DROGAS NA ESCOLA
ElaboraçãoElaboração
Alexandre LimaAlexandre Lima
Técnico Segurança no TrabalhoTécnico Segurança no Traba...
O QUE SÃO
DROGAS ?
• São substâncias utilizadas para produzir alterações,
mudanças nas sensações, no grau de consciência e...
DROGAS
• Origem: Droog (holandês antigo) – Folha seca
Antigamente quase todos medicamentos eram feitos a base
de vegetais....
Escola
Campo
Crianças
Ricos
Prostitutas
Toda a
SOCIEDAD
ATIVIDADES DE PESQUISA
CONSUMO DE DROGAS ENTRE
ALUNOS DA USP - 1996
90,1
80,9
74,1
43,3
25,6
23,5
38,1
26,3
18,9
7,1
3,2 1...
• Drogas licitas : 13 anos e 4 meses – álcool e tabaco,
50% dos entrevistados não se acanharam ao assumir
o uso de álcool....
CLASSIFICAÇÃO DAS
DROGAS
 Depressoras do SNC
Ex: Álcool, Calmantes, Heroína, Solventes,
etc.
 Estimulantes do SNC
Ex: Co...
DROGAS DEPRESSORAS
DO SISTEMA NERVOSO
CENTRAL
Diminuem a atividade global ou de
certos sistemas específicos do
SNC
ÁLCOOL ETÍLICO
• Pequenas doses: desinibição, euforia, perda de
capacidade crítica.
• Doses maiores: sensação de anestesia...
DROGAS ESTIMULANTES
DO SISTEMA NERVOSO
CENTRAL
Aumentam a atividade
global do SNC
COCAÍNA / CRACK
• Uso: sensação de poder, excitação e euforia.
Estimula atividade física e mental, causa inibição do
sono ...
TABACO
 Alteração corporal não é tão visível
 Causa síndrome de abstinência e tolerância
 Hábitos muito enraizados no c...
DROGAS PERTURBADORAS
DO SISTEMA NERVOSO
CENTRAL
Alteram o funcionamento do SNC
MACONHA
• Uso: excitação seguida de relaxamento, euforia,
perda de noção de tempo e espaço, falar em demasia,
fome intensa...
ÊXTASE
• Uso: sensação de bem estar, plenitude e leveza,
aguçamento dos sentidos, aumento da disposição e
resistência físi...
Nunca foi tão fácil
• Probabilidade de contato com drogas de um
adolescente:
100%
• 42% dos jovens testemunharam alguém so...
• Cocaína: 10 reais;
• Cigarro de maconha: entre 1 e 2 reais;
• Copo de cachaça: 50 centavos;
• Maço de cigarro:
• Cerveja...
O que lembra esta figura?
• Propabilidade de contato com drogas de um
adolescente:
• 100%
• Antigamente: Primeiro contato do adolescente com as
drog...
Evitar contato com as
drogas
1. Impossivel.
2. Grande desafio: que ele não se torne dependente.
3. Como fazer:
4. O que le...
• Desajustes familiares;
• Frustações;
• Problemas em casa e na escola;
• Má companhia.
Senso comum
Nunca foi tão fácil
• Curiosidade.
• ”para muitos adolescentes, provar a droga faz parte do
ritual da adolescencia. É como...
• Está mais protegido em relação às drogas o adolescente
que:
• Tem pais interessados no processo de aprendizado;
• Tem me...
• Mora em áreas com serviços públicos adequados;
• Tem assistência de saúde de boa qualidade;
• Vem de família sem grandes...
• A escola:
• Omissão:
• O silêncio resolve a questão:
• Perda de credibilidade diante dos pais;
• Violência ou repressão ...
• A escola:
• Omissão:
• O silêncio resolve a questão:
• Perda de credibilidade diante dos pais;
• Violência ou repressão ...
• Os pais:
• Os pais que foram jovens em 1970 sabem pouco sobre o
mundo das drogas no século 21, devido a mudanças:
• As d...
• Traffic
• Michael Douglas: comandante da operação antitráfico do
governo americano;
• Douglas e a mulher: casal exemplar...
CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS
PARA DEPENDÊNCIA
• Dificuldade em cumprir obrigações
• Tolerância: necessidade de quantidades
maior...
CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS
PARA DEPENDÊNCIA
(CONT.)
• Esforços mal sucedidos de diminuir
• Grande quantidade de tempo gasto em...
• Se você suspeita que seu filho esta consumindo
drogas:
• Ao falar com ele, evite o tom de interrogatório. Ninguém
gosta ...
• Se tem suspeita e quer tratar:
• Não diga que existem algumas drogas leves e outras
pesadas. Todas as drogas são ruins. ...
1. Drogas: são ruins, maléficas e proíbidas.
2. Os maleficios não são expostos claramente.
3. A sensação durante o uso da ...
• Não existe, cada caso é um caso;
• Os educadores deverão:
• Reconhecer o problema;
• Instalar um clima confiável com os ...
1. Revista Veja Joven, setembro/2001
2. Educacional.com.br
3. Usp.br
4. Estadão.com.br
5. PRODUSP – Progama de combate a d...
Alcool 2
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Alcool 2

203 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
203
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alcool 2

  1. 1. DROGAS NA ESCOLA ElaboraçãoElaboração Alexandre LimaAlexandre Lima Técnico Segurança no TrabalhoTécnico Segurança no Trabalho ?
  2. 2. O QUE SÃO DROGAS ? • São substâncias utilizadas para produzir alterações, mudanças nas sensações, no grau de consciência e no estado emocional. • Estas alterações variam de acordo com características da pessoa, como a droga utilizada e com as circunstâncias.
  3. 3. DROGAS • Origem: Droog (holandês antigo) – Folha seca Antigamente quase todos medicamentos eram feitos a base de vegetais. • Psicotrópico: • Psico: palavra grega – nosso psiquismo ( o que sintimos, fazemos e pensamos, enfim o que cada um é). • Trópico: tropismo: atração por. • Drogas psicotrópicas: são aquelas que atuam sobre o nosso cérebro, alterando de alguma maneira o nosso psiquismo.
  4. 4. Escola
  5. 5. Campo
  6. 6. Crianças
  7. 7. Ricos
  8. 8. Prostitutas
  9. 9. Toda a SOCIEDAD
  10. 10. ATIVIDADES DE PESQUISA CONSUMO DE DROGAS ENTRE ALUNOS DA USP - 1996 90,1 80,9 74,1 43,3 25,6 23,5 38,1 26,3 18,9 7,1 3,2 1,7 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 ÁLCOOL TABACO DROGAS COCAÍNA NA VIDA 12 MESES 30 DIAS
  11. 11. • Drogas licitas : 13 anos e 4 meses – álcool e tabaco, 50% dos entrevistados não se acanharam ao assumir o uso de álcool. • Drogas ilicitas: em média 14,9 anos, depois da primeira tragada ou do primeiro copo.( solventes, inalantes e medicamentos à base de anfetaminas( depressão e obesidade) • ECA – artigo 81- proibe a venda a menores de 18 anos de “substâncias com risco de criar dependência”. • Site Educacional, julho/2001 - UNESCO O começo
  12. 12. CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS  Depressoras do SNC Ex: Álcool, Calmantes, Heroína, Solventes, etc.  Estimulantes do SNC Ex: Cocaína, Anfetaminas, Tabaco, etc.  Perturbadoras do SNC Ex: Maconha, LSD, Cogumelos, Êxtase, etc.
  13. 13. DROGAS DEPRESSORAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL Diminuem a atividade global ou de certos sistemas específicos do SNC
  14. 14. ÁLCOOL ETÍLICO • Pequenas doses: desinibição, euforia, perda de capacidade crítica. • Doses maiores: sensação de anestesia, sonolência, sedação. • Uso excessivo: náuseas, vômitos, tremores, dor de cabeça, liberação da agressividade, diminuição da atenção e dos reflexos (risco de acidentes). • Uso prolongado: cirrose no fígado e atrofia cerebral
  15. 15. DROGAS ESTIMULANTES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL Aumentam a atividade global do SNC
  16. 16. COCAÍNA / CRACK • Uso: sensação de poder, excitação e euforia. Estimula atividade física e mental, causa inibição do sono e diminuição do cansaço e da fome. O mundo é visto mais brilhante. • Uso excessivo: taquicardia, febre, dilatação das pupilas, suor excessivo, aumento da pressão sangüínea, insônia, ansiedade, paranóia, medo, pânico, irritabilidade, agressividade, complicações cardíacas. • Uso prolongado: destruição do tecido cerebral.
  17. 17. TABACO  Alteração corporal não é tão visível  Causa síndrome de abstinência e tolerância  Hábitos muito enraizados no comportamento da pessoa causam recaídas  90% dos pacientes com câncer de pulmão são dependentes
  18. 18. DROGAS PERTURBADORAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL Alteram o funcionamento do SNC
  19. 19. MACONHA • Uso: excitação seguida de relaxamento, euforia, perda de noção de tempo e espaço, falar em demasia, fome intensa, palidez, taquicardia, olhos vermelhos, pupila dilatada, boca seca. Prejuízo da atenção e memória para fatos recentes, diminuição dos reflexos (risco de acidentes). • Altas doses: ansiedade intensa, pânico, paranóia, síndrome amotivacional (desânimo generalizado).
  20. 20. ÊXTASE • Uso: sensação de bem estar, plenitude e leveza, aguçamento dos sentidos, aumento da disposição e resistência física (exaustão). • Altas doses: alucinações, percepção distorcida dos sons e imagens, aumento de temperatura e desidratação. • Uso prolongado: ansiedade, medo, pânico, delírios.
  21. 21. Nunca foi tão fácil • Probabilidade de contato com drogas de um adolescente: 100% • 42% dos jovens testemunharam alguém sob efeito de drogas • 24% viram alguém vendendo drogas.
  22. 22. • Cocaína: 10 reais; • Cigarro de maconha: entre 1 e 2 reais; • Copo de cachaça: 50 centavos; • Maço de cigarro: • Cerveja: entre 1 e 2 reais. Preços baixos, acesso fácil
  23. 23. O que lembra esta figura?
  24. 24. • Propabilidade de contato com drogas de um adolescente: • 100% • Antigamente: Primeiro contato do adolescente com as drogas poderia ocorrer por intermédio de um lendário traficante disfarçado de pipoqueiro ou doceiro. • Hoje: entorpecentes vendidos dentro da própria escola, por aluno que trafica em troca de dinheiro; • Pior: pode ser seu colega de classe. Nunca foi tão fácil
  25. 25. Evitar contato com as drogas 1. Impossivel. 2. Grande desafio: que ele não se torne dependente. 3. Como fazer: 4. O que leva um adolescente a provar substâncias proíbidas. ?
  26. 26. • Desajustes familiares; • Frustações; • Problemas em casa e na escola; • Má companhia. Senso comum
  27. 27. Nunca foi tão fácil • Curiosidade. • ”para muitos adolescentes, provar a droga faz parte do ritual da adolescencia. É como ficar pela primeira vez
  28. 28. • Está mais protegido em relação às drogas o adolescente que: • Tem pais interessados no processo de aprendizado; • Tem menos de três irmãos com idade próxima à sua; • Se relaciona bem com os pais e outros adultos; • Vive poucas situações de stress em família; • Estuda em escolas que promovem a participação e o desenvolvimento do senso de responsabilidade; Protegendo contra as drogas
  29. 29. • Mora em áreas com serviços públicos adequados; • Tem assistência de saúde de boa qualidade; • Vem de família sem grandes problemas financeiros; Fonte: livro Drug Abuse Prevention, dos americanos Richard Wilson (Universidade Westem Kentucky) e Cheryl Kolander (Universidade de Louisville), da editora Jones and Bartlett (Revista Veja Jovem, setembro/2001). Protegendo contra as drogas
  30. 30. • A escola: • Omissão: • O silêncio resolve a questão: • Perda de credibilidade diante dos pais; • Violência ou repressão pelos traficantes; • Falta de informações e orientações de como agir. O desafio da conversa
  31. 31. • A escola: • Omissão: • O silêncio resolve a questão: • Perda de credibilidade diante dos pais; • Violência ou repressão pelos traficantes; • Falta de informações e orientações de como agir. O desafio da conversa
  32. 32. • Os pais: • Os pais que foram jovens em 1970 sabem pouco sobre o mundo das drogas no século 21, devido a mudanças: • As drogas de hoje são mais fortes e viciam mais. Estudos mostram a concentração de tetraidrocanabinol, principio ativo da maconha, é muito maior hoje que há trinta anos. • Primeiro contato: antigamente aos 17 na faculdade, hoje começa aos 13 anos. O desafio da conversa
  33. 33. • Traffic • Michael Douglas: comandante da operação antitráfico do governo americano; • Douglas e a mulher: casal exemplar, abertos ao dialogo, inteligentes, típicos representantes da geração jovem dos anos 60 ou 70, gente que provou drogas na adolescência. • Descobre que a filha é drogada e as usa dentro de casa. • Desiste da operação antidroga. O desafio da conversa
  34. 34. CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA DEPENDÊNCIA • Dificuldade em cumprir obrigações • Tolerância: necessidade de quantidades maiores para atingir mesmo efeito ou efeito diminuído com a mesma quantidade. • Abstinência: sintomas físicos substância utilizada para alívio dos sintomas • Substância utilizada por quantidades ou períodos maiores que o pretendido
  35. 35. CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA DEPENDÊNCIA (CONT.) • Esforços mal sucedidos de diminuir • Grande quantidade de tempo gasto em atividades para obter a substância, utilizá- la e recuperar-se dela • Abandono de lazer • Uso apesar dos problemas
  36. 36. • Se você suspeita que seu filho esta consumindo drogas: • Ao falar com ele, evite o tom de interrogatório. Ninguém gosta de ser tratado como criança; • Vasculhar mochilas e armários ou ler diários é uma atitude arriscada. Se seu filho descobrir, vai sentir-se invadido, o que dificultará o diálogo. • É tolice pressionar o filho para que conte suas experiências ou as dos amigos. O adolescente pode sentir-se intimidado e evitar a conversa. O que fazer
  37. 37. • Se tem suspeita e quer tratar: • Não diga que existem algumas drogas leves e outras pesadas. Todas as drogas são ruins. Apenas umas são piores que outras; • Jamais sugira que, se ele experimentar, nunca sairá do vício. Tratar o assunto como um tabu pode levá-lo a não querer conversar mais com você sobre isso; • Nunca ignore, nas conversas, que a droga também é uma fonte de prazer. O adolescente deve estar consciente de que ela é perigosa justamente pelo potencial de sedução que tem. O que fazer Veja jovens, set/2001
  38. 38. 1. Drogas: são ruins, maléficas e proíbidas. 2. Os maleficios não são expostos claramente. 3. A sensação durante o uso da droga nada tem de ruim, ela pode variar de deliciosa a indescritível. Efeitos colaterais das campanhas
  39. 39. • Não existe, cada caso é um caso; • Os educadores deverão: • Reconhecer o problema; • Instalar um clima confiável com os alunos; • Atuação discreta, baseada na autoridade; • Capacitar professores e funcionários; • Procurar ajuda psicopedagógica e • Abrir o jogo com os pais; Qual a formula certa?
  40. 40. 1. Revista Veja Joven, setembro/2001 2. Educacional.com.br 3. Usp.br 4. Estadão.com.br 5. PRODUSP – Progama de combate a drogas. 6. GREA - Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas 7. PRODUSP - Programa de Prevenção e Tratamento do Uso de Drogas da USP Bibliografia

×