USE THE FORCE            ... of the Civic MovementBasílio C. Vieira   |   Movimento Cívico   |   Twitter: @BaiaVieira
Problema• A rua de acesso à estação de  Lisboa - Santa Apolónia é estreita  e sobraram apenas 50  centímetros para os pass...
Soluções possíveis           • Remover o muro           • Cortar uma das faixas da rua             para alargar os passeio...
Movimento "Entrada Norte"    Uma proposta para melhorar a acessibilidade da             Estação de Santa ApolóniaBasílio C...
Movimento "Entrada Norte"    Uma proposta para melhorar a acessibilidade da             Estação de Santa ApolóniaBasílio C...
Mudou-se uma ruaAbriu-se uma porta :-)
O Movimento CívicoBasílio C. Vieira   |   Movimento Cívico   |   Twitter: @BaiaVieira
O Movimento Cívico        • Não é um caminho para a políticaBasílio C. Vieira   |   Movimento Cívico   |   Twitter: @BaiaV...
O Movimento Cívico        • Não é um caminho para a política        • É um vector ao nosso alcanceBasílio C. Vieira   |   ...
O Movimento Cívico        • Não é um caminho para a política        • É um vector ao nosso alcance        • É a sociedade ...
O Movimento Cívico        • Não é um caminho para a política        • É um vector ao nosso alcance        • É a sociedade ...
O Movimento Cívico        • Não é um caminho para a política        • É um vector ao nosso alcance        • É a sociedade ...
O processo   I - Análise Inicial              IV - Exposição pública: TV   II - Contactos entidades         V - Acções no ...
Análise inicial         • Qual é o problema?         • Quais as soluções possíveis?         • Quais as entidades envolvida...
Abordar as entidades           • Dossier completo           • Ensaie, ensaie, ensaie           • Suba na hierarquia       ...
Mass MediaBasílio C. Vieira   |   Movimento Cívico   |   Twitter: @BaiaVieira
Mass Media        • Como contactar?Basílio C. Vieira   |   Movimento Cívico   |   Twitter: @BaiaVieira
Mass Media        • Como contactar?        • Resumo executivoBasílio C. Vieira   |   Movimento Cívico   |   Twitter: @Baia...
Mass Media        • Como contactar?        • Resumo executivo        • Façam as devidas diligênciasBasílio C. Vieira   |  ...
Mass Media        • Como contactar?        • Resumo executivo        • Façam as devidas diligências        • Mantenham-se ...
Mass Media• Falem devagar, pensem depressa• Agradeçam / creditem pessoalmente• Coloquem no vosso site (com autorização)• R...
Redes Sociais                Facebook Page / Twitter / G+             • As pessoas vivem na rede             • A rede não ...
Redes Sociais                Facebook Page / Twitter / G+• 1 ou 2 por dia, 3 ou 4 por semana• 8H00 – 10H00 e 19H00 – 22H00...
CustosBasílio C. Vieira   |   Movimento Cívico   |   Twitter: @BaiaVieira
Custos• Publicidade                        • WebHosting• Faixa                              • Registo domínio• Panfletos   ...
O que vai correr mal            • Gerir expectativas            • Comentários negativos            • Promessas não cumprid...
Conselhos práticos• Pro bono mas creditem sempre• Compatibilidade com emprego e família.• Andem sempre com algo• Mantenham...
Porquê os programadores?               Porque é aquilo que fazemos melhor• Problema? Solução!• Dívida / Legado   Basílio C...
"With great power comes great responsibility."                                                  Stan LeeBasílio C. Vieira ...
Obrigado!Basílio C. Vieira   |   Movimento Cívico   |   Twitter: @BaiaVieira
Use the force... Of the civic movement
Use the force... Of the civic movement
Use the force... Of the civic movement
Use the force... Of the civic movement
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Use the force... Of the civic movement

388 visualizações

Publicada em

Palestra no Codebits VI - Dia 17 de Novembro de 2012
Tema: Movimento Cívico - o que é, para que serve, como se usa.
Basílio Vieira

Vídeo aqui: http://videos.sapo.pt/L9zNFK8BaTIg7Y7Liw1P

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
388
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • "Olá o meu nome é Basílio e eu sou um cidadão anónimo"\n\nResumo executivo\nDossier, 8 folhas. Pequeno mas o que interessa está no meio da segunda folha!\n\n\n\nadvogados:\nnão faça nada sem o consultar.\nprimário, bem inserido na sociedade: pena suspensa.\n \n \nApoios:\n patrão, família e amigos\n \ncomo funciona:\n sugira uma solução plausível a quem tiver poder para resolver.\n mas entenda como o mundo funciona. uma coisa é o que poderia ser, outra coisa é o que funciona.\n não alienem a sua base de apoio, não embarquem em guerras quixotescas nem sejam loucos.\n \nOs amigos esse primeiro pilar de apoio.\n não implorem, peçam.\n não resultou? porquê? rol dos esquecidos ou existem anti-corpos?\nEnsaiem com eles. Tudo, sempre.\n\n\nRedes clássicas:\n\nDelegar tarefas:\nRegra geral não deleguem: parece uma contradição, mas na realidade é preciso muito pouco para organizar um movimento cívico e o facto de representar directamente o movimento aumentará a qualidade da mensagem.\nSe delegarem muito, em vez de um problema passam a ter dois problemas: o que estavam a tentar corrigir e o problema de coordenar/motivar/controlar uma equipe.\nA excepção aplica-se a pessoas que sendo competentes na sua área, revelam uma paixão pela causa semelhante à sua.\n \n\ninternet\n registe o domínio logo que compreenda qual o nome mais sonante.\n tenha presente que a rede nunca esquece. tudo o que escrever, bom ou mau, aparecerá sempre se alguém procurar. E isso é uma coisa boa.\n \n petições on-line são úteis: não se perdem e estão sempre actualizadas.\n mas poderá ter de contornar a questão recolhendo assinaturas com um portátil\n link rot: ao partilhar um link de uma notícia, considere a possibilidade de esse link morrer. Se a notícia está alojada num site exterior a si e pretende linkar para lá, antes de mais produza uma cópia em PDF para o caso de acontecer algo ao outro site (e acontecerá de certeza). Poderá assim socorrer-se da sua própria cópia.\n \ndevidas diligencias\n dossier, contactos, publico e depois massmedia\n \nempatia/sinergia\nsao jorge, conheça o seu Dragão\nos mass media\n jornais\n rádio televisão\n anuncios e panfletos\n campanhas\n Facebook, google, blogs e jornais\n \ntelemóvel\n um numero só para isso\n fácil de transferir para outro elemento do seu movimento e protege a sua vida privada\n reencaminhar chamadas: tem custo e os SMSs não são reencaminhados\n Vodafone: cartão duo, mas os três operadores dispõem de soluções equivalentes / tmn e optimus\n \ngtd - Get Things Done - se tiver alguma tarefa que possa fazer em menos de 2 minutos, faça-a de imediato.\nprocastinar\n \nerros\npolitica\ngerir timings\n publique na altura correcta, não quando lhe der na telha\n escreva para publicar depois\n descubra a sua hora de maior inspiração.\n moleskine ou portátil, o correcto é anotar\n mail para si próprio.\n amadureça o que vai escrever\n peça uma opinião. mas só uma: existem muitas e boas razões para um comité nunca ter escrito um bom livro\n ao publicar algo compromete pessoas. peça uma citação no final.\n \no que não publicar\n coisas negativas devem fazer parte da estratégia\n se estamos a perder, isso deve despoletar um cal to action. não um choradinho\n lembre-se, o mundo não precisa de choramingas profissionais.\n \na derrota:\n quando fomos derrotados?\n porquê?\n o que aprendemos?\n não fechar uma porta\n \na vitória:\n quando ganhámos?\n porquê?\n o que aprendemos?\n não fechar uma porta\n equanimidade\n \n \no que não revelar\n \ndefinir objectivos, saber aceitar menos que o pretendido\nnão prometa o que não pode cumprir, não diga o que não sabe.\n \nResumo executivo:\n Resuma em menos de uma página A4 o problema e a solução que apresenta.\n Coloque esta informação nas primeiras páginas da sua apresentação.\n \nSales pitch:\n Construa uma frase curta mas que contenha a essência do problema. Intrigue o seu interlocutor com o final da frase: "… quando a solução é simples."\n Termine com algo que pede uma pergunta.\n Prepare-se para vender a ideia numa viagem de elevador. Qualquer pessoa consegue explicar o que está a tentar fazer em uma hora. Treine o resumo em 90 segundos. E prepare-se para o repetir vezes sem conta a cada pessoa que aborda.\n \nPedir favores:\napresente a causa, peça depois\nfaça o trabalho mesmo que fique mal. peça para melhorar\n não espere que outrém faça aquilo que você não quis fazer.\n \ndocumente o problema. aponte tudo, o que é secreto, o que quer dizer.\n \nqual a dimensão do problema?\n \n quantas pessoas são afectadas? Conte-as pessoalmente se for possível. Ou faça uma amostragem. Só se isso falhar é que deverá confiar nas estatísticas apresentadas.\n e no passado, quantos eram?\n no futuro, quantos serão?\n quando invocar números, faça-o sempre indicando as fontes.\n \nEstamos em 2011: Mailings e faxes não resultam, por muito que o tentem convencer disso. Enviar informação por fax é um sinal de que não tem uma visão actual do mundo. E quem quer ser guiado por um cego? Faça um favor a si próprio e deite fora o aparelho de fax que estiver mais perto de si neste momento.\n \nseja positivo:\no público gosta de abraçar causas ganhas\nescreva bem, mas escreva curto e simples. Não se esforce para escrever um texto muito erudito, pense no seu público alvo: está a escrever para pessoas normais, não para um clube literário. Se a sua mensagem, não passar, o prejuízo é seu.\n \nlocation, location, location\nconheça o seu amigo\n agradeça publicamente o apoio dado. não é possível sublinhar demasiado isto: Os nossos pais ensinaram-nos as duas palavras douradas: "por favor" e "obrigado".\n Mesmo o mais desinteressado dos amigos irá apreciar um agradecimento ou um elogio a algo que tenha contribuído. Se conseguir fazer um elogio perante terceiros, melhor ainda desde que o consiga fazer de uma forma genuína. \n Atribua títulos a quem está mais perto de si. O seu amigo advogado será sempre referido como "o Departamento Jurídico", o estudante de marketing será anunciado como "o melhor markteer". Em dúvida, acredite que "E\n \nplan - do - check - act\n \nPreocupe-se mais com o conteúdo que com a forma, especialmente no meios on-line, onde é mais fácil introduzir a mudança.\nNão tem um logotipo que espelhe inteiramente a filosofia do seu movimento? Use o melhor que lhe ocorrer nos próximos 10 minutos e será suficiente para começar o movimento. Depois coloque na lista de tarefas a criação de um novo logotipo. Não fique à espera que um designer gráfico de renome lhe entregue o produto final para por em marcha o seu movimento.\nQuanto mais cedo começar, melhor.\n \nPrepare-se para abordar o processo: repita para si, "o não está garantido" / "isto é um processo em curso". Ajuda a não se sentir desesperado quando as coisas não avançarem ao ritmo que espera, e a não sentir-se frustado com as respostas negativas.\n \nPrepare-se para ser deslumbrado: se fez as escolhas correctas, o público irá ser efusivo no seu apoio. Não se preocupe por ter de distribuir panfletos às 6H30 de uma manhã fria: palavras como "graças a Deus que alguém faz algo para resolver isto", "têm o meu apoio a 100%", "há anos que peço para resolverem isto, oxalá seja desta" serão de certeza suficientes para o fazer esquecer o frio e dar um novo ânimo.\n \neye-candy para uma geração com uma short attention span\n \npaypal - doações\n rastreabilidade\n \nE porque os programadores também são individuos com responsabilidades sociais devemos ser um exemplo às gerações vindouras, além de que a sociedade actual necessita disto mais do que nunca.\n \n \nNestes últimas décadas, temos a liberdade, mas não sabemos o que fazer com ela. Perdemos a noção de vizinhança, de rua e de família. Estamos desorganizados, vivemos entre a nossa apatia e o activismo de homens mal-intencionados. No entanto, nada está perdido. Aliás, o estado actual era esperado e obrigatório no nosso desenvolvimento :)\n
  • \n\n
  • \n\n
  • SLIDE: Entrada norte\nJá agora, isto é um grafitti de um artista anónimo porque ninguém negoceia com terroristas.\n\nO PROCESSO.\n \num movimento de um homem só\nevita o culto da personalidade e dá um ar mais sério e forte\n \n \n\n\n
  • \n\n
  • \n\n
  • \n\n
  • \n\n
  • Resultado final, rua limpa e caras felizes.\nSLIDE: ZOMG!!! Crying guy\n \nVamos falar sobre o que aconteceu entre estes dois momentos.\nJuntem-se a mim para uma viagem fora da vossa zona de conforto e preparem-se para ser deslumbrados: se fizerem as escolhas correctas, o mundo irá ser efusivo no seu apoio. Não se preocupem por ter de distribuir panfletos às 6H30 de uma manhã fria: palavras como "graças a Deus que alguém faz algo para resolver isto", "têm o meu apoio a 100%", "há anos que peço para resolverem isto, oxalá seja desta" serão de certeza suficientes para os fazer esquecer o frio e dar um novo ânimo.\n\n\n
  • tive aqui a minha epifania, para cada um haverá o seu momento X, o momento certo na vida em que formar um movimento cívico faz todo o sentido.\n\nNão é uma forma de nos lançarmos na política. Apenas porque não sei se resulta. Talvez resulte. Ou talvez seja mais simples oferecer electrodomésticos.\n\nUm Movimento Cívico é uma task force, um vector que força o universo que nos rodeia a deslocar-se para um estado maior de organização. É uma forma de resolver problemas na sociedade que nos rodeia e que está inteiramente ao nosso alcance.\n\nNão sou pai de uma causa (mas devemos ser o padrinho, a força que vence a inércia)\n \nCostuma-se dizer que Após o 25 de Abril, temos a liberdade, mas não sabemos o que fazer com ela. A minha descrição do país é que somos como uma casa que os pais saíram e deixaram os filhos a tomar conta: E inevitavelmente os irmãos mais velhos aproveitaram-se da situação.\nA nossa resposta foi fecharmo-nos sobre nós próprios e perdemos a noção de vizinhança: Quando saímos à rua, hesitamos se um vizinho está na escada. Achamos que o nosso carro é mais importante que a nossa rua.\nPortugal vive entre a apatia e o sindicalismo: Não somos organizados e por isso as forças minimamente organizadas levam a deles avante.\n \n \npara que serve:\nPara melhorar um pouco o mundo à nossa volta. E para nos melhorarmos a nós próprios. E porque fazer uma boa acção ajuda: passar uma eternidade no purgatório mas sair um mês mais cedo por bom comportamento\n\nAtaquem as duas frentes: o problema e a sociedade\nEnvolvam os vossos filhos, são a próxima geração\n \nSIM porque funciona:\nquem sabe? suspeito que:\nos políticos tenham medo de se tratar de um rastilho. o verdadeiro poder\nos políticos (JF) aproveitam para agradar à população. O movimento cívico faz a propaganda, a JF colhe os louros. o que está certo. é uma simbiose\n \nSIM o que se ganha com isto:\nformação cívica\n por uma questão de coerência, depois de formar um movimento cívico, começa a portar-se melhor:\n parar nas passadeiras, torna-se uma obrigação\n não deitar nada para o chão\n os bons exemplos são gratificantes e obtêm-se sempre frutos disso\n \nSIM currículo pessoal\nse houver pessoas no mundo que acham que agimos correctamente, isso não é mau nunca.\n \nSIM as armas:\n a história, o passado e o futuro\n todos gostam de pertencer a algo maior\n todos gostam de poder mudar o mundo, mudar o futuro.\n \nSLIDE: procrastinar?\n \nO que estamos aqui a combater é a atitude de "não é um problema meu": é sempre o problema seu! Um amigo diz-vos que a rua está uma trampa, eu pergunto: já falaste com a junta? eles agem se souberem. E aqui as pequenas coisas são importantes, mesmo que as grandes fiquem por fazer.\n \n Nestes últimas décadas, temos a liberdade, mas não sabemos o que fazer com ela. Perdemos a noção de vizinhança, de rua e de família. Estamos desorganizados, vivemos entre a nossa apatia e o activismo de homens mal-intencionados. No entanto, nada está perdido. Aliás, o estado actual era esperado e obrigatório no nosso desenvolvimento :)\n\n\n\n
  • tive aqui a minha epifania, para cada um haverá o seu momento X, o momento certo na vida em que formar um movimento cívico faz todo o sentido.\n\nNão é uma forma de nos lançarmos na política. Apenas porque não sei se resulta. Talvez resulte. Ou talvez seja mais simples oferecer electrodomésticos.\n\nUm Movimento Cívico é uma task force, um vector que força o universo que nos rodeia a deslocar-se para um estado maior de organização. É uma forma de resolver problemas na sociedade que nos rodeia e que está inteiramente ao nosso alcance.\n\nNão sou pai de uma causa (mas devemos ser o padrinho, a força que vence a inércia)\n \nCostuma-se dizer que Após o 25 de Abril, temos a liberdade, mas não sabemos o que fazer com ela. A minha descrição do país é que somos como uma casa que os pais saíram e deixaram os filhos a tomar conta: E inevitavelmente os irmãos mais velhos aproveitaram-se da situação.\nA nossa resposta foi fecharmo-nos sobre nós próprios e perdemos a noção de vizinhança: Quando saímos à rua, hesitamos se um vizinho está na escada. Achamos que o nosso carro é mais importante que a nossa rua.\nPortugal vive entre a apatia e o sindicalismo: Não somos organizados e por isso as forças minimamente organizadas levam a deles avante.\n \n \npara que serve:\nPara melhorar um pouco o mundo à nossa volta. E para nos melhorarmos a nós próprios. E porque fazer uma boa acção ajuda: passar uma eternidade no purgatório mas sair um mês mais cedo por bom comportamento\n\nAtaquem as duas frentes: o problema e a sociedade\nEnvolvam os vossos filhos, são a próxima geração\n \nSIM porque funciona:\nquem sabe? suspeito que:\nos políticos tenham medo de se tratar de um rastilho. o verdadeiro poder\nos políticos (JF) aproveitam para agradar à população. O movimento cívico faz a propaganda, a JF colhe os louros. o que está certo. é uma simbiose\n \nSIM o que se ganha com isto:\nformação cívica\n por uma questão de coerência, depois de formar um movimento cívico, começa a portar-se melhor:\n parar nas passadeiras, torna-se uma obrigação\n não deitar nada para o chão\n os bons exemplos são gratificantes e obtêm-se sempre frutos disso\n \nSIM currículo pessoal\nse houver pessoas no mundo que acham que agimos correctamente, isso não é mau nunca.\n \nSIM as armas:\n a história, o passado e o futuro\n todos gostam de pertencer a algo maior\n todos gostam de poder mudar o mundo, mudar o futuro.\n \nSLIDE: procrastinar?\n \nO que estamos aqui a combater é a atitude de "não é um problema meu": é sempre o problema seu! Um amigo diz-vos que a rua está uma trampa, eu pergunto: já falaste com a junta? eles agem se souberem. E aqui as pequenas coisas são importantes, mesmo que as grandes fiquem por fazer.\n \n Nestes últimas décadas, temos a liberdade, mas não sabemos o que fazer com ela. Perdemos a noção de vizinhança, de rua e de família. Estamos desorganizados, vivemos entre a nossa apatia e o activismo de homens mal-intencionados. No entanto, nada está perdido. Aliás, o estado actual era esperado e obrigatório no nosso desenvolvimento :)\n\n\n\n
  • tive aqui a minha epifania, para cada um haverá o seu momento X, o momento certo na vida em que formar um movimento cívico faz todo o sentido.\n\nNão é uma forma de nos lançarmos na política. Apenas porque não sei se resulta. Talvez resulte. Ou talvez seja mais simples oferecer electrodomésticos.\n\nUm Movimento Cívico é uma task force, um vector que força o universo que nos rodeia a deslocar-se para um estado maior de organização. É uma forma de resolver problemas na sociedade que nos rodeia e que está inteiramente ao nosso alcance.\n\nNão sou pai de uma causa (mas devemos ser o padrinho, a força que vence a inércia)\n \nCostuma-se dizer que Após o 25 de Abril, temos a liberdade, mas não sabemos o que fazer com ela. A minha descrição do país é que somos como uma casa que os pais saíram e deixaram os filhos a tomar conta: E inevitavelmente os irmãos mais velhos aproveitaram-se da situação.\nA nossa resposta foi fecharmo-nos sobre nós próprios e perdemos a noção de vizinhança: Quando saímos à rua, hesitamos se um vizinho está na escada. Achamos que o nosso carro é mais importante que a nossa rua.\nPortugal vive entre a apatia e o sindicalismo: Não somos organizados e por isso as forças minimamente organizadas levam a deles avante.\n \n \npara que serve:\nPara melhorar um pouco o mundo à nossa volta. E para nos melhorarmos a nós próprios. E porque fazer uma boa acção ajuda: passar uma eternidade no purgatório mas sair um mês mais cedo por bom comportamento\n\nAtaquem as duas frentes: o problema e a sociedade\nEnvolvam os vossos filhos, são a próxima geração\n \nSIM porque funciona:\nquem sabe? suspeito que:\nos políticos tenham medo de se tratar de um rastilho. o verdadeiro poder\nos políticos (JF) aproveitam para agradar à população. O movimento cívico faz a propaganda, a JF colhe os louros. o que está certo. é uma simbiose\n \nSIM o que se ganha com isto:\nformação cívica\n por uma questão de coerência, depois de formar um movimento cívico, começa a portar-se melhor:\n parar nas passadeiras, torna-se uma obrigação\n não deitar nada para o chão\n os bons exemplos são gratificantes e obtêm-se sempre frutos disso\n \nSIM currículo pessoal\nse houver pessoas no mundo que acham que agimos correctamente, isso não é mau nunca.\n \nSIM as armas:\n a história, o passado e o futuro\n todos gostam de pertencer a algo maior\n todos gostam de poder mudar o mundo, mudar o futuro.\n \nSLIDE: procrastinar?\n \nO que estamos aqui a combater é a atitude de "não é um problema meu": é sempre o problema seu! Um amigo diz-vos que a rua está uma trampa, eu pergunto: já falaste com a junta? eles agem se souberem. E aqui as pequenas coisas são importantes, mesmo que as grandes fiquem por fazer.\n \n Nestes últimas décadas, temos a liberdade, mas não sabemos o que fazer com ela. Perdemos a noção de vizinhança, de rua e de família. Estamos desorganizados, vivemos entre a nossa apatia e o activismo de homens mal-intencionados. No entanto, nada está perdido. Aliás, o estado actual era esperado e obrigatório no nosso desenvolvimento :)\n\n\n\n
  • tive aqui a minha epifania, para cada um haverá o seu momento X, o momento certo na vida em que formar um movimento cívico faz todo o sentido.\n\nNão é uma forma de nos lançarmos na política. Apenas porque não sei se resulta. Talvez resulte. Ou talvez seja mais simples oferecer electrodomésticos.\n\nUm Movimento Cívico é uma task force, um vector que força o universo que nos rodeia a deslocar-se para um estado maior de organização. É uma forma de resolver problemas na sociedade que nos rodeia e que está inteiramente ao nosso alcance.\n\nNão sou pai de uma causa (mas devemos ser o padrinho, a força que vence a inércia)\n \nCostuma-se dizer que Após o 25 de Abril, temos a liberdade, mas não sabemos o que fazer com ela. A minha descrição do país é que somos como uma casa que os pais saíram e deixaram os filhos a tomar conta: E inevitavelmente os irmãos mais velhos aproveitaram-se da situação.\nA nossa resposta foi fecharmo-nos sobre nós próprios e perdemos a noção de vizinhança: Quando saímos à rua, hesitamos se um vizinho está na escada. Achamos que o nosso carro é mais importante que a nossa rua.\nPortugal vive entre a apatia e o sindicalismo: Não somos organizados e por isso as forças minimamente organizadas levam a deles avante.\n \n \npara que serve:\nPara melhorar um pouco o mundo à nossa volta. E para nos melhorarmos a nós próprios. E porque fazer uma boa acção ajuda: passar uma eternidade no purgatório mas sair um mês mais cedo por bom comportamento\n\nAtaquem as duas frentes: o problema e a sociedade\nEnvolvam os vossos filhos, são a próxima geração\n \nSIM porque funciona:\nquem sabe? suspeito que:\nos políticos tenham medo de se tratar de um rastilho. o verdadeiro poder\nos políticos (JF) aproveitam para agradar à população. O movimento cívico faz a propaganda, a JF colhe os louros. o que está certo. é uma simbiose\n \nSIM o que se ganha com isto:\nformação cívica\n por uma questão de coerência, depois de formar um movimento cívico, começa a portar-se melhor:\n parar nas passadeiras, torna-se uma obrigação\n não deitar nada para o chão\n os bons exemplos são gratificantes e obtêm-se sempre frutos disso\n \nSIM currículo pessoal\nse houver pessoas no mundo que acham que agimos correctamente, isso não é mau nunca.\n \nSIM as armas:\n a história, o passado e o futuro\n todos gostam de pertencer a algo maior\n todos gostam de poder mudar o mundo, mudar o futuro.\n \nSLIDE: procrastinar?\n \nO que estamos aqui a combater é a atitude de "não é um problema meu": é sempre o problema seu! Um amigo diz-vos que a rua está uma trampa, eu pergunto: já falaste com a junta? eles agem se souberem. E aqui as pequenas coisas são importantes, mesmo que as grandes fiquem por fazer.\n \n Nestes últimas décadas, temos a liberdade, mas não sabemos o que fazer com ela. Perdemos a noção de vizinhança, de rua e de família. Estamos desorganizados, vivemos entre a nossa apatia e o activismo de homens mal-intencionados. No entanto, nada está perdido. Aliás, o estado actual era esperado e obrigatório no nosso desenvolvimento :)\n\n\n\n
  • tive aqui a minha epifania, para cada um haverá o seu momento X, o momento certo na vida em que formar um movimento cívico faz todo o sentido.\n\nNão é uma forma de nos lançarmos na política. Apenas porque não sei se resulta. Talvez resulte. Ou talvez seja mais simples oferecer electrodomésticos.\n\nUm Movimento Cívico é uma task force, um vector que força o universo que nos rodeia a deslocar-se para um estado maior de organização. É uma forma de resolver problemas na sociedade que nos rodeia e que está inteiramente ao nosso alcance.\n\nNão sou pai de uma causa (mas devemos ser o padrinho, a força que vence a inércia)\n \nCostuma-se dizer que Após o 25 de Abril, temos a liberdade, mas não sabemos o que fazer com ela. A minha descrição do país é que somos como uma casa que os pais saíram e deixaram os filhos a tomar conta: E inevitavelmente os irmãos mais velhos aproveitaram-se da situação.\nA nossa resposta foi fecharmo-nos sobre nós próprios e perdemos a noção de vizinhança: Quando saímos à rua, hesitamos se um vizinho está na escada. Achamos que o nosso carro é mais importante que a nossa rua.\nPortugal vive entre a apatia e o sindicalismo: Não somos organizados e por isso as forças minimamente organizadas levam a deles avante.\n \n \npara que serve:\nPara melhorar um pouco o mundo à nossa volta. E para nos melhorarmos a nós próprios. E porque fazer uma boa acção ajuda: passar uma eternidade no purgatório mas sair um mês mais cedo por bom comportamento\n\nAtaquem as duas frentes: o problema e a sociedade\nEnvolvam os vossos filhos, são a próxima geração\n \nSIM porque funciona:\nquem sabe? suspeito que:\nos políticos tenham medo de se tratar de um rastilho. o verdadeiro poder\nos políticos (JF) aproveitam para agradar à população. O movimento cívico faz a propaganda, a JF colhe os louros. o que está certo. é uma simbiose\n \nSIM o que se ganha com isto:\nformação cívica\n por uma questão de coerência, depois de formar um movimento cívico, começa a portar-se melhor:\n parar nas passadeiras, torna-se uma obrigação\n não deitar nada para o chão\n os bons exemplos são gratificantes e obtêm-se sempre frutos disso\n \nSIM currículo pessoal\nse houver pessoas no mundo que acham que agimos correctamente, isso não é mau nunca.\n \nSIM as armas:\n a história, o passado e o futuro\n todos gostam de pertencer a algo maior\n todos gostam de poder mudar o mundo, mudar o futuro.\n \nSLIDE: procrastinar?\n \nO que estamos aqui a combater é a atitude de "não é um problema meu": é sempre o problema seu! Um amigo diz-vos que a rua está uma trampa, eu pergunto: já falaste com a junta? eles agem se souberem. E aqui as pequenas coisas são importantes, mesmo que as grandes fiquem por fazer.\n \n Nestes últimas décadas, temos a liberdade, mas não sabemos o que fazer com ela. Perdemos a noção de vizinhança, de rua e de família. Estamos desorganizados, vivemos entre a nossa apatia e o activismo de homens mal-intencionados. No entanto, nada está perdido. Aliás, o estado actual era esperado e obrigatório no nosso desenvolvimento :)\n\n\n\n
  • \n\n
  • ??? Do fim para o principio\n \n\n\n
  • abordagem às entidades:\n dossier completo\n encadernação / apresentação\n ensaie sozinho\n ensaie com os amigos\n aborde os menos importantes.\n suba na cadeia\n seja cortês\n seja paciente\n \nentidades a contactar\n quem contactar: todos os directamente e indirectamente implicados.\n aos indirectamente implicados refira sempre "compreendo que não têm capacidade de intervir neste assunto, mas seria descabido não partilhar convosco esta acção."\n apontar tudo \n quando falou, com quem falou. anote antes da reunião.\n troque cartões\n anote depois\n peça uma citação. será recusada. sugira algo brando com o qual a pessoa possa comprometer-se\n branda argumentos mas seja cortês\n concorde com os argumentos da outra parte, mesmo que lhe sejam indiferentes.\n treine os seus argumentos há medida que sobe na hierarquia. Em dúvida, não fuja das frases que brandiu ao longo do tempo. Dar-lhe-á uma sensação de segurança maior e evita que se contradiga ao tentar desenrascar uma solução não experimentada.\n \n\n\n
  • Mantenham-se contactáveis, vivam sempre como se esperassem um transplante do fígado.\n \nReparem que do outro lado existem instituições que não vos conhecem e não estão habituados a estabelecer contacto convosco: Verifiquem a pasta de SPAM, Andem com 2 telefones, contas de e-mail redireccionadas para as vossas contas habituais.\n \n\n\n\n
  • Mantenham-se contactáveis, vivam sempre como se esperassem um transplante do fígado.\n \nReparem que do outro lado existem instituições que não vos conhecem e não estão habituados a estabelecer contacto convosco: Verifiquem a pasta de SPAM, Andem com 2 telefones, contas de e-mail redireccionadas para as vossas contas habituais.\n \n\n\n\n
  • Mantenham-se contactáveis, vivam sempre como se esperassem um transplante do fígado.\n \nReparem que do outro lado existem instituições que não vos conhecem e não estão habituados a estabelecer contacto convosco: Verifiquem a pasta de SPAM, Andem com 2 telefones, contas de e-mail redireccionadas para as vossas contas habituais.\n \n\n\n\n
  • Mantenham-se contactáveis, vivam sempre como se esperassem um transplante do fígado.\n \nReparem que do outro lado existem instituições que não vos conhecem e não estão habituados a estabelecer contacto convosco: Verifiquem a pasta de SPAM, Andem com 2 telefones, contas de e-mail redireccionadas para as vossas contas habituais.\n \n\n\n\n
  • imprensa\n como contactar?\n os calendários?\n quando for publicado:\n agradeça indicando o nome do jornalista, além do jornal. Não cometa o erro de reduzir o jornalista a um funcionário de um meio que você usou para promover o seu projecto. São humanos e por isso têm sentimentos. Além do mais, relatar casos como o seu faz parte da careira deles: Além de ser cortês, está a relembrá-los que vale a pena exercer a actividade que escolheram.\n peça autorização para colocar no seu site após a publicação.\n No caso de RTP a política actual deles declara que após a emissão, todos os conteúdos são públicos, mas confirme sempre antes de publicar algo.\n Caso receba uma reclamação a solicitar a retirar de uma noticia do seu site, pode sempre optar por retirar imediatamente antes sequer de dialogar com a outra parte: ganha pontos pela boa-fé que demonstra e isso aumenta a possibilidade de resolver o equívoco. Assuma as culpas do sucedido sempre que possível e apresente uma proposta da nova versão que pretende divulgar.\n O Jornal Público retira a noticia 10 días depois. Guarde cópias suas para puder manter um registo mais longo.\n \n\n\n
  • Digam lá, não estavam à espera que viesse aqui falar de redes sociais pois, não? Ah, pois é...\n\nPorquê usar? Porque funciona: as pessoas vivem nas redes\nTêm uma grande vantagem, a permanência. A rede não esquece.\n \nPor isso Construam o vosso site, página no FB e conta no Twitter (ninguém usa o G+)\n \nTwitter como serviço mínimo, os feeds dos posts no site ou no FB mas respondam sempre aos mentions/DMs (uma conta de twitter dump only é odiosa).\n \nAtenção, o Mark Zuckberg é bom rapaz, mas não TEMOS uma página no facebook, o que temos é o que o mark deixar. Não abdiquem do site nunca. Espelhem toda a informação nos dois lados. Cultivem nos vossos apoiantes o hábito de visitar o vosso site e evitarão muitos dissabores no futuro.\n \n\n \nSHORT URLs:\nCultivem o hábito de usar short urls:\nEvitam enviar emails com links muitos longos que o destinatário pode não conseguir ler.\nE Short URLs dão-vos estatísticas: ficam a saber que a mensagem chegou e se foi difundida.\n \nNOTA FINAL:\nNas redes sociais conseguirão um canal de comunicação, visiblidade, cliques e gerar "Buzz" (mas não esperem muito mais do que isso).\n \nPlaneiem acções pontuais para alertar grandes grupos para a sua causa: organizar eventos como um picnic pela sua causa pode não resolver directamente o seu problema, mas trará de certeza uma infinidade de contactos pessoais onde poderá cimentar as relações.\n \n
  • As acções devem ser espaçadas no tempo para que consigam perceber o impacto de cada acção\nNão tenham medo de se repetir 2 ou 3 vezes: Se vale a pena dizer uma vez, vale a pena dizer duas vezes porque quem lê de manhã não é quem lê à tarde ou à noite.\n\nSe tiverem que passar um mês ou dois sem actualizar por não terem Ana para dizer, passem um ou dois meses sem actualizar.\n\nMas a retoma deve ser feita gradualmente: quando tiverem uma grande noticia para dar, anunciem primeiro de forma gradual para acordar o site.\n\nSHORT URLs:\nCultivem o hábito de usar short urls:\nEvitam enviar emails com links muitos longos que o destinatário pode não conseguir ler.\nE Short URLs dão-vos estatísticas: ficam a saber que a mensagem chegou e se foi difundida.\n\nNas redes sociais conseguirão um canal de comunicação, visiblidade, cliques e gerar "Buzz" (mas não esperem muito mais do que isso).\n \nPlaneiem acções pontuais para alertar grandes grupos para a sua causa: organizar eventos como um picnic pela sua causa pode não resolver directamente o seu problema, mas trará de certeza uma infinidade de contactos pessoais onde poderá cimentar as relações.\n \n
  • Se possivel aguentem-se à bronca.\nPodem pedir apoios, mas atenção à perda de autonomia.\n\n(Comparar com uma semana em CUBA)\nSe valeu a pena? Tottaly worth it!!!\n\n \n\n\n
  • Se possivel aguentem-se à bronca.\nPodem pedir apoios, mas atenção à perda de autonomia.\n\n(Comparar com uma semana em CUBA)\nSe valeu a pena? Tottaly worth it!!!\n\n \n\n\n
  • \n\nHá precisamente dois anos atrás diz-me o Miguel Somsen: "Basílio, vou fazer uma referência ao teu movimento no Jornal da Noite na TVI."\nAlertei todos os seguidores no FB, pedi para gravarem e comecei a abrir a garrafa de champanhe achando que a causa estava ganha.\n... E depois morreu o João Serra, o Senhor do Adeus e a minha peça não passou :(\n\nos comentários negativos - então mais valia não ter Facebook. au contrarie: temos direito de resposta!\n\nAs promessas que não são cumpridas: vai acontecer. É a vossa função servir de tampão entre os vários organismos e a vossa audiência. Se algo correr mal, e correrá de certeza, ficarão deprimidos. Habituem-se a isso mas não deixem que a vossa audiência fique ela deprimida.\n\nWe get to live to fight another day\n\nWhen you're up to your neck in crocodiles it's hard to remember that the idea was to drain the swamp\n\nPuking rainbows se conseguisse abrir o muro\nMas, devemos aceitar uma solução desde que ela resolva o problema.\n\n\n
  • Pro bono mas creditem sempre\n\ntire férias, não espere que o patrão esteja sempre a tolerar as suas passeatas\n\nAndem sempre com algo convosco, cartão de visita, dossiers o que for: ao contrario de um emprego, não existe escritório.\n \nMantenham um diário de tudo. Sejam obsessivos nos apontamentos. Serão importantes todos os dias e num mundo desorganizado é uma vantagem competitiva.\n\nidentidade corporativa\n seja claro, identifique tudo\n numero de versão\n \nSIM método de trabalho:\n GTD\n precedências (petição, panfletos, faixa)\nTodos nós temos uma hora mais produtiva, a hora em que os textos fluem melhor, em que as ideias saem mais completas e coerentes mas muitas vezes a horas impróprias. Use esse períodos para despachar o grosso do trabalhar planeado: mesmo que não o publiquem às 4 da manhã, sairá melhor do que se tentarem escrevê-lo na pausa do café da manhã.\n
  • Zona de conforto, onde a magia acontece\n\nAs nossas competências naturais permitem-nos aperceber dos problemas que outros conseguem ignorar\n \n \nSLIDE: Spiderman\nWith a great power comes a great responsibility\n\nFaçam-no. Vão descobrir que têm mais amigos do que esperavam.\n\nVocês não são tontos, vocês conseguem ver coisas que os outros não vêem.\n\nCom um grande poder vem uma grande responsabilidade.\n\nFaçam-no. Se vocês não moldarem o vosso mundo, outros o farão.\nEsta é a vossa oportunidade!\n\n\n
  • \n\n
  • \n#FECHO#\n \nPermitam-me que termine como comecei.\n\nPorque esta cidade precisa muito de pessoas como as que fizeram esse projecto, mais do que de choramingas profissionais.\n \nEstou convicto que a maioria de vós terá uma epifania, para cada um haverá o seu momento X, o momento certo na vida em que formar um movimento cívico faz todo o sentido.\n \nNesse dia eu estarei a olhar para para vocês com orgulho.\n \nThank you!\n you are a such a Great audience! \n \n
  • Use the force... Of the civic movement

    1. 1. USE THE FORCE ... of the Civic MovementBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    2. 2. Problema• A rua de acesso à estação de Lisboa - Santa Apolónia é estreita e sobraram apenas 50 centímetros para os passeios• 2000 utentes por dia, mais de meio milhão por ano.• Dois atropelamentos por ano.• Um muro com 1Km em Lisboa. Basílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    3. 3. Soluções possíveis • Remover o muro • Cortar uma das faixas da rua para alargar os passeios • Abrir uma porta no muroBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    4. 4. Movimento "Entrada Norte" Uma proposta para melhorar a acessibilidade da Estação de Santa ApolóniaBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    5. 5. Movimento "Entrada Norte" Uma proposta para melhorar a acessibilidade da Estação de Santa ApolóniaBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    6. 6. Mudou-se uma ruaAbriu-se uma porta :-)
    7. 7. O Movimento CívicoBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    8. 8. O Movimento Cívico • Não é um caminho para a políticaBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    9. 9. O Movimento Cívico • Não é um caminho para a política • É um vector ao nosso alcanceBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    10. 10. O Movimento Cívico • Não é um caminho para a política • É um vector ao nosso alcance • É a sociedade civil a amadurecerBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    11. 11. O Movimento Cívico • Não é um caminho para a política • É um vector ao nosso alcance • É a sociedade civil a amadurecer • Sim, porque resultaBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    12. 12. O Movimento Cívico • Não é um caminho para a política • É um vector ao nosso alcance • É a sociedade civil a amadurecer • Sim, porque resulta • Envolvam os vossos filhosBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    13. 13. O processo I - Análise Inicial IV - Exposição pública: TV II - Contactos entidades V - Acções no local III - Jornais VI - Reuniões ... Repetir até à SoluçãoBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    14. 14. Análise inicial • Qual é o problema? • Quais as soluções possíveis? • Quais as entidades envolvidas? • Dados, dados, dados!Basílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    15. 15. Abordar as entidades • Dossier completo • Ensaie, ensaie, ensaie • Suba na hierarquia • Anote nomes e peça citaçõesBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    16. 16. Mass MediaBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    17. 17. Mass Media • Como contactar?Basílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    18. 18. Mass Media • Como contactar? • Resumo executivoBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    19. 19. Mass Media • Como contactar? • Resumo executivo • Façam as devidas diligênciasBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    20. 20. Mass Media • Como contactar? • Resumo executivo • Façam as devidas diligências • Mantenham-se contactáveisBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    21. 21. Mass Media• Falem devagar, pensem depressa• Agradeçam / creditem pessoalmente• Coloquem no vosso site (com autorização)• Reclamação? Retirem, assumam, renegoceiemBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    22. 22. Redes Sociais Facebook Page / Twitter / G+ • As pessoas vivem na rede • A rede não esquece • Métricas • Clicar não é uma acção ... Mas nunca desistam do vosso site!Basílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    23. 23. Redes Sociais Facebook Page / Twitter / G+• 1 ou 2 por dia, 3 ou 4 por semana• 8H00 – 10H00 e 19H00 – 22H00 ... Mas nunca desistam do vosso site!Basílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    24. 24. CustosBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    25. 25. Custos• Publicidade • WebHosting• Faixa • Registo domínio• Panfletos • Transportes• Comunicações • Cartazes• Capas plástico A4 • T-Shirts ... perto de 500€ Basílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    26. 26. O que vai correr mal • Gerir expectativas • Comentários negativos • Promessas não cumpridas • Gerir as comunicações • Mantenham-se focadosBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    27. 27. Conselhos práticos• Pro bono mas creditem sempre• Compatibilidade com emprego e família.• Andem sempre com algo• Mantenham um diário de tudo• Descubram a vossa a hora mais produtivaBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    28. 28. Porquê os programadores? Porque é aquilo que fazemos melhor• Problema? Solução!• Dívida / Legado Basílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    29. 29. "With great power comes great responsibility." Stan LeeBasílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira
    30. 30. Obrigado!Basílio C. Vieira | Movimento Cívico | Twitter: @BaiaVieira

    ×