SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
www.cursocejus.com.br
DIREITO AMBIENTAL
1ª Aula – Prof. André Barbieri.
1)HOMEM E MEIO AMBIENTE
- Teorias sobre a relação entre o homem e o meio ambiente:
A)Antropocentrismo
- Teoria para a qual o homem é o centro do universo e o meio ambiente existe para lhe
servir, para ser explorado. É o ponto de vista egoístico.
B) Ecocentrismo
- Nesta teoria, o homem deixa de ser o centro e passa a ser mais um ser vivo inserido no
meio ambiente. Traz a ideia da compreensão da natureza como um todo.
C) Biocentrismo
- Para esta teoria deve-se tutelar o meio ambiente e, se for possível, protege-se o homem.
- A CF/88 adota o antropocentrismo moderado, relativo ou temperado.
Art. 225, CF: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso
comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à
coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações.
www.cursocejus.com.br
2) MEIO AMBIENTE
2.1) Exteriorização do meio ambiente
A) Natural/ físico → formado pela conjunção dos elementos bióticos e abióticos.
B) Artificial → tudo aquilo que é construído pelo homem. Ex: automóvel, edifício, etc.
C) Cultural → Patrimônio cultural. Tem ligação com o homem. Tudo que incorpora a
cultura de um povo. Ex: crença, culinária, etc.
D) Trabalho → Ligado à segurança ao ambiente do trabalho.
- O meio ambiente é formado pela junção de todos: Natural + artificial + cultural +
trabalho.
3) DIREITOS FUNDAMENTAIS
3.1) Histórico
• 1ª Dimensão
→ Art. 5º da CF/88.
→ Direitos Fundamentais de status negativo.
→ Busca um “não fazer” do Estado.
→ Liberdades individuais.
• 2ª Dimensão
→ Art. 6º e 7º da CF/88.
→ Status Positivo
→ “Fazer do Estado”
www.cursocejus.com.br
→ Coletivo
→ Direitos Prestacionais.
• 3ª Dimensão
→ Direitos Metaindividuais
→ Direito Ambiental
→ Consumidor.
- O Direito Ambiental é típico direito metaindividual (atinge todos).
- Os direitos transindividuais são os chamados direitos difusos.
3.2) Quadro Resumo
Sujeitos Vínculo Objeto
Direito Difuso INDETERMINADO FÁTICO INDIVISÍVEL
Direito Coletivo DETERMINADO JURÍDICO INDIVISÍVEL
Direitos
Individuais DETERMINADO FÁTICO DIVISÍVEL
Macete: deve-se fazer o quadro começando do maior para o menor e na ordem: sujeito,
vínculo e objeto. Não pode repetir o que estiver onde a linha passa.
www.cursocejus.com.br
- Os direitos também podem ser chamados de interesses.
- As questões ambientais geralmente estão na primeira coluna e as questões bancárias
geralmente estão na segunda.
4) PRINCÍPIOS
- Certeza científica
A) Prevenção - Risco certo
- Risco conhecido
- Incerteza científica
- Risco integral
B) Precaução - Risco desconhecido
- OGMs (organismos geneticamente modificados)
- “in dúbio pro natura”
- Por não existir certeza científica, na dúvida, favorece-se a natureza.
Macete: Para não confundir prevenção com precaução, lembrar de camisinha (que é
usada para prevenir um risco certo).
C) Poluidor – Pagador
- Quem tem os bônus da atividade deve arcar com o ônus. Portanto, aquele que exerce
atividade que polui, deve arcar com os custos decorrentes do seu exercício. Não se
pode permitir a internalização dos lucros e a socialização dos prejuízos.
Poluidor – Pagador ≠ Pagador – Poluidor
É uma autorização para poluir. Não existe no Brasil.
www.cursocejus.com.br
D) Usuário – Pagador
- Os usuários devem ratear o custo ambiental do serviço que utilizam. Ex: o uso da água.
E) Solidariedade/Intergerencial
- O que a sociedade tem hoje é porque alguém deixou, e a geração atual tem que manter
para entregar para as próximas gerações.
- O meio ambiente é para todos e todas as gerações ao longo do tempo.
F) Princípio da Proibição ao Retrocesso
- É o mesmo que “efeito cliquet”. Proíbe o retrocesso, a diminuição de garantias.
G) Desenvolvimento Sustentável
- Busca relacionar aspectos econômicos com a manutenção do meio ambiente
ecologicamente equilibrado (interação entre economia e meio ambiente). Ex: ADPF 101.
H) Função Socioambiental
Art. 182, caput, CF: A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Público
municipal, conforme diretrizes gerais fixadas em lei, tem por objetivo ordenar o pleno
desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem- estar de seus
habitantes.
Art. 184, CF: Compete à União desapropriar por interesse social, para fins de reforma
agrária, o imóvel rural que não esteja cumprindo sua função social, mediante prévia e
justa indenização em títulos da dívida agrária, com cláusula de preservação do valor real,
resgatáveis no prazo de até vinte anos, a partir do segundo ano de sua emissão, e cuja
utilização será definida em lei.
www.cursocejus.com.br
- É preciso não só preservar a função social da propriedade, como também, preservar a
função socioambiental (respeito ao meio ambiente e às normas ambientais).
5) ANÁLISE DO ART. 225 DA CF/88
Art. 225, caput, CF: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem
de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder
Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras
gerações.
- Tal dispositivo refere-se ao meio-ambiente como bem de uso comum do povo, mas não
se confunde com o bem de uso comum do direito civil, que se for desafetado, pode ser
alienado.
Bem de uso comum do art. 225 da CF ≠ bens públicos
Art. 225, § 1º, IV, CF: Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder
Público:
IV - exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou atividade potencialmente causadora
de significativa degradação do meio ambiente, estudo prévio de impacto ambiental, a que
se dará publicidade;
- O EIA/RIMA (estudo de impacto ambiental/ relatório de impacto ao meio ambiente) é
exigido somente para o exercício de atividade potencialmente causadora de
significativa degradação do meio ambiente.
- O EIA/RIMA tem que ser prévio à atividade, tem que anteceder a instalação.
- O EIA é multidisciplinar (vários setores da ciência tem que ser analisados: engenharia
ambiental, biologia, entre outros).
- O custo é do particular.
www.cursocejus.com.br
- O RIMA são as conclusões do estudo.
Art. 225, § 1º, VII, CF: proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que
coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou
submetam os animais a crueldade.
- Ex: proibição da farra do boi e das rinhas. Aqui, tem-se um conflito entre o homem e o
meio ambiente, sendo aplicada à questão a teoria do antropocentrismo moderado
(adotado pela CF/88), onde preponderou o meio ambiente em detrimento de uma questão
cultural.
Art. 225, § 4º, CF: A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o
Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua utilização far-
se-á, na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação do meio
ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais.
- Os cerrados, caatingas e pampas não estão previstos no art. 225, § 4º da CF/88, mas
tem proteção constitucional.
Art. 225, § 5º, CF: São indisponíveis as terras devolutas ou arrecadadas pelos Estados,
por ações discriminatórias, necessárias à proteção dos ecossistemas naturais.
- Quando atinentes ao direito ambiental as terras devolutas não podem ser
disponíveis.
Art. 225, § 6º, CF: As usinas que operem com reator nuclear deverão ter sua localização
definida em lei federal, sem o que não poderão ser instaladas.
- A LOCALIZAÇÃO de usina nuclear deve ser determinada por meio de LEI
FEDERAL.
www.cursocejus.com.br
6) RESPONSABILIDADE NO DIREITO AMBIENTAL
Art. 225, § 3º, CF: As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente
sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas,
independentemente da obrigação de reparar os danos causados.
- A responsabilidade é atribuída tanto à pessoa física quanto à pessoa jurídica.
6.1) Esferas Sancionatórias
• Cível
• Administrativa
• Penal/criminal
- Uma mesma conduta pode incidir nas 3 esferas, sem com isso caracterizar “bis in idem”.
• Esfera criminal:
- Todos os crimes ambientais são de AÇÃO PENAL PÚBLICA INCONDICIONADA.
- Pode-se responsabilizar as pessoas físicas e jurídicas, mas as penas aplicadas à uma
não serão necessariamente aplicadas à outra.
Sanção PF ≠ Sanção PJ
Teoria da dupla imputação
Art. 3º da Lei 9.605/98: As pessoas jurídicas serão responsabilizadas administrativa, civil
e penalmente conforme o disposto nesta Lei, nos casos em que a infração seja cometida
por decisão de seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado, no
interesse ou benefício de sua entidade.
www.cursocejus.com.br
Parágrafo único. A responsabilidade das pessoas jurídicas não exclui a das pessoas
físicas, autoras, co-autoras ou partícipes do mesmo fato.
- Quem pratica a conduta é sempre o homem. Quem pratica a conduta é a pessoa física
responsável pela pessoa jurídica (diretor, administrador, etc). Mas, hoje, a
responsabilidade criminal da PJ é possível, contudo, não pode ser responsabilizada
sozinha, desacompanhada da pessoa física.
- A PJ tem que ter sido beneficiada de alguma forma pela conduta ilícita praticada pelo
seu representante.
- Se a pessoa jurídica for utilizada tão somente para encobrir as condutas ilícitas dos
sócios, haverá a desconsideração da personalidade jurídica (afasta-se a
personalidade jurpidica e adentra no patrimônio dos sócios).
7) PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA
- Declara a conduta atípica. É aplicável aos delitos ambientais.
8) LICENÇAS
- A licença ambiental NÃO integra o patrimônio jurídico do empreendedor, ou seja,
não gera direito adquirido de poluir. Em outras palavras, concedeu a licença, depois
pode cassar.
- “A licença ambiental assemelha-se à autorização administrativa” pelo aspecto da
precariedade e da discricionariedade.
8.1) Espécies de licença
Macete: A ausência de licença é “PIÓ” para o meio ambiente. Associar a Chico Bento.
www.cursocejus.com.br
Prévia
Instalação
Operação
- Para a concessão da licença prévia faz-se uma análise preliminar da viabilidade
ambiental e da localização.
- Quando a atividade for de risco ínfimo todas as licenças acima podem ser concedidas
em momento único.
Licença prévia Prazo máx. : 5 anos
Licença de Instalação Prazo máx.: 6 anos
Licença de Operação Prazo: 4 a 10 anos
- EIA/RIMA é para aquelas atividades de potencial degradação:
Se for o caso de EIA/RIMA → 1º faz a EIA/RIMA e depois vai para a licença.
Se não for o caso de EIA/RIMA → direto para as licenças.
9) RESPONSABILIDADE CIVIL E O DANO AMBIENTAL
- Basta a existência do dano para gerar a responsabilidade civil por dano ambiental. A
mera existência do dano ambiental, sem ação, sem nexo causal, gera a
RESPONSABILIDADE OBJETIVA.
Ex: uma pessoa que adquire uma fazenda já poluída e degradada, mesmo a conduta
tendo sido praticada pelo antigo dono, o atual proprietário responde.
- Trata-se de uma OBRIGAÇÃO PROPTER REM (ligada a coisa), cabendo ao
adquirente, no caso acima, mover uma ação regressiva contra o efetivo causador do
dano.
- O poluidor direto e indireto respondem solidariamente.
www.cursocejus.com.br
STJ → A responsabilidade civil do particular por dano ambiental é na modalidade de
RISCO INTEGRAL (pouco importa o caso fortuito e a força maior).
10) SISNAMA
- Sistema Nacional do Meio Ambiente.
- Está escalonado em 6 níveis:
1º Conselho de Governo
2º CONAMA
3º Ministério do Meio Ambiente
4º IBAMA
5º Órgãos estaduais ou seccionais
6º Órgãos municipais ou locais.
- O IBAMA (instituto é sempre uma autarquia) é o órgão executor: executa e
fiscaliza.
- O ministério do meio ambiente é o órgão central, organizacional do SISNAMA.
- O CONAMA (Conselho Nacional do meio Ambiente) é responsável por editar resoluções
e prestar consultorias ou assessoria.
- O município pode licenciar quando tiver órgão com capacidade deliberativa e corpo
técnico especializado.
11) TUTELA DO PATRIMÔNIO CULTURAL
• Quando se tratar de bem tangível → Tombamento (pode ser bem móvel ou imóvel)
• Quando se tratar de bem intangível → Registro
- Vigilância é um reflexo do poder de polícia próprio para fiscalizar se o bem
www.cursocejus.com.br
tombado está sendo cuidado pelo proprietário.
- O bem tombado gera restrição de uso, gozo e fruição, bem como, pode restringir o
direito de vizinhança.
- O Estado tem direito de preferência em caso de venda de bem tombado.
Preservação ≠ Conservação
- Em regra, NÃO admite a participa- - Macete: convívio. Há o homem e a natureza.
ção do homem. Ex: sustentabilidade, manejo do solo, etc.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo do texto princípios direito ambiental marina
Resumo do texto princípios direito ambiental marinaResumo do texto princípios direito ambiental marina
Resumo do texto princípios direito ambiental marinaMarina Lopes
 
Direito ambiental _aula_4__slides_1
Direito ambiental _aula_4__slides_1Direito ambiental _aula_4__slides_1
Direito ambiental _aula_4__slides_1Luis Olavo
 
Direito ambiental _aula_3
Direito ambiental _aula_3Direito ambiental _aula_3
Direito ambiental _aula_3Luis Olavo
 
Aula 2 - Perícia Ambiental Judicial e Securitária
Aula 2 - Perícia Ambiental Judicial e SecuritáriaAula 2 - Perícia Ambiental Judicial e Securitária
Aula 2 - Perícia Ambiental Judicial e SecuritáriaVitor Vieira Vasconcelos
 
Direitoambiental aula-movimentoambientalista-atual-170828140255
Direitoambiental aula-movimentoambientalista-atual-170828140255Direitoambiental aula-movimentoambientalista-atual-170828140255
Direitoambiental aula-movimentoambientalista-atual-170828140255João Alfredo Telles Melo
 
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental   aula - movimento ambientalista - atualDireito ambiental   aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atualJoão Alfredo Telles Melo
 
Direito ambiental dr. fabrício - esquema
Direito ambiental   dr. fabrício - esquemaDireito ambiental   dr. fabrício - esquema
Direito ambiental dr. fabrício - esquemaJoão Paulo Costa Melo
 
Perícia Ambiental Judicial e Securitária - Aula 3 - Dano ambiental e reparação
Perícia Ambiental Judicial e Securitária - Aula 3 - Dano ambiental e reparaçãoPerícia Ambiental Judicial e Securitária - Aula 3 - Dano ambiental e reparação
Perícia Ambiental Judicial e Securitária - Aula 3 - Dano ambiental e reparaçãoVitor Vieira Vasconcelos
 
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental   aula - movimento ambientalista - atualDireito ambiental   aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atualJoão Alfredo Telles Melo
 
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental   aula - movimento ambientalista - atualDireito ambiental   aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atualJoão Alfredo Telles Melo
 
Tutela dos interesses difusos e coletivos meio ambiente
Tutela dos interesses difusos e coletivos   meio ambienteTutela dos interesses difusos e coletivos   meio ambiente
Tutela dos interesses difusos e coletivos meio ambienteJúlio Leal
 

Mais procurados (20)

Resumo do texto princípios direito ambiental marina
Resumo do texto princípios direito ambiental marinaResumo do texto princípios direito ambiental marina
Resumo do texto princípios direito ambiental marina
 
Direito ambiental _aula_4__slides_1
Direito ambiental _aula_4__slides_1Direito ambiental _aula_4__slides_1
Direito ambiental _aula_4__slides_1
 
Direito ambiental _aula_3
Direito ambiental _aula_3Direito ambiental _aula_3
Direito ambiental _aula_3
 
Os princípios de direito ambiental atual
Os princípios de direito ambiental atualOs princípios de direito ambiental atual
Os princípios de direito ambiental atual
 
Direito Ambiental aula 1
Direito Ambiental aula 1Direito Ambiental aula 1
Direito Ambiental aula 1
 
Os princípios de direito ambiental atual
Os princípios de direito ambiental atualOs princípios de direito ambiental atual
Os princípios de direito ambiental atual
 
Aula 2 - Perícia Ambiental Judicial e Securitária
Aula 2 - Perícia Ambiental Judicial e SecuritáriaAula 2 - Perícia Ambiental Judicial e Securitária
Aula 2 - Perícia Ambiental Judicial e Securitária
 
Aula código florestal atual
Aula código florestal atualAula código florestal atual
Aula código florestal atual
 
Direitoambiental aula-movimentoambientalista-atual-170828140255
Direitoambiental aula-movimentoambientalista-atual-170828140255Direitoambiental aula-movimentoambientalista-atual-170828140255
Direitoambiental aula-movimentoambientalista-atual-170828140255
 
O direito ambiental e sua autonomia atual
O direito ambiental e sua autonomia atualO direito ambiental e sua autonomia atual
O direito ambiental e sua autonomia atual
 
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental   aula - movimento ambientalista - atualDireito ambiental   aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atual
 
Direito ambiental dr. fabrício - esquema
Direito ambiental   dr. fabrício - esquemaDireito ambiental   dr. fabrício - esquema
Direito ambiental dr. fabrício - esquema
 
Perícia Ambiental Judicial e Securitária - Aula 3 - Dano ambiental e reparação
Perícia Ambiental Judicial e Securitária - Aula 3 - Dano ambiental e reparaçãoPerícia Ambiental Judicial e Securitária - Aula 3 - Dano ambiental e reparação
Perícia Ambiental Judicial e Securitária - Aula 3 - Dano ambiental e reparação
 
O direito ambiental e sua autonomia atual
O direito ambiental e sua autonomia atualO direito ambiental e sua autonomia atual
O direito ambiental e sua autonomia atual
 
Direito Ambiental
Direito AmbientalDireito Ambiental
Direito Ambiental
 
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental   aula - movimento ambientalista - atualDireito ambiental   aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atual
 
Lei 9985 2000 - snuc
Lei 9985   2000 - snucLei 9985   2000 - snuc
Lei 9985 2000 - snuc
 
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental   aula - movimento ambientalista - atualDireito ambiental   aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atual
 
Programa direito ambiental - uni7 2017
Programa   direito ambiental - uni7 2017Programa   direito ambiental - uni7 2017
Programa direito ambiental - uni7 2017
 
Tutela dos interesses difusos e coletivos meio ambiente
Tutela dos interesses difusos e coletivos   meio ambienteTutela dos interesses difusos e coletivos   meio ambiente
Tutela dos interesses difusos e coletivos meio ambiente
 

Semelhante a 496 aula 01 direito ambiental

1ª aula ambiental andré barbieri
1ª aula ambiental   andré barbieri1ª aula ambiental   andré barbieri
1ª aula ambiental andré barbieriAntonio Moreira
 
SemináRio Meio Ambiente - Abraão Torres
SemináRio Meio Ambiente - Abraão TorresSemináRio Meio Ambiente - Abraão Torres
SemináRio Meio Ambiente - Abraão Torresabraao_ato
 
Resumo de Direito Ambiental para OAB 2018
Resumo de Direito Ambiental para OAB 2018Resumo de Direito Ambiental para OAB 2018
Resumo de Direito Ambiental para OAB 2018Estratégia OAB
 
Pdf resumo-de-direito-ambiental-oab-2018
Pdf resumo-de-direito-ambiental-oab-2018Pdf resumo-de-direito-ambiental-oab-2018
Pdf resumo-de-direito-ambiental-oab-2018Paulo Fialho
 
A Questão Ambiental na Constituição Federal; Política Nacional do Meio Ambien...
A Questão Ambiental na Constituição Federal; Política Nacional do Meio Ambien...A Questão Ambiental na Constituição Federal; Política Nacional do Meio Ambien...
A Questão Ambiental na Constituição Federal; Política Nacional do Meio Ambien...nucleosul2svma
 
Direitoambientalgraduação.ppt
 Direitoambientalgraduação.ppt  Direitoambientalgraduação.ppt
Direitoambientalgraduação.ppt Kamilla Borges
 
Defesa do meio ambiente slides (1)
Defesa do meio ambiente slides (1)Defesa do meio ambiente slides (1)
Defesa do meio ambiente slides (1)Bruno Marsilli
 
Responsabilidade Ambiental: Riscos e Perspectivas
Responsabilidade Ambiental: Riscos e PerspectivasResponsabilidade Ambiental: Riscos e Perspectivas
Responsabilidade Ambiental: Riscos e PerspectivasMoura Tavares Advogados
 
Quadro resumo ambiental estratégia
Quadro resumo ambiental   estratégiaQuadro resumo ambiental   estratégia
Quadro resumo ambiental estratégiaDuda Massa
 
Direito ambiental reta final
Direito ambiental   reta finalDireito ambiental   reta final
Direito ambiental reta finaledgardrey
 
Reta final direito ambiental
Reta final direito ambientalReta final direito ambiental
Reta final direito ambientalAntonio Moreira
 
Novo Código florestal brasileiro
Novo Código florestal brasileiroNovo Código florestal brasileiro
Novo Código florestal brasileiroFranklin_Sisti
 
Legislação turismo 06
Legislação turismo 06Legislação turismo 06
Legislação turismo 06Ivan Furmann
 
Aula direito adminsitrativo ambiental
Aula direito adminsitrativo ambiental Aula direito adminsitrativo ambiental
Aula direito adminsitrativo ambiental Roberta Casali
 

Semelhante a 496 aula 01 direito ambiental (20)

1ª aula ambiental andré barbieri
1ª aula ambiental   andré barbieri1ª aula ambiental   andré barbieri
1ª aula ambiental andré barbieri
 
SemináRio Meio Ambiente - Abraão Torres
SemináRio Meio Ambiente - Abraão TorresSemináRio Meio Ambiente - Abraão Torres
SemináRio Meio Ambiente - Abraão Torres
 
Resumo de Direito Ambiental para OAB 2018
Resumo de Direito Ambiental para OAB 2018Resumo de Direito Ambiental para OAB 2018
Resumo de Direito Ambiental para OAB 2018
 
Pdf resumo-de-direito-ambiental-oab-2018
Pdf resumo-de-direito-ambiental-oab-2018Pdf resumo-de-direito-ambiental-oab-2018
Pdf resumo-de-direito-ambiental-oab-2018
 
A Questão Ambiental na Constituição Federal; Política Nacional do Meio Ambien...
A Questão Ambiental na Constituição Federal; Política Nacional do Meio Ambien...A Questão Ambiental na Constituição Federal; Política Nacional do Meio Ambien...
A Questão Ambiental na Constituição Federal; Política Nacional do Meio Ambien...
 
Direitoambientalgraduação.ppt
 Direitoambientalgraduação.ppt  Direitoambientalgraduação.ppt
Direitoambientalgraduação.ppt
 
Defesa do meio ambiente slides (1)
Defesa do meio ambiente slides (1)Defesa do meio ambiente slides (1)
Defesa do meio ambiente slides (1)
 
Responsabilidade Ambiental: Riscos e Perspectivas
Responsabilidade Ambiental: Riscos e PerspectivasResponsabilidade Ambiental: Riscos e Perspectivas
Responsabilidade Ambiental: Riscos e Perspectivas
 
Quadro resumo ambiental estratégia
Quadro resumo ambiental   estratégiaQuadro resumo ambiental   estratégia
Quadro resumo ambiental estratégia
 
Direito ambiental reta final
Direito ambiental   reta finalDireito ambiental   reta final
Direito ambiental reta final
 
Reta final direito ambiental
Reta final direito ambientalReta final direito ambiental
Reta final direito ambiental
 
CONCEITOS E MUDANÇAS DO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO
CONCEITOS E MUDANÇAS DO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIROCONCEITOS E MUDANÇAS DO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO
CONCEITOS E MUDANÇAS DO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO
 
Andre queiroz
Andre queirozAndre queiroz
Andre queiroz
 
Apostila ibama-2012
Apostila ibama-2012Apostila ibama-2012
Apostila ibama-2012
 
"Defesa Civil somos todos nós" - Gestão de Emergências e Riscos Ambientais é ...
"Defesa Civil somos todos nós" - Gestão de Emergências e Riscos Ambientais é ..."Defesa Civil somos todos nós" - Gestão de Emergências e Riscos Ambientais é ...
"Defesa Civil somos todos nós" - Gestão de Emergências e Riscos Ambientais é ...
 
Novo Código florestal brasileiro
Novo Código florestal brasileiroNovo Código florestal brasileiro
Novo Código florestal brasileiro
 
Legislação turismo 06
Legislação turismo 06Legislação turismo 06
Legislação turismo 06
 
Os princípios de direito ambiental atual
Os princípios de direito ambiental atualOs princípios de direito ambiental atual
Os princípios de direito ambiental atual
 
Aula 01.ppt
Aula 01.pptAula 01.ppt
Aula 01.ppt
 
Aula direito adminsitrativo ambiental
Aula direito adminsitrativo ambiental Aula direito adminsitrativo ambiental
Aula direito adminsitrativo ambiental
 

Mais de Antonio Moreira

55104394 resumao-etica-e-oab
55104394 resumao-etica-e-oab55104394 resumao-etica-e-oab
55104394 resumao-etica-e-oabAntonio Moreira
 
Direito constitucional material suplementar qudro comparativo
Direito constitucional material suplementar qudro comparativoDireito constitucional material suplementar qudro comparativo
Direito constitucional material suplementar qudro comparativoAntonio Moreira
 
Cartilha.de.procedimentos.para.os.juizados.criminais.do.estado.de.alagoas
Cartilha.de.procedimentos.para.os.juizados.criminais.do.estado.de.alagoasCartilha.de.procedimentos.para.os.juizados.criminais.do.estado.de.alagoas
Cartilha.de.procedimentos.para.os.juizados.criminais.do.estado.de.alagoasAntonio Moreira
 
Constituicao de sociedade anonima
Constituicao de sociedade anonimaConstituicao de sociedade anonima
Constituicao de sociedade anonimaAntonio Moreira
 
Súmulas vinculantes comentadas
Súmulas vinculantes comentadasSúmulas vinculantes comentadas
Súmulas vinculantes comentadasAntonio Moreira
 
Quadro geral da classificação das constituições
Quadro geral da classificação das constituiçõesQuadro geral da classificação das constituições
Quadro geral da classificação das constituiçõesAntonio Moreira
 
Vesticon noções de direito administrativo muito bom ...estudar ...............
Vesticon   noções de direito administrativo muito bom ...estudar ...............Vesticon   noções de direito administrativo muito bom ...estudar ...............
Vesticon noções de direito administrativo muito bom ...estudar ...............Antonio Moreira
 
130742414 direito-administrativo-lfg-intensivo-i-2012
130742414 direito-administrativo-lfg-intensivo-i-2012130742414 direito-administrativo-lfg-intensivo-i-2012
130742414 direito-administrativo-lfg-intensivo-i-2012Antonio Moreira
 
856 inquerito e_acao_penal_liberdade_2013
856 inquerito e_acao_penal_liberdade_2013856 inquerito e_acao_penal_liberdade_2013
856 inquerito e_acao_penal_liberdade_2013Antonio Moreira
 
6 novo acordo ortográfico
6  novo acordo ortográfico6  novo acordo ortográfico
6 novo acordo ortográficoAntonio Moreira
 
Dicas de ética e estatuto da oab
Dicas de ética e estatuto da oabDicas de ética e estatuto da oab
Dicas de ética e estatuto da oabAntonio Moreira
 
Inquérito policial e ação penal
Inquérito policial e ação penalInquérito policial e ação penal
Inquérito policial e ação penalAntonio Moreira
 
éTica profissional apostila
éTica profissional apostilaéTica profissional apostila
éTica profissional apostilaAntonio Moreira
 
6832798 700-questoes-para-estudo-exame-oab
6832798 700-questoes-para-estudo-exame-oab6832798 700-questoes-para-estudo-exame-oab
6832798 700-questoes-para-estudo-exame-oabAntonio Moreira
 
74715849 quais-sao-os-crimes-hediondos penal
74715849 quais-sao-os-crimes-hediondos penal74715849 quais-sao-os-crimes-hediondos penal
74715849 quais-sao-os-crimes-hediondos penalAntonio Moreira
 

Mais de Antonio Moreira (20)

55104394 resumao-etica-e-oab
55104394 resumao-etica-e-oab55104394 resumao-etica-e-oab
55104394 resumao-etica-e-oab
 
Súmulas do stj
Súmulas do stjSúmulas do stj
Súmulas do stj
 
Direito constitucional material suplementar qudro comparativo
Direito constitucional material suplementar qudro comparativoDireito constitucional material suplementar qudro comparativo
Direito constitucional material suplementar qudro comparativo
 
Cartilha.de.procedimentos.para.os.juizados.criminais.do.estado.de.alagoas
Cartilha.de.procedimentos.para.os.juizados.criminais.do.estado.de.alagoasCartilha.de.procedimentos.para.os.juizados.criminais.do.estado.de.alagoas
Cartilha.de.procedimentos.para.os.juizados.criminais.do.estado.de.alagoas
 
Imunidades tributárias
Imunidades tributáriasImunidades tributárias
Imunidades tributárias
 
Constituicao de sociedade anonima
Constituicao de sociedade anonimaConstituicao de sociedade anonima
Constituicao de sociedade anonima
 
Súmulas vinculantes comentadas
Súmulas vinculantes comentadasSúmulas vinculantes comentadas
Súmulas vinculantes comentadas
 
Quadro geral da classificação das constituições
Quadro geral da classificação das constituiçõesQuadro geral da classificação das constituições
Quadro geral da classificação das constituições
 
Vesticon noções de direito administrativo muito bom ...estudar ...............
Vesticon   noções de direito administrativo muito bom ...estudar ...............Vesticon   noções de direito administrativo muito bom ...estudar ...............
Vesticon noções de direito administrativo muito bom ...estudar ...............
 
130742414 direito-administrativo-lfg-intensivo-i-2012
130742414 direito-administrativo-lfg-intensivo-i-2012130742414 direito-administrativo-lfg-intensivo-i-2012
130742414 direito-administrativo-lfg-intensivo-i-2012
 
Doc cartilhacriminal
Doc cartilhacriminalDoc cartilhacriminal
Doc cartilhacriminal
 
Atos administrativos
Atos administrativosAtos administrativos
Atos administrativos
 
856 inquerito e_acao_penal_liberdade_2013
856 inquerito e_acao_penal_liberdade_2013856 inquerito e_acao_penal_liberdade_2013
856 inquerito e_acao_penal_liberdade_2013
 
6 novo acordo ortográfico
6  novo acordo ortográfico6  novo acordo ortográfico
6 novo acordo ortográfico
 
Dicas de ética e estatuto da oab
Dicas de ética e estatuto da oabDicas de ética e estatuto da oab
Dicas de ética e estatuto da oab
 
Inquérito policial e ação penal
Inquérito policial e ação penalInquérito policial e ação penal
Inquérito policial e ação penal
 
éTica profissional apostila
éTica profissional apostilaéTica profissional apostila
éTica profissional apostila
 
6832798 700-questoes-para-estudo-exame-oab
6832798 700-questoes-para-estudo-exame-oab6832798 700-questoes-para-estudo-exame-oab
6832798 700-questoes-para-estudo-exame-oab
 
74715849 quais-sao-os-crimes-hediondos penal
74715849 quais-sao-os-crimes-hediondos penal74715849 quais-sao-os-crimes-hediondos penal
74715849 quais-sao-os-crimes-hediondos penal
 
23623952 tipos-de-crime
23623952 tipos-de-crime23623952 tipos-de-crime
23623952 tipos-de-crime
 

Último

QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 

Último (20)

QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 

496 aula 01 direito ambiental

  • 1. www.cursocejus.com.br DIREITO AMBIENTAL 1ª Aula – Prof. André Barbieri. 1)HOMEM E MEIO AMBIENTE - Teorias sobre a relação entre o homem e o meio ambiente: A)Antropocentrismo - Teoria para a qual o homem é o centro do universo e o meio ambiente existe para lhe servir, para ser explorado. É o ponto de vista egoístico. B) Ecocentrismo - Nesta teoria, o homem deixa de ser o centro e passa a ser mais um ser vivo inserido no meio ambiente. Traz a ideia da compreensão da natureza como um todo. C) Biocentrismo - Para esta teoria deve-se tutelar o meio ambiente e, se for possível, protege-se o homem. - A CF/88 adota o antropocentrismo moderado, relativo ou temperado. Art. 225, CF: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações.
  • 2. www.cursocejus.com.br 2) MEIO AMBIENTE 2.1) Exteriorização do meio ambiente A) Natural/ físico → formado pela conjunção dos elementos bióticos e abióticos. B) Artificial → tudo aquilo que é construído pelo homem. Ex: automóvel, edifício, etc. C) Cultural → Patrimônio cultural. Tem ligação com o homem. Tudo que incorpora a cultura de um povo. Ex: crença, culinária, etc. D) Trabalho → Ligado à segurança ao ambiente do trabalho. - O meio ambiente é formado pela junção de todos: Natural + artificial + cultural + trabalho. 3) DIREITOS FUNDAMENTAIS 3.1) Histórico • 1ª Dimensão → Art. 5º da CF/88. → Direitos Fundamentais de status negativo. → Busca um “não fazer” do Estado. → Liberdades individuais. • 2ª Dimensão → Art. 6º e 7º da CF/88. → Status Positivo → “Fazer do Estado”
  • 3. www.cursocejus.com.br → Coletivo → Direitos Prestacionais. • 3ª Dimensão → Direitos Metaindividuais → Direito Ambiental → Consumidor. - O Direito Ambiental é típico direito metaindividual (atinge todos). - Os direitos transindividuais são os chamados direitos difusos. 3.2) Quadro Resumo Sujeitos Vínculo Objeto Direito Difuso INDETERMINADO FÁTICO INDIVISÍVEL Direito Coletivo DETERMINADO JURÍDICO INDIVISÍVEL Direitos Individuais DETERMINADO FÁTICO DIVISÍVEL Macete: deve-se fazer o quadro começando do maior para o menor e na ordem: sujeito, vínculo e objeto. Não pode repetir o que estiver onde a linha passa.
  • 4. www.cursocejus.com.br - Os direitos também podem ser chamados de interesses. - As questões ambientais geralmente estão na primeira coluna e as questões bancárias geralmente estão na segunda. 4) PRINCÍPIOS - Certeza científica A) Prevenção - Risco certo - Risco conhecido - Incerteza científica - Risco integral B) Precaução - Risco desconhecido - OGMs (organismos geneticamente modificados) - “in dúbio pro natura” - Por não existir certeza científica, na dúvida, favorece-se a natureza. Macete: Para não confundir prevenção com precaução, lembrar de camisinha (que é usada para prevenir um risco certo). C) Poluidor – Pagador - Quem tem os bônus da atividade deve arcar com o ônus. Portanto, aquele que exerce atividade que polui, deve arcar com os custos decorrentes do seu exercício. Não se pode permitir a internalização dos lucros e a socialização dos prejuízos. Poluidor – Pagador ≠ Pagador – Poluidor É uma autorização para poluir. Não existe no Brasil.
  • 5. www.cursocejus.com.br D) Usuário – Pagador - Os usuários devem ratear o custo ambiental do serviço que utilizam. Ex: o uso da água. E) Solidariedade/Intergerencial - O que a sociedade tem hoje é porque alguém deixou, e a geração atual tem que manter para entregar para as próximas gerações. - O meio ambiente é para todos e todas as gerações ao longo do tempo. F) Princípio da Proibição ao Retrocesso - É o mesmo que “efeito cliquet”. Proíbe o retrocesso, a diminuição de garantias. G) Desenvolvimento Sustentável - Busca relacionar aspectos econômicos com a manutenção do meio ambiente ecologicamente equilibrado (interação entre economia e meio ambiente). Ex: ADPF 101. H) Função Socioambiental Art. 182, caput, CF: A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Público municipal, conforme diretrizes gerais fixadas em lei, tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem- estar de seus habitantes. Art. 184, CF: Compete à União desapropriar por interesse social, para fins de reforma agrária, o imóvel rural que não esteja cumprindo sua função social, mediante prévia e justa indenização em títulos da dívida agrária, com cláusula de preservação do valor real, resgatáveis no prazo de até vinte anos, a partir do segundo ano de sua emissão, e cuja utilização será definida em lei.
  • 6. www.cursocejus.com.br - É preciso não só preservar a função social da propriedade, como também, preservar a função socioambiental (respeito ao meio ambiente e às normas ambientais). 5) ANÁLISE DO ART. 225 DA CF/88 Art. 225, caput, CF: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações. - Tal dispositivo refere-se ao meio-ambiente como bem de uso comum do povo, mas não se confunde com o bem de uso comum do direito civil, que se for desafetado, pode ser alienado. Bem de uso comum do art. 225 da CF ≠ bens públicos Art. 225, § 1º, IV, CF: Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público: IV - exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente, estudo prévio de impacto ambiental, a que se dará publicidade; - O EIA/RIMA (estudo de impacto ambiental/ relatório de impacto ao meio ambiente) é exigido somente para o exercício de atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente. - O EIA/RIMA tem que ser prévio à atividade, tem que anteceder a instalação. - O EIA é multidisciplinar (vários setores da ciência tem que ser analisados: engenharia ambiental, biologia, entre outros). - O custo é do particular.
  • 7. www.cursocejus.com.br - O RIMA são as conclusões do estudo. Art. 225, § 1º, VII, CF: proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade. - Ex: proibição da farra do boi e das rinhas. Aqui, tem-se um conflito entre o homem e o meio ambiente, sendo aplicada à questão a teoria do antropocentrismo moderado (adotado pela CF/88), onde preponderou o meio ambiente em detrimento de uma questão cultural. Art. 225, § 4º, CF: A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua utilização far- se-á, na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais. - Os cerrados, caatingas e pampas não estão previstos no art. 225, § 4º da CF/88, mas tem proteção constitucional. Art. 225, § 5º, CF: São indisponíveis as terras devolutas ou arrecadadas pelos Estados, por ações discriminatórias, necessárias à proteção dos ecossistemas naturais. - Quando atinentes ao direito ambiental as terras devolutas não podem ser disponíveis. Art. 225, § 6º, CF: As usinas que operem com reator nuclear deverão ter sua localização definida em lei federal, sem o que não poderão ser instaladas. - A LOCALIZAÇÃO de usina nuclear deve ser determinada por meio de LEI FEDERAL.
  • 8. www.cursocejus.com.br 6) RESPONSABILIDADE NO DIREITO AMBIENTAL Art. 225, § 3º, CF: As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados. - A responsabilidade é atribuída tanto à pessoa física quanto à pessoa jurídica. 6.1) Esferas Sancionatórias • Cível • Administrativa • Penal/criminal - Uma mesma conduta pode incidir nas 3 esferas, sem com isso caracterizar “bis in idem”. • Esfera criminal: - Todos os crimes ambientais são de AÇÃO PENAL PÚBLICA INCONDICIONADA. - Pode-se responsabilizar as pessoas físicas e jurídicas, mas as penas aplicadas à uma não serão necessariamente aplicadas à outra. Sanção PF ≠ Sanção PJ Teoria da dupla imputação Art. 3º da Lei 9.605/98: As pessoas jurídicas serão responsabilizadas administrativa, civil e penalmente conforme o disposto nesta Lei, nos casos em que a infração seja cometida por decisão de seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado, no interesse ou benefício de sua entidade.
  • 9. www.cursocejus.com.br Parágrafo único. A responsabilidade das pessoas jurídicas não exclui a das pessoas físicas, autoras, co-autoras ou partícipes do mesmo fato. - Quem pratica a conduta é sempre o homem. Quem pratica a conduta é a pessoa física responsável pela pessoa jurídica (diretor, administrador, etc). Mas, hoje, a responsabilidade criminal da PJ é possível, contudo, não pode ser responsabilizada sozinha, desacompanhada da pessoa física. - A PJ tem que ter sido beneficiada de alguma forma pela conduta ilícita praticada pelo seu representante. - Se a pessoa jurídica for utilizada tão somente para encobrir as condutas ilícitas dos sócios, haverá a desconsideração da personalidade jurídica (afasta-se a personalidade jurpidica e adentra no patrimônio dos sócios). 7) PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA - Declara a conduta atípica. É aplicável aos delitos ambientais. 8) LICENÇAS - A licença ambiental NÃO integra o patrimônio jurídico do empreendedor, ou seja, não gera direito adquirido de poluir. Em outras palavras, concedeu a licença, depois pode cassar. - “A licença ambiental assemelha-se à autorização administrativa” pelo aspecto da precariedade e da discricionariedade. 8.1) Espécies de licença Macete: A ausência de licença é “PIÓ” para o meio ambiente. Associar a Chico Bento.
  • 10. www.cursocejus.com.br Prévia Instalação Operação - Para a concessão da licença prévia faz-se uma análise preliminar da viabilidade ambiental e da localização. - Quando a atividade for de risco ínfimo todas as licenças acima podem ser concedidas em momento único. Licença prévia Prazo máx. : 5 anos Licença de Instalação Prazo máx.: 6 anos Licença de Operação Prazo: 4 a 10 anos - EIA/RIMA é para aquelas atividades de potencial degradação: Se for o caso de EIA/RIMA → 1º faz a EIA/RIMA e depois vai para a licença. Se não for o caso de EIA/RIMA → direto para as licenças. 9) RESPONSABILIDADE CIVIL E O DANO AMBIENTAL - Basta a existência do dano para gerar a responsabilidade civil por dano ambiental. A mera existência do dano ambiental, sem ação, sem nexo causal, gera a RESPONSABILIDADE OBJETIVA. Ex: uma pessoa que adquire uma fazenda já poluída e degradada, mesmo a conduta tendo sido praticada pelo antigo dono, o atual proprietário responde. - Trata-se de uma OBRIGAÇÃO PROPTER REM (ligada a coisa), cabendo ao adquirente, no caso acima, mover uma ação regressiva contra o efetivo causador do dano. - O poluidor direto e indireto respondem solidariamente.
  • 11. www.cursocejus.com.br STJ → A responsabilidade civil do particular por dano ambiental é na modalidade de RISCO INTEGRAL (pouco importa o caso fortuito e a força maior). 10) SISNAMA - Sistema Nacional do Meio Ambiente. - Está escalonado em 6 níveis: 1º Conselho de Governo 2º CONAMA 3º Ministério do Meio Ambiente 4º IBAMA 5º Órgãos estaduais ou seccionais 6º Órgãos municipais ou locais. - O IBAMA (instituto é sempre uma autarquia) é o órgão executor: executa e fiscaliza. - O ministério do meio ambiente é o órgão central, organizacional do SISNAMA. - O CONAMA (Conselho Nacional do meio Ambiente) é responsável por editar resoluções e prestar consultorias ou assessoria. - O município pode licenciar quando tiver órgão com capacidade deliberativa e corpo técnico especializado. 11) TUTELA DO PATRIMÔNIO CULTURAL • Quando se tratar de bem tangível → Tombamento (pode ser bem móvel ou imóvel) • Quando se tratar de bem intangível → Registro - Vigilância é um reflexo do poder de polícia próprio para fiscalizar se o bem
  • 12. www.cursocejus.com.br tombado está sendo cuidado pelo proprietário. - O bem tombado gera restrição de uso, gozo e fruição, bem como, pode restringir o direito de vizinhança. - O Estado tem direito de preferência em caso de venda de bem tombado. Preservação ≠ Conservação - Em regra, NÃO admite a participa- - Macete: convívio. Há o homem e a natureza. ção do homem. Ex: sustentabilidade, manejo do solo, etc.