A Memória na Era Digital e o Fim do Esquecimento
Ruy José Guerra Barretto de Queiroz, Professor Associado, Centro de Infor...
vez mais fácil e mais barato coletar e armazenar informações sobre todos nós e nosso
comportamento, por outro lado, aos in...
O fato é que a tecnologia que está facilitando o fim do esquecimento, desde a digitalização,
passando pela queda no custo ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A memória na era digital e o fim do esquecimento

602 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

A memória na era digital e o fim do esquecimento

  1. 1. A Memória na Era Digital e o Fim do Esquecimento Ruy José Guerra Barretto de Queiroz, Professor Associado, Centro de Informática da UFPE O fenômeno da memória perfeita é uma dessas surpresas que a tecnologia digital tem propiciado à humanidade. Não obstante seus enormes benefícios, a capacidade de armazenar quase que irrevogavelmente o passado não deixa de trazer sérias preocupações, além de conseqüências nunca dantes imaginadas. Veja-se o problema com o qual se confrontam milhões de pessoas em todo o mundo nos dias de hoje: como viver da melhor forma possível num mundo onde a internet registra tudo e não se esquece de nada. Segundo uma pesquisa recente da Microsoft, 75 por cento dos agentes de recrutamento de pessoal e profissionais de recursos humanos nos EUA declaram que suas empresas lhes exigem que façam pesquisa online sobre os candidatos, e muitos utilizam uma ampla variedade de sítios no escrutínio dos aspirantes aos postos de trabalho, incluindo engenhos de busca, redes sociais, portais de compartilhamento de fotos e vídeos, blogs e sítios pessoais, Twitter, e portais de jogos online. Cerca de 70 por cento dos recrutadores dizem que já rejeitaram candidatos devido a informações encontradas na internet, tais como fotos e conversações em salas de chat e de discussão, além de participação em grupos controversos. Um tanto emblemático é o caso de Andrew Feldmar, um psicoterapeuta canadense de 66 anos de idade, residente em Vancouver. Em 2006, a caminho do aeroporto de Seattle para buscar um amigo, Feldmar tentou atravessar a fronteira com os Estados Unidos tal qual havia feito mais de uma centena de vezes. Dessa vez um guarda de fronteira fez uma busca por seu nome no Google, e encontrou um artigo que Feldmar havia escrito em 2001 para uma revista interdisciplinar, no qual mencionava que tinha tomado LSD nos anos 1960’s. Resultado: após ser detido, interrogado e obrigado a assinar uma declaração de que havia usado drogas 40 anos atrás, foi impedido de entrar nos Estados Unidos. Não menos constrangedor é o caso de Stacy Snyder, professora secundária americana de 25 anos de idade, atuando numa cidade da Pennsylvania. A simples disponibilização em sua página na rede social MySpace de uma foto sua com um copo de bebida nas mãos e usando um boné com a inscrição “Pirata Bêbada”, levou Stacy a ser advertida por seu diretor por “falta de profissionalismo”, além de impedida de receber o diploma de graduação que estava prestes a receber de sua Universidade, sob a alegação de que ela estava promovendo a bebida alcoólica e dando um mau exemplo às crianças da escola em que ensinava. Reivindicando seus direitos à liberdade de expressão, Stacy acionou judicialmente a Universidade, mas em 2008 uma corte federal rejeitou seu pedido dizendo que, em razão do fato de que Stacy era uma pessoa pública cuja foto não dizia respeito a questões de interesse público, sua auto- denominação “Pirata Bêbada” não estaria protegida pelo direito de livre expressão. É fato que a escrita tornou possível ao ser humano a memorização através de gerações e à revelia do tempo. E, curiosamente, o advento da memória digital e das telecomunicações em escala global tem exercido uma pressão inusitada sobre nossa capacidade natural de esquecer, pois o passado está sempre presente e acessível a um clique de mouse. Se, por um lado, é cada
  2. 2. vez mais fácil e mais barato coletar e armazenar informações sobre todos nós e nosso comportamento, por outro lado, aos indivíduos cabe a perda galopante e assustadora do controle sobre aquelas informações: uma vez que se disponibiliza algo na internet, perde-se completamente o controle sobre onde e quando tais informações vão reaparecer, quem terá acesso a elas, e em que contexto serão utilizadas. E para piorar ainda mais, nem sempre o que está na internet foi deliberadamente disponibilizado pelo sujeito associado àquela informação. Em seu livro recentemente publicado pela Princeton University Press, “Delete: The Virtue of Forgetting in the Digital Age” (Setembro 2009), Viktor Mayer-Schönberger, diretor do “Information + Innovation Policy Research Centre” da National University of Singapore, explora como a incapacidade de esquecer o passado já está mudando a sociedade, podendo vir a modificar irrevogavelmente uma das características humanas de maior poder no crescimento pessoal e social: o poder do esquecer. Mayer-Schönberger faz um histórico dos esforços da humanidade para preservar informações, e a correspondente importância do fazer com que algumas dessas informações sejam esquecidas, alertando para a necessidade de contrabalançar essa tendência para o desequilíbrio entre o lembrar e o esquecer antes que conseqüências desagradáveis se materializem. O esquecer, conta ele, tem tido fundamental importância para a humanidade, desde a capacidade de tomarmos decisões não sobrecarregadas por lembranças do passado, até a possibilidade de segundas chances. Entre as repercussões de tal desequilíbrio está o fato de que os registros digitais abrangentes, duráveis, e acessíveis de nosso passado podem impactar diretamente a forma como nos conduzimos e tomamos decisões no presente. Sabendo que o que está na internet não se pode apagar, a tendência é de um comportamento guiado pela permanente autocensura: o comportamento hoje será guiado pelos possíveis futuros usos e interpretações do que ficará registrado. E a mera existência desses rastros digitais, por assim dizer, pode fazer da internet um verdadeiro “pan-óptico” de vigilância digital levando a efeitos inibidores do comportamento humano. O pan-óptico é essencialmente uma idéia antiga, inventada pelo sociólogo britânico Jeremy Bentham em 1785: uma prisão na qual os prisioneiros não sabem quando os guardas os estão observando, por isso têm que assumir que estão sendo observados o tempo todo. Igualmente, dado que não sabemos quem está nos observando na internet, temos que nos comportar o tempo todo com base no menor denominador comum. Como diz Mayer-Schönberger, a natureza sabiamente nos impõe limites à capacidade de memorização, de modo que o esquecimento serve no mínimo ao propósito de limpeza, de reciclagem de nossos pensamentos e do nosso raciocínio. A bem da verdade, insiste o autor, desde o início dos tempos que o esquecer tem sido a norma, enquanto que o lembrar faz parte da exceção. Com a tecnologia digital e as redes globais esses papéis parecem ter se invertido: com a ajuda da tecnologia de armazenamento de informações, o esquecer tem se tornado cada vez mais a exceção enquanto que o lembrar tem sido a norma. Para melhor ilustrar o valor do esquecer, Mayer-Schönberger faz referência (e reverência) a um conto do escritor argentino Jorge Luiz Borges intitulado “Funes El Memorioso” (1944), no qual um jovem detentor de uma memória pródiga, mas que perdeu sua capacidade de esquecer após um acidente, se torna incapaz de converter as informações em conhecimento, e portanto incapaz de crescer em sabedoria. “Pensar é esquecer diferenças, é generalizar, abstrair. No abarrotado mundo de Funes não havia senão detalhes, quase imediatos”, escreveu Borges.
  3. 3. O fato é que a tecnologia que está facilitando o fim do esquecimento, desde a digitalização, passando pela queda no custo de memória e de recuperação da informação, pelo acesso global, até o contínuo aumento do poder do software, representa o perigo da memória digital perpétua, seja ela constituída de informação “expirada”, seja informação desatualizada e removida do contexto, ou até mesmo fotos comprometedoras que a Web não nos deixa esquecer. Com toda a sua autoridade e experiência de jurista, Mayer-Schönberger se esforça para demonstrar que os direitos à privacidade da informação não são suficientes para resolver esse problema, e aí propõe uma solução simples e um tanto quanto inusitada: associar uma data de expiração a toda informação digital. Como diz Jeffrey Rosen em resenha do livro de Mayer-Schönberger publicada recentemente no New York Times (“The Web Means the End of Forgetting”, 19/07/10), supõe-se que vivemos numa época por demais permissiva, com intermináveis segundas chances. Porém o fato é que para muita gente o banco de memória permanente da Web cada vez significa que não existe a segunda chance: não há como escapar de um deslize cometido num passado digital distante. Nos dias de hoje, o que fizemos de pior é muito frequentemente a primeira coisa que todo mundo sabe sobre nós.

×