120808 14-wbeef-certif-humberto-tavares

232 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
232
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

120808 14-wbeef-certif-humberto-tavares

  1. 1. NÃO SOU INIMIGO DA CERTIFICAÇÃO!
  2. 2. E NEM PODERIA, POIS SOU ENGENHEIRONAVAL
  3. 3. NASCIMENTO DA CERTIFICAÇÃOTudo começou com o crescimento do comercio por via marítima Construção de navios seguros e portanto “seguráveis” Seguro de cargas
  4. 4. “CLASSIFICATION SOCIETIES”Lloyd’s Register of Shipping - 1760Outras certificadoras de grande reputação, muito conhecidas também de quem quer certificar produtos não-navaisSegurança do navio (Como se fosse um RGD da ABCZ)Certificação periódica= “Inspeção Veicular”Certificação de reparos
  5. 5. PRINCÍPIOS DA CERTIFICAÇÃOPropósitoPoder delegadoConfiabilidade e ReputaçãoConhecimentoVerificaçãoPeriodicidade
  6. 6. NÃO SOU INIMIGO DA CERTIFICAÇÃOMas sou adepto do contrarianismoArte de pensar em contrariar o consenso das massasComo estudioso de Economia, sou inimigo da burocracia inútilBurocracia cria obstáculos ao livre comércio
  7. 7. NÃO SOU INIMIGO DA RASTREABILIDADEEm processos usando insumos de múltiplos fornecedores......rastreabilidade é fundamental (Meuwissen et al., 2003) Maior clareza nas responsabilidades dos elos Identificar elos responsáveis por problemas Facilitar o recallEm produção animal, identificar e controlar focos epizootias zoonoses problemas sanitários
  8. 8. PRÓLOGO DO SISBOVVaca Louca na Europa (BSE – Encefalopatia Espongiforme Bovina)Mal de origem desconhecida, gravíssimo e de alto impacto econômico negativoRastrear indivíduos, movimentação, história, alimentação, vacinasBanco de dadosRegulamento - Regulation 1760 (2000)Membros UE – Identificação individual e rastreabilidadeNão-membros – Cada um tem seu sistema, UE importa se “sentir firmeza”
  9. 9. GÊNESE DO SISBOVCientistas e MAPA fizeram o SISBOV nascer MandatórioExplicação dada: Se um dia aqui surgir a BSE seremos rebaixados, e obrigados a fazer rastreamento individualOutra justificativa: Seria impossível conhecer, ao nascimento, quem iria abastecer a Europa e quem nãoMostra de fraqueza, excesso de zelo, que se danem os prejudicados, vamos fazer!Não pensaram como os americanos, que desde o inicio fugiram de editar aquilo que, no futuro, seria o NAIS Harvard Risk AssessmentBuscaram as bênçãos dos representantes do setor: ABCZ, ABC, SRB, CNAAgendas OcultasCongresso foi ignorado
  10. 10. SURGEM AS COMPLICAÇÕES E AS CANELADASA carne perdia o rastreamento na desossa – Cadê a “garantia de segregação”?Sofisma – Quem rastreia produz carne saudável, e VICE-VERSASofisma – Quem usa SISBOV é produtor “organizado”, produz carne “superior”Num primeiro momento, sendo obrigatório para todos, frigoríficos passaram a não bonificar, e sim a penalizar o boi sem brincoNa sequência, cai a obrigatoriedadePapel do BeefPoint
  11. 11. MAIS PROBLEMASNo Brasil real nem todos os habitantes têm documentosCertificadoras brasileiras = jabuticabasCertificadores capturados “a laço”Certificação Meia-BocaUE rebaixou de grau 1 para grau 3Puro interesse comercialQuem mandou prometer?
  12. 12. COMO ESTÁ HOJEQueda brutal exportações UEDesestímulo Financeiro aos TRACESEuropa carne 20% para menos de 4%Cambio e crise do Euro
  13. 13. HÁ OUTRO CAMINHO?Lições do Império americano: Mesmo tendo casos de vaca-louca, Identificação individual mandatória (NAIS) seria paulatina Abandonada rapidamente ao sentir a inviabilidade e a reação contrária Segue agora o mesmo caminho do líder mundial na pecuária, o Brasil APHIS-2009-0091-0001 “Traceability for Livestock Moving Interstate”
  14. 14. HÁ OUTRO CAMINHO?Lições do líder mundial na pecuária Lei número 12097 de 24/11/2009 Reconheceu o óbvio, que todo o rebanho brasileiro é rastreado há décadas. GTA, NF, marca permanente (individual ou de rebanho a fogo, individual com brincos ou com bolus chips)Nada impede de passar o rastreamento para a carne, basta a indústria quererProgramas de carne de qualidade – Em geral, rastreabilidade pela lei 12097 Bonificações bem definidas, com extras para SISBOV
  15. 15. MUITO OBRIGADO! SISBOV – Usa quem quer, impõe-se apenas a gado importado 

×