Lição 8 do 3º Trimestre de 2013.

598 visualizações

Publicada em

2 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
598
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
2
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 8 do 3º Trimestre de 2013.

  1. 1. Texto Áureo VERDADE PRÁTICA
  2. 2. INTRODUÇÃO Após orientar os crentes de Filipos acerca dos maus obreiros que praticam o mal, nos versículos 1 a 11 do cap. 3, Paulo faz um retrospecto da sua vida e analisa à luz da experiência pessoal que teve com Cristo, depois de contabilizar sua vida e abrir mão de seus valores do passado, ele assume no presente uma postura de atleta que corre velozmente para chegar à meta final de sua carreira cristã. Nos versículos 7 à 11 desse mesmo capítulo ele diz que as conquistas no passado sem Cristo, ele considera por perda por causa do evangelho. O alvo maior e principal de Paulo estava em conquistar a excelência do conhecimento de Cristo Jesus.
  3. 3. I- A ASPIRAÇÃO PAULINA 1. “prossigo para o alvo”. Na linguagem metafórica que Paulo utiliza sobre essa carreira, ele reconhece que precisa se aperfeiçoar, melhorar como atleta, a expressão que o apóstolo usa no versículo 12, fala da consciência que ele tinha acerca de suas limitações . Por isso ele se imagina em um estádio correndo com tantos outros corredores, mas tem convicção de que somente um receberá o prêmio (1Co 9.24). Não se trata de uma competição individualista quando diz que somente um leva o prêmio. Esse “um” inclui todos aqueles que servem ao Senhor.
  4. 4. I- A ASPIRAÇÃO PAULINA 2. O sentimento de incompletude de Paulo O alvo sublime está à frente. A ambição maior que dominava o coração de Paulo seria partilhar o poder da ressureição de Cristo, e, para experimentar esse poder, ele teria também que partilhar dos seus sofrimentos. Paulo entendia que essa carreira teria muitos obstáculos. Eu costumo dizer que a pessoa ao aceitar a Jesus como Salvador, é como se na sua frente estivesse uma faixa para ele atravessar, e após atravessar essa faixa, seria o percurso caminhando em direção ao céu, só que com bastantes obstáculos, mas que no final estaria a sua coroa de glória, e é preciso que perseveremos nessa caminhada para alcançarmos a nossa vitória em nome de Jesus.
  5. 5. Todo atleta quando está em uma maratona ou competição se esforça ao máximo para ganhar a competição e ganhar o prêmio final. Paulo afirma que o crente na caminhada rumo aos céus é como esse atleta que busca ao máximo se esforçar para alcançar a sua vitória. Com o crente não é diferente, devemos nos esforçar, não olhar para as dificuldades da vida que venham nos impedir que alcancemos a coroa de glória que tanto nos espera, o alvo precioso da vida cristã (1 Co 1.8). Quando o crente deixa de olhar para o alvo que é Cristo ele corre o risco de tropeçar e cair.
  6. 6. I- A ASPIRAÇÃO PAULINA 3. O engano da presunção. A presunção aqui se refere a idéia de se ter alcançado a perfeição e não precisar mais de nenhum esforço, é realmente uma presunção de qualquer crente achar que não precisa de mais nenhum esforço para alcançar a salvação. Quanto ao que Jesus Cristo fez na cruz do calvário foi perfeito. só que cabe a nós a manutenção desta obra salvadora. Por isso o verbo “prosseguir” que implica uma ação contínua, dia a dia, sempre , que nos estimula a lutar pelo prêmio final igual ao atleta que está sempre em boa forma física, sempre treinando, não para, por que? Para alcançar o seu objetivo, ser vencedor.
  7. 7. Paulo não se deixou enganar pela falsa idéia de ter alcançado a perfeição. Os mestre gnósticos afirmavam ter alcançado a perfeição. (Gnosticismo) Para o gnosticismo tudo que é material foi criado pelo deus mal e deve ser desprezado; assim, por exemplo, o casamento e tido como mau porque através dele o homem (corpo) se multiplica. Tudo o que é espiritual teria sido criado pelo deus bom. O apóstolo Paulo combateu isto em (1Tm 4. 4,5).
  8. 8. II- A MATURIDADE ESPIRITUAL DOS FILIPENSES (3.15,16) 1.somos perfeitos? (3.15) E estais perfeitos nele, que é a cabeça e todo o principado e potestade, ( Cl 2.10) quando o apóstolo disse “todos quantos já somos perfeitos” estava de fato fazendo uma distinção entre os falsos cristãos influenciados pelo gnosticismo que se vangloriavam de sua perfeição, tanto judeus como gentios, os judeus se vangloriavam da circuncisão, os cristãos gentios cristãos se sentiam perfeitos e iluminados no conhecimento espiritual. Ao contrário de Paulo que negava a idéia de ter alcançado a perfeição.
  9. 9. Em um sentido especial já alcançamos a perfeição através da morte vicária de Cristo Jesus, porém para ensina que o vocábulo “perfeito” se refere a maturidade espiritual, nossa vida tem um caráter progressivo, requer que andemos em novidade de vida. (2 Co 5.17)
  10. 10. II- A MATURIDADE ESPIRITUAL DOS FILIPENSES (3.15,16) 2. O cristão deve andar conforme a maturidade alcançada (3.16) “Mas, naquilo a que já chegamos, andemos segundo a mesma regra e sintamos o mesmo”. Não significa andar segundo os regulamentos da lei mosaica, que tanto os judeus convertidos reivindicavam. O que Paulo queria ensinar é deviam andar conforme a doutrina de Cristo. Esse comportamento demonstra a maturidade do crente que anda segundo aquilo que já recebeu do Senhor, não basta correr e vencer, é preciso obedecer às regras da carreira cristã.
  11. 11. II- A MATURIDADE ESPIRITUAL DOS FILIPENSES (3.15,16) 3. Exemplo a se imitado. Paulo procurou em tudo imitar o Mestre, servindo apenas aos interesses da igreja de Cristo.)Fl 2.17) Da maneira como ele imitava a Cristo, exortou os filipenses a que o imitassem assim como ele imitava ao Senhor. (Mc 8.34 ) E, chamando a si a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me. Será que realmente nós somos
  12. 12. III- A ASPIRAÇÃO CRISTÃ HOJE 1. A atualidade do desejo Paulino O propósito de Paulo em relação a si e aos filipenses nos serve de ensino, pois as dificuldades, tentações e obstáculos que serviam para dificultar a caminhada naquela época continuam bem maiores nos dias hodiernos, devemos fazer total esforço para vivermos uma vida de intimidade e comunhão com o Senhor. Espingarda de derrubar crente já tem derrubado muitos...
  13. 13. III- A ASPIRAÇÃO CRISTÃ HOJE 2. O cristão deve almejar a maturidade espiritual. Ao aceitarmos a Jesus e recebermos a salvação, candidatamo-nos à carreira cristã que exigirá esforço e determinação, a fim de que alcancemos a maturidade na fé. Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e luz, para o meu caminho (Sl 119.105) Sigamos o exemplo de Paulo reconhecendo que precisamos alcançar a perfeição, precisamos e devemos buscar mais conhecimento acerca da pessoa de Jesus Cristo.
  14. 14. III- A ASPIRAÇÃO CRISTÃ HOJE 3. Rejeitando a fantasia da vida cristã. Paulo era consciente do sofrimento que passava, sabia a dificuldade de ser fiel a Deus, porém suportava tudo por amor à obra de Deus, quem quiser servir ao Senhor saiba que passará as mesmas dificuldades, mas aquele que perseverar até o fim, esse será salvo (Mc 13.13) da mesma forma que Paulo, tenhamos convicção que receberemos o “prêmio da soberana vocação em Cristo Jesus” (Fl3.14)

×