Tema 1 -_evolucao_do_processo_de_treino

1.608 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.608
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tema 1 -_evolucao_do_processo_de_treino

  1. 1. Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD – Módulo 2 – Metodologia do Treino Evolução do Processo de Treino 1º - PERÍODO DA ARTE – Civilização Grega; 2º - PERÍODO DA IMPROVISAÇÃO – 1896 a 1920; 3º - PERÍODO DA SISTEMATIZAÇÃO – 1920 a 1939; 4º - PERÍODO PRÉ-CIENTÍFICO – 1939 a 1960; 5º - PERÍODO CIENTÍFICO – Depois de 1956. Adaptado da disciplina de Metodologia do Treino – Faculdade de Motricidade Humana – Universidade Técnica de Lisboa, ano Lectivo 1993/1994; Não Editado.
  2. 2. Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD – Módulo 2 – Metodologia do Treino Evolução do Processo de Treino 1º - PERÍODO DA ARTE – Civilização Grega Antes do século VI a.C., o magistrado Sólon (639-559) legislou e promulgou as leis que regulamentavam a função do Treinador. • Para Filostratos (século II d. C.) o treinador deveria conhecer tudo sobre o atleta e ter noções de fisiologia, dietética e bom intuito psicológico para organizar o treino de cada atleta – treino individualizado. • Pugnou por uma melhor formação dos treinadores, afirmando que a vitória nas actividades atléticas dependia não tanto do atleta mas do treinador. Costa, J. (2006) – Educação Física 7º/8º/9º - Jogo Limpo – 1ª Parte. Porto Editora.
  3. 3. Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD – Módulo 2 – Metodologia do Treino Evolução do Processo de Treino 1º - PERÍODO DA ARTE – Civilização Grega; Podemos considerar que os gregos já tinham conhecimentos sobre a arte do treino: • Distinguiam preparação geral da específica, tinham noção da fase do aquecimento, da parte principal do treino e do retorno à calma, incluindo o banho e a massagem; • Davam grande importância ao repouso e à alimentação; • A preparação psicológica era sustentada com sofrimento. Tentavam habituar os atletas à fadiga, induzindo os atletas ao máximo esforço. • Percebiam a necessidade de adaptação às condições climatéricas específicas dos locais das competições; • Davam grande ênfase à hereditariedade; • Utilizavam já um ciclo de treino, chamado “tetras”, que se aplicava em períodos de quatro dias. • Para melhoria do rendimento físico, utilizavam diferentes cargas (peso do companheiro, halteres e bolas pesadas). Adaptado da disciplina de Metodologia do Treino – Faculdade de Motricidade Humana – Universidade Técnica de Lisboa, ano Lectivo 1993/1994; Não Editado.
  4. 4. Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD – Módulo 2 – Metodologia do Treino Evolução do Processo de Treino 2º - PERÍODO DA IMPROVISAÇÃO – 1896 a 1920 • 1913: Murphy – Treino de 8 a 10 semanas (o atleta não se deve submeter a treino mais prolongado). • 1917: Kotov – Treino contínuo (actividade durante todo o ano, com desportos de verão e de inverno). • Treino dividido em ciclos - Três períodos : Geral; Preparatório; Especial. Adaptado da disciplina de Metodologia do Treino – Faculdade de Motricidade Humana – Universidade Técnica de Lisboa, ano Lectivo 1993/1994; Não Editado.
  5. 5. Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD – Módulo 2 – Metodologia do Treino Evolução do Processo de Treino • 3º - PERÍODO DA SISTEMATIZAÇÃO – 1920 a 1939 1922: Gorinevski – Treino como processo pedagógico plural. Opõem-se ao “universalismo desportivo”, que impede a formação individual em toda a sua profundidade. • 1928: Mang – A formação do desportista (geral, especial e técnica) realiza-se paralela e não sucessivamente. • • 1930: Pihkala – Carácter ondulatório da carga (dias, semanas, meses e anos); P. Nurmi (escola Finlandesa)– Aumento progressivo da intensidade e diminuição do volume. – Divisão da época em quatro períodos: Preparação; Primavera; Verão; Recuperação. • Adaptado da disciplina de Metodologia do Treino – Faculdade de Motricidade Humana – Universidade Técnica de Lisboa, ano Lectivo 1993/1994; Não Editado.
  6. 6. Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD – Módulo 2 – Metodologia do Treino Evolução do Processo de Treino 3º - PERÍODO DA SISTEMATIZAÇÃO – 1920 a 1939 1930/40: Holmer/Olander – “Fartlek”. (G. Haegg) – Escola Sueca. • • • • 1930: Osolin – Treino durante todo o ano, na mesma modalidade, na U.R.R.S. (atletismo). Adaptado da disciplina de Metodologia do Treino – Faculdade de Motricidade Humana – Universidade Técnica de Lisboa, ano Lectivo 1993/1994; Não Editado.
  7. 7. Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD – Módulo 2 – Metodologia do Treino Evolução do Processo de Treino 4º - PERÍODO PRÉ-CIENTÍFICO – 1939 a 1960 • 1939: Gerschler – Início do “intervall training” (treino com cargas intervaladas, distâncias curtas e elevada intensidade. • 1939: Grantyn – Periodização do treino semelhante à proposta de Matweyev. • 1949/57: Kutz; Zatopeck – Repetições de 200 e 400m, redução da pausa e aumento do volume (100x400m). • 1945: Início do “weight-training” nos EUA, na URSS e nos países de leste. Adaptado da disciplina de Metodologia do Treino – Faculdade de Motricidade Humana – Universidade Técnica de Lisboa, ano Lectivo 1993/1994; Não Editado.
  8. 8. Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD – Módulo 2 – Metodologia do Treino Evolução do Processo de Treino • • • • • • 5º - PERÍODO CIENTÍFICO – Depois de 1956. 1954/56: Gerschler/Reindell – Aperfeiçoamento do Intervalltraining. Frequência Cardíaca (Fc) como controlo do treino. 1960/70: Cerutty – Treino com grande volume e elevada intensidade (até ao esgotamento). Elliot e Ron Clarc – Musculação na areia (dunas). Lydiard – Longas distâncias 160 Km/semana. Depois de 1970: Acentua-se a cientificação do treino: Laboratórios; Teorização; Especificidade; Profissionalização. Adaptado da disciplina de Metodologia do Treino – Faculdade de Motricidade Humana – Universidade Técnica de Lisboa, ano Lectivo 1993/1994; Não Editado.
  9. 9. Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD – Módulo 2 – Metodologia do Treino Evolução do Processo de Treino FACTORES DETERMINANTES DA MELHORIA DOS RESULTADOS DESPORTIVOS EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DA METODOLOGIA DO TREINO 1. Aumento do volume de treino; 2. Adequação do treino aos objectivos (>especialização); 3. Desenvolvimento de novos meios de treino e competição; 4. Aperfeiçoamento da organização do treino (cientificação). Adaptado da disciplina de Metodologia do Treino – Faculdade de Motricidade Humana – Universidade Técnica de Lisboa, ano Lectivo 1993/1994; Não Editado.
  10. 10. Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD – Módulo 2 – Metodologia do Treino Evolução do Processo de Treino CAUSAS DETERMINANTES DA EVOLUÇÃO DA METODOLOGIA DO TREINO O que deu origem à evolução da forma de treinar? FATORES DE NATUREZA SÓCIOCULTURAL E POLÍTICA INDIVIDUAL Treinador + Atleta COLECTIVO Países, Sociedades, Federações, Clubes Adaptado da disciplina de Metodologia do Treino – Faculdade de Motricidade Humana – Universidade Técnica de Lisboa, ano Lectivo 1993/1994; Não Editado.
  11. 11. Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD – Módulo 2 – Metodologia do Treino Evolução do Processo de Treino Exercícios teórico-práticos de pesquisa 3 Possibilidades Exercício teórico-prático1: Pesquisa de factos desportivos que caracterizem cada um dos períodos referidos e que contribuam para ilustrar o resultado do processo de treino. Exercício teórico-prático2: Pesquisa de autores referidos e ou métodos de treino associados aos mesmos, no sentido de aprofundar o conhecimento. Exercício teórico-prático3: Pesquisa de processos e métodos de treino associados a civilizações antigas, de forma a percebermos a importância atribuída em diferentes épocas e povos aos processo de treino.

×