Saude coletiva aula 1

259 visualizações

Publicada em

saude coletiva

Publicada em: Vendas
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
259
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saude coletiva aula 1

  1. 1. O processo saúde- doença: conceituação básica em saúde coletiva Introdução Quando se fala em doença, identifica-se, de imediato, o seu oposto: a saúde – desejo incontestável de todas as pessoas. A doença aparece como o lado sombrio da vida, aquele que poderá levar à morte. À resposta dinâmica que as sociedades manifestam, de forma diferenciada, essa forma de adoecer e morrer, levando em consideração a dimensão não apenas dos sofrimentos físicos, mas também psíquicos, morais e éticos, denominamos Processo Saúde- Doença, ou seja, a síntese da totalidade das determinações que operam sobre a qualidade de vida, e está articulado aos processos econômicos, políticos, sociais, de relacionamento familiar e de responsabilidade humana. O processo saúde-doença vem apresentando diferentes significados conforme a época. O conceito que se tem de saúde depende do entendimento que há do organismo vivo e de suas relações com o meio ambiente. Como essa compreensão muda de uma cultura para outra e de um momento histórico para outro, as noções de saúde e de doença também se modificam. Desse modo, a conceituação do processo saúde-doença é considerada intelectiva do homem em cada contexto histórico e pelas condições concretas de existência em cada sociedade. Sociedade pode ser definida como sendo o complexo integrado por homens diferenciados ocupando determinado espaço geopolítico. Os homens interagem entre si a partir da inserção no trabalho, no qual eles se relacionam, e também com a natureza, na produção da vida material.Esse trabalho está estruturado pela base econômico-social. Toda essa estruturação está assentada no modo de produção, síntese concreta, histórica e dinâmica das relações sociais e das forças produtivas. Tal modo de produção conforma e é conformado pela superestrutura jurídico-político-ideológica. Essa sociedade encontra-se em permanente transformação, criando-se e recriando-se pela ação humana em um processo de criação, no qual o homem é também transformado. A sociedade brasileira assenta-se num modo de produção capitalista periférico, existindo, portanto, em seu interior, agrupamentos humanos que se inscrevem em diferentes classes sociais conflitantes. Diferentes classes sociais têm distintas condições de vida e, portanto, diferentes condições de saúdedoença,ou seja, diferentes condições de adoecer e morrer. O conceito de saúde foi definido pela Organização Mundial de Saúde – OMS – em 1948,como sendo "um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não a mera ausência da doença". Doença (do latim dolencia = padecimento) é o estado resultante da consciência da perda da homeostasia de um organismo vivo, total ou parcial. Desse modo, a saúde deve ser entendida,
  2. 2. em sentido mais amplo, como componente da qualidade de vida e, assim, não é um "bem de troca", mas um "bem comum", um bem e um direito social, no sentido de que a cada um e a todos possam ter assegurados o exercício e a prática desse direito à saúde, a partir da aplicação e utilização de toda a riqueza disponível, conhecimentos e tecnologia que a sociedade desenvolveu e vem desenvolvendo nesse campo, adequados às suas necessidades, envolvendo promoção e proteção da saúde, prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação de doenças. Ou seja, considerar esse bem e esse direito como componente e exercício da cidadania,compreensão esta que é um referencial e um valor básico a ser assimilado pelo poder público, para o balizamento e a orientação de sua conduta, decisões, estratégias e ações. A noção de que a saúde é um processo continuado e interdependente de preservação da vida, criou uma nova dimensão social. A saúde passou a ser também um processo de cidadania. Assim, todos cidadãos têm direitos, mas são igualmente responsáveis pela sua manutenção. A saúde, dentro desse enfoque, ocorre e é conseqüência de ações realizadas em toda a sociedade. Isso não exime o Estado, o médico e outros profissionais de saúde de suas responsabilidades, mas agrega uma variável fundamental de respeito ao indivíduo, doente ousadio, através do compromisso social solidário na consecução do objeto maior de garantir condições dignas de vida a cada ser humano. Esse modo de entender a saúde abrange aspectos individuais e coletivos, envolvendo questões ambientais e sociais. As concepções na história Os povos antigos explicavam a doença dentro de uma visão mágica do mundo. Os demônios e espíritos malignos, motivados por um castigo, vitimavam o doente, podendo levá-lo à morte. A cura do doente caberia ao feiticeiro ou xamã, o único com poderes de convocar os espíritos capazes de erradicar o mal. Essas concepções estavam mais presentes entre os assírios, caldeus e hebreus, detentores de uma visão religiosa do mundo e capazes de atribuir o caráter religioso ao surgimento e à cura das doenças, advinda das plantas e dos recursos naturais. Para os hindus e chineses, a doença era causada pelo desequilíbrio entre os elementos do organismo humano, ocasionado pelas influências do ambiente físico – astros, clima, etc. Os chineses alegavam que as doenças eram determinadas por causas externas, as quais,supostamente, provocariam o desequilíbrio entre os princípios Yin e Yang. Argumentavam que para o restabelecimento da saúde, que se daria através do reequilíbrio da energia interna, a pessoa deveria ser sujeita às terapêuticas da acupuntura e do-in. Nesse entendimento, o homem atua ativamente no processo de doença e cura, e o caráter mágico/religioso, predominante na idéia anterior, perde influência. Na Grécia, as concepções recepcionaram as idéias dos hindus e chineses através de explicações que davam à saúde o significado de harmonia entre os quatro elementos que compõem o corpo humano – água, terra, ar e fogo. Hipócrates, o criador da Medicina moderna, que negou a concepção de doença causada por demônios ou forças sobrenaturais, já apontava em seu livro Dos Ares, das Águas e dos Lugares (480 a.C), enfatizando ser a base da arte médica a compreensão da interação entre mente, corpo e ambiente. Ele considerava que os fatores culturais – como modos de vida – e os fatores psicológicos ou "componentes da natureza humana" – como humores e paixões –somavam-se aos fatores ambientais na influência sobre o bem-estar dos indivíduos. No entanto, a história das ciências médicas não foi sempre linear, ou constante, mas conflituosa e antagônica, e os aspectos da medicina hipocrática foram negligenciados com o
  3. 3. predomínio da ciência cartesiana. Porém, nas últimas décadas, a relação entre fatores sócio-ambientais e o organismo biológico vem sendo bastante pesquisada, e há a necessidade da compreensão de que a pobreza, condições de trabalho, moradia, alimentação, costumes e práticas de saúde, etc, são fatores intervenientes no estado de bem-estar. Na Idade Média - conhecida como a Era das Trevas - sob influência do cristianismo, a doença volta a ser explicada como purificação, uma forma de atingir a graça divina, que incluía a cura, quando merecida. A Peste Negra assolava o continente europeu e, acusados de haver provocado a doença, numerosos judeus foram jogados à fogueira. Surgiram os hospitais ou asilos no intuito de segregar as pessoas portadoras de doenças infecciosas. A Renascença (século XVIII), considerada um período de transição, convive com a dicotomia entre as práticas esotéricas e a ciência. A percepção hipocrática de organicidade continua relegada em favor dos elementos externos que penetram no organismo. Surge a teoria do contágio e, mais uma vez, prevalece a compreensão das alterações anatômicas decorrentes da doença, centrando as atenções nos sinais e sintomas, consolidando as práticas de saúde na abordagem particular e do indivíduo. No final do século XVIII, após a Revolução Francesa, com o aumento da população urbana nos países europeus e a ascensão do sistema fabril, surge a explicação social na causalidade das doenças, relacionando-as com as condições de vida e trabalho das populações. Desse cenário, emergiu a idéia de Medicina Social, e o termo data de 1848. Dentre os defensores dessa abordagem, temos Rudolph Virchow, considerado o "pai" da Patologia moderna, que se dedicou aos estudos da Patologia porque a medicina social mostrou-se inócua com as descobertas do microorganismo por Robert Koch e Louis Pasteur, na metade do século XIX . Com as descobertas da Bacteriologia, volta prevalecer a idéia das partículas externas provocando o aparecimento da doença. As concepções sociais dão lugar ao agente etiológico. Assim, essa relação orgânica, como proposto por Hipócrates, na Antiguidade clássica, entre o biológico e o social no processo saúdedoença,ficou completamente esquecida. Dessa forma, o objeto do sistema de saúde deve ser entendido como as condições de saúde das populações e seus determinantes, ou seja, o seu processo de saúde/doença, tendo em vista produzir, progressivamente, melhores estados e níveis de saúde dos indivíduos e das coletividades, atuando articulado e integralmente nas prevenções primária, secundária e terciária, com redução dos riscos de doença, seqüelas e óbito. Agora que você já estudou esta aula, resolva os exercícios e verifique seu conhecimento. Caso fique alguma dúvida, leve a questão ao Fórum e divida com seus colegas e professor. Referências EGRY, EY . "Bases teóricas para aproximação do fenômeno" IN: Saúde coletiva: construindo um novo método em Enfermagem. São Paulo: Ìcone Editora, 1996. LAURELLL, A. C. . "A saúde-doença como processo social" IN: NUNES, E. D. (org.).Medicina social: aspectos históricos e teóricos. São Paulo: Global Ed., 1983, pp. 133158.
  4. 4. ROSEN, G. . "A evolução da medicina social" IN: NUNES, E.D. (org.) Medicina social: aspectos históricos e teóricos. São Paulo: Global ed., 1983, pp. 2582.

×