Sala de leitura Cinelzia
Profª Cida Gregio e Sueli Alves
Alunos 3ª série A
Profª Márcia Wolff
Viagens Literárias
Vidas Secas - Graciliano Ramos
TEMPO
O tempo na obra está mais voltado ao psicológico, já que não se
es...
LINGUAGEM E TEMA
Linguagem
Linguagem seca e direta, concisa, o vocabulário é
restrito, usam diálogos, frequentemente a per...
“Mudança” e “Fuga”
No primeiro capítulo: “Mudança”, mostra o ambiente
nordestino de seca, apresenta os personagens que est...
Secura da própria linguagem, não somente do ambiente
– Anda, condenado do diabo, gritou-lhe o pai.
– Anda, excomungado.
– ...
Trechos em que a cachorra Baleia é descrita como se
fosse humana
A cachorra Baleia, diferentemente de seus donos, assume, ...
COMPARAÇÃO DO ROMANCE AO POEMA DE JOÃO
CABRAL DE M. NETO, “MORTE E VIDA SEVERINA”
O poema de João Cabral apresenta uma int...
Crítica literária do autor Alfredo Bossi
sobre a obra
Graciliano Ramos retratou em sua obra Vidas Secas um coerente sentim...
Socialização 3° a vidas secas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Socialização 3° a vidas secas

961 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
961
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Socialização 3° a vidas secas

  1. 1. Sala de leitura Cinelzia Profª Cida Gregio e Sueli Alves Alunos 3ª série A Profª Márcia Wolff
  2. 2. Viagens Literárias Vidas Secas - Graciliano Ramos TEMPO O tempo na obra está mais voltado ao psicológico, já que não se estabelecem cronologicamente datas. O período da ação narrativa é determinado entre duas secas. ESPAÇO O espaço da obra é o sertão nordestino, que entra aqui como elemento bem definido através de descrições e caracterizações minuciosas.
  3. 3. LINGUAGEM E TEMA Linguagem Linguagem seca e direta, concisa, o vocabulário é restrito, usam diálogos, frequentemente a perguntas e respostas, pensamentos e frases soltas. Se comunicam por meio de grunhidos, onomatopeias, exclamações, resmungos e gestos; quase um monólogo. Tema O livro retrata a vida de pessoas que vivem no sertão brasileiro, a luta pela sobrevivência diante do flagelo da estiagem, desprezo com que os personagens são tratados e opressão social no Nordeste do Brasil.
  4. 4. “Mudança” e “Fuga” No primeiro capítulo: “Mudança”, mostra o ambiente nordestino de seca, apresenta os personagens que estão migrando e mostra a chegada à fazenda em que se instalam. O Último capítulo, “Fuga”, acompanha a saída da família da fazenda, novamente fugindo da seca. Mudança e Fuga representam o fechamento de um ciclo. A ideia de ciclo é o movimento feito pela família de Fabiano fugindo da seca, eternas fugas... fuga, permanência e fuga novamente. O primeiro e o último capítulos de Vidas Secas, temos a presença da família de sertanejos peregrinando sobre o sol escaldante do sertão à procura de áreas menos castigadas pela seca.
  5. 5. Secura da própria linguagem, não somente do ambiente – Anda, condenado do diabo, gritou-lhe o pai. – Anda, excomungado. – Este capeta anda leso. – Inferno, inferno. – Capeta excomungado. – Conversa. Dinheiro anda num cavalo e ninguém pode viver sem comer. Quem é do chão não se trepa. Passar a vida inteira assim no toco, entregando o que era dele de mão beijada! Estava direito aquilo? Trabalhar como negro e nunca arranjar carta de alforria! – Um dia um homem faz besteira e se desgraça. – Miseráveis. – Pestes.
  6. 6. Trechos em que a cachorra Baleia é descrita como se fosse humana A cachorra Baleia, diferentemente de seus donos, assume, de certa forma, o papel de um humano no enredo. No capítulo do livro intitulado “Baleia”, o autor atribui à cachorra uma série de descrições que não são comumente associadas a animais. No início do capítulo, a cachorra é assim descrita: “Ela era como uma pessoa da família: brincavam juntos os três, para bem dizer não se diferenciavam, rebolavam na areia do rio e no estrume fofo que ia subindo, ameaçava cobrir o chiqueiro das cabras”. Durante a narração dos últimos momentos da vida de Baleia, em algumas passagens, o autor deixa claro o caráter personificador que ao animal foi atribuído. Primeiro, “a cachorra espiou o dono desconfiada”, como que prevendo que o dono viria a sacrificá-la. Após levar o tiro, faltando-lhe a perna traseira, Baleia “andou como gente, em dois pés, arrastando com dificuldade a parte posterior do corpo”.
  7. 7. COMPARAÇÃO DO ROMANCE AO POEMA DE JOÃO CABRAL DE M. NETO, “MORTE E VIDA SEVERINA” O poema de João Cabral apresenta uma interpretação da obra de Graciliano Ramos, as duas obras abordam a seca e os retirantes, mas de formas diferentes. Em “Vidas secas” a finalização da narrativa é mais “negativa” e a impressão é de que Fabiano e sua família vão para sempre continuar fugindo da seca. “Morte e Vida e Severina”, o texto narrado em terceira pessoa, em forma de poesia, discorre sobre a miséria, a morte e anonimato. Severino, em sua caminhada pela seca nordestina, tenta apresentar-se ao público, mas a falta de individualidade e a pobreza do sertanejo o impedem de uma melhor apresentação e identidade. Entretanto, ao final a esperança surge e dá a entender que, apesar de todo o mal que a seca pode causar, ainda há espaço para a vida, mesmo para uma vida severina. Iguais em tudo na vida, Morremos de morte igual Mesma morte Severina [...]
  8. 8. Crítica literária do autor Alfredo Bossi sobre a obra Graciliano Ramos retratou em sua obra Vidas Secas um coerente sentimento de rejeição que adviria do contato do homem com a natureza ou com o próximo. Escrevendo-o em uma linguagem dialética por excelência do conflito, onde reinava um espírito de indagação e indignação frente ao problema da seca no nordeste. Provocando dissídio entre a consciência do homens e o labirinto que precisava ser desvendado. Onde o espírito literário da obra é critico, reconhecendo no protagonista (Fabiano) o caminho oposto que segue a sociedade, fazendo sondagem moral. A paisagem é retratada em Vidas Secas por poucas descrições, relatando a realidade hostil que o retirando Fabiano vivia. Desvendando a nora precária dado a Graciliano como obra regionalista universal. O inicio do livro-Mudança o final do livro Fuga mostra claramente o desespero das família de retirantes, o final de tudo, não existia mais possibilidade de viver, estavam condenados a morte. Fabiano era um ser não sociável, pois quase não fazia uso da linguagem associada a homens sabidos, por isso temia muito a eles. Para concluir, pode-se afirmar que não é possível acabar com as secas, a forma pela qual as autoridades brasileiras combatem-na como açudes e represamento de rios, isto só beneficia parte da população. Desta forma o problema que ocasiona a seca no Nordeste está intimamente ligado a estrutura social e programas sociais, não basta caminhões pipas, construção de cisternas, mas é necessário fazer a regiões áridas onde a seca prevalece, progredir e fazer parte do progresso do País.

×