Domingo no trapichão
Sunday at the “Trapichão”
Daniel dos Santos Fernandes1
Mesmo com a implantação de rodovias e a conseq...
o fato é que toda etnologia supõe um testemunho direto de uma atualidade presente”
(Augé, 2007, p.14). Este testemunho no ...
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
11
14
13
Fernandes, Daniel dos Santos. Ensaio Fotoetnográfico -  Domingo no Trapichão
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fernandes, Daniel dos Santos. Ensaio Fotoetnográfico - Domingo no Trapichão

145 visualizações

Publicada em

Domingo no Trapichão é um ensaio fotoetnográfico em que visualizamos em texto imagético e texto escrito, integrados, algumas práticas em um domingo a beira do Rio Tocantins, no trapiche local, o Trapichão, no distrito de Vila do Carmo do Tocantins, Cametá/Pará, região do Baixo-Tocantins.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
145
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fernandes, Daniel dos Santos. Ensaio Fotoetnográfico - Domingo no Trapichão

  1. 1. Domingo no trapichão Sunday at the “Trapichão” Daniel dos Santos Fernandes1 Mesmo com a implantação de rodovias e a consequente inversão da entrada das cidades e distritos na Amazônia, pois, antes os rios eram entradas das comunidades e hoje as estradas vem do fundo tornando este fundo a atual frente. Os rios, agora fundos, continuam “ruas fluviais” a levarem as pessoas aos pontos de socialização, bem como, continuam auxiliando na comunicação, comércio e alimentação. Seus portos ou trapiches, estes como são mais conhecidos, continuam como pontos de encontro de tradições e histórias. Minimizando um (des)enraizamento, decorrente do avanço das novas dinâmicas sociais que veem sendo trazidas por conta da maior facilidade de interações culturais por meio das estradas, agora em chão e não mais fluviais. Mesmo que os trapiches já mostrem o início de uma degradação estrutural, decorrente da má utilização, do crescimento demográfico, da ocupação desordenada. A partir deste espaço que ainda não perdeu sua função de sociabilização é que neste ensaio fotográfico vamos falar/visualizar um domingo a beira do Rio Tocantins, no trapiche local, o Trapichão, do distrito de Vila do Carmo do Tocantins, Cametá/Pará, região do Baixo-Tocantins. Espaço de chegadas, saídas, compras, conversas, encontros, desencontros, alimentação, enfim, socializações. Sabendo que somos,“... aquele que se encontra em algum lugar e que descreve aquilo que observa ou escuta naquele momento mesmo...” (Augé, 2007, p.14). Em um lugar onde se encontram pessoas vindas de várias comunidades, instaladas nas várias ilhas fluviais, que trazem várias histórias, que se encontram com outras várias histórias dos que moram na Vila do Carmo. Apesar de correremos o risco de que, “...sempre se poderá questionar, em seguida, a qualidade da sua observação e as intenções, os preconceitos ou os outros fatores que condicionam a produção de seu texto; _________________________ 1 Doutor em Ciências Sociais – Antropologia, coordenador do Núcleo de Pesquisa das Faculdades Integradas Ipiranga. Email: dasafe@msn.com
  2. 2. o fato é que toda etnologia supõe um testemunho direto de uma atualidade presente” (Augé, 2007, p.14). Este testemunho no Rio Tocantins, junto aos chamados “das ilhas”, levou-nos a perceber que o rio e seus trapiches não são apenas o que caracteriza as comunidades ribeirinhas, mas acima de tudo representa a possibilidade do contato com outros locais, outras histórias sem desvincular suas raízes. REFERÊNCIAS AUGÉ, M. 2007. Não-lugares: Introdução a uma antropologia da supermodernidade.6ª ed., Campinas, Papirus,
  3. 3. 1 2
  4. 4. 3 4
  5. 5. 5 6
  6. 6. 7 8
  7. 7. 9 10
  8. 8. 12 11
  9. 9. 14 13

×