SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Métodos de convivência com
deficiente : auditivo, visual e motor
Métodos de convivência com deficiente : auditivo,
visual e motor
Deficiência é o termo usado para
definir a ausência ou a disfunção
de uma estrutura psíquica
fisiológica ou anatómica
Deficiência visual
A visão é um dos sentidos que nos ajuda a
compreender o mundo à nossa volta,
Deficiência visual é a perda ou redução da
capacidade visual em ambos os olhos, com
carácter definitivo, não sendo susceptível de ser
melhorada ou corrigida com o uso de lentes e/ou
tratamento clínico ou cirúrgico
Deficiência visual
INDICADORES DE POSSÍVEIS PROBLEMAS VISUAIS
Olhos ou pálpebras avermelhados
Olhos aquosos
Pálpebras afundadas
Treçolhos frequentes
Pupilas nubladas ou muito abertas
Olhos em constante movimento
Pálpebras caídas
Deficiência visual
• os olhos de um cego são os dedos das mãos;
•
Os olhos de um cego são os ouvidos;
•
O olho de um cego é a bengala;
•
Os olhos de um cego são os olhos de um ser humano ou
de um cão guia;
Quando perdemos um sentido, passamos a usar mais os
outros e por ser necessário, aguçamos os que nos
restaram.
Deficiência visual
A Aprendizagem do Braille
• O Sistema Braille, criado por Louis Braille em 1825, é o método
universal e natural de leitura e escrita para as pessoas cegas
Princípios da Educação do Deficiente Visual
•
Estimulação dos sentidos:
• Estimulação visual , do tacto, auditiva, do olfacto e do paladar
Estimulação visual
• Motivar a criança a alcançar, tocar, manipular e reconhecer o objecto;
• Ensinar a “olhar” para o rosto de quem fala;
• Ajustar uma área onde a criança possa brincar em segurança e onde os
objectos estejam ao alcance dos seus braços;
• Estimulação do tacto
• Descriminar diferentes texturas;
• Experimentar materiais com formas e feitios com
contornos nítidos
• Distinguir a temperatura dos líquidos e sólidos;
• Mostrar como pode manipular o objecto.
Princípios da Educação do Deficiente Visual
Estimulação auditiva
• Ouvir barulhos ambientais, gravadores, rádios…;
• Identificar sons simples;
• Distinguir timbres e volumes dos sons;
• Discriminar a diferença entre duas frases quase iguais;
• Desenvolver a memória auditiva selectiva.
Estimulação do olfacto e do paladar
• Provar e cheirar diferentes comidas (salgadas, doces e amargas);
• Cheirar vinagre, perfumes, detergentes, sabonetes e outros
líquidos com cheiros fortes.
Deficiência auditiva
• A chave para uma boa comunicação com uma pessoa surda é o contato
visual.
Surdo-mudo a mais antiga e incorrecta denominação atribuída ao surdo.
O facto de uma pessoa ser surda não significa que ela seja muda.
• A mudez é uma outra deficiência.
DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA AUDITIVA
Na opinião de Correia (2008), “numa perspectiva clínica, ser surdo significa
apresentar uma deficiência auditiva resultante de lesão no aparelho auditivo que
se traduz na impossibilidade de ouvir ou na dificuldade em ouvir determinados
sons.
Tipos de surdez
Existem três tipos de surdez:
• De Transmissão, referente a um problema do ouvido
médio e/ou externo, na maioria dos casos temporária;
• Neuro-Sensorial, referente a um problema do ouvido
interno e/ou nervo auditivo, de carácter definitivo;
• Mista, referente a uma conjugação dos dois tipos de
perda.
Língua gestual
IDENTIFICAÇÃO DE PROBLEMAS AUDITIVOS
• Parecem existir queixas relacionadas com os ouvidos.
• Existe uma articulação deficitária de sons, especialmente a
omissão de consoantes.
• Quando estão a ouvir rádio ou televisão o aluno levanta o som de
tal forma alta que os outros se queixam.
• O aluno vira a cabeça para o local do som num esforço aparente
para escutar melhor.
• O aluno pede para repetir frequentemente o que acabou de ser
dito.
• O aluno parece desatento e não responde frequentemente quando
se lhe fala num tom de voz normal.
• O aluno mostra-se relutante em participar em actividades orais.
•
Deficiência motora
• Deficiência motora é uma disfunção física ou motora, a
qual poderá ser de carácter congénito ou adquirido.
• São vários os motivos que podemos encontrar na base da
deficiência motora, destacando-se os seguintes:
• Acidentes rodoviários;
• Acidentes de trabalho;
• Erros médicos;
• Problemas durante o parto;
• Violência;
• Desnutrição
Barreiras

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

O Que São Distúrbios Da Fala
O Que São Distúrbios Da FalaO Que São Distúrbios Da Fala
O Que São Distúrbios Da Fala
 
Perdas Auditivas
Perdas AuditivasPerdas Auditivas
Perdas Auditivas
 
Deficiência visual e auditiva
Deficiência visual e auditivaDeficiência visual e auditiva
Deficiência visual e auditiva
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditivaDeficiência auditiva
Deficiência auditiva
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditivaDeficiência auditiva
Deficiência auditiva
 
1551 Deficiencia Auditiva
1551 Deficiencia Auditiva1551 Deficiencia Auditiva
1551 Deficiencia Auditiva
 
Deficiência Auditiva
Deficiência AuditivaDeficiência Auditiva
Deficiência Auditiva
 
Surdez e desafios
Surdez e desafiosSurdez e desafios
Surdez e desafios
 
Ah ubm izabel 2
Ah ubm izabel 2Ah ubm izabel 2
Ah ubm izabel 2
 
Crianças surdas 2006
Crianças surdas 2006Crianças surdas 2006
Crianças surdas 2006
 
A FONOAUDIOLOGIA NA ESCOLA
A FONOAUDIOLOGIA  NA ESCOLAA FONOAUDIOLOGIA  NA ESCOLA
A FONOAUDIOLOGIA NA ESCOLA
 
Surdez
SurdezSurdez
Surdez
 
Abordagem aurioral
Abordagem aurioralAbordagem aurioral
Abordagem aurioral
 
Cultura Surda
Cultura SurdaCultura Surda
Cultura Surda
 
A surdez
A surdezA surdez
A surdez
 
O Corpo Fala
O Corpo FalaO Corpo Fala
O Corpo Fala
 
Processamento auditivo central
Processamento auditivo centralProcessamento auditivo central
Processamento auditivo central
 
Renovacao Processamento Auditivo
Renovacao Processamento AuditivoRenovacao Processamento Auditivo
Renovacao Processamento Auditivo
 
Fonoaudiologia e educação
Fonoaudiologia e educaçãoFonoaudiologia e educação
Fonoaudiologia e educação
 
Processamento auditivo
Processamento auditivoProcessamento auditivo
Processamento auditivo
 

Semelhante a Def. auditiva, visual e motora

Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de AprendizagemDeficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagempaulacod_pedagogia
 
Distúrbios da Fala
Distúrbios da FalaDistúrbios da Fala
Distúrbios da FalaCassia Dias
 
OrientaçõEs Vocais Para O Uso Profissional Adequado Da 1
OrientaçõEs Vocais Para O Uso Profissional Adequado Da 1OrientaçõEs Vocais Para O Uso Profissional Adequado Da 1
OrientaçõEs Vocais Para O Uso Profissional Adequado Da 1Inacio Montanha
 
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriaisA comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriaisLurdesmartins17
 
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...Fernanda Rezende Pedroza
 
Ser diferente é normal
Ser diferente  é normalSer diferente  é normal
Ser diferente é normalSuzana Duraes
 
Transtorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam Guimarães
Transtorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam GuimarãesTranstorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam Guimarães
Transtorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam Guimarãesanaceucok
 
Sensibilização da pea
Sensibilização da peaSensibilização da pea
Sensibilização da peamfcpestana
 
ATV1- LIBRAS e BRAILLE- grupo Petry Jane
ATV1- LIBRAS e BRAILLE- grupo Petry JaneATV1- LIBRAS e BRAILLE- grupo Petry Jane
ATV1- LIBRAS e BRAILLE- grupo Petry Janepjannys
 
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoOdontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoFlavio Salomao-Miranda
 
Distúrbio da fala
Distúrbio da falaDistúrbio da fala
Distúrbio da falaLatife Frota
 
Daniela coelho - Multideficiência
Daniela coelho -  MultideficiênciaDaniela coelho -  Multideficiência
Daniela coelho - MultideficiênciaDaniela Coelho
 

Semelhante a Def. auditiva, visual e motora (20)

Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de AprendizagemDeficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
 
Processamento auditivo
Processamento auditivoProcessamento auditivo
Processamento auditivo
 
Deficiência visual
Deficiência visualDeficiência visual
Deficiência visual
 
Distúrbios da Fala
Distúrbios da FalaDistúrbios da Fala
Distúrbios da Fala
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
OrientaçõEs Vocais Para O Uso Profissional Adequado Da 1
OrientaçõEs Vocais Para O Uso Profissional Adequado Da 1OrientaçõEs Vocais Para O Uso Profissional Adequado Da 1
OrientaçõEs Vocais Para O Uso Profissional Adequado Da 1
 
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriaisA comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
A comunicacao na interacao com o utente com alteracoes sensoriais
 
Dislalia
DislaliaDislalia
Dislalia
 
Barreiras à comunicacao
Barreiras à comunicacaoBarreiras à comunicacao
Barreiras à comunicacao
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
 
Ser diferente é normal
Ser diferente  é normalSer diferente  é normal
Ser diferente é normal
 
Afasia
AfasiaAfasia
Afasia
 
Transtorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam Guimarães
Transtorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam GuimarãesTranstorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam Guimarães
Transtorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam Guimarães
 
Sensibilização da pea
Sensibilização da peaSensibilização da pea
Sensibilização da pea
 
ATV1- LIBRAS e BRAILLE- grupo Petry Jane
ATV1- LIBRAS e BRAILLE- grupo Petry JaneATV1- LIBRAS e BRAILLE- grupo Petry Jane
ATV1- LIBRAS e BRAILLE- grupo Petry Jane
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoOdontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
 
Distúrbio da fala
Distúrbio da falaDistúrbio da fala
Distúrbio da fala
 
Daniela coelho - Multideficiência
Daniela coelho -  MultideficiênciaDaniela coelho -  Multideficiência
Daniela coelho - Multideficiência
 

Mais de Fabiana Mourão (20)

Gincana.
Gincana.Gincana.
Gincana.
 
O sapo.
O sapo.O sapo.
O sapo.
 
Puzzles.
Puzzles.Puzzles.
Puzzles.
 
Liv'animaleta.
Liv'animaleta.Liv'animaleta.
Liv'animaleta.
 
Dedica o teu desenho.
Dedica o teu desenho.Dedica o teu desenho.
Dedica o teu desenho.
 
Flutua ou afunda.
Flutua ou afunda.Flutua ou afunda.
Flutua ou afunda.
 
Mini chefes.
Mini chefes.Mini chefes.
Mini chefes.
 
Maria Montessori
Maria MontessoriMaria Montessori
Maria Montessori
 
Anteprojeto da pap
Anteprojeto da pap Anteprojeto da pap
Anteprojeto da pap
 
Sindrome de down
Sindrome de downSindrome de down
Sindrome de down
 
Siem
SiemSiem
Siem
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
 
Feridas e queimaduras
Feridas e queimadurasFeridas e queimaduras
Feridas e queimaduras
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
O ano da morte de ricardo reis
O ano da morte de ricardo reisO ano da morte de ricardo reis
O ano da morte de ricardo reis
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
A importancia da musica
A importancia da musicaA importancia da musica
A importancia da musica
 
Projecto curricular
Projecto curricularProjecto curricular
Projecto curricular
 

Último

aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...quelenfermeira
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxLanaMonteiro8
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfWendelldaLuz
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Astrid Mühle Moreira Ferreira
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoPAULOVINICIUSDOSSANT1
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxnarayaskara215
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxsaraferraz09
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...TaniaN8
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01perfilnovo3rich
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoJose Ribamar
 

Último (10)

aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 

Def. auditiva, visual e motora

  • 1. Métodos de convivência com deficiente : auditivo, visual e motor
  • 2. Métodos de convivência com deficiente : auditivo, visual e motor Deficiência é o termo usado para definir a ausência ou a disfunção de uma estrutura psíquica fisiológica ou anatómica
  • 3. Deficiência visual A visão é um dos sentidos que nos ajuda a compreender o mundo à nossa volta, Deficiência visual é a perda ou redução da capacidade visual em ambos os olhos, com carácter definitivo, não sendo susceptível de ser melhorada ou corrigida com o uso de lentes e/ou tratamento clínico ou cirúrgico
  • 4. Deficiência visual INDICADORES DE POSSÍVEIS PROBLEMAS VISUAIS Olhos ou pálpebras avermelhados Olhos aquosos Pálpebras afundadas Treçolhos frequentes Pupilas nubladas ou muito abertas Olhos em constante movimento Pálpebras caídas
  • 5. Deficiência visual • os olhos de um cego são os dedos das mãos; • Os olhos de um cego são os ouvidos; • O olho de um cego é a bengala; • Os olhos de um cego são os olhos de um ser humano ou de um cão guia; Quando perdemos um sentido, passamos a usar mais os outros e por ser necessário, aguçamos os que nos restaram.
  • 6. Deficiência visual A Aprendizagem do Braille • O Sistema Braille, criado por Louis Braille em 1825, é o método universal e natural de leitura e escrita para as pessoas cegas
  • 7. Princípios da Educação do Deficiente Visual • Estimulação dos sentidos: • Estimulação visual , do tacto, auditiva, do olfacto e do paladar Estimulação visual • Motivar a criança a alcançar, tocar, manipular e reconhecer o objecto; • Ensinar a “olhar” para o rosto de quem fala; • Ajustar uma área onde a criança possa brincar em segurança e onde os objectos estejam ao alcance dos seus braços; • Estimulação do tacto • Descriminar diferentes texturas; • Experimentar materiais com formas e feitios com contornos nítidos • Distinguir a temperatura dos líquidos e sólidos; • Mostrar como pode manipular o objecto.
  • 8. Princípios da Educação do Deficiente Visual Estimulação auditiva • Ouvir barulhos ambientais, gravadores, rádios…; • Identificar sons simples; • Distinguir timbres e volumes dos sons; • Discriminar a diferença entre duas frases quase iguais; • Desenvolver a memória auditiva selectiva. Estimulação do olfacto e do paladar • Provar e cheirar diferentes comidas (salgadas, doces e amargas); • Cheirar vinagre, perfumes, detergentes, sabonetes e outros líquidos com cheiros fortes.
  • 9. Deficiência auditiva • A chave para uma boa comunicação com uma pessoa surda é o contato visual. Surdo-mudo a mais antiga e incorrecta denominação atribuída ao surdo. O facto de uma pessoa ser surda não significa que ela seja muda. • A mudez é uma outra deficiência. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA AUDITIVA Na opinião de Correia (2008), “numa perspectiva clínica, ser surdo significa apresentar uma deficiência auditiva resultante de lesão no aparelho auditivo que se traduz na impossibilidade de ouvir ou na dificuldade em ouvir determinados sons.
  • 10. Tipos de surdez Existem três tipos de surdez: • De Transmissão, referente a um problema do ouvido médio e/ou externo, na maioria dos casos temporária; • Neuro-Sensorial, referente a um problema do ouvido interno e/ou nervo auditivo, de carácter definitivo; • Mista, referente a uma conjugação dos dois tipos de perda.
  • 12. IDENTIFICAÇÃO DE PROBLEMAS AUDITIVOS • Parecem existir queixas relacionadas com os ouvidos. • Existe uma articulação deficitária de sons, especialmente a omissão de consoantes. • Quando estão a ouvir rádio ou televisão o aluno levanta o som de tal forma alta que os outros se queixam. • O aluno vira a cabeça para o local do som num esforço aparente para escutar melhor. • O aluno pede para repetir frequentemente o que acabou de ser dito. • O aluno parece desatento e não responde frequentemente quando se lhe fala num tom de voz normal. • O aluno mostra-se relutante em participar em actividades orais. •
  • 13. Deficiência motora • Deficiência motora é uma disfunção física ou motora, a qual poderá ser de carácter congénito ou adquirido. • São vários os motivos que podemos encontrar na base da deficiência motora, destacando-se os seguintes: • Acidentes rodoviários; • Acidentes de trabalho; • Erros médicos; • Problemas durante o parto; • Violência; • Desnutrição