Escola de Amesterdão | Racionalismo de Roterdão: co-habitar
O início do século XX é marcado por movimentos de rotura e de ...
que se procurava, apresentando um jogo de negativos e de esquinas que surgem
diferentes umas das outras. Poder-se-ia dizer...
Spaarndammrplanstoen, Amesterdão
Fábrica Van Nelle, Roterdão
Publicada por Tudo Bons Rapazes em 13.3.12 0 comentários
12 M...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula 1 escola de amesterdão

123 visualizações

Publicada em

Escola de Amesterdão - Arquitectura

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
123
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 1 escola de amesterdão

  1. 1. Escola de Amesterdão | Racionalismo de Roterdão: co-habitar O início do século XX é marcado por movimentos de rotura e de procura de novas soluções que precedem e antevêem a chegada da Arquitectura Moderna. Na Holanda, esta procura veio introduzir uma nova fase da Arquitectura daquele século, centrada em dois focos distintos de ideias e premissas que se tomavam por divergentes: a Escola de Amesterdão e o Racionalismo de Roterdão. Estas duas linhas criativas destacam-se com ênfase; a primeira por desejar uma arquitectura mais conservadora e monumental, que se regia pela linha do expressionismo e da Wendingen; a segunda por representar um momento em que se afirma a inovação, o higienismo e o racionalismo. Estes dois movimentos não diferem de vanguardas precedentes, do ponto de vista de que, também no âmbito da criação destas duas experiências, surgem figuras que são alavancadoras de ambas as partes e que vêm consolidar as premissas defendidas por cada uma delas. No que diz respeito à Escola de Amesterdão, é Berlage quem se assume como figura tutelar dos arquitectos que se vão associar a esta perspectiva. Em harmonia com a legislação então existente, que visava uma expansão da cidade equilibrada e ordenada, permitindo a construção de grandes edifícios como objecto de quarteirão, Berlage elaborou um plano de expansão para Amesterdão-Sul, onde está em evidência a inovação; este processo deu lugar, posteriormente, a que os arquitectos da escola de Amesterdão viessem a desenhar os edifícios. Vai criar-se uma arquitectura social-democrata, cujo objectivo passa por criar novas e melhores condições sociais, sendo a “família” o centro de todo o processo; queria-se que o quarteirão resultasse numa espécie de bloco unitário, e a ideia do ordenar vai ter particular relevância reflectindo-se, desde logo, na busca de uma homogeneidade no desenho dos edifícios. De Klerk vem materializar este conceito. A Habitação Vrijheidslaan invoca a ideia fria e violenta de desenhar um bairro social na periferia da cidade, no entanto quer-se que esse conceito seja enaltecido. Na concepção do Complexo de Habitação em que De Klerk coopera com Kramer, são desenhados pormenores, como as chaminés que viriam a ser abolidas na Arquitectura Moderna ou esquinas que são concebidas de forma gráfica e monumental, que caracterizam estes blocos de forma e conceder-lhes alguma amabilidade na relação com as zonas periféricas. O que se está a fazer aqui é uma exploração das técnicas tradicionais para se poder inovar. O Edifício de Habitação Spaarndammrplantsoen, em Amesterdão, representa o espírito inventivo
  2. 2. que se procurava, apresentando um jogo de negativos e de esquinas que surgem diferentes umas das outras. Poder-se-ia dizer que há uma espécie de delírio. Os Edifícios de Habitação Eigen Haard são imagem da presença de um certo romantismo, objectos que se afirmam de um modo muito mais artesanal e humano ao estilo de Ruskin, afastando-se da Arquitectura do Ferro. Do mesmo modo, não se pode ignorar este certo “namoro” com a obra de Frank Lloyd Wright, já que se reforçam as premissas da horizontalidade e do “pertencer à terra”; cita-se o professor Jorge Figueira que sugere que “até os candeeiros da rua aparecem perfeitamente integrados”. O resultado de todo este processo é uma Arquitectura com perenidade, que tem um certo horror à repetição. Do outro lado, o higienismo racionalista de Roterdão consolidava igualmente as suas premissas. Brinkman materializa o quarteirão Spangen, em Roterdão, onde surge o tema da mítica “estrada no ar”, muito pioneiro, esta espécie de varanda que dá acesso aos blocos de habitação. J.J.P. Oud é autor de obras que trazem uma nova tectónica aos edifícios, catalisada pelos novos materiais. No Edifício de Habitação Kiefhoek, Oud cria um jogo permanente entre ideias conservadoras e ideias neoplásticas. Estamos perante uma arquitectura higienista e despojada. O Sanatório Zonnestraal em Hilversum, de Johannes Duiker, remete para os temas da Arquitectura Moderna, onde se evidencia a presença dominante do vidro em relação à parede. A Fábrica Van Nelle, concebida por Brinkman e Vlugt retomam a ideia das “passerelles” suspensas que são o sonho do Construtivismo: a leitura que se faz destes elementos traduz a intenção de se criar uma espécie de ponte entre os materiais, em vez de espaços habitáveis. O Município de Hilversum, de Dudock, é extraordinariamente Wrightiano, reforçando a ideia de que a obra de Wright é uma “personagem” influente no desenvolvimento deste processo. O que acontece aqui é que se resgata a arquitectura de Wright para o tradicional, enquanto que o neoplasticismo resgata a arquitectura de Wright para o vanguardismo. Em nota conclusiva, é Siza Vieira, numa homenagem à Arquitectura Holandesa, à Escola de Amesterdão, do tijolo e da singularidade volumétrica; e à experiência de Roterdão, do cubismo e das cores neoplásticas, quem nos mostra que, afinal, estas duas Escolas não são antagónicas, podendo antes co-habitar. Projecta a Doejijnstraat em Haia, que é não mais que uma vénia à História da Arquitectura Holandesa, não escolhendo nenhum dos lados ou, se quisermos, escolhendo os dois.
  3. 3. Spaarndammrplanstoen, Amesterdão Fábrica Van Nelle, Roterdão Publicada por Tudo Bons Rapazes em 13.3.12 0 comentários 12 Março 2012

×