The Economics of the Brazilian Model of Agriculture

332 visualizações

Publicada em

Professor Charles Mueller presents new research that attempts to explain the key factors behind the transformation of Brazilian agriculture over the last 20 years. Read the full research at: http://www.brazil4africa.org/publications/

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
332
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
48
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • How did brazil get from here to here?
    Surely it was policy. Arguably agriculture is the sector that is most dependent on governmental policy to develop. There are all sorts of market failures that need to be addressed. Much of development economics is precisely an analysis of what are these market failures and what policy is need to correct these failures.
  • The Economics of the Brazilian Model of Agriculture

    1. 1. A ECONOMIA DO MODELO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO AGRÍCOLA THE ECONOMICS OF THE BRAZILIAN MODEL OF AGRICULTURAL DEVELOPMENT CHARLES MUELLER UNIVERSITY OF BRASÍLIA BERNARDO MUELLER UNIVERSITY OF BRASÍLIA
    2. 2. Figure 1 – The Evolution of Production, Land, Labor and TFP in Brazilian Agriculture. Source: Data from Gasques, Bastos, Valdez and Bacchi (2012). 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 1995 1994 1993 1992 1991 1990 1989 1988 1987 1986 1985 1984 1983 1982 1981 1980 1979 1978 1977 1976 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 1975 Index 1975=100 TFP Land Labor Production
    3. 3. Figure 2 – Total Factor Productivity in Agriculture for Selected Countries 1961-2010. 300 250 200 150 100 50 0 USA 1961 1966 1971 1976 1981 1986 1991 1996 2001 2006 2010 Total Factor Productivity (1961=100) Brazil China South America (avg) Sub-Saharan Africa (avg) Source: USDA – Economic Research Service: International Agricultural Productivity http://www.ers.usda.gov/data-products/international-agricultural-productivity.aspx#.UsVs67SzSJQ
    4. 4. Table 1 – Brazil´s Rank in the Top 10 Products Globally by Value: 1990 and 2011. Year Commodity (top ten by value) Brazilian Production (Int $1000) % of World Production (Value) Rank 2011 Rice (paddy) 3,704,682 2% 9 2011 Milk 9,915,772 5% 4 2011 Meat, cattle 24,637,781 14% 2 2011 Meat, pig 5,179,187 3% 5 2011 Meat, chicken 16,346,908 13% 3 2011 Wheat - 0% >20 2011 Soybeans 20,082,317 30% 2 2011 Tomatoes 1,632,236 3% 8 2011 Sugar cane 23,879,265 42% 1 2011 Maize 2,753,011 5% 3 1990 Meat cattle 11,071,095 8% 3 1990 Milk 4,613,538 3% 8 1990 Rice (paddy) 1,978,453 1% 11 1990 Meat, pig 1,614,064 2% 13 1990 Wheat 460,456 1% >20 1990 Meat, chicken 3,355,988 7% 3 1990 Grapes 460,023 1% 19 1990 Sugar cane 8,349,600 25% 1 1990 Potatoes - 0% >20 1990 Eggs 1,020,481 4% 5 Elaborated with FAOSTAT data.
    5. 5. A TRANSFORMAÇÃO SURPREENDENTE  Agricultura brasileira antes de 1995:  Baixa produtividade  Desperdícios e ineficiências  Atraso tecnológico  Concentração de terra, conflitos  Relações trabalhistas arcaicas  Mercados incompletos  Oligarquias rurais  Sinais de preços distorcidos Hoje
    6. 6. POLÍTICA AGRÍCOLA NO BRASIL DESDE A SEGUNDA GUERRA Fase de Expansão Horizontal Crescimento agrícola através de expansão da fronteira. Primitiva, baixa produtividade, porém sem escassez. Baixa Intervenção Governamental Produção e exportação aumentam marcadamente com estabilidade monetária e retração do crédito governamental e da política de preços. Novas fronteiras são incorporadas através de pesquisa e tecnologia. 1940 1950 1960 1970 1980 1990 2000 2010 Modernização Conservadora Crescimento através de mudança tecnológica em vez de expansão territorial. Modernização e diversificação gradual da agricultura sem reforma agrária. Crescimento insustentável obtido através de crédito e preços controlados.
    7. 7. EXPLICAÇÃO # 1  Solução técnica:  Desenvolvimento agrícola requer política governamental ativa para corrigir falhas de mercado.  A agricultura brasileira se desenvolveu espetacularmente.  Logo, as políticas foram efetivas.
    8. 8. MAS ATÉ QUE PONTO A POLÍTICA AGRÍCOLA FOI …  Planejada, desenhada, efetiva, proposital, no alvo? vs.  Sem controle, errática, acidental, mal elaborada?
    9. 9. ERROS, DIAGNÓSTICOS EQUIVOCADOS E CONSEQUÊNCIAS NÃO-INTENCIONADAS
    10. 10. ERROS, DIAGNÓSTICOS EQUIVOCADOS E CONSEQUÊNCIAS NÃO-INTENCIONADAS
    11. 11. EXEMPLO DE DIAGNÓSTICOS EQUIVOCADOS: REFORMA AGRÁRIA  A reforma agrária seria uma precondição essencial, sem a qual a agricultura brasileira não poderia se desenvolver.
    12. 12. Área de terra redistribuída através da reforma agrária brasileira:
    13. 13. Table 2 – Gross Income per Farm by Farms Size (2006). Brackets (in Number of % Gross Income min. wages) farms % Gross Income per farm 0 to 2 2,904,769 66.01% 3.27% 0.52 2 to 10 995,750 22.63% 10.28% 4.66 10 to 200 472,702 10.74% 35.46% 34.49 > 200 27,306 0.62% 51.19% 861.91 Total 4,400,527 100% 100% 10.45 Source: Alves and Rocha (2010) using IBGE data, cited in Navarro and Campos (2013: 15)
    14. 14. LIÇÕES DA EXPERIÊNCIA BRASILEIRA  Não é tanto as políticas específicas que foram adotadas ou evitadas …  … e sim as instituições que fundamentam o processo.  As melhoras na agricultura coincidem com o fortalecimento institucional a partir de 1994.  Democracia e rule-of-law.  Presidencialismo forte com poderosos freios e contrapesos.  Inclusão social sustentável (com estabilidade monetária).
    15. 15. LIÇÕES DA EXPERIÊNCIA BRASILEIRA  Política agrícola necessariamente requer intervenção governamental para resolver falhas de mercado.  O que assegura que a política vise o bem maior e o desenvolvimento agrícola de longo prazo?  Antes a política agrícola era sistematicamente sequestrada por considerações de curto prazo: política macroeconômica, anti-inflacionária, balanço de pagamentos e questões eleitorais.
    16. 16. ambientalismo transparência federalismo imprensa livre mercados Ministério Público independente organizações internacionais eleições competitivas NGOs

    ×