SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 408
Baixar para ler offline
PROMETEU ACORRENTADO
                                                    POR
                                               ÉSQUILO
Prometeu acorrentado (em grego, ΠΡΟΜΗΘΕΥΣ ΔΕΣΜΩΤΗΣ - PROMĒTHEUS DESMŌTĒS, na
transliteração) é uma tragédia grega composta entre os anos de 462 e 459 a.C.

A história de Prometeu e o motivo de sua punição dá título a obra. Dentres seus muitos "crimes" a favor
dos mortais, o mais grave foi roubar o fogo dos deuses e dá-lo aos homens, por isso Zeus ordena que se
acorrente Prometeu a um rochedo, onde uma ave vem diariamente dilacerar-lhe o fígado, que se
regenera noite. No entanto, apesar das súplicas que alguns deuses fazem a Prometeu para que vá se
redimir humildemente com Zeus, aquele se recusa, afirmando que o pai dos deuses ainda necessitará de
sua ajuda.

Prometeu - que significa "o que sabe antecipadamente" - sabe de um segredo que ameaça o reinado de
Zeus: o filho deste num casamento próximo o destronará e somente Prometeu sabe como impedi-lo.
Porém, recusando-se a revelar como, é alvo de novas e mais perigosas ameaças...




                                              Personagens
                                              Prometeu
                                            Poder e Vigor
                                               Hefesto
                                               Oceano
                                                 Io
                                               Hermes
                                         Coro das Oceânides
(A cena
é
o pico duma montanha deserta. Chegam Poder e Vigor, que trazem preso Prometeu;
segue-os, coxeando, Hefesto, carregando correntes, cravos e malha.)
Poder
Eis-nos chegados a um solo longínquo da terra, caminho da Cítia, deserto ínvio. Hefesto, é
mister te desincumbas das ordens enviadas por teu pai, acorrentando este celerado, com
liames inquebráveis de cadeias de aço, aos rochedos de escarpas abruptas. Ele roubou
uma flor que era tua, o brilho do fogo, vital em todas as artes, e deu-a de presente aos
mortais; é preciso que pague aos deuses a pena desse crime, para aprender a acatar o
poder real de Zeus e renunciar o mau vezo de querer bem à Humanidade.


        Hefesto
Poder e Vigor, a incumbência de Zeus para vós está terminada; nada mais vos embarga.
Eu, porém, não me animo a agrilhoar à força um deus meu parente a um píncaro aberto às
intempéries. Todavia, é imperioso criar essa coragem; é grave negligenciar as ordens de
meu pai. Filho de Têmis bem avisada, cheio de ousados intentos, vou, grado meu, mau
grado teu, prender-te com cravos de bronze impossíveis de arrancar a este penhasco
deserto, onde não ouvirás a voz nem verás o vulto de nenhum mortal. Crestado pela chama
ardente do sol, perderás o viço da pele; o manto matizado da noite, para teu gáudio, virá
cobrir a luz, e o sol dissipará de novo as brumas da aurora, mas serás triturado pelo
acabrunhamento da desgraça, sempre presente, porque ainda está por nascer o teu
libertador. Eis o que te rendeu o vezo de querer bem à Humanidade. Tu, um deus, não te
encolheste de medo à cólera dos deuses e entregaste, com violação da justiça, as suas
prerrogativas aos mortais; em paga, montarás guarda a este penhasco desprezível, de pé,
sem dormir, sem dobrar os joelhos. Debalde exalarás gemidos e ais sem fim, porque
inexorável é o coração de Zeus; todo poder recente é implacável.


       Poder
Basta! Para que te atardares em lástimas perdidas? Por que não abominas o deus mais
odioso aos deuses, que entregou aos mortais um privilégio teu?

       Hefesto
       O parentesco e a amizade são forças formidáveis.

      Poder
Concordo, mas como se podem transgredir as ordens de teu pai? Isso não te infunde
medo?

       Hefesto
       Tu és sempre cruel e audacioso.

       Poder
       Lamentos não curam os seus males; não te canses à toa em lástimas ineficazes.

       Hefesto
       Oh! Que ofício detestável!

       Poder
       Detestável por quê? Tua arte, francamente, culpa nenhuma tem nestas aflições.
Hefesto
       Ainda assim, oxalá ela o quinhão dalgum outro.

      Poder
Todos os quinhões foram negociados, menos o de comandar os deuses; ninguém é livre
senão Zeus.

       Hefesto
       Bem sei; a isso não posso replicar.

       Poder
       Então, mãos à obra! Envolve-o nas cadeias; que teu pai não te aviste parado.

       Hefesto
       Ele pode ver-me com as correntes nas mãos.

       Poder
Põe-lhe as cadeias em torno dos braços, martela com toda a força e prega-o na rocha.


       Hefesto
       O trabalho avança e sai a contento.

       Poder
Bate mais forte, aperta, não deixes folga; ele é hábil em descobrir saídas até onde não
existem.

       Hefesto
       Este braço está preso, de não se poder soltar.

       Poder
Fixa também este solidamente, para ele aprender que sua astúcia não é tão ágil como a
de Zeus.

       Hefesto
       Ninguém poderá reclamar com razão de meu trabalho, exceto ele.

       Poder
       Agora, finca-lhe firmemente no peito o dente duro duma cunha de aço.

       Hefesto
       Ai! Prometeu, gemo baixinho por teus sofrimentos.

        Poder
Estás outra vez remanchando e lastimando um inimigo de Zeus? Cuidado, não venhas um
dia a chorar por ti mesmo!

       Hefesto
       Não estás vendo um espetáculo triste de ver?
Poder
Eu o vejo receber o que merece. Vamos, passa-lhe um cinto em torno dos flancos.

       Hefesto
       Não posso evitar de fazê-lo; não precisas exortar-me.

       Poder
Pois não só te exortarei, mas até instarei contigo. Desce e mete-lhe à força umas grilhetas
nas pernas.

       Hefesto
       Pronto. Não deu muito trabalho.

       Poder
Crava-lhe agora agora fortemente umas peias penetrantes; quem fiscaliza a obra é
rigoroso.

       Hefesto
       Tua linguagem afina-se com tua figura.

       Poder
       Sê brando tu, mas não censures minha rigidez e a crueza de minha índole.

       Hefesto
       Podemos ir. Seus membros já estão amarrados.

        Poder (a Prometeu)
Abusa, agora! Furta aos deuses seus privilégios para entregá-los aos seres efêmeros. Que
alívio te podem dar deste suplício os mortais? Errados andaram os deuses em te
chamarem Prometeu; tu mesmo precisas de alguém que te prometa um meio de safar-te
destes hábeis liames!

       (Retiram-se Poder, Vigor e Hefesto.)

        Prometeu
Éter divino! Ventos de asas ligeiras! Fontes dos rios! Riso imensurável das vagas marinhas!
Terra, mãe universal! Globo do sol, que tudo vês! Eu vos invoco. Vede o que eu, um deus,
sofro da parte dos deuses! Contemplai quanto ignominiosamente estracinhado hei de sofrer
pelas miríades de anos do tempo em fora! Tal; é a prisão aviltante criada para mim pelo
novo capitão dos bem-aventurados! Ai! Ai! Lamento os sofrimentos atuais e os vindouros, a
conjeturar quando deverá despontar enfim o termo deste suplício. Mas que digo? Tenho
presciência exata de todo o porvir e nenhum sofrimento imprevisto me acontecerá. Cumpre-
me suportar com a maior resignação os decretos dos fados, sabendo inelutável a força do
Destino. Contudo, não posso calar nem deixar de calar minha desdita. Por ter feito uma
dádiva aos mortais, estou jungido a esta fatalidade, pobre de mim! Sou quem roubou,
caçada no oco duma cana, a fonte do fogo, que se revelou para a humanidade, mestre de
todas as artes e tesouro inestimável. Esse o pecado que resgato pregado nestas cadeias
ao relento.

(Descendo das alturas, pousa um carro alado no pico vizinho; nele vêm as Oceânides,
quinze donzelas que compõem o coro.)
Oh! Sus! que rumor, que fragrância indistinta vem a mim voando? A de um deus? De um
mortal? De um ser intermediário? Vem alguém até este penhasco do fim do mundo para
observar as minhas penas? ou, então, que procura? Vede-me nestes grilhões, um deus
sem ventura, o inimigo de Zeus, aquele que atraiu os ódios de todos os deuses
freqüentadores da corte de Zeus, por seu demasiado amor à Humanidade. Oh! Oh! que
adejo de aves torno a ouvir perto de mim? O éter sussurra ao leve impulso das asas. De
tudo que se aproxima sinto medo.

       Coreuta
Nada temas. Somos um grupo amigo, que, numa porfia de asas velozes, chegamos até
este penhasco, depois de dobrarmos a custo a vontade de nosso pai. Auras velozes me
transportaram; o eco do bater do aço, penetrando o ádito de meu antro, expulsou de mim o
acanhamento de olhos tímidos e alcei vôo, descalça, neste carro alado.


        Prometeu
Ai! Ai! Prole de Tétis fecunda, filhas de Oceano, cujo curso envolve a Terra inteira sem
nunca adormecer, olhai, vede estas cadeias; pregado nelas montarei uma guarda nada
invejável no cimo dos rochedos deste precipício.

        Coreuta
Estou vendo, Prometeu. Uma névoa cheia de lágrimas sobe-me aos olhos medrosa,
quando contemplo o teu corpo nesse rochedo a ressequir na afronta desses grilhões de
aço. Um novo arrais governa o Olimpo; Zeus exerce um poder arbitrário, inovando leis, e
aniquila hoje os potentados de ontem.

       Prometeu
Oxalá houvesse ele me atirado sob a terra, abaixo do Hades acolhedor do morto, ao
Tártaro intransponível, prendendo-me selvagemente com laços indesatáveis, para nenhum
deus, nenhum ser desfrutar a cena; infeliz de mim, porém, para gáudio dos inimigos, sofro
como grimpa ao sabor dos ventos.

        Coreuta
Quem dentre os deuses tem coração tão duro que se rejubile com tuas penas? quem, salvo
Zeus, não sentiria a mesma indignação nossa diante de teus males? Ele, eternamente
iroso, com uma determinação inflexível, subjuga a raça celeste e não cessará antes de
saciar seu coração ou até que alguém, num golpe feliz, lhe arrebate o poder inexpugnável!


        Prometeu
Mas, juro-o, apesar do ultraje destas peias brutais, um dia o chefe dos bem-aventurados
precisará de mim, para a revelação do novo decreto do Destino, que lhe arrebatará o cetro
e a majestade; e ele não me há de seduzir com o encanto de sortilégios melífluos, nem o
pavor de suas duras ameaças jamais arrancará de mim o segredo, enquanto não me soltar
deste laços cruéis, disposto a pagar a pena desta humilhação.

        Coreuta
Tu és ousado. Ao invés de te dobrares à amarga adversidade, falas numa linguagem
excessivamente livre. Eu sinto o coração agitado por um medo penetrante. Temo pela tua
sorte, imaginando como jamais poderás avistar um termo destes
sofrimentos onde aportar; o car
á
ter do filho de Crono
é
inexor
á
vel e seu cora
çã
o, fechado
à
persuas
ã
o
.
Prometeu
Sei que ele é cruel e tem à sua discrição o direito. Todavia, seu coração, imagino, se
abrandará um dia, quando sofrer o revés a que aludi; então, acalmada a cólera implacável,
vira ansioso ao encontro de meus anseios, em busca de minha aliança e amizade.


       Coreuta
Desvenda-me tudo. Conta-nos em que culpa te apanhou Zeus para te humilhar tão
ignominiosa e duramente. Narra-nos, se não te aflige a narrativa.

        Prometeu
Se contar é doloroso, calar também me dói; de qualquer lado, desdita. Mal começaram os
numes a irar-se e surgiu a discórdia entre eles, uns queriam derrubar Crono de sólio, para
que Zeus reinasse daí por diante, outros, ao invés, lutavam por que jamais Zeus
governasse os deuses. Então empenhei meus melhores esforços para aliciar os Titãs,
filhos de Urano e da Terra. Tudo embalde; em sua mentalidade violenta, desprezando os
recursos da astúcia, esperavam vencer facilmente pela força. Minha mãe, Têmis ou Géia,
uma só pessoa de vários nomes, mais de uma vez me predissera como aconteceria o
futuro; segundo suas revelações, havia de vencer quem superasse não em força e
violência, ms em sagacidade. Eu transmitia-lhes a predição, mas não se dignaram sequer a
voltar os olhos para mim. Naquelas circunstâncias, fiz o que se me afigurou melhor; com o
apoio de minha mãe, fui-me colocar, voluntário bem aceito, ao lado de Zeus. Graças a
meus planos, o escuro e profundo esconderijo do Tártaro oculta o velho Crono com seus
aliados. A dívida destes inestimáveis serviços, o rei dos deuses a resgata com este suplício
cruel; sem, é mal inerente à tirania não confiar na amizade. Quanto à tua pergunta, a causa
por que ele me avilta, vou esclarecer-te. Apenas sentado no sólio de seu pai, passou a
distribuir a cada nume seus privilégios, delimitando os poderes; dos pobres mortais não fez
conta nenhuma; queria, ao contrário, exterminar-lhes a raça e criar outra nova. A esse
plano ninguém se opunha, senão eu; minha bravura salvou a Humanidade de baixar
esmagada para o Hades. Por isso, eis-me vergado sob estas torturas, dolorosas de sofrer e
lastimáveis de ver. A mim, que me compadeci dos mortais, não me consideraram digno de
compaixão e sujeitaram-me a esta crueldade, num espetáculo inglório para Zeus.


       Coreuta
Plasmado de ferro e de pedra, Prometeu é o coração de quem não se indigna com os teus
sofrimentos. Eu não quisera contemplar esta cena e, quando a vi, pungiu-me o coração.


       Prometeu
       Deveras, inspiro dó aos amigos que me vêem.

       Coreuta
       Foste, decerto, além daquela oposição?

       Prometeu
       Sim, curei nos homens a preocupação da morte.
Coreuta
Que remédio achaste para esta mal?

       Prometeu
       Alojei neles as cegas esperanças.

       Coreuta
       Foi esse um dom utilíssimo para a Humanidade.

       Prometeu
       Além disso, dei-lhes de presente o fogo.

       Coreuta
       Os efêmeros possuem agora o fogo chamejante?

       Prometeu
       Sim e dele aprenderão artes sem conta.

       Coreuta
       são, pois, esses os capítulos de acusação por que Zeus...

       Prometeu
       ... me afronta e não consente nenhum alívio de meus males.

       Coreuta
       Não há termo prefixado a teu suplício?

       Prometeu
       Nenhum, senão quando bem lhe parecer.

      Coreuta
E como lhe há de parecer bem? Que esperança pode haver? não vês que erraste? Dizer
da extensão de teu erro seria para mim desagradável e para ti penoso. Pois bem,
deixemos isso de lado; procura um meio de livrar-te da tortura.

         Prometeu
É fácil, quando se pisa do lado de fora da desgraça, aconselhar e repreender quem está
sofrendo. Eu sabia de tudo isto; errei por querer; por querer, não vou negá-lo. Eu mesmo
fui procurar meus sofrimentos quando socorri os mortais. Sem embargo, não esperava
sofrer a pena de ficar mirrando assim nestas alturas rochosas, dar com os costados neste
penhasco ermo e deserto. Contudo, não lamentes as minhas dores atuais. Pousai no chão
e ouvi os males que me estão por vir, para saberdes tudo do começo ao fim. Escutai-me!
Escutai-me! Compartilhai a dor de quem está penando agora, pois a adversidade, em seus
errores sem rumo, visita hoje um, outro amanhã.

       Coreuta (enquanto o coro apeia.)
Não é preciso insistires, Prometeu; esse é o nosso desejo. Meus leves pés já abandonam
o carro veloz; desço do éter, caminho sagrado das aves, e pouso neste chão fragoso,
ansiosa por ouvir os teus sofrimentos do princípio ao fim.
Oceano
(surge cavalgando um grifo.)
Aqui estou, Prometeu. Para ver-te, percorri todo um longo roteiro, guiando, sem uso de
freios, pelo poder da vontade, esta ave de asas velozes. Acredita-me, sofro com a tua
sorte; penso que é por efeito do parentesco e porque, à parte os laços de sangue, a
ninguém no mundo eu seria mais dedicado que a ti. Reconhecerás a minha sinceridade e
que não são vãs as amabilidades de minha parte. Vamos, dize o que devo fazer por ti;
jamais apontarás um amigo mais fiel do que Oceano.

       Prometeu
Hem? Que aconteceu? Vieste tu também assistir as minhas penas? Como te abalançaste a
deixar o rio a que deste o nome, e tuas cavernas naturais cobertas de rocha, para vires à
terra mãe do ferro? Vieste, acaso, observar a minha sorte para chorar comigo a
adversidade? Contempla o espetáculo: eu, o amigo de Zeus, que ajudei a implantar o seu
reinado, a que suplício por ele imposto me dobro!

        Oceano
Estou vendo, Prometeu, e quero dar-te o meu melhor conselho, apesar de toda a tua
sagacidade. Reconhece a tua condição e muda de gênio, pois um novo rei governa os
deuses. Se lanças assim palavras brutais e afiadas, Zeus, das longínquas alturas onde se
assenta, pode ouvi-las e talvez venhas a considerar um tormento de brinquedo a cólera de
agora.. não, desgraçado! Renuncia a tua fúria e procura livrar-te deste suplício. Acharás,
talvez, antiquados meus conselhos; contudo, Prometeu, essa é a paga de tua língua
demasiado altiva. Tu, porém, ao invés de te humilhares e curvares ante as desgraças,
queres juntar outras novas às que já tens. Se acatares meus ensinamentos, não
escoicinharás o aguilhão, quando vês no poder um monarca brutal, que a ninguém presta
contas. Agora, da minha parte, eu vou fazer o possível para livrar-te destas penas; tua, da
tua, está quieto e não esbravejes demais. Ou ignoras, a despeito da sutileza de tua
sabedoria, que à língua insolente se inflige castigo?

        Prometeu
Sinto inveja ao ver-te livre de acusação, quando participaste de tudo, acompanhando o meu
arrojo. Agora, deixa estar; esquece. Jamais conseguirás persuadi-lo; ele é obstinado. Toma
cautela: com essa missão, vais cavar a tua própria ruína.

       Oceano
És melhor conselheiro do próximo do que de ti mesmo; dizem-nos os fatos melhor do que
os argumentos. Não tentes de modo algum dissuadir-me desta empresa. Palavra! Zeus,
garanto-o, me fará a mercê de livrar-te deste suplício.

        Prometeu
Agradeço-te o favor e jamais o esquecerei; o teu zelo é impecável. Contudo, não te dês a
esse trabalho; será um esforço baldado, sem proveito para mim, se é que estás disposto a
esforços. não. Descansa e não dificultes as coisas. Porque estou sofrendo não é que hei de
querer a desgraça de muitos. Deveras, não. Já me angustia a sorte de meu irmão Atlas, de
pé, na região do ocaso, suportando nos ombros a coluna entre o céu e a terra, um fardo
nada maneiro. Também me deu pena ver domado pela força Tifão, o impetuoso, o morador
das cavernas da Cilícia, nascido da terra, monstro medonho de cem cabeças. Ele Arrostou
a todos os deuses, silvando pavores pelas queixadas terrificantes; de seus olhos fuzilava
uma clarão aterrador, ameaçando derrubar Zeus do poder pela força. Alcançou-o, porém, o
dardo vigilante de Zeus, o raio que cai espirrando chamas, e derrubou-o de sua bravatas
arrogantes. Foi ferido bem no coração e sua força
pulverizou-se, fulminada. Hoje, o corpo jaz inerte, estatelado junto dum estreito de mar e
comprimido pelas ra
í
zes do Etna, enquanto, instalado na cumeada, Hefesto mal
ha o ferro candente. Rios de fogo irromper
ã
o dali um dia para devorar com selvagens maxilas as leivas escampadas da f
é
rtil Sic
í
lia, tal ser
á
o espumar de c
ó
lera que Tif
ã
o, mesmo carbonizado pelo raio de Zeus, golfar
á
para os ares com os dardos incandescen
t
es duma tempestade de chamas insaci
á
vel. Mas tua experi
ê
ncia dispensa ensinamentos meus; p
õ
e-te a salvo, como sabes fazer; eu, por mim, irei esgotando a minha desventura at
é
que afrouxe a c
ó
lera no cora
çã
o de Zeus.
Oceano
      Não sabes, Prometeu? Ira é a doença que os argumentos curam.

        Prometeu
Sim, quando emolimos um coração no momento oportuno; não, quando queremos reduzir
à força o tumor duma paixão.

      Oceano
      Vês contida no zelo ousado alguma pena? Dá-me a saber.

      Prometeu
      Sim, o malogro da fadiga e o desengano da candura.

      Oceano
Deixa-me adoecer dessa moléstia; nada melhor do que passar por louco, por amizade.


      Prometeu
      A mim atribuirão depois a culpa.

      Oceano
      Esse teu argumento manda-me claramente de volta para casa.

      Prometeu
      Sim, para evitar que, lamentando-me, atraias ódio sobre ti.

      Oceano
      O ódio de quem sentou há pouco no sólio onipotente?

      Prometeu
      Tome cuidado; não irrites nunca o seu furor.

      Oceano
      Tua desdita, Prometeu, é uma lição.

      Prometeu
      Adeus! Parte e conserva o teu juízo são de agora.

       Oceano
Estava de partida; era escusado insistires. Já minha ave de quatro pés resvala com as
asas pelo caminho aberto do éter e dobrará contente os joelhos na estrebaria familiar.
(Monta e parte.)

        Coro (enquanto uma das Oceânides declama as outras dançam.)
Soluço, Prometeu, chorando tua sorte funesta; tenho as faces molhadas do úmido jorro do
rio de lágrimas que vertem os meus olhos enternecidos. Zeus exerce tais rigores segundo
leis apenas suas, para mostrar aos deuses de outrora sua autoridade soberba. Já se
elevou em todos os países um coro de gemidos, lamentando a grandeza magnificente, de
venerável antigüidade, a ti e a teus irmãos arrebatada. Sofrem contigo tuas deploráveis
tribulações todos os mortais que habitam o solo vizinho da Ásia sagrada, bem como as
virgens moradoras da terra da Cólquida, intrépidas na luta, as hordas da Cítia, que ocupam
a estremadura da terra sobre o Lago Meótis e a flor dos guerreiros da Arábia, que habitam
uma praça forte erguida em altas escarpas junto ao Cáucaso, hoste arrasadora, cujas
lanças aguçadas retinem. Até agora eu vira apenas um titã sofrer subjugado por brutais
cadeias de aço, o divino Atlas, dorso eternamente vergado ao peso da abóbada celeste,
por imposição dum poder mais forte, a gemer surdamente. Guaiam as vagas do mar
entrechocando-se; geme o abismo; fremem no âmago da terra as trevas do Hades, e as
fontes dos rios de correntezas sagradas soluçam por teu sofrimento lastimável.


       Prometeu
não atribuas a orgulho ou arrogância o meu silêncio; rói-me o coração o arrependimento,
quando me vejo assim ultrajado. Afinal, quem mais senão eu asselou cabalmente a esses
novos deuses os seus privilégios? Mas essa queixa eu calo; para que dizê-lo a quem o
sabe? Ouvi, porém as tribulações dos mortais; ouvi como, de parvos que eram, os tornei
racionais e dotados de inteligência. Quero contá-lo, não porque tenha queixa da
Humanidade, mas para demonstrar quão amistosas foram as minhas dádivas. Eles, antes,
olhavam à toa, sem ver, escutavam sem ouvir; por toda a sua longa existência, tudo
confundiam sem tino, como vultos vistos em sonho. Desconheciam casas de tijolos
ensolaradas e não sabiam lavrar a madeira; moravam sob a terra, como as ágeis formigas,
no fundo sem sol das cavernas. não conheciam nenhum sinal seguro do inverno, nem da
primavera florida, nem do verão frutuoso. Tudo faziam sem saber, até quando lhes ensinei
o orto dos astros e seu obscuro poente. Inventei para eles o número, a suprema ciência,
bem como a escrita que tudo recorda, arte mãe de toda cultura. Fui quem primeiro ligou
sob jugo os animais, escravizando-os à canga ou à sela, para substituírem os mortais nos
trabalhos mais penosos, e atrelei ao carro cavalos dóceis à rédea, ornamento aparatoso à
opulência. Ninguém senão eu inventou para os navegantes os carros de asas de linho, que
cruzam os mares. Eu, desgraçado, que inventei para os homens tais engenhos, para mim
mesmo não descubro uma artimanha com que do presente suplício me liberte.


       Coro
O que se dá contigo é humilhante; tua mente vagueia frustrada e, como um medicastro
adoecido, ficas desalentado, incapaz de atinar com remédio que te possa curar.


       Prometeu
Ouvindo o resto, ainda mais te admirarás das artes e meios que imaginei. Principalmente,
quando alguém adoecia, não tinham medicamento algum, nem de comer, nem de passar,
nem de beber; definhava, carecidos de remédio, até que lhes ensinei a composição de
específicos eficazes com que afastam todas as moléstias. Coligi muitos
g
ê
neros de adivinha
çã
o; fui o primeiro a distinguir entre os sonhos quais h
ã
o9 de tornar-se realidade; interpretei para eles os press
á
gios obscuros e os agouros surgidos nos caminhos. Defini com precis
ã
oov
ô
o das aves de garras aduncas, os costum
es de cada uma, seus
ó
dios m
ú
tuos, suas afei
çõ
es, suas compatibilidades, bem como a lisura das entranhas, a cor que devem Ter para
agradarem aos deuses, a variedade dos aspectos bons da ves
í
cula e do lobo. Queimando, envoltos em gordura, os membros e lomb
a
das, guiei os homens nas obscuridades do arusp
í
cio, abrindo os seus olhos para o significado das chamas, at
é
ent
ã
o velado. Quanto a esse ramo, basta. Mas dos bens ocultos ao homem no seio da terra,
bronze, ferro, prata, ouro, quem pode reclamar a descober
t
a antes de mim? Ningu
é
m, tenho certeza, a menos que deseje garrular
à
toa. Posso contar tudo resumido em breves palavras: todas as artes os mortais devem a
Prometeu.
Coro
Não vás proteger os mortais além da conta e neglicenciar a tua própria desventura; pois eu
espero que, liberto destas cadeias, ainda venhas a poder tanto como Zeus.


       Prometeu
Não. O Destino, que tudo cumpre, ainda não decretou que assim seja. Só depois de me
dobrar sob milhares de suplícios e tormento me verei livre destas cadeias; os fados podem
muito mais do que a astúcia.

       Coro
       E quem manobra o timão dos fados?

       Prometeu
       As três parcas e mais as memoriosas Eríneas.

       Coro
       São elas, pois, mais fortes do que Zeus?

       Prometeu
       Ele não poderá escapar a seu destino.

       Coro
       Qual o destino de Zeus, senão o poder eterno?

       Prometeu
       Não me perguntes mais sobre isso e não insistas.

       Coro
       Deve ser um mistério que tu velas.

       Prometeu
Mudemos de assunto; absolutamente não é oportuno revelar esse segredo; ao invés, deve
ser guardado o mais possível. Se eu o preservar, poderei escapar um dia aos grilhões
humilhantes e aos tormentos.

       Coro (enquanto uma declama, as outras dançam.)
Que Zeus, senhor do universo, não ponha mais o seu poder em luta com a minha vontade!
Oxalá não me demore eu em solicitar a presença dos deuses no pio banquete
de hecatombes
à
margem da extens
ã
o infinita de meu pai Oceano, nem haja pecado em minhas palavras; ao contr
á
rio, possa esta disposi
çã
o perp
etuar-se em mim sem apagar-se nunca. Doce
é
passar nossa longa exist
ê
ncia entre esperan
ç
as fagueiras, nutrindo o cora
çã
o de prazeres radiosos; mas estreme
ç
o, quando te vejo dilacerado por dores inumer
á
veis, porque tu, Prometeu, sem o temor de Zeus, por tu
a
pr
ó
pria decis
ã
o, votas
à
Humanidade uma estima excessiva. Vamos, amigo, dize: que favor veio pagar os teus
favores? Onde encontras ajuda? Que socorro te mandaram os ef
ê
meros? N
ã
ov
ê
s a fraqueza, a impot
ê
ncia, tolhendo os p
é
s da cega ra
ç
a humana como num
p
esadelo? A vontade dos mortais n
ã
o eludir
á
jamais a ordem estabelecida por Zeus. Eis a li
çã
o que aprendi, Prometeu, contemplando a tua ru
í
na. Duas melodias voejam at
é
mim: a deste c
â
ntico e a do himeneu que em honra de tuas bodas entoei no momento de teu
b
anho e quando subias ao leito, no dia em que ao t
á
lamo de esposa levaste minha irm
ã
Hes
í
ona, seduzindo-a com teus mimos.
Io (entra esbaforida; é uma jovem de cuja fronte despontam cornos bovinos.)
Que terra é esta? Que povo a habita? Quem direi que vejo aí exposto ao tempo, atrelado a
um penhasco? Que crime expias assim perecendo? Esclarece-me a que lugar da terra vim
dar vagueando, pobre de mim! Ai! Ui!

       (Corre para lá e para cá, espaventada.)

De novo um tavão aferroa esta infeliz. É o espectro de Argos, filho da Terra! Terra, enxota-
o! Apavora-me a visão do zagal de mil olhos. Aí vem ele com seu olhar traiçoeiro. Morto,
embora, não o esconde a terra; vem do mundo dos mortos para dar caça a esta desditosa,
para fazê-la errar, faminta, pelas areias das praias. Toada enfadonha modulam no meu
rasto seus canudos sonoros colados como cera. Ai! Ai! Deuses! Onde me levam estes este
errores longínquos? Que crime, filho de Crono, que crime achaste em mim para me
jungires as estas tribulações – ai! – e assim consumires esta mísera insana com o pavor do
tavão perseguidor? Queima-me com teu fogo, enterra-me no chão, ou lança-me em pasto
aos monstros marinhos; não desatendas, senhor, as minhas súplicas; por demais me
estafaram os errores sem fim e não descubro meios de fugir aos meus tormentos. Ouves a
voz da virgem de cornos bovinos?

      Prometeu
Como não ouvir a donzela que o tavão volteia, a filha de Ínaco, cujo amor aqueceu o
coração de Zeus e agora, coagida pelo rancor de Hera, se extenua a correr extensões
inumeráveis?

        Io
Como sabes tu dizer o nome do meu pai? Responde a esta mofina. Quem és tu, que em
termos tão verazes falas a esta malfadada, mencionando o mal pelos deuses infligido, que
me consome com ferroadas de enlouquecer? Ai! Os desígnios rancorosos de Hera
impeliram-me até aqui no ímpeto de saltos degradantes que esfomeiam. Quem dentre os
desgraçados, ai! Padece tormento igual ao meu? Vamos; conta-me francamente os
sofrimentos que me esperam. Que recurso ou remédio cura este mal? Indica-o, se é que
sabes. Fala, informa a virgem dos tristes errores.

        Prometeu
Dir-te-ei com franqueza quanto desejas saber, sem trançar enigmas, na linguagem singela
que assenta a lábios que se descerram falando a amigos. Estás vendo o dador do fogo
aos homens, Prometeu.
Io
Ó benfeitor aparecido a toda a Humanidade, infeliz Prometeu, que pena estás cumprindo?


       Prometeu
       Há pouco decidi não mais chorar meus males.

       Io
       Recusar-me-ias, então, uma graça?

       Prometeu
       Dize-me o que pedes; de tudo posso informar-te.

       Io
       Conta quem te encadeou neste alcantil.

       Prometeu
       A ordem foi de Zeus, mas o braço, de Hefesto.

       Io
       Qual o crime cuja pena estás cumprindo?

       Prometeu
       Os esclarecimentos dados acho que te bastam.

       Io
       Dize mais quando será o fim dos errores desta inditosa.

       Prometeu
       Para ti é melhor ignorá-lo do que sabe-lo.

       Io
       Por favor, não me ocultes aquilo que vou sofrer.

       Prometeu
       Bem, não regatearei esta dádiva.

       Io
       Então, por que tardas em revelar-me tudo?

       Prometeu
       Não é que me recuse; receio perturbar-te o coração.

       Io
       Não mais te aflijas or mim; eu terei prazer.

       Prometeu
       Se assim o quer, devo falar; escuta.
Io
Ainda não. A mim também concede um quinhão de prazer. Indaguemos antes o mal que a
aflige; conte ela própria sua ruinosa desdita e ouça de ti depois seus tormentos vindouros.


        Prometeu
A ti incumbe dar-lhes esse gosto, Io, tanto mais que são irmãs de teu pai. Vale a pena
chorar, lastimar o destino, quando se vão arrancar lágrimas dos ouvintes.

        Io
Não posso desenganar-vos; ouvireis quanto desejais saber, num relato preciso. Todavia,
coro ao contar a origem da tormenta que, armada por um deus, sobre mim desabou e
desfigurou esta infeliz. Visões noturnas visitavam constantemente minha alcova virginal e
sussurravam conselhos: “Donzela venturosa, por que tanto prolongas tua virgindade, se
podes ter o mais excelso esposo? Zeus, que aqueceste com a flecha do desejo, quer
desfrutar contigo os deleites de Cípris; não desdenhes, menina, o leito de Zeus; sai, vai à
campina viçosa de Lerna, onde pascem os rebanhos e as manadas de teu pai, para que o
olhar de Zeus sacie o seu desejo.” Eu infeliz, noite após noite era instigada por
semelhantes sonhos, até criar o ânimo de revelar a meu pai que visões me visitavam à
noite. Ele expedia missionérios a Delos e Dodona, uns após outros, a consultar o oráculo,
indagando o que devia fazer ou dizer para satisfação dos deuses. Eles voltavam com
respostas ambíguas, incompreensíveis, indecifráveis. Por fim, Ínaco recebeu um recado
claro, que, em palavras precisas, o conjurava a banir-me do lar e da pátria, para que
vagasse livremente como rês votada ao sacrifício, até os mais longínquos confins da Terra,
se não quisesse ver o raio flamante de Zeus cair e aniquilar toda a sua raça. Obediente a
esse vaticínio de Lóxias, expulsou-me, mau grado seu e mau grado meu, e fechou-me a
porta de casa. Se assim procedia, era coagido pela força do freio de Zeus. Num instante
minha figura e minha mente se transmudaram; com estas pontas, como vedes, e aferroada
pelas agudas picadas dum moscardo, desfechando saltos loucos, tomei o rumo das
saudáveis águas de Cercnéia, e da fonte de Lerna. Argos, um pegureiro nascido da Terra,
de índole violenta, vigiava, com seus olhos incontáveis, cada um dos meus passos. Uma
morte inesperada e súbita privou-o da vida e eu, ferroada do tavão, passei a ser enxotada
de país em país por um flagelo divino. Ouviste o meu passado; se sabes dizer minhas
penas futuras, revelas-me; não me confortes, porém, compadecido, com palavras
enganosas; a linguagem mentirosa é a mais nojenta das pestes.


        Coro
Oh! Oh! Arreda! Que horror! Jamais, jamais esperei chegasse a meus ouvidos tão estranho
relato, nem flagelos, desgraças, terrores, tão horríveis de ver e de ouvir, que gelam minha
alma com aguilhões de duas pontas. Ai! Destino! Destino! Sinto arrepios ao ver as
desventuras de Io.

       Prometeu
É cedo para gemeres e te encheres de medo; espera até conheceres também o porvir.


       Coro
       Fala, conta; é doce a quem padece conhecer bem, de antemão, a dor vindoura.
Prometeu
Sem esforço lograstes a satisfação que pedistes em primeiro lugar; queríeis ouvir
primeiramente as provações de Io contadas por ela mesma; ouvi agora que aflições ainda
tem de sofrer esta jovem por obra de Hera. Tu, progênie de Ínaco, guarda as minhas
palavras no coração, para conheceres o fim de tua peregrinação. Ao partires daqui, volta-te
primeiro para o levante e percorre as campinas incultas; alcançarás os citas nômades; eles
moram em choças de esteira montadas sobre carros de boas rodas e de seus ombros
pendem arcos de longo alcance. Não te aproximes deles; guia teus passos para junto da
penedia onde soluça o mar e atravessa o país; à mão esquerda ficam os cálibes ferreiros,
de quem te deves guardar; são selvagens e inacessíveis a estranhos. Chegarás ao Rio
Hibristes, que não desmente o nome; não o transponhas, pois não é fácil de vadear,
enquanto não atingires o próprio Cáucaso, a mais alta das montanhas, de cujas encostas
mesmas sorve o rio a sua fúria. Deves transpor a cumeada, que vizinha com os astros, e
seguir o caminho do sul. Encontrarás ali a hoste das Amazonas, que odeiam os varões;
essas fundarão um dia Temiscira junto ao Termodonte, onde se abre a barra cruel de
Salmidesso, inospitaleira aos mareantes, madrasta aos navios. As Amazonas te guiarão
com muito gosto. Atingirás o istmo cimério na estreita abertura do lago; deverás encher-te
de coragem para deixá-lo e atravessar o estreito meótico; a Humanidade guardará para
sempre a memória gloriosa da tua passagem; o braço de mar, em recordação, terá o nome
de Bósforo. Deixando o solo da Europa, alcançarás a terra firme da Ásia. O rei dos deuses
não vos parece igualmente violento em tudo? Por seu desejo de unir-se a esta mortal, ele,
um deus, a condenou a esses errores. Tu deparaste, donzela, um cruel pretendente a tua
mão; com efeito, o rol que acabas de ouvir, podes crê-lo, não é ainda o prelúdio.


       Io
       Pobre de mim! Ai!

       Prometeu
       Gritas e suspiras de novo! Que farás quando souberes dos males restantes?

       Coro
       Vais contar-lhe mais outras atribulações?

       Prometeu
       Um mar tempestuoso de calamidades funestas.

       Io
Então, que me vale viver? Por que não me atiro já do alto deste duro penedo, para livrar-
me de todas as aflições arrojando-me abaixo? Melhor é morrer duma vez do que viver
padecendo dia a dia.

       Prometeu
Que difícil te seria suportas as minhas penas! A mim, os fados não consentem a morte;
seria essa a libertação de meus tormentos; mas nenhum fim se oferece a meus
sofrimentos antes que de se poder Zeus seja derrubado.

       Io
       É possível que Zeus caia do poder algum dia?
Prometeu
Gostarias, creio, de ver o acontecimento.

Io
Como não, se é por causa de Zeus que padeço?

Prometeu
Pois bem; assim será, podes estar certa.

Io
Quem lhe há de arrebatar o cetro da realeza?

Prometeu
Ele mesmo o fará com seus caprichos insensatos.

Io
De que maneira? Dize-o, se não há perigo.

Prometeu
Ele convolará a núpcias de que há de arrepender-se.

Io
Noiva divina ou humana? Se não é segredo, conta-me.

Prometeu
Que importa quem seja? Não devo romper o segredo.

Io
A esposa o destronará?

Prometeu
Sim, dando à luz um filho mais forte que o pai.

Io
E não há como arredar dele esse destino?

Prometeu
Não, salvo se eu for solto dos grilhões.

Io
Quem há de te soltar, se Zeus assim não quer?

Prometeu
Um de teus descendentes, como querem os fados.

Io
Que dizes? Um filho meu te livrará dos males?

Prometeu
Após dez outras gerações, uma da terceira.
Io
O vaticínio agora não compreendo bem.

       Prometeu
       não procures tampouco saber as tuas penas.

       Io
       não me retires um proveito depois de oferecê-lo.

       Prometeu
       Vou presentear-te com uma de duas revelações.

       Io
       Quais? Indica-mas e dá-me a escolha.

       Prometeu
Dou-a. Escolhe se te revelo exatamente tuas penas futuras ou quem me há de soltar.


       Coro
Desses favores, hajas por bem conceder um a ela e o outro a mim. não desprezes os
nossos pedidos; desvenda a Io os errores futuros e a mim o teu libertador; este é que
anseio por saber.

        Prometeu
Já que ansiais por isso, não me negarei a revelar-vos quanto desejais. Primeiro Io,
discorrerei sobre teus conturbados errores. Registra-os nos assentos de tua memória.
Passada a correnteza que extrema os continentes, toma o rumo do rubro oriente que o sol
perlustra e, sem jamais cruzar o mar banzeiro, segue até chegares à rechã gorgônea de
Cistena. Moram ali as Fórcides, três anosas donzelas de corpo de cisne; elas possuem um
só olho comum, um único dente; o sol jamais projeta sobre elas se encontram suas irmãs;
tem asas; os cabelos são serpentes. São as Górgonas, odiosas aos mortais; nenhum ser
humano jamais as verá, que não exale o último suspiro. Previno-te para que te acauteles.
Mas ouve sobre outro espetáculo intratável; guarda-te dos cães de Zeus que não ladram,
os grifos de agudo bico, e da hoste montada dos arimaspos de um só olho, que povoam as
margens do Rio Plutão, de águas auríferas; deles não te acerques. Chegarás, daí, a um
país remoto, a um povo negro, que vive junto às fontes do sol, donde mana o Rio Etíope.
Vai seguindo pelas ribas até deparares uma catarata; ali despeja o Nilo, das montanhas de
Biblos, suas venerandas águas saudáveis. Ele te guiará a Nilótis, terra triangular; ali
segundo dispõem os fados, tu fundarás, Io, com teus filhos, a colônia longínqua. Se alguma
coisa te ficou obscura e incompreensível, torna a perguntar para saberes com certeza.
Disponho de mais vagares do que desejaria.

        Coro
Se algo resta por desvendar ou se omitiste alguma coisa de seus ruinosos errores fala; se
tudo disseste, concede-nos agora a graça pedida, de que, por certo, estás lembrado.


       Prometeu
Ela ouviu tudo sobre o fim de sua viagem, mas para a certeza de que não me escutou em
vão, provarei minhas revelações dizendo o que sofreu antes de chegar aqui.
Ponho de lado a multid
ã
o de fatos e vou direto aos
ú
ltimos passos de tua vaguea
çã
o. Chegada
à
plan
í
cie de Molossos, ao planalto de Dodona, sede do or
á
culo de Zeus Tesproto e do prod
í
gio incr
í
vel dos carvalhos
falantes, estes saudaram em ti, em termos claros e sem nenhum enigma, a futura esposa
gloriosa de Zeus. n
ã
o te lisonjeiam as recorda
çõ
es? Dali, picada do tav
ã
o, arremeteste pela estrada costeira rumo ao grande golfo de R
é
ia, donde voltaste a correr fustig
a
da pela tua tormenta. A posteridade, fica sabendo, chamar
á
I
ô
nio aquele golfo de mar, recordando a todos os mortais a tua passagem. Essa a prova de
que minha mente enxerga al
é
m do alcance de meus olhos. O resto direi a v
ó
s e a ela em comum, voltando
à
tri
l
ha da narrativa. H
á
uma cidade, Canobos, no extremo daquela terra, sobre o al
ú
vio do Nilo, bem na foz. Zeus al
í
te devolver
á
a raz
ã
o, pousando sobre ti sua m
ã
o calmante e ro
ç
ando-te apenas; dar
á
s
à
luz o negro
É
pafo, cujo nome recordar
á
como Zeus o ter
á
g
e
rado. Ele cultivar
á
toda a terra banhada pela larga correnteza do Nilo. De sua quinta gera
çã
o, cinq
ü
enta donzelas, mau grado seu, voltar
ã
o para Argos, fugindo ao casamento cosang
üí
neo com seus primos. Estes, no ardor de sua paix
ã
o, como milhafres persegui
n
do pombas de perto, chegar
ã
o em ca
ç
a de n
ú
pcias n
ã
o consentidas. Um nume, por
é
m, impedir
á
que as alcancem e o solo pelasgo os sepultar
á
,v
í
timas de Ares obrando por m
ã
os femininas, em v
í
gil aud
á
cia; cada mulher tirar
á
a vida a seu homem, mergulhando-lhe n
a
garganta uma adaga de dois gumes. Oxal
á
conceda C
í
pris amores tais a meus inimigos! Uma, por
é
m, amolentada pelo desejo de ter filhos, relaxando a decis
ã
o, poupar
á
a vida a seu esposo. Na alternativa, ao opr
ó
brio de assassina, preferir
á
o de covarde. Essa
dar
á
à
luz a linhagem real de Argos. Para narrar estes fatos com clareza,
é
preciso uma longa exposi
çã
o; em suma, da semente dessa mulher nascer
á
um bravo, um glorioso frecheiro, que me libertar
á
destas penas. Esse o vatic
í
nio que me exp
ô
s minha m
ã
e, T
ê
mi
s
, a irm
ã
dos Tit
ã
s, deusa da antiga gera
çã
o. Mas como e por quais meios? Cont
á
-lo tomaria longo tempo e tu nada lucrarias em sabe-lo.
Io
Ai de mim! Ai de mim! Ardo de novo em convulsões e delírios de loucura; espicaça-me um
moscardo com seu aguilhão não temperado no fogo. De medo, o coração escoicinha-me as
entranhas. Meus olhos revolvem-se nas órbitas! O sopro da fúria frenética arrasta-me fora
da pista; minha língua não mais me obedece e as palavras batem, confusas, e
desencontradas, de encontro às vagas duma fatalidade odiosa.

       (Parte a correr desvairada.)

         Coro (uma coreuta declama; as outras dançam.)
Um sábio, sim, um sábio o primeiro cuja mente pesou e cujos lábios formularam em
palavras o pensamento de que o casamento de iguais é de muito a melhor das alianças e o
proletário não deve aspirar à mão de noiva que a opulência encheu de melindres ou a
linhagem de soberba. Oxalá nunca, ó Parcas, nunca me vejais metida na alcova de Zeus
como esposa! Nem se chegue a mim como marido um dos seres do céu. Tremo quando
vejo Io consumindo a virgindade arredia na vida errante, de misérias e penas que Hera lhe
inflige. Um esposo de meu nível não me assusta. Que nenhum dos deuses superiores me
atire olhares cúpidos de que não há fugir. Essa luta eu não poderia sustentar; meus ardis
malograriam e não sei o que seria de mim, que não vejo como escaparia aos intentos de
Zeus.

        Prometeu
Dia virá em que Zeus se há de humilhar, a despeito de toda a arrogância de seu coração,
por efeito das bodas que se apresta para celebrar. Essa união o derrubará,
aniquilado, do poder e do trono. Ent
ã
o estar
á
cumprida plenamente a praga rogada por Crono, seu pai, ao cair do trono secular.
Nenhum deus sen
ã
o eu poderia ensinar-lhe de modo claro como arredar de si tamanha desdita. Eu sei qual
é
e como conjur
á
-la. Assim, pois, pode ele entronar-se seguro de si, fiado nos estrondos que troam nas
alturas quando brande nas m
ã
os o dardo chamejante. Eles n
ã
o lhe v
a
ler
ã
o nada para evitar a vergonha duma queda insuport
á
vel, t
ã
o potente
é
o advers
á
rio que ele agora para si mesmo apresta, um portento invenc
í
vel, que inventar
á
fogo mais forte que o raio e estrondo formid
á
vel maior que o trov
ã
o, e despeda
ç
ar
á
o tridente,
a lan
ç
a de Posid
ã
o, flagelo marinho que abala a terra. Quando ele der de encontro com essa desgra
ç
a, conhecer
á
quanto vai de reinar e servir.
Coro
       Vamos lá! Tuas ameaças a Zeus não são mais do que desejos teus.

       Prometeu
       Predigo o que será e é também o meu desejo.

       Coro
       Devemos esperar que alguém dê ordens a Zeus?

       Prometeu
       Sim, e que sofra penas mais pesadas que estas.

       Coro
       Como ousas proferir semelhantes palavras?

       Prometeu
       Nada tenho que temer; não estou fadado à morte.

       Coro
       Mas ele pode infligir-te suplício ainda mais doloroso que este.

       Prometeu
       Pois que o faça; nada me pode surpreender.

       Coro
       Sábio quem se prosterna diante da Adrastéia.

        Prometeu
Venera, implora, bajula tu o poderoso do dia. A mim me importa Zeus menos que nada.
Que se avie, que exerça como quiser o seu poder de curta duração, pois não reinará sobre
os deuses longo tempo. Eis à vista, porém, o correio de Zeus, o serviçal do novo tirano; por
certo, vem comunicar-nos alguma novidade.

         Hermes (entrando.)
Tu aí, velhaco, o mais intratável dos intratáveis, que lograste os deuses pondo os seus
privilégios ao alcance dos seres efêmeros – estou me referindo ao ladrão do fogo – meu
pai ordena que reveles qual casamento, segundo alardeias, o derrubará do poder. E nada
de enigmas; fala ponto por ponto pelos termos próprios. não me vás obrigar a uma
segunda viagem, Prometeu; não é com rodeios, bem vês, que hás de aplacar Zeus.
Prometeu
Essa fala impertinente, cheia de soberba, é bem a linguagem dum lacaio dos deuses. Vós
sois moços; recente, o poder que exerceis; imaginais, por isso, viver numa torre acima dos
sofrimentos; já não vi eu dois reis expulsos dela? O terceiro, o atual reinante, eu o verei
também cair de maneira ignominiosa e rápida. Pensas que temos os novos deuses e me
encolho diante deles? Para isso falta muito; melhor, falta tudo. Desanda ligeiro o caminho
por onde vieste, que de mim nada saberás do que indagas.

       Hermes
       Semelhantes insolências já te trouxeram a ancorar neste suplício.

        Prometeu
Pois saibas sem sombra de dúvida que eu não trocaria minhas misérias pela tua servidão;
acho preferível estar escravizado a este penhasco a ser o mensageiro fiel de Zeus teu pai.
A injúrias responde-se assim, com injúrias.

       Hermes
       Pareces orgulhoso da tua situação.

      Prometeu
Orgulhoso? Orgulhosos assim tomara visse eu os meus inimigos – e incluo-te nesta conta.


       Hermes
       Culpas a mim também de teus desastres?

      Prometeu
Francamente, odeio todos os deuses; devem-me favores e pagam-me com iniqüidade.


       Hermes
       Ouço palavras de louco, e a moléstia é grave.

       Prometeu
       Moléstia será, se odiar os inimigos for insânia.

       Hermes
       Serias insuportável, se houvesses triunfado.

       Prometeu
       Ai de mim!

       Hermes
       Essa exclamação Zeus desconhece.

       Prometeu
       Tudo ensina o tempo com a idade.

       Hermes
       Tu, porém, ainda não aprendeste a ter juízo.
Prometeu
Tens razão; assim não fosse, não conversaria com um lacaio.

       Hermes
       Pelo que vejo, nada dirás do que meu pai deseja.

       Prometeu
       Com efeito! Por muitas finezas lhe devo ser grato!

       Hermes
       Vê se não zombas de mim como duma criança.

       Prometeu
Então, não és uma criança? não és mais ingênuo que criança, quando espera obter de mim
alguma informação? Afronta não há nem astúcia com que me mova Zeus a revelar o
segredo antes de soltas estas infames cadeias. Agora, podem lançar sobre mim a chama
devoradora; podem revolver o universo, confundi-lo sob a neve de asas brancas e com os
ribombos subterrâneos; nada me dobrará a dizer por quem tem de ser derrubado Zeus do
poder.

       Hermes
       Vê lá se lucrarás alguma coisa com essa atitude.

       Prometeu
       Já vi e resolvi tudo há muito tempo.

       Hermes
       Louco! tenta ao menos uma vez pensar cordatamente, em face do que sofres.

        Prometeu
É inútil me aborreceres; é como dar conselhos aos vagalhões do mar. Jamais te ocorra
que, por medo aos desígnios de Zeus, a minha mente se efemine e, palmas voltadas para
cima, imitando as mulheres, eu suplique ao ser mais odioso que me solte estes grilhões.
Eu? Nunca!

        Hermes
Parece tempo perdido continuar falando contigo; meus rogos não te movem nem te
abrandam. Mordes o freio como um potro redomão, refugando, lutando contra as rédeas.
Sem embargo, tua sanha apoia-se num embuste sem força; pode menos que nada a
presunção de quem não sabe pensar. Reflete que borrasca, que tresdobrado vagalhão dos
males, de que não há fugir, sobreviverá, se não te convencerem minhas palavras. Primeiro,
com o trovão e a chama do raio, meu pai despedaçará estes alcantis, sepultando o teu
corpo, e serás embalado no regaço destas penhas. Passarás assim uma eternidade;
depois, virás de volta à luz, mas uma águia ruiva, cão alado de Zeus, furiosa, rasgará de
teu corpo uma posta enorme para – conviva não convidado, que passa o dia no banquete –
regalar-se com a iguaria escura de teu fígado. não esperem nenhum fim a este tormento,
salvo se aparecer um deus que tome o teu lugar no suplício, disposto a descer às sombras
do Hades e às profundezas trevosas do Tártaro. Reflete, portanto; não é ameaça forjada;
foi dita para valer; os lábios de Zeus não sabem mentir; ele cumpre a palavra. Abre os
olhos, pensa e não creias que orgulho alguma vez valha mais do que a cordura.
Coro
A nosso ver são assaz oportunos os conselhos de Hermes; ele te exorta a deixar de
soberbas e consultar a sábia cordura. Deixa-te persuadir; para um sábio, a decisão errada
é uma vergonha.

        Prometeu
Sua mensagem insistente nada me disse de novo; sevícias de inimigos não desonram um
inimigo. Já agora, podem atirar sobre mim a trança de fogo de duas pontas, podem abalar
o éter com o trovão e com a convulsão dos ventos indômitos; pode o seu sopro arrancar
dos fundamentos a terra com suas raízes; podem as ondas do mar, num tumulto violento,
inundar as rotas dos astros do céu; pode Zeus, na voragem impiedosa de sua prepotência,
precipitar o meu corpo destas alturas nos negrores do Tártaro; a verdade é que não me
pode matar.

        Hermes
Tais idéias e palavras são as que podem ouvir da boca de insanos. Que sinal de loucura
falta aos desafios de Prometeu? Sua fúria não se afrouxa. Vós outras, porém, as
condoídas de seus sofrimentos, afastai-vos daqui a toda pressa, para que não vos
aparvalhe a mente o mugido implacável do trovão.

       Coro
Usa de outra linguagem e dá-me conselhos convincentes. Nas águas de tua tirada veio
rolando uma proposta realmente intolerável; tu me incitas à prática da covardia? Homessa!
Estou com Prometeu, disposta ao que der e vier. Fui ensinada a odiar os traidores e não há
peste que eu repila com mais nojo.

       Hermes
Se assim é, lembrai-vos do que predigo; quando colhidas na adversidade, não culpeis o
Destino, nem acuseis jamais a Zeus de precipitar-vos num suplício imprevisto. não! Culpai-
vos a vós mesmas. Estais prevenidas e não será de improviso e de surpresa que vossa
insensatez vos enredará nas malhas da calamidade.

       (Sai.)

Prometeu (Relâmpagos, trovões, ventania; as Oceânides fogem espavoridas e as penhas
desabem sobre Prometeu.)
Agora são os fatos e não mais palavras! A terra estremeceu; muge nas profundezas o eco
do trovão; fulguram os ziguezagues inflamados do raio; turbilhões revolvem o pó; saltam os
sopros de todos os ventos uns contra os outros, numa guerra aberta de tufões contrários; o
éter e o mar se confundiram. Essa a rajada de Zeus, que avança sobre mim, visando
amedrontar-me. Nume venerando de minha mãe! Éter que envolves o mundo na luz que a
todos pertence! Vedes que iniqüidade padeço?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Guiao leitura vicente_1355939932
Guiao leitura vicente_1355939932Guiao leitura vicente_1355939932
Guiao leitura vicente_1355939932fatimamendonca64
 
O enigma de alexandre
O enigma de alexandreO enigma de alexandre
O enigma de alexandrepauloweimann
 
7 trago-lhe o meu adeus...
7   trago-lhe o meu adeus...7   trago-lhe o meu adeus...
7 trago-lhe o meu adeus...Fatoze
 
Medéia - Eurípedes
Medéia - EurípedesMedéia - Eurípedes
Medéia - EurípedesWaldo Peixoto
 
Christian jacq pedra de luz 4 - o lugar de verdade
Christian jacq   pedra de luz 4 - o lugar de verdadeChristian jacq   pedra de luz 4 - o lugar de verdade
Christian jacq pedra de luz 4 - o lugar de verdadeAriovaldo Cunha
 
Medeia de Eurípedes - Prof. Eduardo Rabenhorst
Medeia de Eurípedes - Prof. Eduardo RabenhorstMedeia de Eurípedes - Prof. Eduardo Rabenhorst
Medeia de Eurípedes - Prof. Eduardo Rabenhorstfilipesluna
 
C. s. lewis trilogia de ransom 2 - perelandra
C. s. lewis   trilogia de ransom 2 - perelandraC. s. lewis   trilogia de ransom 2 - perelandra
C. s. lewis trilogia de ransom 2 - perelandraAlex Martins
 
Bocage a virtude laureada
Bocage   a virtude laureadaBocage   a virtude laureada
Bocage a virtude laureadaAriovaldo Cunha
 
Bram stoker -_a_casa_do_juiz
Bram stoker -_a_casa_do_juizBram stoker -_a_casa_do_juiz
Bram stoker -_a_casa_do_juizAriovaldo Cunha
 
Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011
Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011
Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011tecnofantasia
 
Episódio Adamastor - Os Lusíadas
Episódio Adamastor - Os LusíadasEpisódio Adamastor - Os Lusíadas
Episódio Adamastor - Os LusíadasBecre Forte da Casa
 
Bocage a pavorosa ilusão
Bocage   a pavorosa ilusãoBocage   a pavorosa ilusão
Bocage a pavorosa ilusãoAriovaldo Cunha
 

Mais procurados (20)

Guiao leitura vicente_1355939932
Guiao leitura vicente_1355939932Guiao leitura vicente_1355939932
Guiao leitura vicente_1355939932
 
Molière o tartufo
Molière o tartufoMolière o tartufo
Molière o tartufo
 
Andromaca
AndromacaAndromaca
Andromaca
 
O enigma de alexandre
O enigma de alexandreO enigma de alexandre
O enigma de alexandre
 
Fedra
FedraFedra
Fedra
 
O mundo-desperto
O mundo-despertoO mundo-desperto
O mundo-desperto
 
Hipólito
HipólitoHipólito
Hipólito
 
Eurípedes medeia
Eurípedes   medeiaEurípedes   medeia
Eurípedes medeia
 
7 trago-lhe o meu adeus...
7   trago-lhe o meu adeus...7   trago-lhe o meu adeus...
7 trago-lhe o meu adeus...
 
Medéia - Eurípedes
Medéia - EurípedesMedéia - Eurípedes
Medéia - Eurípedes
 
Boletim 220613
Boletim   220613Boletim   220613
Boletim 220613
 
Christian jacq pedra de luz 4 - o lugar de verdade
Christian jacq   pedra de luz 4 - o lugar de verdadeChristian jacq   pedra de luz 4 - o lugar de verdade
Christian jacq pedra de luz 4 - o lugar de verdade
 
Medeia de Eurípedes - Prof. Eduardo Rabenhorst
Medeia de Eurípedes - Prof. Eduardo RabenhorstMedeia de Eurípedes - Prof. Eduardo Rabenhorst
Medeia de Eurípedes - Prof. Eduardo Rabenhorst
 
C. s. lewis trilogia de ransom 2 - perelandra
C. s. lewis   trilogia de ransom 2 - perelandraC. s. lewis   trilogia de ransom 2 - perelandra
C. s. lewis trilogia de ransom 2 - perelandra
 
Bocage a virtude laureada
Bocage   a virtude laureadaBocage   a virtude laureada
Bocage a virtude laureada
 
Bram stoker -_a_casa_do_juiz
Bram stoker -_a_casa_do_juizBram stoker -_a_casa_do_juiz
Bram stoker -_a_casa_do_juiz
 
Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011
Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011
Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011
 
Aristófanes a paz
Aristófanes   a pazAristófanes   a paz
Aristófanes a paz
 
Episódio Adamastor - Os Lusíadas
Episódio Adamastor - Os LusíadasEpisódio Adamastor - Os Lusíadas
Episódio Adamastor - Os Lusíadas
 
Bocage a pavorosa ilusão
Bocage   a pavorosa ilusãoBocage   a pavorosa ilusão
Bocage a pavorosa ilusão
 

Semelhante a Prometeu Acorrentado - O Deus Punido por Dar Fogo aos Homens

Semelhante a Prometeu Acorrentado - O Deus Punido por Dar Fogo aos Homens (11)

Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
 
Viver! machado de assis
Viver!   machado de assisViver!   machado de assis
Viver! machado de assis
 
Ato 08 evite os azarados e os infelizes
Ato 08   evite os azarados e os infelizesAto 08   evite os azarados e os infelizes
Ato 08 evite os azarados e os infelizes
 
Os Lusíadas - Canto V - O Gigante Adamastor
Os Lusíadas -  Canto V - O Gigante AdamastorOs Lusíadas -  Canto V - O Gigante Adamastor
Os Lusíadas - Canto V - O Gigante Adamastor
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Solidão fonte viva
Solidão   fonte vivaSolidão   fonte viva
Solidão fonte viva
 
éDipo rei
éDipo reiéDipo rei
éDipo rei
 
Os Cavaleiros
Os CavaleirosOs Cavaleiros
Os Cavaleiros
 
Íon
ÍonÍon
Íon
 
28
2828
28
 
Poemas traduzidos fernando pessoa
Poemas traduzidos  fernando pessoaPoemas traduzidos  fernando pessoa
Poemas traduzidos fernando pessoa
 

Mais de Ariane Mafra

Urdimento voz oralidade
Urdimento voz oralidadeUrdimento voz oralidade
Urdimento voz oralidadeAriane Mafra
 
Revista moin moin_6
Revista moin moin_6Revista moin moin_6
Revista moin moin_6Ariane Mafra
 
Revista moin moin_5
Revista moin moin_5Revista moin moin_5
Revista moin moin_5Ariane Mafra
 
Revista moin moin_4
Revista moin moin_4Revista moin moin_4
Revista moin moin_4Ariane Mafra
 
Revista moin moin_1
Revista moin moin_1Revista moin moin_1
Revista moin moin_1Ariane Mafra
 
Sociedade do espetaculo
Sociedade do espetaculoSociedade do espetaculo
Sociedade do espetaculoAriane Mafra
 
Psicossociologia análise social e intervenção
Psicossociologia   análise social e intervençãoPsicossociologia   análise social e intervenção
Psicossociologia análise social e intervençãoAriane Mafra
 
Pedagogia dos monstros os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras
Pedagogia dos monstros   os prazeres e os perigos da confusão de fronteirasPedagogia dos monstros   os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras
Pedagogia dos monstros os prazeres e os perigos da confusão de fronteirasAriane Mafra
 
Paolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovens
Paolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovensPaolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovens
Paolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovensAriane Mafra
 
O assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machado
O assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machadoO assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machado
O assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machadoAriane Mafra
 
Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1
Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1
Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1Ariane Mafra
 
Miro.baia.arte.da.expressao.teatro
Miro.baia.arte.da.expressao.teatroMiro.baia.arte.da.expressao.teatro
Miro.baia.arte.da.expressao.teatroAriane Mafra
 
Isabel allende o reino do dragão de ouro
Isabel allende   o reino do dragão de ouroIsabel allende   o reino do dragão de ouro
Isabel allende o reino do dragão de ouroAriane Mafra
 
Fabio.fabricio.fabreti.super.santas
Fabio.fabricio.fabreti.super.santasFabio.fabricio.fabreti.super.santas
Fabio.fabricio.fabreti.super.santasAriane Mafra
 
Dave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisa
Dave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisaDave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisa
Dave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisaAriane Mafra
 

Mais de Ariane Mafra (20)

Urdimento voz oralidade
Urdimento voz oralidadeUrdimento voz oralidade
Urdimento voz oralidade
 
Urdimento 12
Urdimento 12Urdimento 12
Urdimento 12
 
Urdimento 11
Urdimento 11Urdimento 11
Urdimento 11
 
Urdimento 5
Urdimento 5Urdimento 5
Urdimento 5
 
Urdimento 4
Urdimento 4Urdimento 4
Urdimento 4
 
Revista moin moin_6
Revista moin moin_6Revista moin moin_6
Revista moin moin_6
 
Revista moin moin_5
Revista moin moin_5Revista moin moin_5
Revista moin moin_5
 
Revista moin moin_4
Revista moin moin_4Revista moin moin_4
Revista moin moin_4
 
Revista moin moin_1
Revista moin moin_1Revista moin moin_1
Revista moin moin_1
 
Sociedade do espetaculo
Sociedade do espetaculoSociedade do espetaculo
Sociedade do espetaculo
 
Psicossociologia análise social e intervenção
Psicossociologia   análise social e intervençãoPsicossociologia   análise social e intervenção
Psicossociologia análise social e intervenção
 
Pedagogia dos monstros os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras
Pedagogia dos monstros   os prazeres e os perigos da confusão de fronteirasPedagogia dos monstros   os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras
Pedagogia dos monstros os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras
 
Paolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovens
Paolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovensPaolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovens
Paolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovens
 
O assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machado
O assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machadoO assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machado
O assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machado
 
Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1
Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1
Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1
 
Miro.baia.arte.da.expressao.teatro
Miro.baia.arte.da.expressao.teatroMiro.baia.arte.da.expressao.teatro
Miro.baia.arte.da.expressao.teatro
 
Isabel allende o reino do dragão de ouro
Isabel allende   o reino do dragão de ouroIsabel allende   o reino do dragão de ouro
Isabel allende o reino do dragão de ouro
 
Fabio.fabricio.fabreti.super.santas
Fabio.fabricio.fabreti.super.santasFabio.fabricio.fabreti.super.santas
Fabio.fabricio.fabreti.super.santas
 
Dave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisa
Dave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisaDave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisa
Dave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisa
 
Os persas
Os persasOs persas
Os persas
 

Prometeu Acorrentado - O Deus Punido por Dar Fogo aos Homens

  • 1. PROMETEU ACORRENTADO POR ÉSQUILO Prometeu acorrentado (em grego, ΠΡΟΜΗΘΕΥΣ ΔΕΣΜΩΤΗΣ - PROMĒTHEUS DESMŌTĒS, na transliteração) é uma tragédia grega composta entre os anos de 462 e 459 a.C. A história de Prometeu e o motivo de sua punição dá título a obra. Dentres seus muitos "crimes" a favor dos mortais, o mais grave foi roubar o fogo dos deuses e dá-lo aos homens, por isso Zeus ordena que se acorrente Prometeu a um rochedo, onde uma ave vem diariamente dilacerar-lhe o fígado, que se regenera noite. No entanto, apesar das súplicas que alguns deuses fazem a Prometeu para que vá se redimir humildemente com Zeus, aquele se recusa, afirmando que o pai dos deuses ainda necessitará de sua ajuda. Prometeu - que significa "o que sabe antecipadamente" - sabe de um segredo que ameaça o reinado de Zeus: o filho deste num casamento próximo o destronará e somente Prometeu sabe como impedi-lo. Porém, recusando-se a revelar como, é alvo de novas e mais perigosas ameaças... Personagens Prometeu Poder e Vigor Hefesto Oceano Io Hermes Coro das Oceânides
  • 2.
  • 4. é
  • 5. o pico duma montanha deserta. Chegam Poder e Vigor, que trazem preso Prometeu; segue-os, coxeando, Hefesto, carregando correntes, cravos e malha.)
  • 6. Poder Eis-nos chegados a um solo longínquo da terra, caminho da Cítia, deserto ínvio. Hefesto, é mister te desincumbas das ordens enviadas por teu pai, acorrentando este celerado, com liames inquebráveis de cadeias de aço, aos rochedos de escarpas abruptas. Ele roubou uma flor que era tua, o brilho do fogo, vital em todas as artes, e deu-a de presente aos mortais; é preciso que pague aos deuses a pena desse crime, para aprender a acatar o poder real de Zeus e renunciar o mau vezo de querer bem à Humanidade. Hefesto Poder e Vigor, a incumbência de Zeus para vós está terminada; nada mais vos embarga. Eu, porém, não me animo a agrilhoar à força um deus meu parente a um píncaro aberto às intempéries. Todavia, é imperioso criar essa coragem; é grave negligenciar as ordens de meu pai. Filho de Têmis bem avisada, cheio de ousados intentos, vou, grado meu, mau grado teu, prender-te com cravos de bronze impossíveis de arrancar a este penhasco deserto, onde não ouvirás a voz nem verás o vulto de nenhum mortal. Crestado pela chama ardente do sol, perderás o viço da pele; o manto matizado da noite, para teu gáudio, virá cobrir a luz, e o sol dissipará de novo as brumas da aurora, mas serás triturado pelo acabrunhamento da desgraça, sempre presente, porque ainda está por nascer o teu libertador. Eis o que te rendeu o vezo de querer bem à Humanidade. Tu, um deus, não te encolheste de medo à cólera dos deuses e entregaste, com violação da justiça, as suas prerrogativas aos mortais; em paga, montarás guarda a este penhasco desprezível, de pé, sem dormir, sem dobrar os joelhos. Debalde exalarás gemidos e ais sem fim, porque inexorável é o coração de Zeus; todo poder recente é implacável. Poder Basta! Para que te atardares em lástimas perdidas? Por que não abominas o deus mais odioso aos deuses, que entregou aos mortais um privilégio teu? Hefesto O parentesco e a amizade são forças formidáveis. Poder Concordo, mas como se podem transgredir as ordens de teu pai? Isso não te infunde medo? Hefesto Tu és sempre cruel e audacioso. Poder Lamentos não curam os seus males; não te canses à toa em lástimas ineficazes. Hefesto Oh! Que ofício detestável! Poder Detestável por quê? Tua arte, francamente, culpa nenhuma tem nestas aflições.
  • 7.
  • 8.
  • 9. Hefesto Ainda assim, oxalá ela o quinhão dalgum outro. Poder Todos os quinhões foram negociados, menos o de comandar os deuses; ninguém é livre senão Zeus. Hefesto Bem sei; a isso não posso replicar. Poder Então, mãos à obra! Envolve-o nas cadeias; que teu pai não te aviste parado. Hefesto Ele pode ver-me com as correntes nas mãos. Poder Põe-lhe as cadeias em torno dos braços, martela com toda a força e prega-o na rocha. Hefesto O trabalho avança e sai a contento. Poder Bate mais forte, aperta, não deixes folga; ele é hábil em descobrir saídas até onde não existem. Hefesto Este braço está preso, de não se poder soltar. Poder Fixa também este solidamente, para ele aprender que sua astúcia não é tão ágil como a de Zeus. Hefesto Ninguém poderá reclamar com razão de meu trabalho, exceto ele. Poder Agora, finca-lhe firmemente no peito o dente duro duma cunha de aço. Hefesto Ai! Prometeu, gemo baixinho por teus sofrimentos. Poder Estás outra vez remanchando e lastimando um inimigo de Zeus? Cuidado, não venhas um dia a chorar por ti mesmo! Hefesto Não estás vendo um espetáculo triste de ver?
  • 10.
  • 11. Poder
  • 12. Eu o vejo receber o que merece. Vamos, passa-lhe um cinto em torno dos flancos. Hefesto Não posso evitar de fazê-lo; não precisas exortar-me. Poder Pois não só te exortarei, mas até instarei contigo. Desce e mete-lhe à força umas grilhetas nas pernas. Hefesto Pronto. Não deu muito trabalho. Poder Crava-lhe agora agora fortemente umas peias penetrantes; quem fiscaliza a obra é rigoroso. Hefesto Tua linguagem afina-se com tua figura. Poder Sê brando tu, mas não censures minha rigidez e a crueza de minha índole. Hefesto Podemos ir. Seus membros já estão amarrados. Poder (a Prometeu) Abusa, agora! Furta aos deuses seus privilégios para entregá-los aos seres efêmeros. Que alívio te podem dar deste suplício os mortais? Errados andaram os deuses em te chamarem Prometeu; tu mesmo precisas de alguém que te prometa um meio de safar-te destes hábeis liames! (Retiram-se Poder, Vigor e Hefesto.) Prometeu Éter divino! Ventos de asas ligeiras! Fontes dos rios! Riso imensurável das vagas marinhas! Terra, mãe universal! Globo do sol, que tudo vês! Eu vos invoco. Vede o que eu, um deus, sofro da parte dos deuses! Contemplai quanto ignominiosamente estracinhado hei de sofrer pelas miríades de anos do tempo em fora! Tal; é a prisão aviltante criada para mim pelo novo capitão dos bem-aventurados! Ai! Ai! Lamento os sofrimentos atuais e os vindouros, a conjeturar quando deverá despontar enfim o termo deste suplício. Mas que digo? Tenho presciência exata de todo o porvir e nenhum sofrimento imprevisto me acontecerá. Cumpre- me suportar com a maior resignação os decretos dos fados, sabendo inelutável a força do Destino. Contudo, não posso calar nem deixar de calar minha desdita. Por ter feito uma dádiva aos mortais, estou jungido a esta fatalidade, pobre de mim! Sou quem roubou, caçada no oco duma cana, a fonte do fogo, que se revelou para a humanidade, mestre de todas as artes e tesouro inestimável. Esse o pecado que resgato pregado nestas cadeias ao relento. (Descendo das alturas, pousa um carro alado no pico vizinho; nele vêm as Oceânides, quinze donzelas que compõem o coro.)
  • 13.
  • 14.
  • 15. Oh! Sus! que rumor, que fragrância indistinta vem a mim voando? A de um deus? De um mortal? De um ser intermediário? Vem alguém até este penhasco do fim do mundo para observar as minhas penas? ou, então, que procura? Vede-me nestes grilhões, um deus sem ventura, o inimigo de Zeus, aquele que atraiu os ódios de todos os deuses freqüentadores da corte de Zeus, por seu demasiado amor à Humanidade. Oh! Oh! que adejo de aves torno a ouvir perto de mim? O éter sussurra ao leve impulso das asas. De tudo que se aproxima sinto medo. Coreuta Nada temas. Somos um grupo amigo, que, numa porfia de asas velozes, chegamos até este penhasco, depois de dobrarmos a custo a vontade de nosso pai. Auras velozes me transportaram; o eco do bater do aço, penetrando o ádito de meu antro, expulsou de mim o acanhamento de olhos tímidos e alcei vôo, descalça, neste carro alado. Prometeu Ai! Ai! Prole de Tétis fecunda, filhas de Oceano, cujo curso envolve a Terra inteira sem nunca adormecer, olhai, vede estas cadeias; pregado nelas montarei uma guarda nada invejável no cimo dos rochedos deste precipício. Coreuta Estou vendo, Prometeu. Uma névoa cheia de lágrimas sobe-me aos olhos medrosa, quando contemplo o teu corpo nesse rochedo a ressequir na afronta desses grilhões de aço. Um novo arrais governa o Olimpo; Zeus exerce um poder arbitrário, inovando leis, e aniquila hoje os potentados de ontem. Prometeu Oxalá houvesse ele me atirado sob a terra, abaixo do Hades acolhedor do morto, ao Tártaro intransponível, prendendo-me selvagemente com laços indesatáveis, para nenhum deus, nenhum ser desfrutar a cena; infeliz de mim, porém, para gáudio dos inimigos, sofro como grimpa ao sabor dos ventos. Coreuta Quem dentre os deuses tem coração tão duro que se rejubile com tuas penas? quem, salvo Zeus, não sentiria a mesma indignação nossa diante de teus males? Ele, eternamente iroso, com uma determinação inflexível, subjuga a raça celeste e não cessará antes de saciar seu coração ou até que alguém, num golpe feliz, lhe arrebate o poder inexpugnável! Prometeu Mas, juro-o, apesar do ultraje destas peias brutais, um dia o chefe dos bem-aventurados precisará de mim, para a revelação do novo decreto do Destino, que lhe arrebatará o cetro e a majestade; e ele não me há de seduzir com o encanto de sortilégios melífluos, nem o pavor de suas duras ameaças jamais arrancará de mim o segredo, enquanto não me soltar deste laços cruéis, disposto a pagar a pena desta humilhação. Coreuta Tu és ousado. Ao invés de te dobrares à amarga adversidade, falas numa linguagem excessivamente livre. Eu sinto o coração agitado por um medo penetrante. Temo pela tua sorte, imaginando como jamais poderás avistar um termo destes
  • 16.
  • 18. á
  • 19. ter do filho de Crono
  • 20. é
  • 22. á
  • 23. vel e seu cora
  • 24. çã
  • 26. à
  • 28. ã
  • 29. o
  • 30. .
  • 31. Prometeu Sei que ele é cruel e tem à sua discrição o direito. Todavia, seu coração, imagino, se abrandará um dia, quando sofrer o revés a que aludi; então, acalmada a cólera implacável, vira ansioso ao encontro de meus anseios, em busca de minha aliança e amizade. Coreuta Desvenda-me tudo. Conta-nos em que culpa te apanhou Zeus para te humilhar tão ignominiosa e duramente. Narra-nos, se não te aflige a narrativa. Prometeu Se contar é doloroso, calar também me dói; de qualquer lado, desdita. Mal começaram os numes a irar-se e surgiu a discórdia entre eles, uns queriam derrubar Crono de sólio, para que Zeus reinasse daí por diante, outros, ao invés, lutavam por que jamais Zeus governasse os deuses. Então empenhei meus melhores esforços para aliciar os Titãs, filhos de Urano e da Terra. Tudo embalde; em sua mentalidade violenta, desprezando os recursos da astúcia, esperavam vencer facilmente pela força. Minha mãe, Têmis ou Géia, uma só pessoa de vários nomes, mais de uma vez me predissera como aconteceria o futuro; segundo suas revelações, havia de vencer quem superasse não em força e violência, ms em sagacidade. Eu transmitia-lhes a predição, mas não se dignaram sequer a voltar os olhos para mim. Naquelas circunstâncias, fiz o que se me afigurou melhor; com o apoio de minha mãe, fui-me colocar, voluntário bem aceito, ao lado de Zeus. Graças a meus planos, o escuro e profundo esconderijo do Tártaro oculta o velho Crono com seus aliados. A dívida destes inestimáveis serviços, o rei dos deuses a resgata com este suplício cruel; sem, é mal inerente à tirania não confiar na amizade. Quanto à tua pergunta, a causa por que ele me avilta, vou esclarecer-te. Apenas sentado no sólio de seu pai, passou a distribuir a cada nume seus privilégios, delimitando os poderes; dos pobres mortais não fez conta nenhuma; queria, ao contrário, exterminar-lhes a raça e criar outra nova. A esse plano ninguém se opunha, senão eu; minha bravura salvou a Humanidade de baixar esmagada para o Hades. Por isso, eis-me vergado sob estas torturas, dolorosas de sofrer e lastimáveis de ver. A mim, que me compadeci dos mortais, não me consideraram digno de compaixão e sujeitaram-me a esta crueldade, num espetáculo inglório para Zeus. Coreuta Plasmado de ferro e de pedra, Prometeu é o coração de quem não se indigna com os teus sofrimentos. Eu não quisera contemplar esta cena e, quando a vi, pungiu-me o coração. Prometeu Deveras, inspiro dó aos amigos que me vêem. Coreuta Foste, decerto, além daquela oposição? Prometeu Sim, curei nos homens a preocupação da morte.
  • 32.
  • 34. Que remédio achaste para esta mal? Prometeu Alojei neles as cegas esperanças. Coreuta Foi esse um dom utilíssimo para a Humanidade. Prometeu Além disso, dei-lhes de presente o fogo. Coreuta Os efêmeros possuem agora o fogo chamejante? Prometeu Sim e dele aprenderão artes sem conta. Coreuta são, pois, esses os capítulos de acusação por que Zeus... Prometeu ... me afronta e não consente nenhum alívio de meus males. Coreuta Não há termo prefixado a teu suplício? Prometeu Nenhum, senão quando bem lhe parecer. Coreuta E como lhe há de parecer bem? Que esperança pode haver? não vês que erraste? Dizer da extensão de teu erro seria para mim desagradável e para ti penoso. Pois bem, deixemos isso de lado; procura um meio de livrar-te da tortura. Prometeu É fácil, quando se pisa do lado de fora da desgraça, aconselhar e repreender quem está sofrendo. Eu sabia de tudo isto; errei por querer; por querer, não vou negá-lo. Eu mesmo fui procurar meus sofrimentos quando socorri os mortais. Sem embargo, não esperava sofrer a pena de ficar mirrando assim nestas alturas rochosas, dar com os costados neste penhasco ermo e deserto. Contudo, não lamentes as minhas dores atuais. Pousai no chão e ouvi os males que me estão por vir, para saberdes tudo do começo ao fim. Escutai-me! Escutai-me! Compartilhai a dor de quem está penando agora, pois a adversidade, em seus errores sem rumo, visita hoje um, outro amanhã. Coreuta (enquanto o coro apeia.) Não é preciso insistires, Prometeu; esse é o nosso desejo. Meus leves pés já abandonam o carro veloz; desço do éter, caminho sagrado das aves, e pouso neste chão fragoso, ansiosa por ouvir os teus sofrimentos do princípio ao fim.
  • 35.
  • 38. Aqui estou, Prometeu. Para ver-te, percorri todo um longo roteiro, guiando, sem uso de freios, pelo poder da vontade, esta ave de asas velozes. Acredita-me, sofro com a tua sorte; penso que é por efeito do parentesco e porque, à parte os laços de sangue, a ninguém no mundo eu seria mais dedicado que a ti. Reconhecerás a minha sinceridade e que não são vãs as amabilidades de minha parte. Vamos, dize o que devo fazer por ti; jamais apontarás um amigo mais fiel do que Oceano. Prometeu Hem? Que aconteceu? Vieste tu também assistir as minhas penas? Como te abalançaste a deixar o rio a que deste o nome, e tuas cavernas naturais cobertas de rocha, para vires à terra mãe do ferro? Vieste, acaso, observar a minha sorte para chorar comigo a adversidade? Contempla o espetáculo: eu, o amigo de Zeus, que ajudei a implantar o seu reinado, a que suplício por ele imposto me dobro! Oceano Estou vendo, Prometeu, e quero dar-te o meu melhor conselho, apesar de toda a tua sagacidade. Reconhece a tua condição e muda de gênio, pois um novo rei governa os deuses. Se lanças assim palavras brutais e afiadas, Zeus, das longínquas alturas onde se assenta, pode ouvi-las e talvez venhas a considerar um tormento de brinquedo a cólera de agora.. não, desgraçado! Renuncia a tua fúria e procura livrar-te deste suplício. Acharás, talvez, antiquados meus conselhos; contudo, Prometeu, essa é a paga de tua língua demasiado altiva. Tu, porém, ao invés de te humilhares e curvares ante as desgraças, queres juntar outras novas às que já tens. Se acatares meus ensinamentos, não escoicinharás o aguilhão, quando vês no poder um monarca brutal, que a ninguém presta contas. Agora, da minha parte, eu vou fazer o possível para livrar-te destas penas; tua, da tua, está quieto e não esbravejes demais. Ou ignoras, a despeito da sutileza de tua sabedoria, que à língua insolente se inflige castigo? Prometeu Sinto inveja ao ver-te livre de acusação, quando participaste de tudo, acompanhando o meu arrojo. Agora, deixa estar; esquece. Jamais conseguirás persuadi-lo; ele é obstinado. Toma cautela: com essa missão, vais cavar a tua própria ruína. Oceano És melhor conselheiro do próximo do que de ti mesmo; dizem-nos os fatos melhor do que os argumentos. Não tentes de modo algum dissuadir-me desta empresa. Palavra! Zeus, garanto-o, me fará a mercê de livrar-te deste suplício. Prometeu Agradeço-te o favor e jamais o esquecerei; o teu zelo é impecável. Contudo, não te dês a esse trabalho; será um esforço baldado, sem proveito para mim, se é que estás disposto a esforços. não. Descansa e não dificultes as coisas. Porque estou sofrendo não é que hei de querer a desgraça de muitos. Deveras, não. Já me angustia a sorte de meu irmão Atlas, de pé, na região do ocaso, suportando nos ombros a coluna entre o céu e a terra, um fardo nada maneiro. Também me deu pena ver domado pela força Tifão, o impetuoso, o morador das cavernas da Cilícia, nascido da terra, monstro medonho de cem cabeças. Ele Arrostou a todos os deuses, silvando pavores pelas queixadas terrificantes; de seus olhos fuzilava uma clarão aterrador, ameaçando derrubar Zeus do poder pela força. Alcançou-o, porém, o dardo vigilante de Zeus, o raio que cai espirrando chamas, e derrubou-o de sua bravatas arrogantes. Foi ferido bem no coração e sua força
  • 39.
  • 40. pulverizou-se, fulminada. Hoje, o corpo jaz inerte, estatelado junto dum estreito de mar e comprimido pelas ra
  • 41. í
  • 42. zes do Etna, enquanto, instalado na cumeada, Hefesto mal
  • 43. ha o ferro candente. Rios de fogo irromper
  • 44. ã
  • 45. o dali um dia para devorar com selvagens maxilas as leivas escampadas da f
  • 46. é
  • 48. í
  • 50. á
  • 52. ó
  • 54. ã
  • 55. o, mesmo carbonizado pelo raio de Zeus, golfar
  • 56. á
  • 57. para os ares com os dardos incandescen
  • 58. t
  • 59. es duma tempestade de chamas insaci
  • 60. á
  • 61. vel. Mas tua experi
  • 62. ê
  • 64. õ
  • 65. e-te a salvo, como sabes fazer; eu, por mim, irei esgotando a minha desventura at
  • 66. é
  • 68. ó
  • 70. çã
  • 72. Oceano Não sabes, Prometeu? Ira é a doença que os argumentos curam. Prometeu Sim, quando emolimos um coração no momento oportuno; não, quando queremos reduzir à força o tumor duma paixão. Oceano Vês contida no zelo ousado alguma pena? Dá-me a saber. Prometeu Sim, o malogro da fadiga e o desengano da candura. Oceano Deixa-me adoecer dessa moléstia; nada melhor do que passar por louco, por amizade. Prometeu A mim atribuirão depois a culpa. Oceano Esse teu argumento manda-me claramente de volta para casa. Prometeu Sim, para evitar que, lamentando-me, atraias ódio sobre ti. Oceano O ódio de quem sentou há pouco no sólio onipotente? Prometeu Tome cuidado; não irrites nunca o seu furor. Oceano Tua desdita, Prometeu, é uma lição. Prometeu Adeus! Parte e conserva o teu juízo são de agora. Oceano Estava de partida; era escusado insistires. Já minha ave de quatro pés resvala com as asas pelo caminho aberto do éter e dobrará contente os joelhos na estrebaria familiar.
  • 73.
  • 74.
  • 75. (Monta e parte.) Coro (enquanto uma das Oceânides declama as outras dançam.) Soluço, Prometeu, chorando tua sorte funesta; tenho as faces molhadas do úmido jorro do rio de lágrimas que vertem os meus olhos enternecidos. Zeus exerce tais rigores segundo leis apenas suas, para mostrar aos deuses de outrora sua autoridade soberba. Já se elevou em todos os países um coro de gemidos, lamentando a grandeza magnificente, de venerável antigüidade, a ti e a teus irmãos arrebatada. Sofrem contigo tuas deploráveis tribulações todos os mortais que habitam o solo vizinho da Ásia sagrada, bem como as virgens moradoras da terra da Cólquida, intrépidas na luta, as hordas da Cítia, que ocupam a estremadura da terra sobre o Lago Meótis e a flor dos guerreiros da Arábia, que habitam uma praça forte erguida em altas escarpas junto ao Cáucaso, hoste arrasadora, cujas lanças aguçadas retinem. Até agora eu vira apenas um titã sofrer subjugado por brutais cadeias de aço, o divino Atlas, dorso eternamente vergado ao peso da abóbada celeste, por imposição dum poder mais forte, a gemer surdamente. Guaiam as vagas do mar entrechocando-se; geme o abismo; fremem no âmago da terra as trevas do Hades, e as fontes dos rios de correntezas sagradas soluçam por teu sofrimento lastimável. Prometeu não atribuas a orgulho ou arrogância o meu silêncio; rói-me o coração o arrependimento, quando me vejo assim ultrajado. Afinal, quem mais senão eu asselou cabalmente a esses novos deuses os seus privilégios? Mas essa queixa eu calo; para que dizê-lo a quem o sabe? Ouvi, porém as tribulações dos mortais; ouvi como, de parvos que eram, os tornei racionais e dotados de inteligência. Quero contá-lo, não porque tenha queixa da Humanidade, mas para demonstrar quão amistosas foram as minhas dádivas. Eles, antes, olhavam à toa, sem ver, escutavam sem ouvir; por toda a sua longa existência, tudo confundiam sem tino, como vultos vistos em sonho. Desconheciam casas de tijolos ensolaradas e não sabiam lavrar a madeira; moravam sob a terra, como as ágeis formigas, no fundo sem sol das cavernas. não conheciam nenhum sinal seguro do inverno, nem da primavera florida, nem do verão frutuoso. Tudo faziam sem saber, até quando lhes ensinei o orto dos astros e seu obscuro poente. Inventei para eles o número, a suprema ciência, bem como a escrita que tudo recorda, arte mãe de toda cultura. Fui quem primeiro ligou sob jugo os animais, escravizando-os à canga ou à sela, para substituírem os mortais nos trabalhos mais penosos, e atrelei ao carro cavalos dóceis à rédea, ornamento aparatoso à opulência. Ninguém senão eu inventou para os navegantes os carros de asas de linho, que cruzam os mares. Eu, desgraçado, que inventei para os homens tais engenhos, para mim mesmo não descubro uma artimanha com que do presente suplício me liberte. Coro O que se dá contigo é humilhante; tua mente vagueia frustrada e, como um medicastro adoecido, ficas desalentado, incapaz de atinar com remédio que te possa curar. Prometeu Ouvindo o resto, ainda mais te admirarás das artes e meios que imaginei. Principalmente, quando alguém adoecia, não tinham medicamento algum, nem de comer, nem de passar, nem de beber; definhava, carecidos de remédio, até que lhes ensinei a composição de específicos eficazes com que afastam todas as moléstias. Coligi muitos
  • 76.
  • 77. g
  • 78. ê
  • 80. çã
  • 81. o; fui o primeiro a distinguir entre os sonhos quais h
  • 82. ã
  • 83. o9 de tornar-se realidade; interpretei para eles os press
  • 84. á
  • 85. gios obscuros e os agouros surgidos nos caminhos. Defini com precis
  • 86. ã
  • 87. oov
  • 88. ô
  • 89. o das aves de garras aduncas, os costum
  • 90. es de cada uma, seus
  • 91. ó
  • 93. ú
  • 95. çõ
  • 96. es, suas compatibilidades, bem como a lisura das entranhas, a cor que devem Ter para agradarem aos deuses, a variedade dos aspectos bons da ves
  • 97. í
  • 98. cula e do lobo. Queimando, envoltos em gordura, os membros e lomb
  • 99. a
  • 100. das, guiei os homens nas obscuridades do arusp
  • 101. í
  • 102. cio, abrindo os seus olhos para o significado das chamas, at
  • 103. é
  • 104. ent
  • 105. ã
  • 106. o velado. Quanto a esse ramo, basta. Mas dos bens ocultos ao homem no seio da terra, bronze, ferro, prata, ouro, quem pode reclamar a descober
  • 107. t
  • 108. a antes de mim? Ningu
  • 109. é
  • 110. m, tenho certeza, a menos que deseje garrular
  • 111. à
  • 112. toa. Posso contar tudo resumido em breves palavras: todas as artes os mortais devem a Prometeu.
  • 113. Coro Não vás proteger os mortais além da conta e neglicenciar a tua própria desventura; pois eu espero que, liberto destas cadeias, ainda venhas a poder tanto como Zeus. Prometeu Não. O Destino, que tudo cumpre, ainda não decretou que assim seja. Só depois de me dobrar sob milhares de suplícios e tormento me verei livre destas cadeias; os fados podem muito mais do que a astúcia. Coro E quem manobra o timão dos fados? Prometeu As três parcas e mais as memoriosas Eríneas. Coro São elas, pois, mais fortes do que Zeus? Prometeu Ele não poderá escapar a seu destino. Coro Qual o destino de Zeus, senão o poder eterno? Prometeu Não me perguntes mais sobre isso e não insistas. Coro Deve ser um mistério que tu velas. Prometeu Mudemos de assunto; absolutamente não é oportuno revelar esse segredo; ao invés, deve ser guardado o mais possível. Se eu o preservar, poderei escapar um dia aos grilhões humilhantes e aos tormentos. Coro (enquanto uma declama, as outras dançam.) Que Zeus, senhor do universo, não ponha mais o seu poder em luta com a minha vontade! Oxalá não me demore eu em solicitar a presença dos deuses no pio banquete
  • 114.
  • 116. à
  • 118. ã
  • 119. o infinita de meu pai Oceano, nem haja pecado em minhas palavras; ao contr
  • 120. á
  • 121. rio, possa esta disposi
  • 122. çã
  • 123. o perp
  • 124. etuar-se em mim sem apagar-se nunca. Doce
  • 125. é
  • 127. ê
  • 129. ç
  • 131. çã
  • 132. o de prazeres radiosos; mas estreme
  • 133. ç
  • 134. o, quando te vejo dilacerado por dores inumer
  • 135. á
  • 136. veis, porque tu, Prometeu, sem o temor de Zeus, por tu
  • 137. a
  • 138. pr
  • 139. ó
  • 141. ã
  • 143. à
  • 144. Humanidade uma estima excessiva. Vamos, amigo, dize: que favor veio pagar os teus favores? Onde encontras ajuda? Que socorro te mandaram os ef
  • 145. ê
  • 147. ã
  • 148. ov
  • 149. ê
  • 150. s a fraqueza, a impot
  • 151. ê
  • 153. é
  • 154. s da cega ra
  • 155. ç
  • 157. p
  • 158. esadelo? A vontade dos mortais n
  • 159. ã
  • 161. á
  • 162. jamais a ordem estabelecida por Zeus. Eis a li
  • 163. çã
  • 164. o que aprendi, Prometeu, contemplando a tua ru
  • 165. í
  • 166. na. Duas melodias voejam at
  • 167. é
  • 169. â
  • 170. ntico e a do himeneu que em honra de tuas bodas entoei no momento de teu
  • 171. b
  • 172. anho e quando subias ao leito, no dia em que ao t
  • 173. á
  • 174. lamo de esposa levaste minha irm
  • 175. ã
  • 176. Hes
  • 177. í
  • 178. ona, seduzindo-a com teus mimos.
  • 179. Io (entra esbaforida; é uma jovem de cuja fronte despontam cornos bovinos.) Que terra é esta? Que povo a habita? Quem direi que vejo aí exposto ao tempo, atrelado a um penhasco? Que crime expias assim perecendo? Esclarece-me a que lugar da terra vim dar vagueando, pobre de mim! Ai! Ui! (Corre para lá e para cá, espaventada.) De novo um tavão aferroa esta infeliz. É o espectro de Argos, filho da Terra! Terra, enxota- o! Apavora-me a visão do zagal de mil olhos. Aí vem ele com seu olhar traiçoeiro. Morto, embora, não o esconde a terra; vem do mundo dos mortos para dar caça a esta desditosa, para fazê-la errar, faminta, pelas areias das praias. Toada enfadonha modulam no meu rasto seus canudos sonoros colados como cera. Ai! Ai! Deuses! Onde me levam estes este errores longínquos? Que crime, filho de Crono, que crime achaste em mim para me jungires as estas tribulações – ai! – e assim consumires esta mísera insana com o pavor do tavão perseguidor? Queima-me com teu fogo, enterra-me no chão, ou lança-me em pasto aos monstros marinhos; não desatendas, senhor, as minhas súplicas; por demais me estafaram os errores sem fim e não descubro meios de fugir aos meus tormentos. Ouves a voz da virgem de cornos bovinos? Prometeu Como não ouvir a donzela que o tavão volteia, a filha de Ínaco, cujo amor aqueceu o coração de Zeus e agora, coagida pelo rancor de Hera, se extenua a correr extensões inumeráveis? Io Como sabes tu dizer o nome do meu pai? Responde a esta mofina. Quem és tu, que em termos tão verazes falas a esta malfadada, mencionando o mal pelos deuses infligido, que me consome com ferroadas de enlouquecer? Ai! Os desígnios rancorosos de Hera impeliram-me até aqui no ímpeto de saltos degradantes que esfomeiam. Quem dentre os desgraçados, ai! Padece tormento igual ao meu? Vamos; conta-me francamente os sofrimentos que me esperam. Que recurso ou remédio cura este mal? Indica-o, se é que sabes. Fala, informa a virgem dos tristes errores. Prometeu Dir-te-ei com franqueza quanto desejas saber, sem trançar enigmas, na linguagem singela que assenta a lábios que se descerram falando a amigos. Estás vendo o dador do fogo aos homens, Prometeu.
  • 180.
  • 181.
  • 182. Io Ó benfeitor aparecido a toda a Humanidade, infeliz Prometeu, que pena estás cumprindo? Prometeu Há pouco decidi não mais chorar meus males. Io Recusar-me-ias, então, uma graça? Prometeu Dize-me o que pedes; de tudo posso informar-te. Io Conta quem te encadeou neste alcantil. Prometeu A ordem foi de Zeus, mas o braço, de Hefesto. Io Qual o crime cuja pena estás cumprindo? Prometeu Os esclarecimentos dados acho que te bastam. Io Dize mais quando será o fim dos errores desta inditosa. Prometeu Para ti é melhor ignorá-lo do que sabe-lo. Io Por favor, não me ocultes aquilo que vou sofrer. Prometeu Bem, não regatearei esta dádiva. Io Então, por que tardas em revelar-me tudo? Prometeu Não é que me recuse; receio perturbar-te o coração. Io Não mais te aflijas or mim; eu terei prazer. Prometeu Se assim o quer, devo falar; escuta.
  • 183.
  • 184. Io
  • 185. Ainda não. A mim também concede um quinhão de prazer. Indaguemos antes o mal que a aflige; conte ela própria sua ruinosa desdita e ouça de ti depois seus tormentos vindouros. Prometeu A ti incumbe dar-lhes esse gosto, Io, tanto mais que são irmãs de teu pai. Vale a pena chorar, lastimar o destino, quando se vão arrancar lágrimas dos ouvintes. Io Não posso desenganar-vos; ouvireis quanto desejais saber, num relato preciso. Todavia, coro ao contar a origem da tormenta que, armada por um deus, sobre mim desabou e desfigurou esta infeliz. Visões noturnas visitavam constantemente minha alcova virginal e sussurravam conselhos: “Donzela venturosa, por que tanto prolongas tua virgindade, se podes ter o mais excelso esposo? Zeus, que aqueceste com a flecha do desejo, quer desfrutar contigo os deleites de Cípris; não desdenhes, menina, o leito de Zeus; sai, vai à campina viçosa de Lerna, onde pascem os rebanhos e as manadas de teu pai, para que o olhar de Zeus sacie o seu desejo.” Eu infeliz, noite após noite era instigada por semelhantes sonhos, até criar o ânimo de revelar a meu pai que visões me visitavam à noite. Ele expedia missionérios a Delos e Dodona, uns após outros, a consultar o oráculo, indagando o que devia fazer ou dizer para satisfação dos deuses. Eles voltavam com respostas ambíguas, incompreensíveis, indecifráveis. Por fim, Ínaco recebeu um recado claro, que, em palavras precisas, o conjurava a banir-me do lar e da pátria, para que vagasse livremente como rês votada ao sacrifício, até os mais longínquos confins da Terra, se não quisesse ver o raio flamante de Zeus cair e aniquilar toda a sua raça. Obediente a esse vaticínio de Lóxias, expulsou-me, mau grado seu e mau grado meu, e fechou-me a porta de casa. Se assim procedia, era coagido pela força do freio de Zeus. Num instante minha figura e minha mente se transmudaram; com estas pontas, como vedes, e aferroada pelas agudas picadas dum moscardo, desfechando saltos loucos, tomei o rumo das saudáveis águas de Cercnéia, e da fonte de Lerna. Argos, um pegureiro nascido da Terra, de índole violenta, vigiava, com seus olhos incontáveis, cada um dos meus passos. Uma morte inesperada e súbita privou-o da vida e eu, ferroada do tavão, passei a ser enxotada de país em país por um flagelo divino. Ouviste o meu passado; se sabes dizer minhas penas futuras, revelas-me; não me confortes, porém, compadecido, com palavras enganosas; a linguagem mentirosa é a mais nojenta das pestes. Coro Oh! Oh! Arreda! Que horror! Jamais, jamais esperei chegasse a meus ouvidos tão estranho relato, nem flagelos, desgraças, terrores, tão horríveis de ver e de ouvir, que gelam minha alma com aguilhões de duas pontas. Ai! Destino! Destino! Sinto arrepios ao ver as desventuras de Io. Prometeu É cedo para gemeres e te encheres de medo; espera até conheceres também o porvir. Coro Fala, conta; é doce a quem padece conhecer bem, de antemão, a dor vindoura.
  • 186.
  • 188. Sem esforço lograstes a satisfação que pedistes em primeiro lugar; queríeis ouvir primeiramente as provações de Io contadas por ela mesma; ouvi agora que aflições ainda tem de sofrer esta jovem por obra de Hera. Tu, progênie de Ínaco, guarda as minhas palavras no coração, para conheceres o fim de tua peregrinação. Ao partires daqui, volta-te primeiro para o levante e percorre as campinas incultas; alcançarás os citas nômades; eles moram em choças de esteira montadas sobre carros de boas rodas e de seus ombros pendem arcos de longo alcance. Não te aproximes deles; guia teus passos para junto da penedia onde soluça o mar e atravessa o país; à mão esquerda ficam os cálibes ferreiros, de quem te deves guardar; são selvagens e inacessíveis a estranhos. Chegarás ao Rio Hibristes, que não desmente o nome; não o transponhas, pois não é fácil de vadear, enquanto não atingires o próprio Cáucaso, a mais alta das montanhas, de cujas encostas mesmas sorve o rio a sua fúria. Deves transpor a cumeada, que vizinha com os astros, e seguir o caminho do sul. Encontrarás ali a hoste das Amazonas, que odeiam os varões; essas fundarão um dia Temiscira junto ao Termodonte, onde se abre a barra cruel de Salmidesso, inospitaleira aos mareantes, madrasta aos navios. As Amazonas te guiarão com muito gosto. Atingirás o istmo cimério na estreita abertura do lago; deverás encher-te de coragem para deixá-lo e atravessar o estreito meótico; a Humanidade guardará para sempre a memória gloriosa da tua passagem; o braço de mar, em recordação, terá o nome de Bósforo. Deixando o solo da Europa, alcançarás a terra firme da Ásia. O rei dos deuses não vos parece igualmente violento em tudo? Por seu desejo de unir-se a esta mortal, ele, um deus, a condenou a esses errores. Tu deparaste, donzela, um cruel pretendente a tua mão; com efeito, o rol que acabas de ouvir, podes crê-lo, não é ainda o prelúdio. Io Pobre de mim! Ai! Prometeu Gritas e suspiras de novo! Que farás quando souberes dos males restantes? Coro Vais contar-lhe mais outras atribulações? Prometeu Um mar tempestuoso de calamidades funestas. Io Então, que me vale viver? Por que não me atiro já do alto deste duro penedo, para livrar- me de todas as aflições arrojando-me abaixo? Melhor é morrer duma vez do que viver padecendo dia a dia. Prometeu Que difícil te seria suportas as minhas penas! A mim, os fados não consentem a morte; seria essa a libertação de meus tormentos; mas nenhum fim se oferece a meus sofrimentos antes que de se poder Zeus seja derrubado. Io É possível que Zeus caia do poder algum dia?
  • 189.
  • 191. Gostarias, creio, de ver o acontecimento. Io Como não, se é por causa de Zeus que padeço? Prometeu Pois bem; assim será, podes estar certa. Io Quem lhe há de arrebatar o cetro da realeza? Prometeu Ele mesmo o fará com seus caprichos insensatos. Io De que maneira? Dize-o, se não há perigo. Prometeu Ele convolará a núpcias de que há de arrepender-se. Io Noiva divina ou humana? Se não é segredo, conta-me. Prometeu Que importa quem seja? Não devo romper o segredo. Io A esposa o destronará? Prometeu Sim, dando à luz um filho mais forte que o pai. Io E não há como arredar dele esse destino? Prometeu Não, salvo se eu for solto dos grilhões. Io Quem há de te soltar, se Zeus assim não quer? Prometeu Um de teus descendentes, como querem os fados. Io Que dizes? Um filho meu te livrará dos males? Prometeu Após dez outras gerações, uma da terceira.
  • 192.
  • 193. Io
  • 194. O vaticínio agora não compreendo bem. Prometeu não procures tampouco saber as tuas penas. Io não me retires um proveito depois de oferecê-lo. Prometeu Vou presentear-te com uma de duas revelações. Io Quais? Indica-mas e dá-me a escolha. Prometeu Dou-a. Escolhe se te revelo exatamente tuas penas futuras ou quem me há de soltar. Coro Desses favores, hajas por bem conceder um a ela e o outro a mim. não desprezes os nossos pedidos; desvenda a Io os errores futuros e a mim o teu libertador; este é que anseio por saber. Prometeu Já que ansiais por isso, não me negarei a revelar-vos quanto desejais. Primeiro Io, discorrerei sobre teus conturbados errores. Registra-os nos assentos de tua memória. Passada a correnteza que extrema os continentes, toma o rumo do rubro oriente que o sol perlustra e, sem jamais cruzar o mar banzeiro, segue até chegares à rechã gorgônea de Cistena. Moram ali as Fórcides, três anosas donzelas de corpo de cisne; elas possuem um só olho comum, um único dente; o sol jamais projeta sobre elas se encontram suas irmãs; tem asas; os cabelos são serpentes. São as Górgonas, odiosas aos mortais; nenhum ser humano jamais as verá, que não exale o último suspiro. Previno-te para que te acauteles. Mas ouve sobre outro espetáculo intratável; guarda-te dos cães de Zeus que não ladram, os grifos de agudo bico, e da hoste montada dos arimaspos de um só olho, que povoam as margens do Rio Plutão, de águas auríferas; deles não te acerques. Chegarás, daí, a um país remoto, a um povo negro, que vive junto às fontes do sol, donde mana o Rio Etíope. Vai seguindo pelas ribas até deparares uma catarata; ali despeja o Nilo, das montanhas de Biblos, suas venerandas águas saudáveis. Ele te guiará a Nilótis, terra triangular; ali segundo dispõem os fados, tu fundarás, Io, com teus filhos, a colônia longínqua. Se alguma coisa te ficou obscura e incompreensível, torna a perguntar para saberes com certeza. Disponho de mais vagares do que desejaria. Coro Se algo resta por desvendar ou se omitiste alguma coisa de seus ruinosos errores fala; se tudo disseste, concede-nos agora a graça pedida, de que, por certo, estás lembrado. Prometeu Ela ouviu tudo sobre o fim de sua viagem, mas para a certeza de que não me escutou em vão, provarei minhas revelações dizendo o que sofreu antes de chegar aqui.
  • 195.
  • 196. Ponho de lado a multid
  • 197. ã
  • 198. o de fatos e vou direto aos
  • 199. ú
  • 200. ltimos passos de tua vaguea
  • 201. çã
  • 203. à
  • 204. plan
  • 205. í
  • 206. cie de Molossos, ao planalto de Dodona, sede do or
  • 207. á
  • 208. culo de Zeus Tesproto e do prod
  • 209. í
  • 211. í
  • 213. falantes, estes saudaram em ti, em termos claros e sem nenhum enigma, a futura esposa gloriosa de Zeus. n
  • 214. ã
  • 215. o te lisonjeiam as recorda
  • 216. çõ
  • 217. es? Dali, picada do tav
  • 218. ã
  • 219. o, arremeteste pela estrada costeira rumo ao grande golfo de R
  • 220. é
  • 221. ia, donde voltaste a correr fustig
  • 222. a
  • 223. da pela tua tormenta. A posteridade, fica sabendo, chamar
  • 224. á
  • 225. I
  • 226. ô
  • 227. nio aquele golfo de mar, recordando a todos os mortais a tua passagem. Essa a prova de que minha mente enxerga al
  • 228. é
  • 229. m do alcance de meus olhos. O resto direi a v
  • 230. ó
  • 231. s e a ela em comum, voltando
  • 232. à
  • 233. tri
  • 234. l
  • 236. á
  • 237. uma cidade, Canobos, no extremo daquela terra, sobre o al
  • 238. ú
  • 239. vio do Nilo, bem na foz. Zeus al
  • 240. í
  • 242. á
  • 243. a raz
  • 244. ã
  • 245. o, pousando sobre ti sua m
  • 246. ã
  • 248. ç
  • 250. á
  • 251. s
  • 252. à
  • 254. É
  • 255. pafo, cujo nome recordar
  • 256. á
  • 257. como Zeus o ter
  • 258. á
  • 259. g
  • 260. e
  • 262. á
  • 263. toda a terra banhada pela larga correnteza do Nilo. De sua quinta gera
  • 264. çã
  • 266. ü
  • 267. enta donzelas, mau grado seu, voltar
  • 268. ã
  • 269. o para Argos, fugindo ao casamento cosang
  • 270. üí
  • 271. neo com seus primos. Estes, no ardor de sua paix
  • 272. ã
  • 273. o, como milhafres persegui
  • 274. n
  • 275. do pombas de perto, chegar
  • 276. ã
  • 278. ç
  • 279. a de n
  • 280. ú
  • 282. ã
  • 283. o consentidas. Um nume, por
  • 284. é
  • 286. á
  • 287. que as alcancem e o solo pelasgo os sepultar
  • 288. á
  • 289. ,v
  • 290. í
  • 291. timas de Ares obrando por m
  • 292. ã
  • 294. í
  • 296. á
  • 298. á
  • 299. a vida a seu homem, mergulhando-lhe n
  • 300. a
  • 301. garganta uma adaga de dois gumes. Oxal
  • 302. á
  • 304. í
  • 305. pris amores tais a meus inimigos! Uma, por
  • 306. é
  • 307. m, amolentada pelo desejo de ter filhos, relaxando a decis
  • 308. ã
  • 310. á
  • 311. a vida a seu esposo. Na alternativa, ao opr
  • 312. ó
  • 313. brio de assassina, preferir
  • 314. á
  • 315. o de covarde. Essa
  • 316.
  • 317. dar
  • 318. á
  • 319.
  • 320. à
  • 321. luz a linhagem real de Argos. Para narrar estes fatos com clareza,
  • 322. é
  • 323. preciso uma longa exposi
  • 324. çã
  • 325. o; em suma, da semente dessa mulher nascer
  • 326. á
  • 327. um bravo, um glorioso frecheiro, que me libertar
  • 328. á
  • 329. destas penas. Esse o vatic
  • 330. í
  • 331. nio que me exp
  • 332. ô
  • 334. ã
  • 335. e, T
  • 336. ê
  • 337. mi
  • 338. s
  • 340. ã
  • 342. ã
  • 343. s, deusa da antiga gera
  • 344. çã
  • 345. o. Mas como e por quais meios? Cont
  • 346. á
  • 347. -lo tomaria longo tempo e tu nada lucrarias em sabe-lo.
  • 348. Io Ai de mim! Ai de mim! Ardo de novo em convulsões e delírios de loucura; espicaça-me um moscardo com seu aguilhão não temperado no fogo. De medo, o coração escoicinha-me as entranhas. Meus olhos revolvem-se nas órbitas! O sopro da fúria frenética arrasta-me fora da pista; minha língua não mais me obedece e as palavras batem, confusas, e desencontradas, de encontro às vagas duma fatalidade odiosa. (Parte a correr desvairada.) Coro (uma coreuta declama; as outras dançam.) Um sábio, sim, um sábio o primeiro cuja mente pesou e cujos lábios formularam em palavras o pensamento de que o casamento de iguais é de muito a melhor das alianças e o proletário não deve aspirar à mão de noiva que a opulência encheu de melindres ou a linhagem de soberba. Oxalá nunca, ó Parcas, nunca me vejais metida na alcova de Zeus como esposa! Nem se chegue a mim como marido um dos seres do céu. Tremo quando vejo Io consumindo a virgindade arredia na vida errante, de misérias e penas que Hera lhe inflige. Um esposo de meu nível não me assusta. Que nenhum dos deuses superiores me atire olhares cúpidos de que não há fugir. Essa luta eu não poderia sustentar; meus ardis malograriam e não sei o que seria de mim, que não vejo como escaparia aos intentos de Zeus. Prometeu Dia virá em que Zeus se há de humilhar, a despeito de toda a arrogância de seu coração, por efeito das bodas que se apresta para celebrar. Essa união o derrubará,
  • 349.
  • 350. aniquilado, do poder e do trono. Ent
  • 351. ã
  • 353. á
  • 354. cumprida plenamente a praga rogada por Crono, seu pai, ao cair do trono secular. Nenhum deus sen
  • 355. ã
  • 356. o eu poderia ensinar-lhe de modo claro como arredar de si tamanha desdita. Eu sei qual
  • 357. é
  • 359. á
  • 360. -la. Assim, pois, pode ele entronar-se seguro de si, fiado nos estrondos que troam nas alturas quando brande nas m
  • 361. ã
  • 362. os o dardo chamejante. Eles n
  • 363. ã
  • 365. a
  • 366. ler
  • 367. ã
  • 368. o nada para evitar a vergonha duma queda insuport
  • 369. á
  • 370. vel, t
  • 371. ã
  • 373. é
  • 375. á
  • 376. rio que ele agora para si mesmo apresta, um portento invenc
  • 377. í
  • 379. á
  • 380. fogo mais forte que o raio e estrondo formid
  • 381. á
  • 382. vel maior que o trov
  • 383. ã
  • 385. ç
  • 386. ar
  • 387. á
  • 389.
  • 390. a lan
  • 391. ç
  • 393. ã
  • 394. o, flagelo marinho que abala a terra. Quando ele der de encontro com essa desgra
  • 395. ç
  • 397. á
  • 398. quanto vai de reinar e servir.
  • 399. Coro Vamos lá! Tuas ameaças a Zeus não são mais do que desejos teus. Prometeu Predigo o que será e é também o meu desejo. Coro Devemos esperar que alguém dê ordens a Zeus? Prometeu Sim, e que sofra penas mais pesadas que estas. Coro Como ousas proferir semelhantes palavras? Prometeu Nada tenho que temer; não estou fadado à morte. Coro Mas ele pode infligir-te suplício ainda mais doloroso que este. Prometeu Pois que o faça; nada me pode surpreender. Coro Sábio quem se prosterna diante da Adrastéia. Prometeu Venera, implora, bajula tu o poderoso do dia. A mim me importa Zeus menos que nada. Que se avie, que exerça como quiser o seu poder de curta duração, pois não reinará sobre os deuses longo tempo. Eis à vista, porém, o correio de Zeus, o serviçal do novo tirano; por certo, vem comunicar-nos alguma novidade. Hermes (entrando.) Tu aí, velhaco, o mais intratável dos intratáveis, que lograste os deuses pondo os seus privilégios ao alcance dos seres efêmeros – estou me referindo ao ladrão do fogo – meu pai ordena que reveles qual casamento, segundo alardeias, o derrubará do poder. E nada de enigmas; fala ponto por ponto pelos termos próprios. não me vás obrigar a uma segunda viagem, Prometeu; não é com rodeios, bem vês, que hás de aplacar Zeus.
  • 400.
  • 402. Essa fala impertinente, cheia de soberba, é bem a linguagem dum lacaio dos deuses. Vós sois moços; recente, o poder que exerceis; imaginais, por isso, viver numa torre acima dos sofrimentos; já não vi eu dois reis expulsos dela? O terceiro, o atual reinante, eu o verei também cair de maneira ignominiosa e rápida. Pensas que temos os novos deuses e me encolho diante deles? Para isso falta muito; melhor, falta tudo. Desanda ligeiro o caminho por onde vieste, que de mim nada saberás do que indagas. Hermes Semelhantes insolências já te trouxeram a ancorar neste suplício. Prometeu Pois saibas sem sombra de dúvida que eu não trocaria minhas misérias pela tua servidão; acho preferível estar escravizado a este penhasco a ser o mensageiro fiel de Zeus teu pai. A injúrias responde-se assim, com injúrias. Hermes Pareces orgulhoso da tua situação. Prometeu Orgulhoso? Orgulhosos assim tomara visse eu os meus inimigos – e incluo-te nesta conta. Hermes Culpas a mim também de teus desastres? Prometeu Francamente, odeio todos os deuses; devem-me favores e pagam-me com iniqüidade. Hermes Ouço palavras de louco, e a moléstia é grave. Prometeu Moléstia será, se odiar os inimigos for insânia. Hermes Serias insuportável, se houvesses triunfado. Prometeu Ai de mim! Hermes Essa exclamação Zeus desconhece. Prometeu Tudo ensina o tempo com a idade. Hermes Tu, porém, ainda não aprendeste a ter juízo.
  • 403.
  • 405. Tens razão; assim não fosse, não conversaria com um lacaio. Hermes Pelo que vejo, nada dirás do que meu pai deseja. Prometeu Com efeito! Por muitas finezas lhe devo ser grato! Hermes Vê se não zombas de mim como duma criança. Prometeu Então, não és uma criança? não és mais ingênuo que criança, quando espera obter de mim alguma informação? Afronta não há nem astúcia com que me mova Zeus a revelar o segredo antes de soltas estas infames cadeias. Agora, podem lançar sobre mim a chama devoradora; podem revolver o universo, confundi-lo sob a neve de asas brancas e com os ribombos subterrâneos; nada me dobrará a dizer por quem tem de ser derrubado Zeus do poder. Hermes Vê lá se lucrarás alguma coisa com essa atitude. Prometeu Já vi e resolvi tudo há muito tempo. Hermes Louco! tenta ao menos uma vez pensar cordatamente, em face do que sofres. Prometeu É inútil me aborreceres; é como dar conselhos aos vagalhões do mar. Jamais te ocorra que, por medo aos desígnios de Zeus, a minha mente se efemine e, palmas voltadas para cima, imitando as mulheres, eu suplique ao ser mais odioso que me solte estes grilhões. Eu? Nunca! Hermes Parece tempo perdido continuar falando contigo; meus rogos não te movem nem te abrandam. Mordes o freio como um potro redomão, refugando, lutando contra as rédeas. Sem embargo, tua sanha apoia-se num embuste sem força; pode menos que nada a presunção de quem não sabe pensar. Reflete que borrasca, que tresdobrado vagalhão dos males, de que não há fugir, sobreviverá, se não te convencerem minhas palavras. Primeiro, com o trovão e a chama do raio, meu pai despedaçará estes alcantis, sepultando o teu corpo, e serás embalado no regaço destas penhas. Passarás assim uma eternidade; depois, virás de volta à luz, mas uma águia ruiva, cão alado de Zeus, furiosa, rasgará de teu corpo uma posta enorme para – conviva não convidado, que passa o dia no banquete – regalar-se com a iguaria escura de teu fígado. não esperem nenhum fim a este tormento, salvo se aparecer um deus que tome o teu lugar no suplício, disposto a descer às sombras do Hades e às profundezas trevosas do Tártaro. Reflete, portanto; não é ameaça forjada; foi dita para valer; os lábios de Zeus não sabem mentir; ele cumpre a palavra. Abre os olhos, pensa e não creias que orgulho alguma vez valha mais do que a cordura.
  • 406.
  • 407.
  • 408. Coro A nosso ver são assaz oportunos os conselhos de Hermes; ele te exorta a deixar de soberbas e consultar a sábia cordura. Deixa-te persuadir; para um sábio, a decisão errada é uma vergonha. Prometeu Sua mensagem insistente nada me disse de novo; sevícias de inimigos não desonram um inimigo. Já agora, podem atirar sobre mim a trança de fogo de duas pontas, podem abalar o éter com o trovão e com a convulsão dos ventos indômitos; pode o seu sopro arrancar dos fundamentos a terra com suas raízes; podem as ondas do mar, num tumulto violento, inundar as rotas dos astros do céu; pode Zeus, na voragem impiedosa de sua prepotência, precipitar o meu corpo destas alturas nos negrores do Tártaro; a verdade é que não me pode matar. Hermes Tais idéias e palavras são as que podem ouvir da boca de insanos. Que sinal de loucura falta aos desafios de Prometeu? Sua fúria não se afrouxa. Vós outras, porém, as condoídas de seus sofrimentos, afastai-vos daqui a toda pressa, para que não vos aparvalhe a mente o mugido implacável do trovão. Coro Usa de outra linguagem e dá-me conselhos convincentes. Nas águas de tua tirada veio rolando uma proposta realmente intolerável; tu me incitas à prática da covardia? Homessa! Estou com Prometeu, disposta ao que der e vier. Fui ensinada a odiar os traidores e não há peste que eu repila com mais nojo. Hermes Se assim é, lembrai-vos do que predigo; quando colhidas na adversidade, não culpeis o Destino, nem acuseis jamais a Zeus de precipitar-vos num suplício imprevisto. não! Culpai- vos a vós mesmas. Estais prevenidas e não será de improviso e de surpresa que vossa insensatez vos enredará nas malhas da calamidade. (Sai.) Prometeu (Relâmpagos, trovões, ventania; as Oceânides fogem espavoridas e as penhas desabem sobre Prometeu.) Agora são os fatos e não mais palavras! A terra estremeceu; muge nas profundezas o eco do trovão; fulguram os ziguezagues inflamados do raio; turbilhões revolvem o pó; saltam os sopros de todos os ventos uns contra os outros, numa guerra aberta de tufões contrários; o éter e o mar se confundiram. Essa a rajada de Zeus, que avança sobre mim, visando amedrontar-me. Nume venerando de minha mãe! Éter que envolves o mundo na luz que a todos pertence! Vedes que iniqüidade padeço?