SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
Vida Pessoal, Teorias e sua Importância na
                  Física
Biografia
                      
Coulomb nasceu em uma família
abastada. Seu pai se chamava
Henri Coulomb e sua
mãe, Catherine Bajet. Sua família
tinha se mudado para Paris, e lá
Coulomb estudou na prestigiada
escola Collège des Quatre-
Nations. Os cursos de
matemática de lá, por Pierre
Charles Le Monnier, motivaram
Coulomb a seguir a carreira
matemática.
Cont...
                              
Coulomb nasceu em 14 de junho de 1736. Seu pai, Henry
Coulomb, e sua mãe, Catherine Bajet, vinham de famílias muito
conhecidas na região de Angoulême, capital de Angoumois, no
sudoeste da França. Após receber a educação básica em sua cidade
natal, a família de Coulomb mudou-se para Paris e este continuou
seus estudos no Colégio Mazarin, vindo a receber o melhor ensino
em Matemática, Astronomia, Química e Botânica. Durante este
período, seu pai perdeu todo o seu dinheiro devido a maus
investimentos financeiros e decidiu ir para Montpellier, sendo que
sua mãe permaneceu em Paris. Entretanto, devido a
desentendimentos entre Coulomb e sua mãe a respeito de sua
carreira, cujos interesses incluíam a Matemática e a
Astronomia, Coulomb optou por partir para Montpellier com seu
pai. Lá, entrou para a Sociedade de Ciências em 1757.
Em um de seus trabalhos mais famosos,
Coulomb trata do equilíbrio de torção. Neste,
ele mostra como a torção poder viabilizar
medidas de forças muito pequenas com
grande precisão e descreve um método que
utiliza fibras de diversos materiais, que foi um
aperfeiçoamento da balança de torção,
utilizada por Cavendish para medir a atração
gravitacional.

                                      Em 1779, Coulomb foi enviado a Rochefort para
                                      colaborar com o Marquês de Montalembert na
                                      construção de uma fortaleza. Esse marquês, assim
                                      como Coulomb, possuía grande reputação entre os
                                      engenheiros militares. Durante esse
                                      período, Coulomb aproveitou para continuar seus
                                      estudos e conquistou o grande prêmio na
                                      Academia de Ciências em 1781 (já havia
                                      conquistado outro em 1777 graças a um trabalho
                                      sobre o magnetismo terrestre) devido à sua teoria
                                      do atrito nas máquinas simples.
Além disso, estudou as cargas
elétricas pontuais e a distribuição
de cargas em superfícies de corpos
carregados. Em 1789 teve início a
Revolução Francesa, ocasionando
muitas modificações nas
instituições às quais Coulomb
estava ligado. A Academia de
Ciências foi dissolvida, dando
origem ao “Instituto da França”.
Coulomb também se aposentou do
Exército passando a realizar suas
pesquisas em uma casa ele possuía
perto de Blois. Em 1802 assumiu o
posto de inspetor geral de
Instrução Pública, cargo que
ocupou até o final da sua vida.
Coulomb morreu em Paris a 23 de
agosto de 1806.
Lei de Coulomb
                  
 A Lei de Coulomb trata da força de interação entre as partículas
eletrizadas, as partículas de mesmo sinal se repelem e as de sinais
                         opostos se atraem.
Introdução
                     
Em muitos exercícios você pode encontrar o termo
carga elétrica puntiforme, este termo se refere a um
corpo eletrizado que tem dimensões desprezíveis em
relação à distância que o separa de outro corpo
eletrizado.
As cargas elétricas positivas são atraídas pelas cargas
elétricas negativas e as cargas com mesmo nome se
repelem, este não é um conceito difícil de entender e, já
estudamos nos processos de eletrização.
Introdução
                     
A lei de Coulomb diz que a intensidade da força
eletrostática entre duas cargas elétricas é diretamente
proporcional ao produto das cargas e inversamente
proporcional ao quadrado da distância que as separa.
Esta, porem, não é uma afirmação tão fácil de aceitar,
por isso vamos observar a equação que a explica.
É importante lembrar que utilizamos os módulos das cargas
elétricas das partículas, ou seja, colocamos na fórmula apenas o
valor numérico, sem o sinal (que indica o sentido do vetor) desta
carga.
Podemos tirar algumas conclusões sobre a Lei de Coulomb
observando a equação acima, que relaciona o valor da força
elétrica de interação entre partículas eletrizadas com suas cargas
elétricas e com a distância que as separa. A relação entre a força e
as cargas é uma relação diretamente proporcional, ou
seja, quanto maiores as cargas, maior será a força de interação. A
relação entre a força e distância é uma relação inversamente
proporcional, quando aumentamos a distância entre as
partículas a força elétrica diminui.
Mas... Que Importância
       isso têm??
           
A importância da Lei de Coulomb transcende a descrição das
    forças que atuam entre esferas e bastões carregados.
Essa lei, quando incorporada à
estrutura da física quântica, descreve
as forças que ligam os elétrons de um
átomo ao seu núcleo, as forças que
unem os átomos para formar as
moléculas e as forças que ligam os
átomos e as moléculas entre si para
formar os sólidos e os líquidos.
Assim, a maioria das forças
relacionadas com nossa experiência
diária que não é de natureza
gravitacional é de natureza elétrica.


                                         A força transmitida por um cabo de aço é
                                         essencialmente elétrica, porque, se
                                         supusermos um plano imaginário que corta o
                                         cabo perpendicularmente, é apenas a atração
                                         elétrica entre átomos de lados opostos deste
                                         plano que impede o cabo de se romper. Nós
                                         mesmos somos um conjunto de núcleos e
                                         elétrons ligados numa configuração estável
                                         pelas forças de Coulomb.
Coulomb

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Ficha Resumo - Campo elétrico
Ficha Resumo - Campo elétricoFicha Resumo - Campo elétrico
Ficha Resumo - Campo elétrico
 
Força elétrica
Força elétricaForça elétrica
Força elétrica
 
Processo de Eletrização [Aula 01]
Processo de Eletrização [Aula 01]Processo de Eletrização [Aula 01]
Processo de Eletrização [Aula 01]
 
Lei de coulomb
Lei de coulombLei de coulomb
Lei de coulomb
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
 
9 eletrostática
9 eletrostática9 eletrostática
9 eletrostática
 
Estatica
EstaticaEstatica
Estatica
 
Eletrostática
EletrostáticaEletrostática
Eletrostática
 
Eletrização
EletrizaçãoEletrização
Eletrização
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
 
Power point sobre Resistência elétrica
Power point sobre Resistência elétricaPower point sobre Resistência elétrica
Power point sobre Resistência elétrica
 
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
 
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
 
Trabalho e Energia Slide
Trabalho e Energia SlideTrabalho e Energia Slide
Trabalho e Energia Slide
 
Eletrodinâmica 1 aula
Eletrodinâmica 1 aulaEletrodinâmica 1 aula
Eletrodinâmica 1 aula
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
 
Eletrostática
EletrostáticaEletrostática
Eletrostática
 

Destaque (20)

Lei de coulomb
Lei de coulombLei de coulomb
Lei de coulomb
 
1ª lei de coulomb2
1ª lei de coulomb21ª lei de coulomb2
1ª lei de coulomb2
 
1ª lei de coulomb
1ª lei de coulomb1ª lei de coulomb
1ª lei de coulomb
 
Carga Elé..
Carga Elé..Carga Elé..
Carga Elé..
 
Charles coulomb
Charles coulombCharles coulomb
Charles coulomb
 
Cargas puntiformes lei de coulomb
Cargas puntiformes   lei de coulombCargas puntiformes   lei de coulomb
Cargas puntiformes lei de coulomb
 
Carga elétrica e eletrização
Carga elétrica e eletrizaçãoCarga elétrica e eletrização
Carga elétrica e eletrização
 
Charles Augustin de Coulomb
Charles Augustin de CoulombCharles Augustin de Coulomb
Charles Augustin de Coulomb
 
lei-de-coulomb
lei-de-coulomblei-de-coulomb
lei-de-coulomb
 
Lei de Coulomb - 3º Ano EM
Lei de Coulomb - 3º Ano EMLei de Coulomb - 3º Ano EM
Lei de Coulomb - 3º Ano EM
 
Lei de coulomb força eletrica exemplo e exercícios
Lei de coulomb força eletrica exemplo e exercíciosLei de coulomb força eletrica exemplo e exercícios
Lei de coulomb força eletrica exemplo e exercícios
 
Ondas e sua caracterização
Ondas e sua caracterizaçãoOndas e sua caracterização
Ondas e sua caracterização
 
Corrente Resistores
Corrente ResistoresCorrente Resistores
Corrente Resistores
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Cargas elétricas
Cargas elétricasCargas elétricas
Cargas elétricas
 
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
 
COULOMB
COULOMBCOULOMB
COULOMB
 
Eletroscópio de folhas
Eletroscópio de folhasEletroscópio de folhas
Eletroscópio de folhas
 
Eletroscópio
EletroscópioEletroscópio
Eletroscópio
 
Charles coulomb
Charles coulombCharles coulomb
Charles coulomb
 

Semelhante a Coulomb (20)

Força eletrostática
Força eletrostáticaForça eletrostática
Força eletrostática
 
Apostila de física do renato
Apostila de física do renato Apostila de física do renato
Apostila de física do renato
 
Força elétrica parte 1
Força elétrica parte 1Força elétrica parte 1
Força elétrica parte 1
 
Eletrostática
EletrostáticaEletrostática
Eletrostática
 
Cargas e processos de eletrização
Cargas e processos de eletrizaçãoCargas e processos de eletrização
Cargas e processos de eletrização
 
3º EM-FÍSICA
3º EM-FÍSICA3º EM-FÍSICA
3º EM-FÍSICA
 
Evolução do modelo atómico
Evolução do modelo atómicoEvolução do modelo atómico
Evolução do modelo atómico
 
cleber
clebercleber
cleber
 
Trabalho de quimica modelo thomson
Trabalho de quimica   modelo thomsonTrabalho de quimica   modelo thomson
Trabalho de quimica modelo thomson
 
material terceiro 2013.pdf
material terceiro 2013.pdfmaterial terceiro 2013.pdf
material terceiro 2013.pdf
 
Modelos
 Modelos Modelos
Modelos
 
Eletrostática jodafi
Eletrostática jodafiEletrostática jodafi
Eletrostática jodafi
 
Documento eletrico
Documento eletricoDocumento eletrico
Documento eletrico
 
Processos de Eletrização - Física
Processos de Eletrização - FísicaProcessos de Eletrização - Física
Processos de Eletrização - Física
 
Evolução do átomo
Evolução do átomoEvolução do átomo
Evolução do átomo
 
1 - Eletromagnetismo e Suas Aplicações.pptx
1 - Eletromagnetismo e Suas Aplicações.pptx1 - Eletromagnetismo e Suas Aplicações.pptx
1 - Eletromagnetismo e Suas Aplicações.pptx
 
Aula 02. eletrostática
Aula 02. eletrostáticaAula 02. eletrostática
Aula 02. eletrostática
 
100
100100
100
 
Eletrostatica
EletrostaticaEletrostatica
Eletrostatica
 
Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos
 

Último

CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 

Último (20)

CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 

Coulomb

  • 1. Vida Pessoal, Teorias e sua Importância na Física
  • 2. Biografia  Coulomb nasceu em uma família abastada. Seu pai se chamava Henri Coulomb e sua mãe, Catherine Bajet. Sua família tinha se mudado para Paris, e lá Coulomb estudou na prestigiada escola Collège des Quatre- Nations. Os cursos de matemática de lá, por Pierre Charles Le Monnier, motivaram Coulomb a seguir a carreira matemática.
  • 3. Cont...  Coulomb nasceu em 14 de junho de 1736. Seu pai, Henry Coulomb, e sua mãe, Catherine Bajet, vinham de famílias muito conhecidas na região de Angoulême, capital de Angoumois, no sudoeste da França. Após receber a educação básica em sua cidade natal, a família de Coulomb mudou-se para Paris e este continuou seus estudos no Colégio Mazarin, vindo a receber o melhor ensino em Matemática, Astronomia, Química e Botânica. Durante este período, seu pai perdeu todo o seu dinheiro devido a maus investimentos financeiros e decidiu ir para Montpellier, sendo que sua mãe permaneceu em Paris. Entretanto, devido a desentendimentos entre Coulomb e sua mãe a respeito de sua carreira, cujos interesses incluíam a Matemática e a Astronomia, Coulomb optou por partir para Montpellier com seu pai. Lá, entrou para a Sociedade de Ciências em 1757.
  • 4. Em um de seus trabalhos mais famosos, Coulomb trata do equilíbrio de torção. Neste, ele mostra como a torção poder viabilizar medidas de forças muito pequenas com grande precisão e descreve um método que utiliza fibras de diversos materiais, que foi um aperfeiçoamento da balança de torção, utilizada por Cavendish para medir a atração gravitacional. Em 1779, Coulomb foi enviado a Rochefort para colaborar com o Marquês de Montalembert na construção de uma fortaleza. Esse marquês, assim como Coulomb, possuía grande reputação entre os engenheiros militares. Durante esse período, Coulomb aproveitou para continuar seus estudos e conquistou o grande prêmio na Academia de Ciências em 1781 (já havia conquistado outro em 1777 graças a um trabalho sobre o magnetismo terrestre) devido à sua teoria do atrito nas máquinas simples.
  • 5.
  • 6. Além disso, estudou as cargas elétricas pontuais e a distribuição de cargas em superfícies de corpos carregados. Em 1789 teve início a Revolução Francesa, ocasionando muitas modificações nas instituições às quais Coulomb estava ligado. A Academia de Ciências foi dissolvida, dando origem ao “Instituto da França”. Coulomb também se aposentou do Exército passando a realizar suas pesquisas em uma casa ele possuía perto de Blois. Em 1802 assumiu o posto de inspetor geral de Instrução Pública, cargo que ocupou até o final da sua vida. Coulomb morreu em Paris a 23 de agosto de 1806.
  • 7. Lei de Coulomb  A Lei de Coulomb trata da força de interação entre as partículas eletrizadas, as partículas de mesmo sinal se repelem e as de sinais opostos se atraem.
  • 8. Introdução  Em muitos exercícios você pode encontrar o termo carga elétrica puntiforme, este termo se refere a um corpo eletrizado que tem dimensões desprezíveis em relação à distância que o separa de outro corpo eletrizado. As cargas elétricas positivas são atraídas pelas cargas elétricas negativas e as cargas com mesmo nome se repelem, este não é um conceito difícil de entender e, já estudamos nos processos de eletrização.
  • 9. Introdução  A lei de Coulomb diz que a intensidade da força eletrostática entre duas cargas elétricas é diretamente proporcional ao produto das cargas e inversamente proporcional ao quadrado da distância que as separa. Esta, porem, não é uma afirmação tão fácil de aceitar, por isso vamos observar a equação que a explica.
  • 10. É importante lembrar que utilizamos os módulos das cargas elétricas das partículas, ou seja, colocamos na fórmula apenas o valor numérico, sem o sinal (que indica o sentido do vetor) desta carga. Podemos tirar algumas conclusões sobre a Lei de Coulomb observando a equação acima, que relaciona o valor da força elétrica de interação entre partículas eletrizadas com suas cargas elétricas e com a distância que as separa. A relação entre a força e as cargas é uma relação diretamente proporcional, ou seja, quanto maiores as cargas, maior será a força de interação. A relação entre a força e distância é uma relação inversamente proporcional, quando aumentamos a distância entre as partículas a força elétrica diminui.
  • 11. Mas... Que Importância isso têm??  A importância da Lei de Coulomb transcende a descrição das forças que atuam entre esferas e bastões carregados.
  • 12. Essa lei, quando incorporada à estrutura da física quântica, descreve as forças que ligam os elétrons de um átomo ao seu núcleo, as forças que unem os átomos para formar as moléculas e as forças que ligam os átomos e as moléculas entre si para formar os sólidos e os líquidos. Assim, a maioria das forças relacionadas com nossa experiência diária que não é de natureza gravitacional é de natureza elétrica. A força transmitida por um cabo de aço é essencialmente elétrica, porque, se supusermos um plano imaginário que corta o cabo perpendicularmente, é apenas a atração elétrica entre átomos de lados opostos deste plano que impede o cabo de se romper. Nós mesmos somos um conjunto de núcleos e elétrons ligados numa configuração estável pelas forças de Coulomb.