SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Baixar para ler offline
1
Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas - LTFP
Tempos de não trabalho – Férias, faltas e licenças
1
Tempos de não trabalho
2
2
Parte II
Vinculo de emprego público
Título IV
Tempos de não trabalho
Título IV
Conteúdo do vínculo de emprego público
Capítulo IV
Tempo de trabalho
Capítulo V
Tempo de não trabalho
3
 Secção I – Disposições gerais
 Secção II – Férias
 Secção III – Faltas
O regime dos feriados
4
3
O regime dos feriados: O artigo 122.º, n.º 1 da
LTFP
A LTFP
 A aplicabilidade do Código do Trabalho
 Com as necessárias adaptações e sem
prejuízo das especificidades da LTFP
5
O artigo 122.º, n.ºs 2 e 3 da LTFP
 Observado o feriado municipal das localidades –
feriado facultativo (cfr. com o n.º 2 do artigo 8.º-A do
RCTFP que não previa essa possibilidade, fazendo
depender a observância de todos os feriados
facultativos de decisão do Conselho de Ministros)
 A observância da terça-feira de Carnaval – feriado
facultativo – depende de decisão do Conselho de
6
acu tat o depe de de dec são do Co se o de
Ministros ou dos órgãos de governo próprio das
regiões autónomas, sendo nulas as disposições de
contrato ou de IRCT que disponham em contrário
4
Lei n.º 23/2004
O descanso diário
de 23/06
7
O descanso diário
 O artigo 138.º do RCTFP e o artigo 123.º da LTFP
(redação quase idêntica)
 A id d d b â i d í d í i A necessidade de observância de um período mínimo
de descanso de 11 h seguidas entre dois períodos de
trabalho consecutivos
 As exceções do n.º 2 do artigo 138.º do RCTFP e n.º 2
do artigo 123.º da LTFP
 A importante disposição consagrada no n º 3 do artigo
8
 A importante disposição consagrada no n. 3 do artigo
123.º da LTFP
 As atividades caracterizadas pela necessidade de
assegurar a continuidade dos serviços
5
 Exceções do n.º 2 do artigo 138.º do RCTFP e n.º 2 do artigo
123.º da LTFP:
O descanso diário
 O período mínimo de descanso pode não ser observado
sempre que seja necessária a prestação de trabalho
suplementar (extraordinário) por motivo de força maior ou por
ser indispensável para prevenir ou reparar prejuízos graves
para o órgão ou serviço devidos a acidente ou a risco de
acidente iminente
9
 A disposição do n.º 3 do artigo 123.º da LTFP:
O descanso diário
 O período mínimo de descanso pode não ser observado nos
casos em que o exercício de funções é caracterizado pela sua
natureza permanente e obrigatória, no âmbito dos respetivos
estatutos profissionais, ou quando os períodos normais de
trabalho sejam fracionados ao longo do dia com fundamento
nas características da atividade, nomeadamente no caso dos
serviços de limpeza
10
ç
6
A semana de trabalho e o descanso
semanal
11
O descanso semanal
 A semana de trabalho é em regra de cinco dias
 O direito a um dia de descanso semanal obrigatório,g ,
acrescido de um dia de descanso semanal
complementar, que devem coincidir com o Domingo e
o Sábado, respectivamente
 Podem deixar de coincidir com o Domingo e o Sábado
nas situações referidas nos n.ºs 3 e 4 do artigo 124.º
da LTFP
12
da LTFP
 O regime dos n.ºs 5 e 6 do artigo 124.º da LTFP
7
O descanso semanal
 O regime dos n.ºs 5 e 6 do artigo 124.º da LTFP:
5 Quando a natureza do órgão ou serviço ou razões de5 - Quando a natureza do órgão ou serviço ou razões de
interesse público o exijam, pode o dia de descanso
complementar ser gozado, segundo opção do trabalhador, do
seguinte modo:
a) Dividido em dois períodos imediatamente anteriores ou
posteriores ao dia de descanso semanal obrigatório;
b) Meio dia imediatamente anterior ou posterior ao dia de
d l b i tó i d t t t
13
descanso semanal obrigatório, sendo o tempo restante
deduzido na duração do período normal de trabalho dos
restantes dias úteis, sem prejuízo da duração do período
normal de trabalho semanal.
O descanso semanal
 O regime dos n.ºs 5 e 6 do artigo 124.º da LTFP:
6 - Sempre que seja possível, o empregador público deve
proporcionar aos trabalhadores que pertençam ao
mesmo agregado familiar o descanso semanal nos
mesmos dias.
14
8
O regime das férias
15
O direito a férias
O desiderato do direito a férias
Recuperação
física e
psíquica
Condições de
disponibilidade
pessoal
Integração na
vida familiar
16
Participação
social e
cultural
9
O regime do direito a férias
 O princípio geral do n.º 1 do artigo 122.º da LTFP (aplicação
do regime do CT em matéria de tempos de não trabalho)
 A aplicabilidade dos seguintes artigos do CT com as A aplicabilidade dos seguintes artigos do CT, com as
necessárias adaptações (por força do artigo 4.º da LTFP):
 artigo 237.º, n.º 1: data do vencimento das férias
 artigo 240.º: ano do gozo das férias
 artigo 241.º: marcação das férias
 ti 243 º lt ã d fé i ti l ti à artigo 243.º: alteração das férias por motivo relativo à
entidade empregadora pública
 artigo 244.º: alteração das férias por motivo relativo ao
trabalhador
17
O direito a férias
O artigo 122.º, n.º 1 da LTFP
A aplicabilidade do CT
O direito a férias, seu desiderato e a sua duração
Artigo 126.º da LTFP e artigos 237.º e 238.º do CT
Aquisição do direito a férias
Artigo 237.º, n.º 1 do CT
A possibilidade de renúncia do direito a férias
Artigo 238.º, n.º 5 do CT
18
10
O direito a férias
Ano do gozo das férias e acumulação
Artigo 240.º do CT
Alteração do período de férias por motivo relativo ao empregador
Artigo 243.º do CT
Alteração do período de férias por moti o relati o ao trabalhador
Marcação do período de férias
Artigo 241.º do CT
Alteração do período de férias por motivo relativo ao trabalhador
Artigo 244.º do CT
19
O direito a férias
Violação do direito a férias
Artigo 130.º da LTFP
Exercício de outra actividade durante as férias
Artigo 131.º da LTFP
Contacto em período de férias
Artigo 132.º da LTFP
20
11
O direito a férias
O artigo 122 º n º 1 da LTFPO artigo 122. , n. 1 da LTFP
A aplicabilidade do CT (aplicação do regime do CT em
matéria de tempos de não trabalho, logo, também às
férias)
21
O direito a férias – seu desiderato e duração
Artigo 126.º da LTFP e artigos 237.º e 238.º do CT
• O trabalhador tem direito:O t aba ado te d e to
 A um período anual de férias remuneradas, nos termos
previstos no Código do Trabalho
 Com duração de 22 dias úteis
 Que se vence no dia 1 de Janeiro
 Ao qual acresce um dia útil de férias por cada 10 anos deq p
serviço efetivamente prestado
 A sua duração pode ser aumentada no quadro de sistemas
de recompensa do desempenho, nos termos previstos na lei
ou em IRCT
22
12
O direito a férias – seu desiderato e duração
Artigo 126.º da LTFP e artigos 237.º e 238.º do CT
• O direito a férias:
 É irrenunciável
 O seu gozo não pode ser substituído por qualquer
compensação, económica ou outra
• Excepção:
 O trabalhador pode renunciar ao gozo de dias de férias quep g q
excedam 20 dias úteis, ou a correspondente proporção no caso
de férias no ano de admissão, sem redução da retribuição e do
subsídio relativos ao período de férias vencido, que cumulam
com a retribuição do trabalho prestado nesses dias
23
O direito a férias – casos especiais de duração do
período de férias
Artigo 239.º do CT
• No ano da admissão, o trabalhador tem direito a dois dias
úteis de férias por cada mês de duração do contrato, até 20
dias, cujo gozo pode ter lugar após seis meses completos de
execução do contrato
• No caso de o ano civil terminar antes de decorridos os seis
meses, as férias são gozadas até 30 de Junho do ano
subsequente
24
13
O direito a férias – ano do gozo das férias
Artigo 240.º do CT
As férias são gozadas no ano civil em que se vencem• As férias são gozadas no ano civil em que se vencem
• Podem ser gozadas até 30 de Abril do ano civil seguinte, em
cumulação ou não com férias vencidas no início deste, por
acordo entre empregador e trabalhador ou sempre que este
as pretenda gozar com familiar residente no estrangeiro
P d i d l d d d d í d d• Pode ainda ser cumulado o gozo de metade do período de
férias vencido no ano anterior com o vencido no ano em
causa, mediante acordo entre empregador e trabalhador
25
O direito a férias – marcação do período de férias
Artigo 241.º do CT
O período de férias é marcado por acordo entre empregador• O período de férias é marcado por acordo entre empregador
e trabalhador
• Na falta de acordo:
 o empregador marca as férias
 não podem ter início em dia de descanso semanal do
b lh dtrabalhador
 Após ouvir a comissão de trabalhadores ou, na sua falta,
a comissão intersindical ou a comissão sindical
representativa do trabalhador interessado
26
14
O direito a férias – marcação do período de férias
Artigo 241.º do CT
• Na falta de acordo:
 o empregador só pode marcar o período de férias entre 1
de Maio e 31 de Outubro (excepção – existência de IRCT
ou de parecer dos representantes dos trabalhadores que
admita época diferente)
27
O direito a férias – marcação do período de férias
Artigo 241.º do CT
• Na marcação das férias, os períodos mais pretendidos
devem ser rateados, sempre que possível, beneficiando
alternadamente os trabalhadores em função dos períodos
gozados nos dois anos anteriores
• Os cônjuges, bem como as pessoas que vivam em união de
facto ou economia comum nos termos previstos emfacto ou economia comum nos termos previstos em
legislação específica, que trabalham no mesmo órgão têm
direito a gozar férias em idêntico período, salvo se houver
prejuízo grave para o empregador público
28
15
O direito a férias – marcação do período de férias
Artigo 241.º do CT
• Trabalhador, por acordo com o empregador público, pode
gozar o período de férias seguido ou interpolado, desde que
goze obrigatoriamente um mínimo de 10 dias seguidos
• O empregador elabora o mapa de férias, com indicação do
início e do termo dos períodos de férias de cada trabalhador,
até 15 de Abril de cada ano e mantém-no afixado nos locaisaté 15 de Abril de cada ano e mantém no afixado nos locais
de trabalho entre esta data e 31 de Outubro
29
O direito a férias – alteração do período de férias
por motivo relativo ao empregador público
Artigo 243.º do CT
• O empregador público pode:
 Alterar o período de férias já marcado
 Interromper o período de férias já iniciado
• Trabalhador tem direito a indemnização pelos prejuízos
sofridos por deixar de gozar as férias no período marcado
Exigências
Imperiosas
do funcionamento
do órgão
ou serviço
sofridos por deixar de gozar as férias no período marcado
• A interrupção das férias deve permitir o gozo seguido de
metade do período a que o trabalhador tem direito
30
16
O direito a férias – alteração do período de férias
por motivo relativo ao trabalhador
Artigo 244.º do CT
• O gozo das férias não se inicia ou suspende se quando o• O gozo das férias não se inicia ou suspende-se quando o
trabalhador:
 Esteja temporariamente impedido por doença ou
 Por outro facto que não lhe seja imputável
Desde que haja comunicação desse
impedimento
ao empregador
31
O direito a férias – alteração do período de férias
por motivo relativo ao trabalhador
Artigo 244.º do CT
C d i di t d t b lh d• Cessado o impedimento do trabalhador:
 O gozo das férias tem lugar após o termo do
impedimento na medida do remanescente do período
marcado
 O período correspondente aos dias não gozados deve
ser marcado por acordo ou, na falta deste, pelo
empregador
32
17
O direito a férias – alteração do período de férias
por motivo relativo ao trabalhador
Artigo 244.º do CT
• Em caso de impossibilidade total ou parcial do gozo das
férias por impedimento do trabalhador:
 Há lugar ao pagamento da retribuição correspondente ao
período de férias não gozado ou
 Ao gozo daquele período de férias até 30 de Abril do anog q p
seguinte e, em qualquer caso, há sempre lugar ao
pagamento do respetivo subsídio
33
O direito a férias – doença no período de férias
Artigo 128.º da LTFP
• No caso de o trabalhador adoecer durante o período de• No caso de o trabalhador adoecer durante o período de
férias:
 estas são suspensas desde que o empregador público
seja do facto informado, prosseguindo, logo após a alta,
o gozo dos dias de férias ainda compreendidos naquele
período
• Compete ao empregador público, na falta de acordo, a
marcação dos dias de férias não gozados, que podem
decorrer em qualquer período
34
18
O direito a férias – doença no período de férias
Artigo 128.º da LTFP
• O empregador público pode requerer a fiscalização da
situação de doençasituação de doença
• Em caso de:
 não cumprimento do dever de informação da ocorrência
da doença durante o período de férias, ou
 de oposição, sem motivo atendível, à fiscalização da
ddoença
os dias de alegada doença são considerados dias de férias
35
O direito a férias – doença no período de férias
Aspectos principais da doença no período de férias:
• A suspensão das férias, caso a entidade empregadora seja
do facto informada
• Prosseguindo o seu gozo logo após a alta o gozo dos dias
de férias ainda compreendido naquele período
• O acordo como meio privilegiado na marcação dos dias dep g ç
férias não gozados
36
19
Os efeitos da suspensão do contrato por
impedimento prolongado
Artigo 129.º da LTFP
• No ano da suspensão do contrato por impedimento prolongado,
respeitante ao trabalhador, verificando-se a impossibilidade totalp , p
ou parcial do gozo do direito a férias já vencido, o trabalhador tem
direito à remuneração correspondente ao período de férias não
gozado e respetivo subsídio
• No ano da cessação do impedimento prolongado o trabalhador
tem direito a férias nos termos previstos para o ano da
contratação
• Cessando o contrato após impedimento prolongado respeitante
ao trabalhador, este tem direito à remuneração e ao subsídio de
férias correspondentes ao tempo de serviço prestado no ano de
início da suspensão
37
Os efeitos da suspensão do contrato por
impedimento prolongado
Artigo 129.º da LTFP
1.ª questão: Quais são as consequências em sede de direito a férias se um
trabalhador se encontrar com o seu contrato de trabalho suspenso por
qualquer razão admissível nos termos da LTFP, designadamente situação de
doença ou gozo de licença, e cessar a suspensão no próprio ano em que a
mesma se constituiu?
2 ª questão: Quais as consequências se na descrição descrita na questão2. questão: Quais as consequências se, na descrição descrita na questão
anterior, o trabalhador só tiver regressado ao serviço (por via da cessação da
situação que originou a suspensão do seu contrato) no ano civil posterior
àquele em que se iniciou a suspensão?
38
20
Os efeitos da suspensão do contrato por
impedimento prolongado
Artigo 129.º da LTFP
1.ª questão: ocorrida a suspensão do contrato, nos termos dos artigos 276.º
ou 280.º da LTFP, o trabalhador, no próprio ano em que simultaneamente se
desencadeou e veio a cessar a situação que originou a suspensão do
contrato, assim como nos anos subsequentes, tem naturalmente direito ao
período normal de férias, vencidas em 1 de Janeiro de cada um desses anosp ,
(n.º 2 do art.º 237.º do CT e n.º 1 do art.º 129.º da LTFP)
39
Os efeitos da suspensão do contrato por
impedimento prolongado
Artigo 129.º da LTFP
O º 1 d ti 129 º d LTFP é li á l l ti t ó i• O n.º 1 do artigo 129.º da LTFP é aplicável apenas relativamente ao próprio
ano em que se verificou a suspensão do contrato, caso o trabalhador ainda
não tenha gozado as férias já vencidas nesse ano, no momento em que se
iniciou a suspensão, nem tenha hipóteses de as gozar
• Se o trabalhador finda a suspensão ainda tem possibilidade de gozar as• Se o trabalhador, finda a suspensão, ainda tem possibilidade de gozar as
suas férias, no todo ou em parte, as mesmas serão gozadas com direito à
remuneração correspondente e ao subsídio, como se de uma situação
normal se tratasse
40
21
Os efeitos da suspensão do contrato por
impedimento prolongado
Artigo 129.º da LTFP
2 ª questão: se a cessação da suspensão do contrato ocorrer no ano seguinte2. questão: se a cessação da suspensão do contrato ocorrer no ano seguinte
ao da sua constituição, nesse caso o trabalhador tem apenas direito a férias
nos termos das disposições conjugadas do n.º 2 do artigo 129.º e do artigo
127.º da LTFP e do artigo 239.º do CT, sendo o limite das férias de 20 dias
úteis.
No ano seguinte àquele em que cessou a suspensão do contrato renasce na
esfera jurídica do trabalhador o direito ao período normal de férias, vencidas
em 1 de Janeiro desse ano, conforme o previsto no artigo 126.º da LTFP
41
Violação do direito a férias
Artigo 130.º da LTFP
• Caso o empregador público, com culpa, obste ao gozo das férias
nos termos previstos na LTFP, o trabalhador recebe, a título de
compensação, o triplo da remuneração correspondente ao período
em falta, o qual deve obrigatoriamente ser gozado até 30 de abril do
ano civil subsequenteano civil subsequente
42
22
Exercício de outra actividade durante as férias
Artigo 131.º da LTFP
• O trabalhador não pode exercer qualquer outra atividade
remunerada durante as férias, salvo se já a viesse exercendo
cumulativamente, com autorização, ou o empregador público a isso
o autorizar (garantias de imparcialidade – matéria actualmente
prevista nos artigos 19 º a 24 º da LTFP)prevista nos artigos 19.º a 24.º da LTFP)
43
Contacto em período de férias
Artigo 132.º da LTFP
• Antes do início das férias, o trabalhador deve indicar, se possível,
ao respetivo empregador público, a forma como pode ser
eventualmente contactado.
44
23
A remuneração do período de férias
Artigo 152.º da LTFP
 Remuneração correspondente àquela que o trabalhador receberia se estivesse
em serviço efectivo, à excepção do subsídio de refeição
 Subsídio de férias de valor igual a um mês de remuneração base mensal, pago
no mês de Junho de cada ano ou,
 …em conjunto com a remuneração mensal do mês anterior ao do gozo de
férias, quando a aquisição do respectivo direito ocorrer em momento posterior
 A suspensão do contrato por doença não prejudica o direito ao subsídio de
férias
 O aumento ou a redução do período de férias (n.ºs 4 e 5 do art.º 126.º), não
implicam o aumento ou a redução correspondentes na remuneração ou no
subsídio de férias
45
O regime da tolerância de ponto
46
24
O regime da tolerância de ponto
A tolerância de ponto traduz-se na dispensa de comparência ao
serviço concedida aos trabalhadores que em determinado dia útil
estão vinculados ao dever de assiduidade:
 Não é considerado como feriado
 Não suspende as férias
 Os trabalhadores que se encontrem em gozo de férias não têm
direito a mais um dia de férias por compensação
 Não há lugar ao pagamento de subsídio de refeição
47
O regime das faltas
48
25
O regime das faltas
 A aplicabilidade do CT no quadro do princípio geral inscrito o n.º 1 do
artigo 122.º
 A noção de falta dada pelo artigo 248.º do CT
 Elenco taxativo de justificações atendíveis (faltas justificadas): o artigo
134.º, n.º 2 da LTFP e o seu confronto com o catálogo impresso no artigo
249.º, n.º 2 do CT
 A inaplicabilidade da alínea i) do n.º 2 do artigo 249.º do CT (falta
autorizada ou aprovada pelo empregador)
 Imperatividade do regime das faltas, nos termos do n.º 5 do artigo 134.º da
LTFPLTFP
 Comunicação da falta: o artigo 235.º do CT
 Admissibilidade de qualquer meio de prova (regra): o regime do artigo 254.º
do CT
49
O regime das faltas
A noção de falta dada pelo artigo 133.º da LTFP e pelo artigo
248.º do CT:
 Ausência de trabalhador do local em que devia desempenhar a
atividade durante o período normal de trabalho diário
 Em caso de ausência do trabalhador por períodos inferiores ao
período normal de trabalho diário, os respetivos tempos são
adicionados para determinação da falta
50
26
O regime das faltas
Elenco taxativo de justificações atendíveis (faltas justificadas) - o
artigo 134.º, n.º 2 da LTFP e o seu confronto com o catálogo impresso
no artigo 249.º, n.º 2 do CT:
 As dadas, durante 15 dias seguidos, por altura do casamento
 As motivadas por falecimento do cônjuge, parentes ou afins
 As motivadas pela prestação de provas em estabelecimento de
ensino
 As motivadas por impossibilidade de prestar trabalho devido a
facto que não seja imputável ao trabalhador, nomeadamenteq j p ,
observância de prescrição médica no seguimento de recurso a
técnica de procriação medicamente assistida, doença, acidente ou
cumprimento de obrigação legal
51
O regime das faltas
Elenco taxativo de justificações atendíveis (faltas justificadas) - o
artigo 134.º, n.º 2 da LTFP e o seu confronto com o catálogo impresso
no artigo 249.º, n.º 2 do CT:
 As motivadas pela prestação de assistência inadiável e
imprescindível a filho, a neto ou a membro do agregado familiar do
trabalhador
 As motivadas por deslocação a estabelecimento de ensino de
responsável pela educação de menor por motivo da situação
educativa deste, pelo tempo estritamente necessário, até quatro
h t i t dhoras por trimestre, por cada menor
 As de trabalhador eleito para estrutura de representação coletiva
dos trabalhadores
52
27
O regime das faltas
Elenco taxativo de justificações atendíveis (faltas justificadas) - o
artigo 134.º, n.º 2 da LTFP e o seu confronto com o catálogo impresso
no artigo 249.º, n.º 2 do CT:
 As dadas por candidatos a eleições para cargos públicos, durante
o período legal da respetiva campanha eleitoral, nos termos da
correspondente lei eleitoral
 As motivadas pela necessidade de tratamento ambulatório,
realização de consultas médicas e exames complementares de
diagnóstico, que não possam efetuar-se fora do período normal de
t b lh ó l t t it t á itrabalho e só pelo tempo estritamente necessário
 As motivadas por isolamento profilático
 As dadas para doação de sangue e socorrismo
53
O regime das faltas
Elenco taxativo de justificações atendíveis (faltas justificadas) - o
artigo 134.º, n.º 2 da LTFP e o seu confronto com o catálogo impresso
no artigo 249.º, n.º 2 do CT:
 As motivadas pela necessidade de submissão a métodos de
seleção em procedimento concursal
 As dadas por conta do período de férias
 As que por lei sejam como tal consideradas
54
28
O regime das faltas
Faltas por altura do casamento - alínea a):
 O trabalhador tem direito a faltar 15 dias seguidos por altura do casamento
Faltas por motivo de falecimento de cônjuge, parente ou afim –
alínea b):
 Até cinco dias consecutivos, por falecimento de cônjuge não separado de
pessoas e bens, de parente ou afim no 1.º grau na linha reta, ou de pessoa
que viva em união de facto ou economia comum com o trabalhador, nos
termos previstos em legislação específica - Pais/Filhos/Sogrostermos previstos em legislação específica Pais/Filhos/Sogros
 Até dois dias consecutivos, por falecimento de outro parente ou afim na
linha reta ou no 2.º grau da linha colateral - Avós/Netos/Irmãos
55
O regime das faltas
Falta para assistência a membro do agregado familiar - alínea e) e artigo 252.º
do CT:
 Até 15 dias por ano para prestar assistência inadiável e imprescindível em Até 15 dias por ano para prestar assistência inadiável e imprescindível, em
caso de doença ou acidente, a cônjuge ou pessoa que viva em união de
facto ou economia comum com o trabalhador, parente ou afim na linha reta
ascendente ou no 2.º grau da linha colateral
 Acrescem 15 dias por ano, no caso de prestação de assistência inadiável e
imprescindível a pessoa com deficiência ou doença crónica, que seja
cônjuge ou viva em união de facto com o trabalhador
 No caso de assistência a parente ou afim na linha reta ascendente, não é
exigível a pertença ao mesmo agregado familiar
56
29
O regime das faltas
Falta para assistência inadiável e imprescindível a filho ou neto - alínea e):
 Segue o regime previsto nos artigos 49.º e 50.º do CT no âmbito da
parentalidade
57
O regime das faltas
Falta por conta do período de férias - alínea m):
 O trabalhador pode faltar dois dias por mês por conta do período de férias,
até ao máximo de 13 dias por ano, os quais podem ser utilizados em
í d d i di ( ti 188 º RCTFP)períodos de meios dias (artigo 188.º RCTFP)
 Relevam, segundo opção do interessado, no período de férias do próprio
ano ou do ano seguinte
 Nos casos em que as faltas determinem perda de remuneração, as
ausências podem ser substituídas, se o trabalhador assim o preferir, por
dias de férias, na proporção de um dia de férias por cada dia de falta,
desde que seja salvaguardado o gozo efetivo de 20 dias de férias ou dadesde que seja salvaguardado o gozo efetivo de 20 dias de férias ou da
correspondente proporção, se se tratar do ano de admissão, mediante
comunicação expressa do trabalhador ao empregador público (artigo 193.º,
n.º 2 RCTFP)
58
30
Imperatividade do regime das faltas
Artigo 134.º, n.º 5 da LTFP e artigo 250.º do CT:
As disposições relativas aos tipos de faltas e à sua duração não podem serAs disposições relativas aos tipos de faltas e à sua duração não podem ser
objeto de instrumento de regulamentação coletiva de trabalho, salvo tratando-
se das situações previstas na alínea g) do n.º 2 do artigo 135.º (as faltas dadas
por trabalhador eleito para estrutura de representação coletiva dos
trabalhadores)
59
A justificação das faltas – comunicação da ausência
Artigo 253.º do CT:
 A ausência, quando previsível, é comunicada ao empregador,
acompanhada da indicação do motivo justificativo com a antecedênciaacompanhada da indicação do motivo justificativo, com a antecedência
mínima de cinco dias
 Caso esta antecedência não possa ser respeitada, nomeadamente por a
ausência ser imprevisível com a antecedência de cinco dias, a
comunicação ao empregador é feita logo que possível
 A comunicação é reiterada em caso de ausência imediatamente
subsequente à prevista em comunicação anterior, mesmo quando aq p ç , q
ausência determine a suspensão do contrato de trabalho por impedimento
prolongado
 O incumprimento do disposto neste artigo determina que a ausência seja
injustificada
60
31
A justificação das faltas – prova do motivo
justificativo da falta
Artigo 254.º do CT:
 O empregador pode, nos 15 dias seguintes à comunicação da ausência,
exigir ao trabalhador prova de facto invocado para a justificação a prestarexigir ao trabalhador prova de facto invocado para a justificação, a prestar
em prazo razoável
 A prova da situação de doença do trabalhador é feita por declaração de
estabelecimento hospitalar, ou centro de saúde ou ainda por atestado
médico
 A situação de doença pode ser verificada por médico
 A apresentação ao empregador de declaração médica com intuito
fraudulento constitui falsa declaração para efeitos de justa causa de
despedimento
61
Os efeitos das faltas – falta justificada
Artigo 134.º, n.º 4 da LTFP e artigo 255.º do CT:
 Faltas previstas nas alíneas a) a h) e n) do n.º 1 do artigo 134.º não afectam
qualquer direito do trabalhador, mas implicam a perda de remuneração, nosqualquer direito do trabalhador, mas implicam a perda de remuneração, nos
termos previstos nos números 1 e 2 do artigo 255.º do CT, aplicável ex vi
alínea a) do n.º 3 do artigo 134.º da LTFP
 Faltas previstas nas alíneas i) a l) do n.º 1 do artigo 134.º - não afetam
qualquer direito do trabalhador, nem implicam perda de remuneração (alínea
b) do n.º 3 do artigo 134.º)
 Faltas dadas por conta do período de férias (alínea m)) - seguem o regime
do artigo 135 º da LTFPdo artigo 135. da LTFP
 As faltas para assistência a filho e para assistência a neto não determinam
a perda de quaisquer direitos, salvo quanto à retribuição, e são
consideradas como prestação efetiva de trabalho
62
32
Os efeitos das faltas – falta para assistência a
familiares
Artigo 40.º da Lei n.º 35/2014, artigo 134.º, n.º 4, alínea a) da LTFP e artigo 255.º
do CT:
 Trabalhadores nomeados e contratados integrados no RPSC:
 Artigo 40.º da Lei n.º 35/2014, de 20 de Junho:
Têm direito ao subsídio
Perdem remuneração
Têm direito ao subsídio
previsto no artigo
36.º do DL n.º 89/2009
63
Os efeitos das faltas – falta para assistência a
familiares
Artigo 40.º da Lei n.º 35/2014, artigo 134.º, n.º 4, alínea a) da LTFP e artigo 255.º
do CT:
 Trabalhadores nomeados e contratados integrados no RGSS:
 Artigo 255.º, n.º 2, alínea c):
Perdem remuneração
Não têm direito a qualquer
subsídio
64
33
Os efeitos das faltas – falta injustificada
Artigo 256.º do CT:
 Vi l ã d d d id id d d t i d d t ib i ã Violação do dever de assiduidade e determina perda da retribuição
correspondente ao período de ausência, que não é contado na antiguidade do
trabalhador
 A falta injustificada a um ou meio período normal de trabalho diário,
imediatamente anterior ou posterior a dia ou meio dia de descanso ou a
feriado, constitui infração grave
 Neste caso, o período de ausência a considerar para efeitos da perda de
retribuição correspondente ao período de ausência abrange os dias ou meios-
dias de descanso ou feriados imediatamente anteriores ou posteriores ao dia
de falta
65
Os efeitos das faltas – falta injustificada
Artigo 256.º do CT:
 No caso de apresentação de trabalhador com atraso injustificado:
a) Sendo superior a sessenta minutos e para início do trabalho diário, o
empregador pode não aceitar a prestação de trabalho durante todo o
período normal de trabalho
b) Sendo superior a trinta minutos, o empregador pode não aceitar a
prestação de trabalho durante essa parte do período normal de trabalho
66
34
As faltas por doença e a justificação da doença
Artigos 136.º a 143.º da LTFP:
Trabalhadores integrados no Regime Geral de Segurança Social
 Plano do direito laboral:
 Aplica-se a LTFP
 Perda da remuneração (artigo 134.º, n.º 4, alínea a) da LTFP e artigo
255.º, n.º 2, alínea a) do CT)
 Suspensão do contrato se o impedimento temporário se prolongar
efectiva ou previsivelmente para além de 30 dias (artigo 278.º, n.º 1 da
LTFP) – efeitos nas férias
 Os efeitos das faltas por doença não se aplicam a trabalhadores
d fi i t d d ó i i id ddeficientes sempre que decorram da própria incapacidade
 As faltas por doença implicam sempre a perda do subsídio de refeição
 As faltas por doença podem ser substituídas por faltas por conta do
período de férias
67
As faltas por doença e a justificação da doença
Artigos 136.º a 143.º da LTFP:
Trabalhadores integrados no Regime Geral de Segurança Social
 Pl d di it d S S i l Plano do direito da Segurança Social:
 Aplica-se o Decreto-Lei n.º 28/2004, de 4 de Fevereiro
 Período de espera nos três primeiros dias de incapacidade temporária
para o trabalho, sem direito a qualquer subsídio
 Direito ao subsídio de doença a partir do 4.º dia de incapacidade
temporária para o trabalho
68
35
As faltas por doença e a justificação da doença
Artigos 136.º a 143.º da LTFP:
Trabalhadores integrados no Regime Geral de Segurança Social
(nomeados e contratados)
É importante a entrega do CIT pelo trabalhador junto da Segurança Social,
para que, mesmo não havendo lugar ao pagamento de subsídio nos três
primeiros dias de incapacidade, haja equiparação à entrega de contribuições
para efeitos da carreira contributiva
69
As faltas por doença e a justificação da doença
Artigos 15.º a 40.º da Lei n.º 35/2014, de 20 de Junho:
Trabalhadores integrados no Regime de Protecção Social Convergente
(nomeados e contratados)
 Reproduzem o regime das faltas por doença que constava dos artigos 29.º
a 51.º do Decreto-Lei n.º 100/99, de 31 de Março, na sua última redacção
 Artigo 15.º mantém as alterações introduzidas no artigo 29.º pela LOE 2013
(artigo 76.º da Lei n.º 66.º-B/2012, de 31 de Dezembro)
 Artigo 16.º reproduz o artigo 29.º-A aditado ao Decreto-Lei n.º 100/99 pelo
ti 70 º d D t L i º 36/2013 d 11 d M )artigo 70.º do Decreto-Lei n.º 36/2013, de 11 de Março)
70
36
As faltas por doença e a justificação da doença
Artigos 15.º a 40.º da Lei n.º 35/2014, de 20 de Junho:
Trabalhadores integrados no Regime de Protecção Social Convergente
 Pl d di it l b l d di it d t ã i l Plano do direito laboral e do direito da protecção social:
 Aplica-se a Lei n.º 35/2014, de 20 de Junho
 Perda da totalidade da remuneração diária nos primeiro, segundo e
terceiro dias de incapacidade temporária, nas faltas seguidas ou
interpoladas
 Perda de 10% da remuneração diária, a partir do 4.º dia e até ao 30.º dia
de incapacidade temporária
 Remuneração do trabalhador durante a incapacidade temporária é Remuneração do trabalhador durante a incapacidade temporária é
suportada pelo empregador público
 Uma “remuneração” garantida a título de prestação social
71
As faltas por doença e a justificação da doença
Artigos 15.º a 40.º da Lei n.º 35/2014, de 20 de Junho:
Trabalhadores integrados no Regime de Protecção Social Convergente
 Pl d di it l b l d di it d t ã i l Plano do direito laboral e do direito da protecção social:
 Suspensão do contrato se o impedimento temporário se prolongar
efectiva ou previsivelmente para além de 30 dias (artigo 278.º, n.º 1 da
LTFP) – efeitos nas férias
 Os efeitos das faltas por doença não se aplicam a trabalhadores
deficientes sempre que decorram da própria incapacidade
 As faltas por doença implicam sempre a perda do subsídio de refeição
 As faltas por doença podem ser substituídas por faltas por conta do As faltas por doença podem ser substituídas por faltas por conta do
período de férias
72
37
As faltas por doença e a justificação da doença
Artigos 15.º a 40.º da Lei n.º 35/2014, de 20 de Junho:
Trabalhadores integrados no Regime de Protecção Social Convergente
 C i t ib ti Carreira contributiva:
Contribuições devidas à CGA nos primeiros 30 dias de incapacidade temporária
para o trabalho
 Mantém-se a totalidade das contribuições para a CGA por parte da
entidade empregadora pública (23,75% da remuneração sujeita a desconto
de quota nos termos do Estatuto da Aposentação)
 Por parte do trabalhador não há pagamento da respetiva contribuição nos
três primeiros dias de faltas por incapacidade temporária (11% datrês primeiros dias de faltas por incapacidade temporária (11% da
remuneração base de incidência)
 Existindo perda parcial da remuneração (10% do 4.º ao 30.º dia), a
equivalência à entrada de contribuições respeita apenas à diferença entre
a remuneração relevante auferida e aquela que o trabalhador auferiria se
estivesse em exercício efetivo de funções
73
As licenças consideradas como
vicissitudes modificativas
74
38
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
 Cedência de interesse público – artigos 241.º a 244.º da LTFP
 Reafectação de trabalhadores em caso de reorganização de serviços e
racionalização de efectivos – artigos 245.º a 275.º da LTFP
 Redução da actividade ou suspensão do vínculo de emprego público –
artigos 276.º a 279.º da LTFP
 Licenças – artigos 280.º a 283.º da LTFP
 Pré-reforma – artigos 284.º a 287.º
75
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Redução da actividade ou suspensão do vínculo de emprego público
Factos que as determinam:
Parcial – redução da actividade
• Impossibilidade temporária
da prestação do trabalho por
facto respeitante ao
trabalhador
Parcial redução da actividade
Total – suspensão do contrato
• Acordo de pré-reforma entre o trabalhador e o empregador público:
modificação convencional do CT
76
39
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Efeitos da redução da actividade ou suspensão do vínculo de emprego
público
A sobrevivência do vínculo mantém-se até ao limite extremo da sua provável
utilidade para as partes:
a) Conservação do vínculo – manutenção do contrato em estado de
inexecução (art.º 277.º, n.º 1 da LTFP);
b) O vínculo não pode desfazer-se por esta causa impeditiva, mas não fica
imune a outras que porventura ocorram durante o próprio período de
suspensão (art º 231 º n º 3 infrações disciplinares);suspensão (art.º 231.º, n.º 3 – infrações disciplinares);
c) Permanência de deveres acessórios (art.º 277.º, n.º 1 da LTFP): o
trabalhador está integrado na organização;
77
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Efeitos da redução da actividade ou suspensão do vínculo de emprego
público
d) Paralisação dos efeitos do contrato condicionados pela prestação de
trabalho [a remuneração, o direito a férias (que permanece em estado
latente)]
e) Contagem para efeitos de antiguidade – não há quebra da continuidade
da relação laboral, apenas a sua suspensão (art.º 277, n.º 2 da LTFP);
f) Não interrompe o decurso do prazo para efeitos de caducidade;
g) Não obsta a que qualquer parte das partes faça cessar o contrato nos
termos gerais (art º 277 n º 3 da LTFP)termos gerais (art.º 277, n.º 3 da LTFP)
78
40
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Suspensão do vínculo de emprego público por facto determinante ao
trabalhador
F t d t i t• Factos determinantes:
 Existência de um impedimento temporário de duração superior a um mês;
 Ligação desse impedimento à pessoa do trabalhador;
 Imputabilidade do impedimento ao trabalhador a título de culpa (a culpa
grave do trabalhador - envolvendo intencionalidade) e não situações de
mera negligência – situações disciplinaresmera negligência – situações disciplinares
79
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Regresso do trabalhador à actividade
No dia imediato ao da cessação do impedimento
O trabalhador
constitui-se no dever
de se apresentar à
entidade
empregadora
Sob pena de incorrer em faltas injustificadas
80
41
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
As licenças sem remuneração
• Salvo algumas excepções a LTFP opta por um catálogo aberto de licençasSalvo algumas excepções, a LTFP opta por um catálogo aberto de licenças
• Empregador público pode conceder licenças sem remuneração a pedido do
trabalhador (artigo 280.º, n.º 1)
• O direito à concessão de determinadas licenças sem remuneração – para
frequência de cursos de formação (artigo 280.º, n.º 2)
• Licença sem remuneração para acompanhamento de cônjuge colocado no
estrangeiro (artigo 282.º)
• Licença sem remuneração para o exercício de funções em organismosç ç p ç g
internacionais (artigo 283.º)
• Licenças fundadas em circunstâncias de interesse público
81
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Artigo 281.º
Efeitos
 A concessão da licença determina a suspensão do vínculo:
 Mantêm-se os direitos, deveres e garantias das partes, na medida
em que não pressuponham a efetiva prestação de trabalho
 A licença não interrompe o decurso do prazo para efeitos de
caducidade do contrato
 O período de tempo de licença não conta para efeitos de
antiguidade (salvo as exceções a seguir…)
82
42
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Artigo 281.º
Efeitos
 Nas licenças previstas para:
 Acompanhamento do cônjuge colocado no estrangeiro
 O exercício de funções em organismos internacionais
 E noutras licenças fundadas em circunstâncias de interesse
público
 O trabalhador tem direito à contagem do tempo para efeitos de
antiguidade e pode continuar a efetuar descontos para a ADSE ouantiguidade e pode continuar a efetuar descontos para a ADSE ou
outro subsistema de saúde de que beneficie, com base na
remuneração auferida à data do início da licença
83
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Artigo 281.º
Efeitos
 Nas licenças:
 De duração inferior a um ano
 Acompanhamento do cônjuge colocado no estrangeiro
 O exercício de funções em organismos internacionais
 E noutras licenças fundadas em circunstâncias de interesse
público
 O trabalhador tem direito à ocupação de um posto de trabalho no O trabalhador tem direito à ocupação de um posto de trabalho no
órgão ou serviço quando terminar a licença
84
43
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Artigo 281.º
Efeitos
 Nas restantes licenças:
 O trabalhador que pretenda regressar ao serviço e cujo posto de
trabalho se encontre ocupado, deve aguardar a previsão, no mapa
de pessoal, de um posto de trabalho não ocupado, podendo
candidatar-se a procedimento concursal para outro órgão ou
serviço para o qual reúna os requisitos exigidos
 Este regime é também aplicável ao regresso antecipado do Este regime é também aplicável ao regresso antecipado do
trabalhador em gozo de licença sem remuneração
85
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Artigo 282.º
Licença sem remuneração para acompanhamento do cônjuge
colocado no estrangeiro
 O trabalhador tem direito a licença sem remuneração para
acompanhamento do respetivo cônjuge, quando:
 O cônjuge, tenha ou não a qualidade de trabalhador em funções
públicas
 For colocado no estrangeiro
 Por período de tempo superior a 90 dias ou indeterminado
 Em missões de defesa Em missões de defesa
 Ou representação de interesses do País
 Ou em organizações internacionais de que Portugal seja membro
86
44
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Artigo 282.º
Licença sem remuneração para acompanhamento do cônjuge
colocado no estrangeiro
 A licença é concedida pelo dirigente competente, a requerimento
do interessado, devidamente fundamentado
 Se a licença for concedida por período inferior a 2 anos, o
trabalhador:
 Tem direito à contagem do tempo para efeitos de antiguidade e
pode continuar a efetuar descontos para a ADSE ou outro
subsistema de saúde de que beneficie, com base na remuneração
auferida à data do início da licença
 Tem direito à ocupação de um posto de trabalho no órgão ou
serviço quando terminar a licença
87
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Artigo 282.º
Licença sem remuneração para acompanhamento do cônjuge
colocado no estrangeiro
 Se a licença for concedida por período igual ou superior a 2 anos, o
trabalhador:
 Que pretenda regressar ao serviço e cujo posto de trabalho se
encontre ocupado, deve aguardar a previsão, no mapa de pessoal,
de um posto de trabalho não ocupado, podendo candidatar-se a
procedimento concursal para outro órgão ou serviço para o qual
reúna os requisitos exigidos
88
45
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Artigo 282.º
Licença sem remuneração para acompanhamento do cônjuge
colocado no estrangeiro
 A licença tem a mesma duração que a da colocação do cônjuge no
estrangeiro, podendo iniciar-se em data posterior à do início das
funções do cônjuge no estrangeiro, desde que o interessado
alegue conveniência nesse sentido ou antecipar-se o regresso a
pedido do trabalhador
 Finda a colocação do cônjuge no estrangeiro, o trabalhador pode
requerer ao dirigente máximo do respetivo serviço o regresso àrequerer ao dirigente máximo do respetivo serviço o regresso à
atividade, no prazo de 90 dias, a contar da data do termo da
situação de colocação daquele no estrangeiro
89
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Artigo 282.º
Licença sem remuneração para acompanhamento do cônjuge
colocado no estrangeiro
 Caso o trabalhador não requeira o regresso à atividade nos termos
do número anterior, presume-se a sua vontade de extinguir o
vínculo de emprego público por denúncia ou exoneração a pedido
do trabalhador
90
46
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Artigo 283.º
Licença sem remuneração para o exercício de funções em organismos
internacionais
 A licença sem remuneração para exercício de funções em
organismos internacionais pode ser concedida por despacho dos
membros do Governo responsáveis pela área dos negócios
estrangeiros e pelo serviço a que pertence o trabalhador
revestindo, conforme os casos, uma das seguintes modalidades:
91
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Artigo 283.º
Licença sem remuneração para o exercício de funções em organismos
internacionais
 Licença para o exercício de funções com caráter precário ou
experimental, com vista a uma integração futura no respetivo
organismo - tem a duração do exercício de funções com caráter
precário ou experimental para que foi concedida
 Licença para o exercício de funções em quadro de organismo
internacional - é concedida pelo período de exercício de funçõesinternacional - é concedida pelo período de exercício de funções
92
47
Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego
público
Artigo 283.º
Licença sem remuneração para o exercício de funções em organismos
internacionais
 O exercício de funções nos termos deste artigo implica que o
interessado faça prova, no requerimento a apresentar para
concessão da licença ou para o regresso, da sua situação face à
organização internacional, mediante documento comprovativo a
emitir pela mesma
93
MUITO OBRIGADO
94

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos. Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos. Palovel
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e éticaOver Lane
 
Extinção dos contratos
Extinção dos contratosExtinção dos contratos
Extinção dos contratosPitágoras
 
Aula 003 - Obrigações - FONTES DAS OBRIGAÇÕES E ESPÉCIES DE OBRIGAÇÃO
Aula 003 - Obrigações - FONTES DAS OBRIGAÇÕES E ESPÉCIES DE OBRIGAÇÃOAula 003 - Obrigações - FONTES DAS OBRIGAÇÕES E ESPÉCIES DE OBRIGAÇÃO
Aula 003 - Obrigações - FONTES DAS OBRIGAÇÕES E ESPÉCIES DE OBRIGAÇÃOTércio De Santana
 
Mapa mental art. 5 º cf
Mapa mental art. 5 º cfMapa mental art. 5 º cf
Mapa mental art. 5 º cfdigobim
 
Panorama sobre o direito do ambiente em angola
Panorama sobre o direito do ambiente em angolaPanorama sobre o direito do ambiente em angola
Panorama sobre o direito do ambiente em angolaJosé André
 
Ufcd 4283 saúde e socorrismo_índice
Ufcd 4283 saúde e socorrismo_índiceUfcd 4283 saúde e socorrismo_índice
Ufcd 4283 saúde e socorrismo_índiceManuais Formação
 
Apresentação sobre Ética e Moral de Flaviane Araujo
Apresentação sobre Ética e Moral de Flaviane AraujoApresentação sobre Ética e Moral de Flaviane Araujo
Apresentação sobre Ética e Moral de Flaviane AraujoFlaavii
 
Modelo de carta p solicitação de estagio
Modelo de carta p solicitação de estagioModelo de carta p solicitação de estagio
Modelo de carta p solicitação de estagioRosane Domingues
 
O Processo Disciplinar na Função Pública e à Luz da LGT Angolana - Jocelino M...
O Processo Disciplinar na Função Pública e à Luz da LGT Angolana - Jocelino M...O Processo Disciplinar na Função Pública e à Luz da LGT Angolana - Jocelino M...
O Processo Disciplinar na Função Pública e à Luz da LGT Angolana - Jocelino M...Jocelino Malulo
 
Direito Constitucional - Art. 7º ao 11 da CF 88
Direito Constitucional - Art. 7º ao 11 da CF 88Direito Constitucional - Art. 7º ao 11 da CF 88
Direito Constitucional - Art. 7º ao 11 da CF 88PreOnline
 
Artigo 5º Da ConstituiçãO Federal
Artigo 5º Da  ConstituiçãO  FederalArtigo 5º Da  ConstituiçãO  Federal
Artigo 5º Da ConstituiçãO FederalDouglas Mendonça
 
4 Ética e Direito
4 Ética e Direito4 Ética e Direito
4 Ética e DireitoMarcel Gois
 
Liberdade religiosa - Filosofia
Liberdade religiosa  - FilosofiaLiberdade religiosa  - Filosofia
Liberdade religiosa - FilosofiaAmanda Silveira
 
Mapa da Recuperação Judicial - Cintia Bell e Marjorie Renner
Mapa da Recuperação Judicial - Cintia Bell e Marjorie RennerMapa da Recuperação Judicial - Cintia Bell e Marjorie Renner
Mapa da Recuperação Judicial - Cintia Bell e Marjorie RennerMarjorie Renner
 

Mais procurados (20)

Prisão
PrisãoPrisão
Prisão
 
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos. Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Extinção dos contratos
Extinção dos contratosExtinção dos contratos
Extinção dos contratos
 
Aula 003 - Obrigações - FONTES DAS OBRIGAÇÕES E ESPÉCIES DE OBRIGAÇÃO
Aula 003 - Obrigações - FONTES DAS OBRIGAÇÕES E ESPÉCIES DE OBRIGAÇÃOAula 003 - Obrigações - FONTES DAS OBRIGAÇÕES E ESPÉCIES DE OBRIGAÇÃO
Aula 003 - Obrigações - FONTES DAS OBRIGAÇÕES E ESPÉCIES DE OBRIGAÇÃO
 
Mapa mental art. 5 º cf
Mapa mental art. 5 º cfMapa mental art. 5 º cf
Mapa mental art. 5 º cf
 
Panorama sobre o direito do ambiente em angola
Panorama sobre o direito do ambiente em angolaPanorama sobre o direito do ambiente em angola
Panorama sobre o direito do ambiente em angola
 
Ufcd 4283 saúde e socorrismo_índice
Ufcd 4283 saúde e socorrismo_índiceUfcd 4283 saúde e socorrismo_índice
Ufcd 4283 saúde e socorrismo_índice
 
Apresentação sobre Ética e Moral de Flaviane Araujo
Apresentação sobre Ética e Moral de Flaviane AraujoApresentação sobre Ética e Moral de Flaviane Araujo
Apresentação sobre Ética e Moral de Flaviane Araujo
 
Direito penal i ilicitude
Direito penal i   ilicitudeDireito penal i   ilicitude
Direito penal i ilicitude
 
Modelo de carta p solicitação de estagio
Modelo de carta p solicitação de estagioModelo de carta p solicitação de estagio
Modelo de carta p solicitação de estagio
 
O Processo Disciplinar na Função Pública e à Luz da LGT Angolana - Jocelino M...
O Processo Disciplinar na Função Pública e à Luz da LGT Angolana - Jocelino M...O Processo Disciplinar na Função Pública e à Luz da LGT Angolana - Jocelino M...
O Processo Disciplinar na Função Pública e à Luz da LGT Angolana - Jocelino M...
 
Direito Constitucional - Art. 7º ao 11 da CF 88
Direito Constitucional - Art. 7º ao 11 da CF 88Direito Constitucional - Art. 7º ao 11 da CF 88
Direito Constitucional - Art. 7º ao 11 da CF 88
 
Artigo 5º Da ConstituiçãO Federal
Artigo 5º Da  ConstituiçãO  FederalArtigo 5º Da  ConstituiçãO  Federal
Artigo 5º Da ConstituiçãO Federal
 
4 Ética e Direito
4 Ética e Direito4 Ética e Direito
4 Ética e Direito
 
Liberdade religiosa - Filosofia
Liberdade religiosa  - FilosofiaLiberdade religiosa  - Filosofia
Liberdade religiosa - Filosofia
 
Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!
 
Direito civil 3
Direito civil 3Direito civil 3
Direito civil 3
 
Mapa da Recuperação Judicial - Cintia Bell e Marjorie Renner
Mapa da Recuperação Judicial - Cintia Bell e Marjorie RennerMapa da Recuperação Judicial - Cintia Bell e Marjorie Renner
Mapa da Recuperação Judicial - Cintia Bell e Marjorie Renner
 

Semelhante a LTFP - Lei 34/2014 - tempos de não trabalho – férias, faltas e licenças - Formação 2014

Decreto –Legislativo nº 3/93 de 5 de Abril
Decreto –Legislativo nº 3/93 de 5 de Abril Decreto –Legislativo nº 3/93 de 5 de Abril
Decreto –Legislativo nº 3/93 de 5 de Abril Ministerio_Educacao
 
Regime jurã­dico das fã©rias faltas ...
Regime jurã­dico das fã©rias faltas ...Regime jurã­dico das fã©rias faltas ...
Regime jurã­dico das fã©rias faltas ...Ministerio_Educacao
 
Regime jurdico das_frias_faltas_e_licenas_dos_funcionrios_e_agentes_da_funao_...
Regime jurdico das_frias_faltas_e_licenas_dos_funcionrios_e_agentes_da_funao_...Regime jurdico das_frias_faltas_e_licenas_dos_funcionrios_e_agentes_da_funao_...
Regime jurdico das_frias_faltas_e_licenas_dos_funcionrios_e_agentes_da_funao_...Ministerio_Educacao
 
Efeito doença nas férias na Administração Pública
Efeito doença nas férias na Administração PúblicaEfeito doença nas férias na Administração Pública
Efeito doença nas férias na Administração Públicaapseabra
 
AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE TRABALHO – LEI N.º 23/2012
AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE  TRABALHO – LEI N.º 23/2012AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE  TRABALHO – LEI N.º 23/2012
AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE TRABALHO – LEI N.º 23/2012Cristiano Ribeiro
 
Prova de Direito do Trabalho FCC - TRT-RN
Prova de Direito do Trabalho FCC - TRT-RNProva de Direito do Trabalho FCC - TRT-RN
Prova de Direito do Trabalho FCC - TRT-RNProf. Antonio Daud Jr
 
Mpu - questões de Direito do Trabalho
Mpu - questões de Direito do TrabalhoMpu - questões de Direito do Trabalho
Mpu - questões de Direito do TrabalhoProf. Antonio Daud Jr
 
Prova de Analista Judiciário da Área Judiciária - TRT RN
Prova de Analista Judiciário da Área Judiciária - TRT RNProva de Analista Judiciário da Área Judiciária - TRT RN
Prova de Analista Judiciário da Área Judiciária - TRT RNProf. Antonio Daud Jr
 
Codigo do trabalho-fiscalização da constitucionalidade
Codigo do trabalho-fiscalização da constitucionalidadeCodigo do trabalho-fiscalização da constitucionalidade
Codigo do trabalho-fiscalização da constitucionalidadeArmin Caldas
 
Fundamentação Legal Aplicável nas Rescisões dos Contratos de Trabalho
Fundamentação Legal Aplicável nas Rescisões dos Contratos de TrabalhoFundamentação Legal Aplicável nas Rescisões dos Contratos de Trabalho
Fundamentação Legal Aplicável nas Rescisões dos Contratos de TrabalhoRafael Candido
 
Direito do Trabalho - Aviso Prévio
Direito do Trabalho - Aviso PrévioDireito do Trabalho - Aviso Prévio
Direito do Trabalho - Aviso PrévioPreOnline
 
Novo modelo contrato termo certo tempo parcial
Novo modelo contrato termo certo tempo parcialNovo modelo contrato termo certo tempo parcial
Novo modelo contrato termo certo tempo parcialAssistenteTecnico
 
Direitos e deveres - estatuto SP
Direitos e deveres - estatuto SPDireitos e deveres - estatuto SP
Direitos e deveres - estatuto SPcipasabe
 

Semelhante a LTFP - Lei 34/2014 - tempos de não trabalho – férias, faltas e licenças - Formação 2014 (20)

Decreto –Legislativo nº 3/93 de 5 de Abril
Decreto –Legislativo nº 3/93 de 5 de Abril Decreto –Legislativo nº 3/93 de 5 de Abril
Decreto –Legislativo nº 3/93 de 5 de Abril
 
Regime jurã­dico das fã©rias faltas ...
Regime jurã­dico das fã©rias faltas ...Regime jurã­dico das fã©rias faltas ...
Regime jurã­dico das fã©rias faltas ...
 
Regime jurdico das_frias_faltas_e_licenas_dos_funcionrios_e_agentes_da_funao_...
Regime jurdico das_frias_faltas_e_licenas_dos_funcionrios_e_agentes_da_funao_...Regime jurdico das_frias_faltas_e_licenas_dos_funcionrios_e_agentes_da_funao_...
Regime jurdico das_frias_faltas_e_licenas_dos_funcionrios_e_agentes_da_funao_...
 
Efeito doença nas férias na Administração Pública
Efeito doença nas férias na Administração PúblicaEfeito doença nas férias na Administração Pública
Efeito doença nas férias na Administração Pública
 
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Manual acolhimento
 
AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE TRABALHO – LEI N.º 23/2012
AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE  TRABALHO – LEI N.º 23/2012AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE  TRABALHO – LEI N.º 23/2012
AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE TRABALHO – LEI N.º 23/2012
 
Prova de Direito do Trabalho FCC - TRT-RN
Prova de Direito do Trabalho FCC - TRT-RNProva de Direito do Trabalho FCC - TRT-RN
Prova de Direito do Trabalho FCC - TRT-RN
 
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Manual acolhimento
 
Mpu - questões de Direito do Trabalho
Mpu - questões de Direito do TrabalhoMpu - questões de Direito do Trabalho
Mpu - questões de Direito do Trabalho
 
MP 936 - 2020
MP 936 - 2020MP 936 - 2020
MP 936 - 2020
 
Prova de Analista Judiciário da Área Judiciária - TRT RN
Prova de Analista Judiciário da Área Judiciária - TRT RNProva de Analista Judiciário da Área Judiciária - TRT RN
Prova de Analista Judiciário da Área Judiciária - TRT RN
 
Férias anuais
Férias anuaisFérias anuais
Férias anuais
 
Codigo do trabalho-fiscalização da constitucionalidade
Codigo do trabalho-fiscalização da constitucionalidadeCodigo do trabalho-fiscalização da constitucionalidade
Codigo do trabalho-fiscalização da constitucionalidade
 
Fundamentação Legal Aplicável nas Rescisões dos Contratos de Trabalho
Fundamentação Legal Aplicável nas Rescisões dos Contratos de TrabalhoFundamentação Legal Aplicável nas Rescisões dos Contratos de Trabalho
Fundamentação Legal Aplicável nas Rescisões dos Contratos de Trabalho
 
MPV 936.pdf
MPV 936.pdfMPV 936.pdf
MPV 936.pdf
 
Direito do Trabalho - Aviso Prévio
Direito do Trabalho - Aviso PrévioDireito do Trabalho - Aviso Prévio
Direito do Trabalho - Aviso Prévio
 
Clt
CltClt
Clt
 
Plantão do Transporte COVID-19: MP 927
Plantão do Transporte COVID-19: MP 927Plantão do Transporte COVID-19: MP 927
Plantão do Transporte COVID-19: MP 927
 
Novo modelo contrato termo certo tempo parcial
Novo modelo contrato termo certo tempo parcialNovo modelo contrato termo certo tempo parcial
Novo modelo contrato termo certo tempo parcial
 
Direitos e deveres - estatuto SP
Direitos e deveres - estatuto SPDireitos e deveres - estatuto SP
Direitos e deveres - estatuto SP
 

Mais de AssistenteTecnico

Despacho normativo 6 de 2018 matriculas ano letivo 2018 2019 anotado
Despacho normativo 6 de 2018   matriculas  ano letivo 2018 2019 anotadoDespacho normativo 6 de 2018   matriculas  ano letivo 2018 2019 anotado
Despacho normativo 6 de 2018 matriculas ano letivo 2018 2019 anotadoAssistenteTecnico
 
Oficio circulado 30172 finanças iva refeições
Oficio circulado 30172 finanças iva refeições Oficio circulado 30172 finanças iva refeições
Oficio circulado 30172 finanças iva refeições AssistenteTecnico
 
Ofício_irs_faq abril_2015_circulado_20176
Ofício_irs_faq abril_2015_circulado_20176Ofício_irs_faq abril_2015_circulado_20176
Ofício_irs_faq abril_2015_circulado_20176AssistenteTecnico
 
Portaria 17 a 2015 declaração mensal remunerações 2015
Portaria  17 a 2015 declaração mensal remunerações 2015Portaria  17 a 2015 declaração mensal remunerações 2015
Portaria 17 a 2015 declaração mensal remunerações 2015AssistenteTecnico
 
Abaixo assinado nao docentes - Assistentes Operacionais e Assistentes Técnicos
Abaixo assinado nao docentes - Assistentes Operacionais e Assistentes TécnicosAbaixo assinado nao docentes - Assistentes Operacionais e Assistentes Técnicos
Abaixo assinado nao docentes - Assistentes Operacionais e Assistentes TécnicosAssistenteTecnico
 
Deslocação em viatura propria ajudas de custo
Deslocação em viatura propria ajudas de custoDeslocação em viatura propria ajudas de custo
Deslocação em viatura propria ajudas de custoAssistenteTecnico
 
Parecer dgo penhoras judiciais incidência de calculo - vencimentos
Parecer dgo penhoras judiciais incidência de calculo - vencimentosParecer dgo penhoras judiciais incidência de calculo - vencimentos
Parecer dgo penhoras judiciais incidência de calculo - vencimentosAssistenteTecnico
 
Parecer dgo penhoras de vencimentos
Parecer dgo penhoras de vencimentosParecer dgo penhoras de vencimentos
Parecer dgo penhoras de vencimentosAssistenteTecnico
 
Parecer igec lgtfp_matéria disciplinar
Parecer igec lgtfp_matéria disciplinarParecer igec lgtfp_matéria disciplinar
Parecer igec lgtfp_matéria disciplinarAssistenteTecnico
 
Inovar vencimentos out2014 nota informativa15 gef
Inovar vencimentos out2014  nota informativa15 gefInovar vencimentos out2014  nota informativa15 gef
Inovar vencimentos out2014 nota informativa15 gefAssistenteTecnico
 
Nota informativa 15 dgpgf_2014 rmmg e redução remunetarória
Nota informativa 15 dgpgf_2014 rmmg e redução remunetaróriaNota informativa 15 dgpgf_2014 rmmg e redução remunetarória
Nota informativa 15 dgpgf_2014 rmmg e redução remunetaróriaAssistenteTecnico
 
Vencimentos outubro Retribuição mínima mensal garantida
Vencimentos outubro  Retribuição mínima mensal garantidaVencimentos outubro  Retribuição mínima mensal garantida
Vencimentos outubro Retribuição mínima mensal garantidaAssistenteTecnico
 
Vencimentos outubro 2014 - Adenda Manual Inovar
Vencimentos outubro 2014 - Adenda Manual InovarVencimentos outubro 2014 - Adenda Manual Inovar
Vencimentos outubro 2014 - Adenda Manual InovarAssistenteTecnico
 
Códigos SIOE todos organismos A SUBMETER Remunerações Avaliações
Códigos SIOE todos organismos A SUBMETER Remunerações AvaliaçõesCódigos SIOE todos organismos A SUBMETER Remunerações Avaliações
Códigos SIOE todos organismos A SUBMETER Remunerações AvaliaçõesAssistenteTecnico
 
07 mapa estatistica as habilitacoes dos docentes geral lista-de-ordenação-de...
07 mapa estatistica  as habilitacoes dos docentes geral lista-de-ordenação-de...07 mapa estatistica  as habilitacoes dos docentes geral lista-de-ordenação-de...
07 mapa estatistica as habilitacoes dos docentes geral lista-de-ordenação-de...AssistenteTecnico
 
062 mapa estatistica os + velhos e com + tempo de serviço a aposentar lista-...
062 mapa estatistica  os + velhos e com + tempo de serviço a aposentar lista-...062 mapa estatistica  os + velhos e com + tempo de serviço a aposentar lista-...
062 mapa estatistica os + velhos e com + tempo de serviço a aposentar lista-...AssistenteTecnico
 
05 mapa estatistica idade dos candidatos lista-de-ordenação-definitiva-2013
05 mapa estatistica   idade dos candidatos lista-de-ordenação-definitiva-201305 mapa estatistica   idade dos candidatos lista-de-ordenação-definitiva-2013
05 mapa estatistica idade dos candidatos lista-de-ordenação-definitiva-2013AssistenteTecnico
 
04 mapa estatistica idade dos candidatos ext lista-de-ordenação-definitiva-...
04 mapa estatistica   idade dos candidatos ext lista-de-ordenação-definitiva-...04 mapa estatistica   idade dos candidatos ext lista-de-ordenação-definitiva-...
04 mapa estatistica idade dos candidatos ext lista-de-ordenação-definitiva-...AssistenteTecnico
 
01 mapa estatistica tempo servico candidatos internos lista-de-ordenação-de...
01 mapa estatistica   tempo servico candidatos internos lista-de-ordenação-de...01 mapa estatistica   tempo servico candidatos internos lista-de-ordenação-de...
01 mapa estatistica tempo servico candidatos internos lista-de-ordenação-de...AssistenteTecnico
 

Mais de AssistenteTecnico (20)

Despacho normativo 6 de 2018 matriculas ano letivo 2018 2019 anotado
Despacho normativo 6 de 2018   matriculas  ano letivo 2018 2019 anotadoDespacho normativo 6 de 2018   matriculas  ano letivo 2018 2019 anotado
Despacho normativo 6 de 2018 matriculas ano letivo 2018 2019 anotado
 
Oficio circulado 30172 finanças iva refeições
Oficio circulado 30172 finanças iva refeições Oficio circulado 30172 finanças iva refeições
Oficio circulado 30172 finanças iva refeições
 
Ofício_irs_faq abril_2015_circulado_20176
Ofício_irs_faq abril_2015_circulado_20176Ofício_irs_faq abril_2015_circulado_20176
Ofício_irs_faq abril_2015_circulado_20176
 
Portaria 17 a 2015 declaração mensal remunerações 2015
Portaria  17 a 2015 declaração mensal remunerações 2015Portaria  17 a 2015 declaração mensal remunerações 2015
Portaria 17 a 2015 declaração mensal remunerações 2015
 
Abaixo assinado nao docentes - Assistentes Operacionais e Assistentes Técnicos
Abaixo assinado nao docentes - Assistentes Operacionais e Assistentes TécnicosAbaixo assinado nao docentes - Assistentes Operacionais e Assistentes Técnicos
Abaixo assinado nao docentes - Assistentes Operacionais e Assistentes Técnicos
 
Deslocação em viatura propria ajudas de custo
Deslocação em viatura propria ajudas de custoDeslocação em viatura propria ajudas de custo
Deslocação em viatura propria ajudas de custo
 
Parecer dgo penhoras judiciais incidência de calculo - vencimentos
Parecer dgo penhoras judiciais incidência de calculo - vencimentosParecer dgo penhoras judiciais incidência de calculo - vencimentos
Parecer dgo penhoras judiciais incidência de calculo - vencimentos
 
Parecer dgo penhoras de vencimentos
Parecer dgo penhoras de vencimentosParecer dgo penhoras de vencimentos
Parecer dgo penhoras de vencimentos
 
Parecer igec lgtfp_matéria disciplinar
Parecer igec lgtfp_matéria disciplinarParecer igec lgtfp_matéria disciplinar
Parecer igec lgtfp_matéria disciplinar
 
Inovar vencimentos out2014 nota informativa15 gef
Inovar vencimentos out2014  nota informativa15 gefInovar vencimentos out2014  nota informativa15 gef
Inovar vencimentos out2014 nota informativa15 gef
 
Nota informativa 15 dgpgf_2014 rmmg e redução remunetarória
Nota informativa 15 dgpgf_2014 rmmg e redução remunetaróriaNota informativa 15 dgpgf_2014 rmmg e redução remunetarória
Nota informativa 15 dgpgf_2014 rmmg e redução remunetarória
 
Vencimentos outubro Retribuição mínima mensal garantida
Vencimentos outubro  Retribuição mínima mensal garantidaVencimentos outubro  Retribuição mínima mensal garantida
Vencimentos outubro Retribuição mínima mensal garantida
 
Vencimentos outubro 2014 - Adenda Manual Inovar
Vencimentos outubro 2014 - Adenda Manual InovarVencimentos outubro 2014 - Adenda Manual Inovar
Vencimentos outubro 2014 - Adenda Manual Inovar
 
Adenda gpv 5394a
Adenda gpv 5394aAdenda gpv 5394a
Adenda gpv 5394a
 
Códigos SIOE todos organismos A SUBMETER Remunerações Avaliações
Códigos SIOE todos organismos A SUBMETER Remunerações AvaliaçõesCódigos SIOE todos organismos A SUBMETER Remunerações Avaliações
Códigos SIOE todos organismos A SUBMETER Remunerações Avaliações
 
07 mapa estatistica as habilitacoes dos docentes geral lista-de-ordenação-de...
07 mapa estatistica  as habilitacoes dos docentes geral lista-de-ordenação-de...07 mapa estatistica  as habilitacoes dos docentes geral lista-de-ordenação-de...
07 mapa estatistica as habilitacoes dos docentes geral lista-de-ordenação-de...
 
062 mapa estatistica os + velhos e com + tempo de serviço a aposentar lista-...
062 mapa estatistica  os + velhos e com + tempo de serviço a aposentar lista-...062 mapa estatistica  os + velhos e com + tempo de serviço a aposentar lista-...
062 mapa estatistica os + velhos e com + tempo de serviço a aposentar lista-...
 
05 mapa estatistica idade dos candidatos lista-de-ordenação-definitiva-2013
05 mapa estatistica   idade dos candidatos lista-de-ordenação-definitiva-201305 mapa estatistica   idade dos candidatos lista-de-ordenação-definitiva-2013
05 mapa estatistica idade dos candidatos lista-de-ordenação-definitiva-2013
 
04 mapa estatistica idade dos candidatos ext lista-de-ordenação-definitiva-...
04 mapa estatistica   idade dos candidatos ext lista-de-ordenação-definitiva-...04 mapa estatistica   idade dos candidatos ext lista-de-ordenação-definitiva-...
04 mapa estatistica idade dos candidatos ext lista-de-ordenação-definitiva-...
 
01 mapa estatistica tempo servico candidatos internos lista-de-ordenação-de...
01 mapa estatistica   tempo servico candidatos internos lista-de-ordenação-de...01 mapa estatistica   tempo servico candidatos internos lista-de-ordenação-de...
01 mapa estatistica tempo servico candidatos internos lista-de-ordenação-de...
 

Último

ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 

Último (20)

ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 

LTFP - Lei 34/2014 - tempos de não trabalho – férias, faltas e licenças - Formação 2014

  • 1. 1 Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas - LTFP Tempos de não trabalho – Férias, faltas e licenças 1 Tempos de não trabalho 2
  • 2. 2 Parte II Vinculo de emprego público Título IV Tempos de não trabalho Título IV Conteúdo do vínculo de emprego público Capítulo IV Tempo de trabalho Capítulo V Tempo de não trabalho 3  Secção I – Disposições gerais  Secção II – Férias  Secção III – Faltas O regime dos feriados 4
  • 3. 3 O regime dos feriados: O artigo 122.º, n.º 1 da LTFP A LTFP  A aplicabilidade do Código do Trabalho  Com as necessárias adaptações e sem prejuízo das especificidades da LTFP 5 O artigo 122.º, n.ºs 2 e 3 da LTFP  Observado o feriado municipal das localidades – feriado facultativo (cfr. com o n.º 2 do artigo 8.º-A do RCTFP que não previa essa possibilidade, fazendo depender a observância de todos os feriados facultativos de decisão do Conselho de Ministros)  A observância da terça-feira de Carnaval – feriado facultativo – depende de decisão do Conselho de 6 acu tat o depe de de dec são do Co se o de Ministros ou dos órgãos de governo próprio das regiões autónomas, sendo nulas as disposições de contrato ou de IRCT que disponham em contrário
  • 4. 4 Lei n.º 23/2004 O descanso diário de 23/06 7 O descanso diário  O artigo 138.º do RCTFP e o artigo 123.º da LTFP (redação quase idêntica)  A id d d b â i d í d í i A necessidade de observância de um período mínimo de descanso de 11 h seguidas entre dois períodos de trabalho consecutivos  As exceções do n.º 2 do artigo 138.º do RCTFP e n.º 2 do artigo 123.º da LTFP  A importante disposição consagrada no n º 3 do artigo 8  A importante disposição consagrada no n. 3 do artigo 123.º da LTFP  As atividades caracterizadas pela necessidade de assegurar a continuidade dos serviços
  • 5. 5  Exceções do n.º 2 do artigo 138.º do RCTFP e n.º 2 do artigo 123.º da LTFP: O descanso diário  O período mínimo de descanso pode não ser observado sempre que seja necessária a prestação de trabalho suplementar (extraordinário) por motivo de força maior ou por ser indispensável para prevenir ou reparar prejuízos graves para o órgão ou serviço devidos a acidente ou a risco de acidente iminente 9  A disposição do n.º 3 do artigo 123.º da LTFP: O descanso diário  O período mínimo de descanso pode não ser observado nos casos em que o exercício de funções é caracterizado pela sua natureza permanente e obrigatória, no âmbito dos respetivos estatutos profissionais, ou quando os períodos normais de trabalho sejam fracionados ao longo do dia com fundamento nas características da atividade, nomeadamente no caso dos serviços de limpeza 10 ç
  • 6. 6 A semana de trabalho e o descanso semanal 11 O descanso semanal  A semana de trabalho é em regra de cinco dias  O direito a um dia de descanso semanal obrigatório,g , acrescido de um dia de descanso semanal complementar, que devem coincidir com o Domingo e o Sábado, respectivamente  Podem deixar de coincidir com o Domingo e o Sábado nas situações referidas nos n.ºs 3 e 4 do artigo 124.º da LTFP 12 da LTFP  O regime dos n.ºs 5 e 6 do artigo 124.º da LTFP
  • 7. 7 O descanso semanal  O regime dos n.ºs 5 e 6 do artigo 124.º da LTFP: 5 Quando a natureza do órgão ou serviço ou razões de5 - Quando a natureza do órgão ou serviço ou razões de interesse público o exijam, pode o dia de descanso complementar ser gozado, segundo opção do trabalhador, do seguinte modo: a) Dividido em dois períodos imediatamente anteriores ou posteriores ao dia de descanso semanal obrigatório; b) Meio dia imediatamente anterior ou posterior ao dia de d l b i tó i d t t t 13 descanso semanal obrigatório, sendo o tempo restante deduzido na duração do período normal de trabalho dos restantes dias úteis, sem prejuízo da duração do período normal de trabalho semanal. O descanso semanal  O regime dos n.ºs 5 e 6 do artigo 124.º da LTFP: 6 - Sempre que seja possível, o empregador público deve proporcionar aos trabalhadores que pertençam ao mesmo agregado familiar o descanso semanal nos mesmos dias. 14
  • 8. 8 O regime das férias 15 O direito a férias O desiderato do direito a férias Recuperação física e psíquica Condições de disponibilidade pessoal Integração na vida familiar 16 Participação social e cultural
  • 9. 9 O regime do direito a férias  O princípio geral do n.º 1 do artigo 122.º da LTFP (aplicação do regime do CT em matéria de tempos de não trabalho)  A aplicabilidade dos seguintes artigos do CT com as A aplicabilidade dos seguintes artigos do CT, com as necessárias adaptações (por força do artigo 4.º da LTFP):  artigo 237.º, n.º 1: data do vencimento das férias  artigo 240.º: ano do gozo das férias  artigo 241.º: marcação das férias  ti 243 º lt ã d fé i ti l ti à artigo 243.º: alteração das férias por motivo relativo à entidade empregadora pública  artigo 244.º: alteração das férias por motivo relativo ao trabalhador 17 O direito a férias O artigo 122.º, n.º 1 da LTFP A aplicabilidade do CT O direito a férias, seu desiderato e a sua duração Artigo 126.º da LTFP e artigos 237.º e 238.º do CT Aquisição do direito a férias Artigo 237.º, n.º 1 do CT A possibilidade de renúncia do direito a férias Artigo 238.º, n.º 5 do CT 18
  • 10. 10 O direito a férias Ano do gozo das férias e acumulação Artigo 240.º do CT Alteração do período de férias por motivo relativo ao empregador Artigo 243.º do CT Alteração do período de férias por moti o relati o ao trabalhador Marcação do período de férias Artigo 241.º do CT Alteração do período de férias por motivo relativo ao trabalhador Artigo 244.º do CT 19 O direito a férias Violação do direito a férias Artigo 130.º da LTFP Exercício de outra actividade durante as férias Artigo 131.º da LTFP Contacto em período de férias Artigo 132.º da LTFP 20
  • 11. 11 O direito a férias O artigo 122 º n º 1 da LTFPO artigo 122. , n. 1 da LTFP A aplicabilidade do CT (aplicação do regime do CT em matéria de tempos de não trabalho, logo, também às férias) 21 O direito a férias – seu desiderato e duração Artigo 126.º da LTFP e artigos 237.º e 238.º do CT • O trabalhador tem direito:O t aba ado te d e to  A um período anual de férias remuneradas, nos termos previstos no Código do Trabalho  Com duração de 22 dias úteis  Que se vence no dia 1 de Janeiro  Ao qual acresce um dia útil de férias por cada 10 anos deq p serviço efetivamente prestado  A sua duração pode ser aumentada no quadro de sistemas de recompensa do desempenho, nos termos previstos na lei ou em IRCT 22
  • 12. 12 O direito a férias – seu desiderato e duração Artigo 126.º da LTFP e artigos 237.º e 238.º do CT • O direito a férias:  É irrenunciável  O seu gozo não pode ser substituído por qualquer compensação, económica ou outra • Excepção:  O trabalhador pode renunciar ao gozo de dias de férias quep g q excedam 20 dias úteis, ou a correspondente proporção no caso de férias no ano de admissão, sem redução da retribuição e do subsídio relativos ao período de férias vencido, que cumulam com a retribuição do trabalho prestado nesses dias 23 O direito a férias – casos especiais de duração do período de férias Artigo 239.º do CT • No ano da admissão, o trabalhador tem direito a dois dias úteis de férias por cada mês de duração do contrato, até 20 dias, cujo gozo pode ter lugar após seis meses completos de execução do contrato • No caso de o ano civil terminar antes de decorridos os seis meses, as férias são gozadas até 30 de Junho do ano subsequente 24
  • 13. 13 O direito a férias – ano do gozo das férias Artigo 240.º do CT As férias são gozadas no ano civil em que se vencem• As férias são gozadas no ano civil em que se vencem • Podem ser gozadas até 30 de Abril do ano civil seguinte, em cumulação ou não com férias vencidas no início deste, por acordo entre empregador e trabalhador ou sempre que este as pretenda gozar com familiar residente no estrangeiro P d i d l d d d d í d d• Pode ainda ser cumulado o gozo de metade do período de férias vencido no ano anterior com o vencido no ano em causa, mediante acordo entre empregador e trabalhador 25 O direito a férias – marcação do período de férias Artigo 241.º do CT O período de férias é marcado por acordo entre empregador• O período de férias é marcado por acordo entre empregador e trabalhador • Na falta de acordo:  o empregador marca as férias  não podem ter início em dia de descanso semanal do b lh dtrabalhador  Após ouvir a comissão de trabalhadores ou, na sua falta, a comissão intersindical ou a comissão sindical representativa do trabalhador interessado 26
  • 14. 14 O direito a férias – marcação do período de férias Artigo 241.º do CT • Na falta de acordo:  o empregador só pode marcar o período de férias entre 1 de Maio e 31 de Outubro (excepção – existência de IRCT ou de parecer dos representantes dos trabalhadores que admita época diferente) 27 O direito a férias – marcação do período de férias Artigo 241.º do CT • Na marcação das férias, os períodos mais pretendidos devem ser rateados, sempre que possível, beneficiando alternadamente os trabalhadores em função dos períodos gozados nos dois anos anteriores • Os cônjuges, bem como as pessoas que vivam em união de facto ou economia comum nos termos previstos emfacto ou economia comum nos termos previstos em legislação específica, que trabalham no mesmo órgão têm direito a gozar férias em idêntico período, salvo se houver prejuízo grave para o empregador público 28
  • 15. 15 O direito a férias – marcação do período de férias Artigo 241.º do CT • Trabalhador, por acordo com o empregador público, pode gozar o período de férias seguido ou interpolado, desde que goze obrigatoriamente um mínimo de 10 dias seguidos • O empregador elabora o mapa de férias, com indicação do início e do termo dos períodos de férias de cada trabalhador, até 15 de Abril de cada ano e mantém-no afixado nos locaisaté 15 de Abril de cada ano e mantém no afixado nos locais de trabalho entre esta data e 31 de Outubro 29 O direito a férias – alteração do período de férias por motivo relativo ao empregador público Artigo 243.º do CT • O empregador público pode:  Alterar o período de férias já marcado  Interromper o período de férias já iniciado • Trabalhador tem direito a indemnização pelos prejuízos sofridos por deixar de gozar as férias no período marcado Exigências Imperiosas do funcionamento do órgão ou serviço sofridos por deixar de gozar as férias no período marcado • A interrupção das férias deve permitir o gozo seguido de metade do período a que o trabalhador tem direito 30
  • 16. 16 O direito a férias – alteração do período de férias por motivo relativo ao trabalhador Artigo 244.º do CT • O gozo das férias não se inicia ou suspende se quando o• O gozo das férias não se inicia ou suspende-se quando o trabalhador:  Esteja temporariamente impedido por doença ou  Por outro facto que não lhe seja imputável Desde que haja comunicação desse impedimento ao empregador 31 O direito a férias – alteração do período de férias por motivo relativo ao trabalhador Artigo 244.º do CT C d i di t d t b lh d• Cessado o impedimento do trabalhador:  O gozo das férias tem lugar após o termo do impedimento na medida do remanescente do período marcado  O período correspondente aos dias não gozados deve ser marcado por acordo ou, na falta deste, pelo empregador 32
  • 17. 17 O direito a férias – alteração do período de férias por motivo relativo ao trabalhador Artigo 244.º do CT • Em caso de impossibilidade total ou parcial do gozo das férias por impedimento do trabalhador:  Há lugar ao pagamento da retribuição correspondente ao período de férias não gozado ou  Ao gozo daquele período de férias até 30 de Abril do anog q p seguinte e, em qualquer caso, há sempre lugar ao pagamento do respetivo subsídio 33 O direito a férias – doença no período de férias Artigo 128.º da LTFP • No caso de o trabalhador adoecer durante o período de• No caso de o trabalhador adoecer durante o período de férias:  estas são suspensas desde que o empregador público seja do facto informado, prosseguindo, logo após a alta, o gozo dos dias de férias ainda compreendidos naquele período • Compete ao empregador público, na falta de acordo, a marcação dos dias de férias não gozados, que podem decorrer em qualquer período 34
  • 18. 18 O direito a férias – doença no período de férias Artigo 128.º da LTFP • O empregador público pode requerer a fiscalização da situação de doençasituação de doença • Em caso de:  não cumprimento do dever de informação da ocorrência da doença durante o período de férias, ou  de oposição, sem motivo atendível, à fiscalização da ddoença os dias de alegada doença são considerados dias de férias 35 O direito a férias – doença no período de férias Aspectos principais da doença no período de férias: • A suspensão das férias, caso a entidade empregadora seja do facto informada • Prosseguindo o seu gozo logo após a alta o gozo dos dias de férias ainda compreendido naquele período • O acordo como meio privilegiado na marcação dos dias dep g ç férias não gozados 36
  • 19. 19 Os efeitos da suspensão do contrato por impedimento prolongado Artigo 129.º da LTFP • No ano da suspensão do contrato por impedimento prolongado, respeitante ao trabalhador, verificando-se a impossibilidade totalp , p ou parcial do gozo do direito a férias já vencido, o trabalhador tem direito à remuneração correspondente ao período de férias não gozado e respetivo subsídio • No ano da cessação do impedimento prolongado o trabalhador tem direito a férias nos termos previstos para o ano da contratação • Cessando o contrato após impedimento prolongado respeitante ao trabalhador, este tem direito à remuneração e ao subsídio de férias correspondentes ao tempo de serviço prestado no ano de início da suspensão 37 Os efeitos da suspensão do contrato por impedimento prolongado Artigo 129.º da LTFP 1.ª questão: Quais são as consequências em sede de direito a férias se um trabalhador se encontrar com o seu contrato de trabalho suspenso por qualquer razão admissível nos termos da LTFP, designadamente situação de doença ou gozo de licença, e cessar a suspensão no próprio ano em que a mesma se constituiu? 2 ª questão: Quais as consequências se na descrição descrita na questão2. questão: Quais as consequências se, na descrição descrita na questão anterior, o trabalhador só tiver regressado ao serviço (por via da cessação da situação que originou a suspensão do seu contrato) no ano civil posterior àquele em que se iniciou a suspensão? 38
  • 20. 20 Os efeitos da suspensão do contrato por impedimento prolongado Artigo 129.º da LTFP 1.ª questão: ocorrida a suspensão do contrato, nos termos dos artigos 276.º ou 280.º da LTFP, o trabalhador, no próprio ano em que simultaneamente se desencadeou e veio a cessar a situação que originou a suspensão do contrato, assim como nos anos subsequentes, tem naturalmente direito ao período normal de férias, vencidas em 1 de Janeiro de cada um desses anosp , (n.º 2 do art.º 237.º do CT e n.º 1 do art.º 129.º da LTFP) 39 Os efeitos da suspensão do contrato por impedimento prolongado Artigo 129.º da LTFP O º 1 d ti 129 º d LTFP é li á l l ti t ó i• O n.º 1 do artigo 129.º da LTFP é aplicável apenas relativamente ao próprio ano em que se verificou a suspensão do contrato, caso o trabalhador ainda não tenha gozado as férias já vencidas nesse ano, no momento em que se iniciou a suspensão, nem tenha hipóteses de as gozar • Se o trabalhador finda a suspensão ainda tem possibilidade de gozar as• Se o trabalhador, finda a suspensão, ainda tem possibilidade de gozar as suas férias, no todo ou em parte, as mesmas serão gozadas com direito à remuneração correspondente e ao subsídio, como se de uma situação normal se tratasse 40
  • 21. 21 Os efeitos da suspensão do contrato por impedimento prolongado Artigo 129.º da LTFP 2 ª questão: se a cessação da suspensão do contrato ocorrer no ano seguinte2. questão: se a cessação da suspensão do contrato ocorrer no ano seguinte ao da sua constituição, nesse caso o trabalhador tem apenas direito a férias nos termos das disposições conjugadas do n.º 2 do artigo 129.º e do artigo 127.º da LTFP e do artigo 239.º do CT, sendo o limite das férias de 20 dias úteis. No ano seguinte àquele em que cessou a suspensão do contrato renasce na esfera jurídica do trabalhador o direito ao período normal de férias, vencidas em 1 de Janeiro desse ano, conforme o previsto no artigo 126.º da LTFP 41 Violação do direito a férias Artigo 130.º da LTFP • Caso o empregador público, com culpa, obste ao gozo das férias nos termos previstos na LTFP, o trabalhador recebe, a título de compensação, o triplo da remuneração correspondente ao período em falta, o qual deve obrigatoriamente ser gozado até 30 de abril do ano civil subsequenteano civil subsequente 42
  • 22. 22 Exercício de outra actividade durante as férias Artigo 131.º da LTFP • O trabalhador não pode exercer qualquer outra atividade remunerada durante as férias, salvo se já a viesse exercendo cumulativamente, com autorização, ou o empregador público a isso o autorizar (garantias de imparcialidade – matéria actualmente prevista nos artigos 19 º a 24 º da LTFP)prevista nos artigos 19.º a 24.º da LTFP) 43 Contacto em período de férias Artigo 132.º da LTFP • Antes do início das férias, o trabalhador deve indicar, se possível, ao respetivo empregador público, a forma como pode ser eventualmente contactado. 44
  • 23. 23 A remuneração do período de férias Artigo 152.º da LTFP  Remuneração correspondente àquela que o trabalhador receberia se estivesse em serviço efectivo, à excepção do subsídio de refeição  Subsídio de férias de valor igual a um mês de remuneração base mensal, pago no mês de Junho de cada ano ou,  …em conjunto com a remuneração mensal do mês anterior ao do gozo de férias, quando a aquisição do respectivo direito ocorrer em momento posterior  A suspensão do contrato por doença não prejudica o direito ao subsídio de férias  O aumento ou a redução do período de férias (n.ºs 4 e 5 do art.º 126.º), não implicam o aumento ou a redução correspondentes na remuneração ou no subsídio de férias 45 O regime da tolerância de ponto 46
  • 24. 24 O regime da tolerância de ponto A tolerância de ponto traduz-se na dispensa de comparência ao serviço concedida aos trabalhadores que em determinado dia útil estão vinculados ao dever de assiduidade:  Não é considerado como feriado  Não suspende as férias  Os trabalhadores que se encontrem em gozo de férias não têm direito a mais um dia de férias por compensação  Não há lugar ao pagamento de subsídio de refeição 47 O regime das faltas 48
  • 25. 25 O regime das faltas  A aplicabilidade do CT no quadro do princípio geral inscrito o n.º 1 do artigo 122.º  A noção de falta dada pelo artigo 248.º do CT  Elenco taxativo de justificações atendíveis (faltas justificadas): o artigo 134.º, n.º 2 da LTFP e o seu confronto com o catálogo impresso no artigo 249.º, n.º 2 do CT  A inaplicabilidade da alínea i) do n.º 2 do artigo 249.º do CT (falta autorizada ou aprovada pelo empregador)  Imperatividade do regime das faltas, nos termos do n.º 5 do artigo 134.º da LTFPLTFP  Comunicação da falta: o artigo 235.º do CT  Admissibilidade de qualquer meio de prova (regra): o regime do artigo 254.º do CT 49 O regime das faltas A noção de falta dada pelo artigo 133.º da LTFP e pelo artigo 248.º do CT:  Ausência de trabalhador do local em que devia desempenhar a atividade durante o período normal de trabalho diário  Em caso de ausência do trabalhador por períodos inferiores ao período normal de trabalho diário, os respetivos tempos são adicionados para determinação da falta 50
  • 26. 26 O regime das faltas Elenco taxativo de justificações atendíveis (faltas justificadas) - o artigo 134.º, n.º 2 da LTFP e o seu confronto com o catálogo impresso no artigo 249.º, n.º 2 do CT:  As dadas, durante 15 dias seguidos, por altura do casamento  As motivadas por falecimento do cônjuge, parentes ou afins  As motivadas pela prestação de provas em estabelecimento de ensino  As motivadas por impossibilidade de prestar trabalho devido a facto que não seja imputável ao trabalhador, nomeadamenteq j p , observância de prescrição médica no seguimento de recurso a técnica de procriação medicamente assistida, doença, acidente ou cumprimento de obrigação legal 51 O regime das faltas Elenco taxativo de justificações atendíveis (faltas justificadas) - o artigo 134.º, n.º 2 da LTFP e o seu confronto com o catálogo impresso no artigo 249.º, n.º 2 do CT:  As motivadas pela prestação de assistência inadiável e imprescindível a filho, a neto ou a membro do agregado familiar do trabalhador  As motivadas por deslocação a estabelecimento de ensino de responsável pela educação de menor por motivo da situação educativa deste, pelo tempo estritamente necessário, até quatro h t i t dhoras por trimestre, por cada menor  As de trabalhador eleito para estrutura de representação coletiva dos trabalhadores 52
  • 27. 27 O regime das faltas Elenco taxativo de justificações atendíveis (faltas justificadas) - o artigo 134.º, n.º 2 da LTFP e o seu confronto com o catálogo impresso no artigo 249.º, n.º 2 do CT:  As dadas por candidatos a eleições para cargos públicos, durante o período legal da respetiva campanha eleitoral, nos termos da correspondente lei eleitoral  As motivadas pela necessidade de tratamento ambulatório, realização de consultas médicas e exames complementares de diagnóstico, que não possam efetuar-se fora do período normal de t b lh ó l t t it t á itrabalho e só pelo tempo estritamente necessário  As motivadas por isolamento profilático  As dadas para doação de sangue e socorrismo 53 O regime das faltas Elenco taxativo de justificações atendíveis (faltas justificadas) - o artigo 134.º, n.º 2 da LTFP e o seu confronto com o catálogo impresso no artigo 249.º, n.º 2 do CT:  As motivadas pela necessidade de submissão a métodos de seleção em procedimento concursal  As dadas por conta do período de férias  As que por lei sejam como tal consideradas 54
  • 28. 28 O regime das faltas Faltas por altura do casamento - alínea a):  O trabalhador tem direito a faltar 15 dias seguidos por altura do casamento Faltas por motivo de falecimento de cônjuge, parente ou afim – alínea b):  Até cinco dias consecutivos, por falecimento de cônjuge não separado de pessoas e bens, de parente ou afim no 1.º grau na linha reta, ou de pessoa que viva em união de facto ou economia comum com o trabalhador, nos termos previstos em legislação específica - Pais/Filhos/Sogrostermos previstos em legislação específica Pais/Filhos/Sogros  Até dois dias consecutivos, por falecimento de outro parente ou afim na linha reta ou no 2.º grau da linha colateral - Avós/Netos/Irmãos 55 O regime das faltas Falta para assistência a membro do agregado familiar - alínea e) e artigo 252.º do CT:  Até 15 dias por ano para prestar assistência inadiável e imprescindível em Até 15 dias por ano para prestar assistência inadiável e imprescindível, em caso de doença ou acidente, a cônjuge ou pessoa que viva em união de facto ou economia comum com o trabalhador, parente ou afim na linha reta ascendente ou no 2.º grau da linha colateral  Acrescem 15 dias por ano, no caso de prestação de assistência inadiável e imprescindível a pessoa com deficiência ou doença crónica, que seja cônjuge ou viva em união de facto com o trabalhador  No caso de assistência a parente ou afim na linha reta ascendente, não é exigível a pertença ao mesmo agregado familiar 56
  • 29. 29 O regime das faltas Falta para assistência inadiável e imprescindível a filho ou neto - alínea e):  Segue o regime previsto nos artigos 49.º e 50.º do CT no âmbito da parentalidade 57 O regime das faltas Falta por conta do período de férias - alínea m):  O trabalhador pode faltar dois dias por mês por conta do período de férias, até ao máximo de 13 dias por ano, os quais podem ser utilizados em í d d i di ( ti 188 º RCTFP)períodos de meios dias (artigo 188.º RCTFP)  Relevam, segundo opção do interessado, no período de férias do próprio ano ou do ano seguinte  Nos casos em que as faltas determinem perda de remuneração, as ausências podem ser substituídas, se o trabalhador assim o preferir, por dias de férias, na proporção de um dia de férias por cada dia de falta, desde que seja salvaguardado o gozo efetivo de 20 dias de férias ou dadesde que seja salvaguardado o gozo efetivo de 20 dias de férias ou da correspondente proporção, se se tratar do ano de admissão, mediante comunicação expressa do trabalhador ao empregador público (artigo 193.º, n.º 2 RCTFP) 58
  • 30. 30 Imperatividade do regime das faltas Artigo 134.º, n.º 5 da LTFP e artigo 250.º do CT: As disposições relativas aos tipos de faltas e à sua duração não podem serAs disposições relativas aos tipos de faltas e à sua duração não podem ser objeto de instrumento de regulamentação coletiva de trabalho, salvo tratando- se das situações previstas na alínea g) do n.º 2 do artigo 135.º (as faltas dadas por trabalhador eleito para estrutura de representação coletiva dos trabalhadores) 59 A justificação das faltas – comunicação da ausência Artigo 253.º do CT:  A ausência, quando previsível, é comunicada ao empregador, acompanhada da indicação do motivo justificativo com a antecedênciaacompanhada da indicação do motivo justificativo, com a antecedência mínima de cinco dias  Caso esta antecedência não possa ser respeitada, nomeadamente por a ausência ser imprevisível com a antecedência de cinco dias, a comunicação ao empregador é feita logo que possível  A comunicação é reiterada em caso de ausência imediatamente subsequente à prevista em comunicação anterior, mesmo quando aq p ç , q ausência determine a suspensão do contrato de trabalho por impedimento prolongado  O incumprimento do disposto neste artigo determina que a ausência seja injustificada 60
  • 31. 31 A justificação das faltas – prova do motivo justificativo da falta Artigo 254.º do CT:  O empregador pode, nos 15 dias seguintes à comunicação da ausência, exigir ao trabalhador prova de facto invocado para a justificação a prestarexigir ao trabalhador prova de facto invocado para a justificação, a prestar em prazo razoável  A prova da situação de doença do trabalhador é feita por declaração de estabelecimento hospitalar, ou centro de saúde ou ainda por atestado médico  A situação de doença pode ser verificada por médico  A apresentação ao empregador de declaração médica com intuito fraudulento constitui falsa declaração para efeitos de justa causa de despedimento 61 Os efeitos das faltas – falta justificada Artigo 134.º, n.º 4 da LTFP e artigo 255.º do CT:  Faltas previstas nas alíneas a) a h) e n) do n.º 1 do artigo 134.º não afectam qualquer direito do trabalhador, mas implicam a perda de remuneração, nosqualquer direito do trabalhador, mas implicam a perda de remuneração, nos termos previstos nos números 1 e 2 do artigo 255.º do CT, aplicável ex vi alínea a) do n.º 3 do artigo 134.º da LTFP  Faltas previstas nas alíneas i) a l) do n.º 1 do artigo 134.º - não afetam qualquer direito do trabalhador, nem implicam perda de remuneração (alínea b) do n.º 3 do artigo 134.º)  Faltas dadas por conta do período de férias (alínea m)) - seguem o regime do artigo 135 º da LTFPdo artigo 135. da LTFP  As faltas para assistência a filho e para assistência a neto não determinam a perda de quaisquer direitos, salvo quanto à retribuição, e são consideradas como prestação efetiva de trabalho 62
  • 32. 32 Os efeitos das faltas – falta para assistência a familiares Artigo 40.º da Lei n.º 35/2014, artigo 134.º, n.º 4, alínea a) da LTFP e artigo 255.º do CT:  Trabalhadores nomeados e contratados integrados no RPSC:  Artigo 40.º da Lei n.º 35/2014, de 20 de Junho: Têm direito ao subsídio Perdem remuneração Têm direito ao subsídio previsto no artigo 36.º do DL n.º 89/2009 63 Os efeitos das faltas – falta para assistência a familiares Artigo 40.º da Lei n.º 35/2014, artigo 134.º, n.º 4, alínea a) da LTFP e artigo 255.º do CT:  Trabalhadores nomeados e contratados integrados no RGSS:  Artigo 255.º, n.º 2, alínea c): Perdem remuneração Não têm direito a qualquer subsídio 64
  • 33. 33 Os efeitos das faltas – falta injustificada Artigo 256.º do CT:  Vi l ã d d d id id d d t i d d t ib i ã Violação do dever de assiduidade e determina perda da retribuição correspondente ao período de ausência, que não é contado na antiguidade do trabalhador  A falta injustificada a um ou meio período normal de trabalho diário, imediatamente anterior ou posterior a dia ou meio dia de descanso ou a feriado, constitui infração grave  Neste caso, o período de ausência a considerar para efeitos da perda de retribuição correspondente ao período de ausência abrange os dias ou meios- dias de descanso ou feriados imediatamente anteriores ou posteriores ao dia de falta 65 Os efeitos das faltas – falta injustificada Artigo 256.º do CT:  No caso de apresentação de trabalhador com atraso injustificado: a) Sendo superior a sessenta minutos e para início do trabalho diário, o empregador pode não aceitar a prestação de trabalho durante todo o período normal de trabalho b) Sendo superior a trinta minutos, o empregador pode não aceitar a prestação de trabalho durante essa parte do período normal de trabalho 66
  • 34. 34 As faltas por doença e a justificação da doença Artigos 136.º a 143.º da LTFP: Trabalhadores integrados no Regime Geral de Segurança Social  Plano do direito laboral:  Aplica-se a LTFP  Perda da remuneração (artigo 134.º, n.º 4, alínea a) da LTFP e artigo 255.º, n.º 2, alínea a) do CT)  Suspensão do contrato se o impedimento temporário se prolongar efectiva ou previsivelmente para além de 30 dias (artigo 278.º, n.º 1 da LTFP) – efeitos nas férias  Os efeitos das faltas por doença não se aplicam a trabalhadores d fi i t d d ó i i id ddeficientes sempre que decorram da própria incapacidade  As faltas por doença implicam sempre a perda do subsídio de refeição  As faltas por doença podem ser substituídas por faltas por conta do período de férias 67 As faltas por doença e a justificação da doença Artigos 136.º a 143.º da LTFP: Trabalhadores integrados no Regime Geral de Segurança Social  Pl d di it d S S i l Plano do direito da Segurança Social:  Aplica-se o Decreto-Lei n.º 28/2004, de 4 de Fevereiro  Período de espera nos três primeiros dias de incapacidade temporária para o trabalho, sem direito a qualquer subsídio  Direito ao subsídio de doença a partir do 4.º dia de incapacidade temporária para o trabalho 68
  • 35. 35 As faltas por doença e a justificação da doença Artigos 136.º a 143.º da LTFP: Trabalhadores integrados no Regime Geral de Segurança Social (nomeados e contratados) É importante a entrega do CIT pelo trabalhador junto da Segurança Social, para que, mesmo não havendo lugar ao pagamento de subsídio nos três primeiros dias de incapacidade, haja equiparação à entrega de contribuições para efeitos da carreira contributiva 69 As faltas por doença e a justificação da doença Artigos 15.º a 40.º da Lei n.º 35/2014, de 20 de Junho: Trabalhadores integrados no Regime de Protecção Social Convergente (nomeados e contratados)  Reproduzem o regime das faltas por doença que constava dos artigos 29.º a 51.º do Decreto-Lei n.º 100/99, de 31 de Março, na sua última redacção  Artigo 15.º mantém as alterações introduzidas no artigo 29.º pela LOE 2013 (artigo 76.º da Lei n.º 66.º-B/2012, de 31 de Dezembro)  Artigo 16.º reproduz o artigo 29.º-A aditado ao Decreto-Lei n.º 100/99 pelo ti 70 º d D t L i º 36/2013 d 11 d M )artigo 70.º do Decreto-Lei n.º 36/2013, de 11 de Março) 70
  • 36. 36 As faltas por doença e a justificação da doença Artigos 15.º a 40.º da Lei n.º 35/2014, de 20 de Junho: Trabalhadores integrados no Regime de Protecção Social Convergente  Pl d di it l b l d di it d t ã i l Plano do direito laboral e do direito da protecção social:  Aplica-se a Lei n.º 35/2014, de 20 de Junho  Perda da totalidade da remuneração diária nos primeiro, segundo e terceiro dias de incapacidade temporária, nas faltas seguidas ou interpoladas  Perda de 10% da remuneração diária, a partir do 4.º dia e até ao 30.º dia de incapacidade temporária  Remuneração do trabalhador durante a incapacidade temporária é Remuneração do trabalhador durante a incapacidade temporária é suportada pelo empregador público  Uma “remuneração” garantida a título de prestação social 71 As faltas por doença e a justificação da doença Artigos 15.º a 40.º da Lei n.º 35/2014, de 20 de Junho: Trabalhadores integrados no Regime de Protecção Social Convergente  Pl d di it l b l d di it d t ã i l Plano do direito laboral e do direito da protecção social:  Suspensão do contrato se o impedimento temporário se prolongar efectiva ou previsivelmente para além de 30 dias (artigo 278.º, n.º 1 da LTFP) – efeitos nas férias  Os efeitos das faltas por doença não se aplicam a trabalhadores deficientes sempre que decorram da própria incapacidade  As faltas por doença implicam sempre a perda do subsídio de refeição  As faltas por doença podem ser substituídas por faltas por conta do As faltas por doença podem ser substituídas por faltas por conta do período de férias 72
  • 37. 37 As faltas por doença e a justificação da doença Artigos 15.º a 40.º da Lei n.º 35/2014, de 20 de Junho: Trabalhadores integrados no Regime de Protecção Social Convergente  C i t ib ti Carreira contributiva: Contribuições devidas à CGA nos primeiros 30 dias de incapacidade temporária para o trabalho  Mantém-se a totalidade das contribuições para a CGA por parte da entidade empregadora pública (23,75% da remuneração sujeita a desconto de quota nos termos do Estatuto da Aposentação)  Por parte do trabalhador não há pagamento da respetiva contribuição nos três primeiros dias de faltas por incapacidade temporária (11% datrês primeiros dias de faltas por incapacidade temporária (11% da remuneração base de incidência)  Existindo perda parcial da remuneração (10% do 4.º ao 30.º dia), a equivalência à entrada de contribuições respeita apenas à diferença entre a remuneração relevante auferida e aquela que o trabalhador auferiria se estivesse em exercício efetivo de funções 73 As licenças consideradas como vicissitudes modificativas 74
  • 38. 38 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público  Cedência de interesse público – artigos 241.º a 244.º da LTFP  Reafectação de trabalhadores em caso de reorganização de serviços e racionalização de efectivos – artigos 245.º a 275.º da LTFP  Redução da actividade ou suspensão do vínculo de emprego público – artigos 276.º a 279.º da LTFP  Licenças – artigos 280.º a 283.º da LTFP  Pré-reforma – artigos 284.º a 287.º 75 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Redução da actividade ou suspensão do vínculo de emprego público Factos que as determinam: Parcial – redução da actividade • Impossibilidade temporária da prestação do trabalho por facto respeitante ao trabalhador Parcial redução da actividade Total – suspensão do contrato • Acordo de pré-reforma entre o trabalhador e o empregador público: modificação convencional do CT 76
  • 39. 39 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Efeitos da redução da actividade ou suspensão do vínculo de emprego público A sobrevivência do vínculo mantém-se até ao limite extremo da sua provável utilidade para as partes: a) Conservação do vínculo – manutenção do contrato em estado de inexecução (art.º 277.º, n.º 1 da LTFP); b) O vínculo não pode desfazer-se por esta causa impeditiva, mas não fica imune a outras que porventura ocorram durante o próprio período de suspensão (art º 231 º n º 3 infrações disciplinares);suspensão (art.º 231.º, n.º 3 – infrações disciplinares); c) Permanência de deveres acessórios (art.º 277.º, n.º 1 da LTFP): o trabalhador está integrado na organização; 77 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Efeitos da redução da actividade ou suspensão do vínculo de emprego público d) Paralisação dos efeitos do contrato condicionados pela prestação de trabalho [a remuneração, o direito a férias (que permanece em estado latente)] e) Contagem para efeitos de antiguidade – não há quebra da continuidade da relação laboral, apenas a sua suspensão (art.º 277, n.º 2 da LTFP); f) Não interrompe o decurso do prazo para efeitos de caducidade; g) Não obsta a que qualquer parte das partes faça cessar o contrato nos termos gerais (art º 277 n º 3 da LTFP)termos gerais (art.º 277, n.º 3 da LTFP) 78
  • 40. 40 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Suspensão do vínculo de emprego público por facto determinante ao trabalhador F t d t i t• Factos determinantes:  Existência de um impedimento temporário de duração superior a um mês;  Ligação desse impedimento à pessoa do trabalhador;  Imputabilidade do impedimento ao trabalhador a título de culpa (a culpa grave do trabalhador - envolvendo intencionalidade) e não situações de mera negligência – situações disciplinaresmera negligência – situações disciplinares 79 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Regresso do trabalhador à actividade No dia imediato ao da cessação do impedimento O trabalhador constitui-se no dever de se apresentar à entidade empregadora Sob pena de incorrer em faltas injustificadas 80
  • 41. 41 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público As licenças sem remuneração • Salvo algumas excepções a LTFP opta por um catálogo aberto de licençasSalvo algumas excepções, a LTFP opta por um catálogo aberto de licenças • Empregador público pode conceder licenças sem remuneração a pedido do trabalhador (artigo 280.º, n.º 1) • O direito à concessão de determinadas licenças sem remuneração – para frequência de cursos de formação (artigo 280.º, n.º 2) • Licença sem remuneração para acompanhamento de cônjuge colocado no estrangeiro (artigo 282.º) • Licença sem remuneração para o exercício de funções em organismosç ç p ç g internacionais (artigo 283.º) • Licenças fundadas em circunstâncias de interesse público 81 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Artigo 281.º Efeitos  A concessão da licença determina a suspensão do vínculo:  Mantêm-se os direitos, deveres e garantias das partes, na medida em que não pressuponham a efetiva prestação de trabalho  A licença não interrompe o decurso do prazo para efeitos de caducidade do contrato  O período de tempo de licença não conta para efeitos de antiguidade (salvo as exceções a seguir…) 82
  • 42. 42 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Artigo 281.º Efeitos  Nas licenças previstas para:  Acompanhamento do cônjuge colocado no estrangeiro  O exercício de funções em organismos internacionais  E noutras licenças fundadas em circunstâncias de interesse público  O trabalhador tem direito à contagem do tempo para efeitos de antiguidade e pode continuar a efetuar descontos para a ADSE ouantiguidade e pode continuar a efetuar descontos para a ADSE ou outro subsistema de saúde de que beneficie, com base na remuneração auferida à data do início da licença 83 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Artigo 281.º Efeitos  Nas licenças:  De duração inferior a um ano  Acompanhamento do cônjuge colocado no estrangeiro  O exercício de funções em organismos internacionais  E noutras licenças fundadas em circunstâncias de interesse público  O trabalhador tem direito à ocupação de um posto de trabalho no O trabalhador tem direito à ocupação de um posto de trabalho no órgão ou serviço quando terminar a licença 84
  • 43. 43 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Artigo 281.º Efeitos  Nas restantes licenças:  O trabalhador que pretenda regressar ao serviço e cujo posto de trabalho se encontre ocupado, deve aguardar a previsão, no mapa de pessoal, de um posto de trabalho não ocupado, podendo candidatar-se a procedimento concursal para outro órgão ou serviço para o qual reúna os requisitos exigidos  Este regime é também aplicável ao regresso antecipado do Este regime é também aplicável ao regresso antecipado do trabalhador em gozo de licença sem remuneração 85 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Artigo 282.º Licença sem remuneração para acompanhamento do cônjuge colocado no estrangeiro  O trabalhador tem direito a licença sem remuneração para acompanhamento do respetivo cônjuge, quando:  O cônjuge, tenha ou não a qualidade de trabalhador em funções públicas  For colocado no estrangeiro  Por período de tempo superior a 90 dias ou indeterminado  Em missões de defesa Em missões de defesa  Ou representação de interesses do País  Ou em organizações internacionais de que Portugal seja membro 86
  • 44. 44 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Artigo 282.º Licença sem remuneração para acompanhamento do cônjuge colocado no estrangeiro  A licença é concedida pelo dirigente competente, a requerimento do interessado, devidamente fundamentado  Se a licença for concedida por período inferior a 2 anos, o trabalhador:  Tem direito à contagem do tempo para efeitos de antiguidade e pode continuar a efetuar descontos para a ADSE ou outro subsistema de saúde de que beneficie, com base na remuneração auferida à data do início da licença  Tem direito à ocupação de um posto de trabalho no órgão ou serviço quando terminar a licença 87 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Artigo 282.º Licença sem remuneração para acompanhamento do cônjuge colocado no estrangeiro  Se a licença for concedida por período igual ou superior a 2 anos, o trabalhador:  Que pretenda regressar ao serviço e cujo posto de trabalho se encontre ocupado, deve aguardar a previsão, no mapa de pessoal, de um posto de trabalho não ocupado, podendo candidatar-se a procedimento concursal para outro órgão ou serviço para o qual reúna os requisitos exigidos 88
  • 45. 45 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Artigo 282.º Licença sem remuneração para acompanhamento do cônjuge colocado no estrangeiro  A licença tem a mesma duração que a da colocação do cônjuge no estrangeiro, podendo iniciar-se em data posterior à do início das funções do cônjuge no estrangeiro, desde que o interessado alegue conveniência nesse sentido ou antecipar-se o regresso a pedido do trabalhador  Finda a colocação do cônjuge no estrangeiro, o trabalhador pode requerer ao dirigente máximo do respetivo serviço o regresso àrequerer ao dirigente máximo do respetivo serviço o regresso à atividade, no prazo de 90 dias, a contar da data do termo da situação de colocação daquele no estrangeiro 89 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Artigo 282.º Licença sem remuneração para acompanhamento do cônjuge colocado no estrangeiro  Caso o trabalhador não requeira o regresso à atividade nos termos do número anterior, presume-se a sua vontade de extinguir o vínculo de emprego público por denúncia ou exoneração a pedido do trabalhador 90
  • 46. 46 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Artigo 283.º Licença sem remuneração para o exercício de funções em organismos internacionais  A licença sem remuneração para exercício de funções em organismos internacionais pode ser concedida por despacho dos membros do Governo responsáveis pela área dos negócios estrangeiros e pelo serviço a que pertence o trabalhador revestindo, conforme os casos, uma das seguintes modalidades: 91 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Artigo 283.º Licença sem remuneração para o exercício de funções em organismos internacionais  Licença para o exercício de funções com caráter precário ou experimental, com vista a uma integração futura no respetivo organismo - tem a duração do exercício de funções com caráter precário ou experimental para que foi concedida  Licença para o exercício de funções em quadro de organismo internacional - é concedida pelo período de exercício de funçõesinternacional - é concedida pelo período de exercício de funções 92
  • 47. 47 Vicissitudes modificativas do vínculo de emprego público Artigo 283.º Licença sem remuneração para o exercício de funções em organismos internacionais  O exercício de funções nos termos deste artigo implica que o interessado faça prova, no requerimento a apresentar para concessão da licença ou para o regresso, da sua situação face à organização internacional, mediante documento comprovativo a emitir pela mesma 93 MUITO OBRIGADO 94