SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
REDAÇÃO – O ESTUDO DA DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
OBS.: Estrutura válida para um texto dissertativo-argumentativo de, no mínimo, 25 linhas, sem
contar o título.
Vamos iniciar o estudo com alguns esclarecimentos sobre a primeira parte da estrutura que é a
Tese, antes chamada de Introdução.
A Tese de uma dissertação deve ser clara, objetiva e concisa, preferencialmente. Esta precisa ser
discutida, argumentada e concluída.
Seguem exemplos de teses, visto que uma das reclamações dos alunos é sempre esta:
" – Professora, eu não sei começar!"
Assim, os exemplos ajudarão a resolver esse impasse, dando inúmeras possibilidades ao aluno.
Vale lembrar que na tese deve sempre estar presente a palavra-chave do tema proposto.
MODELOS DE TESE
1 – Cena descritiva:
Exemplo:
O som invade a cidade. Buzinas estridentes atordoam os passantes. Edifícios altíssimos
cobrem os céus cinzentos da metrópole. Uma fumaça densa e ameaçadora empresta a São
Paulo o aspecto de fotografias antigas sombreadas pela cor do tempo. É a paisagem
tristonha da poluição.
2 – Uma frase declarativa ou afirmação:
Exemplo:
O artista contemporâneo, diante de um mundo complexo e agitado, tem por missão traduzir
o mais fielmente possível essa realidade. Mesmo que pareça impossível impedir que o
subjetivismo esteja presente, deve-se despir de opiniões já estabelecidas de pré-
julgamentos ou preconceitos, a fim de que essa tradução seja fidedigna.
3 – Frases ou expressões nominais:
Exemplo:
Baixos salários. Médicos descontentes. Enfermagem pouco qualificada. Falta de
medicamentos. Desvio de verbas. Hospitais insuficientes e mal aparelhados. Atendimento
precário. Esse é o retrato da saúde pública brasileira.
4 – Resgate histórico ou dados retrospectivos:
A ESTRUTURA DISSERTATIVA
ARGUMENTAÇÃOTESE CONCLUSÃO
1º parágrafo
5 a 6 linhas
2º, 3º e 4º parágrafos
5 a 6 linhas cada um
5º parágrafo
5 a 6 linhas
Exemplo:
As primeiras manifestações de comunicação humana nas eras mais primitivas foram
traduzidas por sons que expressavam sentimentos de dor, alegria ou espanto. Mais tarde, as
pinturas rupestres surgiram como primeiros vestígios de tentativa de preservação de uma
era...
5 – Citação: textual e comentada.
Exemplo:
Textual: "O escravo brasileiro, literalmente falando, só tem uma coisa: a morte." Joaquim
Nabuco, grande teórico do movimento abolicionista brasileiro. Nabuco revela uma das
características que o pensamento antiescravista apresenta: a nota de comiseração pelo
escravo.
Comentada: O teórico Joaquim Nabuco, em sua comiseração pelo escravo brasileiro, disse
que este só tem a própria morte. O movimento brasileiro antiescravista, quando já
fortalecido, deixou bem clara essa pungente acusação nas palavras dos abolicionistas.
6 – Pergunta ou uma seqüência de perguntas:
Exemplo:
Os pensadores do século XIX propuseram nos termos da época as questões que, apesar de
toda a posterior realidade, continuam a intrigar os críticos sociais: como funciona a mente de
um político? Quais são os fatores imponderáveis que o levam a agir desta ou daquela
maneira?
7 – Definição:
Exemplo
O envelhecimento é um processo evolutivo que depende dos fatores hereditários, do
ambiente e da idade, embora ainda não tenham sido descobertas as causa precisas que o
determinam em toda a sua amplitude e diversidade.
8 – Linguagem figurada:
Exemplo:
Os meios de comunicação, com sua velocidade estonteante de informação, fazem de cada
homem um condômino do mundo. De repente, todos ficaram sabendo quase tudo, sem
tempo para digerir 90% das informações que recebem; é uma ilha cercada de comunicações
por todos os lados.
9 – Narração:
Exemplo:
O ano de 1997 foi marcado pela expansão da informática no país: realizaram-se as mais
importantes feiras do mundo, apresentando novidades que deslumbraram os brasileiros. Os
mais ávidos de atualizar-se transformaram-se em presas definitivas de um dos mercados
mais lucrativos do planeta.
10 - Idéias contrastantes ou ponto de vista oposto:
Exemplo:
Enquanto muitos políticos brasileiros praticam a corrupção ao desviarem altíssimas somas
em dinheiro do tesouro público, cerca de 30% da população sobrevive com menos de um
salário mínimo. E para agravar, ainda temos episódios inaceitáveis como a proposta de
aumento do salário dos deputados de R$ 12.000 para R$ 21.000!!
11 – Comparação:
Exemplo:
A era da informática veio aprofundar os abismos do país: de um lado, assistimos ao avanço
tecnológico desfrutado por cerca de 2% da população; de outro, assistimos à crescente
marginalização da maioria que sequer consegue alfabetizar-se minimamente.
12 – Contestação ou confirmação de uma citação:
Exemplo:
O computador liberta, afirmou Nicholas Negroponte, o pioneiro da era digital. Contudo, o
modo como a informática vem se impondo parece angustiar o homem, gerando ansiedade
que, longe de libertar, escraviza.
13 – Declaração surpreendente:
Exemplo:
Jamais houve cinema silencioso. A projeção das fitas mudas era acompanhada por música
de piano ou pequena orquestra. No Japão e outras partes do mundo, popularizou-se a figura
do narrador ou comentador de imagens, que explicava a história ao público. Muitos filmes,
desde os primórdios do cinema, comportavam música e ruídos especialmente compostos.
A ARGUMENTAÇÃO
O desenvolvimento é a parte mais extensa do texto dissertativo. Compreende os
argumentos (evidências, exemplos, justificativas etc.) que dão sustentação à tese – idéia central
apresentada no primeiro parágrafo. O conteúdo dos parágrafos de desenvolvimento deve obedecer
a uma progressão: repetir idéias mudando apenas as palavras resulta em redundância. É preciso
encadear os enunciados de maneira que se completem (cada enunciado acrescentará informações
novas ao anterior). Deve-se também evitar a reprodução de clichês, fórmulas prontas e frases
feitas – recursos que enfraqueçam a argumentação.
Cabe lembrar, ainda, que a adequada utilização de seu repertório cultural será determinante
para diversificar e enriquecer seus argumentos. Observe alguns exemplos de argumentação:
Tema: Televisão
Argumentação por exemplificação
Já foi criada até uma campanha – "Quem financia a baixaria é contra a cidadania" – para
que sejam divulgados os nomes das empresas que anunciam nos programas que mais recebem
denúncias de desrespeito aos direitos humanos. O mais importante nessa iniciativa é que a
participação da sociedade, que pode abandonar a passividade e interferir na qualidade da
programação que chega às casas dos brasileiros.
Argumentação histórica
Quem assiste à TV hoje talvez nem imagine que seu compromisso inicial, quando chegou ao
país, há pouco mais de meio século, fosse com educação, informação e entretenimento. Não se
pode negar que ela evoluiu –transformou-se na maior representante da mídia, mas em
contrapartida esqueceu-se de educar, informa relativamente e entretém de maneira discutível.
Argumentação por constatação
Para além daquilo que a televisão exibe, deve-se levar em conta também seu papel social.
Quem há não renunciou um encontro com amigou ou a um passeio com a família para não perder
a novela ou a participação de algum artista num programa de auditório? Ao que tudo indica, muitos
têm elegido a tevê como companhia favorita.
Argumentação por comparação
Enquanto países com Inglaterra e Canadá têm leia que protegem as crianças da exposição
ao sexo e à violência na televisão, no Brasil não há nenhum controle efetivo sobre a programação.
Não é de surpreender que muitos brasileiros estejam defendendo alguma forma de censura sobre
a TV aberta.
Argumentação por testemunho
Conforme citado pelo jornalista Nelson Hoineff, "o que a televisão tem de mais fascinante
para quem a faz é justamente o que ela tem de mais nocivo para quem a vê: sua capacidade
aparentemente infinita de massificação". De fato, mais de 80% da população brasileira tem esse
veículo como principal fonte de informação e referência.
A CONCLUSÃO DO TEXTO DISSERTATIVO
Quando elaboramos uma dissertação, temos sempre um objetivo definido: defender uma
idéia, um ponto de vista. Para tanto, formulamos uma tese interessante, que será desenvolvida
com eficientes argumentos, até atingir a última etapa da estrutura dissertativa: a conclusão.
Assim, as idéias devem estar articuladas numa seqüência que conduza logicamente ao final do
texto.
Não há um modelo único de conclusão. Cada texto pede um determinado tipo de
fechamento, a depender do tema, bem como do enfoque escolhido pelo autor. Em textos com teor
informativo, por exemplo, caberá a conclusão que condense as idéias consideradas. Já no caso de
textos cujo conteúdo seja polêmico, questionador, será apropriada uma conclusão que proponha
soluções ou trace perspectivas para o tema discutido.
Observe alguns dos procedimentos adequados para se concluir um texto dissertativo:
Síntese da discussão – apropriada para textos expositivos, limita-se a condensar as idéias
defendidas ao longo da explanação.
Retomada da tese – é a confirmação da idéia central. Reforça a posição apresentada no
início do texto. Deve-se, contudo, evitar a redundância ou mera repetição da tese.
Proposta(s) de solução – partindo de questões levantadas na argumentação, consiste na
sugestão de possíveis soluções para os problemas discutidos.
Com interrogação (retórica) – só deve ser utilizada quando trouxer implícita a crítica
procedente, que instigue a reflexão do leitor. É preciso evitar perguntas que repassem ao leitor a
incumbência de encontrar respostas que deveriam estar contidas no próprio texto.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enemJosi Motta
 
Classes de palavras - Conjunção
Classes de palavras - ConjunçãoClasses de palavras - Conjunção
Classes de palavras - ConjunçãoArthur Wenderson
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavras Estrutura das palavras
Estrutura das palavras colveromachado
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTOMarcelo Cordeiro Souza
 
Conjunções coordenadas
Conjunções coordenadasConjunções coordenadas
Conjunções coordenadasAldo Socram
 
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFO
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFOAULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFO
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFOMarcelo Cordeiro Souza
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacaobubble13
 
Apresentação abnt citações
Apresentação abnt citaçõesApresentação abnt citações
Apresentação abnt citaçõesDiogo Maxwell
 
Introdução - Dissertação Argumentativa
Introdução - Dissertação ArgumentativaIntrodução - Dissertação Argumentativa
Introdução - Dissertação ArgumentativaCynthia Funchal
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enemLuciene Gomes
 

Mais procurados (20)

Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enem
 
Orações adjetivas
Orações adjetivasOrações adjetivas
Orações adjetivas
 
Texto dissertativo expositivo
Texto dissertativo expositivoTexto dissertativo expositivo
Texto dissertativo expositivo
 
Oficina de Redação
Oficina de RedaçãoOficina de Redação
Oficina de Redação
 
Classes de palavras - Conjunção
Classes de palavras - ConjunçãoClasses de palavras - Conjunção
Classes de palavras - Conjunção
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavras Estrutura das palavras
Estrutura das palavras
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIALLINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
 
Conjunções coordenadas
Conjunções coordenadasConjunções coordenadas
Conjunções coordenadas
 
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFO
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFOAULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFO
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFO
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
Apresentação abnt citações
Apresentação abnt citaçõesApresentação abnt citações
Apresentação abnt citações
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Classes gramaticais slides.2
Classes gramaticais  slides.2Classes gramaticais  slides.2
Classes gramaticais slides.2
 
Introdução - Dissertação Argumentativa
Introdução - Dissertação ArgumentativaIntrodução - Dissertação Argumentativa
Introdução - Dissertação Argumentativa
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVADISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Redacao enem
Redacao enemRedacao enem
Redacao enem
 

Destaque

TÉCNICAS DE REDAÇÃO, apostila-9pag pré vestibular gratuita material para estu...
TÉCNICAS DE REDAÇÃO, apostila-9pag pré vestibular gratuita material para estu...TÉCNICAS DE REDAÇÃO, apostila-9pag pré vestibular gratuita material para estu...
TÉCNICAS DE REDAÇÃO, apostila-9pag pré vestibular gratuita material para estu...Luiz Avelar
 
2 Redações Comentadas - FCC - PROJETO NOTA MÁXIMA NAS PROVAS DISCURSIVAS
 2 Redações Comentadas - FCC - PROJETO NOTA MÁXIMA NAS PROVAS DISCURSIVAS 2 Redações Comentadas - FCC - PROJETO NOTA MÁXIMA NAS PROVAS DISCURSIVAS
2 Redações Comentadas - FCC - PROJETO NOTA MÁXIMA NAS PROVAS DISCURSIVASGlória Alves
 
2126 fcc temas-de_redacao
2126 fcc temas-de_redacao2126 fcc temas-de_redacao
2126 fcc temas-de_redacaoVany Aquino
 
Coleção provas discursivas respondidas e comentadas - Direito Administrativo ...
Coleção provas discursivas respondidas e comentadas - Direito Administrativo ...Coleção provas discursivas respondidas e comentadas - Direito Administrativo ...
Coleção provas discursivas respondidas e comentadas - Direito Administrativo ...Editora Juspodivm
 
TéCnicas De RedaçãO
TéCnicas De RedaçãOTéCnicas De RedaçãO
TéCnicas De RedaçãOLeona Zolonso
 
Discursivas resolvidas - Trt-4
Discursivas resolvidas - Trt-4Discursivas resolvidas - Trt-4
Discursivas resolvidas - Trt-4Wagson Filho
 
Curso redação aula 1
Curso redação   aula 1Curso redação   aula 1
Curso redação aula 1jos70607
 
Exercicio argumentação
Exercicio argumentaçãoExercicio argumentação
Exercicio argumentaçãoAnne Clea Lima
 
Redação discursiva
Redação discursivaRedação discursiva
Redação discursivaErica Surmay
 
Paquimetro
PaquimetroPaquimetro
Paquimetrofera_al
 
Português: Um Ensino Para o Letramento
Português: Um Ensino Para o LetramentoPortuguês: Um Ensino Para o Letramento
Português: Um Ensino Para o LetramentoEditora Moderna
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoLuciene Gomes
 
Portugues Esquematizado - Professor Agnaldo Martino - Editora Saraiva
Portugues Esquematizado - Professor Agnaldo Martino - Editora SaraivaPortugues Esquematizado - Professor Agnaldo Martino - Editora Saraiva
Portugues Esquematizado - Professor Agnaldo Martino - Editora SaraivaSamuel Atella
 
1000 na redação do ENEM
1000 na redação do ENEM1000 na redação do ENEM
1000 na redação do ENEMFátima Lima
 

Destaque (20)

TÉCNICAS DE REDAÇÃO, apostila-9pag pré vestibular gratuita material para estu...
TÉCNICAS DE REDAÇÃO, apostila-9pag pré vestibular gratuita material para estu...TÉCNICAS DE REDAÇÃO, apostila-9pag pré vestibular gratuita material para estu...
TÉCNICAS DE REDAÇÃO, apostila-9pag pré vestibular gratuita material para estu...
 
2 Redações Comentadas - FCC - PROJETO NOTA MÁXIMA NAS PROVAS DISCURSIVAS
 2 Redações Comentadas - FCC - PROJETO NOTA MÁXIMA NAS PROVAS DISCURSIVAS 2 Redações Comentadas - FCC - PROJETO NOTA MÁXIMA NAS PROVAS DISCURSIVAS
2 Redações Comentadas - FCC - PROJETO NOTA MÁXIMA NAS PROVAS DISCURSIVAS
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
 
2126 fcc temas-de_redacao
2126 fcc temas-de_redacao2126 fcc temas-de_redacao
2126 fcc temas-de_redacao
 
Redações comentadas
Redações comentadasRedações comentadas
Redações comentadas
 
Coleção provas discursivas respondidas e comentadas - Direito Administrativo ...
Coleção provas discursivas respondidas e comentadas - Direito Administrativo ...Coleção provas discursivas respondidas e comentadas - Direito Administrativo ...
Coleção provas discursivas respondidas e comentadas - Direito Administrativo ...
 
TéCnicas De RedaçãO
TéCnicas De RedaçãOTéCnicas De RedaçãO
TéCnicas De RedaçãO
 
90226300 redacao
90226300 redacao90226300 redacao
90226300 redacao
 
26 ondas sonoras
26  ondas sonoras26  ondas sonoras
26 ondas sonoras
 
Discursivas resolvidas - Trt-4
Discursivas resolvidas - Trt-4Discursivas resolvidas - Trt-4
Discursivas resolvidas - Trt-4
 
Calderaria comploier
Calderaria  comploierCalderaria  comploier
Calderaria comploier
 
Curso redação aula 1
Curso redação   aula 1Curso redação   aula 1
Curso redação aula 1
 
Exercicio argumentação
Exercicio argumentaçãoExercicio argumentação
Exercicio argumentação
 
Redação discursiva
Redação discursivaRedação discursiva
Redação discursiva
 
Paquimetro
PaquimetroPaquimetro
Paquimetro
 
Português: Um Ensino Para o Letramento
Português: Um Ensino Para o LetramentoPortuguês: Um Ensino Para o Letramento
Português: Um Ensino Para o Letramento
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Portugues Esquematizado - Professor Agnaldo Martino - Editora Saraiva
Portugues Esquematizado - Professor Agnaldo Martino - Editora SaraivaPortugues Esquematizado - Professor Agnaldo Martino - Editora Saraiva
Portugues Esquematizado - Professor Agnaldo Martino - Editora Saraiva
 
1000 na redação do ENEM
1000 na redação do ENEM1000 na redação do ENEM
1000 na redação do ENEM
 
Fichamento 2010
Fichamento 2010Fichamento 2010
Fichamento 2010
 

Semelhante a Apostila de redaçao

Dissertação organização e apresentação da tese
Dissertação organização e apresentação da teseDissertação organização e apresentação da tese
Dissertação organização e apresentação da tesemarlospg
 
Atividades de redação do 9º ano 2009 2º semestre
Atividades de redação  do 9º ano 2009  2º semestreAtividades de redação  do 9º ano 2009  2º semestre
Atividades de redação do 9º ano 2009 2º semestreOlivier Fausti Olivier
 
A diferença entre descricao, narracao e dissertacao
A diferença entre descricao, narracao e dissertacaoA diferença entre descricao, narracao e dissertacao
A diferença entre descricao, narracao e dissertacaoDilmara Faria
 
Texto expositivo resumo..ppt
Texto expositivo resumo..pptTexto expositivo resumo..ppt
Texto expositivo resumo..pptFtimaSantos733578
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opiniãoAna Veiga
 
A argumentacao
A argumentacaoA argumentacao
A argumentacaowanderaula
 
CILP 2014 - slides 3 - Redação - aula 29/03
CILP 2014  - slides 3 - Redação - aula 29/03CILP 2014  - slides 3 - Redação - aula 29/03
CILP 2014 - slides 3 - Redação - aula 29/03jasonrplima
 
03 - Texto dissertativo argumentativo - estrutura e o discurso citado
03 - Texto dissertativo argumentativo - estrutura e o discurso citado03 - Texto dissertativo argumentativo - estrutura e o discurso citado
03 - Texto dissertativo argumentativo - estrutura e o discurso citadoNAPNE
 
Redação o estudo do parágrafo
Redação o estudo do parágrafoRedação o estudo do parágrafo
Redação o estudo do parágrafoKatcavenum
 
Estruturação dos parágrafos
Estruturação dos parágrafosEstruturação dos parágrafos
Estruturação dos parágrafosTio Pablo Virtual
 
Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2
Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2
Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2Fernando Macedo
 
Vest 2012 apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1
Vest 2012   apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1Vest 2012   apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1
Vest 2012 apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1Katcavenum
 
Estrutura de texto_argumentativo
Estrutura de texto_argumentativoEstrutura de texto_argumentativo
Estrutura de texto_argumentativoProfessor
 
Estrutura do texto argumentativo
Estrutura do texto argumentativoEstrutura do texto argumentativo
Estrutura do texto argumentativo7 de Setembro
 
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estruturaTexto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estruturaRobson Melo
 
Dissertação apresentação
Dissertação apresentaçãoDissertação apresentação
Dissertação apresentaçãoCoreyTaylorFDP
 

Semelhante a Apostila de redaçao (20)

Dissertação organização e apresentação da tese
Dissertação organização e apresentação da teseDissertação organização e apresentação da tese
Dissertação organização e apresentação da tese
 
Atividades de redação do 9º ano 2009 2º semestre
Atividades de redação  do 9º ano 2009  2º semestreAtividades de redação  do 9º ano 2009  2º semestre
Atividades de redação do 9º ano 2009 2º semestre
 
A diferença entre descricao, narracao e dissertacao
A diferença entre descricao, narracao e dissertacaoA diferença entre descricao, narracao e dissertacao
A diferença entre descricao, narracao e dissertacao
 
Texto expositivo resumo..ppt
Texto expositivo resumo..pptTexto expositivo resumo..ppt
Texto expositivo resumo..ppt
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
A argumentacao
A argumentacaoA argumentacao
A argumentacao
 
CILP 2014 - slides 3 - Redação - aula 29/03
CILP 2014  - slides 3 - Redação - aula 29/03CILP 2014  - slides 3 - Redação - aula 29/03
CILP 2014 - slides 3 - Redação - aula 29/03
 
03 - Texto dissertativo argumentativo - estrutura e o discurso citado
03 - Texto dissertativo argumentativo - estrutura e o discurso citado03 - Texto dissertativo argumentativo - estrutura e o discurso citado
03 - Texto dissertativo argumentativo - estrutura e o discurso citado
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
 
Redação o estudo do parágrafo
Redação o estudo do parágrafoRedação o estudo do parágrafo
Redação o estudo do parágrafo
 
Estruturação dos parágrafos
Estruturação dos parágrafosEstruturação dos parágrafos
Estruturação dos parágrafos
 
Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2
Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2
Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2
 
Vest 2012 apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1
Vest 2012   apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1Vest 2012   apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1
Vest 2012 apostila 3 redação usp unesp enem dissertação 1
 
Estrutura de texto_argumentativo
Estrutura de texto_argumentativoEstrutura de texto_argumentativo
Estrutura de texto_argumentativo
 
Estrutura do texto argumentativo
Estrutura do texto argumentativoEstrutura do texto argumentativo
Estrutura do texto argumentativo
 
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estruturaTexto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
 
Dicas para redação
Dicas para redaçãoDicas para redação
Dicas para redação
 
Aula05 - Comunicação oral e escrita
Aula05 - Comunicação oral e escritaAula05 - Comunicação oral e escrita
Aula05 - Comunicação oral e escrita
 
Trabalho acadêmico: Modalidades e estilos
Trabalho acadêmico: Modalidades e estilosTrabalho acadêmico: Modalidades e estilos
Trabalho acadêmico: Modalidades e estilos
 
Dissertação apresentação
Dissertação apresentaçãoDissertação apresentação
Dissertação apresentação
 

Mais de Anne Clea Lima

O que é a reencarnação
O que é a reencarnaçãoO que é a reencarnação
O que é a reencarnaçãoAnne Clea Lima
 
Alvaro analise a_cartomante
Alvaro analise a_cartomanteAlvaro analise a_cartomante
Alvaro analise a_cartomanteAnne Clea Lima
 
Revisão de literatura- mitologia grega- prof anne
Revisão de literatura- mitologia grega- prof anneRevisão de literatura- mitologia grega- prof anne
Revisão de literatura- mitologia grega- prof anneAnne Clea Lima
 
Mariavaicomasoutras 1213289777601787-9
Mariavaicomasoutras 1213289777601787-9Mariavaicomasoutras 1213289777601787-9
Mariavaicomasoutras 1213289777601787-9Anne Clea Lima
 
132980836 a-curiosidade-premiada-fernanda-lopes-de-almeida
132980836 a-curiosidade-premiada-fernanda-lopes-de-almeida132980836 a-curiosidade-premiada-fernanda-lopes-de-almeida
132980836 a-curiosidade-premiada-fernanda-lopes-de-almeidaAnne Clea Lima
 
Elementos da comunicacao_5
Elementos da comunicacao_5Elementos da comunicacao_5
Elementos da comunicacao_5Anne Clea Lima
 
Apostila comunicacao-e-expressao
Apostila comunicacao-e-expressaoApostila comunicacao-e-expressao
Apostila comunicacao-e-expressaoAnne Clea Lima
 
Comunicação oral na organizações
Comunicação oral na organizaçõesComunicação oral na organizações
Comunicação oral na organizaçõesAnne Clea Lima
 
Aula+7+ +comunicação
Aula+7+ +comunicaçãoAula+7+ +comunicação
Aula+7+ +comunicaçãoAnne Clea Lima
 
134237842 palestra-espirita-a-paciencia
134237842 palestra-espirita-a-paciencia134237842 palestra-espirita-a-paciencia
134237842 palestra-espirita-a-pacienciaAnne Clea Lima
 
patria do mundo coração do evengelho
patria do mundo coração do evengelhopatria do mundo coração do evengelho
patria do mundo coração do evengelhoAnne Clea Lima
 
Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)
Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)
Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)Anne Clea Lima
 
História ilustrada do espiritismo no brasil (eugenio lara)
História ilustrada do espiritismo no brasil (eugenio lara)História ilustrada do espiritismo no brasil (eugenio lara)
História ilustrada do espiritismo no brasil (eugenio lara)Anne Clea Lima
 

Mais de Anne Clea Lima (20)

O que é a reencarnação
O que é a reencarnaçãoO que é a reencarnação
O que é a reencarnação
 
Hq catrmonete mda hq
Hq catrmonete mda hqHq catrmonete mda hq
Hq catrmonete mda hq
 
A cartomante
A cartomanteA cartomante
A cartomante
 
Alvaro analise a_cartomante
Alvaro analise a_cartomanteAlvaro analise a_cartomante
Alvaro analise a_cartomante
 
Revisão de literatura- mitologia grega- prof anne
Revisão de literatura- mitologia grega- prof anneRevisão de literatura- mitologia grega- prof anne
Revisão de literatura- mitologia grega- prof anne
 
8 ano simuladao
8 ano simuladao8 ano simuladao
8 ano simuladao
 
Mariavaicomasoutras 1213289777601787-9
Mariavaicomasoutras 1213289777601787-9Mariavaicomasoutras 1213289777601787-9
Mariavaicomasoutras 1213289777601787-9
 
132980836 a-curiosidade-premiada-fernanda-lopes-de-almeida
132980836 a-curiosidade-premiada-fernanda-lopes-de-almeida132980836 a-curiosidade-premiada-fernanda-lopes-de-almeida
132980836 a-curiosidade-premiada-fernanda-lopes-de-almeida
 
Elementos da comunicacao_5
Elementos da comunicacao_5Elementos da comunicacao_5
Elementos da comunicacao_5
 
Artigo 6
Artigo 6Artigo 6
Artigo 6
 
O roubo do elefante
O roubo do elefanteO roubo do elefante
O roubo do elefante
 
Apostila comunicacao-e-expressao
Apostila comunicacao-e-expressaoApostila comunicacao-e-expressao
Apostila comunicacao-e-expressao
 
Comunicação oral na organizações
Comunicação oral na organizaçõesComunicação oral na organizações
Comunicação oral na organizações
 
Aula+7+ +comunicação
Aula+7+ +comunicaçãoAula+7+ +comunicação
Aula+7+ +comunicação
 
134237842 palestra-espirita-a-paciencia
134237842 palestra-espirita-a-paciencia134237842 palestra-espirita-a-paciencia
134237842 palestra-espirita-a-paciencia
 
patria do mundo coração do evengelho
patria do mundo coração do evengelhopatria do mundo coração do evengelho
patria do mundo coração do evengelho
 
Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)
Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)
Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)
 
Jornal pioneiro
Jornal pioneiroJornal pioneiro
Jornal pioneiro
 
História ilustrada do espiritismo no brasil (eugenio lara)
História ilustrada do espiritismo no brasil (eugenio lara)História ilustrada do espiritismo no brasil (eugenio lara)
História ilustrada do espiritismo no brasil (eugenio lara)
 
Aula 1 enem portugues
Aula 1   enem portuguesAula 1   enem portugues
Aula 1 enem portugues
 

Último

Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoCelimaraTiski
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 

Apostila de redaçao

  • 1. REDAÇÃO – O ESTUDO DA DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA OBS.: Estrutura válida para um texto dissertativo-argumentativo de, no mínimo, 25 linhas, sem contar o título. Vamos iniciar o estudo com alguns esclarecimentos sobre a primeira parte da estrutura que é a Tese, antes chamada de Introdução. A Tese de uma dissertação deve ser clara, objetiva e concisa, preferencialmente. Esta precisa ser discutida, argumentada e concluída. Seguem exemplos de teses, visto que uma das reclamações dos alunos é sempre esta: " – Professora, eu não sei começar!" Assim, os exemplos ajudarão a resolver esse impasse, dando inúmeras possibilidades ao aluno. Vale lembrar que na tese deve sempre estar presente a palavra-chave do tema proposto. MODELOS DE TESE 1 – Cena descritiva: Exemplo: O som invade a cidade. Buzinas estridentes atordoam os passantes. Edifícios altíssimos cobrem os céus cinzentos da metrópole. Uma fumaça densa e ameaçadora empresta a São Paulo o aspecto de fotografias antigas sombreadas pela cor do tempo. É a paisagem tristonha da poluição. 2 – Uma frase declarativa ou afirmação: Exemplo: O artista contemporâneo, diante de um mundo complexo e agitado, tem por missão traduzir o mais fielmente possível essa realidade. Mesmo que pareça impossível impedir que o subjetivismo esteja presente, deve-se despir de opiniões já estabelecidas de pré- julgamentos ou preconceitos, a fim de que essa tradução seja fidedigna. 3 – Frases ou expressões nominais: Exemplo: Baixos salários. Médicos descontentes. Enfermagem pouco qualificada. Falta de medicamentos. Desvio de verbas. Hospitais insuficientes e mal aparelhados. Atendimento precário. Esse é o retrato da saúde pública brasileira. 4 – Resgate histórico ou dados retrospectivos: A ESTRUTURA DISSERTATIVA ARGUMENTAÇÃOTESE CONCLUSÃO 1º parágrafo 5 a 6 linhas 2º, 3º e 4º parágrafos 5 a 6 linhas cada um 5º parágrafo 5 a 6 linhas
  • 2. Exemplo: As primeiras manifestações de comunicação humana nas eras mais primitivas foram traduzidas por sons que expressavam sentimentos de dor, alegria ou espanto. Mais tarde, as pinturas rupestres surgiram como primeiros vestígios de tentativa de preservação de uma era... 5 – Citação: textual e comentada. Exemplo: Textual: "O escravo brasileiro, literalmente falando, só tem uma coisa: a morte." Joaquim Nabuco, grande teórico do movimento abolicionista brasileiro. Nabuco revela uma das características que o pensamento antiescravista apresenta: a nota de comiseração pelo escravo. Comentada: O teórico Joaquim Nabuco, em sua comiseração pelo escravo brasileiro, disse que este só tem a própria morte. O movimento brasileiro antiescravista, quando já fortalecido, deixou bem clara essa pungente acusação nas palavras dos abolicionistas. 6 – Pergunta ou uma seqüência de perguntas: Exemplo: Os pensadores do século XIX propuseram nos termos da época as questões que, apesar de toda a posterior realidade, continuam a intrigar os críticos sociais: como funciona a mente de um político? Quais são os fatores imponderáveis que o levam a agir desta ou daquela maneira? 7 – Definição: Exemplo O envelhecimento é um processo evolutivo que depende dos fatores hereditários, do ambiente e da idade, embora ainda não tenham sido descobertas as causa precisas que o determinam em toda a sua amplitude e diversidade. 8 – Linguagem figurada: Exemplo: Os meios de comunicação, com sua velocidade estonteante de informação, fazem de cada homem um condômino do mundo. De repente, todos ficaram sabendo quase tudo, sem tempo para digerir 90% das informações que recebem; é uma ilha cercada de comunicações por todos os lados. 9 – Narração: Exemplo: O ano de 1997 foi marcado pela expansão da informática no país: realizaram-se as mais importantes feiras do mundo, apresentando novidades que deslumbraram os brasileiros. Os mais ávidos de atualizar-se transformaram-se em presas definitivas de um dos mercados mais lucrativos do planeta. 10 - Idéias contrastantes ou ponto de vista oposto: Exemplo: Enquanto muitos políticos brasileiros praticam a corrupção ao desviarem altíssimas somas em dinheiro do tesouro público, cerca de 30% da população sobrevive com menos de um salário mínimo. E para agravar, ainda temos episódios inaceitáveis como a proposta de aumento do salário dos deputados de R$ 12.000 para R$ 21.000!! 11 – Comparação: Exemplo: A era da informática veio aprofundar os abismos do país: de um lado, assistimos ao avanço tecnológico desfrutado por cerca de 2% da população; de outro, assistimos à crescente marginalização da maioria que sequer consegue alfabetizar-se minimamente.
  • 3. 12 – Contestação ou confirmação de uma citação: Exemplo: O computador liberta, afirmou Nicholas Negroponte, o pioneiro da era digital. Contudo, o modo como a informática vem se impondo parece angustiar o homem, gerando ansiedade que, longe de libertar, escraviza. 13 – Declaração surpreendente: Exemplo: Jamais houve cinema silencioso. A projeção das fitas mudas era acompanhada por música de piano ou pequena orquestra. No Japão e outras partes do mundo, popularizou-se a figura do narrador ou comentador de imagens, que explicava a história ao público. Muitos filmes, desde os primórdios do cinema, comportavam música e ruídos especialmente compostos. A ARGUMENTAÇÃO O desenvolvimento é a parte mais extensa do texto dissertativo. Compreende os argumentos (evidências, exemplos, justificativas etc.) que dão sustentação à tese – idéia central apresentada no primeiro parágrafo. O conteúdo dos parágrafos de desenvolvimento deve obedecer a uma progressão: repetir idéias mudando apenas as palavras resulta em redundância. É preciso encadear os enunciados de maneira que se completem (cada enunciado acrescentará informações novas ao anterior). Deve-se também evitar a reprodução de clichês, fórmulas prontas e frases feitas – recursos que enfraqueçam a argumentação. Cabe lembrar, ainda, que a adequada utilização de seu repertório cultural será determinante para diversificar e enriquecer seus argumentos. Observe alguns exemplos de argumentação: Tema: Televisão Argumentação por exemplificação Já foi criada até uma campanha – "Quem financia a baixaria é contra a cidadania" – para que sejam divulgados os nomes das empresas que anunciam nos programas que mais recebem denúncias de desrespeito aos direitos humanos. O mais importante nessa iniciativa é que a participação da sociedade, que pode abandonar a passividade e interferir na qualidade da programação que chega às casas dos brasileiros. Argumentação histórica Quem assiste à TV hoje talvez nem imagine que seu compromisso inicial, quando chegou ao país, há pouco mais de meio século, fosse com educação, informação e entretenimento. Não se pode negar que ela evoluiu –transformou-se na maior representante da mídia, mas em contrapartida esqueceu-se de educar, informa relativamente e entretém de maneira discutível. Argumentação por constatação Para além daquilo que a televisão exibe, deve-se levar em conta também seu papel social. Quem há não renunciou um encontro com amigou ou a um passeio com a família para não perder a novela ou a participação de algum artista num programa de auditório? Ao que tudo indica, muitos têm elegido a tevê como companhia favorita.
  • 4. Argumentação por comparação Enquanto países com Inglaterra e Canadá têm leia que protegem as crianças da exposição ao sexo e à violência na televisão, no Brasil não há nenhum controle efetivo sobre a programação. Não é de surpreender que muitos brasileiros estejam defendendo alguma forma de censura sobre a TV aberta. Argumentação por testemunho Conforme citado pelo jornalista Nelson Hoineff, "o que a televisão tem de mais fascinante para quem a faz é justamente o que ela tem de mais nocivo para quem a vê: sua capacidade aparentemente infinita de massificação". De fato, mais de 80% da população brasileira tem esse veículo como principal fonte de informação e referência. A CONCLUSÃO DO TEXTO DISSERTATIVO Quando elaboramos uma dissertação, temos sempre um objetivo definido: defender uma idéia, um ponto de vista. Para tanto, formulamos uma tese interessante, que será desenvolvida com eficientes argumentos, até atingir a última etapa da estrutura dissertativa: a conclusão. Assim, as idéias devem estar articuladas numa seqüência que conduza logicamente ao final do texto. Não há um modelo único de conclusão. Cada texto pede um determinado tipo de fechamento, a depender do tema, bem como do enfoque escolhido pelo autor. Em textos com teor informativo, por exemplo, caberá a conclusão que condense as idéias consideradas. Já no caso de textos cujo conteúdo seja polêmico, questionador, será apropriada uma conclusão que proponha soluções ou trace perspectivas para o tema discutido. Observe alguns dos procedimentos adequados para se concluir um texto dissertativo: Síntese da discussão – apropriada para textos expositivos, limita-se a condensar as idéias defendidas ao longo da explanação. Retomada da tese – é a confirmação da idéia central. Reforça a posição apresentada no início do texto. Deve-se, contudo, evitar a redundância ou mera repetição da tese. Proposta(s) de solução – partindo de questões levantadas na argumentação, consiste na sugestão de possíveis soluções para os problemas discutidos. Com interrogação (retórica) – só deve ser utilizada quando trouxer implícita a crítica procedente, que instigue a reflexão do leitor. É preciso evitar perguntas que repassem ao leitor a incumbência de encontrar respostas que deveriam estar contidas no próprio texto.