SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
RELAÇÕES ECOLÓGICAS
TIPOS DE RELAÇÕES
Relações harmônicas: (+/+) ou (+/0)
Relações desarmônicas: (+/-)
Relações interespecíficas: Entre
 espécies diferentes.
Relações intra-específicas: Dentro da
 mesma espécie.
RELAÇÕES ECOLÓGICAS

SOCIEDADE
São agrupamentos de indivíduos da mesma espécie que
têm plena capacidade de vida isolada mas preferem viver
na coletividade. Os indivíduos de uma sociedade têm
independência física uns dos outros.
Insetos sociais:Abelhas, cupins e formigas.




COLÔNIA
Agrupamento de indivíduos da mesma espécie que
revelam profundo grau de interdependência e se
mostram ligados uns aos outros, sendo-lhes
impossível a vida quando isolados do conjuntos,
podendo ou não ocorrer divisão do trabalho.
RELAÇÕES HARMÔNICAS INTRA-ESPECÍFICAS



     Colônia (+/+)
       Ligação
        física.
Sociedade (+/+)
         Sem ligação física.
         Divisão em castas
              sociais.


Rainha                      Zangão




                 Operária
RELAÇÕES HARMÔNICAS INTERESPECÍFICAS


    Mutualismo (+/
         +)
        União
     obrigatória.
Trichonympha
Bactérias
Rhizobium
RELAÇÕES ECOLÓGICAS HARMÔNICAS

Inquilinismo
Associação em que apenas uma espécie
(inquilino) se beneficia, procurando
abrigo ou suporte no corpo de outra
espécie (hospedeiro), sem prejudicá-lo.
Ex: Pepino-do-mar
As epífitas são plantas que crescem
sobre outras plantas sem parasitá-las,
usando-as apenas como suporte.
Ex.: as orquídeas e as bromélias.


Comensalismo
É uma associação em que uma das
espécies — a comensal — é
beneficiada, sem causar benefício ou
prejuízo ao outro (não-comensal).
Ex:Tubarão e rêmora
Protocooperação (+/
    +) União não
     obrigatória.
Comensalismo
        (+/o)
Restos alimentares.
Inquilinismo (+/o)
   Moradia sem
     prejuízo.
RELAÇÕES ECOLÓGICAS HARMÔNICAS

     MUTUALISMO
Associação na qual duas espécies envolvidas
são beneficiadas, porém, cada espécie só consegue
viver na presença da outra, associação permanente




                                               
 e obrigatória entre dois seres vivos de espécies
 diferentes.
Ex: Líquens, micorrizas, tubo digestivo de ruminantes,
bactérias e raízes de leguminosas, protozoários e Cupins.
                                                                                                     




    PROTOCOOPERAÇÃO
 Trata-se de uma associação bilateral, entre
 espécies diferentes, na qual ambas se
 beneficiam; contudo, tal associação não é
 obrigatória, podendo cada espécie viver
 isoladamente.
 Ex: Caranguejo-eremita, pássaro-palito e
 crocodilo, anu e gado, insetos polinizadores.
RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS DESARMÔNICAS

- Parasitismo
- Predatismo
- Amensalismo
- Competição
RELAÇÕES DESARMÔNICAS INTRA-ESPECÍFICAS

       Competição intra-específica (+/-)
        Espaço, alimento, fêmeas, etc...
       Controle do tamanho populacional.
Canibalismo
 (+/-) ou (+/+) ?
Alimentação na
mesma espécie.
RELAÇÕES DESARMÔNICAS INTERESPECÍFICAS

 Predação (+/-) Predador mata e se alimenta da
                      presa.
RELAÇÕES ECOLÓGICAS DESARMÔNICAS

PARASITISMO
O parasitismo é caracterizado pela espécie que se
instala no corpo de outra, dela retirando matéria
para a sua nutrição e causando-lhe, em
conseqüência, danos cuja gravidade pode ser
muito variável, desde pequenos distúrbios até a
própria morte do indivíduo parasitado.
Relação Hospedeiro/Parasita.



PREDATISMO
O predatismo é o ato de um animal
capturar outro para alimentar-se. O
predador e a presa pertencem a
espécies diferentes. Os predadores são
geralmente maiores e menos
numerosos que suas presas, sendo
exemplificados pelos animais
carnívoros.
Relação Presa/Predador.
Endoparasitas

   Parasitismo (+/-)
Alimento e/ou morada
    sem matá-lo.

  Ectoparasitas
RELAÇÕES ECOLÓGICAS INTRA-ESPECÍFICAS
            DESARMÔNICAS

CANIBALISMO
Canibal é o indivíduo que mata e come outro da mesma espécie.
Ex.: ocorre com escorpiões, aranhas, peixes, planárias, roedores, etc.




COMPETIÇÃO
Prejuízo para os seres envolvidos.
Competição interespecífica (+/-) Abrigo, alimento,
etc...
Amensalismo (+/-)
Substâncias químicas que inibem o
     crescimento de outros.
RELAÇÕES ECOLÓGICAS DESARMÔNICAS

AMENSALISMO (antibiose)
Relação na qual uma espécie bloqueia o
crescimento ou a reprodução de outra espécie,
denominada amensal, através da liberação de
substâncias tóxicas. É a relação em que um dos
seres é prejudicado sem que disso resulte
benefícios para o outro.
Ex: maré vermelha, antibióticos, etc.

Prejuízo para a espécie inibida, com ou sem
benefício para a espécie inibidora.


COMPETIÇÃO
Prejuízo para ambas as espécies.
Penicilina




                          Penicilium notatum



Alexander Felming, 1928
CAMUFLAGEM
Mimetismo



                          Coral
                      verdadeira




Monarca                Vice-rei
                        palatável
impalatável
Mimetismo




Erythrolamprus aesculapii   Micrurus brasiliensis
       Coral falsa           Coral verdadeira
(a) Vespa (b) louva-deus (c) abelha
Princípio de Gause
               (Princípio da exclusão competitiva)
 O Princípio de Gause diz respeito ao processo de competição inter-
  específica que acontece quando duas espécies diferentes habitam
 um mesmo ambiente e têm nichos muito semelhantes. Assim duas
espécies não podem ocupar um mesmo nicho por muito tempo, uma
 delas irá sempre prevalecer, pois é mais adaptada àquele habitat.




      • Espécies separadas
        Princípio de Gause             Espécies juntas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
 
Os Vertebrados
Os VertebradosOs Vertebrados
Os Vertebrados
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
 
Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1
 
Platelmintos e Nematelmintos
Platelmintos e NematelmintosPlatelmintos e Nematelmintos
Platelmintos e Nematelmintos
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
 
IV.3 Répteis
IV.3 RépteisIV.3 Répteis
IV.3 Répteis
 
Dinâmica de Populações
Dinâmica de PopulaçõesDinâmica de Populações
Dinâmica de Populações
 
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e sementeV.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
 
Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 
Aula Relações Ecológicas
Aula Relações EcológicasAula Relações Ecológicas
Aula Relações Ecológicas
 
Evolução biológica
Evolução biológicaEvolução biológica
Evolução biológica
 
Reino Animal
Reino AnimalReino Animal
Reino Animal
 
Reprodução sexuada
Reprodução sexuadaReprodução sexuada
Reprodução sexuada
 

Destaque

Relatorio 03 desnaturação e precipitação de proteínas
Relatorio 03   desnaturação e precipitação de proteínasRelatorio 03   desnaturação e precipitação de proteínas
Relatorio 03 desnaturação e precipitação de proteínasRodrigo Souza
 
Livro projeto telaris capitulo 3 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 3 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 3 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 3 ciencias 6º anoRenan Silva
 
Aula de relações ecológicas
Aula de relações ecológicasAula de relações ecológicas
Aula de relações ecológicasIlsoflavio
 
7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol
7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol
7 ano relações ecológicas seres vivos e o solcrisbassanimedeiros
 
Livro projeto telaris capitulo 2 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 2 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 2 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 2 ciencias 6º anoRenan Silva
 
V. 2 Relações entre seres vivos
V. 2  Relações entre seres vivosV. 2  Relações entre seres vivos
V. 2 Relações entre seres vivosRebeca Vale
 
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e LipídiosAula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e LipídiosFernando Mori Miyazawa
 
V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaRebeca Vale
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As célulasRebeca Vale
 
A célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vidaA célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vidaLeonardo Alves
 

Destaque (14)

Relatorio 03 desnaturação e precipitação de proteínas
Relatorio 03   desnaturação e precipitação de proteínasRelatorio 03   desnaturação e precipitação de proteínas
Relatorio 03 desnaturação e precipitação de proteínas
 
Livro projeto telaris capitulo 3 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 3 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 3 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 3 ciencias 6º ano
 
Aula de relações ecológicas
Aula de relações ecológicasAula de relações ecológicas
Aula de relações ecológicas
 
7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol
7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol
7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol
 
Seminário didático - Doutorado
Seminário didático - Doutorado  Seminário didático - Doutorado
Seminário didático - Doutorado
 
Livro projeto telaris capitulo 2 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 2 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 2 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 2 ciencias 6º ano
 
V. 2 Relações entre seres vivos
V. 2  Relações entre seres vivosV. 2  Relações entre seres vivos
V. 2 Relações entre seres vivos
 
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e LipídiosAula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
 
V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologia
 
A Célula
A CélulaA Célula
A Célula
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
 
A célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vidaA célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vida
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 

Semelhante a Relações Ecológicas: Harmonia e Desarmonia

Aula Relações ecológicas revisão para o ENEM
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEMAula Relações ecológicas revisão para o ENEM
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEMDouglas Oliveira
 
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2Diego Yamazaki Bolano
 
Relacoes ecológicas
Relacoes ecológicasRelacoes ecológicas
Relacoes ecológicasEstude Mais
 
Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2hugocampos2
 
Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2XPaulinhaSilva
 
Relações ecológicas
Relações ecológicas Relações ecológicas
Relações ecológicas 3a-manha
 
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.pptAula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.pptEwerthonGomes1
 
129876887788470 relacoes ecologicas
129876887788470 relacoes ecologicas129876887788470 relacoes ecologicas
129876887788470 relacoes ecologicasViviane Godoi
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicasmendel1b2010
 
Rela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunosRela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunosÉrika Cardozo
 
Relações ecológicas entre seres vivos 2
Relações ecológicas entre seres vivos  2 Relações ecológicas entre seres vivos  2
Relações ecológicas entre seres vivos 2 Vanessa Anzolin
 
Relações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodleRelações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodleguest2d00a0
 
Relações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodleRelações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodleNeila
 
Relações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodleRelações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodleguest2d00a0
 

Semelhante a Relações Ecológicas: Harmonia e Desarmonia (20)

Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEM
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEMAula Relações ecológicas revisão para o ENEM
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEM
 
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
 
Relacoes ecológicas
Relacoes ecológicasRelacoes ecológicas
Relacoes ecológicas
 
Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2
 
Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2
 
Relações ecológicas
Relações ecológicas Relações ecológicas
Relações ecológicas
 
3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas
 
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.pptAula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
 
129876887788470 relacoes ecologicas
129876887788470 relacoes ecologicas129876887788470 relacoes ecologicas
129876887788470 relacoes ecologicas
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
 
Rela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunosRela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunos
 
Factores bioticos1
Factores bioticos1Factores bioticos1
Factores bioticos1
 
Relações ecológicas entre seres vivos 2
Relações ecológicas entre seres vivos  2 Relações ecológicas entre seres vivos  2
Relações ecológicas entre seres vivos 2
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Relações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodleRelações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodle
 
Relações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodleRelações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodle
 
Relações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodleRelações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodle
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 

Mais de Antonio Fernandes

Turma 211 desequilíbrio ambiental
Turma 211 desequilíbrio ambientalTurma 211 desequilíbrio ambiental
Turma 211 desequilíbrio ambientalAntonio Fernandes
 
Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...
Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...
Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...Antonio Fernandes
 
Apresentação I geocentricoheliocentrico
Apresentação I geocentricoheliocentricoApresentação I geocentricoheliocentrico
Apresentação I geocentricoheliocentricoAntonio Fernandes
 
Trab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma Amazon
Trab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma AmazonTrab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma Amazon
Trab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma AmazonAntonio Fernandes
 
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e EcossitemasConceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e EcossitemasAntonio Fernandes
 

Mais de Antonio Fernandes (11)

Sistema circulatorio 2011
Sistema circulatorio 2011Sistema circulatorio 2011
Sistema circulatorio 2011
 
Turma 211 desequilíbrio ambiental
Turma 211 desequilíbrio ambientalTurma 211 desequilíbrio ambiental
Turma 211 desequilíbrio ambiental
 
Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...
Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...
Tarsila do Amaral - biografia Aluna: LAVINIA MARTINS DE ANDRADE Turma 181 Col...
 
A terra Vista do Céu
A terra Vista do CéuA terra Vista do Céu
A terra Vista do Céu
 
Projeto pintores
Projeto pintoresProjeto pintores
Projeto pintores
 
Apresentação+tarsila 2010
Apresentação+tarsila 2010Apresentação+tarsila 2010
Apresentação+tarsila 2010
 
Sistema Digestório Carmo
Sistema Digestório CarmoSistema Digestório Carmo
Sistema Digestório Carmo
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos
 
Apresentação I geocentricoheliocentrico
Apresentação I geocentricoheliocentricoApresentação I geocentricoheliocentrico
Apresentação I geocentricoheliocentrico
 
Trab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma Amazon
Trab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma AmazonTrab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma Amazon
Trab biologia Grupo Gustavo Dantas Bioma Amazon
 
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e EcossitemasConceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
 

Último

Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 

Último (20)

Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 

Relações Ecológicas: Harmonia e Desarmonia

  • 2. TIPOS DE RELAÇÕES Relações harmônicas: (+/+) ou (+/0) Relações desarmônicas: (+/-) Relações interespecíficas: Entre espécies diferentes. Relações intra-específicas: Dentro da mesma espécie.
  • 3.
  • 4. RELAÇÕES ECOLÓGICAS SOCIEDADE São agrupamentos de indivíduos da mesma espécie que têm plena capacidade de vida isolada mas preferem viver na coletividade. Os indivíduos de uma sociedade têm independência física uns dos outros. Insetos sociais:Abelhas, cupins e formigas. COLÔNIA Agrupamento de indivíduos da mesma espécie que revelam profundo grau de interdependência e se mostram ligados uns aos outros, sendo-lhes impossível a vida quando isolados do conjuntos, podendo ou não ocorrer divisão do trabalho.
  • 5. RELAÇÕES HARMÔNICAS INTRA-ESPECÍFICAS Colônia (+/+) Ligação física.
  • 6.
  • 7. Sociedade (+/+) Sem ligação física. Divisão em castas sociais. Rainha Zangão Operária
  • 8. RELAÇÕES HARMÔNICAS INTERESPECÍFICAS Mutualismo (+/ +) União obrigatória.
  • 11. RELAÇÕES ECOLÓGICAS HARMÔNICAS Inquilinismo Associação em que apenas uma espécie (inquilino) se beneficia, procurando abrigo ou suporte no corpo de outra espécie (hospedeiro), sem prejudicá-lo. Ex: Pepino-do-mar As epífitas são plantas que crescem sobre outras plantas sem parasitá-las, usando-as apenas como suporte. Ex.: as orquídeas e as bromélias. Comensalismo É uma associação em que uma das espécies — a comensal — é beneficiada, sem causar benefício ou prejuízo ao outro (não-comensal). Ex:Tubarão e rêmora
  • 12. Protocooperação (+/ +) União não obrigatória.
  • 13. Comensalismo (+/o) Restos alimentares.
  • 14. Inquilinismo (+/o) Moradia sem prejuízo.
  • 15. RELAÇÕES ECOLÓGICAS HARMÔNICAS MUTUALISMO Associação na qual duas espécies envolvidas são beneficiadas, porém, cada espécie só consegue viver na presença da outra, associação permanente   e obrigatória entre dois seres vivos de espécies diferentes. Ex: Líquens, micorrizas, tubo digestivo de ruminantes, bactérias e raízes de leguminosas, protozoários e Cupins.                                                                         PROTOCOOPERAÇÃO Trata-se de uma associação bilateral, entre espécies diferentes, na qual ambas se beneficiam; contudo, tal associação não é obrigatória, podendo cada espécie viver isoladamente. Ex: Caranguejo-eremita, pássaro-palito e crocodilo, anu e gado, insetos polinizadores.
  • 16. RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS DESARMÔNICAS - Parasitismo - Predatismo - Amensalismo - Competição
  • 17. RELAÇÕES DESARMÔNICAS INTRA-ESPECÍFICAS Competição intra-específica (+/-) Espaço, alimento, fêmeas, etc... Controle do tamanho populacional.
  • 18. Canibalismo (+/-) ou (+/+) ? Alimentação na mesma espécie.
  • 19. RELAÇÕES DESARMÔNICAS INTERESPECÍFICAS Predação (+/-) Predador mata e se alimenta da presa.
  • 20. RELAÇÕES ECOLÓGICAS DESARMÔNICAS PARASITISMO O parasitismo é caracterizado pela espécie que se instala no corpo de outra, dela retirando matéria para a sua nutrição e causando-lhe, em conseqüência, danos cuja gravidade pode ser muito variável, desde pequenos distúrbios até a própria morte do indivíduo parasitado. Relação Hospedeiro/Parasita. PREDATISMO O predatismo é o ato de um animal capturar outro para alimentar-se. O predador e a presa pertencem a espécies diferentes. Os predadores são geralmente maiores e menos numerosos que suas presas, sendo exemplificados pelos animais carnívoros. Relação Presa/Predador.
  • 21. Endoparasitas Parasitismo (+/-) Alimento e/ou morada sem matá-lo. Ectoparasitas
  • 22. RELAÇÕES ECOLÓGICAS INTRA-ESPECÍFICAS DESARMÔNICAS CANIBALISMO Canibal é o indivíduo que mata e come outro da mesma espécie. Ex.: ocorre com escorpiões, aranhas, peixes, planárias, roedores, etc. COMPETIÇÃO Prejuízo para os seres envolvidos.
  • 23. Competição interespecífica (+/-) Abrigo, alimento, etc...
  • 24. Amensalismo (+/-) Substâncias químicas que inibem o crescimento de outros.
  • 25. RELAÇÕES ECOLÓGICAS DESARMÔNICAS AMENSALISMO (antibiose) Relação na qual uma espécie bloqueia o crescimento ou a reprodução de outra espécie, denominada amensal, através da liberação de substâncias tóxicas. É a relação em que um dos seres é prejudicado sem que disso resulte benefícios para o outro. Ex: maré vermelha, antibióticos, etc. Prejuízo para a espécie inibida, com ou sem benefício para a espécie inibidora. COMPETIÇÃO Prejuízo para ambas as espécies.
  • 26. Penicilina Penicilium notatum Alexander Felming, 1928
  • 28.
  • 29.
  • 30. Mimetismo Coral verdadeira Monarca Vice-rei palatável impalatável
  • 31. Mimetismo Erythrolamprus aesculapii Micrurus brasiliensis Coral falsa Coral verdadeira
  • 32. (a) Vespa (b) louva-deus (c) abelha
  • 33. Princípio de Gause (Princípio da exclusão competitiva) O Princípio de Gause diz respeito ao processo de competição inter- específica que acontece quando duas espécies diferentes habitam um mesmo ambiente e têm nichos muito semelhantes. Assim duas espécies não podem ocupar um mesmo nicho por muito tempo, uma delas irá sempre prevalecer, pois é mais adaptada àquele habitat. • Espécies separadas Princípio de Gause Espécies juntas