Alterações da fundoscopia em diabéticas

1.792 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.792
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • RDNP Leve: Apenas microaneurismas. Anteriormente chamada de retinopatia de base ou background.
    RDNP moderada: Mais que apenas microaneurismas, mas menos que RD severa não proliferativa
    RDNP severa: Sem sinais de RD proliferativa, com qualquer dos achados abaixo:
    -Mais de 20 hemorragias intra-retinianas em cada um dos 4 quadrantes
    -Ensalsichamento venoso em pelo menos 2 quadrantes
    -Anormalidades microvasculares intra-retinianas (IRMAs) em pelos menos 1 quadrante
    RDP :Qualquer dos achados abaixo:
    -Neovascularização
    -Hemorragia vítrea ou pré-retiniana
  • As queixas visuais do paciente frequentemente não correspondem aos achados
    oftalmológicos, o que torna o exame de biomicroscopia de segmento anterior e fundoscopia
    sob midríase indispensáveis no acompanhamento do paciente com DM. A diminuição ou
    “flutuação” da acuidade visual, borramento da visão, moscas volantes e visualização de raias
    vermelhas costumam ser as principais razões que levam o paciente a procurar atendimento
    com o médico oftalmologista.
  • completa e cuidadosa no período pré-gestacional, sendo orientadas sobre o risco de
    desenvolvimento e/ou progressão da RD. Em gestantes com diagnóstico prévio de DM
    recomenda-se a avaliação no primeiro trimestre com rigorosa monitorização trimestral até um
    ano após o parto. Esta recomendação não se aplica ao DM gestacional, visto que o
    risco de RD está associado à cronicidade da doença.
  • Tabela 5. Indicações de Fotocoagulação
    Edema macular diabético clinicamente significativo
    RD não proliferativa severa
    RD Proliferativa
    Glaucoma neovascular
    Vitrectomia: quando a hemorragia for maciça e de difícil
    Absorção, restaura a visão e complemente a foto
  • Alterações da fundoscopia em diabéticas

    1. 1. Alterações da fundoscopia em diabéticas UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS MEDICAS DEPARTAMENTO DE GINECOLOGIA E OBSTETRICIA PROFESSOR: Moisés Anielly Meira de Lacerda Macêdo 10912254 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 1
    2. 2. QUAL A IMPORTÂNCIA?  É uma complicação CRÔNICA do DM1 e 2  Associado ao MAU CONTROLE GLICÊMICO  Está entre as 4 principais causas de cegueira do adulto  Importantíssima causa de cegueira IRREVERSÍVEL em adultos  Gravidez: FR para SURGIMENTO e PIORA da RD em pacientes com DM pré- gestacional (BOELTER, et al. 2003) 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 2
    3. 3. O FUNDO DE OLHO 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 3
    4. 4. FISIOPATOLOGIA Hiperglicemia crônica Desvio do metabolismo da glicose Fatores inflamatórios trombogênicos e vasoconstrictores QUEBRA DA BARREIRA HEMATO-RETINIANA Lesão endotelial com perdas de pericitos Estresse oxidativo Aneurismas/ extravasamento de plasma Hemorragias e Edema Exsudatos duros (Lipídeos)/hemorragia intra retiniana Isquemia retiniana Exsudatos Algodonosos (infarto retiniano) Neovasos (liberação de fatores angiogênicos) Hemorragia Vítreas Cicatrização com fibrose Descolamento de Retina tracional 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 4
    5. 5. ESQUEMA MICROVASCULAR 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 5
    6. 6. CLASSIFICAÇÃO RDNP Leve RDNP Moderada RDNP Severa RDP 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 6
    7. 7. ACHADOS NA FUNDOSCOPIA Retinopatia não proliferativa Retinopatia Proliferativa Retinopatia proliferativa 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 7
    8. 8. ACHADOS DA FUNDOSCOPIA Retinopatia diabética não proliferativa inicial; microaneurismas e hemorragias. Retinopatia diabética proliferativa complicada por extensa hemorragia pré-retiniana. 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 8
    9. 9. ACHADOS DA FUNDOSCOPIA Retinopatia diabética proliferativa grave e final complicada por fibrose vítreo-retiniana e descolamento tracional localizado da retina nas arcadas vasculares temporais A - Retinopatia diabética pré-proliferativa: oclusões vasculares, exsudação lipídica e edema macular. B - Angiografia fluoresceínica mostrando dilatações capilares intraretinianas (IRMA) e início de neovascularização. 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 9
    10. 10. ACHADOS DA FUNDOSCOPIA Retinopatia diabética não proliferativa fase final com maculopatia diabética exsudativa lipídica grave. 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 10
    11. 11. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  Moscas volantes  Diminuição/flutuação da AV  Visualização de raias vermelhas  Borramento do campo visual  Edema macula: redução da AV 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 11
    12. 12. DIAGNÓSTICO  Mulheres com DM e com planos de engravidar devem realizar avaliação oftalmológica:  Pré-gestacional  Trimestral durante a gestação  Até um ano pós parto  Documentação da avaliação  Exames: Fundoscopia + Angiografia com fluoresceína 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 12
    13. 13. COMPLICAÇÕES  Hemorragia vítrea: acometimento variável  Descolamento tracional da retina: hemorragias e fibrose  Glaucoma neovascular: neovascularização iridiana e diminuição da drenagem de HA 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 13
    14. 14. TRATAMENTO  Diagnóstico precoce: prevenção de baixa visual  Controle da doença de base  Opções:  Fotocoagulação com laser de Argônio  Vitrectomia via pars plana  Novas terapêuticas:  Injeção intra-vítrea de corticoide  Medicações anti-angiogênicas 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 14
    15. 15. TRATAMENTO A - Retinopatia diabética proliferativa fotocoagulada com laser argônio. Marcas de laser recentemente aplicadas. B - Resultado da fotocoagulação mostrando cicatrização do laser na retina, ausência de hemorragias ou de exsudatos e região macular preservada. 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 15
    16. 16. BIBLIOGRAFIA  http://www.diabetesendocrinologia.org.br/pdflivroderotinas_nov2011/capi tulo_10_retinopatia_diabetica.pdf  BOELTER, Maria Cristina; AZEVEDO, Mirela Jobim de; GROSS, Jorge Luiz and LAVINSKY, Jacó. Fatores de risco para retinopatia diabética.Arq. Bras. Oftalmol. [online]. 2003, vol.66, n.2, pp. 239-247. ISSN 0004-2749.  BOSCO, Adriana et al. Retinopatia diabética . Arq Bras Endocrinol Metab [online]. 2005, vol.49, n.2, pp. 217-227. ISSN 0004-2730. 7/21/2014por Anielly Meira de Lacerda Macêdo 16

    ×