Áreas de risco condicionantes geomorfológicos - 26/06/2012

492 visualizações

Publicada em

Apresentação feita na mesa sobre Áreas de Risco e Saneamento Básico no primeiro SEMINÁRIO TÉCNICO DE PLANEJAMENTO E MOBILIDADE URBANA em 26 DE JUNHO DE 2012

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
492
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Áreas de risco condicionantes geomorfológicos - 26/06/2012

  1. 1. Estado de Santa Catarina Secretaria do Estado de Planejamento Conselho Estadual das Cidades Iº Seminário Técnico de Mobilidade Urbana Áreas de Risco: Condicionantes Geomorfológicos Maria Lucia de Paula Herrmann Professora PPGeo-UFSC Florianópolis, 26 junho de 2012
  2. 2. CONCEITOS BÁSICOS DE RISCO E DE ÁREAS DE RISCO EVENTO Fenômeno com características, dimensões e localização geográfica registrada no tempo. PERIGO (HAZARD) Condição com potencial para causar uma conseqüência desagradável. VULNERABILIDADE Grau de perda para um dado elemento ou grupo dentro de uma área afetada por um processo. SUSCETIBILIDADE Indica a potencialidade de ocorrência de processos naturais e induzidos em áreas de interesse ao uso do solo, expressando-se segundo classes de probabilidade de ocorrência RISCO Probabilidade de ocorrer um efeito adverso de um processo sobre um elemento. Relação entre perigo e vulnerabilidade, pressupondo sempre a perda. ÁREA DE RISCO Área passível de ser atingida por processos naturais e/ou induzidos que causem efeito adverso. As pessoas que habitam essas áreas estão sujeitas a danos à integridade física, perdas materiais e patrimoniais. Normalmente, essas áreas correspondem a núcleos habitacionais de baixa renda (assentamentos precários).
  3. 3. Desastres Naturais As ocorrências de eventos naturais extremos, como tempestades severas, em áreas povoadas ou urbanizadas causando impactos sócio-econômicos significativos, são denominadas como desastres naturais (Degg, 1992; Alexander, 1995).
  4. 4. Desastres naturais em Santa Catarina no período de 1980 a 2007 0 200 400 600 800 1000 1200 1400NúmerodeOcorrências IG IB ESC ES GR VE TOR MA
  5. 5. DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA INUNDAÇÕES E DESLIZAMENTOS E suas consequencias na mobilidade urbana
  6. 6. Queda de blocos ao longo das estradas Foto AndréV. Nunes
  7. 7. Escorregamentos em áreas urbanas-Blumenau Foto Juan
  8. 8. Desmoronamento de rodovia. Fonte: Eng. Luiz Fernando Sales
  9. 9. Erosão nas margens dos rios Foto André V. Nunes
  10. 10. Foto da localidade Alto do Baú, Ilhota-SC, inundação de novembro 2008. Fonte: clickrbs.com.br.
  11. 11. Foto André Nunes
  12. 12. Foto André V.Nunes
  13. 13. Inundações em áreas industriais FotoAndré V..Nunes
  14. 14. O que devemos fazer para evitar isso? Inundações e escorregamentos em áreas urbanas:
  15. 15. 290000 390000 490000 590000 690000 6800000690000070000007100000 T A E S D O D O P N ÁA AR MESORREGIÕES DO ESTADO DE SANTA CATARINA Carta Imagem do Satélite Landsat 7 – ETM+ Fusão dos canais – visível, infravermelho e pancromático N 30 km 0 30 60 km Projeção Universal Transversa de Mercartor Datum WGS 84 Fonte do Mosaico: U.S. Geological Survey Chapecó MESORREGIÂO OESTE CATARINENSESão Miguel Curitibanos Caçador Videira Concórdia Xanxerê Rio do Sul MESORREGIÂO NORTE CATARINENSE Lages Blumenau Joinville Florianópolis Canoinhas São Joaquim Tubarão Criciúma MESORREGIÂO VALE DO ITAJAÍ MESORREGIÂO SERRANA MESORREGIÂO SUL CATARINENSE Araranguá E L S T U A D O S D O R I O O G E R D A N D ARGENTINA 490000390000290000 690000590000 7000000690000071000006800000 Itajaí MESORREGIÂO GRANDE FLORIANÓPOLIS
  16. 16. Baixo vale da bacia hidrogrBaixo vale da bacia hidrográáfica do rio Itajafica do rio Itajaíí--AAççu.u. Fonte: REFOSCO, 2003. ElaboraFonte: REFOSCO, 2003. Elaboraçção: Soraia L.ão: Soraia L. PorathPorath,,S/d,,S/d
  17. 17. Municípios do Estado de Santa Catarina classificados com freqüência (Muito Alta) de Desastres Naturais no período 1980 a 2007. Fonte: Herrmann et al., (2007
  18. 18. 590000 690000 79000069000007000000 MESORREGIÃO VI – GRANDE FLORIANÓPOLIS 790000 Florianópolis ItajaíBlumenau Rio do Sul São Joaquim 59000070000006900000 590000 MESORREGIÃO V – GRANDE FLORIANÓPOLIS Carta Imagem do Satélite Landsat 7 – ETM + Fusão dos canais – visível, infravermelho e pancromático N Projeção Universal Transversa de Mercartor Datum WGS 84 Fonte do Mosaico: U.S. Geological Survey 25 km 0 25 50 km 0 10 20 30 40 50 60 % IG IB ESC ES GR VE TOR DesastresNaturais Total: 288
  19. 19. Area conurbada de Florianopolis
  20. 20. Municipios 1991 2010 Densidade demográfica Hab/km2 Florianópolis 255 360 421 240 627 São José 139 493 209 804 1 388,17 Palhoça 68 484 137 334 347,68 Biguaçu 34 063 58 206 155,44 497 376 826 584 Estado de Santa Catarina População 2010 6 248 430 hab Densidade 65, 29 hab/km2
  21. 21. ASPECTOS QUE CONDICIONAM A OCORRÊNCIA DE ENCHENTES E INUNDAÇÕES FATORES NATURAIS • Pluviometria; • Relevo; •Tamanho e forma da bacia; • Gradiente hidráulico do rio; • Dinâmica de escoamento pluvial. FATORESANTRÓPICOS • Impermeabilização dos terrenos; • Obras e intervenções estruturais diversas ao longo dos cursos d’água; • Erosão e assoreamento. Modificações no hidrograma pela impermeabilização da bacia
  22. 22. • Ocorrências desastres naturais (Movimentos de Massa, enchentes)- Florianópolis 1970 a 2001 • Data Precipitação Precipitação ocorrências • Diária (Mm) Mensal (Mm • 03 de março de 1971 Queda de bloco • 22 de julho de 1973... 241,9 Queda de blocos e enxurrada • 15 de maio de 1976.. 109,4 Queda de blocos e enxurrada • 28 de maio de 1981 133,8 292,9 Escorregamento e enxurrada • 25 de março de 1982 109,1 443,1 Escorregamento e enxurrada • 07 de janeiro de 1983... 134,9 Escorregamento e enxurrada • 14 de julho de 1983 Escorregamento • 17 de dezembro de 1983 144,0 365,5 Escorregamento e enchente parcial • 06 de agosto de 1984 Queda de bloco e escorregamento • 17 de junho de 1985 Queda de bloco • 24 de janeiro de 1986 Queda de bloco • 21 de setembro de 1986 101 Queda de blocos, escor. e enxurrada • 09 de novembro de 1986 Escorregamento • 10 de outubro de 1986 160,7 246,0 Escorregamento e enxurrada • 13 de janeiro de 1987... 267,5 Queda de blocos • 6 de janeiro de 1989 94,4 357,6 Escorregamento e enchente parcial • 12 de setembro de 1989 89,0 228,3 Escorg.e enchente parcial (212 desab. 2mortes) • 2 de janeiro de 1990 27,3 250,9 Escorregamento e enxurrada • 10 de janeiro de 1990 20,5 250,9 Escorregamento e enxurrada • 11 de fevereiro de 1990 155,1 283,6 Escorregamento e enxurrada • 14 de novembro de 1991 404,8 584,9 Estado de calamidade pública (1.500 desabrig.) • 5 de janeiro de 1993 8,1 245,2 Escorregamento e enxurrada • 5 de maio de 1993 60,3 105, 0 Escorregamento e enxurrada • 2 de julho de 1993 93,5 185,6 Escorregamento e enxurrada • 22 de fevereiro de 1994 227,4 432,7 Escorregamento e enchente parcial • 28 de dezembro de 1995 411,9 563 ,0 Estado de calamidade pública (500 desab,1morte) 3/4 de fevereiro de 2001 378,7 Escorregamento e enxurrada • 12 de dezembro de 2003 Desabamento de residência • 29 de março de 2004 Queda de bloco e barreira • 10 de abril de 2004 Queda de barreira • Fonte: adaptado de Herrmann (1998a, p.54), Formulário de Avaliação de Danos- AVADAN/Defesa Civil-SC, • 2001, Alexandre (1998), Rego Neto (1988), Corpo de Bombeiros/SC. (S.SAITO ,2004).
  23. 23. Cicatriz de escorregamento em Florianopolis na SC 101 em Dez de 1995
  24. 24. Queda de bloco Florianópolis. Foto Jornal a noticia, jan.2006
  25. 25. Flagrante da enchente que alagou as ruas do Parque São Jorge, no bairro Itacorubi em 02/02/2000. (Fotografia: Sydnei Cruz, Diário Catarinense.
  26. 26. IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E MAPEAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE ESCORREGAMENTOS CONCEITOS TALUDE NATURAL – ENCOSTA Superfície natural inclinada unindo outras duas com diferentes potenciais gravitacionais. TALUDE DE CORTE- Talude natural com algum tipo de escavação. TALUDEARTIFICIAL-Taludes de aterros diversos (rejeitos, bota-foras, etc.). ELEMENTOSGEOMÉTRICOS BÁSICOS DOTALUDE INCLINAÇÃO: Arco tangente da amplitude (H) dividida pelo comprimento na horizontal (L). α =ARCTAN (H/L) DECLIVIDADE. Porcentagem da amplitude (H) dividida pelo comprimento na horizontal (L). D(%) = (H/L)x100 D (%) = (H/L)x100 α =ARCTAN (H/L) 6% ~ 3° 12% ~ 7° 20% ~ 11° 30% ~ 17° 50% ~ 27° 100% ~ 45°
  27. 27. 2o Passo – Caracterização do local Descrever a caracterização do local da moradia ou grupo de moradias, •Tipo de talude: natural ou corte •Tipo de material: solo, aterro, rocha • Presença de materiais: blocos de rocha e matacões, lixo e entulho. • Inclinação da encosta ou corte • Distância da moradia ao topo ou base dos taludes
  28. 28. IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E MAPEAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE ENCHENTES E INUNDAÇÕES Este tópico do curso visa mostrar aspectos de interesse ao estudo de enchentes e inundações, com base no entendimento dos diferentes tipos de processos e proposição de medidas de gestão, a partir da identificação e análise de cenários de risco ocorrentes em cidades brasileiras. ASPECTOS CONCEITUAIS ENCHENTE Elevação temporária do nível d´água em um canal de drenagem devida ao aumento da vazão ou descarga. INUNDAÇÃO Fenômeno de extravasamento das águas do canal de drenagem para as áreas marginais (planície de inundação, várzea ou leito maior do rio) quando a enchente atinge cota acima do nível máximo da calha principal do rio. ÁREA DE RISCO DE ENCHENTE E INUNDAÇÃO Área passível de ser atingida por processos de enchente e inundação. As pessoas que habitam essas áreas estão sujeitas a danos à integridade física, perdas materiais e patrimoniais. Normalmente, essas áreas correspondem a núcleos habitacionais de baixa renda (assentamentos precários). EFEITOS ADVERSOS DE ENCHENTES E INUNDAÇÕES EFEITOS DIRETOS • Mortes; • Destruição de moradias; • Perdas econômicas diversas; • Gastos com recuperação. EFEITOS INDIRETOS • Surtos de Leptospirose.
  29. 29. As justificativas para as inundações catastróficas, escorregamentos calamitosos, passam pelas mudanças climáticas globais e vão até a pressão antrópica sobre os recursos naturais, destacando-se a urbanização intensa em áreas de planície aluvial e/ou encostas declivosas, bem como o desmatamento generalizado, principalmente em áreas de cabeceiras de drenagem. Cabe, no momento, concentrar esforços no sentido de minimizar seus efeitos adversos e procurar respeitar cada vez mais os limites de uso do solo impostos pela natureza Ressalta-se a necessidade de Planejamento territorial, onde se analisam os fatores fisicos - naturais e socioeconomico da área. ( Análise ),se determinam as formas de uso mais corretas e necessárias (diagnóstico ) e estabelecimento de normas que regularizem os usos (recomendação) para ordenação ,manejo e gestão.
  30. 30. RISCOS NATURAIS: NTERAÇÃO ENTRE DINÂMICA NATURAL E AÇÃO ANTRÓPICA
  31. 31. As ocorrências de processos naturais que se transformaram em riscos e demasiadas vezes em catástrofes naturais, têm servido para mostrar que, em muitos exemplos, o homem, com a sua postura e as suas opções de localização, foi um elemento decisivo na magnitude e na intensidade dos impactos negativos verificados. As conseqüências devastadoras, em prejuízos materiais e em perdas de vidas humanas, resultantes de episódios impulsivos da dinâmica atmosférica, com efeitos nas dinâmicas geomorfológica e hidrológica levam a uma reflexão urgente de forma a reequacionar a atuação das ações antrópicas no desenlace final de alguns episódios extremos. crescimento populacional e a urbanização intensa constituem uma das principais causas da degradação ambiental das últimas décadas. As cidades tem sido palco das grandes catástrofes devido a densidade populacional, as tipologias das edificações, os equipamentos públicos de rede de infra – estrutura, entre outros .
  32. 32. Susceptibilidade ( perigosidade) = para definir as características inerentes ao meio (geológico, geomorfológico, climático, hidrológico e antrópico), representando a fragilidade do ambiente em relação aos movimentos em massa, inundações etc. Vulnerabilidade = para definir a predisposição de um sujeito, sistema ou elemento ser afetado por um acidente como por exemplo densidade populacional, rede de infra-estrutura, desflorestamento, entre tantos outro, M. Alheiros, 2003. Risco = possibilidade de ocorrência de danos (econômicos, sociais e ambientais), num determinado momento e local e num certo período de tempo, em conseqüência de um determinado processo ou evento. Para haver risco é preciso que se verifique vulnerabilidade, ou seja, a presença do homem. F. Rebelo, (2003
  33. 33. Susceptibilidade ( perigosidade) = para definir as características inerentes ao meio (geológico, geomorfológico, climático, hidrológico e antrópico), representando a fragilidade do ambiente em relação aos movimentos em massa, inundações etc. Vulnerabilidade = para definir a predisposição de um sujeito, sistema ou elemento ser afetado por um acidente como por exemplo densidade populacional, rede de infra-estrutura, desflorestamento, entre tantos outro, M. Alheiros, 2003. Risco = possibilidade de ocorrência de danos (econômicos, sociais e ambientais), num determinado momento e local e num certo período de tempo, em conseqüência de um determinado processo ou evento. Para haver risco é preciso que se verifique vulnerabilidade, ou seja, a presença do homem. F. Rebelo, (2003
  34. 34. Os Factores naturais e antrópicos nas análises de riscos relacionados a Inundações e escorregamento. - Riscos de Inundações Resultam da interacção de diversos factores naturais (atmosféricos e terrestres) e antrópicos,. fatores de susceptibilidade naturais: A) A precipitação intensa sazonal, que pode levar á inundação de forma lenta e gradual de uma ampla superfície, intensa e concentrada, que origina um aumento súbito do leito do rio e rápido transbordo d’ água, inundando de forma brusca as áreas de planície aluvial. inundações graduais. Ocorrem durante os episódios do fenómeno El Nino, geralmente durante os meses de Inverno e com os sistemas atmosféricos, referente a passagens de sistemas frontais e frentes estacionárias, porém com maior autuação no verão Inundações bruscas, ocorrem predominantemente no verão, Devem-se aos vórtices ciclónicos – que são sistemas atmosféricos de baixa pressão que atuam mais sobre o litoral devido à presença das serras, e ás convecções tropicais, que devido ao calor associado com alta umidade favorece a formação de nuvens tipo cumulo e cúmulo-nimbo, provocando chuvas isoladas, mas intensas B) O Relevo, destacam-se os planos e marginais ao longo dos rios, (planície de inundações), ou os relevos íngremes, com vales encaixados propiciando o rápido escoamento das águas. C) A Saturação do solo, decorrente da precipitação antecedente, apresenta maior relevância quando a chuva é contínua ao longo de vários dias, fato que leva á diminuição da infiltração e consequentemente ao aumento da escoamento favorecendo a rápida chegada das águas pluviais aos leitos dos cursos de água.
  35. 35. Fatores de vulnerabilidade antrópica A actuação antrópica, nomeadamente as transformações do uso do solo, é responsável pela criação de condições de intensificação do fenómeno das inundações. A urbanização aumenta a magnitude e frequência das inundações em, pelo menos, quatro vêzes. A urbanização, ao incrementar as superfícies impermeáveis, como às estradas e edificações, dificulta a infiltração, favorecendo o escoamento. Por outro lado, as superfícies urbanas, associadas a uma densa rede de drenagem superficial e de esgotos subterrâneos, conduzem mais rapidamente a água até aos canais de escoamento. A redução do tempo de concentração da água pode levar a uma diminuição para cerca de metade da defasagem temporal entre o máximo de precipitação e o pico de cheia (A. PEREIRA, 2005). princípios de atuação na gestão do território urbano que devem integrar a estratégia de mitigação do risco de inundação urbana: - O respeito pelo leito dos rios e ribeiros; - Preservação de áreas verdes no seio dos aglomerados urbanos de forma a permitir a infiltração de parte das águas pluviais; - O esforço por projectar (ou se necessário e possível corrigir) redes de drenagens dimensionadas para fluxos de escoamentos excepcionais; - A preocupação com a vigilância do estado de conservação e limpeza das redes de drenagem de águas pluviais;
  36. 36. -Riscos de movimentos de massa Processo natural de evolução das vertentes, podem envolver a movimentação de pequenas partículas, até à queda de blocos e, ainda, fluxos lamacentos. Os movimentos rápidos escorregamentos, solifluxão, etc.) ocorrem nos períodos de abundante precipitação. .- Fatores de suscetibildade natural: Hidroclimáticas- A infiltração, resultante da precipitação, ativa a circulação subterrânea, que se escoa entre a rocha, inalterada e os depósitos sobrejacentes. Quando estes caudais subterrâneos são elevados e associados à água infiltrada pela chuva, podem contribuir para a fluidificação dos depósitos sobrejacentes e criar condições para o seu deslizamento, que muitas vezes se prolonga para jusante através de fluxos lamacentos. (Pedrosa et. al. 2001) geológicos - Os aspectos estruturais, litológicos e tectônicos, condicionam os tipos de movimentos, as suas dimensões e a evolução da área afetada. • A rede de falhas e de fraturas contribui para facilitar a alteração das rochas, a infiltração eficaz da água em níveis profundos, e proporcionar as movimentações das massas superficiais. • Manto de alteração, com espessura e textura variáveis, favorece a eficaz infiltração da água até que se atinja o ponto de saturação ou encontre barreira de rochas resistentes (impermeáveis), que funcionem como plano de deslizamento; • Nas vertentes inclinadas com solos assentados sobre superfície rochosa maciça (granitos, gnaisses pouco alterados), a água gera superfície de lubrificação e facilita o escorregamento; geomorfológicos,- Nas vertentes côncavas o potencial de movimentos de massa é maior do que nas vertentes convexas e retilíneas, pois as côncavas tendem a concentrar água de sobrecarga, que propicia a elevação do nível freático e consequentemente poro-pressão neutra mais elevadas (N. FERNANDES, et. al. 2001, S. SAITO ,2005). As formas dos vales em “V” estão mais sujeitas a escorregamentos do que as dosvales em ”U”, conforme, F. Dias (2000); S. Cristo (2002) e M.Alheiros, et al. (2003).
  37. 37. . Movimentos de massa induzidos pela ação humana: • Nos cortes de vertentes com solos profundos, com fluxo subterrâneo interrompido, por muros, paredes, manta de concreto; • Nas sequências de cortes e aterros conjugados em vertentes muito inclinadas, que possibilitam ultrapassar o limite natural de estabilidade . • Nos morros e cabeceiras de drenagens com alta densidade de barrancos e favelas, onde não há prevenção com as águas servidas, que tendem a saturação do solo. • Nos cortes em baixa vertentes com solos saturados pelas águas do freático cujo fluxo subterrâneo é interrompido por muros de arrimo, gabiões, concreto atirantado. • Remoção da cobertura vegetal, que origina a exposição do solo, perda da estrutura superficial e o aumento da infiltração; • Vazamento na rede de abastecimento de água, de esgoto e presença de fossas que propiciam a saturação do solo e criação de fluxos subterrâneos; • Execução deficiente de aterros, quanto a compactação, sobre canais de drenagens, ou com deficiência de drenagens internas e superficiais; • Lançamento de entulho e lixo nas encostas cujo material heterogéneo possibilita armazenar água durante as chuvas e se instabilizar; • Vibrações produzidas por explosões e circulação de tráfegos pesados Mineração, entre outros.
  38. 38. O que se tem observado, infelizmente, é que o problema de ocupação em áreas de risco só é discutido por todos (políticos, órgãos públicos responsáveis, população, imprensa), quando ocorrem catástrofes. Após os períodos de grandes precipitações chuvosas, a população volta a ocupar as áreas de risco, os órgãos fiscalizadores relaxam a fiscalização e os demais cuidam de outros interesses, só voltando a preocupação com o problema quando as chuvas retornam. Pinheiro, Antônio Luiz; Sobreira, Frederico Garcia; Lana, Milene Sabino Influência da expansão urbana nos movimentos em encostas na cidade de Ouro Preto, MG. Rem: Revista Escola de Minas, 2003, vol.56, n. 3, ISSN 0370-4467
  39. 39. Planejamento territorial, onde se analisam os fatores fisicos –naturais e socioeconomico da área. ( Análise ) Se determinam as formas de uso mais corretas e necessárias (diagnóstico ) Estabelecimento de normas que regularizem os usos (recomendação) Para ordenação ,Manejo e gestão
  40. 40. Muito obrigada a todos pela atenção herrmann@cfh.ufsc.br

×