SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
--
        /    .




                      ANO XV                 RIO DE JANEIRO, 28 DE NOVEMBROE 1983
                                                                          D                       NQ 739


...             No próximo dia § de dezembro, ~erã reali~ad~ em Porto ,Alegre o ':Si~pÓS10                  :'0-
                bre Roubode Velculos-Legislaçao Especlflca'.,   Promovldo pelo ~lndlcato                    das
            1 Empresas de Seguros Privados e de Capitalizaçao no Estado do R10 G~an?e                         do
        Sul o evento reunirá desembargadores, juristas,  advogados, seguradores e tecnlcos                    do
-.      me~ado.        Alem dos coordenadores dos debates mencionados no programa (ver             ~   nQ~738).
        exercerão tambem esta função o Presidente da Associação dos Revendedores~d~ Velculos
        no Rio Grande do Sul, Sr. Sergio Luiz Arns e o Chefe do Departame~to_J~ndlc~ da ~IOVl~
-.      HamburgoCompanhiade Seguros Gerais, Dr. RamonG. von Berg. O Slmposlo sera presld~
        do pelo Desembargador Adroaldo Furtado Fabricio.
                 Na seção Estudos e Opiniões, divulgamos os t~picos principais   da palestra~Se
              2  guro de Fiançall, proferida pelo Sr. Hernando Galindo Cubides, membro da Aso:
                 ciaci~n Panamericana de Fianzas e representante  da Skandia Seguros de Colom-
        bia S.A. A palestra foi proferida no audit~rio do Instituto   de Resseguros do Bras;l,
-.      numa promoção do Comitê de Organização (Brasil) da VIII Assembleia-Geral da Associa -
        ção Pan-Americana de Fianças e Garantias.
                  Começa hoje, em San Francisco (EUA), a XIX Conferência Hemisférica de Se~u -
              3   ros.    O Brasil estará representado no certame por Delegação sob a presiden -
                  cia do Presidente da FENASEG,Sr. Victor Arthur Renault. A Conferência será
        realizada em torno de quatro Painéis, em que serão expostos e debatidos quatro temas:
        a) Gerência de IlMarketin9J1 e Novos Produtos; b) Gerência Financeira e Criação da Ca~a
        cidade Retentiva;    c) Gerencia de Informações - controle e uso dentro da companh1ai dT
        Gerência de Relações com o Público e o Governo. Durante o certame, seguradores e res
--      seguradores participarão    de Colóquios a cargo de especialistas de renome internacio ~
        nal sobre os seguintes assuntos: a) Novos Produtos do ramo Vída; b) Uso de Computado
        res; c) Planejamento Estrategico;    d) Uso do Mercado Global de Resseguros.           -
                      O Conselho Nacional de Seguros Privados divulgou no IIDiário Oficial" da União
              ~       de 23 de novembro a Resolução CNSPnQ 6/83, que traça normas sobre as propos
                 tas encaminha9as às Sociedades Seguradoras pelos corretores de seguros. Por
...     sua vez, a Superintendencia de Seguros Privados publicou no DOU mesmadata as Cir-
                                                                         da
        culares      nQs 42 e 43.    Na primeira,   a SUSEP altera   a Tarifa   para os Seguros    de Trans    -
        portes (viagens nacionais) Terrestres de Mercadorias, em Rios, Lagos, Balas e no Mes-
...     mo Porto, Maritimos de Cabotagem e as Condições de Cobertura (inclusive    Disposições
        Tarifãrias)  para o Seguro de Transportes Aéreos de Mercadorias; na segunda Circular
        altera o Seguro d~ Risco de Engenharia (Circular SUSEP 16/83). Ver seções CNSP e
                                                                n9
        SUSEP
--
                      No pr~ximo dia 8 de dezembro, o Sindicato       dos Corretores   de Seguros e de Ca-
                 5    pitalização   no Estado de são Paulo pr'omoverãuma palestra
                 seus Múltiplos Aspectos-Final idades-Vantagens".  A palestra será
                                                                                        sobre "Avaliação e
                                                                                    proferida
        pelo EngQ Alberto Gonçalves de Moura, no auditório do IRB, às 16 horas, ã Rua Manoel
        de N~brega nQ 1 280. Os interessados em participar do evento deverao retirar o convi
.....   te na Secretaria do Sindicato, ã Rua Libero Badaro nQ 293-159 andar.                  -
-.




-
                                    Estudos e Opiniões
                        A IMPORTÂNCIA DE DADOSESTATíSTICOS

-                                NA SEGURANÇAINDUSTRIAL


                                Eng2 Antonio      Fernando de Ao Navarro Pereira


             Uma das grandes deficiências que existem na área da Se                             -

             gurança    Industrial,      principalmente        para quem trabalha              na
             área prevencionista,         é a completa        ausência    de dados est~
             tisticos relacionados com a ocorrência de acidentes                           ,   de
             todos os tipos (incêndios,             desabamentos,       desmoronamentos,
             acidentes    pessoais,      explosões,     etc.)

             A estatistica,        quando bem elaborada,         aplica-se         a     todas
-            as áreas    da Segurança          Industrial.    Para que compreendamos
             melhor    sua importância, definiremos            o universo      de abran          -
             gência    da Segurança      Industrial,     e onde o levantamento                 es
             tatistico    de dados é aplicadoo

-            A Segurança Industrial é um conjunto de medidas e proce-
                        ,
             dimentos, a luz de normas e regulamentos conhecidos, cu-
                                                                  ,
-            jos resultados conduzem a uma maior segurança na indus
             triao Para que esse conjunto de medidas seja eficiente
                             ,                       -
             torna-se necessario que o campo de atuaçao abranja,   com
             totalidade     :    as atividades humanas; as instalações;                        as
             edificações;        os equipamentos      e maquinismos       e, finalmente,
             o escopo de toda atividade indu~trial, que é a fabrica -
             ção com lucroo Dessa forma, como vimos, no universo a -'
             brangido    pela Segurança          Industrial    existem    infinitas            in-
             terfaces nos conjuntos de atuação o Dentro desse conjunto

-            de atividades,a Segurança Industrial trata
             individual     das pessoas,
                                                           da proteção
                                                 das proteções
                                                                          :



                                                                  coletivas            e da ra-
             cionalização        dos trabalhos,      todas no âmbito          de ativida         -
                                     ,                                         H
lIIIIiIii.
             des humanas; na area da segurança das instalaçoesa abo~
                   ,
             dagem e feita quanto ao projeto,                montagem    e funcionamen-
             to dos instalações,         compreendendo        desde as instalações
             de proteção        e combate a incêndios         {detectores,         alarmes


                                                                    BI.739*pãg.Ol*28.11.83
                                                                                                     i
                                                                                                     jI
-"



                                                                                                                     .-


                                                                                                                     ...
              .                                          (
                                                         h
                                                              .         '       (.                           .
     manua1S, ha I on,
                       CO
                         2' espuma qUlmlca, po qU1mlco, e uve1-
     ros autom~ticos-sprinklers,                     sistemas         dil~vio-water                spray,
     hidrantes-hose,mangotinhos-hose
     ções que transportam
     ,            ,                                          N
                                                              reels, ete), as instala-
                                        flúidos ,e gases comprimidos                          ou        nao,         -
     oleos,       agua, etc.) e as instalaçoes                        de luz e força; qua~
     to às edificações,               a Segurança            Industrial         aborda        a insta
         N'                                                                 N

     laçao de industrias, "lay-outs"                  de edificaçoes, elementos'
     construtivosutilizadose o conforto interno dos edif!                                                        -
                                                     ,                                    N

     cios, tais como o conforto termico, de iluminaçao,    de
     cores, etc.; quanto aos maquinismo~ verifica-se a monta-
     gem e funcionamento desses, e as implicações que qual
                                                    ,
                                                                                                                     -
     quer tipo de desarranjo possa provocar nos operarios   e
     nas instalações; ao interagir na ~rea de fabricaçã~ a Se                                                        -
     gurança Industrial o faz sob o prisma dessa quando desa~
     sistida ou sem a manutençãoadequada vir a prejudicar                                                        '




     as pessoas e as edificações. Atualmente,uma pequena cor-
     rente de aficcionadospela Segurança Industrial j~                                                       se
     preocupa com a Garantia da Qualidade dos produtos.
                                                                                                                 ,
     Enfim,       como pode-se observar, a Segurança Industrial                                                  e   --
     bastante             abrangente,   ~omo não poderia                deixar           de ser. De~
     sa farma,             todo e qualquer      subsidio
                                        que venha ao encontro
     dela deve ser enaltecido e estimulado. Um desses subsi
                                                                                                                     -
     dios que poderia               se contar    é       com a estatística,                   princi             -
     polmente no tocante ao levantamento de dados estatisti                                                      -

     cos na ~rea industrial.               Infelizmente                nosso Pais é muito'
     pobre em estatisticasdessa natureza, e sempre que                                                       se
                                                                  N                                (
     quer dar algum exemplo,lança-se                          mao de dados estat1sti
     cos coletados               e processados       em outros          paises.

     A importância               da existência       de dados estatísticos                      na ~
     rea de abrang;ncia da Segurança Industrial                                      é   muito gran-
     de, porque,quando bem elaborados e coletádos, seguindo ·
                      ,      N            ,
     uma orientaçoo pre-determinada, podera redundar em meno-
     res dispendios
                      A

                                  de capital    na implantaçao
                                                                        -,dessa,              ja         que
     muitos       dos erros cometidos            no passado             poderão           ser evita-
     dos no futuro                ~ com isso, poder-se-~                rever alguns                   con           -.
     eeitos, elaborar novos regulamentos e normas, rever ta



                                                                                BI.739*Pãg.OZ*28.11.83.              --
-
    xas de seguros,        ete.

    Um outro       fator da mais alta importôncia                           que poder~           ser
    revisto    é a uniformizaç~o                de critérios               para a adoç~o          de
    regulamentos. Ao implantar-se a Segurança Indus trial, p~
    derá ser verificado que as muitas normas existentes di-

-   vergem    uma das outras em muitos                      pontos. Algumas                firmas,
                                                 I     .


    por sua vez,possuem suas propr1as normas e regulamentos.
    A titulo de exemplo, o equipamento mais simples e 'comum
    de proteç~o contra inc~ndio-extintor port~til - somente
    quanto ao seu posicionamento possui muitos regulamentos
    divergentes. Se observada a Circular do Mercado Segura-
             I                     _
    do~ devera estar a uma altura nao superior a 1,70metros;
    Se o regulamento adotado for o do Corpo de Bombeiros
    essa altura passa a ser de l,80metros; Se,   entretanto
                                                                      I
    quiser    se seguir a Portaria                   do Ministerio             do Trabalho         ,




    deverá se reduzir essa mesma altura para l,60metros. C~
           A          (,."                  ,
    mo -
       se ve, para um ~tem tao simples, que e a alturaA
                                                                                            de I fi
    xaçao de unidades extintoras em paredes,temos tres nume
                                            ,                 I
    ros discrepantes        quanto a altura maxima                          a ser adotada          .
                                  .



    Essa mesma irregularidade existe quanto a uma infinida-
               t                      .    '.                     ,                   .A     .

    de de ~tens em uma ~ndustr~ao Atraves de exper~enc~as'
    adquiridas e comprovadas por meio de dados estatisticos
    aplicados ~s coisas mais simples, poder-se-á                                    adotar
-   favorecendo o proprietário das instalações, um ~nico
    critério para cada caso.

    A estatistica porém não se aplica somente a equipamen
    tos, e conforme comentamos anteriormente, poder~ propi-
    ciar a redução de taxas de seguros. O Mercado Segurador
    brasileiro, quando da elaboração das tarifas e taxas de

-   tos estat~sticos
    que, naquela
                       ,__
    seguros,utilizou-se, entre outras fontes, de levantame~
                   t                                  (N
                            de outros pa~ses que nao o nosso por
                       epoca, como agora,                  nao dispunhamos             de
                                                                                                  -

                                                                                                 um
    cadastro       de sinistros           completo.
                                                                                                ,
    Em nossa opinião, qualquer tipo de levantamento                                        devera




                                                                          BI.739*Pãg.03*28.11.83



-
.
                                                                                                                               -

                                                                                                                               ....




ser executado levando-se em consideraç~o o tipo de ati                                                                 -

vidade,             a qualidade             da construç~o, bem como o tipo. de ac,!                                            ...
                     ,                              ,
dente ocorrido. Atraves desses levantamentos,ter-se-a
               H                                                                       ,
condiçoes de acompanhar o aumento ou o decrescimo    no
número de acidentes ocorridos e,assim, poder se rever o
valor numérico das taxas de seguros atualmente em vigor.
Esse estudo permitir~, inclusive, fixar-se com razoável'
margem de precisão                          o valor da taxa mínima de segu~.
                                                                                                                               -.

Porque a taxa mfnima no seguro incêndio é de 0,10% ? Se-
 ,...                      af                         '
ra que nao poderia ser 0,15~ ? Ou quem sabe 0,07 ? Sera'
         ...                  {                                                    (                                           ...
que nao poderlamos ter um grupo de taxas mlnimas, para                                                                 '

                                                                                                   ,
um grupo                de atividades             que mais se assemelham?                      Sera que
a redução                 nas taxas, proporcionada                pela existência                 de             e-            ....
                                             -                    'A"'"                               ,
quipamentos                  de proteçao           e combate      a incendios, nao e exa-
gerada             ? Ou quem sab~ não pode ser ampliada                                ?
Enfim,             todas essas e outras perguntas                         mais poderiam                        ser
                                            ,                             A

respondidas                  caso tivessemos                uma experiencia            anterior,
                                                                                                                               ......

proporcionada                     por levantamentos             estatísticos.

Afora          a vis~o            do Mer~ado         Segurador,         que envolve            custos                  '
                                              ,                                                                  ...
                                                                                                                               ....


diretos com o pagamento de seguros, temos tambem a visao
da Segurança Industrial. Cabe esclarecer aqui que                                                             todo
investimento feito com a Segurança Industrial representa
um custo imediato, para um beneffcio,no minimo,a   médio
prazo.             ~:es te    caso,     da       Segurança      Indus    tr ial,       a     es tat       f   s t i-
                    ,                                                                  ...
ca podera ajudar no aprimoramento das inspeçoes e.audi -
torias e,com isso, enfatizar os itens mais problemáti -                                                                        -
                   ...               ...  ,
cos em uma instalaçao ou uma edificaçao, ja que sabe-se,
                    ...               ...               (
de antemao,quais                      sao esses ltens.
                                                                                                                               -
   .                ,                                                         "
O Ministerio de Trabalho possui uma estatistica razoavel
sobre acidentes do trabalho. Os Corpos d~ Bombeiros, por
            ,                           ,,.                                                                                    -.
sua vez,tambem possuem um registro confiavel sobre ince~
dios. O Mercado Segurador trabalha com coeficientes   de
sinistralidade" O que se vê,então,é que a associação de!
                                                                                                                               -
     ,                                        ,
ses varios levantamentos, orientando-os, podera redundar
                                                                                                                               -

                                                                         BI.739*pãg.04*28.11.83
                                                                                                                               -
                                                                                                                               -
em uma estat!stica       bastante   abrangente,   que irá benefi ~
     olar todos os setores envolvidos e,principalmente,               o
     dono da indústria.
                    N     ,
     "Qssa proposiçao e que seja elaborado um levantamento
     que possua, entre outros dados, o setor de atividade

-    (construção civil, indústria de plástico, indústria mecâ
                     ,                                      .
     "ica, etc.), o numero de empresas cadastradas no levan ~
     tamento, o número de empregados, o número de acidente~ e
     o tipo de acidente, o !ndice percentual de acidentes por
     tipo, ~tc...
-
                        *        *       *
-                                             *




.-




                                                       BI.739*Pãg.05*28.11.a~

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Adin lei 857 de 12 12-2012.pdf-1
Adin lei 857 de 12 12-2012.pdf-1Adin lei 857 de 12 12-2012.pdf-1
Adin lei 857 de 12 12-2012.pdf-1Gamalivre
 
Moda (estatística) – wikipédia, a enciclopédia livre
Moda (estatística) – wikipédia, a enciclopédia livreModa (estatística) – wikipédia, a enciclopédia livre
Moda (estatística) – wikipédia, a enciclopédia livreUniversidade Federal Fluminense
 
Cadernos de seguro a evolução da técnica de gerência de riscos
Cadernos de seguro   a evolução da técnica de gerência de riscosCadernos de seguro   a evolução da técnica de gerência de riscos
Cadernos de seguro a evolução da técnica de gerência de riscosUniversidade Federal Fluminense
 
plataforma virtual
plataforma virtualplataforma virtual
plataforma virtualOry Ramírez
 
As migrações humanas e seus impactos sócio econômicos
As migrações humanas e seus impactos sócio econômicosAs migrações humanas e seus impactos sócio econômicos
As migrações humanas e seus impactos sócio econômicosUniversidade Federal Fluminense
 
Aplicacionesportables
AplicacionesportablesAplicacionesportables
Aplicacionesportablesjornadas_iTIC
 
Portafolio
PortafolioPortafolio
Portafoliosevyano
 

Destaque (20)

Adin lei 857 de 12 12-2012.pdf-1
Adin lei 857 de 12 12-2012.pdf-1Adin lei 857 de 12 12-2012.pdf-1
Adin lei 857 de 12 12-2012.pdf-1
 
Moda (estatística) – wikipédia, a enciclopédia livre
Moda (estatística) – wikipédia, a enciclopédia livreModa (estatística) – wikipédia, a enciclopédia livre
Moda (estatística) – wikipédia, a enciclopédia livre
 
O que é gedima
O que é gedimaO que é gedima
O que é gedima
 
Casa inteligentes
Casa inteligentes Casa inteligentes
Casa inteligentes
 
Cadernos de seguro a evolução da técnica de gerência de riscos
Cadernos de seguro   a evolução da técnica de gerência de riscosCadernos de seguro   a evolução da técnica de gerência de riscos
Cadernos de seguro a evolução da técnica de gerência de riscos
 
Conceitos e simulação de cadeias de markov
Conceitos e simulação de cadeias de markovConceitos e simulação de cadeias de markov
Conceitos e simulação de cadeias de markov
 
plataforma virtual
plataforma virtualplataforma virtual
plataforma virtual
 
Apresentação FRESH
Apresentação FRESHApresentação FRESH
Apresentação FRESH
 
Arte electrónica
Arte electrónicaArte electrónica
Arte electrónica
 
As migrações humanas e seus impactos sócio econômicos
As migrações humanas e seus impactos sócio econômicosAs migrações humanas e seus impactos sócio econômicos
As migrações humanas e seus impactos sócio econômicos
 
Optica 2
Optica 2Optica 2
Optica 2
 
Estados físicos laurena
Estados físicos laurenaEstados físicos laurena
Estados físicos laurena
 
Aplicacionesportables
AplicacionesportablesAplicacionesportables
Aplicacionesportables
 
Habilidades
HabilidadesHabilidades
Habilidades
 
Semana 4 estado liquido
Semana 4 estado liquidoSemana 4 estado liquido
Semana 4 estado liquido
 
Mudanças climáticas e o aquecimento global
Mudanças climáticas e o aquecimento globalMudanças climáticas e o aquecimento global
Mudanças climáticas e o aquecimento global
 
A natureza jurídica do contrato de seguros
A natureza jurídica do contrato de segurosA natureza jurídica do contrato de seguros
A natureza jurídica do contrato de seguros
 
Capitulo 7
Capitulo 7Capitulo 7
Capitulo 7
 
Quim sem8 esteq 2012 2
Quim sem8 esteq 2012 2Quim sem8 esteq 2012 2
Quim sem8 esteq 2012 2
 
Portafolio
PortafolioPortafolio
Portafolio
 

Semelhante a A importância de dados estatísticos na segurança industrial

Segurança industrial a importância do conhecimento de seus conceitos
Segurança industrial   a importância do conhecimento de seus conceitosSegurança industrial   a importância do conhecimento de seus conceitos
Segurança industrial a importância do conhecimento de seus conceitosUniversidade Federal Fluminense
 
Fenaseg: Avaliação de Riscos - um eficiente meio de prevenção de perdas
Fenaseg: Avaliação de Riscos - um eficiente meio de prevenção de perdasFenaseg: Avaliação de Riscos - um eficiente meio de prevenção de perdas
Fenaseg: Avaliação de Riscos - um eficiente meio de prevenção de perdasUniversidade Federal Fluminense
 
Acidentes na construção civil erro de execução versus erro de projeto
Acidentes na construção civil   erro de execução versus erro de projetoAcidentes na construção civil   erro de execução versus erro de projeto
Acidentes na construção civil erro de execução versus erro de projetoUniversidade Federal Fluminense
 
Fenaseg: Segurança Industrial - a importância do conhecimento de seus conceitos
Fenaseg: Segurança Industrial - a importância do conhecimento de seus conceitosFenaseg: Segurança Industrial - a importância do conhecimento de seus conceitos
Fenaseg: Segurança Industrial - a importância do conhecimento de seus conceitosUniversidade Federal Fluminense
 
06 est-ge-m2-d2-pii-francisco--josevan-postado-1
06 est-ge-m2-d2-pii-francisco--josevan-postado-106 est-ge-m2-d2-pii-francisco--josevan-postado-1
06 est-ge-m2-d2-pii-francisco--josevan-postado-1Adevaldo Cipriano
 
NR 18 - Briet Engenharia.pdf
NR 18 - Briet Engenharia.pdfNR 18 - Briet Engenharia.pdf
NR 18 - Briet Engenharia.pdfCristian Briet
 
NR 18 - Briet Engenharia.pptx
NR 18 - Briet Engenharia.pptxNR 18 - Briet Engenharia.pptx
NR 18 - Briet Engenharia.pptxCristian Briet
 
NR 18 - Briet Engenharia.pptx
NR 18 - Briet Engenharia.pptxNR 18 - Briet Engenharia.pptx
NR 18 - Briet Engenharia.pptxCristian Briet
 
Aula 02- Saude e Segurança.pptx
Aula 02- Saude e Segurança.pptxAula 02- Saude e Segurança.pptx
Aula 02- Saude e Segurança.pptxMarildeAlvesdaSilva
 
Arlindo cabrito dissertacao (1)
Arlindo cabrito dissertacao (1)Arlindo cabrito dissertacao (1)
Arlindo cabrito dissertacao (1)Jose Costa
 
2012 01 map 1ª categoria
2012 01 map 1ª categoria2012 01 map 1ª categoria
2012 01 map 1ª categoriaRasnicker
 
Lei 16567 corpo bombeiros
Lei 16567 corpo bombeirosLei 16567 corpo bombeiros
Lei 16567 corpo bombeirosJoao Gavron
 
Segurança na Construção Civil.
Segurança na Construção Civil.Segurança na Construção Civil.
Segurança na Construção Civil.Edson Santos
 
Nr33 guia tecnico_espaco_confinado
Nr33 guia tecnico_espaco_confinadoNr33 guia tecnico_espaco_confinado
Nr33 guia tecnico_espaco_confinadoEdemar Oliveira
 
Guia técnico da norma regulamentadora 33
Guia técnico da norma regulamentadora 33Guia técnico da norma regulamentadora 33
Guia técnico da norma regulamentadora 33Robson Peixoto
 

Semelhante a A importância de dados estatísticos na segurança industrial (20)

Segurança industrial a importância do conhecimento de seus conceitos
Segurança industrial   a importância do conhecimento de seus conceitosSegurança industrial   a importância do conhecimento de seus conceitos
Segurança industrial a importância do conhecimento de seus conceitos
 
Fenaseg: Avaliação de Riscos - um eficiente meio de prevenção de perdas
Fenaseg: Avaliação de Riscos - um eficiente meio de prevenção de perdasFenaseg: Avaliação de Riscos - um eficiente meio de prevenção de perdas
Fenaseg: Avaliação de Riscos - um eficiente meio de prevenção de perdas
 
Acidentes na construção civil erro de execução versus erro de projeto
Acidentes na construção civil   erro de execução versus erro de projetoAcidentes na construção civil   erro de execução versus erro de projeto
Acidentes na construção civil erro de execução versus erro de projeto
 
Fenaseg: Segurança Industrial - a importância do conhecimento de seus conceitos
Fenaseg: Segurança Industrial - a importância do conhecimento de seus conceitosFenaseg: Segurança Industrial - a importância do conhecimento de seus conceitos
Fenaseg: Segurança Industrial - a importância do conhecimento de seus conceitos
 
06 est-ge-m2-d2-pii-francisco--josevan-postado-1
06 est-ge-m2-d2-pii-francisco--josevan-postado-106 est-ge-m2-d2-pii-francisco--josevan-postado-1
06 est-ge-m2-d2-pii-francisco--josevan-postado-1
 
NR 18 - Briet Engenharia.pdf
NR 18 - Briet Engenharia.pdfNR 18 - Briet Engenharia.pdf
NR 18 - Briet Engenharia.pdf
 
NR 18 - Briet Engenharia.pptx
NR 18 - Briet Engenharia.pptxNR 18 - Briet Engenharia.pptx
NR 18 - Briet Engenharia.pptx
 
NR 18 - Briet Engenharia.pptx
NR 18 - Briet Engenharia.pptxNR 18 - Briet Engenharia.pptx
NR 18 - Briet Engenharia.pptx
 
Aula 02- Saude e Segurança.pptx
Aula 02- Saude e Segurança.pptxAula 02- Saude e Segurança.pptx
Aula 02- Saude e Segurança.pptx
 
Arlindo cabrito dissertacao (1)
Arlindo cabrito dissertacao (1)Arlindo cabrito dissertacao (1)
Arlindo cabrito dissertacao (1)
 
2012 01 map 1ª categoria
2012 01 map 1ª categoria2012 01 map 1ª categoria
2012 01 map 1ª categoria
 
Cartilha de seguranca_em_obra 1
Cartilha de seguranca_em_obra 1Cartilha de seguranca_em_obra 1
Cartilha de seguranca_em_obra 1
 
Cartilha de seguranca_em_obra
Cartilha de seguranca_em_obraCartilha de seguranca_em_obra
Cartilha de seguranca_em_obra
 
Seguranca trabalho
Seguranca trabalhoSeguranca trabalho
Seguranca trabalho
 
Aula 1.pdf
Aula 1.pdfAula 1.pdf
Aula 1.pdf
 
Lei 16567 corpo bombeiros
Lei 16567 corpo bombeirosLei 16567 corpo bombeiros
Lei 16567 corpo bombeiros
 
Segurança na Construção Civil.
Segurança na Construção Civil.Segurança na Construção Civil.
Segurança na Construção Civil.
 
Nr33 guia tecnico_espaco_confinado
Nr33 guia tecnico_espaco_confinadoNr33 guia tecnico_espaco_confinado
Nr33 guia tecnico_espaco_confinado
 
Guia técnico da norma regulamentadora 33
Guia técnico da norma regulamentadora 33Guia técnico da norma regulamentadora 33
Guia técnico da norma regulamentadora 33
 
Nr33 manual mtb
Nr33 manual mtbNr33 manual mtb
Nr33 manual mtb
 

Mais de Universidade Federal Fluminense

Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personal
Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personalPunto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personal
Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personalUniversidade Federal Fluminense
 
Tipping point, accidents versus personal protective equipment
Tipping point, accidents versus personal protective equipmentTipping point, accidents versus personal protective equipment
Tipping point, accidents versus personal protective equipmentUniversidade Federal Fluminense
 
Pegadas hídricas água, o precioso líquido do presente e do futuro
Pegadas hídricas   água, o precioso líquido do presente e do futuroPegadas hídricas   água, o precioso líquido do presente e do futuro
Pegadas hídricas água, o precioso líquido do presente e do futuroUniversidade Federal Fluminense
 
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador ad corretora de seguros
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador   ad corretora de segurosRc para executivos ganha destaque no mercado segurador   ad corretora de seguros
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador ad corretora de segurosUniversidade Federal Fluminense
 
Percepção, compreensão e avaliação de riscos análise de resultados de pesqu...
Percepção, compreensão e avaliação de riscos   análise de resultados de pesqu...Percepção, compreensão e avaliação de riscos   análise de resultados de pesqu...
Percepção, compreensão e avaliação de riscos análise de resultados de pesqu...Universidade Federal Fluminense
 
Editora roncarati incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos arti...
Editora roncarati   incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos   arti...Editora roncarati   incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos   arti...
Editora roncarati incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos arti...Universidade Federal Fluminense
 
Editora roncarati cenários críticos que ampliam riscos artigos e notícias
Editora roncarati   cenários críticos que ampliam riscos   artigos e notíciasEditora roncarati   cenários críticos que ampliam riscos   artigos e notícias
Editora roncarati cenários críticos que ampliam riscos artigos e notíciasUniversidade Federal Fluminense
 
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015Universidade Federal Fluminense
 
Editora roncarati autovistoria de edificações - considerações gerais arti...
Editora roncarati   autovistoria de edificações - considerações gerais   arti...Editora roncarati   autovistoria de edificações - considerações gerais   arti...
Editora roncarati autovistoria de edificações - considerações gerais arti...Universidade Federal Fluminense
 
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscos
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscosUma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscos
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscosUniversidade Federal Fluminense
 

Mais de Universidade Federal Fluminense (20)

Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personal
Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personalPunto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personal
Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personal
 
Tipping point, accidents versus personal protective equipment
Tipping point, accidents versus personal protective equipmentTipping point, accidents versus personal protective equipment
Tipping point, accidents versus personal protective equipment
 
Pegadas hídricas água, o precioso líquido do presente e do futuro
Pegadas hídricas   água, o precioso líquido do presente e do futuroPegadas hídricas   água, o precioso líquido do presente e do futuro
Pegadas hídricas água, o precioso líquido do presente e do futuro
 
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador ad corretora de seguros
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador   ad corretora de segurosRc para executivos ganha destaque no mercado segurador   ad corretora de seguros
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador ad corretora de seguros
 
Liderança da gestão
Liderança da gestãoLiderança da gestão
Liderança da gestão
 
Percepção, compreensão e avaliação de riscos análise de resultados de pesqu...
Percepção, compreensão e avaliação de riscos   análise de resultados de pesqu...Percepção, compreensão e avaliação de riscos   análise de resultados de pesqu...
Percepção, compreensão e avaliação de riscos análise de resultados de pesqu...
 
Editora roncarati incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos arti...
Editora roncarati   incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos   arti...Editora roncarati   incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos   arti...
Editora roncarati incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos arti...
 
Editora roncarati cenários críticos que ampliam riscos artigos e notícias
Editora roncarati   cenários críticos que ampliam riscos   artigos e notíciasEditora roncarati   cenários críticos que ampliam riscos   artigos e notícias
Editora roncarati cenários críticos que ampliam riscos artigos e notícias
 
Cenários críticos que ampliam riscos
Cenários críticos que ampliam riscosCenários críticos que ampliam riscos
Cenários críticos que ampliam riscos
 
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015
 
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
 
Editora roncarati autovistoria de edificações - considerações gerais arti...
Editora roncarati   autovistoria de edificações - considerações gerais   arti...Editora roncarati   autovistoria de edificações - considerações gerais   arti...
Editora roncarati autovistoria de edificações - considerações gerais arti...
 
Utilidade social e eficiência do mutualismo
Utilidade social e eficiência do mutualismoUtilidade social e eficiência do mutualismo
Utilidade social e eficiência do mutualismo
 
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscos
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscosUma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscos
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscos
 
Teste de adequação de passivos susep
Teste de adequação de passivos   susepTeste de adequação de passivos   susep
Teste de adequação de passivos susep
 
Teoria do risco
Teoria do riscoTeoria do risco
Teoria do risco
 
Teoria do risco tese de doutoramento
Teoria do risco   tese de doutoramentoTeoria do risco   tese de doutoramento
Teoria do risco tese de doutoramento
 
Teoria de utilidade e seguro
Teoria de utilidade e seguroTeoria de utilidade e seguro
Teoria de utilidade e seguro
 
Tecnicas atuariais dos seguros
Tecnicas atuariais dos segurosTecnicas atuariais dos seguros
Tecnicas atuariais dos seguros
 
Tábuas de mortalidade
Tábuas de mortalidadeTábuas de mortalidade
Tábuas de mortalidade
 

A importância de dados estatísticos na segurança industrial

  • 1. -- / . ANO XV RIO DE JANEIRO, 28 DE NOVEMBROE 1983 D NQ 739 ... No próximo dia § de dezembro, ~erã reali~ad~ em Porto ,Alegre o ':Si~pÓS10 :'0- bre Roubode Velculos-Legislaçao Especlflca'., Promovldo pelo ~lndlcato das 1 Empresas de Seguros Privados e de Capitalizaçao no Estado do R10 G~an?e do Sul o evento reunirá desembargadores, juristas, advogados, seguradores e tecnlcos do -. me~ado. Alem dos coordenadores dos debates mencionados no programa (ver ~ nQ~738). exercerão tambem esta função o Presidente da Associação dos Revendedores~d~ Velculos no Rio Grande do Sul, Sr. Sergio Luiz Arns e o Chefe do Departame~to_J~ndlc~ da ~IOVl~ -. HamburgoCompanhiade Seguros Gerais, Dr. RamonG. von Berg. O Slmposlo sera presld~ do pelo Desembargador Adroaldo Furtado Fabricio. Na seção Estudos e Opiniões, divulgamos os t~picos principais da palestra~Se 2 guro de Fiançall, proferida pelo Sr. Hernando Galindo Cubides, membro da Aso: ciaci~n Panamericana de Fianzas e representante da Skandia Seguros de Colom- bia S.A. A palestra foi proferida no audit~rio do Instituto de Resseguros do Bras;l, -. numa promoção do Comitê de Organização (Brasil) da VIII Assembleia-Geral da Associa - ção Pan-Americana de Fianças e Garantias. Começa hoje, em San Francisco (EUA), a XIX Conferência Hemisférica de Se~u - 3 ros. O Brasil estará representado no certame por Delegação sob a presiden - cia do Presidente da FENASEG,Sr. Victor Arthur Renault. A Conferência será realizada em torno de quatro Painéis, em que serão expostos e debatidos quatro temas: a) Gerência de IlMarketin9J1 e Novos Produtos; b) Gerência Financeira e Criação da Ca~a cidade Retentiva; c) Gerencia de Informações - controle e uso dentro da companh1ai dT Gerência de Relações com o Público e o Governo. Durante o certame, seguradores e res -- seguradores participarão de Colóquios a cargo de especialistas de renome internacio ~ nal sobre os seguintes assuntos: a) Novos Produtos do ramo Vída; b) Uso de Computado res; c) Planejamento Estrategico; d) Uso do Mercado Global de Resseguros. - O Conselho Nacional de Seguros Privados divulgou no IIDiário Oficial" da União ~ de 23 de novembro a Resolução CNSPnQ 6/83, que traça normas sobre as propos tas encaminha9as às Sociedades Seguradoras pelos corretores de seguros. Por ... sua vez, a Superintendencia de Seguros Privados publicou no DOU mesmadata as Cir- da culares nQs 42 e 43. Na primeira, a SUSEP altera a Tarifa para os Seguros de Trans - portes (viagens nacionais) Terrestres de Mercadorias, em Rios, Lagos, Balas e no Mes- ... mo Porto, Maritimos de Cabotagem e as Condições de Cobertura (inclusive Disposições Tarifãrias) para o Seguro de Transportes Aéreos de Mercadorias; na segunda Circular altera o Seguro d~ Risco de Engenharia (Circular SUSEP 16/83). Ver seções CNSP e n9 SUSEP -- No pr~ximo dia 8 de dezembro, o Sindicato dos Corretores de Seguros e de Ca- 5 pitalização no Estado de são Paulo pr'omoverãuma palestra seus Múltiplos Aspectos-Final idades-Vantagens". A palestra será sobre "Avaliação e proferida pelo EngQ Alberto Gonçalves de Moura, no auditório do IRB, às 16 horas, ã Rua Manoel de N~brega nQ 1 280. Os interessados em participar do evento deverao retirar o convi ..... te na Secretaria do Sindicato, ã Rua Libero Badaro nQ 293-159 andar. -
  • 2. -. - Estudos e Opiniões A IMPORTÂNCIA DE DADOSESTATíSTICOS - NA SEGURANÇAINDUSTRIAL Eng2 Antonio Fernando de Ao Navarro Pereira Uma das grandes deficiências que existem na área da Se - gurança Industrial, principalmente para quem trabalha na área prevencionista, é a completa ausência de dados est~ tisticos relacionados com a ocorrência de acidentes , de todos os tipos (incêndios, desabamentos, desmoronamentos, acidentes pessoais, explosões, etc.) A estatistica, quando bem elaborada, aplica-se a todas - as áreas da Segurança Industrial. Para que compreendamos melhor sua importância, definiremos o universo de abran - gência da Segurança Industrial, e onde o levantamento es tatistico de dados é aplicadoo - A Segurança Industrial é um conjunto de medidas e proce- , dimentos, a luz de normas e regulamentos conhecidos, cu- , - jos resultados conduzem a uma maior segurança na indus triao Para que esse conjunto de medidas seja eficiente , - torna-se necessario que o campo de atuaçao abranja, com totalidade : as atividades humanas; as instalações; as edificações; os equipamentos e maquinismos e, finalmente, o escopo de toda atividade indu~trial, que é a fabrica - ção com lucroo Dessa forma, como vimos, no universo a -' brangido pela Segurança Industrial existem infinitas in- terfaces nos conjuntos de atuação o Dentro desse conjunto - de atividades,a Segurança Industrial trata individual das pessoas, da proteção das proteções : coletivas e da ra- cionalização dos trabalhos, todas no âmbito de ativida - , H lIIIIiIii. des humanas; na area da segurança das instalaçoesa abo~ , dagem e feita quanto ao projeto, montagem e funcionamen- to dos instalações, compreendendo desde as instalações de proteção e combate a incêndios {detectores, alarmes BI.739*pãg.Ol*28.11.83 i jI
  • 3. -" .- ... . ( h . ' (. . manua1S, ha I on, CO 2' espuma qUlmlca, po qU1mlco, e uve1- ros autom~ticos-sprinklers, sistemas dil~vio-water spray, hidrantes-hose,mangotinhos-hose ções que transportam , , N reels, ete), as instala- flúidos ,e gases comprimidos ou nao, - oleos, agua, etc.) e as instalaçoes de luz e força; qua~ to às edificações, a Segurança Industrial aborda a insta N' N laçao de industrias, "lay-outs" de edificaçoes, elementos' construtivosutilizadose o conforto interno dos edif! - , N cios, tais como o conforto termico, de iluminaçao, de cores, etc.; quanto aos maquinismo~ verifica-se a monta- gem e funcionamento desses, e as implicações que qual , - quer tipo de desarranjo possa provocar nos operarios e nas instalações; ao interagir na ~rea de fabricaçã~ a Se - gurança Industrial o faz sob o prisma dessa quando desa~ sistida ou sem a manutençãoadequada vir a prejudicar ' as pessoas e as edificações. Atualmente,uma pequena cor- rente de aficcionadospela Segurança Industrial j~ se preocupa com a Garantia da Qualidade dos produtos. , Enfim, como pode-se observar, a Segurança Industrial e -- bastante abrangente, ~omo não poderia deixar de ser. De~ sa farma, todo e qualquer subsidio que venha ao encontro dela deve ser enaltecido e estimulado. Um desses subsi - dios que poderia se contar é com a estatística, princi - polmente no tocante ao levantamento de dados estatisti - cos na ~rea industrial. Infelizmente nosso Pais é muito' pobre em estatisticasdessa natureza, e sempre que se N ( quer dar algum exemplo,lança-se mao de dados estat1sti cos coletados e processados em outros paises. A importância da existência de dados estatísticos na ~ rea de abrang;ncia da Segurança Industrial é muito gran- de, porque,quando bem elaborados e coletádos, seguindo · , N , uma orientaçoo pre-determinada, podera redundar em meno- res dispendios A de capital na implantaçao -,dessa, ja que muitos dos erros cometidos no passado poderão ser evita- dos no futuro ~ com isso, poder-se-~ rever alguns con -. eeitos, elaborar novos regulamentos e normas, rever ta BI.739*Pãg.OZ*28.11.83. --
  • 4. - xas de seguros, ete. Um outro fator da mais alta importôncia que poder~ ser revisto é a uniformizaç~o de critérios para a adoç~o de regulamentos. Ao implantar-se a Segurança Indus trial, p~ derá ser verificado que as muitas normas existentes di- - vergem uma das outras em muitos pontos. Algumas firmas, I . por sua vez,possuem suas propr1as normas e regulamentos. A titulo de exemplo, o equipamento mais simples e 'comum de proteç~o contra inc~ndio-extintor port~til - somente quanto ao seu posicionamento possui muitos regulamentos divergentes. Se observada a Circular do Mercado Segura- I _ do~ devera estar a uma altura nao superior a 1,70metros; Se o regulamento adotado for o do Corpo de Bombeiros essa altura passa a ser de l,80metros; Se, entretanto I quiser se seguir a Portaria do Ministerio do Trabalho , deverá se reduzir essa mesma altura para l,60metros. C~ A (,." , mo - se ve, para um ~tem tao simples, que e a alturaA de I fi xaçao de unidades extintoras em paredes,temos tres nume , I ros discrepantes quanto a altura maxima a ser adotada . . Essa mesma irregularidade existe quanto a uma infinida- t . '. , .A . de de ~tens em uma ~ndustr~ao Atraves de exper~enc~as' adquiridas e comprovadas por meio de dados estatisticos aplicados ~s coisas mais simples, poder-se-á adotar - favorecendo o proprietário das instalações, um ~nico critério para cada caso. A estatistica porém não se aplica somente a equipamen tos, e conforme comentamos anteriormente, poder~ propi- ciar a redução de taxas de seguros. O Mercado Segurador brasileiro, quando da elaboração das tarifas e taxas de - tos estat~sticos que, naquela ,__ seguros,utilizou-se, entre outras fontes, de levantame~ t (N de outros pa~ses que nao o nosso por epoca, como agora, nao dispunhamos de - um cadastro de sinistros completo. , Em nossa opinião, qualquer tipo de levantamento devera BI.739*Pãg.03*28.11.83 -
  • 5. . - .... ser executado levando-se em consideraç~o o tipo de ati - vidade, a qualidade da construç~o, bem como o tipo. de ac,! ... , , dente ocorrido. Atraves desses levantamentos,ter-se-a H , condiçoes de acompanhar o aumento ou o decrescimo no número de acidentes ocorridos e,assim, poder se rever o valor numérico das taxas de seguros atualmente em vigor. Esse estudo permitir~, inclusive, fixar-se com razoável' margem de precisão o valor da taxa mínima de segu~. -. Porque a taxa mfnima no seguro incêndio é de 0,10% ? Se- ,... af ' ra que nao poderia ser 0,15~ ? Ou quem sabe 0,07 ? Sera' ... { ( ... que nao poderlamos ter um grupo de taxas mlnimas, para ' , um grupo de atividades que mais se assemelham? Sera que a redução nas taxas, proporcionada pela existência de e- .... - 'A"'" , quipamentos de proteçao e combate a incendios, nao e exa- gerada ? Ou quem sab~ não pode ser ampliada ? Enfim, todas essas e outras perguntas mais poderiam ser , A respondidas caso tivessemos uma experiencia anterior, ...... proporcionada por levantamentos estatísticos. Afora a vis~o do Mer~ado Segurador, que envolve custos ' , ... .... diretos com o pagamento de seguros, temos tambem a visao da Segurança Industrial. Cabe esclarecer aqui que todo investimento feito com a Segurança Industrial representa um custo imediato, para um beneffcio,no minimo,a médio prazo. ~:es te caso, da Segurança Indus tr ial, a es tat f s t i- , ... ca podera ajudar no aprimoramento das inspeçoes e.audi - torias e,com isso, enfatizar os itens mais problemáti - - ... ... , cos em uma instalaçao ou uma edificaçao, ja que sabe-se, ... ... ( de antemao,quais sao esses ltens. - . , " O Ministerio de Trabalho possui uma estatistica razoavel sobre acidentes do trabalho. Os Corpos d~ Bombeiros, por , ,,. -. sua vez,tambem possuem um registro confiavel sobre ince~ dios. O Mercado Segurador trabalha com coeficientes de sinistralidade" O que se vê,então,é que a associação de! - , , ses varios levantamentos, orientando-os, podera redundar - BI.739*pãg.04*28.11.83 - -
  • 6. em uma estat!stica bastante abrangente, que irá benefi ~ olar todos os setores envolvidos e,principalmente, o dono da indústria. N , "Qssa proposiçao e que seja elaborado um levantamento que possua, entre outros dados, o setor de atividade - (construção civil, indústria de plástico, indústria mecâ , . "ica, etc.), o numero de empresas cadastradas no levan ~ tamento, o número de empregados, o número de acidente~ e o tipo de acidente, o !ndice percentual de acidentes por tipo, ~tc... - * * * - * .- BI.739*Pãg.05*28.11.a~