SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
ARTE- Profº Beto Cavalcante
NOVEMBRO/2020
MATERIAL 4
01-
Nação Zumbi é uma banda
brasileira de rock, nascida no
início da década de 1990, no
Recife, capital do estado de
Pernambuco, a partir da união do
Loustal, banda de rock pós-
punk, com o bloco de samba-
reggae Lamento Negro, e
originalmente chamava-se
"Chico Science & Nação Zumbi"
a) O texto faz referência ao ecossistema dos mangues como
símbolo da miséria e da pobreza e ilustra a necessidade de se
proporem alternativas para sua extinção, na medida em que
colaboram com a desorganização da cidade do Recife e
dificultam o desenvolvimento.
b) Da lama ao caos, do caos à lama é uma obra, que
exemplifica o movimento Manguebeat, ocorrido na década
de 70, na cidade do Recife, no sentido de resgatar a
desvalorização da cultura local, influenciando movimentos
culturais externos.
c) No trecho do texto: “Ô Josué, eu nunca vi tamanha
desgraça”, o autor sinaliza a sua insatisfação com as heranças
e influências culturais deixadas por Josué de Castro, Mestre Salustiano, Ariano Suassuna no
surgimento do movimento Manguebeat, na década de 90.
d) O texto ilustra um movimento de renovação e valorização da cultura pernambucana,
denominado de Manguebeat, nascido na década de 90, na cidade do Recife, pautado na
mobilização e na contestação social, e traz a ideia de caos como referência às desigualdades e
aos conflitos sociais.
e) No texto, o caranguejo e o aratu representam a abundância dos recursos da natureza presentes
nos manguezais, sendo esses recursos os responsáveis pela redução da fome e da miséria e por
significativos avanços sociais, vistos na década de 70, momento em que nascia o Movimento
Manguebeat.
02-O trecho do rap e o grafite evidenciam o papel social
das manifestações artísticas e provocam a
a) consciência do público sobre as razões da
desigualdade social.
b) rejeição do público-alvo à situação representada nas
obras.
c) reflexão contra a indiferença nas relações sociais de
forma contundente.
d) ideia de que a igualdade é atingida por meio da
violência.
e) mobilização do público contra o preconceito racial
em contextos diferentes.
03- Ultimamente vários críticos de arte têm
questionado se as intervenções urbanas de vários
artistas que estão espalhados pelo mundo podem ou
não ser consideradas arte. Na maioria das vezes as
intervenções urbanas têm mensagens sobre política,
guerra, fome, pobreza, assuntos do cotidiano,
segurança. A noção de intervenção é empregada, no
campo das artes, com múltiplos sentidos, não havendo
uma única definição para o termo. Na área de
urbanismo e arquitetura, as intervenções urbanas designam programas e projetos que
visam à reestruturação, requalificação ou reabilitação funcional e simbólica de regiões ou
edificações de uma cidade. Como prática artística no espaço urbano, a intervenção pode
ser considerada uma vertente da arte urbana, ambiental ou pública, direcionada a interferir
sobre uma dada situação para promover alguma transformação ou reação, no plano físico,
intelectual ou sensorial. Trabalhos de intervenção podem ocorrer em áreas externas ou no
interior de edifícios.
A partir das ideias acima expostas sobre a intervenção como força expressiva, assinale a
alternativa correta.
A-O grafite pode ser considerado como exemplo dessa força expressiva, pois como aponta
o enunciado pode ocorrer em áreas externas e intervêm na paisagem urbana.
B- A intervenção diz respeito a uma modalidade artística, com recursos limitados para sua
construção.
C- Arte Urbana e Intervenção são conceitos distintos, já que a primeira se ocupa dos espaços
públicos e a segunda, eminentemente, com espaços privados.
D- Trabalhos de intervenção só podem ocorrer no interior de edifícios.
E- A intervenção não pode ser considerada uma vertente da arte urbana.
04- (enem 2009) O ano de 1968 ficou conhecido pela efervescência social, tal como se pode
comprovar pelo seguinte trecho, retirado de texto sobre propostas preliminares para uma
revolução cultural: “É preciso discutir em todos os lugares e com todos. O dever de ser
responsável e pensar politicamente diz respeito a todos, não é privilégio de uma minoria de
iniciados. Não devemos nos surpreender com o caos das ideias, pois essa é a condição para
a emergência de novas ideias. Os pais do regime devem compreender que autonomia não
é uma palavra vã; ela supõe a partilha do poder, ou seja, a mudança de sua natureza. Que
ninguém tente rotular o movimento atual; ele não tem etiquetas e não precisa delas”.
Journal de la comune étudiante. Textes et documents. Paris: Seuil, 1969 (adaptado)
Os movimentos sociais, que marcaram o ano de 1968,
A-foram manifestações desprovidas de conotação política, que tinham o objetivo de
questionar a rigidez dos padrões de comportamento social fundados em valores
tradicionais da moral religiosa.
B-restringiram-se às sociedades de países desenvolvidos, onde a industrialização
avançada, a penetração dos meios de comunicação de massa e a alienação cultural que
deles resultava eram mais evidentes.
C-resultaram no fortalecimento do conservadorismo político, social e religioso que
prevaleceu nos países ocidentais durante as décadas de 70 e 80.
D-tiveram baixa repercussão no plano político, apesar de seus fortes desdobramentos
nos planos social e cultural, expressos na mudança de costumes e na contracultura.
E-inspiraram futuras mobilizações, como o pacifismo, o ambientalismo, a promoção da
equidade de gêneros e a defesa dos direitos das minorias.
05-Leia o texto e observe a imagem a seguir.
Surgiu, em 1944, no Rio de Janeiro, o Teatro Experimental do Negro,
ou TEN, que se propunha a resgatar, no Brasil, os valores da pessoa
humana e da cultura negro-africana, degradados e negados por
uma sociedade dominante que, desde os tempos da colônia,
portava a bagagem mental de sua formação metropolitana
europeia, imbuída de conceitos pseudocientíficos sobre a
inferioridade da raça negra.
(NASCIMENTO, A. Teatro Experimental do Negro: trajetória e reflexões. Revista do
Instituto de Estudos Avançados. São Paulo: USP 18(50), 2004, p.209-224. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/ea/v18n50/a19v1850.pdf>. Acesso em: 24 jun. 2013.)
A partir do texto, da imagem sobre o TEN e do contexto brasileiro
(década de 1940), é possível julgar correto que
a- Em 1940, década de criação do TEN, era comum no Brasil
atores brancos interpretarem papéis que deveriam ser destinados
especificamente a atores negros ricos e poderosos, para a valorização da raça negra.
b- No contexto brasileiro, caracterizava-se de negro um ator branco quando o papel
tivesse certo destaque cênico ou alguma qualificação dramática.
c- O TEN alfabetizava somente aquele que participavam ativamente das atividades do
grupo, isolando-se de toda a sociedade branca da época.
d- O TEN não teve forças para lutar pela valorização do negro brasileiro, pois seus
criadores acabaram aderindo aos ideais do regime militar da década de 1960.
e- O TEN propunha-se a trabalhar pela valorização social do negro no Brasil, através da
educação, da cultura e da arte. Para isso, usava diferentes instrumentos, como a realização
de peças teatrais, concursos de beleza etc.
06- Em 1922, a famosa Semana de Arte Moderna
rompeu com as tradições, imortalizando artistas
como Anita Malfatti e Mario de Andrade. Nesse
mesmo ano, outro acontecimento, muito menos
celebrado pela historiografia, também constituiu
um marco importante na arte brasileira: pela
primeira vez, uma mulher era premiada por uma
pintura histórica, gênero artístico mais prestigiado
na época. A paulista Georgina de Albuquerque que
recebeu o prêmio, concedido pela Escola Nacional
de Belas Artes, pela pintura Sessão do Conselho do
Estado. A partir do tema independência do Brasil, a
artista questionava as representações do poder, ao
escolher retratar uma mulher no centro de um
acontecimento histórico. Em vez de retratar um
evento triunfal, como a famosa tela de Pedro
Américo, a obra representava um episódio diplomático no qual a princesa Leopoldina ouvia
as opiniões dos membros do conselho de Estado sobre a independência.
Marina Tessitore. As artistas esquecidas pela história. In: Revista ARTE!Brasileiros, 20/04/2017.
Considerando a pintura de Georgina de Albuquerque e o fragmento de texto apresentado,
é possível afirmar que
a- A pintura de Georgina de Albuquerque representa uma sessão do Conselho do
Estado ocorrida em 1922.
b- O gênero histórico, muito prestigiado na arte acadêmica, foi um dos principais
estilos que influenciou as pinturas vanguardistas.
c- A pintura de Georgina de Albuquerque apresenta aspectos impressionistas, como a
presença dos sentimentos e emoções da artista em sua obra.
d- Embora represente Leopoldina em silêncio, ouvindo a opinião de alguns homens, a
pintura reconhece a importância histórica dessa personagem.
e- Ao representar a princesa Leopoldina fora do centro da pintura, Georgina de
Albuquerque deixa claro a irrelevância da princesa na tomada de decisões históricas.
07- TEXTO I
DUCHAMP, M. Roda de bicicleta. Aço e madeira, 1,3 m x 64 cm x 42
cm, 1913. Museu de Arte Moderna de Nova York.
DUCHAMP, M. Roda de bicicleta. Barcelona: Polígrafa, 1995.
TEXTO II
Ao ser questionado sobre seu processo de
criação de ready-mades, Marcel Duchamp afirmou:
— Isto dependia do objeto; em geral, era
preciso tomar cuidado com o seu look. É muito
difícil escolher um objeto porque depois de quinze
dias você começa a gostar dele ou a detestá-lo. É
preciso chegar a qualquer coisa com uma
indiferença tal que você não tenha nenhuma
emoção estética. A escolha do ready-made é
sempre baseada na indiferença visual e, ao mesmo
tempo, numa ausência total de bom ou mau gosto.
CABANNE, P. Marcel Duchamp: engenheiro do tempo
perdido. São Paulo: Perspectiva, 1987 (adaptado).
Relacionando o texto e a imagem da obra, entende-
se que o artista Marcel Duchamp, ao criar os ready-
mades, inaugurou um modo de fazer arte que
consiste em
A-designar ao artista de vanguarda a tarefa de ser o artífice da arte do século XX.
B-considerar a forma dos objetos como elemento essencial da obra de arte.
C-revitalizar de maneira radical o conceito clássico do belo na arte.
D-criticar os princípios que determinam o que é uma obra de arte.
E-atribuir aos objetos industriais o status de obra de arte.
08- A origem da obra de arte (2002) é uma instalação
seminal na obra de Marilá Dardot. Apresentada
originalmente em sua primeira exposição individual, no
Museu de Arte da
Pampulha, em Belo Horizonte, a obra constitui um
convite para a interação do espectador instigado a
compor palavras e sentenças e a distribuí-las pelo
campo. Cada letra tem o feitio de um vaso de cerâmica
(ou será o contrário?) e, à disposição do espectador,
encontram-se utensílios de plantio, terra e sementes.
Para abrigar a obra e servir de ponto de partida para a criação dos textos, foi construído um pequeno
galpão, evocando uma estufa ou um ateliê de jardinagem.
As 1500 letras-vaso foram produzidas pela cerâmica que funciona no Instituto Inhotim, em Minas
Gerais, num processo que durou vários meses e contou com a participação de dezenas de mulheres
das comunidades do entorno. Plantar palavras, semear ideias é o que nos propõe o trabalho. No
contexto de Inhotim, onde natureza e arte dialogam de maneira privilegiada, esta proposição se
torna, de certa maneira, mais perto da possibilidade.
Disponível em: www.inhotim.org.br. Acesso em:
22 maio 2013 (adaptado).
A função da obra de arte como possibilidade de experimentação e de construção pode ser
constatada no trabalho de Marilá Dardot porque
a) o projeto artístico acontece ao ar livre.
b) o observador da obra atua como seu criador.
c) a obra integra-se ao espaço artístico e botânico.
d) as letras-vaso são utilizadas para o plantio de mudas.
e) as mulheres da comunidade participam na confecção das peças.
09- “Tudo indica que o termo ‘indústria cultural’ foi empregado pela primeira vez no livro
Dialética do esclarecimento, que Horkheimer [1895-1973] e eu [Adorno, 1903-1969]
publicamos em 1947, em Amsterdã. (...) Em todos os seus ramos fazem se, mais ou menos
segundo um plano, produtos adaptados ao consumo das massas e que em grande medida
determinam esse consumo”.
(ADORNO, Theodor W. A indústria cultural. In: COHN, Gabriel (Org.). Theodor W. Adorno. São Paulo: Ática, 1986. p. 92.)
Com base no texto acima e na concepção de indústria cultural expressa por Adorno e
Horkheimer, é correto afirmar:
a) Os produtos da indústria cultural caracterizam-se por ser a expressão espontânea das
massas.
b) Os produtos da indústria cultural afastam o indivíduo da rotina do trabalho alienante
realizado em seu cotidiano.
c) A quantidade, a diversidade e a facilidade de acesso aos produtos da indústria cultural
contribuem para a formação de indivíduos críticos, capazes de julgar com autonomia.
d) A indústria cultural visa à promoção das mais diferentes manifestações culturais,
preservando as características originais de cada uma delas.
e) A indústria cultural banaliza a arte ao transformar as obras artísticas em produtos
voltados para o consumo das massas.
10-Quanto mais uma pessoa entra em contato com as formas artísticas, mais se aprofunda
nessa linguagem, enriquece repertório, conhece autores/artistas, tem acesso à
compreensão estética da humanidade. Para cultivarmos o hábito da leitura de obras
artísticas, é fundamental não só o contato com as reproduções de obras de Arte (já que
nossa presença frente às originais nem sempre é possível), como também a frequência a
galerias, museus, teatros, concertos e óperas, entre outros espaços. Sobre a leitura e a
linguagem da Arte, é correto afirmar:
a) A arte permite diversas leituras, ou seja, quando nos deparamos com um objeto artístico,
nós os interpretamos e os ressignificamos à nossa maneira. Dessa forma, podemos dizer
que a percepção das obras de arte é individual.
b) Todo objeto artístico possui seu significado. Esse significado é oferecido pelo
autor/artista da obra. Não é possível que haja inúmeras leituras e significações para cada
obra de arte, pois, se assim fosse, nunca conseguiríamos explicar uma obra de arte.
c) Quando nos deparamos com obras realizadas há duzentos ou trezentos anos,
encontramos exatamente os mesmos sentidos e significações que o público daquela época
encontrou nessas mesmas obras.
d) A reprodução dos objetos artísticos, tão comum nos dias de hoje, transformou a arte em
mercadoria, fazendo com que ela perdesse seu caráter democrático.
e) Na experiência da interpretação narrativa de uma obra de arte, é de fundamental
importância o conhecimento da história da arte, uma vez que sem esse conhecimento não
há como entender e sem uma clara interpretação não há linguagem possível.
GABARITO
01- D
02- C
03- A
04- E
05- E
06- D
07- E
08- B
09- E
10- A

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a MATERIAL4-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docx

Artes - Professor Beto Cavalcante
Artes - Professor Beto CavalcanteArtes - Professor Beto Cavalcante
Artes - Professor Beto CavalcantePré-Enem Seduc
 
Pensamento; "Opinião Reflexiva, ou Elitização do Pensamento em Arte?"
Pensamento; "Opinião Reflexiva, ou Elitização do Pensamento em Arte?"Pensamento; "Opinião Reflexiva, ou Elitização do Pensamento em Arte?"
Pensamento; "Opinião Reflexiva, ou Elitização do Pensamento em Arte?"Robson Ferraz
 
A comunicação nas periferias
A comunicação nas periferiasA comunicação nas periferias
A comunicação nas periferiasJaiane Santos
 
QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docx
QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docxQUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docx
QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docxJanelindinha Sempre
 
9 ano 1 bimestre 2018
9 ano 1 bimestre 20189 ano 1 bimestre 2018
9 ano 1 bimestre 2018Jesusvida4
 
Graffit: Amor Ou Odio?
Graffit: Amor Ou Odio?Graffit: Amor Ou Odio?
Graffit: Amor Ou Odio?guest75153a
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte modernaElvis Live
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte modernaNome Sobrenome
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroJunior Onildo
 
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumboO papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumboSusana Reis
 
MATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docx
MATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docxMATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docx
MATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docxBeto Cavalcante
 

Semelhante a MATERIAL4-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docx (20)

25 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 202025 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 2020
 
Artes - Professor Beto Cavalcante
Artes - Professor Beto CavalcanteArtes - Professor Beto Cavalcante
Artes - Professor Beto Cavalcante
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Pensamento; "Opinião Reflexiva, ou Elitização do Pensamento em Arte?"
Pensamento; "Opinião Reflexiva, ou Elitização do Pensamento em Arte?"Pensamento; "Opinião Reflexiva, ou Elitização do Pensamento em Arte?"
Pensamento; "Opinião Reflexiva, ou Elitização do Pensamento em Arte?"
 
A comunicação nas periferias
A comunicação nas periferiasA comunicação nas periferias
A comunicação nas periferias
 
QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docx
QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docxQUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docx
QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docx
 
9 ano 1 bimestre 2018
9 ano 1 bimestre 20189 ano 1 bimestre 2018
9 ano 1 bimestre 2018
 
Modernismo america latina
Modernismo america latinaModernismo america latina
Modernismo america latina
 
ModernismoTD1.pdf
ModernismoTD1.pdfModernismoTD1.pdf
ModernismoTD1.pdf
 
Modernismo2018
Modernismo2018Modernismo2018
Modernismo2018
 
Graffit: Amor Ou Odio?
Graffit: Amor Ou Odio?Graffit: Amor Ou Odio?
Graffit: Amor Ou Odio?
 
Gerchman, rubens
Gerchman, rubensGerchman, rubens
Gerchman, rubens
 
AULÃO-3º ANOSE.M..pptx
AULÃO-3º ANOSE.M..pptxAULÃO-3º ANOSE.M..pptx
AULÃO-3º ANOSE.M..pptx
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumboO papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
 
MATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docx
MATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docxMATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docx
MATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docx
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
 

Último

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 

Último (20)

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 

MATERIAL4-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docx

  • 1. ARTE- Profº Beto Cavalcante NOVEMBRO/2020 MATERIAL 4 01- Nação Zumbi é uma banda brasileira de rock, nascida no início da década de 1990, no Recife, capital do estado de Pernambuco, a partir da união do Loustal, banda de rock pós- punk, com o bloco de samba- reggae Lamento Negro, e originalmente chamava-se "Chico Science & Nação Zumbi" a) O texto faz referência ao ecossistema dos mangues como símbolo da miséria e da pobreza e ilustra a necessidade de se proporem alternativas para sua extinção, na medida em que colaboram com a desorganização da cidade do Recife e dificultam o desenvolvimento. b) Da lama ao caos, do caos à lama é uma obra, que exemplifica o movimento Manguebeat, ocorrido na década de 70, na cidade do Recife, no sentido de resgatar a desvalorização da cultura local, influenciando movimentos culturais externos. c) No trecho do texto: “Ô Josué, eu nunca vi tamanha desgraça”, o autor sinaliza a sua insatisfação com as heranças e influências culturais deixadas por Josué de Castro, Mestre Salustiano, Ariano Suassuna no surgimento do movimento Manguebeat, na década de 90. d) O texto ilustra um movimento de renovação e valorização da cultura pernambucana, denominado de Manguebeat, nascido na década de 90, na cidade do Recife, pautado na mobilização e na contestação social, e traz a ideia de caos como referência às desigualdades e aos conflitos sociais. e) No texto, o caranguejo e o aratu representam a abundância dos recursos da natureza presentes nos manguezais, sendo esses recursos os responsáveis pela redução da fome e da miséria e por significativos avanços sociais, vistos na década de 70, momento em que nascia o Movimento Manguebeat.
  • 2. 02-O trecho do rap e o grafite evidenciam o papel social das manifestações artísticas e provocam a a) consciência do público sobre as razões da desigualdade social. b) rejeição do público-alvo à situação representada nas obras. c) reflexão contra a indiferença nas relações sociais de forma contundente. d) ideia de que a igualdade é atingida por meio da violência. e) mobilização do público contra o preconceito racial em contextos diferentes. 03- Ultimamente vários críticos de arte têm questionado se as intervenções urbanas de vários artistas que estão espalhados pelo mundo podem ou não ser consideradas arte. Na maioria das vezes as intervenções urbanas têm mensagens sobre política, guerra, fome, pobreza, assuntos do cotidiano, segurança. A noção de intervenção é empregada, no campo das artes, com múltiplos sentidos, não havendo uma única definição para o termo. Na área de urbanismo e arquitetura, as intervenções urbanas designam programas e projetos que visam à reestruturação, requalificação ou reabilitação funcional e simbólica de regiões ou edificações de uma cidade. Como prática artística no espaço urbano, a intervenção pode ser considerada uma vertente da arte urbana, ambiental ou pública, direcionada a interferir sobre uma dada situação para promover alguma transformação ou reação, no plano físico, intelectual ou sensorial. Trabalhos de intervenção podem ocorrer em áreas externas ou no interior de edifícios. A partir das ideias acima expostas sobre a intervenção como força expressiva, assinale a alternativa correta. A-O grafite pode ser considerado como exemplo dessa força expressiva, pois como aponta o enunciado pode ocorrer em áreas externas e intervêm na paisagem urbana. B- A intervenção diz respeito a uma modalidade artística, com recursos limitados para sua construção. C- Arte Urbana e Intervenção são conceitos distintos, já que a primeira se ocupa dos espaços públicos e a segunda, eminentemente, com espaços privados. D- Trabalhos de intervenção só podem ocorrer no interior de edifícios. E- A intervenção não pode ser considerada uma vertente da arte urbana.
  • 3. 04- (enem 2009) O ano de 1968 ficou conhecido pela efervescência social, tal como se pode comprovar pelo seguinte trecho, retirado de texto sobre propostas preliminares para uma revolução cultural: “É preciso discutir em todos os lugares e com todos. O dever de ser responsável e pensar politicamente diz respeito a todos, não é privilégio de uma minoria de iniciados. Não devemos nos surpreender com o caos das ideias, pois essa é a condição para a emergência de novas ideias. Os pais do regime devem compreender que autonomia não é uma palavra vã; ela supõe a partilha do poder, ou seja, a mudança de sua natureza. Que ninguém tente rotular o movimento atual; ele não tem etiquetas e não precisa delas”. Journal de la comune étudiante. Textes et documents. Paris: Seuil, 1969 (adaptado) Os movimentos sociais, que marcaram o ano de 1968, A-foram manifestações desprovidas de conotação política, que tinham o objetivo de questionar a rigidez dos padrões de comportamento social fundados em valores tradicionais da moral religiosa. B-restringiram-se às sociedades de países desenvolvidos, onde a industrialização avançada, a penetração dos meios de comunicação de massa e a alienação cultural que deles resultava eram mais evidentes. C-resultaram no fortalecimento do conservadorismo político, social e religioso que prevaleceu nos países ocidentais durante as décadas de 70 e 80. D-tiveram baixa repercussão no plano político, apesar de seus fortes desdobramentos nos planos social e cultural, expressos na mudança de costumes e na contracultura. E-inspiraram futuras mobilizações, como o pacifismo, o ambientalismo, a promoção da equidade de gêneros e a defesa dos direitos das minorias. 05-Leia o texto e observe a imagem a seguir. Surgiu, em 1944, no Rio de Janeiro, o Teatro Experimental do Negro, ou TEN, que se propunha a resgatar, no Brasil, os valores da pessoa humana e da cultura negro-africana, degradados e negados por uma sociedade dominante que, desde os tempos da colônia, portava a bagagem mental de sua formação metropolitana europeia, imbuída de conceitos pseudocientíficos sobre a inferioridade da raça negra. (NASCIMENTO, A. Teatro Experimental do Negro: trajetória e reflexões. Revista do Instituto de Estudos Avançados. São Paulo: USP 18(50), 2004, p.209-224. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v18n50/a19v1850.pdf>. Acesso em: 24 jun. 2013.) A partir do texto, da imagem sobre o TEN e do contexto brasileiro (década de 1940), é possível julgar correto que a- Em 1940, década de criação do TEN, era comum no Brasil atores brancos interpretarem papéis que deveriam ser destinados especificamente a atores negros ricos e poderosos, para a valorização da raça negra.
  • 4. b- No contexto brasileiro, caracterizava-se de negro um ator branco quando o papel tivesse certo destaque cênico ou alguma qualificação dramática. c- O TEN alfabetizava somente aquele que participavam ativamente das atividades do grupo, isolando-se de toda a sociedade branca da época. d- O TEN não teve forças para lutar pela valorização do negro brasileiro, pois seus criadores acabaram aderindo aos ideais do regime militar da década de 1960. e- O TEN propunha-se a trabalhar pela valorização social do negro no Brasil, através da educação, da cultura e da arte. Para isso, usava diferentes instrumentos, como a realização de peças teatrais, concursos de beleza etc. 06- Em 1922, a famosa Semana de Arte Moderna rompeu com as tradições, imortalizando artistas como Anita Malfatti e Mario de Andrade. Nesse mesmo ano, outro acontecimento, muito menos celebrado pela historiografia, também constituiu um marco importante na arte brasileira: pela primeira vez, uma mulher era premiada por uma pintura histórica, gênero artístico mais prestigiado na época. A paulista Georgina de Albuquerque que recebeu o prêmio, concedido pela Escola Nacional de Belas Artes, pela pintura Sessão do Conselho do Estado. A partir do tema independência do Brasil, a artista questionava as representações do poder, ao escolher retratar uma mulher no centro de um acontecimento histórico. Em vez de retratar um evento triunfal, como a famosa tela de Pedro Américo, a obra representava um episódio diplomático no qual a princesa Leopoldina ouvia as opiniões dos membros do conselho de Estado sobre a independência. Marina Tessitore. As artistas esquecidas pela história. In: Revista ARTE!Brasileiros, 20/04/2017. Considerando a pintura de Georgina de Albuquerque e o fragmento de texto apresentado, é possível afirmar que a- A pintura de Georgina de Albuquerque representa uma sessão do Conselho do Estado ocorrida em 1922. b- O gênero histórico, muito prestigiado na arte acadêmica, foi um dos principais estilos que influenciou as pinturas vanguardistas. c- A pintura de Georgina de Albuquerque apresenta aspectos impressionistas, como a presença dos sentimentos e emoções da artista em sua obra. d- Embora represente Leopoldina em silêncio, ouvindo a opinião de alguns homens, a pintura reconhece a importância histórica dessa personagem. e- Ao representar a princesa Leopoldina fora do centro da pintura, Georgina de Albuquerque deixa claro a irrelevância da princesa na tomada de decisões históricas. 07- TEXTO I
  • 5. DUCHAMP, M. Roda de bicicleta. Aço e madeira, 1,3 m x 64 cm x 42 cm, 1913. Museu de Arte Moderna de Nova York. DUCHAMP, M. Roda de bicicleta. Barcelona: Polígrafa, 1995. TEXTO II Ao ser questionado sobre seu processo de criação de ready-mades, Marcel Duchamp afirmou: — Isto dependia do objeto; em geral, era preciso tomar cuidado com o seu look. É muito difícil escolher um objeto porque depois de quinze dias você começa a gostar dele ou a detestá-lo. É preciso chegar a qualquer coisa com uma indiferença tal que você não tenha nenhuma emoção estética. A escolha do ready-made é sempre baseada na indiferença visual e, ao mesmo tempo, numa ausência total de bom ou mau gosto. CABANNE, P. Marcel Duchamp: engenheiro do tempo perdido. São Paulo: Perspectiva, 1987 (adaptado). Relacionando o texto e a imagem da obra, entende- se que o artista Marcel Duchamp, ao criar os ready- mades, inaugurou um modo de fazer arte que consiste em A-designar ao artista de vanguarda a tarefa de ser o artífice da arte do século XX. B-considerar a forma dos objetos como elemento essencial da obra de arte. C-revitalizar de maneira radical o conceito clássico do belo na arte. D-criticar os princípios que determinam o que é uma obra de arte. E-atribuir aos objetos industriais o status de obra de arte. 08- A origem da obra de arte (2002) é uma instalação seminal na obra de Marilá Dardot. Apresentada originalmente em sua primeira exposição individual, no Museu de Arte da Pampulha, em Belo Horizonte, a obra constitui um convite para a interação do espectador instigado a compor palavras e sentenças e a distribuí-las pelo campo. Cada letra tem o feitio de um vaso de cerâmica (ou será o contrário?) e, à disposição do espectador, encontram-se utensílios de plantio, terra e sementes. Para abrigar a obra e servir de ponto de partida para a criação dos textos, foi construído um pequeno galpão, evocando uma estufa ou um ateliê de jardinagem. As 1500 letras-vaso foram produzidas pela cerâmica que funciona no Instituto Inhotim, em Minas Gerais, num processo que durou vários meses e contou com a participação de dezenas de mulheres
  • 6. das comunidades do entorno. Plantar palavras, semear ideias é o que nos propõe o trabalho. No contexto de Inhotim, onde natureza e arte dialogam de maneira privilegiada, esta proposição se torna, de certa maneira, mais perto da possibilidade. Disponível em: www.inhotim.org.br. Acesso em: 22 maio 2013 (adaptado). A função da obra de arte como possibilidade de experimentação e de construção pode ser constatada no trabalho de Marilá Dardot porque a) o projeto artístico acontece ao ar livre. b) o observador da obra atua como seu criador. c) a obra integra-se ao espaço artístico e botânico. d) as letras-vaso são utilizadas para o plantio de mudas. e) as mulheres da comunidade participam na confecção das peças. 09- “Tudo indica que o termo ‘indústria cultural’ foi empregado pela primeira vez no livro Dialética do esclarecimento, que Horkheimer [1895-1973] e eu [Adorno, 1903-1969] publicamos em 1947, em Amsterdã. (...) Em todos os seus ramos fazem se, mais ou menos segundo um plano, produtos adaptados ao consumo das massas e que em grande medida determinam esse consumo”. (ADORNO, Theodor W. A indústria cultural. In: COHN, Gabriel (Org.). Theodor W. Adorno. São Paulo: Ática, 1986. p. 92.) Com base no texto acima e na concepção de indústria cultural expressa por Adorno e Horkheimer, é correto afirmar: a) Os produtos da indústria cultural caracterizam-se por ser a expressão espontânea das massas. b) Os produtos da indústria cultural afastam o indivíduo da rotina do trabalho alienante realizado em seu cotidiano. c) A quantidade, a diversidade e a facilidade de acesso aos produtos da indústria cultural contribuem para a formação de indivíduos críticos, capazes de julgar com autonomia. d) A indústria cultural visa à promoção das mais diferentes manifestações culturais, preservando as características originais de cada uma delas. e) A indústria cultural banaliza a arte ao transformar as obras artísticas em produtos voltados para o consumo das massas. 10-Quanto mais uma pessoa entra em contato com as formas artísticas, mais se aprofunda nessa linguagem, enriquece repertório, conhece autores/artistas, tem acesso à compreensão estética da humanidade. Para cultivarmos o hábito da leitura de obras artísticas, é fundamental não só o contato com as reproduções de obras de Arte (já que nossa presença frente às originais nem sempre é possível), como também a frequência a galerias, museus, teatros, concertos e óperas, entre outros espaços. Sobre a leitura e a linguagem da Arte, é correto afirmar: a) A arte permite diversas leituras, ou seja, quando nos deparamos com um objeto artístico, nós os interpretamos e os ressignificamos à nossa maneira. Dessa forma, podemos dizer que a percepção das obras de arte é individual. b) Todo objeto artístico possui seu significado. Esse significado é oferecido pelo autor/artista da obra. Não é possível que haja inúmeras leituras e significações para cada obra de arte, pois, se assim fosse, nunca conseguiríamos explicar uma obra de arte.
  • 7. c) Quando nos deparamos com obras realizadas há duzentos ou trezentos anos, encontramos exatamente os mesmos sentidos e significações que o público daquela época encontrou nessas mesmas obras. d) A reprodução dos objetos artísticos, tão comum nos dias de hoje, transformou a arte em mercadoria, fazendo com que ela perdesse seu caráter democrático. e) Na experiência da interpretação narrativa de uma obra de arte, é de fundamental importância o conhecimento da história da arte, uma vez que sem esse conhecimento não há como entender e sem uma clara interpretação não há linguagem possível. GABARITO 01- D 02- C 03- A 04- E 05- E 06- D 07- E 08- B 09- E 10- A