SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
CATALISADORES - COMO
AFETAM A RAPIDEZ DE
UMA REAÇÃO QUÍMICA
A CINÉTICA QUÍMICA

Parte da físico-química que estuda a
velocidade das reações químicas
e os fatores que a influenciam.
FATORES QUE AFETAM A VELOCIDADE
DAS REAÇÕES
• Temperatura
• Concentração
• Superfície de contato
• Uso de catalisadores
O USO DE CATALISADORES

O objetivo do uso de catalisadores nas reações
químicas é o de diminuir o tempo em que elas
acontecem, otimizando os processos químicos.
O CAMINHO REACIONAL

Reação: H2 + I2

2 HI
VISÃO MICROSCÓPICA
COMO ACONTECE A CATÁLISE

“Qualquer que seja o mecanismo da catálise, a ação do
catalisador sempre é criar para a reação um novo caminho
com energia de ativação menor.” (Feltre, 2004)
ANALOGIA
CARACTERÍSTICAS DA REAÇÃO COM
CATALISADOR
• A substância que atua como catalisador não é consumida
durante o processo;

• Há a formação de um composto intermediário;
CARACTERÍSTICAS DA REAÇÃO COM
CATALISADOR
• Não altera a entalpia (ΔH) da reação;
• Não altera o rendimento da reação

Exemplo:
REPRESENTAÇÃO NA EQUAÇÃO
QUÍMICA
PRINCIPAIS CATALISADORES

Os principais catalisadores são: os metais (de transição
principalmente); os óxidos metálicos, ácidos; bases;
substâncias que oxidam ou reduzem com facilidade.
EXEMPLOS DE CATÁLISES MAIS
COMUNS
Catalisadores de automóveis diminuem a poluição,
convertendo gases tóxicos em outros menos tóxicos.
EXEMPLOS DE CATÁLISES MAIS
COMUNS
Enzimas: são catalisadores produzidos pelos seres
vivos, que aceleram reações importantes para
o metabolismo do próprio ser vivo. Podemos
afirmar que sem a colaboração das enzimas seria
impossível a vida dos vegetais e animais tal como
a conhecemos em nosso planeta.
BIBLIOGRAFIA
• FELTRE, Ricardo. Química. 4ª ed. V.1. São Paulo: Moderna, 1994.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaMario Monteiro
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações QuímicasKátia Elias
 
Aula de cinética quimica
Aula de cinética quimicaAula de cinética quimica
Aula de cinética quimicaIsabele Félix
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de químicaADSONTORREZANE
 
Equilibrio oxidação e redução
Equilibrio oxidação e  reduçãoEquilibrio oxidação e  redução
Equilibrio oxidação e reduçãoAdrianne Mendonça
 
Titulação ácido base
Titulação ácido baseTitulação ácido base
Titulação ácido baseMarco Bumba
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.Ajudar Pessoas
 
Equações químicas
Equações químicasEquações químicas
Equações químicasIsadora Girio
 
Propriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicasPropriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicasIsadora Girio
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Paulo George
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETOEliando Oliveira
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativasLucas Tardim
 
Capitulo 2 balanço de massa
Capitulo 2   balanço de massaCapitulo 2   balanço de massa
Capitulo 2 balanço de massaPk Keller
 
Estudo dos gases slides
Estudo dos gases   slidesEstudo dos gases   slides
Estudo dos gases slidesMicaela Neiva
 

Mais procurados (20)

Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Aula de cinética quimica
Aula de cinética quimicaAula de cinética quimica
Aula de cinética quimica
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
 
Equilibrio oxidação e redução
Equilibrio oxidação e  reduçãoEquilibrio oxidação e  redução
Equilibrio oxidação e redução
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
 
Titulação ácido base
Titulação ácido baseTitulação ácido base
Titulação ácido base
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
 
Equações químicas
Equações químicasEquações químicas
Equações químicas
 
Fisico quimica
Fisico quimicaFisico quimica
Fisico quimica
 
Propriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicasPropriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicas
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
Capitulo 2 balanço de massa
Capitulo 2   balanço de massaCapitulo 2   balanço de massa
Capitulo 2 balanço de massa
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
 
Estudo dos gases slides
Estudo dos gases   slidesEstudo dos gases   slides
Estudo dos gases slides
 

Destaque (20)

Catalizadores quimicos
Catalizadores quimicosCatalizadores quimicos
Catalizadores quimicos
 
Catálise 1 introdução
Catálise   1 introduçãoCatálise   1 introdução
Catálise 1 introdução
 
Catalisadores biológicos (1)
Catalisadores biológicos (1)Catalisadores biológicos (1)
Catalisadores biológicos (1)
 
Cap.4-1-Propriedades dos Catalisadores Solidos-5.pdf
Cap.4-1-Propriedades dos Catalisadores Solidos-5.pdfCap.4-1-Propriedades dos Catalisadores Solidos-5.pdf
Cap.4-1-Propriedades dos Catalisadores Solidos-5.pdf
 
Cap.4-3-ATextura dos Catalisadores-6.pdf
Cap.4-3-ATextura dos Catalisadores-6.pdfCap.4-3-ATextura dos Catalisadores-6.pdf
Cap.4-3-ATextura dos Catalisadores-6.pdf
 
Enzima (2)
Enzima (2)Enzima (2)
Enzima (2)
 
Cap7-Preparacao de Catalisadores-7.pdf
Cap7-Preparacao de Catalisadores-7.pdfCap7-Preparacao de Catalisadores-7.pdf
Cap7-Preparacao de Catalisadores-7.pdf
 
Reacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºanoReacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºano
 
Catalizadores
CatalizadoresCatalizadores
Catalizadores
 
Enzimas bioquimica
Enzimas bioquimicaEnzimas bioquimica
Enzimas bioquimica
 
RVQ
RVQRVQ
RVQ
 
Conceitos de cinética química
Conceitos de cinética químicaConceitos de cinética química
Conceitos de cinética química
 
Estudo dirigido cardio
Estudo dirigido   cardioEstudo dirigido   cardio
Estudo dirigido cardio
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
Química
QuímicaQuímica
Química
 
Estudo dirigido histologia
Estudo dirigido   histologiaEstudo dirigido   histologia
Estudo dirigido histologia
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
Enzima
EnzimaEnzima
Enzima
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Conversor catalítico
Conversor catalíticoConversor catalítico
Conversor catalítico
 

Semelhante a Catalisadores

Semelhante a Catalisadores (7)

CINÉTICA QUÍMICA.pdf
CINÉTICA QUÍMICA.pdfCINÉTICA QUÍMICA.pdf
CINÉTICA QUÍMICA.pdf
 
CINÉTICA QUÍMICA
CINÉTICA QUÍMICACINÉTICA QUÍMICA
CINÉTICA QUÍMICA
 
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
Apostila de química 2013  3 col  1 bim.Apostila de química 2013  3 col  1 bim.
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
 
Química cinética química
Química   cinética químicaQuímica   cinética química
Química cinética química
 
Slide - Química.pptx
Slide - Química.pptxSlide - Química.pptx
Slide - Química.pptx
 
Cinetica Química
Cinetica QuímicaCinetica Química
Cinetica Química
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
 

Último

PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 

Último (20)

PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 

Catalisadores

  • 1. CATALISADORES - COMO AFETAM A RAPIDEZ DE UMA REAÇÃO QUÍMICA
  • 2. A CINÉTICA QUÍMICA Parte da físico-química que estuda a velocidade das reações químicas e os fatores que a influenciam.
  • 3. FATORES QUE AFETAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES • Temperatura • Concentração • Superfície de contato • Uso de catalisadores
  • 4. O USO DE CATALISADORES O objetivo do uso de catalisadores nas reações químicas é o de diminuir o tempo em que elas acontecem, otimizando os processos químicos.
  • 7. COMO ACONTECE A CATÁLISE “Qualquer que seja o mecanismo da catálise, a ação do catalisador sempre é criar para a reação um novo caminho com energia de ativação menor.” (Feltre, 2004)
  • 9. CARACTERÍSTICAS DA REAÇÃO COM CATALISADOR • A substância que atua como catalisador não é consumida durante o processo; • Há a formação de um composto intermediário;
  • 10. CARACTERÍSTICAS DA REAÇÃO COM CATALISADOR • Não altera a entalpia (ΔH) da reação; • Não altera o rendimento da reação Exemplo:
  • 12. PRINCIPAIS CATALISADORES Os principais catalisadores são: os metais (de transição principalmente); os óxidos metálicos, ácidos; bases; substâncias que oxidam ou reduzem com facilidade.
  • 13. EXEMPLOS DE CATÁLISES MAIS COMUNS Catalisadores de automóveis diminuem a poluição, convertendo gases tóxicos em outros menos tóxicos.
  • 14. EXEMPLOS DE CATÁLISES MAIS COMUNS Enzimas: são catalisadores produzidos pelos seres vivos, que aceleram reações importantes para o metabolismo do próprio ser vivo. Podemos afirmar que sem a colaboração das enzimas seria impossível a vida dos vegetais e animais tal como a conhecemos em nosso planeta.
  • 15. BIBLIOGRAFIA • FELTRE, Ricardo. Química. 4ª ed. V.1. São Paulo: Moderna, 1994.