SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
TURMA: 1º ANO
                 DISCIPLINA – BIOLOGIA




     Desequilíbrio Ambiental


Prof. Antonio Fernandes
Desequilíbrio Ambiental
• “ O que me preocupa não é o grito dos
     violentos, é o silêncio dos bons”
                            Martin Luther King Jr
Desequilíbrio ambiental
• Causas naturais




• Atividade humana
Consequência
  • Resiliência              • Capacidade de
    ambiental            X
                                  suporte
• (capacidade que um         • (capacidade limite
  ecossistema tem de
  sofrer perturbações,           de utilização ou
    sem perder suas             poluição que um
      propriedades            ecossistema suporta
   fundamentais nem             sem alterar a sua
    deixar de cumprir
   suas funções mais           qualidade ecológica
     importantes).                ou sanitária).
SOLO
Poluição do solo
• Presença de elementos químicos
  estranhos, de origem humana, que
  prejudiquem as formas de vida e
  seu desenvolvimento.
• Mais comuns:
                             industriais
urbano - lixo             agrícola
Poluição urbana - lixo

• Improdutividade da terra
• Proliferação de doenças
• Contaminação do lençol
  freático

• Aparente solução:
Aterro sanitário

• Solução viável:
Reciclagem e compostagem
Poluição agrícola
• Utilização indiscriminada de agrotóxicos.
• Contaminação da fauna e corpos
  hídricos
• Pode causar bioacumulação e/ou
  biomagnificação.
Bioacumulação
• É capacidade de um
  organismo acumular
  determinada substância
  não natural ao seu
  organismo.

• Ex: Santo Amaro da
  Purificação
• Cobrac- beneficiamento
  do chumbo – 490t em 33
  anos.
• Contaminação por
  chumbo, cádmio e zinco.
Biomagnificação

• Biomagnificação – é
  quando a substância
  acumulada passa para
  outros organismos
  através da cadeia
  alimentar.
• Modos: Ingestão,
  inalação e absorção pela
  pele.
• Ex: DDT, mercúrio
Bioacumulação
     É o processo através do qual os seres vivos absorvem e retêm
 substâncias químicas no seu organismo; pode ser de uma forma direta
através do ambiente que os envolve (bioconcentração) e indiretamente
a partir da alimentação (biomagnificação). Este processo implica várias
etapas na cadeia alimentar e diferentes tipos de alimentação. À medida
    que se sobe no nível trófico maior será a quantidade de químicos
 acumulados no ser vivo uma vez que este, para além dos compostos
 que o seu organismo já absorveu, vai ainda concentrar os que provêm
 da alimentação. Verifica-se que nos animais predadores os valores de
   concentração são mais elevados que nos animais de que estes se
   alimentam. Inúmeros são os perigos que advêm para as gerações
vindouras pois ao longo da vida uma mulher armazena POPs nos seus
       tecidos gordos e liberta parte no momento da gravidez e da
 amamentação. Assim, diminui as reservas que demoraram décadas a
acumularem-se e que passam em pouco tempo para o bebé atingindo-o
                 no período mais vulnerável da sua vida.
ÁGUA
Poluição da água
• Presença de elementos
  químicos estranhos, de origem
  humana, que prejudiquem as
  formas de vida aquáticas e seu
  desenvolvimento.
                              efluentes
• Mais comuns:              industriais

efluentes urbanos -
                                          agrotóxicos
esgotos
                  mineração
Efluentes
• Tipos:
   – Urbanos
   – Agrícolas
   – Industriais

• Interferem nas condições
  adequadas da água:
• Alteram o pH;
• Diminuem a concentração do
  O2;
• Aumentam a concentração do
  CO2;
• Aumento excessivo de
  nutrientes (ricos em fósforo ou
  nitrogênio), que causam a
  eurofização e maré vermelha.
Eutrofização artificial

• É a 1 – a proliferação
  excessiva de microalgas,
  que, 2 - ao entrarem em
  decomposição, levam a 3 –
  morte de animais
  aquáticos e 4 - aumento
  do número de
  microorganismos.
• Causa: aumento excessivo
  da concentração de nitrito
  e fosfato.
Maré Vermelha
• É a 1 - proliferação de
  microalgas (Pirrófitas) nos
  estuários ou no mar, que 2
  - liberam uma toxina que
  3 - além de matar
  diminuem a concentração
  de O2 na água.

• A alta concentração
  produz uma mudança de
  cor na água, que se torna
  vermelha ou marrom.
Maré negra
As marés negras dizem respeito à poluição dos mares e zonas
  litorais por grandes manchas de hidrocarbonetos (petróleo e
derivados), os quais representam cerca de 10% do total anual da
 poluição dos oceanos. Todos os anos são derramadas cerca de
        3 000 000 de toneladas de petróleo nos oceanos.
As principais causas de marés negras são a ruptura de oleodutos,
o transporte de hidrocarbonetos em alto-mar, pelos petroleiros, e
as atividades de exploração petrolífera off-shore (plataformas de
   exploração de jazigos de petróleo, através de perfurações
submarinas, localizadas nos limites das plataformas continentais).
AR
Regionais – Poluição do ar

• Principais
  contribuições:
Principais Poluentes
             Atmosféricos
Monóxido de Carbono, de fórmula CO,
      É um gás inflamável, incolor e inodoro. Essa última
      característica faz com que este gás seja altamente
     perigoso, ele é produzido pela queima incompleta de
   combustíveis fósseis como, por exemplo, lenha, carvão
  vegetal e mineral, gasolina, querosene, óleo diesel, entre
                              outros.
     Se liga facilmente a hemoglobina,o que pode levar a
             diminuição no transporte de oxigênio.
O fato de não possuir cheiro dá ao CO o apelido: assassino
    silencioso, afinal, já foram muitos casos de inalação e
   intoxicação imperceptíveis. Como o processo é lento, a
vítima só se dá conta do ocorrido após altas doses inaladas.
Óxido de Nitrogênio (NO) – Queima de combustíveis
  fósseis, industrias de fertilizantes , produção de isopor.
Se transforma em NO2 em seguida às reações que ocorrem
   na atmosfera. Essas reações podem levar horas, até
                       mesmo, dias.
  Causam problemas respiratórios, inclusive doenças no
           pulmão como o enfisema pulmonar.
  Esses óxidos contribuem para a formação de ácidos na
  atmosfera e são, em parte, também responsáveis pelo
        fenômeno conhecido como chuvas ácidas.
Chuvas ácidas
• Queima de combustíveis fósseis (carvão, óleo diesel,
  gasolina entre outros) e atividades industriais, formam
  nuvens, neblinas, neve com pH abaixo do normal.
• Na atmosfera formam ácido sulfúrico ou ácido nítrico.
  Danificam o solo, água, plantas e construções.
Dióxido de Enxofre SO2
                                        Naturais
                atividade vulcânica- descargas eléctricas na atmosfera
                                    Antropogénicas
Queima de combustíveis fósseis nas indústrias - pequenas quantidades resultantes da
                queima de combustíveis fósseis nos veículos a diesel
                               Efeitos do SO2 na Saúde
   Gás irritante para as mucosas dos olhos e vias respiratórias em concentrações
elevadas, pode provocar efeitos agudos e crónicos na saúde humana, especialmente
ao nível do aparelho respiratório pode agravar problemas cardiovasculares os efeitos
   são agravados pela presença simultânea do SO2 e de partículas na atmosfera.

                             Efeitos do SO2 no Ambiente
O enxofre (S) libertado na queima de combustíveis fósseis combina-se com o oxigénio
                          do ar e forma-se SO2 S + O2 Þ SO2

O SO2 formado pode reagir novamente com o oxigénio do ar para dar SO3 (trióxido de
                            enxofre) SO2 + O2 Þ SO3

O trióxido na presença de humidade dá origem ao ácido sulfúrico SO3 + H2O Þ H2SO4

  Este ácido contribui para a formação das chuvas ácidas, com consequente
          acidificação das águas, solos, lesões nas plantas, materiais, etc.
Efeito estufa
• Processo natural que está sendo
  intensificado pelas emissões
  constantes de gases estufa (CO2,
  metano, óxido nitroso).
• Fontes: automóveis, queimadas,
  indústrias, decomposição de matéria
  orgânica e ovinos e bovinos.
• Algumas consequências:
Crescimento populacional
Curva em J
Impactos do crescimento populacional

• Áreas para habitação       Desmatamento

• Alimento                   Fome

• Recursos Naturais (água)   Guerra

• Outros Rec Naturais        Devastação

• Prod. Industrializados     Poluição
Desenvolvimento sustentável

• Países desenvolvidos
  comportam 20% da
  população mundial, mas
  utilizam cerca de 88% dos
  recursos naturais e
  produzem 75% dos
  resíduos.
Desenvolvimento sustentável

Depende da satisfação de necessidades como:
• Alimento suficiente em quantidade e variedade
• Ar puro
• Água potável
• Abrigo
• Trabalho digno e seguro
• Cuidados de saúde
• Oportunidades educativas
       e culturais.
Desenvolvimento de sociedades
                 sustentáveis

• Exige a adoção dos seguintes comportamentos:
• Utilização dos recursos renováveis a uma taxa inferior à da
  sua reposição pela natureza;
• Utilização mais eficiente dos recursos não renováveis;
• Prevenção da poluição e limpeza das zonas poluídas;
• Redução da produção de resíduos e tratamento dos que
  forem produzidos;
• Proteção das espécies e dos seus habitats;
• Estabilização da população.
Atividades
•Considera as figuras 01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08 e 09 respeitantes a
algumas causas de desequilíbrio dos ecossistemas.




                                               01
                                                                          07
                               08
       03
                                    04

                                                              05




                      06                       09                        02

 1 Quais figuras representam desequilíbrios nos ecossistemas decorrentes
 diretamente da atividade humana.
 2 Quais figuras representam causas naturais (não diretamente relacionadas com
 a ação humana) de desequilíbrio dos ecossistemas.
• 1 -ar é imprescindível à sobrevivência de muitos poluir vivos. Por isso,
  O Indique 3 atividades humanas suscetíveis de seres a atmosfera.
• 2-problema da poluiçãoambientais globais provocados pela poluição
  o Indique 2 problemas atmosférica adquiriu uma enorme importância,
  do ar.que altera a qualidade do ar, e não só ... Observa a figura.
  visto
• 1 - Identifique o desastre ambiental representado.
• 2- Indique dois gases poluentes responsáveis por este problema.
• 3- Cite 3 conseqüências deste desastre ambiental.
Obrigado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SEMANA 02 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - PERTURBAÇÃO AMBIENTAL
SEMANA 02 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - PERTURBAÇÃO AMBIENTALSEMANA 02 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - PERTURBAÇÃO AMBIENTAL
SEMANA 02 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - PERTURBAÇÃO AMBIENTALGernciadeProduodeMat
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteMarilucia Santos
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossínteseprodeinha
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambientelaiszanatta
 
DesequilíBrios Ambientais Completo
DesequilíBrios Ambientais CompletoDesequilíBrios Ambientais Completo
DesequilíBrios Ambientais Completoprofatatiana
 
V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaRebeca Vale
 
Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaCésar Milani
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoKiller Max
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasSilvana Sanches
 
Plano de aula 1º bimestre biologia - 1º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre   biologia - 1º ano matutino - 2022Plano de aula 1º bimestre   biologia - 1º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre biologia - 1º ano matutino - 2022dibugiu
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e VírusIsabel Lopes
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoMarcia Bantim
 
Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]
Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]
Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]Ronaldo Santana
 
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado   Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado saramandaia
 
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)Guilherme Lopes
 
Metabolismo Energético
Metabolismo EnergéticoMetabolismo Energético
Metabolismo EnergéticoKiller Max
 

Mais procurados (20)

SEMANA 02 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - PERTURBAÇÃO AMBIENTAL
SEMANA 02 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - PERTURBAÇÃO AMBIENTALSEMANA 02 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - PERTURBAÇÃO AMBIENTAL
SEMANA 02 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - PERTURBAÇÃO AMBIENTAL
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio Ambiente
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
 
DesequilíBrios Ambientais Completo
DesequilíBrios Ambientais CompletoDesequilíBrios Ambientais Completo
DesequilíBrios Ambientais Completo
 
V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologia
 
Camada de ozonio
Camada de ozonioCamada de ozonio
Camada de ozonio
 
Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vida
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
 
Plano de aula 1º bimestre biologia - 1º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre   biologia - 1º ano matutino - 2022Plano de aula 1º bimestre   biologia - 1º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre biologia - 1º ano matutino - 2022
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
 
Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]
Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]
Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]
 
Poluição ambiental
Poluição ambientalPoluição ambiental
Poluição ambiental
 
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado   Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
 
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
 
Meio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpointMeio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpoint
 
Metabolismo Energético
Metabolismo EnergéticoMetabolismo Energético
Metabolismo Energético
 

Semelhante a Desequilíbrios ambientais: causas e consequências

9º ano B - Impactos ambientais da industrialização
9º ano B - Impactos ambientais da industrialização9º ano B - Impactos ambientais da industrialização
9º ano B - Impactos ambientais da industrializaçãoartedasustentabilidade
 
Poluição e desertificao final
Poluição e desertificao finalPoluição e desertificao final
Poluição e desertificao finalbfp1997
 
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosferaImpacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosferaGrupo2apcm
 
Poluição dos solos apresentação
Poluição dos solos apresentaçãoPoluição dos solos apresentação
Poluição dos solos apresentaçãoMaria Paredes
 
27072437 4-ciencias-naturais-8âº-ano-perturbacoes-no-equilibrio-dos-ecossistemas
27072437 4-ciencias-naturais-8âº-ano-perturbacoes-no-equilibrio-dos-ecossistemas27072437 4-ciencias-naturais-8âº-ano-perturbacoes-no-equilibrio-dos-ecossistemas
27072437 4-ciencias-naturais-8âº-ano-perturbacoes-no-equilibrio-dos-ecossistemasDeolinda Silva
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientaisladyacp
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambientalPaulo Vaz
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambientalPaulo Vaz
 
material_6969a6ad2a.ppt
material_6969a6ad2a.pptmaterial_6969a6ad2a.ppt
material_6969a6ad2a.pptNuno Melo
 
PoluiçãO
PoluiçãOPoluiçãO
PoluiçãOsioly
 

Semelhante a Desequilíbrios ambientais: causas e consequências (20)

Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
 
9º ano B - Impactos ambientais da industrialização
9º ano B - Impactos ambientais da industrialização9º ano B - Impactos ambientais da industrialização
9º ano B - Impactos ambientais da industrialização
 
Poluição e desertificao final
Poluição e desertificao finalPoluição e desertificao final
Poluição e desertificao final
 
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosferaImpacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
 
Poluição dos solos apresentação
Poluição dos solos apresentaçãoPoluição dos solos apresentação
Poluição dos solos apresentação
 
27072437 4-ciencias-naturais-8âº-ano-perturbacoes-no-equilibrio-dos-ecossistemas
27072437 4-ciencias-naturais-8âº-ano-perturbacoes-no-equilibrio-dos-ecossistemas27072437 4-ciencias-naturais-8âº-ano-perturbacoes-no-equilibrio-dos-ecossistemas
27072437 4-ciencias-naturais-8âº-ano-perturbacoes-no-equilibrio-dos-ecossistemas
 
Unidade5 bio12 ano20_21
Unidade5 bio12 ano20_21Unidade5 bio12 ano20_21
Unidade5 bio12 ano20_21
 
Alterações ambientais
Alterações ambientaisAlterações ambientais
Alterações ambientais
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Impactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivoImpactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivo
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambiental
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambiental
 
Aula 24 poluição
Aula 24   poluiçãoAula 24   poluição
Aula 24 poluição
 
material_6969a6ad2a.ppt
material_6969a6ad2a.pptmaterial_6969a6ad2a.ppt
material_6969a6ad2a.ppt
 
2016 Frente 3 módulo 15 Poluição
2016 Frente 3 módulo 15 Poluição2016 Frente 3 módulo 15 Poluição
2016 Frente 3 módulo 15 Poluição
 
PoluiçãO
PoluiçãOPoluiçãO
PoluiçãO
 
Catastrofes humanas novo
Catastrofes humanas novoCatastrofes humanas novo
Catastrofes humanas novo
 
Desequilíbrio ambiental
Desequilíbrio ambientalDesequilíbrio ambiental
Desequilíbrio ambiental
 

Mais de Antonio Fernandes

Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...
Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...
Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...Antonio Fernandes
 
Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Antonio Fernandes
 
Apresentação I geocentricoheliocentrico
Apresentação I geocentricoheliocentricoApresentação I geocentricoheliocentrico
Apresentação I geocentricoheliocentricoAntonio Fernandes
 
Trab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma Amazon
Trab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma AmazonTrab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma Amazon
Trab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma AmazonAntonio Fernandes
 
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e EcossitemasConceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e EcossitemasAntonio Fernandes
 

Mais de Antonio Fernandes (11)

Sistema circulatorio 2011
Sistema circulatorio 2011Sistema circulatorio 2011
Sistema circulatorio 2011
 
Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...
Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...
Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...
 
A terra Vista do Céu
A terra Vista do CéuA terra Vista do Céu
A terra Vista do Céu
 
Projeto pintores
Projeto pintoresProjeto pintores
Projeto pintores
 
Apresentação+tarsila 2010
Apresentação+tarsila 2010Apresentação+tarsila 2010
Apresentação+tarsila 2010
 
Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas
 
Sistema Digestório Carmo
Sistema Digestório CarmoSistema Digestório Carmo
Sistema Digestório Carmo
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos
 
Apresentação I geocentricoheliocentrico
Apresentação I geocentricoheliocentricoApresentação I geocentricoheliocentrico
Apresentação I geocentricoheliocentrico
 
Trab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma Amazon
Trab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma AmazonTrab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma Amazon
Trab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma Amazon
 
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e EcossitemasConceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
 

Último

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 

Desequilíbrios ambientais: causas e consequências

  • 1. TURMA: 1º ANO DISCIPLINA – BIOLOGIA Desequilíbrio Ambiental Prof. Antonio Fernandes
  • 2. Desequilíbrio Ambiental • “ O que me preocupa não é o grito dos violentos, é o silêncio dos bons” Martin Luther King Jr
  • 3. Desequilíbrio ambiental • Causas naturais • Atividade humana
  • 4.
  • 5. Consequência • Resiliência • Capacidade de ambiental X suporte • (capacidade que um • (capacidade limite ecossistema tem de sofrer perturbações, de utilização ou sem perder suas poluição que um propriedades ecossistema suporta fundamentais nem sem alterar a sua deixar de cumprir suas funções mais qualidade ecológica importantes). ou sanitária).
  • 7. Poluição do solo • Presença de elementos químicos estranhos, de origem humana, que prejudiquem as formas de vida e seu desenvolvimento. • Mais comuns: industriais urbano - lixo agrícola
  • 8. Poluição urbana - lixo • Improdutividade da terra • Proliferação de doenças • Contaminação do lençol freático • Aparente solução: Aterro sanitário • Solução viável: Reciclagem e compostagem
  • 9. Poluição agrícola • Utilização indiscriminada de agrotóxicos. • Contaminação da fauna e corpos hídricos • Pode causar bioacumulação e/ou biomagnificação.
  • 10. Bioacumulação • É capacidade de um organismo acumular determinada substância não natural ao seu organismo. • Ex: Santo Amaro da Purificação • Cobrac- beneficiamento do chumbo – 490t em 33 anos. • Contaminação por chumbo, cádmio e zinco.
  • 11. Biomagnificação • Biomagnificação – é quando a substância acumulada passa para outros organismos através da cadeia alimentar. • Modos: Ingestão, inalação e absorção pela pele. • Ex: DDT, mercúrio
  • 12. Bioacumulação É o processo através do qual os seres vivos absorvem e retêm substâncias químicas no seu organismo; pode ser de uma forma direta através do ambiente que os envolve (bioconcentração) e indiretamente a partir da alimentação (biomagnificação). Este processo implica várias etapas na cadeia alimentar e diferentes tipos de alimentação. À medida que se sobe no nível trófico maior será a quantidade de químicos acumulados no ser vivo uma vez que este, para além dos compostos que o seu organismo já absorveu, vai ainda concentrar os que provêm da alimentação. Verifica-se que nos animais predadores os valores de concentração são mais elevados que nos animais de que estes se alimentam. Inúmeros são os perigos que advêm para as gerações vindouras pois ao longo da vida uma mulher armazena POPs nos seus tecidos gordos e liberta parte no momento da gravidez e da amamentação. Assim, diminui as reservas que demoraram décadas a acumularem-se e que passam em pouco tempo para o bebé atingindo-o no período mais vulnerável da sua vida.
  • 13. ÁGUA
  • 14. Poluição da água • Presença de elementos químicos estranhos, de origem humana, que prejudiquem as formas de vida aquáticas e seu desenvolvimento. efluentes • Mais comuns: industriais efluentes urbanos - agrotóxicos esgotos mineração
  • 15. Efluentes • Tipos: – Urbanos – Agrícolas – Industriais • Interferem nas condições adequadas da água: • Alteram o pH; • Diminuem a concentração do O2; • Aumentam a concentração do CO2; • Aumento excessivo de nutrientes (ricos em fósforo ou nitrogênio), que causam a eurofização e maré vermelha.
  • 16. Eutrofização artificial • É a 1 – a proliferação excessiva de microalgas, que, 2 - ao entrarem em decomposição, levam a 3 – morte de animais aquáticos e 4 - aumento do número de microorganismos. • Causa: aumento excessivo da concentração de nitrito e fosfato.
  • 17. Maré Vermelha • É a 1 - proliferação de microalgas (Pirrófitas) nos estuários ou no mar, que 2 - liberam uma toxina que 3 - além de matar diminuem a concentração de O2 na água. • A alta concentração produz uma mudança de cor na água, que se torna vermelha ou marrom.
  • 19. As marés negras dizem respeito à poluição dos mares e zonas litorais por grandes manchas de hidrocarbonetos (petróleo e derivados), os quais representam cerca de 10% do total anual da poluição dos oceanos. Todos os anos são derramadas cerca de 3 000 000 de toneladas de petróleo nos oceanos. As principais causas de marés negras são a ruptura de oleodutos, o transporte de hidrocarbonetos em alto-mar, pelos petroleiros, e as atividades de exploração petrolífera off-shore (plataformas de exploração de jazigos de petróleo, através de perfurações submarinas, localizadas nos limites das plataformas continentais).
  • 20. AR
  • 21. Regionais – Poluição do ar • Principais contribuições:
  • 22. Principais Poluentes Atmosféricos Monóxido de Carbono, de fórmula CO, É um gás inflamável, incolor e inodoro. Essa última característica faz com que este gás seja altamente perigoso, ele é produzido pela queima incompleta de combustíveis fósseis como, por exemplo, lenha, carvão vegetal e mineral, gasolina, querosene, óleo diesel, entre outros. Se liga facilmente a hemoglobina,o que pode levar a diminuição no transporte de oxigênio. O fato de não possuir cheiro dá ao CO o apelido: assassino silencioso, afinal, já foram muitos casos de inalação e intoxicação imperceptíveis. Como o processo é lento, a vítima só se dá conta do ocorrido após altas doses inaladas.
  • 23. Óxido de Nitrogênio (NO) – Queima de combustíveis fósseis, industrias de fertilizantes , produção de isopor. Se transforma em NO2 em seguida às reações que ocorrem na atmosfera. Essas reações podem levar horas, até mesmo, dias. Causam problemas respiratórios, inclusive doenças no pulmão como o enfisema pulmonar. Esses óxidos contribuem para a formação de ácidos na atmosfera e são, em parte, também responsáveis pelo fenômeno conhecido como chuvas ácidas.
  • 24. Chuvas ácidas • Queima de combustíveis fósseis (carvão, óleo diesel, gasolina entre outros) e atividades industriais, formam nuvens, neblinas, neve com pH abaixo do normal. • Na atmosfera formam ácido sulfúrico ou ácido nítrico. Danificam o solo, água, plantas e construções.
  • 25. Dióxido de Enxofre SO2 Naturais atividade vulcânica- descargas eléctricas na atmosfera Antropogénicas Queima de combustíveis fósseis nas indústrias - pequenas quantidades resultantes da queima de combustíveis fósseis nos veículos a diesel Efeitos do SO2 na Saúde Gás irritante para as mucosas dos olhos e vias respiratórias em concentrações elevadas, pode provocar efeitos agudos e crónicos na saúde humana, especialmente ao nível do aparelho respiratório pode agravar problemas cardiovasculares os efeitos são agravados pela presença simultânea do SO2 e de partículas na atmosfera. Efeitos do SO2 no Ambiente O enxofre (S) libertado na queima de combustíveis fósseis combina-se com o oxigénio do ar e forma-se SO2 S + O2 Þ SO2 O SO2 formado pode reagir novamente com o oxigénio do ar para dar SO3 (trióxido de enxofre) SO2 + O2 Þ SO3 O trióxido na presença de humidade dá origem ao ácido sulfúrico SO3 + H2O Þ H2SO4 Este ácido contribui para a formação das chuvas ácidas, com consequente acidificação das águas, solos, lesões nas plantas, materiais, etc.
  • 26. Efeito estufa • Processo natural que está sendo intensificado pelas emissões constantes de gases estufa (CO2, metano, óxido nitroso). • Fontes: automóveis, queimadas, indústrias, decomposição de matéria orgânica e ovinos e bovinos.
  • 30.
  • 31. Impactos do crescimento populacional • Áreas para habitação Desmatamento • Alimento Fome • Recursos Naturais (água) Guerra • Outros Rec Naturais Devastação • Prod. Industrializados Poluição
  • 32. Desenvolvimento sustentável • Países desenvolvidos comportam 20% da população mundial, mas utilizam cerca de 88% dos recursos naturais e produzem 75% dos resíduos.
  • 33. Desenvolvimento sustentável Depende da satisfação de necessidades como: • Alimento suficiente em quantidade e variedade • Ar puro • Água potável • Abrigo • Trabalho digno e seguro • Cuidados de saúde • Oportunidades educativas e culturais.
  • 34. Desenvolvimento de sociedades sustentáveis • Exige a adoção dos seguintes comportamentos: • Utilização dos recursos renováveis a uma taxa inferior à da sua reposição pela natureza; • Utilização mais eficiente dos recursos não renováveis; • Prevenção da poluição e limpeza das zonas poluídas; • Redução da produção de resíduos e tratamento dos que forem produzidos; • Proteção das espécies e dos seus habitats; • Estabilização da população.
  • 36. •Considera as figuras 01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08 e 09 respeitantes a algumas causas de desequilíbrio dos ecossistemas. 01 07 08 03 04 05 06 09 02 1 Quais figuras representam desequilíbrios nos ecossistemas decorrentes diretamente da atividade humana. 2 Quais figuras representam causas naturais (não diretamente relacionadas com a ação humana) de desequilíbrio dos ecossistemas.
  • 37. • 1 -ar é imprescindível à sobrevivência de muitos poluir vivos. Por isso, O Indique 3 atividades humanas suscetíveis de seres a atmosfera. • 2-problema da poluiçãoambientais globais provocados pela poluição o Indique 2 problemas atmosférica adquiriu uma enorme importância, do ar.que altera a qualidade do ar, e não só ... Observa a figura. visto
  • 38. • 1 - Identifique o desastre ambiental representado. • 2- Indique dois gases poluentes responsáveis por este problema. • 3- Cite 3 conseqüências deste desastre ambiental.