SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Sl 133.1-3
A Unidade da Igreja
 é preciso que haja união entre os irmãos, a
mesma união que o Pai sempre teve com o
Filho, porque para termos a vida eterna é
preciso que conheçamos ao Senhor e a Cristo
que por Ele foi enviado. (Jo 17.3)
 pois quando não temos união com nosso irmão,
como podemos dizer que a temos com Cristo.
Por isso que o salmista diz que é muito bom
quando os irmãos estão em união, isto é
agradável aos olhos do Senhor.
E a vida eterna é esta: que conheçam a ti só por
único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo, a quem
enviaste. (Jo 17.3) ARC
A comunidade em Antioquia conseguiu enxergar
nos discípulos a união que havia entre eles.
(At 11.26)
 A igreja precisa estar em unidade pois ela é o corpo
de Cristo, o apóstolo Paulo faz uma analogia do
corpo humano dizendo que tem muitos membros,
de igual sorte é também o corpo de Cristo, pois Ele
a cabeça desse corpo. (1 Co 12.12)
 E este corpo muito embora sejam muitos, a
unidade em Cristo nos faz ser um só corpo, mesmo
sendo cada um tão diferente um do outro.
(Rm 12.5)
E sucedeu que todo um ano se reuniram naquela
igreja e ensinaram muita gente. Em Antioquia, foram
os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos.
(At 11.26)ARC
Porque, assim como o corpo é um e tem muitos
membros, e todos os membros, sendo muitos, são
um só corpo, assim é Cristo também.
(1 Co 12.12) ARC
assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em
Cristo, mas individualmente somos membros uns dos
outros. (Rm 12.5)ARC
Dc. Antonio
A Igreja : Um só Fundamento
 Nos dias hodiernos por qualquer motivo fútil o
irmão fica com raiva do outro e aquela comunhão
que antes era intensa já não existe mais.
 E é preciso que amemos sempre, não apenas no
início, mas sempre até a volta de Jesus, e Ele
próprio nos mostra que está sempre disposto a
continuar nos amando. (Jo 13.1)
 Tem que haver uma interação, uma união,
ninguém trabalha sozinho, sempre vai ter alguém
que está disposto a lhe ajudar, a dar as mãos, ser
seu amigo; estar em união faz uma igreja forte.
Ora, antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que já
era chegada a sua hora de passar deste mundo para o
Pai, como havia amado os seus que estavam no
mundo, amou-os até ao fim. (Jo 13.1) ARC
Dc. Antonio
 Quando Barnabé enviado pela igreja que estava em
Jerusalém chega em Antioquia que vê a graça de
Deus naquele lugar, que por sinal aonde tem
unidade, O Senhor opera, Barnabé entende que
precisava de um companheiro naquela obra.
(At 11.25)
 A Igreja pra ser vencedora tem que estar em
sintonia, falando uma só linguagem, sem
desacordos, sem intrigas; precisa estar em unidade
como a Santa Trindade. (Mc 1.9-11)
 Temos que fazer de tudo para conservar essa
união, que através da paz nos une pelo Santo
Espírito de Deus. (Ef 4.3)
Façam tudo para conservar, por meio da paz que
une vocês, a união que o Espírito dá.
(Ef 4.3) NTLH
E partiu Barnabé para Tarso, a buscar Saulo; e,
achando-o, o conduziu para Antioquia.
(At 11.25) ARC
Dc. Antonio
A Esperança da Salvação
 Fomos gerados de novo na pessoa bendita de
Cristo para vivermos em unidade, paz e harmonia
com Deus e com os homens.
 Para anunciar a Cristo, louvar e engrandecer o seu
nome. (Hb 2.12)
 Para ter alegria, sermos bons conselheiros, falar de
paz, pois só fala quem a tem (Pv 12.20)
 E para morar no Céu, através da fé em Cristo
Senhor de nossas vidas. (1 Pe 1.4,5)
Ele diz: "Proclamarei o teu nome a meus irmãos; na
assembléia te louvarei". (Hb 2.12)NVI
Engano há no coração dos que maquinam mal, mas
alegria têm os que aconselham a paz. (Pv 12.20) ARC
para uma herança incorruptível, incontaminável e
que se não pode murchar, guardada nos céus para
vós; que, mediante a fé, estais guardados na virtude
de Deus, para a salvação já prestes para se revelar no
último tempo. (1 Pe 1.4,5) ARC
A Falta de Unidade da Igreja
 Infelizmente há irmãos que por falta de buscar
mais a presença de Deus em sua vida, fazem tudo
aquilo que é contrário a unidade da Igreja. (Os 6.3)
 E ainda há aqueles que ao invés de darem as
mãos, não perdem uma oportunidade em
prejudicar a seu irmão. (Mt 26.14-16)
 Fazem de tudo para atrasar a obra de Deus, e não
se importam com o seu próprio crescimento
espiritual, não gostam de culto de ensino, de
escola dominical, e são aqueles que mais querem
ser profetas.
Conheçamos o Senhor; esforcemo-nos por conhecê-
lo. Tão certo como nasce o sol, ele aparecerá; virá
para nós como as chuvas de inverno, como as chuvas
de primavera que regam a terra. (Os 6.3) NVI
Dc. Antonio
Desânimo na obra de Deus
 Tem crentes que por falta de visão espiritual, não
conseguem enxergar pela fé o que Deus tem para
lhes entregar.
 Vão ao culto, até vem para o evangelismo, mas lhes
faltam fé, acreditar mais naquilo que O Senhor
pode fazer.
 Se conseguirmos verdadeiramente agradar ao
Senhor como disse Calebe, certamente nos dará a
vitória. (Nm 14.8) ARC
Se o Senhor se agradar de nós, ele nos fará entrar
nessa terra, onde manam leite e mel, e a dará a nós.
(Nm 14.8) ARC
Dc. Antonio
Inveja atrapalha a comunhão
 Há irmãos que por um sentimento de inveja
nutrido pelo inimigo de nossas almas, não podem
ver seu irmão receber uma benção.
 Ficam aborrecidos ao ponto de não querer mais
lhes dirigir a palavra e quando a fazem, é com um
sentimento de inimizade. (Gn 37.4)
 Há ainda aqueles que nem fazem a obra de Deus e
querem atrapalhar os que estão fazendo. (Ne 6.2,3)
Vendo, pois, seus irmãos que seu pai o amava mais
do que a todos os seus irmãos, aborreceram-no e não
podiam falar com ele pacificamente. (Gn 37.4) ARC
Dc. Antonio
Conclusão
 Que possamos sempre estar em comunhão
com Deus e com nossos irmãos, fazendo a
obra de Deus com um sentimento de
Gratidão.
 Que o desânimo, a inveja e falta de unidade
não façam parte do nosso currículo
espiritual, para podermos sempre alegrar ao
Senhor. (Ne 8.10c)
 Deus em Cristo Jesus continue nos
abençoando.
porque a alegria do SENHOR é a vossa força.
(Ne 8.10c) ARC
Dc. Antonio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãJoanilson França Garcia
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreirosCELSO SOARES
 
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasLição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasÉder Tomé
 
Treinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
Treinamento MDA - Eu Escolhi DiscipularTreinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
Treinamento MDA - Eu Escolhi Discipularrevolucaoaje
 
Estudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoEstudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoRodrigo Bomfim
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroEdnilson do Valle
 
Apresentação1- A família : Plano de Deus - Estudo bíblico 1 - 19-10-2014
Apresentação1- A família : Plano de Deus -   Estudo bíblico 1 - 19-10-2014Apresentação1- A família : Plano de Deus -   Estudo bíblico 1 - 19-10-2014
Apresentação1- A família : Plano de Deus - Estudo bíblico 1 - 19-10-2014Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUSA NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUSSandra Dias
 
A familia cristã e os desafios na criação dos filhos
A familia cristã e os desafios na criação dos filhosA familia cristã e os desafios na criação dos filhos
A familia cristã e os desafios na criação dos filhosSebastião Luiz Chagas
 
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicosLição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicosÉder Tomé
 
As obras da carne e do Espírito
As obras da carne e do EspíritoAs obras da carne e do Espírito
As obras da carne e do EspíritoJoselito Machado
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadeIBMemorialJC
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiroWander Sousa
 

Mais procurados (20)

Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
 
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasLição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
 
Batalha espiritual
Batalha espiritualBatalha espiritual
Batalha espiritual
 
O pecado e suas consequencias parte 1-22.02.2015
O pecado e suas consequencias parte 1-22.02.2015O pecado e suas consequencias parte 1-22.02.2015
O pecado e suas consequencias parte 1-22.02.2015
 
Estudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e OfertasEstudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e Ofertas
 
Treinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
Treinamento MDA - Eu Escolhi DiscipularTreinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
Treinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
 
Estudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoEstudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito Santo
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
As 12 colunas que sustentam uma família
As 12 colunas que sustentam uma famíliaAs 12 colunas que sustentam uma família
As 12 colunas que sustentam uma família
 
Apresentação1- A família : Plano de Deus - Estudo bíblico 1 - 19-10-2014
Apresentação1- A família : Plano de Deus -   Estudo bíblico 1 - 19-10-2014Apresentação1- A família : Plano de Deus -   Estudo bíblico 1 - 19-10-2014
Apresentação1- A família : Plano de Deus - Estudo bíblico 1 - 19-10-2014
 
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUSA NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
 
A familia cristã e os desafios na criação dos filhos
A familia cristã e os desafios na criação dos filhosA familia cristã e os desafios na criação dos filhos
A familia cristã e os desafios na criação dos filhos
 
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicosLição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
 
As obras da carne e do Espírito
As obras da carne e do EspíritoAs obras da carne e do Espírito
As obras da carne e do Espírito
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
 
O casamento bíblico
O casamento bíblicoO casamento bíblico
O casamento bíblico
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
 

Semelhante a A unidade da Igreja

Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outrosSegredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outrosAnderson Cássio Oliveira
 
A visão do purê de batatas
A visão do purê de batatasA visão do purê de batatas
A visão do purê de batatasantonio ferreira
 
Sete compromissos para 2011
Sete compromissos para 2011Sete compromissos para 2011
Sete compromissos para 2011CharlesBronson16
 
Ministração do dia 12 08-12
Ministração do dia 12 08-12Ministração do dia 12 08-12
Ministração do dia 12 08-12idbguarapari
 
Paul y. cho orando com jesus
Paul y. cho   orando com jesusPaul y. cho   orando com jesus
Paul y. cho orando com jesusLuiza Dayana
 
David paul yonggi cho orando com jesus
David paul yonggi cho   orando com jesusDavid paul yonggi cho   orando com jesus
David paul yonggi cho orando com jesusjeverlu
 
Lição - nº1 - Deus, Cristo e a Humanidade (6 de abril de 2013) - 2º TRI
Lição - nº1 - Deus, Cristo e a Humanidade (6 de abril de 2013) - 2º TRILição - nº1 - Deus, Cristo e a Humanidade (6 de abril de 2013) - 2º TRI
Lição - nº1 - Deus, Cristo e a Humanidade (6 de abril de 2013) - 2º TRIGérson Fagundes da Cunha
 
Rito do casamento católico
Rito do casamento católicoRito do casamento católico
Rito do casamento católicoElisangela Silva
 
4º Domingo da Quaresma
4º Domingo da Quaresma4º Domingo da Quaresma
4º Domingo da QuaresmaRosiane Paes
 
4º domingo da quaresma
4º domingo da quaresma4º domingo da quaresma
4º domingo da quaresmarosipaes
 
“O amor de Cristo nos constrange”
“O amor de Cristo nos constrange”“O amor de Cristo nos constrange”
“O amor de Cristo nos constrange”JUERP
 

Semelhante a A unidade da Igreja (20)

Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outrosSegredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
 
A visão do purê de batatas
A visão do purê de batatasA visão do purê de batatas
A visão do purê de batatas
 
Missão frutificadora da igreja
Missão frutificadora da igrejaMissão frutificadora da igreja
Missão frutificadora da igreja
 
Tessalonicenses
TessalonicensesTessalonicenses
Tessalonicenses
 
Guião pai nosso 2017
Guião pai nosso   2017Guião pai nosso   2017
Guião pai nosso 2017
 
Sete compromissos para 2011
Sete compromissos para 2011Sete compromissos para 2011
Sete compromissos para 2011
 
Ministração do dia 12 08-12
Ministração do dia 12 08-12Ministração do dia 12 08-12
Ministração do dia 12 08-12
 
Adoção
AdoçãoAdoção
Adoção
 
1 tessalonissences 2
1 tessalonissences 21 tessalonissences 2
1 tessalonissences 2
 
Compromisso e amor
Compromisso e amorCompromisso e amor
Compromisso e amor
 
Paul y. cho orando com jesus
Paul y. cho   orando com jesusPaul y. cho   orando com jesus
Paul y. cho orando com jesus
 
David paul yonggi cho orando com jesus
David paul yonggi cho   orando com jesusDavid paul yonggi cho   orando com jesus
David paul yonggi cho orando com jesus
 
Apostila restaurando o altar
Apostila  restaurando o altarApostila  restaurando o altar
Apostila restaurando o altar
 
Lição - nº1 - Deus, Cristo e a Humanidade (6 de abril de 2013) - 2º TRI
Lição - nº1 - Deus, Cristo e a Humanidade (6 de abril de 2013) - 2º TRILição - nº1 - Deus, Cristo e a Humanidade (6 de abril de 2013) - 2º TRI
Lição - nº1 - Deus, Cristo e a Humanidade (6 de abril de 2013) - 2º TRI
 
11 09 11
11 09 1111 09 11
11 09 11
 
Rito do casamento católico
Rito do casamento católicoRito do casamento católico
Rito do casamento católico
 
4º Domingo da Quaresma
4º Domingo da Quaresma4º Domingo da Quaresma
4º Domingo da Quaresma
 
4º domingo da quaresma
4º domingo da quaresma4º domingo da quaresma
4º domingo da quaresma
 
“O amor de Cristo nos constrange”
“O amor de Cristo nos constrange”“O amor de Cristo nos constrange”
“O amor de Cristo nos constrange”
 
vorea
voreavorea
vorea
 

Mais de Antonio Fernandes

A Organização de uma Igreja Local
A Organização de uma Igreja LocalA Organização de uma Igreja Local
A Organização de uma Igreja LocalAntonio Fernandes
 
O Líder Diante da Chegada da Morte
O Líder Diante da Chegada da MorteO Líder Diante da Chegada da Morte
O Líder Diante da Chegada da MorteAntonio Fernandes
 
A Corrupção dos Últimos Dias
A Corrupção dos Últimos DiasA Corrupção dos Últimos Dias
A Corrupção dos Últimos DiasAntonio Fernandes
 
Aprovados por Deus em Cristo Jesus
Aprovados por Deus em Cristo JesusAprovados por Deus em Cristo Jesus
Aprovados por Deus em Cristo JesusAntonio Fernandes
 
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs
Oração e Recomendação às Mulheres CristãsOração e Recomendação às Mulheres Cristãs
Oração e Recomendação às Mulheres CristãsAntonio Fernandes
 
Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Uma Mensagem à Igreja Local e à LiderançaUma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Uma Mensagem à Igreja Local e à LiderançaAntonio Fernandes
 
A Origem e História da Bíblia
A Origem e História da BíbliaA Origem e História da Bíblia
A Origem e História da BíbliaAntonio Fernandes
 
O Cuidado ao Falar e a Religião Pura
O Cuidado ao Falar e a Religião PuraO Cuidado ao Falar e a Religião Pura
O Cuidado ao Falar e a Religião PuraAntonio Fernandes
 
As Leis Civis Entregues Por Moisés
  As Leis Civis Entregues Por Moisés  As Leis Civis Entregues Por Moisés
As Leis Civis Entregues Por MoisésAntonio Fernandes
 
Um Lugar de Adoração a Deus no Deserto
Um Lugar de Adoração a Deus no DesertoUm Lugar de Adoração a Deus no Deserto
Um Lugar de Adoração a Deus no DesertoAntonio Fernandes
 
Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares
 Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares
Moisés – Sua liderança e Seus AuxiliaresAntonio Fernandes
 
Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares
Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares
Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares Antonio Fernandes
 
Os Dez Mandamentos do Senhor
Os Dez Mandamentos do SenhorOs Dez Mandamentos do Senhor
Os Dez Mandamentos do SenhorAntonio Fernandes
 

Mais de Antonio Fernandes (20)

Cristo Revelado em Nós
Cristo Revelado em NósCristo Revelado em Nós
Cristo Revelado em Nós
 
Exortações Gerais
Exortações GeraisExortações Gerais
Exortações Gerais
 
A Organização de uma Igreja Local
A Organização de uma Igreja LocalA Organização de uma Igreja Local
A Organização de uma Igreja Local
 
O Líder Diante da Chegada da Morte
O Líder Diante da Chegada da MorteO Líder Diante da Chegada da Morte
O Líder Diante da Chegada da Morte
 
A Corrupção dos Últimos Dias
A Corrupção dos Últimos DiasA Corrupção dos Últimos Dias
A Corrupção dos Últimos Dias
 
Aprovados por Deus em Cristo Jesus
Aprovados por Deus em Cristo JesusAprovados por Deus em Cristo Jesus
Aprovados por Deus em Cristo Jesus
 
Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Eu Sei em Quem Tenho Crido.Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Eu Sei em Quem Tenho Crido.
 
Pastores e Diáconos
Pastores e DiáconosPastores e Diáconos
Pastores e Diáconos
 
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs
Oração e Recomendação às Mulheres CristãsOração e Recomendação às Mulheres Cristãs
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs
 
O Evangelho da Graça
O Evangelho da GraçaO Evangelho da Graça
O Evangelho da Graça
 
Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Uma Mensagem à Igreja Local e à LiderançaUma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
 
A Origem e História da Bíblia
A Origem e História da BíbliaA Origem e História da Bíblia
A Origem e História da Bíblia
 
Simpósio de EBD
Simpósio de EBDSimpósio de EBD
Simpósio de EBD
 
O Cuidado ao Falar e a Religião Pura
O Cuidado ao Falar e a Religião PuraO Cuidado ao Falar e a Religião Pura
O Cuidado ao Falar e a Religião Pura
 
Dons de Revelação
Dons de RevelaçãoDons de Revelação
Dons de Revelação
 
As Leis Civis Entregues Por Moisés
  As Leis Civis Entregues Por Moisés  As Leis Civis Entregues Por Moisés
As Leis Civis Entregues Por Moisés
 
Um Lugar de Adoração a Deus no Deserto
Um Lugar de Adoração a Deus no DesertoUm Lugar de Adoração a Deus no Deserto
Um Lugar de Adoração a Deus no Deserto
 
Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares
 Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares
Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares
 
Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares
Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares
Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares
 
Os Dez Mandamentos do Senhor
Os Dez Mandamentos do SenhorOs Dez Mandamentos do Senhor
Os Dez Mandamentos do Senhor
 

Último

Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxManoel Candido Pires Junior
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfFrancisco Baptista
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Nilson Almeida
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfDaddizinhaRodrigues
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Fraternitas Movimento
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 

Último (7)

Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 

A unidade da Igreja

  • 2. A Unidade da Igreja  é preciso que haja união entre os irmãos, a mesma união que o Pai sempre teve com o Filho, porque para termos a vida eterna é preciso que conheçamos ao Senhor e a Cristo que por Ele foi enviado. (Jo 17.3)  pois quando não temos união com nosso irmão, como podemos dizer que a temos com Cristo. Por isso que o salmista diz que é muito bom quando os irmãos estão em união, isto é agradável aos olhos do Senhor. E a vida eterna é esta: que conheçam a ti só por único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo, a quem enviaste. (Jo 17.3) ARC
  • 3. A comunidade em Antioquia conseguiu enxergar nos discípulos a união que havia entre eles. (At 11.26)  A igreja precisa estar em unidade pois ela é o corpo de Cristo, o apóstolo Paulo faz uma analogia do corpo humano dizendo que tem muitos membros, de igual sorte é também o corpo de Cristo, pois Ele a cabeça desse corpo. (1 Co 12.12)  E este corpo muito embora sejam muitos, a unidade em Cristo nos faz ser um só corpo, mesmo sendo cada um tão diferente um do outro. (Rm 12.5) E sucedeu que todo um ano se reuniram naquela igreja e ensinaram muita gente. Em Antioquia, foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos. (At 11.26)ARC Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também. (1 Co 12.12) ARC assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros. (Rm 12.5)ARC Dc. Antonio
  • 4. A Igreja : Um só Fundamento  Nos dias hodiernos por qualquer motivo fútil o irmão fica com raiva do outro e aquela comunhão que antes era intensa já não existe mais.  E é preciso que amemos sempre, não apenas no início, mas sempre até a volta de Jesus, e Ele próprio nos mostra que está sempre disposto a continuar nos amando. (Jo 13.1)  Tem que haver uma interação, uma união, ninguém trabalha sozinho, sempre vai ter alguém que está disposto a lhe ajudar, a dar as mãos, ser seu amigo; estar em união faz uma igreja forte. Ora, antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que já era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, como havia amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim. (Jo 13.1) ARC Dc. Antonio
  • 5.  Quando Barnabé enviado pela igreja que estava em Jerusalém chega em Antioquia que vê a graça de Deus naquele lugar, que por sinal aonde tem unidade, O Senhor opera, Barnabé entende que precisava de um companheiro naquela obra. (At 11.25)  A Igreja pra ser vencedora tem que estar em sintonia, falando uma só linguagem, sem desacordos, sem intrigas; precisa estar em unidade como a Santa Trindade. (Mc 1.9-11)  Temos que fazer de tudo para conservar essa união, que através da paz nos une pelo Santo Espírito de Deus. (Ef 4.3) Façam tudo para conservar, por meio da paz que une vocês, a união que o Espírito dá. (Ef 4.3) NTLH E partiu Barnabé para Tarso, a buscar Saulo; e, achando-o, o conduziu para Antioquia. (At 11.25) ARC Dc. Antonio
  • 6. A Esperança da Salvação  Fomos gerados de novo na pessoa bendita de Cristo para vivermos em unidade, paz e harmonia com Deus e com os homens.  Para anunciar a Cristo, louvar e engrandecer o seu nome. (Hb 2.12)  Para ter alegria, sermos bons conselheiros, falar de paz, pois só fala quem a tem (Pv 12.20)  E para morar no Céu, através da fé em Cristo Senhor de nossas vidas. (1 Pe 1.4,5) Ele diz: "Proclamarei o teu nome a meus irmãos; na assembléia te louvarei". (Hb 2.12)NVI Engano há no coração dos que maquinam mal, mas alegria têm os que aconselham a paz. (Pv 12.20) ARC para uma herança incorruptível, incontaminável e que se não pode murchar, guardada nos céus para vós; que, mediante a fé, estais guardados na virtude de Deus, para a salvação já prestes para se revelar no último tempo. (1 Pe 1.4,5) ARC
  • 7. A Falta de Unidade da Igreja  Infelizmente há irmãos que por falta de buscar mais a presença de Deus em sua vida, fazem tudo aquilo que é contrário a unidade da Igreja. (Os 6.3)  E ainda há aqueles que ao invés de darem as mãos, não perdem uma oportunidade em prejudicar a seu irmão. (Mt 26.14-16)  Fazem de tudo para atrasar a obra de Deus, e não se importam com o seu próprio crescimento espiritual, não gostam de culto de ensino, de escola dominical, e são aqueles que mais querem ser profetas. Conheçamos o Senhor; esforcemo-nos por conhecê- lo. Tão certo como nasce o sol, ele aparecerá; virá para nós como as chuvas de inverno, como as chuvas de primavera que regam a terra. (Os 6.3) NVI Dc. Antonio
  • 8. Desânimo na obra de Deus  Tem crentes que por falta de visão espiritual, não conseguem enxergar pela fé o que Deus tem para lhes entregar.  Vão ao culto, até vem para o evangelismo, mas lhes faltam fé, acreditar mais naquilo que O Senhor pode fazer.  Se conseguirmos verdadeiramente agradar ao Senhor como disse Calebe, certamente nos dará a vitória. (Nm 14.8) ARC Se o Senhor se agradar de nós, ele nos fará entrar nessa terra, onde manam leite e mel, e a dará a nós. (Nm 14.8) ARC Dc. Antonio
  • 9. Inveja atrapalha a comunhão  Há irmãos que por um sentimento de inveja nutrido pelo inimigo de nossas almas, não podem ver seu irmão receber uma benção.  Ficam aborrecidos ao ponto de não querer mais lhes dirigir a palavra e quando a fazem, é com um sentimento de inimizade. (Gn 37.4)  Há ainda aqueles que nem fazem a obra de Deus e querem atrapalhar os que estão fazendo. (Ne 6.2,3) Vendo, pois, seus irmãos que seu pai o amava mais do que a todos os seus irmãos, aborreceram-no e não podiam falar com ele pacificamente. (Gn 37.4) ARC Dc. Antonio
  • 10. Conclusão  Que possamos sempre estar em comunhão com Deus e com nossos irmãos, fazendo a obra de Deus com um sentimento de Gratidão.  Que o desânimo, a inveja e falta de unidade não façam parte do nosso currículo espiritual, para podermos sempre alegrar ao Senhor. (Ne 8.10c)  Deus em Cristo Jesus continue nos abençoando. porque a alegria do SENHOR é a vossa força. (Ne 8.10c) ARC Dc. Antonio