Tanatologia, o que é?

A Tanatologia é uma das vertentes do campo de estudo da Psicologia
Transpessoal. Interessa-se espec...
CARVALHO,M.M.J. (ORG) (1999) Dor: Um estudo multidisciplinar. São Paulo,
Summus.
BEAUVOIR,S. A velhice. São Paulo, Martins...
HENNEZEL, M. & LELOUP,J.Y. (1999) A arte de morrer. Tradições religiosas e
espiritualidade humanista diante da morte na at...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sobre o Estudo da Morte

2.124 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.124
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sobre o Estudo da Morte

  1. 1. Tanatologia, o que é? A Tanatologia é uma das vertentes do campo de estudo da Psicologia Transpessoal. Interessa-se especialmente pelo entendimento da posição da morte no quadro do desenvolvimento humano estudando cientificamente os estados modificados de consciência e suas alterações durante o processo de morrer e os diferentes aspectos da experiência da morte. Os conceitos utilizados por esta disciplina tem suas bases teóricas fundamentadas na Física Moderna, na Psicologia Budista Tibetana, na Psicologia Junguiana, na Psicologia Humanista de Maslow e nos estudos da Dra. Kubler – Ross, pioneira nesta área, considerada a maior autoridade no assunto Ao trabalhar o medo da morte, através de recursos técnicos e teóricos, a Abordagem Transpessoal instrumentaliza e beneficia os profissionais que lidam diretamente com o sofrimento e a morte. Apresenta ainda, uma metodologia específica no que concerne aos atendimentos e aos tratamentos oferecidos aos pacientes graves e seus familiares, aos pacientes terminais ( área de Cuidados Paliativos) aos amputados, aos queimados, às pessoas que perderam entes queridos e a prevenção do suicídio. O tema da morte é abrangente e embora esteja mais presente na área da saúde sua ocorrência se dá em todas as esferas de atividade humana. O estudo da dor é um dos vetores a ser explorado durante o curso e sua importância se deve ao fato de permear, praticamente o tempo todo, os tópicos selecionados em nosso programa. Para tanto adotaremos o conceito de Dor Total, criado por SAUNDERS (1991) que inclui a Dor Física (sensação dolorosa associada a lesões reais), a Dor Psíquica ( medos do sofrimento, da morte, do desconhecido, tristezas, raiva, revolta, perdas, inseguranças, incertezas, desespero, depressão), a Dor Social (isolamento, rejeição, abandono, mudanças de papéis, dependência, inutilidade), a Dor Espiritual ( falta de sentido na vida e na morte, medo do pós-morte, do submeter-se, das culpas perante Deus, busca de fé, de conforto espiritual), a Dor dos Familiares e da Equipe Médico-Hospitalar nos seus cuidados, entre outras. Bibliografia KOVÁCS,M.J.(1992) Morte e desenvolvimento humano.Saõ Paulo,Casa do psicólogo. ARIÈS,P. (1997 a) História da morte no Ocidente. Rio de janeiro,Francisco Alves. _______. (1997 b) Homem diante da morte. Rio de janeiro, Francisco Alves. PESSINE,L.&BARCHIFONTAINE,J.C. (1996) Fundamentos da bioética. São Paulo, Paulus.
  2. 2. CARVALHO,M.M.J. (ORG) (1999) Dor: Um estudo multidisciplinar. São Paulo, Summus. BEAUVOIR,S. A velhice. São Paulo, Martins Fontes. BECKER,E. (1976) A negação da morte. RJ, Nova Fronteira. BIANCHI, H. ( 1993) o Eu e o tempo. Psicanálise do tempo e do envelhecimento. São Paulo, Casa do Psicólogo. ABERASTURY, A. (1984) A percepção da morte na criança e outros escritos. Porto Alegre, Artes médicas. BOWLBY, J. (1985) Apego, perda e separação. SP, Martins Fontes. BRUN,D. (1996) A criança dada por morta: riscos psíquicos da cura. SP, Casa do Psicólogo. FREUD, S. (1974) Luto e melancolia (1917-1915) In: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. RJ, Imago, vol.14. KLEIN, M. (1981) O luto e a sua relação com os estados maníacos depressivos. In: KLEIN,M. Contribuições à psicanálise, SP, Mestre Jou. RAIMBAULT,G. (1979) A criança e a morte. RJ, Francisco Alves. BROMBERG,M.H.P.F. (1995) A Psicoterapia e situações de perda e luto. Campinas, Editorial Psy. TORRES,W. (1999) A criança diante da morte. SP, Casa do Psicólogo. ESSLINGER,I.&KOVACS,M.J. (1999) Adolescência: vida ou morte. SP, Editora Atica. PITTA,A. (1990) Hospital, dor e morte como ofício. SP, Hucitec. CALLANAN,M. & KELLEY, P. (1994) Gestos finais – Como compreender as mensagens, as necessidades e a condição especial das pessoas que estão morrendo. SP, Nobel. CAMON,V.A.A. (1984) Psicologia Hospitalar. Atuação do psicólogo no contexto hospitalar. SP, Traço. CAMON,V.A.A. (ORG) (1992) O doente, a psicologia e o hospital. SP, Pioneira. _______ V.A.A. (ORG) (2000) Psicologia. Um novo significado para a prática clínica. SP, Pioneira. KUBLER-ROSS (1969) Sobre a morte e morrer. SP, Martins Fontes. ______________(1975) Morte – estágio final da evolução. RJ, Record. NULAND, S.B. (1995) Como morremos. Reflexões sobre o último capítulo da vida. RJ, Rocco. CARVALHO,M.M.J. (ORG) (1994) Introdução a Psiconcologia. Campinas, Editorial Psy. CARVALHO,M.M.J. (ORG) (1998) Psico-oncologia no Brasil. SP, Summus. SIMONTON,O.C. MATTHEWS-SIMONTON,S.& CREIGHTON,J. (1997) Com a vida de novo. SP, Summus. CASSORLA, R.S. (1991) Da morte: estudos brasileiros. Campinas, Papirus. ZAIDHAFT,S. (1990) Morte e formação médica. RJ, Francisco Alves. CAMUS, A. O mito de Sísifo. CASSORLA,R.M.S. (1984) O que é suicídio. SP, Brasiliense. DIAS,M.L. (1991) Suicídio. Testemunhos de adeus. SP, Brasiliense. KASSTENBAUM,R. & AISENBERG,R. (1983) Psicologia da morte. SP, Pioneira. MARTUCELLO,C. (1993) Suicídio: percepção e prevenção. RJ, Cultura médica. BEL CESAR. (2001) Morrer não se improvisa. SP, Gaia.
  3. 3. HENNEZEL, M. & LELOUP,J.Y. (1999) A arte de morrer. Tradições religiosas e espiritualidade humanista diante da morte na atualidade. Petrópolis, Vozes. RINPOCHE,S. (1999) O livro tibetano do viver e do morrer. SP, Editora Talento e Palas Athena. TABONE, M. ( 2000) A psicologia Transpessoal: uma introdução a nova visão da consciência em psicologia e educação. SP, Cultrix. WALSH,R.N. & VAUGHAN, F. (1995) Além do ego. SP, Cultrix. __________________________ (ORG) ( 1997) Caminhos além do ego: uma visão transpessoal . SP, Cultrix. WILBER,K. (1990) O espectro da consciência. SP, Cultrix. WENTZ,W.Y.E. (1960) Bardo Thodol. O livro tibetano dos mortos. SP, Pensamento. BERTOLUCCI, E. (1991) Psicologia do Sagrado: Psicoterapia transpessoal. SP, Agora. Docente Profa. Zilda Moretti – psicóloga clínica, mestre em Psicologia da Educação e do Desenvolvimento Humano pela USP, Membro da Associação Internacional de Psiquiatria Espiritual (Paris-França), Presidente-fundadora do Instituto Brasileiro de Transpessoal. Profa. do Curso de Pós – Graduação em Psicologia Transpessoal ( Curitiba – PR, Brasília – DF e São Paulo – SP) Conferencista com participação em inúmeros congressos. Coordena grupos de desenvolvimento pessoal e cursos de formação clínica em Psicologia e Psicoterapia Transpessoal. Há mais de 10 anos vem formando profissionais nesta nova abordagem. Áreas de interesse e pesquisa: estados modificados de consciência, intervenções terapêuticas de base espiritual ou religiosas e tanatologia. Credenciada pela Rede Nacional de Tanatalogia.

×