E
O

spírito

SANTO

O Batismo
no Espírito Santo
Owen D. Olbricht
Eu vos batizo com água, para arrependimento; mas aquele ...
mos, pois, de fazer?” (Lucas 3:10). João estava
falando às multidões quando “o interrogaram” e
ele respondeu: “Ele vos bat...
compungiu-se-lhes o coração e perguntaram a
Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos,
irmãos?” (Atos 2:37).
7. Os apóstol...
vação. Os cristãos judeus, portanto, estavam pregando o evangelho só a judeus (Atos 11:19). Deus quis
provar que aceitava ...
fazia a cada um’”6 .
A implicação parece evidente. Deus não havia
batizado mais ninguém no Espírito Santo, desde
o dia de ...
do Espírito Santo, nem todos estariam batizados
por esse “um só” Espírito nem conduzidos à
unidade que Paulo estava ensina...
João fala de um único batismo composto por
dois elementos. Gramaticalmente, algo pode
ser dito em prol desse argumento, ma...
no Espírito Santo. Os convertidos sempre se
tornaram filhos de Deus de uma só maneira:
nascendo da água e do Espírito (Joã...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

3009613 batismo-no-espirito-santo

160 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
160
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3009613 batismo-no-espirito-santo

  1. 1. E O spírito SANTO O Batismo no Espírito Santo Owen D. Olbricht Eu vos batizo com água, para arrependimento; mas aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo. A sua pá, ele a tem na mão e limpará completamente a sua eira; recolherá o seu trigo no celeiro, mas queimará a palha em fogo inextinguível (Mateus 3:11, 12). A idéia de ser batizado “com o Espírito Santo” aparece na Bíblia apenas cinco vezes: em Mateus 3:11; Marcos 1:8; Lucas 3:16; Atos 1:4 e 11:16. É aplicada somente a duas ocorrências no Novo Testamento: o batismo dos apóstolos (Atos 1:4, 5) e o de Cornélio, juntamente com sua família e amigos (Atos 11:15, 16). Apesar de não ser freqüente referências ao batismo do Espírito Santo no Novo Testamento, alguns alegam que ele deve acontecer com todo cristão dos dias de hoje. A Bíblia não fala de um batismo que é administrado pelo Espírito Santo1 . O batismo no Espírito Santo foi administrado por Jesus, como é evidente pelas palavras de João em Mateus 3:11: “…Ele vos batizará com o Espírito Santo…” Como a água era o elemento no qual João batizava (Mateus 3:6), o Espírito Santo era o elemento no qual Jesus batizaria (isto é, “imergir” ou “submergir”). Os que ensinam um batismo 11 Alguns argumentam que há dois batismos que envolvem o Espírito Santo: “o batismo do Espírito Santo” e o “batismo com o Espírito Santo”. Tal ensino não pode estar correto. A palavra grega en, traduzida por “com” em Mateus 3:6 e 3:11 é melhor traduzida por “em”, mas pode ser vertida com precisão por “com” ou “por”. Dois batismos separados que envolvem o Espírito Santo não é um ensinamento que se encontra nessas passagens. administrado pelo Espírito Santo deixam de reconhecer que era Jesus, e não o Espírito Santo, que fazia o batismo. João — aquele que imergia em água — foi o primeiro a mencionar o batismo no Espírito Santo. Ele introduziu o assunto ao falar como Jesus era superior a ele mesmo. Alguns concluem que todos os cristãos devem esperar o batismo no Espírito Santo por causa da declaração de João em Lucas 3:16: “Eu, na verdade, vos batizo com água, mas vem o que é mais poderoso do que eu, do qual não sou digno de desatarlhe as correias das sandálias; ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo” (grifo meu). Duas perguntas devem ser levantadas quanto a essa conclusão: para quem João estava falando e como tal conclusão se harmoniza com outros ensinos bíblicos? Para responder a primeira pergunta, temos de considerar o cenário em que João lançou sua declaração. Lucas escreveu o seguinte a respeito de João: “Dizia ele, pois, às multidões que saíam para serem batizadas: Raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira vindoura?” (Lucas 3:7). No mesmo contexto, Lucas escreveu: “Então, as multidões o interrogavam, dizendo: Que have- 1
  2. 2. mos, pois, de fazer?” (Lucas 3:10). João estava falando às multidões quando “o interrogaram” e ele respondeu: “Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo” (Lucas 3:16). Entre as multidões havia uma “raça de víboras” (Lucas 3:7), em que se incluíam fariseus e saduceus (Mateus 3:7) e as quais foram até ele para receberem o batismo. Por causa da falta de arrependimento, corriam o perigo de serem “lançados ao fogo” (Mateus 3:8–10). Com certeza entre a multidão havia pessoas que não receberiam o Espírito Santo (João 14:17). João não disse: “Ele batizará todos vocês com o Espírito Santo”. Disse a todos: “Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo”. A afirmação de João poderia ser comparada a um representante de uma fábrica falando a um imenso grupo de indivíduos reunidos para se apresentar como candidatos a novas vagas de emprego na fábrica. Ele poderia apresentar o sr. Antonio Ferreira e dizer-lhes: “Este é Antonio Ferreira, o homem que vai contratar vocês”. Isto de maneira alguma implica que todos seriam contratados, mas indicaria a “todos os presentes” quem faria as contratações. Essencialmente, era isso o que João estava fazendo: ele estava identificando a grande pessoa que batizaria no Espírito Santo. Não estava dizendo que Jesus batizaria todos eles com o Espírito Santo. Outras passagens bíblicas são mais específicas quanto a quem seria imerso no Espírito Santo. PROMESSA E CUMPRIMENTO DO BATISMO DO ESPÍRITO SANTO Quem estava incluído entre aqueles a quem Jesus prometeu o batismo no Espírito Santo em Atos 1:5? Uma análise dos pronomes usados no contexto dessa promessa mostra que Jesus incluiu somente os apóstolos. A expressão “os apóstolos” está inserida após cada pronome da citação abaixo para enfatizar que era a eles que o Mestre Se referia. …depois de haver dado mandamentos por intermédio do Espírito Santo aos apóstolos que escolhera, foi elevado às alturas. A estes [os apóstolos] também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas provas incontestáveis, aparecendo-lhes [aos apóstolos]… E, comendo com eles [os apóstolos], determinoulhes [aos apóstolos] que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, a qual, disse ele, de mim ouvistes [os apóstolos]. Porque João, na verdade, batizou com água, mas vós [os apóstolos] sereis batiza- 2 dos com o Espírito Santo, não muito depois destes dias” (Atos 1:2–5). “Vós” e “eles” são pronomes que se referem ao antecedente “apóstolos”, mencionado especificamente no início do versículo 2. O Batismo do Espírito Santo e os Apóstolos “Não muito depois destes dias” (Atos 1:5), após Jesus ter feito a promessa, os apóstolos receberam o Espírito Santo. As provas que analisaremos a seguir mostram que o Espírito Santo (Atos 2:4) veio somente aos apóstolos. 1. Foi para os apóstolos que o Espírito Santo fora prometido. 2. Atos 1 termina com uma referência aos apóstolos. Lucas escreveu o seguinte a respeito de Matias: “…sendo-lhe, então, votado lugar com os onze apóstolos” (Atos 1:26) Lucas, então, afirmou: “…estavam todos reunidos no mesmo lugar… Todos [eles] ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem” (Atos 2:1b–4). Novamente o pronome oculto “eles” refere-se ao último substantivo mencionado, “apóstolos”. 3. Os que estavam falando em línguas eram “galileus” (Atos 2:7). Esse fato elimina a multidão, pois eram “judeus… vindos de todas as nações debaixo do céu” (Atos 2:5; veja também vv. 8–11). 4. Os apóstolos eram o centro das atenções, o que deve indicar que eram eles que estavam cheios do Espírito e falando em outras línguas. “Então, se levantou Pedro, com os onze; e, erguendo a voz, advertiu-os nestes termos: …Estes homens não estão embriagados, como vindes pensando…” (Atos 2:14, 15). Os acusados de estarem embriagados eram os que estavam falando, e os que estavam falando eram os que haviam recebido o Espírito Santo. Pedro se levantou, com os onze — os acusados — e disse: “Estes homens não estão embriagados”. Esta prova também indica que somente os apóstolos haviam sido batizados com o Espírito Santo. 5. Pedro declarou: “A este Jesus Deus ressuscitou, do que todos nós somos testemunhas” (Atos 2:32). As testemunhas especiais da ressurreição de Jesus eram os apóstolos (Atos 1:22; 4:33; 10:39–42; 13:31; veja também 1:3). 6. A multidão reportou-se aos apóstolos, o que indica que os apóstolos eram os que estavam falando com eles. “Ouvindo eles estas coisas,
  3. 3. compungiu-se-lhes o coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, irmãos?” (Atos 2:37). 7. Os apóstolos eram os mestres, os professores das pessoas (Atos 2:42), o que indica que foram eles que receberam a Palavra de Deus através do Espírito (João 14:26). 8. Após a vinda do Espírito, os apóstolos realizaram sinais e prodígios. Até então, eles eram os únicos mencionados como exercitando o poder miraculoso prometido por Jesus em Atos 1:8. Muitos prodígios e sinais eram feitos por intermédio dos apóstolos (Atos 2:43b). Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus (Atos 4:33a). Muitos sinais e prodígios eram feitos entre o povo pelas mãos dos apóstolos (Atos 5:12a). As provas apontam para a conclusão de que nem a multidão nem os cento e vinte de Atos 1:15 haviam sido batizados no Espírito Santo. Jesus prometeu o batismo no Espírito Santo somente para os apóstolos e somente eles receberam esse batismo no dia de Pentecostes. O Batismo do Espírito Santo e os Primeiros Cristãos Gentios O batismo no Espírito Santo ocorreu duas vezes no Novo Testamento. No começo da igreja, os apóstolos foram batizados no Espírito Santo. Anos depois, Pedro achou necessário rever o que se passara naquela ocasião (Atos 11:14–16) e compará-lo com o que ocorreu com Cornélio e seus amigos. Aparentemente nenhum outro judeu foi batizado no Espírito Santo desde esse marco inicial, no Pentecostes. Alguns anos depois, Pedro referiu-se ao segundo acontecimento — quando os primeiros convertidos gentios foram batizados no Espírito Santo — para provar aos cristãos judeus que Deus aceitava os gentios sem circuncisão (Atos 15:7–9). Novamente, isto deve sinalizar que nenhum outro gentio fora batizado no Espírito Santo desde o batismo de Cornélio e sua casa. Com o intuito de provar que oferecer a salvação aos gentios era Sua vontade e não uma decisão de homens, Deus rompeu com o procedimento normal e fez algo incomum. Deus não só concedeu aos gentios a habitação do Espírito Santo quando a casa de Cornélio foi convertida (Atos 10:47; veja também Atos 2:38), mas Ele foi além disso. Antes de serem convertidos, Ele os batizou no Espírito Santo com o mesmo batismo dado aos apóstolos no início do cristianismo (Atos 10:44; 11:15). Para surpresa dos cristãos judeus, Deus fez isso antes que esses gentios fossem batizados para o perdão dos pecados. Esse é o único caso ocorrido após a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos, em que pessoas recebem o Espírito Santo antes do batismo em água. Também é a única vez que se registra outras pessoas diferentes dos apóstolos sendo batizadas no Espírito Santo.2 Nem mesmo Jesus recebeu o Espírito antes de ser batizado em água (Mateus 3:16, 17). Uma vez que somente a casa de Cornélio e, talvez, o apóstolo Paulo, tenham recebido o Espírito Santo assim como os apóstolos, no dia de Pentecostes (Atos 2:38; 8:14–18; 19:5, 6), a casa de Cornélio deve ser considerada uma exceção, e não a regra. G. R. Beasley-Murray, um notável erudito, observou corretamente: “O dom do Espírito Santo sem o batismo deve ser visto como uma exceção, devido a uma intervenção divina numa situação altamente significativa, a qual mostrou que gentios podiam ser recebidos na Igreja pelo batismo, mesmo sem terem se purificado através de circuncisão e sacrifício ([Atos] 11:18)”3 . Deus usou essa exceção para provar que a salvação seria então oferecida aos gentios. Esse exemplo incomum do batismo no Espírito Santo foi usado como um sinal, necessário por causa da atitude dos judeus. Antes dos acontecimentos que culminaram na conversão de Cornélio, Pedro, bem como outros judeus, pensavam que não deveriam estar na companhia de gentios. Disse ele: “Vós bem sabeis que é proibido a um judeu ajuntar-se ou mesmo aproximar-se a alguém de outra raça; mas Deus me demonstrou que a nenhum homem considerasse comum ou imundo” (Atos 10:28). Os judeus insistiam na circuncisão dos gentios antes de se juntarem a eles (Atos 11:3). Entre os judeus, os gentios eram considerados indignos de sal12 Podemos presumir racionalmente, mas não provar conclusivamente, que Paulo também foi batizado no Espírito Santo. O batismo de Paulo no Espírito pode estar implícito em sua afirmação em 2 Coríntios 12:11: “…em nada fui inferior a esses tais apóstolos…” Nesse caso, ele teria sido a única pessoa a receber esse batismo, além deles. 13 G. R. Beasley-Murray, Baptism in the New Testament (“O Batismo no Novo Testamento”). Grand Rapids, Mich.: Wm. B. Eerdmans Publishing Co., 1977, p. 108. 3
  4. 4. vação. Os cristãos judeus, portanto, estavam pregando o evangelho só a judeus (Atos 11:19). Deus quis provar que aceitava tanto gentios como judeus. Ao batizar os gentios no Espírito Santo, Deus fez quatro declarações a Pedro e à igreja primitiva: 1) os cristãos judeus podiam se juntar aos gentios; 2) os gentios podiam se tornar cristãos, sendo batizados em água para serem salvos; 3) podiam ser batizados sem passar pela circuncisão, ou seja, sem se tornarem judeus, e 4) os convertidos gentios não deveriam ser tratados como cristãos de segunda categoria, mas deveriam ser aceitos pelos cristãos judeus como irmãos. Ao conceder aos gentios um batismo que só fora concedido aos apóstolos, Deus mostrou que os cristãos gentios não deveriam ser considerados inferiores de maneira alguma. Se o Espírito Santo fosse concedido aos gentios da maneira normal4 , não haveria evidência externa de que haviam de fato recebido o Espírito. Era necessário haver alguma prova irrefutável de que era unicamente Deus quem fazia a escolha. Se os sinais visíveis do Espírito Santo fossem concedidos aos gentios pela imposição das mãos de um apóstolo, como sucedeu em outros casos (Atos 8:14–18; 19:6), poderiam concluir que eram os homens, e não Deus, que escolhiam a quem salvar. Deus usou essa exceção, assim como usou as exceções das leis da natureza quando realizou os sinais no Egito (Êxodo 10:2) e assim como Jesus usou milagres para identificar-Se como o Filho de Deus (João 20:30, 31). A manifestação na casa de Cornélio mostrou que o próprio Deus, e não Pedro, estava oferecendo aos gentios perdão por meio do evangelho. Esse batismo no Espírito Santo provou a Pedro que Deus estava decidindo aceitar os gentios, dando-lhes a salvação e o lugar de membros no corpo de Cristo. Deveriam ser considerados iguais aos cristãos judeus. Pedro foi levado progressivamente a essa conclusão final através de uma interessante série de acontecimentos. Em primeiro lugar, numa visão, Deus falou três vezes para ele matar e comer vários tipos de animais (Atos 10:16). Depois, enquanto refletia na visão, o Espírito lhe disse para ir com 14 A maneira normal de receber o Espírito Santo hoje, assim como na época da igreja do Novo Testamento, é tornando-se um filho de Deus por meio do batismo (Gálatas 3:26, 27) para o perdão, ou remissão, dos pecados (Atos 2:38). 4 os gentios “nada duvidando” (Atos 10:20). Finalmente, Pedro chegou à conclusão de que “a nenhum homem [deveria considerar] comum ou imundo” (Atos 10:28). Baseado nesses fatos, dispôs-se a juntar-se aos gentios. Ele também passou a crer que “Deus não faz acepção de pessoas; pelo contrário, em qualquer nação, aquele que o teme e faz o que é justo lhe é aceitável” (Atos 10:34b, 35). Mesmo a essa altura, Pedro precisava de provas. Ele não só tinha de parar de pensar nos gentios como pessoas “comuns” ou “imundas”, mas também tinha de oferecer-lhes salvação e aceitá-los como irmãos. Com o intuito de levar Pedro e os demais crentes judeus a aceitarem os gentios como pessoas dignas da salvação, fez-se necessário um outro milagre. Assim, Deus deu aos gentios o poder de falar em línguas por meio do batismo do Espírito Santo; ao que Pedro indagou: “Porventura, pode alguém recusar a água, para que não sejam batizados estes que, assim como nós, receberam o Espírito Santo?” (Atos 10:47). O que Pedro queria dizer com isto é claro: o homem não pode recusar aquilo que Deus decidiu. Gareth L. Reese observou habilmente: “Pedro reconheceu que o que fora derramado sobre Cornélio e seus amigos era a mesma coisa que sucedera aos apóstolos no Pentecostes”5 . Pedro concluiu: “Pois, se Deus lhes concedeu o mesmo dom que a nós nos outorgou quando cremos no Senhor Jesus, quem era eu para que pudesse resistir a Deus?” (Atos 11:17). Obviamente, o batismo dos gentios no Espírito Santo provou a Pedro que Deus, e não os homens, era quem decidia. Essa não era apenas uma prova para Pedro e os judeus crentes, mas era também uma prova para cada geração sucessora. Deus provou de uma vez — e nunca precisará provar novamente — que Ele aceita os gentios sem incluir a circuncisão e a observância da Lei (Atos 11:3; 15:1, 7–9). Frederick Dale Bruner escreveu o seguinte a respeito da declaração de Pedro em Atos 11: “Ele enfatiza que o Espírito Santo descera sobre a casa [de Cornélio] ‘como também sobre nós, no princípio’ (v. 15). Essa ressalva é importante. Pedro não diz que o Espírito Santo desceu sobre a casa de Cornélio ‘como também ele sempre 15 Gareth L. Reese, New Testament History, Acts (“História do Novo Testamento, Atos”). Joplin, Mo.: College Press, 1988, p. 404.
  5. 5. fazia a cada um’”6 . A implicação parece evidente. Deus não havia batizado mais ninguém no Espírito Santo, desde o dia de Pentecostes (a menos que Paulo seja contado). Os apóstolos foram os primeiros, os do “princípio”; e até o episódio na casa de Cornélio, haviam sido os últimos e únicos batizados dessa maneira. O mesmo acontecimento que abriu as portas para os judeus se tornarem cristãos tinha, finalmente, aberto as portas para os gentios. Abrindo as portas para os judeus e gentios da mesma forma, Deus demonstrou que judeus e gentios que se tornam cristãos ocupam a mesma posição perante Ele. Pedro usou esse caso anos mais tarde, em resposta a questões que se levantaram quanto à condição dos gentios incircuncisos que se tornaram cristãos. Disse ele: “Irmãos, vós sabeis que, desde há muito, Deus me escolheu dentre vós para que, por meu intermédio, ouvissem os gentios a palavra do evangelho e cressem. Ora, Deus, que conhece os corações, lhes deu testemunho, concedendo o Espírito Santo a eles, como também a nós nos concedera” (Atos 15:7, 8). Essa é uma indicação de que o batismo no Espírito Santo não era um acontecimento que se repetia continuamente. Outro fato torna-se aparente. O que Deus requer para conceder o perdão dos pecados é o mesmo, tanto para judeus como para gentios. Pedro deveria dizer a Cornélio palavras pelas quais ele fosse salvo (Atos 11:14). Pedro não disse nada sobre o Espírito Santo, mas disse para Cornélio crer e ser batizado (Atos 10:43, 47, 48). Eram esses os atos que Jesus disse que levariam à salvação: “Quem crer e for batizado será salvo” (Marcos 16:16a). Pedro também disse aos judeus para se “arrependerem e serem batizados em nome de Jesus Cristo para remissão dos pecados” (Atos 2:38a). Da mesma forma, “ordenou que [os gentios] fossem batizados em nome de Jesus Cristo” (Atos 10:48a). O batismo no Espírito Santo não era um substituto do batismo em água, mas sim uma prova para Pedro de que deveria mandar Cornélio e sua casa receberem o batismo em água (Atos 10:43, 47, 48). O batismo no Espírito Santo não era uma dádiva para mostrar que houve salvação. Os 16 Frederick Dale Bruner, A Theology of the Holy Spirit (“Teologia do Espírito Santo”). Grand Rapids, Mich.: Wm. B. Eerdmans Publishing Co., 1970, p. 194. apóstolos foram batizados no Espírito Santo, no dia de Pentecostes (Atos 1:4, 5; 2:4), para receberem poder (Atos 1:8), e não salvação. João Batista recebeu o Espírito Santo desde o ventre de sua mãe (Lucas 1:15). Esse Espírito não era para sua salvação, mas constituía um sinal de que Deus o escolhera para uma missão especial. O Novo Testamento não contém nenhum indício de que alguém tenha recebido o Espírito Santo para ser salvo. Ele é dado aos que são filhos (Gálatas 4:6), não para tornar alguém filho de Deus. O relatório que chegou aos cristãos judeus da Judéia a respeito dos gentios dizia que estes haviam recebido a palavra de Deus (Atos 11:1). A resposta dos gentios aceitando a Palavra foi a mesma dos três mil judeus, no dia de Pentecostes: “Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados” (Atos 2:41a). A palavra que aceitaram com alegria foi a instrução de Pedro: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados” (Atos 2:38a). Os gentios aceitaram a mesma mensagem de Pedro. O que fizeram para serem salvos seguia um padrão: ouviram a palavra, creram em Jesus, arrependeram-se e foram batizados. Outras passagens bíblicas mostram o mesmo modelo (Marcos 16:16; Atos 2:38; 22:16; Colossenses 2:12, 13; 1 Pedro 3:21). A exceção no caso desses gentios foi serem primeiramente batizados no Espírito Santo. Ao batizar esses primeiros gentios no Espírito Santo, Deus mostrou Sua decisão em aceitar os gentios. Além disso, mostrou que os gentios não eram uma exceção com respeito ao que se requer deles antes de serem perdoados. (A única exceção era a maneira como Deus usou o batismo do Espírito Santo para revelar Sua decisão de aceitar os convertidos gentios.) Tiveram de aceitar o evangelho (Atos 15:7), a palavra pela qual poderiam ser salvos (Atos 11:14; Romanos 1:16; Efésios 1:13). O Espírito Santo foi concedido a eles não para mostrar que já estavam salvos, mas para mostrar que a salvação lhes seria oferecida por meio do evangelho (Atos 15:7–9). No caso de Cornélio, Deus desviou-se da regra geral (João 14:17) somente para provar que Ele, e não Pedro, estava abrindo as portas da salvação aos gentios. Por intermédio desses primeiros convertidos gentios, Deus demonstrou que pessoas de todas as nações podem obter a salvação por meio de Jesus, quando recebem o batismo em água. Abrin- 5
  6. 6. do Espírito Santo, nem todos estariam batizados por esse “um só” Espírito nem conduzidos à unidade que Paulo estava ensinando. O batismo em água é o único batismo experimentado por todos os crentes, segundo o Livro de Atos, enquanto que o batismo do Espírito Santo foi dado somente a um grupo limitado. Por essa razão, deve-se interpretar 1 Coríntios 12:13 como significando que através do batismo em água, o Espírito Santo introduz todos os crentes no corpo. Concluir que todos são batizados pelo Espírito Santo num só corpo não leva em conta a evidência histórica do Livro de Atos8 . do as portas aos gentios, Deus não afirmou que o batismo não é essencial à salvação; pelo contrário, enfatizou sua importância (Atos 10:47, 48). UM ÚNICO BATISMO É ORDENADO PELO NOVO TESTAMENTO Embora vários “batismos” sejam mencionados no Novo Testamento, um único batismo foi reconhecido por Paulo em Efésios 4:5 como sendo comum a todos os crentes. Em Éfeso, o batismo de João já não se mostrava aplicável (Atos 19:1– 5). O batismo de Israel na lei de Moisés (1 Coríntios 10:2) certamente não se aplica às pessoas hoje. Jesus já havia suportado o batismo de sofrimento (Lucas 12:50; veja também Marcos 10:38, 39). O batismo em fogo para o castigo eterno ainda é futuro (Mateus 3:10–12). Nenhum desses batismos pode ser o batismo que Paulo tinha em mente. O único batismo comum a todos os cristãos é o batismo em água (Mateus 28:19), pois através desse batismo em água somos batizados em Cristo. No batismo em água, todos nos tornamos um (Gálatas 3:27, 28). O único batismo que existia no tempo em que Paulo escreveu aos efésios era o batismo em água. Não É o Batismo no Espírito Santo Por causa da afirmação de Paulo em 1 Coríntios 12:13: “Pois, em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo”, alguns têm concluído que o batismo no Espírito Santo é o batismo de Efésios 4:5. Bruner salientou o seguinte: Se este versículo for interpretado como se referindo a um segundo e subseqüente batismo no Espírito Santo, além do batismo em Cristo, somente para alguns cristãos, estará sendo praticada uma violência não só contra as palavras do texto — “todos… todos” — mas contra o propósito do texto em seu contexto coríntio. O ponto central da mensagem de Paulo aos coríntios é a unicidade de todos os batizados em Cristo Jesus7 . Após um estudo detalhado do batismo, o raciocínio seguinte torna-se evidente em relação ao batismo mencionado por Paulo em 1 Coríntios 12:13: Paulo disse que todos receberam esse “um só” batismo, que era para a união de todos os crentes colocando-os dentro do corpo. A implicação desse argumento é que todos os cristãos receberam esse batismo; portanto, todos estavam num corpo, independentemente de raça, origem ou posição social. Se [hoje] somente alguns [crentes] especiais recebessem o batismo 17 6 Ibid., p. 292. O batismo no Espírito Santo é mencionado no Novo Testamento em conexão com os poderes miraculosos e/ou a revelação divina, e não relacionado à habitação pessoal. Jesus disse o seguinte aos apóstolos, com respeito a serem futuramente batizados no Espírito Santo: “que esperassem a promessa do Pai, a qual, disse ele, de mim ouvistes” (Atos 1:4). Jesus estava Se referindo às Suas afirmações registradas em Mateus 10:19, 20; João 14:17, 26; 15:26; 16:7–15; 20:22. Jesus fez tais promessas somente aos apóstolos. Duas promessas feitas aos apóstolos deveriam ser cumpridas com a vinda do Espírito Santo: a orientação divina a toda a verdade (João 14:26; 16:13) e poder (Atos 1:8). O batismo no Espírito Santo deveria ser sempre associado a essas promessas. A distribuição dos diferentes dons do Espírito para prover essa orientação e poder dependia da vontade do Espírito Santo (1 Coríntios 12:11; Hebreus 2:4). Apesar de Cornélio e sua casa serem batizados com o Espírito Santo (Atos 11:15, 16), não receberam os mesmos dons que os apóstolos. (Dons especiais foram dados a eles como sinais de apostolado; 2 Coríntios 12:12.) Nem Cornélio nem os demais foram guiados a toda a verdade como os apóstolos. Não É o Batismo em Fogo Embora mencionado juntamente com o batismo no Espírito Santo, o batismo em fogo não deve ser associado a ele. Os que serão batizados em fogo serão aqueles que Jesus submergirá no fogo por ocasião do castigo eterno (Mateus 3:12). Jack Lewis afirmou: Com base nos dois objetos da preposição no caso dativo, unidos por um conectivo à preposição antecedente, é comum se argumentar que 18 Owen D. Olbricht, Baptism: New Birth or Empty Ritual? (“Batismo: Um Novo Nascimento ou um Ritual Vazio?”). Delight, Ark.: Gospel Light Publishing Co., 1994, pp. 108–109.
  7. 7. João fala de um único batismo composto por dois elementos. Gramaticalmente, algo pode ser dito em prol desse argumento, mas o contexto contrasta dois grupos imediatamente antes e depois da expressão. “Fogo” no versículo 10 refere-se à queima das árvores infrutíferas, e no versículo 12, à queima da palha. Como é improvável uma mudança de significado da palavra na expressão do versículo 11, é razoável supor que o fogo do inferno — o lago de fogo (Apocalipse 20:15) — é o que se tem em vista. O fogo, então, é aqui um símbolo de juízo, e não do Espírito Santo. O fogo do Pentecostes, muitas vezes relacionado com esse versículo e a única alternativa à interpretação sugerida acima, é apenas uma comparação simbólica — “línguas como de fogo” (Atos 2:3) — e não fogo propriamente9 . Em vez de desejar o batismo em fogo, devemos querer escapar dele. Normalmente “fogo” sugere castigo (Mateus 3:10; 5:22; 7:19; 13:40, 42, 50; 18:8, 9; 25:41). Quando Jesus disse aos apóstolos que eles seriam “batizados com o Espírito Santo” (Atos 1:5), Ele não incluiu “com fogo”. Pedro não incluiu “fogo” quando recordou o que Jesus disse a respeito do batismo no Espírito Santo (Atos 11:15, 16). Nem tampouco nós devemos associar fogo com batismo no Espírito Santo ou com o “um só batismo” de Efésios 4:5. O Batismo em Água A regra geral é que, quando o batismo em questão em determinada passagem é um batismo administrado pelo homem, trata-se do batismo em água. O batismo dado por Deus é o batismo no Espírito Santo. Quando a palavra “batismo” aparece no Novo Testamento, refere-se ao batismo em água, exceto quando especificado por outros termos. Albrecht Oepke incluiu essa idéia em sua definição de “batismo”. Disse ele: “…As referências do Novo Testamento ao batismo devem ser consideradas batismo em água, a menos que o contexto indique outra coisa. Batismo tecnicamente significa ‘batizar em água’. Conseqüentemente, é desnecessário especificar um meio-termo”10 . Examine o quadro abaixo, que compara o batismo em água com o batismo do Espírito Santo. A maior parte das informações nele contidas é fácil de se entender, não carecendo de explicação. Todavia, talvez deva se dizer algo mais sobre os resultados (veja o item 10 da lista). Os cristãos judeus e gentios não se tornaram apóstolos nem filhos de Deus através do batismo 10 19 Jack Lewis, The Gospel According to Matthew (“O Evangelho Segundo Mateus”), Part 1, The Living Word Commentary, ed. Everett Ferguson. Austin, Tex.: Sweet Publishing Co., 1976, p. 63. Albrecht Oepke, “Bapto, baptizo”, Theological Dictionary of the New Testament (“Dicionário Teológico do Novo Testamento”), ed. Gerhard Kittel, trad. Geoffrey W. Bromiley, vol. 1. Grand Rapids, Mich.: Wm. B. Eerdmans Publishing Co., 1964, p. 539. UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BATISMO NO ESPÍRITO E O BATISMO EM ÁGUA O Batismo no Espírito Santo O Batismo em água 1. Administrado por Jesus (Mateus 3:11) 2. Enviado por Jesus do Pai e derramado para imergir no Espírito (João 15:26; 16:7; Atos 10:45) 3. Enviado pelo Pai no nome de Jesus (João 14:26) 1. Administrado pelo homem (Mateus 28:19) 2. Imersão em água (Romanos 6:4; Colossenses 2:12) 4. Dado diretamente de Deus aos que esperaram em Jerusalém e a gentios que não o esperavam (Atos 1:4, 5; 10:44) 5. Recebido como promessa (Atos 1:4, 5) 6. Para os apóstolos (Atos 1:1–5) 7. Recebido pelos apóstolos (Atos 1:26—2:4) e pelos primeiros gentios convertidos (Atos 11:15, 16) 8. Tinha como propósito revelar os ensinos de Jesus (João 14:26), dar poder (Atos 1:8) e abrir as portas do reino aos gentios (Atos 10:47; 11:17; 15:7–9) 9. Os que foram batizados no Espírito falaram em línguas (Atos 2:4; 10:44–46) 10. Resultava em sinais exclusivos a apóstolo (2 Coríntios 12:12); e revelava a escolha de Deus de salvar os gentios (Atos 15:7–9) 3. Administrado pelo homem em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo (Mateus 28:19) 4. Administrado aos que crêem e se arrependem (Atos 2:38; 8:12; 18:8) 5. Obedecido como um mandamento (Atos 10:48) 6. Para todas as nações (Mateus 28:19) 7. Recebido por todos os crentes em todas as partes (Atos 2:41; 8:12, 13, 38, 39; 10:48; 18:8; 19:5) 8. Tinha como propósito o perdão dos pecados (Atos 2:38; 22:16; Colossenses 2:12, 13) 9. Os que eram batizados em água se regozijavam (Atos 8:39; 16:33, 34) 10. Resultava em tornar-se filho de Deus (Gálatas 3:26, 27) 7
  8. 8. no Espírito Santo. Os convertidos sempre se tornaram filhos de Deus de uma só maneira: nascendo da água e do Espírito (João 3:5; Romanos 6:4; Gálatas 3:26, 27; Colossenses 2:12, 13). CONCLUSÃO O batismo no Espírito Santo foi administrado por Jesus aos apóstolos com o propósito de prepará-los para serem Seus representantes especiais. Através desse batismo, Cristo revelou Sua Palavra a eles e deu-lhes um poder que os distinguiu como apóstolos (2 Coríntios 12:12). O fato de conceder aos gentios o batismo do Espírito Santo, o qual havia sido dado antes somente aos apóstolos, provou que os gentios podiam se tornar cristãos de primeira classe no reino de Cristo. O batismo no Espírito Santo cumpriu o propósito de Deus de elevar os gentios e firmar um alicerce que poderia unir esses dois grupos separatistas — judeus e gentios — num mesmo patamar dentro da igreja de Cristo (Efésios 2:11– 16). Concedendo aos primeiros gentios o mesmo batismo que fora dado exclusivamente aos apóstolos, Deus mostrou que Ele era imparcial. Tendo cumprido esses propósitos, o batismo no Espírito Santo não foi necessário a mais ninguém e, por isso, jamais foi dado a outra pessoa depois disso. Como o batismo no Espírito Santo era para um propósito especial, só alguns o receberam. Se todos os cristãos recebessem o batismo do Espírito Santo hoje, todos teriam dons miraculosos como os apóstolos tinham. Ou então, teriam recebido o batismo no Espírito Santo com o propósito de ficarem cientes de que Deus os escolheu, como no caso dos primeiros convertidos gentios. Se essas circunstâncias eram necessárias nos casos do Novo Testamento, por que não seriam hoje? O batismo no Espírito Santo não era buscado, solicitado em oração, nem obtido através de esforço humano. Deus o concedeu de acordo com Sua própria escolha para servir a Seus propósitos eternos. Hoje, as pessoas que buscam esse batismo estão tentando obter algo que não lhes foi ordenado nem prometido. O fato de que as Escrituras revelam somente dois casos de tal batismo (não incluindo o caso de Paulo) deve nos fazer admitir que esse não era um batismo para todas as pessoas nem para todos os tempos. ©Copyright 2003, 2006 by A Verdade para Hoje TODOS OS DIREITOS RESERVADOS 8

×