS E SUBSTÂNCIAS TÓXICAS POR ELES PRODUZIDAS) BEM COMO SUBSTÂNICAS ESTRANHAS AO ORGANISMO (COMO VENENOS DE COBRA, DE ESCORPIÕES, DE ARANHAS, DA ABELHAS, DE VESPAS E DE FORMIGAS QUE SEJAM INJETADOS NO NOSSO CORPO). 4. 5. HORMÔNIOS PROTEICOS COMO A INSULINA E O GLUCAGON PRODUZIDOS PELAS CÉLULAS QUE FORMAM O PÂNCREAS ( CÉLULAS DAS ILHOTAS DE LANGERHANS).
  • 9. A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA (3 PARTES) PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS): 2.08 O COMPLEXO DE GOLGI 1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA: • ORGÂNULO FORMADO POR UMA DUPLA MEMBRANA ( LIPOPROTEICO). • VÁRIOS GRUPOS DE SACOS ACHATADOS E EMPILHADOS UNS SOBRE OS OUTROS. CADA CONJUNTO DE SACOS ACHATADOS É CHAMADO DE DICTIOSSOMO E O CONJUNTO DE TODOS OS SACOS ACHATADOS É CHAMADO DE COMPLEXO DE GOLGI. 2. FUNÇÕES: • SECREÇÃO DE SUBSTÂNCIAS PROTEICAS: RECEBE AS PROTEINAS PRODUZIDAS NO RETICULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO, EMPACOTA TAIS PROTEINAS EM VESÍCULAS (OS GRÂNULOS DE SECREÇÃO). TAIS VESÍCULAS SE DESTACAM DO COMPLEXO DE GOLGI E SE FUNDEM À MEMBRANA PLASMÁTICA LIBERANDO AS PROTEINAS CONTIDAS NO SEU INTERIOR PARA O MEIO EXTERNO À CÉLULA. EXEMPLO: AS CÉLULAS DO PÂNCREAS FABRICAM ENZIMAS DIGESTIVAS AS QUAIS SERÃO LIBERADAS NA LUZ DO INTESTINO DELGADO. • SECREÇÃO DE COMPOSTOS LIPIDICOS: O CG RECEBE OS LIPIDIOS PRODUZIDOS PELO REL EMPACOTA-OS EM VESÍCULAS (GRANULOS DE SECREÇÃO). TAIS VESÍCULAS SE DESPRENDEM DO CG E SE FUNDEM À MEMBRANA CELULAR LIBERANDO PARA O MEIO EXTERNO OS LIPÍDIOS CONTIDOS NO SEU INTERIOR. EXEMPLO: AS CÉLULAS DOS TESTÍCULOS E DOS OVÁRIOS QUE PRODUZEM O HORMÔNIO SEXUAL MASCULINO E O HORMÔNIO SEXUAL FEMININO, RESPECTIVAMENTE, E OS LANÇAM NO INTERIOR DE UM VASO SANGUINEO. • SECREÇÃO DE MUCO: O MUCO É UMA SUBSTÂNCIA VISCOSA CUJA FUNÇÃO É PROTEGER AS SUPERFÍCIES INTERNAS DE ALGUNS ÓRGÃOS. O MUCO É FORMADO POR PROTEÍNAS (PRODUZIDAS NO RER) E POR POLISSACARÍDEOS (PRODUZIDOS NO C.G.). O MUCO ENTÃO É EMBALADO POR UMA VESÍCULA (GRÂNULO DE SECREÇÃO) A QUAL SE DESTACA DO CG EE SE FUNDE À MEMBRANA PLASMÁTICA LIBERANDO O SEU CONTEÚDO PARA O MEIO EXTERNO À CÉLULA. EXEMPLO: AS CÉLULAS QUE REVESTEM INTERNAMENTE TRAQUÉIA. O MUCO SERVE PRA RETER AS PARTÍCULAS E OU MICROORGANSIMOS INALADOS JUNTO COM O AR. • FORMAÇÃO DO ACROSSOMO NOS ESPERMATOZÓIDES: O ACROSSOMO É UMA VESÍCULA REPLETA DE ENZIMAS DIGESTIVAS QUE EXISTENA CABEÇA DOS ESPERMATOZÓIDES DE MAMÍFEROS. SUA FUNÇÃO É PERFURAR A MEMBRANA PLASMÁTICA DO ÓVULO E PERMITIR QUE O ESPERMATOZÓIDE POSSA PENETRAR NO INTERIOR DO ÓVULO, FECUNDANDO-O E ASSIM PRODUZINDO O ZIGOTO. • FORMAÇÃO DOS LISOSSOMOS. • PRODUÇÃO DE MEMBRANA CELULAR.
  • 10. A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA (3 PARTES) PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS): 2.09 OS LISOSSOMOS 1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA: • SÃO VESICULAS QUE BROTAM DO C.G. E QUE CONTEM EM SEU INTERIOR ENZIMAS DIGESTIVAS. • DIÂMETRO: 0,500 µM. 2. FUNÇÕES: • PARTICIPAM DO PROCESSO DE DIGESTÃO INTRACELULAR: EXEMPLO: OS LINFÓCITOS EMITEM PSEUDÓPODES QUE ENVOLVEM BACTÉRIAS, FAGOCITANDO-AS. AS BACTÉRIAS SÃO ENTÃO ISOLADAS NO INTERIOR DE UMA VESICULA MEMBRANOSA CHAMADA FAGOSSOMO . OS LISOSSOMOS SE APROXIMAM E FUNDEM SUA MEMBRANA À MEMBERANA DO FAGOSSOMO. FORMAM ASSIM UMA VESÍCULA ÚNICA CHAMADA VACÚOLO DIGESTIVO (OU VACÚOLO HETEROFÁGICO) E LIBERAM EM SEU INTEIROR AS ENZIMAS DIGESTIVAS. AS BACTÉRIAS SÃO DESTRUÍDAS POR MEIO DAS ENZIMAS DIGESTIVAS. ALGUMAS SUBSTÂNCIAS PODERÃO SER REAPROVEITADAS PELA CÉLULA E SAEM DO INTERIOR DA VESÍCULA PARA O HIALOPLASMA. O MATERIAL QUE NÃO PUDER SER REAPROVEITADO PELA CÉLULA PERMANCE NO INTERIOR DA VESÍCULA QUE PASSA AGORA A SER CHAMADA DE VACÚOLO RESIDUAL. ESTE UNIRÁ SUA MEMBRANA À MEMBRANA PLASMÁTICA E ELIMINÁRA OS RESTOS NÃO APROVEITÁVEIS DA BACTÉRIA PARA O MEIO EXTERNO À CÉLULA. ESSE PROCESSO DE ELIMINAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS NÃO UTEIS À CÉLULA É CHAMADA CLASMOCITOSE OU DEFECAÇÃO CELULAR. (FUNÇÃO HETEROFÁGICA DOS LISOSSOMOS) • DESTRUIÇÃO DE SUCATA CELULAR, MATERIAIS CELULARES NÃO UTILIZADOS E ENVELHECIDOS , QUE DEVEM SER DESTRUÍDOS. PERMITE ASSIM A RENOVAÇÃO DO MATERIAL CITOPLASMÁTICO. EXEMPLO: OS NEURÔNIOS, FORMADOS DURANTE A NOSSA VIDA EMBRIONÁRIA, APRESENTAM OS SEUS COMPONENTES CITOPLASMÁTICOS COM MENOS DE UM MÊS DE IDADE. OS HEPATÓCITOS (CÉLULAS DO FÍGADO) RECONSTRÕEM A MAIORIA DOS SEUS COMPONENTES A CADA SEMANA. (FUNÇÃO AUTOFÁGICA DOS LISOSSOMOS).
  • 11. A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE UMA CÉLULA ANIMAL CONFORME DADOS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA (3 PARTES) PARTE 2: O CITOPLASMA (10 ITENS): 2.10 AS MITOCÔNDRIAS 1. ESTRUTURA 3D E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA: • ORGÂNULO MEMBRANOSO FORMADO POR DUAS MEMBRANAS: UMA MEMBRANA EXTERNA EM CONTATO COM O HILOPLASMA E UMA MEMBRANA INTERNA QUE SE DOBRA FORMANDO PREGAS (AS CRISTAS MITOCONDRIAIS). PREENCHENDO A MEMBRANA INTERNA EXISTE UM MATERIAL FLUIDO CHAMDADO DE MATRIZ. • DIÂMETRO MAIOR: 3 A 4 µM, DIÂMETRO MENOR: 0,500µM 2. FUNÇÕES : • CONVERTE AS MOLÉCULAS DERIVADAS DE AÇUCARES E DE LIPÍDOS EM CO2 E H2O E DESSAS CONVERSÕES EXTRAI ENERGIA QUE É ESTOCADA NAS MOLÉCULAS DE ATP. QUANDO A CÉLULA NECESSITA DE ENERGIA, ELA QUEBRA A MOLÉCULA DE ATP EM ADP + P E UTILIZA A ENERGIA QUE ESTAVA ESTOCADA NESSA LIGAÇÃO QUÍMICA.