MERCADO FOCO CHINA   Perspectivas e OportunidadesComerciais para Produtos Brasileiros na                China   Clara Sant...
POPULAÇÃOA China é o maior mercado consumidor com1,3 bilhões de pessoas                                                   ...
População Atualmente, existem 12 milhões de pessoas na classe A que ganham acima de US$ 57.000 e 24 milhões de pessoas na ...
Número de Lares -Classe Social A/BMilhares 35,000            5,388                                                        ...
Número de Lares- Classe Social C/DMilhares  450,000                 140,265  400,000                                      ...
Cidades  A região de Guangdong abriga duas cidades, Guangzhou e Shenzhen, que  apresentaram o maior consumo, US$ 244 bilhõ...
Gasto por Região- Províncias Chinesas em 2011 US$ milhões
MEGA TENDÊNCIAS    15 milhões de consumidores urbanos adicionados a cada ano. Isso representa uma    enorme oportunidade p...
Cidades Chinesas          50 cidades com população acima de 1 milhão de pessoas
Complexos Selecionados     ALIMENTOS, BEBIDAS E AGRONEGÓCIOS           MODA E CUIDADOS PESSOAIS
ALIMENTOS, BEBIDAS E AGRONEGÓCIOS
Gastos do Consumidor em Alimentos e Bebidas NãoAlcoólicas em 2011              GASTOS TOTAIS: US$ 625,1 BILHÕES           ...
Macrotendências   A China possui:       20% da população mundial       10% da terra arável       7% da água potável   Urba...
Macrotendências   Governo procura estimular produção agrícola doméstica, com diversos   subsídios, dadas preocupações com ...
Participação nas Importações Mundiais de Alimentos    14.0%               13.0%    12.0%               11.1%              ...
Macrotendências   Consumo total chinês é de tamanho comparável ao PIB da Itália, 7º maior do mundo.   21,7% dos gastos do ...
Alimentos mais importados em 2011 – US$ milhões           IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011: US$ 68,9 bilhões                       ...
Principais fornecedores de Alimentos para a China                                    2006                                 ...
Macrotendências   Demanda por alimentos cresce rapidamente:      Aumento da renda dos operários,      Crescimento da class...
Macrotendências   Demanda por dieta mais rica em proteínas.   No curto prazo, aumento da demanda por carnes deve ter impac...
Desafios   Inflação de preços de produtos alimentícios, por outro lado, ameaça o crescimento de   vendas de produtos não e...
Segurança Alimentar   Segurança     alimentar   segue    uma    grande     preocupação     dos   consumidores e governo, p...
Segurança Alimentar   Exceções são os casos mais graves, como a contaminação com   melamina de laticínios da Yili em 2008,...
Segurança Alimentar   Em fevereiro de 2012, a Brasil Foods estabeleceu uma joint venture 50:50 com   a Dah Chong Hong, par...
Hábitos Alimentares   Chineses não costumam cozinhar em casa com tanta frequência como nos países   ocidentais. Eles prefe...
Varejo   Compras de alimentos são normalmente feitas em mercados locais.   Entre chineses de classe média e alta, os super...
Detalhamento de Oportunidades no Mercado Chinês     Importações totais da China entre 2006 - 2011 (GTIS);     Importações ...
COMPLEXO SOJA  O país importou 61 milhões de toneladas de grãos em 2011, e 80%  disso foi soja. 75% da soja consumida no p...
COMPLEXO SOJA                          Principais fornecedores para a China (2011)                  Estados Unidos        ...
FARINHAS PARA ANIMAIS    Maior industrialização da criação de animais e produção de carnes aumenta a    demanda por rações...
FARINHA PARA ANIMAIS                                 Principais fornecedores para a China (2011)            EUA           ...
CARNE SUÍNA   China é maior produtor de carne suína do mundo, com mais de meio   milhão de cabeças.   A China consumiu 40%...
CARNE SUÍNA   Além da demanda, crescimento da produção é impulsionado pela   consolidação do setor, com produção mais efic...
CARNE SUÍNA   O país deve manter os altos níveis de importações de carne suína como   forma de controlar os preços, já que...
CARNE SUÍNA                             Principais fornecedores para a China (2011)              Estados Unidos           ...
CARNE DE FRANGO   A produção de carne de frango deve alcançar 13,7 milhões de toneladas no período   2011/2012, cresciment...
CARNE DE FRANGO                             Principais fornecedores para a China (2011)                                   ...
CARNE BOVINA  Entre as três carnes (bovina, suína e de frango), é a menos consumida na China.  A produção é ineficiente, e...
CARNE BOVINA                             Principais fornecedores para a China (2011)                                Austrá...
SUCOS  Segundo o Euromonitor, o consumo de sucos foi de 15 bilhões de litros em 2011, e deve  alcançar 26,8 bilhões de lit...
SUCOS  Segundo dados do Euromonitor, Coca Cola detinha 12,5% do valor das vendas  off trade de sucos em 2011. Empresa é ma...
SUCOS  Apesar de os chineses terem interesse por outros tipos de sucos, o sabor  preferido continua sendo laranja.  Sucos ...
SUCOS
SUCO DE LARANJA                             Principais fornecedores para a China (2011)                           Brasil  ...
DEMAIS SUCOS                             Principais fornecedores para a China (2011)           Espanha          Estados Un...
CAFÉ  Vendas de café devem crescer em média 7,8% ao ano entre 2011 e 2016.  Consumo de café em 2011 foi de 36,8 milhões de...
CAFÉ  Nestlé e Kraft Foods (Guangzhou Kraft Foods) foram as primeiras  multinacionais a entrar no segmento de café na Chin...
CAFÉ  A italiana Lugi Lavazza SpA também pretende entrar no mercado  chinês, abrindo mais de 200 estabelecimentos nas cida...
CAFÉ CRU                             Principais fornecedores para a China (2011)                                 Vietnã   ...
CAFÉ TORRADO                             Principais fornecedores para a China (2011)                 EUA       Itália     ...
BEBIDAS ALCÓLICAS    Os chineses, de modo geral, preferem bebidas alcoólicas com gradação alcoólica    entre 8,5% e 10,5%....
BEBIDAS DESTILADAS     O crescimento do volume de vendas de destilados será pequeno em     comparação com os segmentos de ...
CACHAÇA                              Principais fornecedores para China (2011)            Espanha             Porto Rico  ...
VINHOS  Os chineses estão desenvolvendo o hábito de tomar vinho. Com o aumento da classe  média há também uma procura maio...
VINHOS    O consumo de vinhos na China cresceu 72,8% entre 2005 e 2010, alcançando    quase 3,5 bilhões de litros. (Euromo...
VINHOS  Rótulos geográficos facilmente compreendidos, como Bordeaux, Champagne e  Côtes du Rhône facilitam a distinção ent...
VINHOS                              Principais fornecedores para China (2011)                   China          França     ...
CACAU EM PÓ   Há oportunidade para chocolate e cacau em pó solúvel.   Em relação à chocolate, os chineses consomem em médi...
CACAU EM PÓ  A elevação das rendas e também de preocupações de saúde são importantes  tendências impactando no desenvolvim...
CACAU EM PÓ                             Principais fornecedores para a China (2011)        Malásia          Cingapura     ...
MEL                             Principais fornecedores para a China (2011)           Nova Zelândia                Tailând...
MODA E CUIDADOS PESSOAIS
MODA       Graças à rápida urbanização na China e o       aumento do padrão de vida, cresceu o número       de pessoas que...
MODA   Entres as cidades cosmopolitas que a pessoas se preocupam mais como moda são  Shanghai, Beijing e Chengdu.  Consumi...
Shoppings na China   South China                                      Golden Resources Shopping   Mall/Dongguan           ...
Shoppings na China
GASTOS DO CONSUMIDOR COM MODA 2006-2011                                                                              Cresc...
Previsão de Gastos Totais em Categorias de Moda em 2011 (US$Bilhões)     159           108                                ...
Previsão de Gastos Totais em Categorias de Moda em 2016 (US$ Bilhões)   258      219                                      ...
ÓLEOS ESSENCIAIS PARA FABRICAÇÃO DE COSMÉTICOS                  Estados Unidos             Brasil        Inglaterra       ...
COURO                    Couro Acabado           Couros Salgados               Demais Couro         Couro Wetblue         ...
PRODUÇÃO DE CALÇADOS DE COURO U$ MILHÕES                                                                                  ...
CALÇADOS DE COURO  A demanda por calçados continua crescente apesar da desaceleração econômica.  Com grande variedade de p...
Marcas ocidentais como as botas Ugg e Crocs também não perderam aoportunidade de vender seus produtos na China. A quantida...
JOIAS   Hong Kong serve de vitrine para compradores chineses e muitos viajam para o país   para comprar joias a custos men...
JOIAS   Joias foram mais representativas que joias customizadas em 2012. Ouro, diamantes e   outras pedras preciosas manti...
CALÇADOS DE COURO                              Principais fornecedores para China (2011)                               IMP...
Loja de Joias na China   Muitos chineses viajam para Japão, Hong Kong, Europa e Estados Unidos para comprar os últimos lan...
BIJUTERIAS                              Principais fornecedores para China (2011)                 Tailândia         Itália...
PEDRAS  A China é o maior destino das exportações de gemas brasileiras. As exportações  brasileiras de gemas esse mercado ...
PEDRAS                              Principais fornecedores para China (2011)                Miamar           Tailândia   ...
PRODUÇÃO DE FIBRAS TÊXTEIS, TECIDO e VESTUÁRIO Produção de Fios e Tecidos US$ milhões                                     ...
Apresentação Mercado Foco
Apresentação Mercado Foco
Apresentação Mercado Foco
Apresentação Mercado Foco
Apresentação Mercado Foco
Apresentação Mercado Foco
Apresentação Mercado Foco
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação Mercado Foco

1.173 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.173
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
45
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação Mercado Foco

  1. 1. MERCADO FOCO CHINA Perspectivas e OportunidadesComerciais para Produtos Brasileiros na China Clara Santos e Patrícia Steffen Unidade de Inteligência Comercial - Apex-Brasil
  2. 2. POPULAÇÃOA China é o maior mercado consumidor com1,3 bilhões de pessoas Em 1980, somente 19% da China 1.340.910 1.363.912 1.384.292 vivia em zona urbana. Nesse ano, pela100% primeira vez, a população urbana 90% ultrapassou a população rural, com 80% 51%. 51.03% 54.85% 60.55% 70% 60% 1,400 1,395 1,393 1,388 Thousands 1,382 50% 1,380 1,370 1,361 40% 1,360 1,341 1,340 30% 48.97% 46.40% 42.21% 1,320 20% 1,300 10% 1,280 0% 1,260 2012 2015 2020 Rural Urbana 1,240 1,220 1,200 2010 2015 2020 2025 2030 2035 2040
  3. 3. População Atualmente, existem 12 milhões de pessoas na classe A que ganham acima de US$ 57.000 e 24 milhões de pessoas na classe B que ganham acima de US$ 44.000. A primeira geração de filhos únicos, que inclui a faixa etária entre 25 e 34 anos, é fruto da política imposta pelo governo. Características: ensino superior; trabalham em grandes cidades. Essa geração é inclinada a comprar produtos ocidentais como roupas, acessórios, cosméticos, vinhos, carros e produtos que ofereçam novas tecnologias. Em 2020, a previsão é que o número de pessoas na classe A aumente na faixa etária de 30 a 34, 50 a 54 e acima de 65 anos. Com envelhecimento da população, aumentará a demanda por serviços de saúde, alimentos saudáveis e recreação. A expansão da população na faixa etária de 30 a 34 anos na Classe A continuará demandando produtos de luxo, viagens, recreação, produtos eletrônicos de alta tecnologia e eletrodomésticos.
  4. 4. Número de Lares -Classe Social A/BMilhares 35,000 5,388 Classe A- Acima de U$ 57.000 30,000 Classe B- Entre U$ 44.244 e U$ 57.671 25,000 20,000 Classe A Classe B 15,000 28,316 10,000 3,956 2,375 5,000 7,835 618 1,776 202 488 85 5,256 195 2,381 1,741 959 393 173 30 0 Japão China Coreia do India Hong Kong Malasia Indonésia Vietnã Brasil Sul
  5. 5. Número de Lares- Classe Social C/DMilhares 450,000 140,265 400,000 Classe C- Entre U$ 10.260 e US$ 44.243 Classe D- Entre U$ 6.408 e US$ 10.260 350,000 300,000 250,000 37,537 Classe C 200,000 Classe D 150,000 270,378 100,000 187,702 11,070 32,501 50,000 1,333 49,549 3,680 12,937 14,181 895 18,197 15,589 2,330 1,032 163 790 0 China Índia Indonesia Vietnã Malasia Coreia do Hong Japão Brazil Sul KongFonte: UICC Apex-Brasil, a partir de dados do Euromonitor International
  6. 6. Cidades A região de Guangdong abriga duas cidades, Guangzhou e Shenzhen, que apresentaram o maior consumo, US$ 244 bilhões, cerca de 12% do total gasto na China Continental. A região de Shandong apresentou o segundo maior gasto, US$149 bilhões ou 7,4% do total. A região de Guangdong e Shandong prometem manter os gastos no médio- longo prazo. Outras regiões que promotem crescer são Zhejinga e Henan. Em termos de gasto por lar, a cidade de Shanghai apresentou o maior gasto, US$ 11.342 por ano. Shangai foi a cidade mais populosa na China, centro financeiro e de negócios do país, com maior número de empresas. A capital da cidade, Beijing é a segunda que apresenta maior gasto por lar, US$9.368 por ano. As repartições governamentais estão instaladas em Beijing e é um dos lugares turísticos mais procurado.
  7. 7. Gasto por Região- Províncias Chinesas em 2011 US$ milhões
  8. 8. MEGA TENDÊNCIAS 15 milhões de consumidores urbanos adicionados a cada ano. Isso representa uma enorme oportunidade para venda de alimentos. Devido a crise mundial, o crescimento na China irá ser impulsionado pelas cidades menores. Estratégia -empresas locais tendem a se especializar e multinacionais tendem a entrar em cidades “second tier cities”. Mais mulheres estão entrando no mercado de trabalho, o que representa maior consumo de artigos de moda. Marcas estrangeiras expandindo as operações na China. Companhias ricas chinesas estão à procura de marcas estrangeiras.
  9. 9. Cidades Chinesas 50 cidades com população acima de 1 milhão de pessoas
  10. 10. Complexos Selecionados ALIMENTOS, BEBIDAS E AGRONEGÓCIOS MODA E CUIDADOS PESSOAIS
  11. 11. ALIMENTOS, BEBIDAS E AGRONEGÓCIOS
  12. 12. Gastos do Consumidor em Alimentos e Bebidas NãoAlcoólicas em 2011 GASTOS TOTAIS: US$ 625,1 BILHÕES 2,4% 0,3% Carnes 3,9% 4,2% Legumes e verduras 29,6% Pães e Cereais 5,4% Frutas 9,3% Peixes e Frutos do Mar Leite, Queijos e Ovos Óleos e Gorduras 9,5% Outros Alimentos 13,4% Açúcar e Produtos de Confeitaria 9,9% 12,0% Água Mineral, Refrigerantes e Sucos Café e ChásFonte: Euromonitor International
  13. 13. Macrotendências A China possui: 20% da população mundial 10% da terra arável 7% da água potável Urbanização reduz água e terras disponíveis para agricultura: perda de 12,4 milhões de hectares de terras agrícolas desde o fim da década de 70. Agricultura pouco eficiente: 43% da população ativa está na agricultura, que responde por apenas 10% do PIB. Sistema de propriedades rurais, com cessão de pequenos lotes, estimula predominância de pequenas propriedades que não comportam mecanização. O setor de alimentos e bebidas passa por uma fase de consolidação, com diversas empresas menores sendo adquiridas. Mesmo assim, ainda é muito fragmentado. Processamento de alimentos: meio milhão de produtores; 80% emprega menos de dez pessoas.
  14. 14. Macrotendências Governo procura estimular produção agrícola doméstica, com diversos subsídios, dadas preocupações com segurança alimentar nacional. A China é o maior consumidor mundial de frutas e vegetais, e um dos maiores exportadores, especialmente de vegetais processados. País é o quarto maior exportador mundial de alimentos e bebidas, e exportador líquido no setor em termos de volume. Mas importa itens caros em alimentos, com destaque para a soja, que tornam sua balança no setor deficitária. Mesmo assim, aumento das importações será inevitável – estimativas de consumo de longo prazo excedem as de aumento de produção. Maior parte dos consumidores chineses tem renda baixa e adquire basicamente itens alimentícios essenciais. No entanto, prevê-se que a renda aumentará de modo significativo nos próximos anos, modificando os hábitos de consumo e elevando o consumo de itens mais caros, não essenciais.
  15. 15. Participação nas Importações Mundiais de Alimentos 14.0% 13.0% 12.0% 11.1% 9.9% 10.0% 7.9% 8.0% 7.3% 6.0% 6.5% 5.7% 5.5% 5.2% 4.0% 2.0% 2.0% 0.0% 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 EUA Alemanha China Japão Reino UnidoFonte: UN COMTRADE. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  16. 16. Macrotendências Consumo total chinês é de tamanho comparável ao PIB da Itália, 7º maior do mundo. 21,7% dos gastos do consumidor são em alimentos e bebidas. Grãos: país tem objetivo de autossuficiência em 90% do consumo interno. Já está abaixo da meta. Produção de grãos em 2011: 571 milhões de toneladas, 4,5% acima de 2010. Em anos recentes a produção de grãos alcançou boas safras, que retardaram o aumento das importações. Déficit do comércio chinês em produtos agrícolas: US$ 34 bilhões (47% acima do ano anterior). China importou 61 milhões de toneladas de grãos na temporada 2011/2012 – soja representa 80%. Por outro lado, 75% da soja consumida é importada. Na próxima temporada, país deve importar 5 milhões de toneladas a mais.
  17. 17. Alimentos mais importados em 2011 – US$ milhões IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011: US$ 68,9 bilhões Soja mesmo triturada 29.726 Gorduras e óleos animais e vegetais 9.366 Peixes congelados, frescos ou refrigerados 3.886 Leite e derivados 2.676 Demais preparações alimentícias 2.050 Demais frutas 1.865 Produtos hortícolas e plantas vivas 1.824 Açúcar em bruto 1.680 Sementes oleaginosas (exceto soja) 1.627 Demais pescados 1.484 Cereais em grão e esmagados 1.479 Vinhos, vermutes, vinagres 1.448 Óleo de soja em bruto 1.322 Demais carnes suínas 1.267 Outros 7.215Fonte: UN COMTRADE. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  18. 18. Principais fornecedores de Alimentos para a China 2006 2011 EUA 19.5% 25.4% 20.3% Brasil 24.8% Argentina Malásia 3.0% Indonésia 3.3% 2.2% Canadá 2.3% 16.7% 3.5% Tailândia 3.8% 5.4% Nova Zelândia 21.0% 5.5% 3.1% França 5.7% 11.4% 7.2% 7.4% Outros 8.2%Fonte: UN COMTRADE. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  19. 19. Macrotendências Demanda por alimentos cresce rapidamente: Aumento da renda dos operários, Crescimento da classe média, que passa a demandar dieta mais variada Outros fatores: tamanho da base de consumidores da China, varejo pouco desenvolvido, baixa penetração de serviços e o grande espaço para desenvolvimento de produtos e serviços premium. Consumo de alimentos deve crescer 13,2% ao ano entre 2012 e 2016, e chegar a US$ 1 trilhão. O consumo per capita deve crescer 12,7% no mesmo período. Entre os segmentos de maior crescimento estão tanto aqueles de categorias primárias, como farinha de trigo e óleos vegetais, como processados como carne processada, laticínios, cerveja, bebidas não alcoólicas. Alimentos processados de modo geral exibem forte crescimento, em linha com novas tendências de consumo doméstico.
  20. 20. Macrotendências Demanda por dieta mais rica em proteínas. No curto prazo, aumento da demanda por carnes deve ter impacto mais forte nas importações de alimentos para animais. Por isso, controles de importações para de grãos para alimentação animal (especialmente milho) devem ser liberados antes daqueles para alimentação humana. Em pouco tempo país deve aumentar também importações de carnes. Consumo de carne suína já se elevou significativamente nos últimos anos, e deve aumentar 30% até 2020. No mesmo período, consumo de carne bovina e de frango deve aumentar 50%.
  21. 21. Desafios Inflação de preços de produtos alimentícios, por outro lado, ameaça o crescimento de vendas de produtos não essenciais. Redução do crescimento impacta menos sobre alimentos que setores como indústria e construção. Perspectivas de aumento da renda e potencial de maiores preços favorece margem de lucros da empresas. Setores voltados a processamento de exportações e setor de construção são grandes empregadores. Por outro lado, redução do crescimento chinês pode desacelerar aumento da demanda por carnes, que apresentam alta elasticidade-preço da demanda: 0,45 para carne de frango; 0,4 para carne bovina e 0,15 para carne suína. Alimentos embalados de mais alto valor ainda são itens de luxo fora do alcance da maior parte da população.
  22. 22. Segurança Alimentar Segurança alimentar segue uma grande preocupação dos consumidores e governo, por conta de vários escândalos de contaminação em anos recentes. Segundo pesquisa da AT Kearney sobre alimentos em 2007, 95% dos chineses consideraram segurança alimentar o aspecto mais importante na compra de alimentos. A pesquisa incluiu atributos como variedade, conveniência e preço. Questão da segurança alimentar também utilizada, de modo sutil, como forma de protecionismo na China. Casos de contaminação alimentar de firmas estrangeiras atuando no país são divulgados mais rápida e amplamente que aqueles de firmas domésticas. China Central Television (CCTV) tem programa anual transmitido no Dia Internacional dos Direitos do Consumidor em que denuncia abusos de empresas. Em 2012 mostraram o McDonald’s, acusado de vender produtos vencidos.
  23. 23. Segurança Alimentar Exceções são os casos mais graves, como a contaminação com melamina de laticínios da Yili em 2008, ou a contaminação da carne de porco do país com substâncias químicas cancerígenas, em 2011. Mesmo assim, a questão eleva a demanda por produtos importados, percebidos como mais seguros. Preocupação do consumidor chinês com o tema também estimula demanda por alimentos embalados. Chineses preferem comprar leite em pó (alimentação infantil) do Japão, EUA ou Holanda. Apenas um em cada cinco chineses confia na qualidade das bebidas engarrafadas que consomem – preocupação com aditivos ilegais.
  24. 24. Segurança Alimentar Em fevereiro de 2012, a Brasil Foods estabeleceu uma joint venture 50:50 com a Dah Chong Hong, para estabelecer plantas de processamento de alimentos na China e comercializar a marca Sadia de produtos de carne. Baixa confiança do consumidor chinês nos produtos alimentícios de empresas locais é oportunidade para a Brasil Foods, promovendo-se como uma marca estrangeira de boa reputação. O momento é propício para estabelecer a marca Sadia no mercado chinês – processo de consolidação do setor de carnes está em rápido andamento, outras marcas fortes devem surgir.
  25. 25. Hábitos Alimentares Chineses não costumam cozinhar em casa com tanta frequência como nos países ocidentais. Eles preferem comer fora por ser mais conveniente e econômico. As cozinhas são pequenas. Mesmo nas casa mais novas e maiores, raramente têm mais de 15m². Praticamente nenhuma casa possui forno ou grill, pois não são usados na culinária chinesa. Já fornos microondas estão se popularizando por sua praticidade. Quando cozinham, chineses preferem produtos frescos. Com isso, fazem compras em média 3 vezes por semana. Há diversas cozinhas regionais com grandes diferenças entre si. De modo geral, elas podem ser divididas entre a cozinha do norte e do sul. No norte, o alimento básico é o trigo, usado principalmente na fabricação do macarrão (noodles). No sul, é o arroz. Carne de porco e de frango são consumidas em todo o país, bem como tofu. Grande parte da ingestão de proteínas dos chineses vem da soja.
  26. 26. Varejo Compras de alimentos são normalmente feitas em mercados locais. Entre chineses de classe média e alta, os supermercados vêm se popularizando. Há cadeias internacionais presentes, como Walmart, Tesco e Vanguard. Varejo está voltando sua atenção a cidades menores (second e third tier), e com isso uma variedade maior de alimentos embalados é disponibilizada a mais consumidores chineses. A logística de distribuição de alimentos enfrenta problemas, principalmente no que se refere à cadeia refrigerada do país, que é insuficiente e mal distribuída. A capacidade de armazenamento refrigerado na China em termos per capita é 5% daquela do Japão e dos EUA. Preocupações com segurança alimentar estimulam aumento de compras em supermercados, mesmo com seus preços mais caros que feiras locais. As principais empresas varejistas na China são: China Resources Enterprise, Lianhua, Auchan, Walmart e Shanghai Nonggongshang. Essas empresas somam menos de 5% do setor de distribuição de produtos de varejo.
  27. 27. Detalhamento de Oportunidades no Mercado Chinês Importações totais da China entre 2006 - 2011 (GTIS); Importações chinesas provenientes do Brasil 2006 - 2011 (GTIS); e SH6 identificados como oportunidades pela metodologia de análise da Unidade de Inteligência Comercial da Apex-Brasil ou grupos de produtos cujas oportunidades tenham sido identificadas a partir de informações qualitativas.
  28. 28. COMPLEXO SOJA O país importou 61 milhões de toneladas de grãos em 2011, e 80% disso foi soja. 75% da soja consumida no país é importada, e o Brasil é o principal fornecedor. Estima-se que as importações de soja, em 2012/2013, alcancem 61 milhões de toneladas, 5 milhões a mais que na temporada anterior. Autoridades chinesas apontam para a maior dependência de importações de óleo de cozinhar. O Chongqing Grain Group vai construir um complexo industrial para o processamento de soja na Bahia, um investimento estimado (a partir de notícias na mídia) em US$ 2,4 bilhões. China também buscou comprar terras no Brasil.
  29. 29. COMPLEXO SOJA Principais fornecedores para a China (2011) Estados Unidos Brasil Argentina Uruguai Outros 2.6% 41.5% 39.8% 15.5% 0.7% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 31,2 bilhão Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011)  Cerca de US$ 30 bilhões referem-se Crescimento Participação Participação apenas a soja em grãos. Parceiro comercial médio anual 2006 (%) 2011 (%)  O restante do valor importado é 2006-2011 (%) composto por óleo de soja. Mundo 30.32 Estados Unidos 32.97 41.45 36.42 Brasil 38.08 39.75 31.45 Argentina 27.37 15.49 16.29 Uruguai 1.53 2.59 44.86 * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  30. 30. FARINHAS PARA ANIMAIS Maior industrialização da criação de animais e produção de carnes aumenta a demanda por rações animais. Governo quer aumentar a produção de rações para animais, alcançando 200 milhões de toneladas em 2015 (contra 148 milhões de toneladas em 2009), bem como aumentar a qualidade do produto, tornando os critérios mínimos de qualidade mais rigorosos. Mesmo com aumento da produção, aumento da produção de carnes deve elevar as importações de rações para animais no curto prazo.
  31. 31. FARINHA PARA ANIMAIS Principais fornecedores para a China (2011) EUA Países Baixos Reino Unido Taiwan Finlândia Brasil Austrália França Argentina Outros 4.5% 36.1% 9.8% 6.1% 5.7% 5.2% 3.7% 20.9% 4.6% 3.3% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 216 MILHÕES Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) Crescimento Participação Participação médio anual Parceiro comercial 2006 (%) 2011 (%) 2006-2011 (%) Mundo 12.97 EUA 28.96 36.13 18.08 Países Baixos 4.53 9.80 31.83 Reino Unido 6.38 6.06 11.81 Brasil 4.56 5.37 9.33 * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  32. 32. CARNE SUÍNA China é maior produtor de carne suína do mundo, com mais de meio milhão de cabeças. A China consumiu 40% da carne suína produzida no mundo em 2010. Por outro lado, carne suína responde por 60% do consumo total de carnes no país. Segundo Business Monitor, consumo de carne suína em 2012 deve alcançar 51,9 milhões de toneladas, crescimento de 3,8% em relação a 2011. Em 2013, deve chegar a 54,2 milhões de toneladas. Entre 2011 e 2016, o crescimento acumulado do consumo será de 25%, com 62,5 milhões de toneladas. Já a produção deve alcançar 51,6 milhões de toneladas em 2012, crescimento de 4,2% em relação 2011. Até 2016, prevê-se que a produção chegue a 61,7 milhões de toneladas, um crescimento de 25% em relação a 2011.
  33. 33. CARNE SUÍNA Além da demanda, crescimento da produção é impulsionado pela consolidação do setor, com produção mais eficiente. Espera-se que 75% dos porcos serão criados em fazendas comerciais em 2015, contra 63% em 2010. Até 2015, o governo quer que metade da receita de produção de carne suína venha de produção de larga escala. Atualmente, esse percentual é 34%. Também altos preços e maior disponibilidade de vacinas estimulam produção. Ainda assim, o déficit de produção em relação ao consumo deve aumentar, tornando o país mais dependente de importações de carne de porco. Em 2011 houve aumento substancial das importações, para 758 mil toneladas. Tentativa do governo de controlar inflação de preços dos alimentos, lançando no mercado a carne importada. Essa política de armazenamento continuou nos primeiros sete meses de 2012.
  34. 34. CARNE SUÍNA O país deve manter os altos níveis de importações de carne suína como forma de controlar os preços, já que, após meses de queda, eles voltaram a subir na primeira semana de agosto. Em 2012, as importações devem ser de 650 mil toneladas. Até 2011 o Brasil não possuía certificado sanitário para exportar carne suína para a China. No final de 2011, 3 plantas foram habilitadas.
  35. 35. CARNE SUÍNA Principais fornecedores para a China (2011) Estados Unidos Dinamarca Canadá Espanha França Alemanha Outros 5,8% 58,3% 14,9% 9,7% 5,9% 3,7% 1,7% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 2,1 BILHÕES Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011)  Brasil não exportou carne suína para Crescimento a China em 2011. Participação Participação Parceiro comercial médio anual 2006-  Até setembro de 2012, o Brasil 2006 (%) 2011 (%) 2011 (%) exportou US$ 3,96 milhões. Mundo 68,46 Estados Unidos 30,90 58,28 91,26 Dinamarca 8,07 14,93 90,50 Canadá 21,33 9,68 43,83 Espanha 0,01 5,88 483,21 Brasil - - - * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  36. 36. CARNE DE FRANGO A produção de carne de frango deve alcançar 13,7 milhões de toneladas no período 2011/2012, crescimento de 4% em relação ao período anterior. Até 2016, o crescimento da produção deve ser de 23,7%. Mas assim como em carne suína, o país deve seguir um importador líquido de carne de frango. A previsão é que o consumo de carne de frango cresça 3,9% em 2012 em relação a 2011, alcançando 13,5 milhões de toneladas. Entre 2011 e 2016 o crescimento acumulado será de 25,1%, o maior dos três setores de carnes, com 16,3 milhões de toneladas. A indústria de carne de frango também está aumentando sua escala gradualmente, aumentando sua eficiência. Carne de frango é a carne mais exportada pelo Brasil, e com maior número de plantas produtivas habilitadas (25). Há mais plantas habilitadas para exportar para Hong Kong que para a China.
  37. 37. CARNE DE FRANGO Principais fornecedores para a China (2011) Brasil Argentina Estados Unidos Chile Outros 4,4% 74,0% 13,6% 7,2% 0,8% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 804,2 MILHÕES Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) Crescimento Participação Participação Parceiro comercial médio anual 2006 (%) 2011 (%) 2006-2011 (%) Mundo 12,22 Brasil 26,35 73,99 37,96 Argentina 5,61 13,55 33,88 Estados Unidos 66,03 7,22 -27,91 Chile 1,59 4,38 37,53 * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  38. 38. CARNE BOVINA Entre as três carnes (bovina, suína e de frango), é a menos consumida na China. A produção é ineficiente, e a consolidação do setor, de pequenas fazendas para criações comerciais, é muito mais lenta que em carne suína e de frango. Outra prioridade para o setor, além da consolidação, é a padronização de critérios sanitários e de saúde. A produção de carne bovina deve se manter estável no período 2011/2012 (queda de 0,1%). Houve queda de demanda entre 2009 e 2011. O consumo deve começar a se recuperar em 2013 e alcançar 6,2 milhões de toneladas em 2016, o que representa crescimento de 11,4%. No Brasil há 7 plantas habilitadas para exportar carne bovina para a China.
  39. 39. CARNE BOVINA Principais fornecedores para a China (2011) Austrália Uruguai Nova Zelândia Brasil 52,4% 29,9% 9,9% 7,8% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 112,4 MILHÕES Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do  Houve apenas quatro fornecedores Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) de carne bovina para a China em Crescimento Participação Participação 2011. Parceiro comercial médio anual 2006 (%) 2011 (%)  O Brasil é o principal fornecedor de 2006-2011 (%) carne bovina para Hong Kong, com Mundo 41,85 43,2% de participação em US$ 1,4 Austrália 65,40 52,41 35,71 bilhão importado em 2011. Uruguai 6,96 29,92 89,90  EUA, que não exportam para a Nova Zelândia 23,52 9,87 19,23 China, são o segundo fornecedor de Brasil 2,17 7,77 83,15 Hong Kong, com 17,8%. * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  40. 40. SUCOS Segundo o Euromonitor, o consumo de sucos foi de 15 bilhões de litros em 2011, e deve alcançar 26,8 bilhões de litros até 2016. As maiores vendas são de bebidas com até 24% de suco (12,9 bilhões de litros em 2011), que são mais acessíveis. Vendas de sucos integrais (100% suco) devem crescer 104,6% entre 2011 e 2016, mais que outras categorias, alcançando 769,6 milhões de litros. Tendência de maior preocupação com saúde entre chineses impacta no dinamismo da venda sucos. Outro fator positivo é o aumento da renda do consumidor, que dispõe de renda para produtos não essenciais. Ao mesmo tempo, por serem não essenciais, preço impõe-se como barreira – redução média de 3% no valor unitário dos sucos em 2011.
  41. 41. SUCOS Segundo dados do Euromonitor, Coca Cola detinha 12,5% do valor das vendas off trade de sucos em 2011. Empresa é mais forte em sucos de baixa concentração. Sua principal marca é Minute Maid. Hujyuan Juice Group, uma companhia doméstica privada, detinha 8% do mercado off trade, e domina particularmente o segmento de sucos integrais. Outras companhias importantes são Tingyi Holdings Corp (marca Master Kong), Uni-President Enterprises Corp, e Hangzhou Wahaha. China Nutrifruit, que produz sucos, polpa concentrada, frutas frescas, aumentou sua receita em 39,2% ao ano, entre 2008 e 2011. Grande preocupação com presença de aditivos ilegais nos sucos chineses – em 2011 houve incidente com presença de plastificantes em bebidas importadas de Taiwan (mesmo assim vendas 12% cresceram nesse ano).
  42. 42. SUCOS Apesar de os chineses terem interesse por outros tipos de sucos, o sabor preferido continua sendo laranja. Sucos de misturas de frutas vêm se popularizando. Chineses também gostam de sucos de frutas exóticas, como toranja, romã, e kiwi.
  43. 43. SUCOS
  44. 44. SUCO DE LARANJA Principais fornecedores para a China (2011) Brasil Israel Estados Unidos Holanda Outros 3,5% 77,9% 16,2% 1,3% 1,2% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 164,8 MILHÕES Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do  A tarifa para suco de laranja Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) congelado, que representa a maior parte das exportações Crescimento brasileiras, é 22,5%. Participação Participação Parceiro comercial médio anual 2006 (%) 2011 (%) 2006-2011 (%) Mundo 14,71 Brasil 66,67 77,86 18,32 Israel 26,58 16,18 3,87 Estados Unidos 0,33 3,51 84,02 Holanda 3,32 1,20 -6,49 * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  45. 45. DEMAIS SUCOS Principais fornecedores para a China (2011) Espanha Estados Unidos Israel Dinamarca Argentina Taiwan Outros Brasil 16,5% 14,4% 11,6% 11,0% 7,1% 3,6% 35,8% (18º): 1,3% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 63,6 MILHÕES Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do  Suco de uva foi o mais importado Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) nesse grupo (41,5% do total). Crescimento Participação 2006 Participação 2011 Parceiro comercial médio anual (%) (%) 2006-2011 (%) Mundo 31,91 Espanha 16,14 16,54 32,55 Estados Unidos 23,77 14,42 19,36 Israel 9,30 11,56 37,78 Brasil 1,05 1,33 38,34 * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  46. 46. CAFÉ Vendas de café devem crescer em média 7,8% ao ano entre 2011 e 2016. Consumo de café em 2011 foi de 36,8 milhões de toneladas. A maior parte se concentra em café instantâneo (98,7%). O consumo per capita de café fresco na China é de 0,1 kg (no Brasil é de 46,9 kg). No entanto, suas vendas crescem mais rápido que as de café instantâneo, a 14,2% ao ano. Aumento das vendas de café fresco é favorecido pelo rápido crescimento da cultura de cafés entre consumidores de maior renda na China, principalmente jovens e funcionários de escritórios. O aumento das vendas das máquinas de café para escritórios, que chegou a 92,5 mil em 2011, também é positivo para as vendas de grãos de café fresco. Muitas companhias de grãos de café dão as máquinas gratuitamente para garantir o fornecimento do café. Preço do café aumentou cerca de 10% em 2011, por causa da inflação, que atingiu matérias-primas, e também pelo lançamento de produtos premium.
  47. 47. CAFÉ Nestlé e Kraft Foods (Guangzhou Kraft Foods) foram as primeiras multinacionais a entrar no segmento de café na China e continuam sendo companhias líderes de mercado. Apenas a Nestlé é responsável por 70% das vendas off trade. Atualmente, a maior rede de cafés na China é a taiwanesa Gourmet Master. A empresa pretende multiplicar por seis o seu número de estabelecimentos até 2015. Starbucks está expandindo suas atividades para cidades médias (third e fourth tier). Já está presente em 48 cidades, com 400 estabelecimentos, e até 2015 planeja estar em 70 cidades com 1500 estabelecimento. Também tem estabelecido fazendas de café dentro do país, preocupada em garantir o fornecimento sustentável de café à medida que a demanda cresce. China Resources (dona da Pacific Coffee) planejava estabelecer entre 50 e 100 novas lojas em 2011.
  48. 48. CAFÉ A italiana Lugi Lavazza SpA também pretende entrar no mercado chinês, abrindo mais de 200 estabelecimentos nas cidades maiores (first e second-tier) nos próximos três anos. Com a ameaça da Starbucks, a Gourmet Master está buscando modificar seu posicionamento, para o segmento de consumo de massa, vendendo seu produto pela metade do preço da concorrente, que se coloca no segmento premium. Tal estratégia também busca atingir o grande número de consumidores de classe baixa e média, que somam significativo poder aquisitivo. Redes de fast food como McDonalds e Burger King também começarem a servir café, a um preço mais acessível.
  49. 49. CAFÉ CRU Principais fornecedores para a China (2011) Vietnã Indonésia Brasil Colômbia Outros 2,7% 75,3% 8,6% 5,6% 7,8% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 99,2 MILHÕES Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) Crescimento Participação Participação médio anual Parceiro comercial 2006 (%) 2011 (%) 2006-2011 (%) Mundo 34,71 Vietnã 80,30 75,30 32,99 Indonésia 4,14 8,63 56,07 Brasil 2,60 5,60 57,02 Colômbia 7,03 2,67 11,01 * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  50. 50. CAFÉ TORRADO Principais fornecedores para a China (2011) EUA Itália Suíça Taiwan Reino Unido Austrália Hong Kong Outros 3,7% 2,4% Brasil 39,0% 21,1% 9,9% 6,0% 5,6% 12,2% (16º): 0,6% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 30,6 MILHÕES Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) Crescimento Participação Participação Parceiro comercial médio anual 2006 (%) 2011 (%) 2006-2011 (%) Mundo 17,81 EUA 60,72 39,03 7,85 Itália 13,18 21,12 29,47 Suíça 1,41 9,88 73,89 Taiwan 1,71 6,05 51,62 Brasil 4,18 0,60 -20,09 * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  51. 51. BEBIDAS ALCÓLICAS Os chineses, de modo geral, preferem bebidas alcoólicas com gradação alcoólica entre 8,5% e 10,5%. Cerca de um quinto das mulheres, por sua vez, preferem bebidas de teor alcoólico menor, de 5,8%. O consumo de bebidas alcoólicas per capita ainda é pequeno, de aproximadamente 1 litro por pessoa ao ano, contra 14 litros nos EUA e 50 litros na França. A venda de bebidas alcoólicas deve crescer, em média, 10,6% ao ano em termos de valor até 2016, e 8,1% em volume. As previsões de crescimento do setor de bebidas alcoólicas são alimentadas principalmente pela grande atração de investimentos, tanto de investidores locais como estrangeiros.
  52. 52. BEBIDAS DESTILADAS O crescimento do volume de vendas de destilados será pequeno em comparação com os segmentos de cerveja e vinho – 5,4% ao ano, até 2016. No entanto, o crescimento em termos de valor deve ser maior por causa dos investimentos de multinacionais e pelo aumento contínuo da afluência da classe média chinesa, à medida que tais consumidores gradualmente passem a consumir bebidas mais caras. O setor de destilados também têm atraído investidores externos, assim como o de cerveja, com companhias como Diageo e Pernot Richard. O segmento mais popular é o de uísque, que se aproxima do gosto chinês, mas destilados brancos vêm ganhando popularidade, especialmente entre a jovem classe média.
  53. 53. CACHAÇA Principais fornecedores para China (2011) Espanha Porto Rico Estados Unidos Inglaterra Cuba Outros 4.84% 1.78% 85.92% 1.51% 1.24% 4.71% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$61.345 BRASIL (0,34%) 10º fornecedor Oportunidades identificadas: Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) Total Exportado pelo Brasil: Participação Participação Crescimento médio US$ 61.345 Parceiro comercial 2006 (%) 2011 (%) anual 2006-2011 (%) Mundo 22,75 Espanha 82,01 85,92 23,89 Porto Rico 7,28 4,84 13,11 Estados Unidos 0,95 1,78 39,20 Inglaterra 1,35 1,51 25,56 Brasil 3,1 0,34 -20,98 * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  54. 54. VINHOS Os chineses estão desenvolvendo o hábito de tomar vinho. Com o aumento da classe média há também uma procura maior por vinhos de marcas estrangeiras em vez das domésticas. Comprar vinhos de marcas importadas virou símbolo de status enquanto, em geral, marcas chinesas são vendidas para a massa. Apesar da França já ter participação consolidada nas vendas de vinhos, a Itália planeja expandir sua exportações para o mercado asiático. De acordo com dados da alfândega chinesa, a Itália exportou 8,3% das vendas enquanto a França exportou 48% do total importado. Em um esforço para aumentar o consumo de vinhos italianos, o país contratou a Altagamma Foundation para promover vinhos em desfiles e outros eventos pelo mundo. As importações de vinhos de acordo cresceram em valor 94% em 2011 e somaram US$1,27 bilhões. De acordo com dados da China Culture Association of Poetry and Wine CCAPW, o volume total importado de vinhos subiram para 76,5% em 2010 e cresceu 80,9% em 2011.
  55. 55. VINHOS O consumo de vinhos na China cresceu 72,8% entre 2005 e 2010, alcançando quase 3,5 bilhões de litros. (Euromonitor) A China deve ultrapassar o Reino Unido em consumo de vinhos nos próximos meses, tornando-se um dos cinco maiores mercados consumidores de vinho do mundo. Compradores chineses ainda não sabem classificar bem a qualidade de um vinho, nem distinguir vinhos importados de imitações produzidas localmente. Há problemas com falsificação de vinhos na China e por isso, os chineses preferem pagar por marcas estrangeiras. É importante vender a cultura do vinho, vinícolas e não somente o produto. Fundamental para uma boa estratégia de marketing e penetração. Surgiram vários bares de vinhos em Shangai, onde jovens profissionais gastam em média US$ 152 por garrafa. Eles preferem marcas francesas e italianas, com mais status.
  56. 56. VINHOS Rótulos geográficos facilmente compreendidos, como Bordeaux, Champagne e Côtes du Rhône facilitam a distinção entre produtos locais e importados para o consumidor chinês, o que ajuda a explicar a grande popularidade dessas variedades na China e do vinho francês, de modo geral.
  57. 57. VINHOS Principais fornecedores para China (2011) China França Austrália Chile Espanha Itália Outros 6.9% 9.5% 49.2% 14.3% 6.6% 6.2% 16.9% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ milhões BRASIL 0,01% Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do As exportações brasileiras de Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) vinho cresceram 203,17% nos Participação Participação Crescimento médio últimos 5 anos. As importações Parceiro comercial 2006 (%) 2011 (%) anual 2006-2011 (%) de vinho devem crescer 7,8% ao Mundo 58,24 ano até 2016. França 13,12 25,17 80,26 Austrália 9,14 7,29 51,23 Chile 7,13 3,51 37,31 Espanha 7,1 6,9 38,24 Brasil 0,00 0,01 203,17 * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  58. 58. CACAU EM PÓ Há oportunidade para chocolate e cacau em pó solúvel. Em relação à chocolate, os chineses consomem em média 90 gramas por dia de acordo com dados do Euromonitor. Alguns chineses consomem uma vez por mês. Porém, há grande potencial para chocolates, dados o tamanho da população e aumento da renda. O segmento de produtos de confeitaria e chocolates é dominado por multinacionais na China. Chocolate amargo é mais popular entre mulheres, por seu percentual menor de gordura e propriedades antioxidantes. As vendas de produtos de confeitaria devem crescer em média 10,3% ao ano até 2016, em termo de valor, e 6,8% em termos de volume.
  59. 59. CACAU EM PÓ A elevação das rendas e também de preocupações de saúde são importantes tendências impactando no desenvolvimento do setor de produtos de confeitaria e favorecendo produtos como chocolate amargo e balas e chicletes funcionais.
  60. 60. CACAU EM PÓ Principais fornecedores para a China (2011) Malásia Cingapura Indonésia Holanda Gana Estados Unidos Outros 3,5% 2,3% 49,6% 20,6% 15,4% 5,9% 2,6% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 111,5 milhões Brasil (0,31%) 9º fornecedor Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) Participação Crescimento médio Participação 2011 (%) 2006 (%) anual 2006-2011 (%) Mundo 54,87 Malásia 46,57 49,64 56,86 Cingapura 23,19 20,60 51,25 Indonésia 4,31 15,45 99,93 Brasil 1,46 0,31 13,91Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  61. 61. MEL Principais fornecedores para a China (2011) Nova Zelândia Tailândia Austrália Alemanha Malásia Outros 38.3% 14.0% 9.7% 9.4% 23.9% 4.8% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 12,9 milhões BRASIL (0,52%) 17º fornecedor As exportações de mel Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do cresceram 100,8% nos Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) últimos cinco anos e somou U$67.052 em 2011. O mel Participação Participação Crescimento médio Parceiro comercial brasileiro é de excelente 2006 (%) 2011 (%) anual 2006-2011 (%) qualidade e tem boa Mundo 52,31 aceitação pelos chineses. Nova Zelândia 18,64 38,26 75,86 Tailândia 42,92 13,97 21,69 Austrália 14,37 9,73 40,89 Alemanha 0,96 9,43 140,36 Brasil - 0,52 -Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  62. 62. MODA E CUIDADOS PESSOAIS
  63. 63. MODA Graças à rápida urbanização na China e o aumento do padrão de vida, cresceu o número de pessoas que se preocupam com moda, principalmente entre jovens e mulheres. Homens também estão mais preocupados com a moda e há uma grande demanda por roupas esportivas casuais. O estabelecimento de lojas como a Hugo Boss, Gieves e Hawkes, firmas domésticas influenciaram a moda masculina. Lojas multinacionais como Uniqlo e Zara influenciaram o jeito do chinês se vestir.
  64. 64. MODA Entres as cidades cosmopolitas que a pessoas se preocupam mais como moda são Shanghai, Beijing e Chengdu. Consumidores mais sensíveis à moda passaram a comprar marcas premium. Para consumidores de maior poder aquisitivo, o estilo e a marca tonaram fatores mais importantes na decisão de compra, por projetarem uma imagem de prestígio. Pessoas da classe A procuram por produtos ocidentais para aumentar sua posição social. Dentre os produtos mais procurados encontram-se bolsas de griffe, calçados, relógios, etc. Com aumento dos salários e prosperidade da economia, os Chineses hoje representam o segundo maior grupo comprador de artigos de luxo no mundo. Segundo projeções feita pelo Grupo de Investimento, CLSA, consumidores ricos serão o maior grupo de consumidores de produtos de luxo até 2020 com participação de 44% do mercado global.
  65. 65. Shoppings na China South China Golden Resources Shopping Mall/Dongguan Mall/Beijing Consumidores chineses de artigos de luxo estão cada vez mais inclinados a realizar gastos domesticamente. A pesquisa foi feita entre consumidores que ganham mais de RMB 100 mil por ano, ou mais de US$ 16 mil. Uma pesquisa feita com 1500 consumidores, em 17 cidades, por consultores do McKinsey descobriu que 44% dos compradores de produtos de luxo preferem apreciar o produto em lojas físicas antes de comprar.
  66. 66. Shoppings na China
  67. 67. GASTOS DO CONSUMIDOR COM MODA 2006-2011 Crescimento Categorias 2006 2011 med. Anual 2006-2011 Alimentos 22,6% 20,7% 15,6% Bebidas Não alcólicas 0,7% 0,6% 13,7% Bebidas alcólicas e Fumo 2,7% 2,2% 12,7% Vestuário 6,3% 5,9% 16,3% Calçados 1,5% 1,4% 16,3% Casa, mesa e banho 0,5% 0,5% 18,7% Cuidados pessoais 3,5% 3,8% 19,4% Jóias, prata, relógios, itens viagens 0,2% 0,2% 15,8% Transporte 5,6% 6,5% 21,4% Comunicação 5,0% 5,2% 18,5% Educação e Lazer 5,5% 5,3% 16,8% Outros 46,0% 47,7% 18,5% GASTO TOTAL 100,0% 100,0% 17,6%Fonte: UICC Apex-Brasil, a partir de dados do Euromonitor
  68. 68. Previsão de Gastos Totais em Categorias de Moda em 2011 (US$Bilhões) 159 108 79 57 56 48 41 38 38 28 27 24 19 20 18 14 15 16 17 17 14 12 12 12 6.1 7.0 8.4 7.2 3.4 3.2 1.4 4.1 3.5 2.7 1.9 1.2 China Japão Rússia Brasil Índia Coreia do Sul Vestuário Cuidados Pessoais Calçados Cama, Mesa e Banho Joias, Prataria, Relógios, Malas Acessórios Fonte: Euromonitor. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  69. 69. Previsão de Gastos Totais em Categorias de Moda em 2016 (US$ Bilhões) 258 219 84 78 66 68 68 42 44 48 30 27 27 31 28 29 23 20 20 24 16 14 19 11 11 11 14 7,2 4,6 2,8 6,9 4,0 4,6 3,7 2,4 1,4 China Japão Rússia Índia Brasil Coreia do Sul Vestuário Cuidados Pessoais Calçados Cama, Mesa e Banho Joias, Prataria, Relógios, Malas Acessórios Fonte: Euromonitor. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  70. 70. ÓLEOS ESSENCIAIS PARA FABRICAÇÃO DE COSMÉTICOS Estados Unidos Brasil Inglaterra Irlanda Japão Outros 38,14% 28,08% 9,48% 13,38% 5,92% 5,01% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 24,5 milhões Oportunidades identificadas: • Óleos Essenciais de Laranja: Participação 2006 Participação 2011 Crescimento médio anual Exp. Brasil: US$ 6,9 milhões Parceiro comercial (%) (%) 2006-2011 (%) • Óleos essencial de outros cítricos: Exp. Brasil: US$ 282 mil Mundo 19,46 Estados Unidos 48,01 38,14 14,08 Brasil 22,15 28,08 25,26 Inglaterra 5,29 9,48 34,24 Irlanda 0,00 5,92 553,48 Japão 10,37 5,01 3,26Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  71. 71. COURO Couro Acabado Couros Salgados Demais Couro Couro Wetblue 31,27% 27,51% 23,77% 13,48% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 7,1 bilhões Oportunidades identificadas: BRASIL principal fornecedor: Crescimento • couro crust -Part.Br. -32% Participação Participação Parceiro comercial médio anual 2006- 2006 (%) 2011 (%) 2011 (%) • Wet blue - Brasil 25,12% Mundo 4,42 Outras Estados Unidos 18,36 19,60 5,80 • Acabado – 4° fornecedor (8,28%) Itália 9,15 9,91 6,10 Austrália 5,83 9,71 15,64 • Salgado -32° fornecedor Brasil 9,00 7,38 0,35Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  72. 72. PRODUÇÃO DE CALÇADOS DE COURO U$ MILHÕES 212,544 183,631 160,121 148,479 125,024 101,978 2006 2007 2008 2009 2010 2011Fonte:Euromonitor. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  73. 73. CALÇADOS DE COURO A demanda por calçados continua crescente apesar da desaceleração econômica. Com grande variedade de produtos e preços disponíveis no mercado, os consumidores tem poder de escolha. Marcas locais que copiam estilos globais custam em torno de US$ 5 dólares. Em contraste algumas e empresas europeias vendem seus calçados em torno de US$160 a US$ 200 dólares. Calçados de crianças, masculinos e femininos tiveram aumento por unidade de 7%, 7% e 5%, respectivamente em 2011 nos segmentos mid e high-end. Alguns calçados chegaram a aumentar 30% devido o aumento dos custos de matéria-prima e mão-de- obra. Há uma crescente demanda por calçados de alta qualidade. Calçados femininos foi o segmento que obteve maior crescimento em 2011. Algumas empresas brasileiras que exportam para a China são Dumond, da Paquetá, a Albanese, a Democrata e a Stephanie Classic.
  74. 74. Marcas ocidentais como as botas Ugg e Crocs também não perderam aoportunidade de vender seus produtos na China. A quantidade dessesprodutos falsificados ajuda a ressaltar a popularidade desses calçados.A empresa Belle Internacional é a empresa líder de mercado que corresponde6% das vendas. Seu sucesso tem como base uma estratégia de multi-marcas euma forte distribuição.Canais de Distribuição: Lojas de Departamento- 38% high-end positioning-marcas premium como Belle e Staccato Lojas Especializadas - 24% Marcas líderes-Belle, Daphne, Li Ning, Anta Internet : www.okbuy.com-Nine West e Daphne
  75. 75. JOIAS Hong Kong serve de vitrine para compradores chineses e muitos viajam para o país para comprar joias a custos menores e taxa de câmbio favorável. Os chineses acreditam que produtos vendidos em Hong Kong são de melhor qualidade que os da China Continental. Outro destino da compra de joias dos chineses são a Europa e os Estados Unidos. Os pais chineses costumam presentear os filhos que vão casar com joias (anéis, colares e pulseiras). Com o número de casamentos aumentando no país e por isso, as vendas de joias estão em alta. Ouro, diamante e outras pedras preciosas não saem de moda e por isso, os chineses preferem comprar joias clássicas em vez de joias personalizadas, especialmente quando há uma desaceleração na economia. Já em relação ao tipo de joias, anéis foram os preferidos dos chineses e representaram 44% das vendas enquanto colares representaram 31%. Brincos corresponderam a 12% e pulseiras a 9% das vendas.
  76. 76. JOIAS Joias foram mais representativas que joias customizadas em 2012. Ouro, diamantes e outras pedras preciosas mantiveram seu valor mesmo que a peças tivessem fora de moda. Os chineses usam joias principalmente para mostrar seu status social. Prata tibetana budista inclui peças complexas trabalhadas com pedras turquesa, coral e amarelas são populares entre mulheres chinesas de 20, 30 e 40 anos de idade. Lojas especializadas tipo boutiques carregam joias tibetanas e essas lojas se multiplicaram em vários dos shoppings chineses que possuem lojas de alto padrão e lojas pelos distritos. Na China, os consumidores preferem prata a ouro apesar da demanda por platina e ouro. O conceito de exclusividade é importante para os chineses e representam status. Designers europeus são populares entre os chineses como Titffany, Cartier, Louis Vuitton e Vivienne Westwood. Peças chamativas são consideradas populares entre a classe chinesa ascendente.
  77. 77. CALÇADOS DE COURO Principais fornecedores para China (2011) IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 861,7 milhões BRASIL (0,52%) 13º fornecedor Oportunidades identificadas: Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do •Sandálias com design arrojado Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) •Sapatos casuais sem salto Participação Participação Crescimento médio Parceiro comercial •Calçados Infantis de alta 2006 (%) 2011 (%) anual 2006-2011 (%) qualidade Mundo 35,36 Itália 25,56 34,19 43,47 Vietnã 15,71 15,51 35,02 Indonésia 7,97 7,78 34,71 Espanha 2,73 4,49 49,52 Brasil 1,19 0,52 14,81 * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  78. 78. Loja de Joias na China Muitos chineses viajam para Japão, Hong Kong, Europa e Estados Unidos para comprar os últimos lançamentos. Apesar disso, 50% da compras desses produtos são feitos em Hong Kong e Macau em vez da China continental.
  79. 79. BIJUTERIAS Principais fornecedores para China (2011) Tailândia Itália França Áustria Coreia do Sul Hong Kong Outros 5,7% 3,8% 35,5% 6,5% 3,4% 5,4% 1,4% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 141,7 milhões BRASIL (0,06%) 29° fornecedor Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) Participação Participação Crescimento médio Parceiro comercial 2006 (%) 2011 (%) anual 2006-2011 (%) Mundo Tailândia 1,90 35,50 1,20 Itália 3,20 6,50 0,42 França 2,90 5,70 0,41 Áustria 34,90 3,80 -0,21 Brasil 0,10 0,00 -0,07 * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  80. 80. PEDRAS A China é o maior destino das exportações de gemas brasileiras. As exportações brasileiras de gemas esse mercado foi de US$ 42,7 milhões em 2011 (Secex). De acordo com dados chineses, o Brasil foi o quinto maior fornecedor. Jade é uma pedra popular entre a massa chinesa e representa um símbolo de amor e virtude como meio de amentar as força da pessoa. Mulheres usam braceletes cortados de peça de jade enquanto homens usam colar de pedras em formato de bolinhas. Anéis e pingentes também são populares entre ambos os sexos. A tendência nos próximos anos são joias coloridas, o que representa uma oportunidade para o Brasil vender gemas das mais diferentes cores. As empresas líderes como a Chow Tai Fook, a Laofengxiang e a Bulgari pretendem vender joias com esmeraldas e outras pedras coloridas.
  81. 81. PEDRAS Principais fornecedores para China (2011) Miamar Tailândia África do Sul Hong Kong Brasil Outros 1,9% 63,8% 21,1% 3,4% 5,8% 4,0% IMPORTAÇÕES TOTAIS 2011 US$ 1,2 bilhões BRASIL (1,86%) 5° fornecedor Oportunidades identificadas: Crescimento médio anual das importações chinesas oriundas do Exportações brasileiras para Mundo, Brasil e dos principais fornecedores (2006-2011) China: US$ 22,8 milhões Participação Participação Crescimento médio Parceiro comercial 2006 (%) 2011 (%) anual 2006-2011 (%) Mundo 60,39 Miamar 8,96 63,77 137,52 Tailândia 37,93 21,14 42,70 África do Sul 17,39 4,02 19,65 Hong Kong 0,89 3,39 109,68 Brasil 7,48 1,86 21,50 * Taxa média de crescimento calculada com os anos que tiveram importações.Fonte: Global Trade Information System - GTIS. Elaboração: UICC Apex-Brasil.
  82. 82. PRODUÇÃO DE FIBRAS TÊXTEIS, TECIDO e VESTUÁRIO Produção de Fios e Tecidos US$ milhões 364,923 325,258 278,197 269,476 239,563 204,640 Produção de Vestuário US$ milhões 208,750 2006 2007 2008 2009 2010 2011 191,718 185,634 180,432 165,541 142,032 2006 2007 2008 2009 2010 2011

×