Escola nova

57.902 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Turismo, Negócios
2 comentários
17 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
57.902
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
757
Comentários
2
Gostaram
17
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Escola nova

  1. 1. <ul><li>Disciplina </li></ul><ul><li>Planejamento Educacional em Artes Visuais </li></ul><ul><li>Grupo </li></ul><ul><li>Elisabete L. C. Pereira </li></ul><ul><li>Maria da Graça Azambuja </li></ul><ul><li>Roseli Souza Nunes </li></ul><ul><li>Rossele Neto de Carvalho </li></ul>
  2. 2. ESCOLA NOVA
  3. 3. <ul><li>&quot;Por educação nova entendemos a corrente que trata de mudar o rumo da educação tradicional, intelectualista e livresca, dando-lhe sentido vivo e ativo. Por isso se deu também a esse movimento o nome de: Escola Ativa&quot; </li></ul><ul><li>(LUZURIAGA, 1980, p. 227). </li></ul>
  4. 4. <ul><li>(...) na escola tradicional a iniciativa cabia ao professor que era, ao mesmo tempo, o sujeito do processo, o elemento decisivo e decisório (...) na pedagogia nova a iniciativa desloca-se para o aluno, situando-se o nervo da ação educativa na relação professor-aluno, portanto a relação interpessoal, intersubjetiva... (SAVIANI, 1995, p.24). </li></ul>
  5. 5. <ul><li>&quot;Do ponto de vista da Escola Nova, os conhecimentos já obtidos pela ciência e acumulados pela humanidade não precisariam ser transmitidos aos alunos, pois acreditava-se que, passando por esses métodos, eles seriam naturalmente encontrados e organizados&quot; (FUSARI e FERRAZ, 1992, p. 28). </li></ul>
  6. 6. A Escola Nova foi um movimento de renovação do ensino que desenvolveu-se na primeira metade do século XX . No Brasil a Escola Nova sofreu impactos de transformações econômicas, políticas e sociais, ocasionando uma mudança significativa no ponto de vista intelectual brasileiro.
  7. 7. <ul><li>A necessidade de democratizar a sociedade fez com que o movimento da Escola Nova acontecesse paralelamente à pedagogia tradicional, buscando reformas educacionais urgentes, emergindo da própria população a necessidade de uma consciência nacional. </li></ul><ul><li>A Escola Nova tem seus objetivos concentrados no aluno. Os educadores que adotam essa concepção acreditam em uma sociedade mais justa e igualitária, na qual caberia à educação adaptar os estudantes ao seu ambiente social. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>A Pedagogia da Escola Nova parte para a criatividade e a livre-expressão, rompendo com as “cópias de modelos”. A estética moderna privilegia a inspiração e a sensibilidade e a individualidade </li></ul><ul><li>do aluno. Criou-se uma postura não-diretiva, onde tudo em arte era permitido em nome da livre-expressão. A preocupação em Artes Visuais passa a ser como o &quot;desenho livre&quot; e o conhecimento é deixado de lado, caindo no espontaneísmo. </li></ul><ul><li>Na tentativa exagerada de busca </li></ul><ul><li>da criatividade do aluno, muitos professores desviam-se da real proposta da Escola Nova e as atividades passam dos aspectos intelectuais para os afetivos. Os alunos são estimulados a trabalhar sobre ele mesmo, reconhecendo a importância de sua produção através da observação. </li></ul>
  9. 9. Objetivo Da Escola Nova Criatividade Espontaneidade (senso comum) Auto-liberação (reação aos modelos Clássicos voltados Aos desenhos) Originalidade
  10. 10. Sendo a área de Arte constituída pelas linguagens artísticas como as Artes Visuais, a Música, o Teatro e a Dança, seu ensino visa a formação dos indivíduos para criar, se expressar e apreciar estas diversas linguagens. A pluralidade de ações, a ligação da arte com outras áreas de conhecimento, o estabelecimento de vínculos entre os conhecimentos escolares sobre a arte e seus modos de produção e aplicação na sociedade são alguns dos pontos importantes tratados no PCN Arte.
  11. 11. Histórico do Ensino de Arte no Brasil <ul><li>1816 - É criada a Academia Imperial de Belas Artes. É instalado oficialmente o Ensino de Arte nas escolas. </li></ul><ul><li>1900 - São valorizados o traço, a repetição de modelos e o desenho geométrico. </li></ul><ul><li>1922 - Apesar da efervescência das manifestações da Semana de Arte Moderna, o ensino segue as tendências da escola tradicional, que defende a necessidade de copiar modelos para treinar habilidades manuais </li></ul><ul><li>1930 - O compositor Heitor Villa-Lobos, no governo de Getúlio Vargas, institui o projeto de canto orfeônico nas escolas. </li></ul><ul><li>1935 - O escritor Mario de Andrade promove um concurso de desenho para crianças com tema livre. O ganhador recebe uma quantia em dinheiro. </li></ul><ul><li>1948 - É criada no Rio de Janeiro a primeira &quot;Escolinha de Arte&quot;, Em 1971, chega a 32 o número de instituições particulares desse tipo no país. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>1960 - As experimentações que marcam a sociedade, como o movimento da bossa nova, influenciam o ensino de Arte nas escolas de todo o país. É a época da tendência da livre expressão se expandir pelas redes de ensino. </li></ul><ul><li>1971 - Segundo a LDB, a Educação Artística (que inclui artes plásticas, educação musical e artes cênicas) passa a fazer parte do currículo escolar do Ensino Fundamental e Médio. </li></ul><ul><li>1973 - Criação dos primeiros cursos de licenciatura em Arte, voltados à formação de professores capazes de lecionar música, teatro, artes visuais, desenho, dança e desenho geométrico. </li></ul><ul><li>1989 - Desde 1982 desenvolvendo pesquisas sobre três idéias (fazer, ler imagens e estudar a história da arte), Ana Mae Barbosa cria a proposta triangular, que inova ao colocar obras como referência para os alunos. </li></ul><ul><li>1996 - A LDB passa a considerar a Arte como disciplina obrigatória da Educação Básica. Os Parâmetros Curriculares Nacionais definem que ela é composta de quatro linguagens: artes visuais, dança, música e teatro. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Na década de 30, Getúlio Vargas assume o governo provisório. Houve repressão e perseguição no campo educacional em relação ao Movimento da Escola Nova e inviabilizando a manutenção das reformas sustentadas pelos envolvidos pelas idéias de Dewey e Durkheim que se aliaram e elaboraram o Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova (1932), que teve como principal personagem Fernando de Azevedo que foi o redator e o primeiro signatário do Manifesto dos Pioneiros </li></ul><ul><li>da Educação Nova </li></ul><ul><li>(A reconstrução educacional </li></ul><ul><li>no Brasil), em 1932, em que se lançaram as bases e diretrizes de uma nova política de educação. </li></ul><ul><li>O documento defendia </li></ul><ul><li>a universalização da escola pública, laica e gratuita. </li></ul>
  14. 14. Personagens importantes nas mudanças pedagógicas da Escola Nova. <ul><li>Lourenço Filho </li></ul><ul><li>Reformou </li></ul><ul><li>O ensino de </li></ul><ul><li>SP (1930) </li></ul><ul><li>Getúlio </li></ul><ul><li>Vargas </li></ul><ul><li>Escritora </li></ul><ul><li>e </li></ul><ul><li>professora </li></ul><ul><li>Anísio </li></ul><ul><li>Teixeira </li></ul><ul><li>Fundador </li></ul><ul><li>da Escola </li></ul><ul><li>Parque </li></ul>
  15. 15. O grande nome do movimento Escola Nova na América foi o filósofo e pedagogo John Dewey, (1859-1952), filósofo norte americano que influenciou a elite brasileira. Para John Dewey a Educação, é uma necessidade social e por causa dessa necessidade as pessoas devem ser aperfeiçoadas para que se afirme o prosseguimento social às suas idéias e conhecimentos, igualando as oportunidades perante a lei.. Para John Dewey a escola é a própria vida. Assim, a educação tem como eixo norteador a vida-experiência e aprendizagem, fazendo com que a função da escola seja a de propiciar uma reconstrução permanente da experiência e da aprendizagem dentro de sua vida.
  16. 16. <ul><li>No Brasil, as idéias da Escola Nova foram inseridas em 1882 por Rui Barbosa (1849-1923). </li></ul><ul><li>A Escola Nova acredita que a educação é o exclusivo elemento eficaz para a construção de uma sociedade democrática, que leva em consideração as diversidades, respeitando a individualidade do sujeito, aptos a refletir sobre a sociedade e capaz de inserir-se nessa sociedade. De acordo com alguns educadores, a educação escolarizada deveria ser sustentada no indivíduo integrado à democracia, o cidadão atuante e democrático. </li></ul>
  17. 17. A evolução dos conceitos que orientam as aulas hoje <ul><li>. Na década de 1990, duas importantes inovações pavimentaram o caminho para o modelo atual: na Espanha, Fernando Hernández defendeu o estudo da chamada cultura visual. (segundo ele era necessário trabalhar com videoclipes, internet, histórias em quadrinhos, objetos populares e da cultura de massa, rótulos e outdoors nas salas de aula). No Brasil, Ana Mae Barbosa formulou a metodologia da proposta triangular (inspirada em idéias norte-americanas e inglesas, recuperou conteúdos e objetivos que tinham sido abandonados pela escola espontaneísta). Ela mostrou que o professor deveria usar o seguinte tripé em classe: o fazer artístico, a história da arte e a leitura de obras. </li></ul>
  18. 18. Metodologia da Escola Nova Foco: não importa o resultado E sim a experiência Estratégia de Ensino: Desenho livre e Vários materiais Livre expressão
  19. 19. Referências: <ul><li>http://educador.brasilescola.com/gestao-educacional/escola-nova.htm </li></ul><ul><li>http://www.artenaescola.org.br/pesquise_artigos_texto.php?id_m=23 </li></ul><ul><li>http://homolog.novaescola.abril.com.br/arte/fundamentos/conhecer-cultura-soltar-imaginacao-427722.shtml </li></ul><ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/Escola_Nova </li></ul>
  20. 20. <ul><li>http://www.artenaescola.org.br/sala_relatos_artigo.php?id=451 </li></ul><ul><li>http://anasra.blogspot.com/2007/09/como-surgiu-o-ensino= da-arte-nashtml </li></ul><ul><li>http://www.educacional.com.br/glossáriopedagogico/verbete.osp?apubwiki=9577 </li></ul><ul><li>Fonte: Parâmetros Curriculares Nacionais / Metodologia do Ensino da Arte , Maria Heloísa C. de T. Ferraz e Maria. F. de Rezende e Fusari / Para gostar de aprender Arte: Sala de aula e formação de professores , Rosa Iavelberg </li></ul>

×