Introdução à Sabedoria Hiperbórea - WarriorTharos

1.688 visualizações

Publicada em

Introdução à Sabedoria Hiperbórea
Este texto está dirigido, SOMENTE, para aqueles que possuem uma trajetória de “busca da verdade”. Aqueles que, todavia duvidam das explicações que eles mesmos têm-se dado, longo de uma vida de investigação de quem somos, de nossas origens e destino; e que através de escolas Esotéricas, experiências “paranormais” e centenas de livros, continuam buscando respostas, pois o que aprendeu não o satisfaz. Para os que sabem que estamos de passagem, QUE SOMOS ESTRANGEIROS neste mundo, porém não conseguimos ainda montar o QUEBRA-CABEÇAS DA HISTÓRIA; DO DRAMA MILENAR no qual estamos inseridos. Para aqueles que sem DÚVIDA se sentem ÚNICOS em todo o UNIVERSO.
O propósito deste pequeno texto, é apontar uma série de “lacunas” faltantes do Quebra-Cabeças que todos temos incompleto; ou seja, informação e sabedoria não apenas conhecimento intelectual.
Se você NÃO É UMA PESSOA com PREDISPOSIÇAO GNÓSTICA (assim o chamaremos), o destino destes lixos, é o depósito de lixo. Assim não perca seu tempo, vá e “gaste” ele com os “homens reais do mundo real”, os divertidos, modernos, palpáveis e científicos que tanto aprecia ou detesta.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.688
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
77
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução à Sabedoria Hiperbórea - WarriorTharos

  1. 1.   WarriorTharos Introdução à Sabedoria Hiperbórea Baseado na Obra de Nimrod de Rosario
  2. 2. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       2     WarriorTharos 33333333 Introdução à Sabedoria Hiperbórea Baseado na Obra de Nimrod de Rosario            
  3. 3. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       3   Copyright © WarriorTharos Círculo Fenestra Infernalis República Federativa do Brasil Edição e Revisão Fanisk www.fenestrainfernalis.com Proibida a reprodução total ou parcial desta obra, de qualquer forma ou por qualquer meio eletrônico, mecânico, inclusive por processos xerográficos, sem permissão expressa do Autor (Lei 9610 de 19.02.98)                                    
  4. 4. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       4   Nota Introdutória Este texto está dirigido, SOMENTE, para aqueles que possuem uma trajetória de “busca da verdade”. Aqueles que, todavia duvidam das explicações que eles mesmos tem-se dado, longo de uma vida de investigação de quem somos, de nossas origens e destino; e que através de escolas Esotéricas, experiências “para-normais” e centenas de livros, continuam buscando respostas, pois o que aprendeu não o satisfaz. Para os que sabem que estamos de passagem, QUE SOMOS ESTRANGEIROS neste mundo, porém não conseguimos ainda montar o QUEBRA-CABEÇAS DA HISTÓRIA; DO DRAMA MILENAR no qual estamos inseridos. Para aqueles que sem DÚVIDA se sentem ÚNICOS em todo o UNIVERSO. O propósito deste pequeno texto, é apontar uma série de “lacunas” faltantes do Quebra-Cabeças que todos temos incompleto; ou seja, informação e sabedoria não apenas conhecimento intelectual. Se você NÃO É UMA PESSOA com PREDISPOSIÇAO GNÓSTICA (assim o chamaremos), o destino destes lixos, é o depósito de lixo. Assim não perca seu tempo, vá e “gaste” ele com os “homens reais do mundo real”, os divertidos, modernos, palpáveis e científicos que tanto aprecia ou detesta. Se for uma pessoa preguiçosa intelectualmente, não tem muito o hábito da leitura, se deseja tudo de pronto ou acha difícil demais de superar seus limites até mesmo físicos e mentais, fique fora desta leitura. Também uma pessoa regada a vícios, negativa e que busca algo para encontrar uma válvula de escape para suas frustrações (acredite que aqui não ira achar nada), volte aos seus comprimidos, bebidas e televisão que são melhores remédios nestes casos. Viva como um Homer Simpson, que é muito mais confortável. Procure se divertir na noite e encarar a vida como um jogo, pois é o melhor a se fazer neste caso. Se buscas palavras amigáveis, de carinho, amor, afeto, verdades lindas e cheias de beleza, não encontrará aqui, pois esta sabedoria é ácida às vezes cruel, insana, e muitas vezes nos remete a revisão de diversos conceitos. Isto não é RELIGIÃO, ou culto, ou sociedade esquisotérica, e ainda algum grupinho social de amigos. Se procura amizades e pessoas que pensam igual, procure na internet em rede de relacionamentos fadadas a ilusão e a futilidade extrema, pois lá é o seu lugar. Desejas compartilhar experiências? Sentimentos, lirismo, e coisas do tipo? Procure um grupo de alto ajuda, ou estas casas de entidades que tratam de deficientes mentais, lá encontrarás todo o amparo, com pessoas qualificadas que atenderão suas necessidades.
  5. 5. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       5   Porque as palavras que aqui encontrarás são ácidas, diretas e longe de moralismos, dogmas e preceitos culturais, contudo, senão tens coragem de progredir, pare aqui para depois não voltar chorando como uma garotinha do ginásio. Não encontrarás conforto e sim uma proposta de Guerreiros, que possuem esta Sabedoria Oculta, muito antes de qualquer alusão acadêmica. E aos céticos e fanáticos religiosos, desistam aqui antes que isto volte contra si mesmos. Somos lobos, não ovelhas e nossa única diferença para os loucos é que não somos loucos. WARRIOR THAROS "A Sabedoria Hiperbórea não esta apta para naturezas débeis; o Iniciado Hiperbóreo deve exibir um coração de gelo e uma vontade de fogo” Nimrod de Rosário (Luis Felipe Moyano) - "Carta aos Eleitos" “Olhemo-nos de frente. Somos Hiperbóreos, e sabemos muito bem como vivemos distantes. "Nem por terra nem por mar encontrarás o caminho que conduz aos Hiperbóreos" - como já dizia Píndaro de nós. Para além do Norte, dos gelos, da morte - a nossa vida, a nossa felicidade... Descobrimos a felicidade, conhecemos o caminho que a ela conduz, encontramos a saída após milhares de anos de labirinto.” Friederich Nietzsche em O Anticristo, 1888.
  6. 6. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       6   INTRODUÇÃO À SABEDORIA HIPERBÓREA INÍCIO INTRODUTÓRIO O Nacional-Socialismo do NS (DAP) foi uma aplicação meramente política, dentro de uma estratégia psicossocial que envolvia uma série de conjuntos voltados à ancestralidade e o resgate primordial do povo germânico, mas que serviria para qualquer outro. Era uma doutrina METAPOLÍTICA (além da política, mais próximo de uma espiritualidade) É Metafísica (além do mundo físico) pura e aplicada, muito mais rica, complexa e essencialmente diferente da “metafísica” marxista, se é que existe alguma nas teorias de Marx. Essa doutrina Metapolítica (tomando por Metapolítica uma política orientada com fins transcendentais ou místicos) era originada na Thule e na Vril-Gesellschaft (também entre outras como a Germanenorden), que por sua vez se baseavam em fontes de antigas sociedades secretas e círculos esotéricos ancestrais, com nomes conhecidos como Guido Von List (1848 - 1919), Rudolf Freiherr von Sebottendorff (1875 - 1945), Karl Maria Willigut (1866 -1946); também como Dietrich Eckart, Gottfried Feder, Hans Frank, Rudolf Hess e Alfred Rosenberg; e que era professado pelos antigos Germanos, Íberos, pelos Cátaros medievais, e pelos gnósticos, Maniqueus e entre outros povos tão antigos e ancestrais a todos estes. Tal Sabedoria Hiperbórea era sustentada, no Terceiro Reich, pela Ordem Negra-SS (Schutzstaffel) e os Cavaleiros do Sol Negro (tais nomes podem ser facilmente pesquisados e consultados a posteriori, e sendo verificado no castelo de Welvesburg algumas evidencias que corroboram tais afirmações contidas neste texto), a Ahnenerbe (Instituto para a Investigação e Ensino sobre a Herança Ancestral Alemã) e a Totenkopf Orden. Existia então toda uma simbologia, conceitos, idéias e estratégia endossada numa revitalização dos verdadeiros cultos e ritos dos deuses germânicos antigos, desta forma esvaziando o que o Cristianismo fez com a ancestralidade dos povos Indo-Arios em sua totalidade. Assim como pode ser verificado, a runa suástica e diversas outras runas tomaram lugar a símbolos sagrados cristãos, substituindo-os. Um novo conceito de cultura mítica e espiritual estava sendo aplicada. Mais uma vez, assim como na Grécia Dórica ou em Roma, o povo estaria engajado, em contato com os deuses, seus mitos e símbolos eternos. Sob o olhar de um líder carismático, levantando um povo caído em escravidão e usura, usurpado de seus direitos e plenitude em essência, além das riquezas materiais, afastados de sua verdadeira missão e de suas origens bárbaras ancestrais, regadas de valores virginais e matriarcais. Também existia o "NS pragmático" (meramente político adotado por pessoas comuns em sua maioria aqueles carentes de espiritualidade, no entanto, mesmo assim, envoltos em uma estratégia psicossocial, que deram sua contribuição), apenas como véu estratégico e como o meio de cultura onde proliferavam aqueles cuja Voz de Sangue (conceito de ancestralidade do sangue astral, voltado à voz do espírito, do EU) os integrava a seus Kameraden, mesmo assim não possuíam uma visão mais avançada.
  7. 7. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       7   Nem todos conheciam os fundamentos da Thule Gesellschaft, ou mesmo o lado oculto do Terceiro Reich, pois era algo para naturezas mais avançadas, espíritos plenos e infelizmente nem toda a massa estava preparada AINDA para o esclarecimento total de uma nova Atlântida renascida. E por isso muitas vezes, tais slogans, propagandas, e símbolos, eram usados e direcionados ao inconsciente coletivo, onde que nem todos deveriam saber diretamente seu conteúdo, a fim de evitar desenrolar paradigmas meramente CULTURAIS. Somente uma ELITE tinha a Sabedoria plena. Portanto, todo o modus operandi do NS e seus mecanismos psíquicos são carismáticos, não culturais, não racionais, residem no que C. G. Jung (psicologia analítica) chamou de Esfera de Sombra (inconsciente) da Psique humana - deixando carente de significado qualquer estruturação epistemológica pragmática que resida na compreensão racional do NS, pois se tratam de arquétipos, símbolos e mitos que sustentam símbolos eternos (símbolos hiperbóreos, deuses, arquétipos universais apenas localizados na esfera de sombra ou inconsciente, a serem compreendidos noologicamente – com o Espírito - e lançados a consciência). A identificação é automática dependendo do desenvolvimento da Esfera de Sombra (Sol Negro) e da pureza sincrônica do Sangue. Segundo C. G. Jung (lembrando que muitos até hoje negam sua contribuição ao Nacional Socialismo de Hitler, e que tenha sido um entusiasta do mesmo) em sua psicologia analítica podemos entender por arquétipos: “Se falam do conceito original, formulado por Jung (mas deturpado e distorcido por todos que quiseram dar um certo ar "científico" aos seus credos), os Arquétipos são as tendências estruturais invisíveis dos símbolos. Os arquétipos criam imagens ou visões que correspondem a alguns aspectos da situação consciente. Jung deduz que as "imagens primordiais", um outro nome para arquétipos, se originam de uma constante repetição de uma mesma experiência, durante muitas gerações. Funcionam como centros autônomos que tendem a produzir, em cada geração, a repetição e a elaboração dessas mesmas experiências. Eles se encontram isolados uns dos outros, embora possam se interpenetrar e se misturar. É como o buraco da forma de gelo. Há portanto arquétipos universais, invertidos e entes em seus níveis de significação e contexto, que estão presentes no inconsciente coletivo da humanidade, e que fará qualquer povo de qualquer lugar, mesmo se isolado numa ilha ou planeta, daqui há algum tempo conseguir adotar os mesmos mitos e sabedoria (de forma intuitiva, desde que os mesmos pertençam a linhagens dos cro-magnon) para compreender esta lacuna deixada pela ausência de compreensão na esfera de luz (consciência) do espírito e o EU. O núcleo de um complexo é um arquétipo que atrai experiências relacionadas ao seu tema. Ele poderá, então, tornar-se consciente por meio destas experiências associadas. Os arquétipos da Morte, do Herói, do Si-mesmo, da Grande Mãe e do Velho Sábio são exemplos de algumas das numerosas imagens primordiais existentes no inconsciente coletivo. Embora todos os arquétipos possam ser considerados como sistemas dinâmicos autônomos, alguns deles evoluíram tão profundamente que se pode justificar seu tratamento como sistemas separados da personalidade. São eles: a persona, a anima (lê-se "ânima"), o animus (lê-se "ânimus") e a sombra. Chamamos de instinto aos impulsos fisiológicos percebidos pelos sentidos (esfera afetiva). Mas, ao mesmo tempo, estes instintos podem também manifestar-se como fantasias e revelar, muitas vezes, a sua presença apenas
  8. 8. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       8   através de imagens simbólicas. São estas manifestações que revelam a presença dos arquétipos, os quais as dirigem. A sua origem não é conhecida (até certo ponto pelo cérebro arquetípico), e eles se repetem em qualquer época e em qualquer lugar do mundo - mesmo onde não é possível explicar a sua transmissão por descendência direta ou por "fecundações cruzadas" resultantes da migração.” Um dos arquétipos mais conhecidos é o do Herói, e evidencia - dentre mil outras coisas - o gosto de muitos por filmes de ação, o acompanhamento de sagas olímpicas e torneios, elementos que exaltem o espírito do guerreiro e a atenção inconsciente da visualização da runa Suástica e Evástica, que não foi apenas usado pelo NS. Tal Vox faz ferver o sangue e estimula ainda mais o conhecimento e o entendimento de tal sensação e atuação de sua Voz do sangue ou Memória de Sangue (Minne). Assim, foi confeccionado através de diversas formas a exaltação direta a voz do sangue do povo germânico, em oposição direta ao cristianismo vigente e seus conceitos, e excelentemente aplicada por Joseph Goebbels (1897-1945), ministro da propaganda do Terceiro Reich. Tal resposta foi o espantoso número de voluntários ESTRANGEIROS as SS (Schutzstaffel) em armas. Pessoas do mundo inteiro, até mesmo os que os racistas neonazis de hoje chamariam de “inferiores”, responderam ao carisma do Führer e a guerra contra o inimigo maior. O Terceiro Reich fazia vários desfiles, encorajados por Alfred Rosenberg (1893- 1946), com estrelas, cetros e indumentárias tipicamente babilônias, gregas, teutônicas, romanas, etc., pois seguindo a missão iniciática as SS desejavam ser a "Nova Babel", “Nova Roma”, “Nova Grécia”, “Nova Esparta”, o “Terceiro Reich”. Mas essa “torre” de Babel a que se referem os Iniciados tem um teor bem diferente do judeo- cristianismo e os relatos de suas respectivas bíblias ou a Torah. Também era possível notar a riqueza de elementos simbólicos ressaltando as fileiras dos soldados como Espartanos da Grécia Dórica antiga e ou também os soldados Pretorianos de Roma. A Saudação “Sieg Heil” (aplicada com um dos braços esticados para frente, formando um ângulo reto com o corpo, visto de perfil) é uma saudação mágica muito antiga, desde a Atlântida, usada por diversos outros povos ao saudarem o rei do sangue. Mais recente temos como exemplo, Roma com a saudação feita ao César. Mas o mais importante mesmo é a palavra dita (bija – termo que os hindus usam para distinguir palavras pronunciadas que possuem efeitos “mágicos” na acústica correta, muito usada para os mantras), pois é dela que se emana o comando de voz, e o movimento corpóreo representam uma runa; existindo toda uma energia criada em torno disto, muito mais além do que pessoas comuns e céticas possam imaginar. Um erro típico dos racionalistas e céticos, daltônicos gnósticos, é o de pensar que o Nacional Socialismo sem seus termos místicos é apenas uma ideologia partidária, leiga e temporal. A elevação básica de uma visão mais profunda é ver o Nacional Socialismo sob a ótica de sua origem central, ou seja, dentro dos conhecimentos da Sociedade Thule Gesellschaft e das SS. Todos os historiadores que tentam decifrar os enigmas do Terceiro Reich caem sempre no deducionismo, nos achismos e esquisoterices para tentar adjetivar como demoníaca a proposta do Führer. Assim sendo, ao menos admitem que jamais compreenderão perfeitamente como tal simbolismo, signos, sinais e a suástica podem expressar tanta força e valor em seu
  9. 9. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       9   povo; sincronizados em um único objetivo e doando suas vidas em guerra. A resposta mais próxima que estes historiadores simplistas chegam é de que o povo foi “hipnotizado”, idéia que a principio já se torna digna de muitas gargalhadas. Afinal o Führer conseguia fazer da política com sua oratória, um discurso de uma tarde inteira; manter em euforia uma multidão pela tarde toda, atenta e escutando, como em um sonho mágico que se torna realidade; sem ser tedioso. O Nacional Socialismo não "inventou" do nada sua parte esotérica, mas essa o precedeu em milênios através de uma estratégia e sabedoria muito antiga, legada por diversas civilizações. As referências mais recentes são o Catarismo medieval, a doutrina dos monges tibetanos Kâulikiyas (Muitos deles defenderam o Bunker de Hitler na batalha de Berlim, causando mais de 600 baixas no exército soviético; por conta disso a existência da pequena divisão tibetana das SS foi totalmente encoberta, os vestígios arrasados pela URSS, mas constam de seus documentos mantidos em sigilo e em algumas fotos raras de se encontrar), entre outras contribuições, de Armanen e seu sistema rúnico, Von Sebottendorf (1875-1945), Guido von List (1848- 1919), Nietzsche (1844-1900), Edmund Kiss (1886 – 1960, onde foi em expedição pela Ahnenerb para a Bolívia) e de outras influências, facilmente verificado lendo os livros publicados OFICIALMENTE pela SS no período do Terceiro Reich. Também Heinrich Himmler (1900-1945) e Rudolf Hess (1894–1987), ambos altos iniciados, deram suas contribuições teóricas e mágicas para criar a difusão carismática da identidade germânica. Dietrich Eckart, que descobriu Hitler em setembro de 1919, tornou-se mais tarde um amigo e professor. Ele com os seus pontos de vista nacionalistas e anti-sionistas foi o exemplo ideológico de Hitler. Dietrich Eckart já estava convencido em 1920, que o sionismo tinha de ser destruído. Rudolf Hess também viu Adolf Hitler, discursando e logo sentiu sua predisposição gnóstica para se tornar o futuro Rei do Sangue da civilização hiperbórea alemã, sendo Hess o encarregado de encontrá-lo. Quando o reconheceu, foi de imediato sua frase “É ele, é ele mesmo, tenho certeza” disse seu filho Wolf Rüdiger Hess em depoimentos posteriores. Hess era um dos grandes Iniciados bem como Martin Bormann (1900-1945) e Dietrich Eckart (1868 - 1923), naturalmente. Hess foi então o Taufpate (padrinho da iniciação) de Hitler na Thule e logo foi passado a Dietrich Eckart, mentor direto de Hitler na Thule, passou a ele toda a sabedoria e viu nele, e todos da ordem, tremenda energia interior: todos os Iniciados então viram nele o futuro Rei do Sangue, aquele que governa por direito nato de seu extremo poder espiritual, eleito por seu carisma e não por nenhuma democracia política. Ele recebeu a Iniciação e foi posto na liderança de um pequeno partido (DAP); a partir daí, iniciou-se a estratégia psicossocial (NS), formando então o conhecido NSDAP (Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei - Partido Nacional Socialista Alemão dos Trabalhadores). Não só Hitler, mas Hess (seu padrinho na Thule), Eckart (seu mentor), Himmler e um círculo de quase 300 SS faziam parte da secretíssima sociedade Einherjar, que se formou há mais de 600 anos com um ramo da milenar família de Tharsis que deu seguimento à cadeia iniciática hiperbórea no interior da Áustria (mais detalhes
  10. 10. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       10   descritos na Novela Mágica “O Mistério de Belicena Villca”). Daí que tantos outros SS tenham sido iniciados (mas nem todos das SS em armas ou outras divisões eram iniciados ou pertenciam a Thule, basicamente a maioria fazia parte da Ordem Negra da SS), em especial aqueles que participaram das expedições esotéricas como a do Tibete, China, Bolívia, Amazônia, Escandinávia, Antártida e etc. A retórica da "Deutschland Erwache!" ("Desperte, Alemanha!") despertar para o Valor do Espírito foi criado por Eckart. Dedicava envolver as pessoas numa atmosfera carismática de União absoluta e sincrônica do Sangue, para que a Voz de Sangue comum do povo, a Voz do Espírito, pudesse se manifestar (Aura Cátena). Todos os símbolos espirituais usados, a Águia que é o símbolo máximo do Guerreiro Sábio, do homem viril e altivo, à Suástica que é um fragmento do Signo de Thule (signo da origem), tudo era propício a este fim esotérico do despertar coletivo e da tentativa de transmutação coletiva do Vyria perdido (Vyria, do sânscrito, “homem desperto”) para um Domini Canis (Cão domado ou Alma domada), um Homem Espiritual onde sua alma criada (do criador) é dominada e controlada pelo Espírito eterno (livre, não- criado), e esse exprime seu Valor Honorífico Absoluto. É de onde vem o lema da Ordem Negra da SS: Meine Ehre heißt Treue - Minha Honra se chama Valor (fidelidade)! Adolf Hitler, o Führer, ele o Rei do Sangue, foi uma personalidade sem igual assim como também o antigo rei mesopotâmio Nimrod. Tinha muita energia. Saiu do meio do quase nada - um camponês dedicado a oratória e a ser líder desde muito cedo, mesmo nas rodas de brincadeira, era ele quem ditava as brincadeiras - e conseguiu alçar ao mais alto grau de existência apenas com sua FORÇA VOLITIVA (força de Vontade). Passou fome várias vezes para gastar dinheiro com instrução e arte, vendia quadros para ganhar um mínimo de sustento afim de não se submeter ao sistema salarial escravagista existente, e se ninguém lhe ajudou - nem a Thule (ajudou muito depois, dado sua instrução e iniciação na Sabedoria Hiperbórea) - conseguiu a imortalidade pelos seus feitos, sem ajuda, ainda mais, pelo TRIUNFO DA VONTADE. E quando soldado, seus atos de bravura apenas evidenciaram seu potencial heróico, tendo conquistado a cruz de ferro merecidamente, tornou-se admirado até mesmo pelos seus oficiais superiores que futuramente se juntaram em sua estratégia. Mesmo sabendo que não podia vencer uma guerra, e não a queria (desejava apenas ganhar tempo para estender a atuação de sua estratégia para mais indivíduos), mas se preparou para ela e a lutou, por questões estratégicas além do que generais, ou pessoas comuns podem deduzir e fantasiar. Nunca freqüentou escolas militares, no entanto, venceu batalhas e criou estratégias de dar inveja a muitos generais conceituados, por mais que hoje critiquem esta ou aquela ação, tudo foi ponderado e muita das vezes, alguns generais omitiam informações, pelo simples fato de que tinham o EGO maior que a própria certeza da vitoria. Combatia-se não apenas um sistema cruel e facínora, mas toda a Sinarquia (união de poderes) e suas ramificações nos anais de todos os governos e economias políticas. E se a Alemanha resistiu tanto, foi graças ao valor inquebrantável do Espírito que foi inspirado pelo exemplo e pela
  11. 11. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       11   presença energética de Hitler, sua determinação e posição da Guerra Essencial (Guerra dos deuses). Desde Atlântida, nenhum outro combate, guerra ou batalha, foi tão atroz quanto esta que resultou na aliança do MUNDO INTEIRO contra a Alemanha de Hitler (Japão deixou Alemanha na mão de pronto, apesar de muitos guerreiros samurais terem feito seu papel, ao contrario de seus superiores; Itália era fraca e Mussolini não tinha o mesmo carisma de Hitler, assim tendo que deslocar ajuda ao vizinho amigo; em contrapartida houve voluntários do mundo todo a ajudar o Reich Alemão). Como todos os Grandes Espíritos que expressam nessa vida um valor extremo, ele se livrou das cadeias da existência material e se incorporou ao mundo dos Espíritos Livres, Hiperbórea, onde se torna um DEUS (assim como todos os Viryas podem chegar a ser) ou KSHATRIYA (termo usado em sânscrito para definir “Casta de Guerreiros”), e desde onde se manifesta cada vez que uma pessoa declara, com todas as suas forças, a Guerra espiritual (Guerra Essencial) contra as forças do Karma (conjunto de deméritos acumulados que visa atingir uma meta evolutiva ou Dharma para cumprir a vontade do Criador). Em termos mais históricos, podemos ver Hitler exatamente nos termos do filme da Leni Riefenstahl (1902-2003): O TRIUNFO DA VONTADE. Sabia do caráter suicida de sua missão, e jamais voltou atrás por conta da consciência imanente de que era uma luta em nome da Honra, uma nova revolta em nome de todos os povos Hiperbóreos que foram arrasados pela Sinarquia, na Europa, na Ásia, nas Américas e entre outros. A missão exotérica (algo que está fora, externo) de Hitler era expor a Sinarquia nas suas bases e em seu pleno funcionamento - a aliança que afundou o mundo na guerra total foi concebida para apagar a Voz do Sangue do povo alemão que então se aproximava da transmutação coletiva em homens espiritualmente despertos (a canção DEUTSCHLAND ERWACHE!). Todo o alto comando SS estava comprometido com a Sabedoria Hiperbórea, por isso do circo e linchamento de Nuremberg - os inimigos aliados a partir dali tomaram uma série de providencias e criaram leis internacionais, desrespeitando as já existentes, para que proibisse veementemente qualquer que seja a simbologia adotada que faça menção ao Nacional Socialismo e todas suas vertentes. Assim para que jamais o mundo novamente tenha sequer o nome de Hitler citado nos anais da história. Trabalho este em vão, porque nenhum poder terreno político ou sinárquico tem autonomia ou força para destruir o espírito inquebrantável e eliminar a estratégia dos Deuses Leais, sendo estas leis apenas para amedrontar os mais fracos e confundir os mais débeis. Em suma, fica evidente que o Nacional Socialismo é uma GNOSIS (conhecimento superior, interno, espiritual, iniciático), um estudo mais profundo das origens espirituais e ancestrais aplicados em uma estratégia e uma postura diferente diante de toda a sociedade ocidental. Qualquer pretenso entendido do Nacional Socialismo deve ter lido o "Mein Kampf" de Hitler, mas isso não é recomendado como uma leitura inicial. Este livro expressa as linhas políticas adotadas naquele contexto histórico, período de seu exílio
  12. 12. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       12   na prisão, foi confeccionado com a ajuda de Rudolf Hess dentro de uma estratégia psicossocial; frases de efeito com simbolismos que passam por alto aos desentendidos, a partir daí que surgem erros grosseiros de interpretação e imputam falso; frases desconexas e fora de sentido real conotativo. Exatamente por este mau uso de parte da propaganda aliada, o Führer ordenou que fosse retirado de circulação o livro. Vejamos a seguir, em entrevista concedida em 1936 ao jornalista francês Bertrand de Jouvenel (Paris Midi) o que Hitler disse: “Meu livro é um desafio à luta, recheado de insolências e imprecações, pois foi escrito na prisão. Eu o redigi com a indignação do apóstolo perseguido, mas entre os programas políticos do livro e os do chanceler do Reich alemão existe uma diferença fundamental. Ocorreram mudanças e compromissos, como sempre, quando uma oposição assume o governo. Deveria eu me corrigir e eliminar do livro as passagens que hoje são ultrapassadas? O político não se corrige com palavras, mas sim através do seu comportamento, de suas ações. Eu retifico o que disse em Mein Kampf sobre a França da melhor maneira buscando com todo empenho um entendimento alemão-francês.” Tendo isto claro, ao pobre cidadão alemão de hoje, não lhe é permitido estudar sua própria história. Desta forma podemos identificar que: • O NS e a Doutrina Oculta da Ordem Negra da SS não são um privilégio da Raça Branca, mas virtualmente qualquer ser humano pode aceder à Iniciação Hiperbórea e formar um povo de Sangue Puro desde que se purifique seu sangue astral, aplicando sua força volitiva (Vontade) de seu Espírito (o mais profundo do EU). • A Pureza do sangue não é simplesmente genética, é muito mais complexa. Sempre que pensamos Sangue pensamos não só na genética, mas no SANGUE ASTRAL. A Pureza de Sangue se mede pelo grau de desenvolvimento da Esfera de Sombra e pela ORIENTAÇÃO demonstrada pelo indivíduo em direção a sua Voz do Sangue, a Voz dos ancestrais hiperbóreos. Quem consegue melhor ouvir (a canção dos deuses), mais Puro e transmutado é seu sangue. • O NS não recomenda a miscigenação porque acarreta em grande confusão espiritual, dificultando (não impossibilitando) a visualização do signo de origem primordial, do qual é objetivo para se ter a libertação do espírito aprisionado. A retórica do nordicismo, de que somente loiros de olhos azuis, são argumentos dos que não compreende a ancestralidade como um todo, mesmo entre os povos indo-arios existem variações fenotípicas, bem detalhadas pela Ahnenerbe em seus estudos arqueológicos e esotéricos. Somente os que levam o NS como algo cultural, palco para um subterfúgio de ódio e instinto agregário é que podem se amparar nisto. Porque o NS prega justamente o fortalecimento de cada raça, de cada cultura que possa criar uma vinculação carismática através do Sangue. A preservação racial é um
  13. 13. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       13   movimento estratégico que permite em certas ocasiões da História a aplicação de uma transmutação coletiva, uma sincronia completa do Sangue. Mas isso não se aplica somente à raça Branca, mas a qualquer povo e raça que, num certo momento da História, deseje se mover coletivamente em direção à Origem, e dentre estes casos temos vários povos no decorrer da História. • Jamais um verdadeiro estudante da Ordem Negra da SS e sua sabedoria, pregaria "supremacia branca" nem o racismo cultural puro e simples, mas sim a preservação de cada raça e a beleza de cada uma em sua Pureza Primordial, sem o detrimento de outras. Poderíamos descrever aqui de forma acadêmica e forense todas as nuances políticas da Estratégia NS. Porém, não se faz necessário, já que é verificável em qualquer fonte histórica séria, mesmo que o autor negue tal roupagem espiritual e passe a fazer uma mistura de “esquisoterice” como vemos por ai em muita literatura com fins lucrativos. Desta forma podemos compreender melhor a ORIGEM GERADORA do Nacional Socialismo que é a Sabedoria Hiperbórea. Toda a política seria informação meramente cultural e intelectual, já bem conhecida e resenharia apenas de forma superficial o verdadeiro NS oculto - o mais profundo conhecimento anterior dentre os anais da história. O grande objetivo por trás dessa política é contra-atacar num ato de Honra, mesmo sem chance de vitória (e Hitler era ciente disto) a Sinarquia, expondo sua força e modo de operação, movimentando em oposição até mesmo cultural ao Kali Yuga (Era do Ferro, para os Hindus nossa era atual de maior degradação do homem, a última era de existência deste mundo), freando a roda de decadência do mundo e dos homens. Não foi a primeira vez na Europa, que se aplicou tal estratégia (não no tamanho e neste raio de alcance global tão recente que foi a Segunda Guerra Mundial, enfrentando a Sinarquia e deixando exposta sua união escusa e como se coadunavam, desde Atlântida), mas em boa parte do mundo, houve guardiães da Sabedoria Hiperbórea, da Gnosis Primordial anteriores ao Nacional Socialismo. O Nacional Socialismo resgatou diversos símbolos eternos de Roma, de César Augusto (um dos mais altos iniciados Pontífices da Sabedoria Hiperbórea) revivendo o esplendor e o apogeu de uma estratégia altamente honorífica e transformadora de homens adormecidos em Homens de Pedra. Também existem outros relatos de diversas linhagens germânicas e nórdicas, cujas algumas serão resenhadas aqui. Muitos pesquisadores e historiadores, erroneamente (ou não) associam os Druidas aos Celtas constantemente, ou qualquer monumento Megalítico relacionado a estes. De tal modo que façam crer que tais sacerdotes eram na verdade de origem indo- aria, quando bem sabemos que não é bem assim. Deste modo, no Manuscrito de Oera Linda (livro encontrado no acervo de pesquisas do Instituto de Pesquisa Ancestral Alemã Ahnenerbe, durante o Terceiro Reich e entre outros escritos antigos recuperados) contém relatos da família de nobres Overlinden, na então Frísia, hoje território
  14. 14. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       14   holandês, com milênios de idade e como o culto dessa região foi degradado por uma casta de Sacerdotes que se chamavam a si “treuwidden” (“os que tudo sabem”, mais conhecidos Druidas “celtas). Os Overlinden sabiam através de Dácios, Trácios e Búlgaros que os treuwidden provinham da Judéia e eram vistos constantemente entre os assírios e fenícios, em um porto na rota próximo a “terra prometida”. Os celtas, por ter tido influencia direta dos Druidas, foram os primeiros povos a caírem, e não oferecer resistência alguma a conversão ao cristianismo, ao contrario de outros povos nórdicos e bárbaros. Também Armanen relata a história de sua própria família germana, as guerras que enfrentaram por causa de seu culto, e o seu sistema rúnico dos mais antigos, podendo verificar diversas divergências atuais com o dito sistema rúnico contemporâneo. Karl Maria Willigut conta a história dos Saxões, povos valorosos e bárbaros, sua religião que defendiam de seus próprios irmãos germânicos que adotaram uma versão deturpada do Odinismo, em meados de 3.000 a.C. Todos estes relatos são semelhantes. São todos relatos de casas de linhagens e povos de idade muito antigos. De tal modo que fica evidente a correlação dos mitos em si, em cada povo, e como que cada qual adotou um sincretismo peculiar através de tais “sacerdotes” implementando, ou tentando, confundir o real SENTIDO dos mitos. Todos estes povos tinham a missão de defender uma religião que aparentemente revoltava seus vizinhos, incomodava diversos inimigos antigos em sua maioria nômades e comerciantes. Contam de um artefato sagrado, que envolvia invariavelmente uma gema verde, pela qual seus vizinhos e inimigos cobiçavam a todo custo e proporcionavam guerras de custos exorbitantes para sua posse. Foram todos perseguidos e exterminados de forma violenta e tiveram muito de seu sangue derramado quando perdiam uma guerra, num ódio muito ignorante. Fica evidente a influencia de sacerdotes, que mesmo deturpando conceitos míticos, ainda a muito custo, tiverem êxito em alguns casos e outros não. Fica evidente uma ligação ancestral muito mais antiga primordial, datada da formação do mundo, onde que se assemelham em vários fatores. Podemos perceber que nessas religiões e povos, aparentemente diferentes entre si, sempre evidenciava a figura de um Wotan (Old High German), às vezes chamado Na-Wotan, Wōden (Anglo-Saxon), Wodan, Wōđanaz (Proto-Germanic), Óðinn (Old norse) e etc. Senhor Wotan (Navutan), num idioma muito antigo, como o nórdico arcaico, germânico arcaico e entre outras línguas arcaicas de origem indo-ária. A ligação comum entre tais povos era sem dúvida o inconsciente psíquico e a herança hiperbórea do signo da origem (espiritual e transcendental, não apenas no sentido cultural), diferente de racional e amansadora, era voltada a guerra, ao bárbaro (assim como o famoso personagem Conan o Cimério, podemos ver o mito de tal personagem apresentado nestes povos), netamente insana. Não era uma religião comum, nem uma “doutrina oculta”, mas simplesmente um código de conhecimentos intuitivos baseados no Orgulho Guerreiro e na Honra (longe de ser moral e psicológica ou ética, muito diferente do conceito psicológico de Honra atual) que todos diziam ter
  15. 15. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       15   recebido de um povo ancestral de gigantes que lhes legou tal Sabedoria, juntamente com as Ciências Lítica, o cerco Amuralhado de Pedra, as Armas, a Agricultura, antes de migrar sempre para o Leste e construir tais monumentos líticos sempre próximos a rios ou costas marítimas. Tais relatos podem ser consultados em diversos livros, de forma bem tímida e às vezes errônea, o que faz mister uma revisão histórica, desde a Grécia Dórica e ou Roma de Cesar Augusto, e em outros povos isolados até mesmo entre índios norte-americanos, Japão com os Ainos, os Kassistas da Babilônia, os Sumérios e até os Mongóis. Não só na Europa, mas em boa parte do mundo, houve os que ostentaram a Sabedoria Oculta da Libertação do Espírito cativo como se pode verificar. Gengis Khan, por exemplo, era um destes. Possuía como seu símbolo a Suástica. Jamais estará detalhado afundo sua origem, principalmente quando o mesmo passou pelo exílio do deserto de Gobi e o que ali ocorreu, a historia “oficial” jamais entrara em detalhes, mesmo que conheça. Tal signo era o símbolo do exército mongol de Temüjin (Gengis Khan), justamente porque foi tudo destruído (entretanto no parlamento Mongol, até hoje pode se notar no monumento a Gengis Khan, a evástica adornada), proibido e oculto dos anais da historia de forma deliberada e planejada desde séculos. Afinal a historia é contada pelos vencedores ou seus sucessores. O mesmo pode ser dito sobre Roma, todas as mentiras que contam e imputam a Roma grandiosa, seus símbolos e seus templos, todos discretamente deixados de lado, principalmente os que possuem as evásticas e as runas suásticas, como o templo de Ara Pacis, onde que o próprio Führer, fez questão de visitar primeiramente quando esteve na Itália. Na América, houve diversas tribos norte-americanas (alguns artefatos possuíam a suástica e muitos relatos se assemelham aos dos outros povos já citados) que construíram cidades de pedra de acordo com a Sabedoria Hiperbórea. Na América do Sul os Incas cultuavam um deus chamado VIRACOCHA, semelhante ao QUETZALCOATL Asteca, que não eram senão ODIN, WOTHAN ou NA-VUTAN. Sua figura era a de um homem branco, com longa barba, idade avançada e uma túnica cinza ou negra, e que sempre aparecia para dar conselhos nos momentos de pior dificuldade (semelhante ao personagem Gandalf, da saga épica do século XX de J. R. R. Tolkien). Outro exemplo são os povos da Lua, situados na Ilha da Lua (destruída e hoje conhecida como Ilha do Sol, mais detalhes podem ser obtidos da novela mágica “O Mistério de Belicena Villca”) no Lago Titicaca, na Bolívia (Edmund Kiss visitou, em expedição promovida pelo Instituto Ahnenerbe, este território e pode verificar a presença de vários monumentos de pedra com runas incrustadas), que foram liquidados por tribos rivais. Outros relatos que podem ser lidos nas Crônicas de Akakor, das tribos de povos germânicos na Amazônia e na região fronteiriça com outros países. Tais relatos formam um grande quebra-cabeças, que unidos, encontram uma sincronia mítica, uma relação mais intrínseca ao Espírito do que meramente racial (com exceção das questões estratégias de transmutação coletiva e entre outros fatores em que o sangue puro genético pode influenciar beneficamente). Assim observamos, sempre,
  16. 16. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       16   uma sabedoria antiga, de construtores de pedra com Cromlechs e Monólitos, Megalitos e etc., sempre descritos como povos sábios em diversos relatos míticos e religiosos. Tais povos sábios eram os Atlantes Brancos (sobreviventes da Batalha de Atlântida, guerreiros da origem; fizeram o Pacto de Sangue com os Iberos; eram os homens de Cro-Magnon, iniciados que ajudaram com suas construções de pedra a influenciar povos ali próximos, neutralizando a energia do Kali Yuga; significam a Eternidade do Espírito e se retiraram para Agharta), de Atlântida, ou como alguns nórdicos e povos indo-arios chamavam, Povos Hiperbóreos de Hiperbórea ou Thule.
  17. 17. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       17   SABEDORIA HIPERBÓREA (GNOSIS HIPERBÓREA) Por volta da década de 80, o argentino Sr. Luis Felipe Cires Moyano Roca, (alto Iniciado e Pontífice Hiperbóreo, supõe-se de uma linha de sucessão, na América do sul, da Ordem Negra desde Martin Bormann), toma contato com a história da Casa de Tharsis (linhagem dos antigos Tartessos da península Ibérica), uma família de nobres espanhóis com mais de quatro milênios de antiguidade. Suas obras são fruto de estudos de mais de 20 anos, retirado de diversos livros raros e proibidos (em torno de cinco mil livros) e compilados de todos estes relatos e fragmentos escritos da Sabedoria Hiperbórea. Assim termina suas obras que são nada mais que uma compilação didática, de máxima “ciência” gnóstica hiperbórea nunca antes tão excelentemente escrita. São estas: a Novela iniciática mágica intitulada “O Mistério de Belicena Villca” (onde estão todos estes fragmentos dos relatos da Casa de Tharsis e a sabedoria hiperbórea no decorrer da história, explicando seus conceitos e como foi mantida por diversos povos no decorrer do tempo), também os livros fundamentais de estudos didáticos, par excellence em estudos profundos da sabedoria hiperbórea e sua aplicação gnóstica intitulado de “Os Fundamentos da Sabedoria Hiperbórea” (obra bem detalhada, com 14 tomos/livros com todos os conceitos descritos como nunca antes, sobre a estratégia dos Deuses Leais, os conceitos da gnosis hiperbórea e suas aplicações) e outros ainda não divulgados por questões estratégicas. Totalizando são quase duas mil paginas de materiais mais complementos a serem lidos, pelo menos por quem deseja uma melhor compreensão da estratégia primordial dos Siddhas Leais (Deuses Leais) para fins de Orientar-se na Guerra Essencial, que está acontecendo e que a partir de agora deseja possuir de força volitiva suficiente para tornarem-se mais um soldado e estudante da Gnosis Primordial. Então iremos introduzir e resenhar em alguns conceitos da Gnosis Primordial, para poder se ambientar melhor no que estas obras escritas por Luiz Felipe Moyano explicam. Explicando de modo simples, existe um conflito de Deuses (Leais e Traidores) desde a Origem do ser humano. Este conflito vem orientando os grandes conflitos da humanidade desde os tempos mais remotos do mundo Criado. O Homem (fala-se homem no sentido de gênero/espécie) possui uma tríplice natureza: o corpo físico, uma Alma ou Mônada (O Uno emana de si raios, alentos ou o sopro divino que é chamado de Mônadas, que são a essência imortal da alma do animal-homem) que é igualmente material (criada pelo Deus Criador e pertence ao seu Uni-verso) e um Espírito NÃO MATERIAL, APRISIONADO À ALMA, INFINITO EM SI E ETERNO (não imortal de existência, mas eterno em presença). Esse Espírito provém de HIPERBÓREA, um local fora/além do Uni-verso Criado, onde lá ele era infinito e indeterminado, plenipotente e onipresente como um Deus.
  18. 18. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       18   Segundo as várias correntes esotéricas ocidentais, o sete é o número fundamental da manifestação, freqüentemente encontrado em diferentes cosmogonias (origem do cosmo, estudo de), assim como nos dogmas de diversas religiões e na tradição de muitos povos antigos. Assim como a natureza, chamam o Homem de saptaparna (planta de sete folhas), simbolizado geometricamente por um triângulo sobre um quadrado. Nesta constituição setenária, podemos entender a Mônada como a coroa (ou aureola) que esta acima da constituição humana (a ponta superior do triângulo), fornecendo-lhe a sua alma (criada) “imortal”. Diz-se que a Tríade superior é a parte “imortal” da natureza humana, o "espírito" (usado erroneamente como sendo a mesma coisa que a alma) e alma da terminologia Cristã, enquanto que o Quaternário inferior é a parte mortal, o "corpo" (Sthula Sharira - o corpo físico, corpo denso), do Cristianismo. A mônada tem o objetivo de individualizar-se, emana de si um princípio mais denso chamado Budhi (da raiz verbal do sânscrito, budh, despertar, iluminar, saber; a alma criada, o fino vaso onde dentro arde a Mônada é o raio individual que emana da Alma Universal ou anima mundi). São conceitos da Teosofia, que mesmo ela sendo fruto da confusão estratégica, agentes sinárquicos e shambalicos (Chang Shambalah – centro da Fraternidade Branca, dos Deuses Traidores) nos mostram partes desta tríplice composição humana material, sem segredos. Corpo, alma e Espírito é a tríplice natureza original (ou trindade) do homem, depois de seu aprisionamento a matéria, através do engano original. Até mesmo hoje em dia a Igreja Católica, admite tal tríplice natureza. Logo é mister ter em mente tal diferença entre ALMA e ESPIRITO dentro dos conceitos da Sabedoria Hiperbórea para não cair em CONFUSÃO, como muitas seitas esotéricas, espíritas, e budistas dizem ser fruto da evolução, que estão baixo alguma missão karmica, de fato é verídico, no entanto tal evolução concerne meramente a ALMA, a MÔNADA do Demiurgo. Em contrapartida o Espírito não precisa de evolução porque ele é PLENO e é onde a Alma se alimenta de sua energia infinita, alma tal que age como um parasita. Esta trindade ocorre quando o aprisionamento do Espírito à Matéria é gerado e o Criador (ou Demiurgo extraído do grego, da corrente Platônica, que significa Criador) juntamente com seu bando traidor, aprisiona estes espíritos, que eram livres, nessa estrutura corpo e alma do homem, a fim de obter uma máxima evolução do seu “homem de barro”, e sua estrutura psíquica. Desta forma surge a consciência, o EU SOU, e se afirma sua existência no Universo Criado. Atraídos por uma ilusão e enganos gerados pelo Demiurgo, os espíritos foram caindo neste universo, gerando o grande mistério original do aprisionamento. Afinal o Demiurgo necessitava destes espíritos (usados como “pilhas” de energia infinita para alimentar a alma do animal- homem) para evoluir seu plano mestre e dar sentido ao seu mundo recém criado, como um pintor observando sua obra de arte, usando o que for preciso para se alimentar de sua satisfação e adoração como Único Deus. Então o Espírito foi aprisionado à Alma do animal-homem (Pasu, ou o conhecido Neanderthal), para que sua força volitiva ajudasse na evolução da estrutura psíquica da criatura humanóide que até então era o PASU, o homem primitivo de dupla natureza formado de corpo e alma.
  19. 19. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       19   O alojamento do Espírito de fora do Universo Material (criado) dentro da Alma material (mônada) do homem causou uma RÁPIDA EVOLUÇÃO DO NEOCÓRTEX (sua Esfera de Consciência, que era ate então primitiva), aonde se aloja em boa parte a ESFERA DE LUZ: essa evolução é o que os antropólogos e arqueólogos, tentam identificar como o HOMEM DE CRO-MAGNON. Após tal aprisionamento, os Deuses Leais vieram em auxílio e para dar instruções a estes espíritos aprisionados, que em seguida, formaram uma civilização chamada "Atlante", JAMAIS VISTA EM TODA A SUA RIQUEZA DE CONHECIMENTOS NATURAIS, ENERGÉTICOS, PSÍQUICOS E ESOTÉRICOS ATÉ OS DIAS DE HOJE, DE TAL MODO QUE UM ATLANTE USAVA 100% DE SUA CAPACIDADE CEREBRAL, ENQUANTO QUE HOJE O HOMEM COMUM USA APENAS NO MAXIMO 8% DE SUA CAPACIDADE. A partir daí começa então a Guerra Essencial entre os Deuses Leais (vêm em ajuda aos espíritos aprisionados a fim de libertar os mesmos para que consigam ser novamente livres na Origem) e os Deuses Traidores (Deuses de mesma origem, que foram os inventores deste “sistema” de aprisionamento dos espíritos, para salvar a obra da criação que estava fadada ao fracasso) liderados pelo Criador (Demiurgo) do mundo, o deus hebraico Jehova-Satanás (Satanás que em hebraico significa adversário, inimigo, para os Deuses Leais). A Bíblia sagrada cristã, juntamente a Torah ou Talmude judaico (ambos compartilham da mesma linha simbólica e espiritual), escrita apenas milênios depois para distorcer e deturpar a Sabedoria Hiperbórea refere-se a Lúcifer como Satanás, mas nem Lúcifer, ou Nawothan são um demônio, nem Satanás significa demônio e sim “inimigo” – Jehova, o Inimigo dos Espíritos Livres; o bem e o mal (dualismo) são faces da mesma moeda do Mundo da Ilusão, mas Jehova (também pode ser verificado como no judaísmo por Elohim, YHVH, Deus e etc.) está mais próximo de ser um “demônio” (mesmo o termo demônio, vem do grego Daemon, e não havia nenhuma conotação maligna, apenas o cristão da idade media deu tal significado maléfico por se tratar de um conceito pagão de deidade espiritual), uma essência maligna, um traidor nato, porque enganou seus iguais pautando-se na tirania, traição e desonra e o Amor a sua obra como meios de IMPOR o seu domínio. Tais homens foram o objeto da Guerra entre Deuses Leais e Traidores; divididos em dois bandos (Siddhas – provém do sânscrito de Siddhi que significa perfeito em si, completo, puro espírito), eles guerrearam até que sua pátria Atlântida fosse totalmente desolada. Forçados a migrarem, atravessaram a Europa liderados por Wotan (o verdadeiro Kristus-Lúcifer, Na-Wotan, Wōden, Wōđanaz, Óðinn) e sua corte (os 12 Drotnar ou Deuses de Asgard, que depois viraram os 12 Cavaleiros da Távola Redonda de Arthur ou Arcturus, Arctus, Iniciado Hiperbóreo Berserker) trazendo a agricultura e toda uma série de desenvolvimentos para os povos europeus, depois de outros continentes. Eram os construtores de pedra, e seus Cromlechs, Monólitos, Megalitos podem ser observados, alguns, até os dias de hoje em diversos pontos do globo, pois foram construídos de forma estratégia e com o uso da energia telúrica da energia fluente da terra. Tais monumentos, os arqueólogos tentam amputar como sendo de povos marinheiros, um erro, pois foram construídos sempre próximos de
  20. 20. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       20   rios, mares e lagos porque é destas “veias da terra” que flui a energia telúrica do Kali Yuga; podendo ser assim criando espaço/tempo diferenciados e influenciar povos a fim de anular o efeito destrutivo e degenerativo ao sangue que tem o Kali Yuga. Com esta influência estratégica, surgiram povos mais envoltos na estratégia da sabedoria hiperbórea e que deram cabo de suas missões encorajados por estes. Então ficou conhecido por diversos destes lugares onde passou, e seu mito foi passado por todos estes povos. Assim, Navutan em outras mitologias e contos é Wotan ou Odin, Zeus, Apollo, Teseu, Prometeus, Lúcifer, Luci Bel, Phosphoro, Eosforós, Héspero, Quetzalcoatl, Shiva, Rudra ou também outra entidade dos mongóis. Todos têm a essência do Líder Guerreiro, o Deus da Guerra, o sábio que orienta os homens a saída do labirinto e que desafia o Criador e a realidade de sua criação, o Deus Justo que renega o Sacrifício Ritual de sangue, imposto pelo uno; é também o guia velho que aparece para aconselhar nas horas difíceis (o corvo da tempestade, ou o Viracocha dos Incas, que é a mesma figura). Também de igual modo, Frya, sua esposa, é Atena, Freya, Ariadne, Pyrena ou Belisana (a Medusa, que os íberos cultuavam e que depois os fenícios deturparam), Artemis, Lilith, Kali, Persephone, Ishtar, e entre tantos outros nomes que seria extenso relatar. A Deusa da Guerra já nasce armada, é selvagem e livre, domina plenamente a Estratégia e orienta tecendo o cordão dourado que liga a todos os viryas em sua saída do labirinto da ilusão (como no mito do labirinto com o minotauro), e é senhora do Olhar de Â-mort (o olhar da Medusa) que transmuta o homem em Iniciado, em homem de pedra, e de todos os outros mistérios femininos e Virginais. De acordo com a evolução experimentada e dado o resultado obtido com as raças Cro-magnon através do Pasu (Neanderthal), novamente se implementou a chave KALACHAKRA e novas raças espirituais extraterrestres foram enganadas e arremessadas a matéria com o propósito de gerar uma mescla genética com ele para assim poder adicionar maior VONTADE agora ESPIRITUAL aos povos do pacto cultural. Dentro destas raças caídas, estiveram certos grupos como os ASSÍRIOS, HITITAS, CASSITAS, que foram assimilados aos povos do pacto cultural EGÍPCIOS, NÚBIOS, ACÁDIOS, SUMÉRIOS, JUDEUS, PERSAS, ETC. Ainda que estas raças provenientes de um sistema espiritual pertencentes à outra criação; sendo as mesmas arrastadas a este engano com os propósitos antes mencionados, mas devemos considerar que não foi fácil sua incorporação ao plano, porque alguns grupos tentaram retornar e combater, caso concreto é a historia do povo CASSITA desenvolvido por NIMROD o caçador, narrada no livro “O Mistério de Belicena Villca”. A sua vez, na EUROPA e ASIA, novas raças foram aprisionadas e pegas ao mundo da ilusão, porém já a ousadia dos SIDDHAS TRAIDORES era muito grande, porque estas raças já não eram provenientes de um sistema evolutivo senão que eram de estirpe HIPERBÓREA, OU SEJA, DE UMA ORIGEM NOTADAMENTE DIVINA; de tal maneira que aparecem os primeiros grupos ARIOS INDO-EUROPEUS e INDO- ARIOS que rapidamente foram tomados pelos GUIAS Sinarquicos; se bem que estas raças POR SEREM DE ORIGEM DIVINA, tinham gravado em seu espírito a recordação da ORIGEM, geraram determinados grupos, estratégias diferentes aos do pacto
  21. 21. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       21   cultural, por exemplo: a cultura CRETENSE E MICÊNICA, os IBEROS, PELASGOS, ETC; rapidamente foram reduzidos pelos povos do pacto cultural e incorporados a suas estratégias, contando entre estes grupos especificamente os CELTAS, como os primeiros a serem arrebanhados pelos GUIAS (DRUIDAS) do pacto cultural. Vendo isto, é quando intervêm os deuses de AGARTHA (ou Valhalla) convocando a Kristus- Lucifer (ou Odin, Wotan, Navutan); o motivo era ver como deter a caída das raças espirituais ao mundo do terror e poder resgatar aos espíritos caídos. Nesse momento da história, onde tudo muda porque os SHIDDAS desde AGARTHA com o aval de NAVUTAN decidem implementar uma estratégia para combater o terror e deter o sacrifício das raças extraterrestres, caídas ao mundo de dor; para isso planificam e descem da ORIGEM as raças PURAS HIPERBÓREAS que penetram rapidamente, intrepidamente desde o pólo, as raças do MAR chamadas, AQUÉIAS, JÓNICAS E ESPECIFICAMENTE A DOS GUERREIROS DÓRICOS os quais penetram invadindo a chave KALACHAKRA. Quando afirmamos que estas raças invadem a chave kalachakra – ciência demiurgica que incide na metempsicoses ou reencarnação e fundamentalmente tem a missão de apagar o signo da origem e afirmar os desígnios ontológicos – sustentamos que um ASPECTO da kalachakra foi invadido ao momento do aprisionamento destas raças espirituais graças a ação dos SIDDHAS LEAIS; a neutralização desse aspecto da chave, ficou aberto no espírito destas raças e a MISSÃO encomendada pelos SIDDHAS e o signo da origem com o qual os HERÓIS caídos valentemente ao morrer podiam retornar a ORIGEM ou a AGARTHA; de tal forma que em seu ser levavam implícito o poder do SIGNO DE ORIGEM TENDO A MISSÃO DE DETRUIR AOS POVOS DO PACTO CULTURAL. Por isso afirmamos que estas raças ingressaram desde o INFINITO (A Sabedoria Hiperbórea sustenta: penetraram desde a escada infinita pelo ponto TAU) e desenvolveram genialmente a estratégia guiada desde AGARTHA. É assim que surgiram as “culturas” HIPERBÓREAS como ESPARTA e especificamente ROMA que detiveram e destruíram os povos do pacto cultural afirmando definitivamente no mundo as RUNAS e os SIMBOLOS ETERNOS HIPERBÓREOS; durante 500 anos detiveram ao avanço das culturas sinarquicas e cercaram e isolaram MEIO mundo das estratégias do Uno. Podemos identificar através de diversos mitos, e símbolos arquetípicos de cada povo, fragmentos não tão deturpados de guias hiperbóreos, pois cada mito e/ou símbolo eterno, preserva uma verdade gnóstica, um aspecto do mito real e da verdade do que aquilo representa. Um erro é compreender tais mitos através do aspecto racional e literal, ignorando a simbologia e o aspecto verdadeiro da simbologia. Daí surge-se religiões, apesar de pagãs, literalistas e que as pessoas fazem culto, ritos e até mesmo sacrifícios físicos de morte e sangue. Jamais nenhum guia hiperbóreo ou Deus Leal, ira aceitar o sofrimento sádico e deliberado, sem uma via honorifica que o justifique, para adoração do mesmo. Todos estes rituais de sangue estabelecidos no decorrer da historia destes povos, são puramente fruto da deturpação sinárquica e a infiltração de agentes do mesmo, a fim de desvirtuar, confundir e anular a verdade
  22. 22. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       22   gnóstica destes mitos. Poucos foram os que conseguiram manter a verdade por trás do mito, tirando os tapa-signos e VENDO com os OLHOS DO SANGUE. Temos que ter claro que isso é apenas uma VIA INICIÁTICA que leva à compreensão de Frya e dos demais "deuses", Guias Hiperbóreos, não são senhores nem exigem culto nem temor, mas são guias que num ato honorífico vêm resgatar seus pares. Deixando para nós os meios de conseguir-se orientar, não nos dando de graça ou induzindo-nos a servir um culto ou formar templos em adoração. Existiam sim, “templos” em estratégias psicossociais, mas envolviam outros fatores estratégicos para massas mais débeis e uma experiência de transmutação coletiva desde o inconsciente e símbolos apolíneos e virginais. Algo que podemos notar, é que em todas as religiões nórdicas o ato de se ajoelhar perante um Deus era proibido, ultrajante e ridículo, uma verdadeira falta de Honra. Devia-se sempre responder ao contato de um ser divino de cabeça erguida e armas em mãos, de Krista (Arista, o V). Para podermos identificar tal confusão estratégica, temos que compreender os conceitos ocultos de tudo, VER o fogo gnóstico e extrair dele sua compreensão, tirando os tapa-signos culturais. Assim desde muito tempo, no mundo tem se manifestado o confronto de duas Estratégias: a Sinárquica e a Hiperbórea. Como já foi abordado, Wotan, conhecido na Origem como Lúcifer, declarou guerra a Jehova-Satanás, assim desde fora da criação, aceitou descer ao Mundo Criado encarnado em um humano mortal (chamado de Wotan, Wodan, Odin e etc., como já verificamos) para provar que é possível abandonar este mundo, onde se é escravo, e retornar para a Origem, a Pátria do Espírito, Hiperbórea, Thule. Nasceu de uma Virgem (daí os inúmeros relatos de deuses nascidos sempre de uma virgem, mas tal termo esta mais além do que meramente o de não violada sexualmente, e sim de pureza espiritual, pois não tem ligação com a moral cristã), que por vontade própria pariu seu filho de pedra. Amma era o nome da Virgem vinda de Agartha. Por isto alguns povos faziam culto a Virgem da gruta, Virgem de Agharta, Virgem da Thule, entre outras, e que a sinarquia corrompeu para o mito da mãe de Jesus com o vulgo de Nossa Senhora. Wotan, descido da árvore em que se sacrificou para adquirir o conhecimento oculto da morte e das runas, descobriu as armas secretas nesta Guerra Essencial: a Sabedoria Hiperbórea. Então peregrinou grande parte do mundo ensinando abertamente tal segredo aos homens, para os que possuíssem a Honra de declarar guerra ao Criador e ao Mundo Criado juntarem-se aos Deuses no Valhalla (nome germânico para o Reino de Agartha, um local, fora do espaço/tempo em algum lugar do Universo Material onde alguns Deuses Leais ainda lutam pela humanidade e auxiliam os que morrem com Honra e Valor e os que despertam, buscando aguardar e retornar para a batalha final, o oposto de Chang Shambalah e não é o mesmo como alguns erroneamente intitulam). Foi conhecido pelos humanos mais antigos como
  23. 23. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       23   “Grande Chefe Branco”, levantou bons povos guerreiros por onde passou, instituiu famílias de nobres, a aristocracia do sangue, que deveriam resistir ao tempo e aperfeiçoar a Sabedoria (o chamado Pacto de Sangue), e criou um novo estilo de vida baseado em fortes amuralhados, agricultura de auto-subsistência, e aperfeiçoamento da arte da guerra; do qual surge os preceitos básicos de uma Estratégia Hiperbórea em contrapartida à Sinarquia, que foi instituída para degradar o Pacto de Sangue e aperfeiçoar ao material, o inútil e a vida fácil e geradora de cultura. O pacto de sangue consiste em manter uma sociedade linear, tendo o máximo possível de sangue comum, a fim de sincronizar este através da memória do sangue (voz do sangue) e identificar seu líder comum do sangue, que é eleito de forma CARISMÁTICA e não democrática (tal processo nada tem a ver com tirania e ditadura política, é um líder tribal eleito por sua linhagem, seu sangue e poder espiritual, como qualquer outro modelo antigo milenar, anterior a hipócrita democracia). Geralmente são povos Sedentários, voltados ao trabalho produtivo, a ancestralidade e o cerco no sentido étnico e nacional, trabalhando a terra tirando sua auto-suficiente e independência de outros povos ou modos de subsistência. Quando este processo coletivo, no qual o sangue comum é mais linear e possuem ancestrais comuns, ocorre o fenômeno chamado de AUREA CÁTENA, o reconhecimento carismático do líder do sangue, o Führer de seu povo. Sempre entre povos tidos como hiperbóreos o processo é o mesmo, bem como podemos verificar na antiga Babilônia, os Kassitas escolheram Nimrod e Ninurta, os Tartessos na Ibéria escolheram a linhagem da Casa de Tharsis, os Franceses elegeram Felipe, o Belo, os Mongóis à Gengis Khan, os Espartanos à Leônidas, os Macedônios à Alexandre Magno, os Romanos à Cesar Augusto, os Paraguaios à Solano Lopez, a Germânia elegeu Adolf Hitler e entre outros povos e líderes que seria extenso demais aqui colocar. O que identifica um rei do sangue, justamente é seu olhar gélido, serene e inspirador, sua energia ao se apertar a mão e em decorrência, a admiração e um carisma inigualável. Sempre um tom de mistério e sabedoria estão presentes e podem ser sentidos por aqueles que possuem tal predisposição. Ocorre uma sincronia de sangue através do conteúdo mnemônico (que a “ciência” nega a todo custo, mas está mais que correto dizer que se carrega memória histórica, como bem afirmava C.G. Jung) e todos participam do pacto de sangue. Um exemplo muito claro disto é Esparta. Possuíam um código rígido de conduta do guerreiro, pautado na Virtude, Valor, Vicissitude, Veemência, Vontade, Virilidade, etc., na construção de homens de pedra. Desde recém nascidos eram eleitos a guerrear, era questão de orgulho, não de obrigação e imposição. Não era uma sociedade determinada a evoluir tecnologicamente através do progresso, eram voltados ao aperfeiçoamento do combate e arte da guerra e nem por isso fariam menos intelectuais e sábios, pois conhecimento não é sabedoria; Sócrates era um entusiasta deste pensamento bem como Platão, ambos, não acreditavam na democracia ateniense como sistemas eficazes para a sociedade (mas isto é palco para vários debates até hoje entre pseudo-acadêmicos e filósofos). Tal sociedade sequer necessita de muitas leis, pois são códigos de honra intrínsecos a cada um, naturalmente colocam o Valor e a Honra de forma clara (sua
  24. 24. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       24   única ética e moral era a do Espírito e não pautada e conjecturas psicológicas e conceitos baseados em idéias culturais), tendo assim poucos problemas com questões superficiais, pois era uma aristocracia do sangue. Sua economia é simples, mas muito cooperativista e suficiente, despertando a cobiça de povos do pacto cultural (sinárquicos), que subsistiam na necessidade de viver do comercio e aperfeiçoar formas materiais de fazer da vida algo confortável e aceitável, as facilidades, comprar algo pronto e não se ter a vontade de trabalhar o ente desde sua origem e sentido. A melhor forma que adotam é um sistema de trocas ou sustentação através do trabalho e das matérias primas de suas terras. O comércio é uma característica típica dos povos do pacto cultural que necessitam comprar externamente suas matérias-prima, pois são incapazes de viver sem um sistema financeiro voltado a especulação capital ou o ouro. Por isto que a Sinarquia regem os bancos internacionais, o sistema financeiro global, o ouro e a moeda, e acima de tudo, incentiva a miscigenação e o fim do tradicionalismo de algumas tradições, desde que se misturem com a de outros, pois em sua MAIORIA são povos Nômades, que vão ali e aqui adquirindo bens de produção, objetos culturais já prontos, usando apenas o ouro como seu trabalho. Assim temos países dependentes de uma ilusão que é o ouro e o dinheiro internacional, e qualquer país que tente outorgar uma independência financeira (a não ser os países lacaios servos da sinarquia como EUA, Israel, Inglaterra e grande parte da União Européia) serão boicotados e sofridas as diversas retaliações da Sinarquia, vide o caso do Paraguai e da Alemanha no III Reich. Quando uma sociedade do pacto de sangue é erguida, em esplendor, próspera e guerreira, completamente unida na sincronia carismática da voz ancestral do sangue ASTRALMENTE purificado (Sangue Puro é um sangue capaz de ouvir aos ancestrais e Deuses Leais, não tem exatamente a ver com o conceito de raça, embora seja um dos fatores determinantes, porém não exclusivo); deixando assim um passo a ser dado rumo a tarefa de combater a Sinarquia, as grandes religiões e todas as tendências ALTAMENTE ENTRÓPICAS de unificação; todos os povos do pacto cultural ou aliados da Sinarquia se coadunam para a destruição deste “perigo” iminente. Todas as raças e culturas ancestrais do mundo podem ser belas, fortes e puras se mantidas e preservadas a aristocracia do sangue em seu estado original e com o seu espaço vital mantido. Protegidas da mistura e da ilusão sinárquica do "progresso" das facilidades que tornam o homem cada vez mais apático, conformado e covarde; sob uma estratégia essencial chamada de cerco, fortalezas de pedra, salvas e isoladas da degradação do mundo, do seu tempo e destruição natural que provem do Kali Yuga. Por isso tal sociedade é pautada no retroceder do tempo, na luta contra-o-tempo, no passado, suas origens e sua verdadeira pátria do espírito. Não neste mundo cujo sabemos ser o palco do campo de batalha (Valplads). Eis que surge a suástica (pode ser dextrógira ou levógira, ou seja, pode rodar para direita (neste caso é associada ao sol) ou para esquerda (associada a lua) contra o tempo, mas a adotada pelo Führer foi a levógira), rodando inversamente ao tempo sucessivo ilusório e deste modo, fazendo-nos regressar a ORIGEM. Contudo, os Deuses Traidores aprisionaram o espírito com sua Paixão, para usar
  25. 25. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       25   sua força na evolução do animal-homem (como pilhas infinitas para a alma evoluir e dar sentido e energia em toda matéria, como um parasita), desta forma, era fundamental que o espírito NÃO se manifestasse ou acordasse desta ilusão que é o mundo criado (Maya – termo hindu para mundo da ilusão, também podemos chamar de Matrix, como o filme de mesmo nome aborda de forma bem simples e resumida). Obtêm-se hipnotizando, adormecendo ainda mais o Espírito na ILUSÃO DA EXISTÊNCIA MATERIAL no VEIO DE MAYA, deixando ele ainda mais fraco e confuso a cada ciclo de encarnação, incapaz de reconhecer a si mesmo e incapaz de se libertar, assim apagando paulatinamente o signo de origem. Embebedando o homem de vícios, entretenimento, sonhos e esperanças mentirosas de uma imortalidade que bem sabe que terá um fim. Tal fim será o próprio engolir do Demiurgo ao seu ventre, sugando a todos para dentro de si, ou como os Hindus chamam: noite de Brahma. É como se todos nós (nosso corpo orgânico físico e a alma) fossemos partes de um imenso organismo VIVO (Universo) e estamos inseridos neste organismo do próprio Demiurgo. É senão através da Cultura, razão de sentido do mundo, que se sustenta esse objetivo a partir da SINARQUIA, que é o Governo Mundial por parte do Povo Eleito (eleitos pelo Criador a fim de monitorar e controlar todos os “gentios” para que não atrapalhem seus objetivos e isto é verificável até mesmo em sua própria Torah e na Bíblia Cristã, o povo eleito por Deus) do criador, que é Israel. Todas as tendências de aculturação, miscigenação cultural e racial, unificação de religiões, costumes e conceitos, todo engodo multicultural e igualitário; tudo o que faça necessário prescindir de uma identidade nata para unir numa escala maior, aponta à Sinarquia. Deste modo, se ensinam as pessoas a contemporizar e relativizar, a serem acomodadas e passivas, a evitarem confrontos sempre que possível, a valorizar a paz mesmo que covarde, retirando assim toda capacidade de transcender a matéria até sua essência espiritual. A finalidade da Sinarquia é reunir uma humanidade exausta e abatida como uma grande e amorfa casta igualitária sob uma tirania de ferro dos Israelitas, um povo que o Demiurgo tirou dentre os mais primitivos que existiam da Terra e lhes favorece para que reinem, assim afirmando seu Poder e sua Vitória colocando a nobreza dos Guerreiros espirituais de joelhos, sacrificando seu sangue purificado. Em suma, a Sinarquia é o Sacrifício da humanidade em troca da “Perfeição” desse “Povo Eleito”, e com isso Jehova afirma seu poder sobre o dos outros Deuses. Desde muito, a Sinarquia em desenvolvimento vem tentando os povos com promessas de progresso, poder e conforto material, para que guerreiem contra os portadores da Sabedoria Hiperbórea e os reprimam. Por isso todas as famílias dos relatos antigos foram quase exterminadas, às vezes totalmente exterminadas e seu sangue profusamente derramado, até a última gota e os que não foram destruídos, sofreram muita lavagem cerebral, aplicação de remédios, drogas e tudo que possa DESTRUIR a VONTADE PROPRIA do ESPIRITO LIVRE. De tal modo que se exista uma sociedade de zumbis, viciados e anestesiados, sem vontade sequer de acordar ou fazer o mínimo esforço, assim definhando como o personagem Gollum da saga Épica de J.R.R. Tolkien.
  26. 26. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       26   Então temos o trabalho astuto da Sinarquia, que é principalmente confundir aqueles que buscam uma gnosis ou verdade do espírito, respostas a suas inúmeras dúvidas transcendentais, gerando sempre engodos e embustes como bem podemos notar. Trabalha-se, portanto, a idéia de que tudo que é em prol da guerra, da escuridão, da noite, do não temer a morte, a dor física ou não aceitar a submissão é algo proveniente do “mal”, do “diabo”, demoníaco e maligno e em si falta-lhe o amor. Tais conceitos encabeçados diretamente pela Igreja Cristã (suas vertentes tanto o protestantismo e qualquer doutrina que culmine em simbologia judaico-cristã) são intensificados quando os povos pagãos (já bem trabalhados pelos agentes da sinarquia, deturpando todos os símbolos hiperbóreos, como podemos notar entre os Celtas - menos os Tuatha De Danann) convertem-se automaticamente ao cristianismo e é quando começa a se trabalhar as estruturas coletivas de igualitarismo, tolerantismo e leis globais tanto econômicas como financeiras, incluindo até mesmo a contagem do tempo e da história. Entao surge a Banca Mercantilista, os banqueiros originais, os que criaram a moeda o ouro e a ganância: Ordem dos Cavaleiros Templários, a judeomaçonaria. Começando o trabalho de traduções de pergaminhos cristãos (ditos sagrados e intocáveis assim como as escrituras sagradas dos judeus da Torah ou Primeiro Testamento). Toda uma farsa começa a ser elaborada minuciosamente por monges beneditinos para aplicar o cristianismo a nível global como estratégia única do Cristo Nazareno, que é cópia mal feita e malignamente concebida desde Chang Shambalah, do verdadeiro Kristus-Lúcifer.
  27. 27. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       27   ETIMOLOGIA DA PALAVRA LÚCIFER Lúcifer não é o Diabo "Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filha da alva! Como foste lançado por terra tu que prostravas as nações!" Is. 14:12 Por conta de um erro do tradutor da septuaginta, Estrela da Manhã foi traduzida por Eosforos. Notem que o Eosforos é uma divindade grega relacionada com a Estrela da Manhã. Observem que nitidamente o texto bíblico está se referindo ao rei da Babilônia, ou seja, não havia nada de céu, de inferno e muito menos de Satanáz, e por conta desse erro, Jerônimo ao traduzir a vulgata, o fez adotando não o original hebraico e sim o texto da septuaginta e ao encontrar o Eosforos o traduziu como Lúcifer. "Quomodo cecidisti de caelo, Lúcifer, fili aurorae? Deiectus es in terram, qui deiciebas gentes" Liber Isaiae 14:12 Até aqui temos um erro primário de tradução que não teria a menor conseqüência (como tantos outros erros) se não fosse o fato de que a Igreja Cristã tinha agora a necessidade de combater o Paganismo (religião praticada pelos camponeses), esse Pagãos (Pagus = Campo), tinham como uma das suas principais divindades Lúcifer; até ai tudo bem, o grande problema é que esse culto tinha uma forte conotação sexual e isso era insuportável para uma igreja castrada e castradora, onde o corpo é mal, a vida é mal, tudo é pecado e esta relacionado ao sofrimento constante que apenas uma entidade cordeira pode confortar. Vejam o que Paulo fala sobre o corpo: "Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte?" Rom. 7:24 Podemos observar, o caráter sacralizante e dogmático que a Igreja Cristã tenta intensificar no homem com sua confusão estratégica. Então como eles sabiam quem era Lúcifer, o Kristus-Lúcifer autêntico, demonizaram qualquer menção ao mesmo, por menor que fosse, mesmo não tendo nada a ver com o cristianismo e nem o judaísmo. Lúcifer nunca foi o diabo e muito menos Lúcifer é Satanáz (adversário/inimigo em hebraico). Ele nunca foi anjo de Jeováh (este sim Satanáz), não é demônio e não tem nada a ver com a cultura judaico/cristã. Finalmente como Lúcifer, como não é o demônio e muito menos Satanáz, nada tem a ver com o Satanismo, seja ele tradicional ou moderno. Se alguém quer ser satanista, estará caindo em um engano terrível, pois Lúcifer não se presta para reafirmar a verdadeira egrégora do mal que é Jesus, o
  28. 28. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       28   cordeiro de Jeováh, estes sim são extremamente perniciosos e representa o máximo da castração do espírito e do guerreiro, convertedores de águias em pombas, de lobos em ovelhas. E enganam todos com sua promessa ilusória e sua piedade e misericórdia digna de fracos e Pasus submissos com seus joelhos calejados. São tão piedosos e bondosos que é fácil verificar sua estratégia APLICADA e ver quantas pessoas foram mortas in nomine dei, oferecidas em Holocausto de Fogo, em sacrifício de sangue para agradar o Deus Uno sádico genocida. Basta ler a Bíblia “Sagrada” do inicio ao fim, e fazer uma breve contagem de quantas pessoas Jeovah matou, fora os como já citei, em nome dele. Podemos nos perguntar, já que a palavra Eosforós, foi inadequada para a tradução da palavra hebraica Heylel, razão pela qual surgiu o mito de que Lúcifer seja o nome do de Satanáz, então qual seria a palavra grega adequada a ser utilizada na tradução da septuaginta? Vamos colocar primeiro o texto em português: "Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filha da alva! como foste lançado por terra tu que prostravas as nações!" Is. 14:12 Na LXX o texto está assim: "πῶς ἐξέπεσεν ἐκ τοῦ οὐρανοῦ ὁ ἑωσφόρος ὁ πρωῒ ἀνατέλλων; συνετρίβη εἰς τὴν γῆν ὁ ἀποστέλλων πρὸς πάντα τὰ ἔθνη" Is. 14:12 Como podes ver, ἑωσφόρος, substitui a Estrela da Manhã e como sabemos Hêylêl ben Shachar quer dizer FILHO DA AURORA, é só lembrar de Ben Hur que quer dizer filho de UR. Então surge alguns problemas, do ponto de vista de uma exegese rigorosa da bíblia. Vejamos: • O autor dessa tradução, certamente que foi um judeu helenizado, ou quando muito um grego que conhecia o hebraico. • Por que se colocou o ἑωσφόρος? ἑωσφόρος é associado na mitologia grega com a AURORA, ou seja, ἑωσφόρος é o filho da AURORA e ἑωσφόρος era para os gregos a ESTRELA DA MANHÃ. Ou seja, ἑωσφόρος, um nome próprio.
  29. 29. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       29   • Deveria ter sido traduzido diretamente como ESTRELA DA MANHÃ. Vejam o texto do Apocalipse 22, lá com todas as letras, Jesus se identifica como sendo a estrela da manhã e o autor do texto grego não colocou ἑωσφόρος e sim estrela da manhã. Por que será? Texto do Apocalipse: "Eu, Jesus, enviei o meu anjo para vos testificar estas coisas a favor das igrejas. Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã." Ap. 22:16 Conclusão: "Ἐγὼ Ἰησοῦς ἔπεµψα τὸν ἄγγελόν µου µαρτυρῆσαι ὑµῖν ταῦτα ἐπὶ ταῖς ἐκκλησίαις. ἐγώ εἰµι ἡ ῥίζα καὶ τὸ γένος ∆αυίδ, ὁ ἀστὴρ ὁ λαµπρὸς ὁ πρωϊνός." Apoc 22:16 Se é lícito se traduzir estrela da manhã por ἑωσφόρος, então: Por que não se usou o mesmo critério neste texto? Se agora o ESTRELA DA MANHÃ de Is. 14 é uma referência a Lúcifer, qual o critério que não podemos fazer a mesma interpolação para Jesus? Os gnósticos cristãos nos primeiros séculos fizeram exatamente isto e mesmo sendo cristãos foram considerados heréticos pelos patriarcas da igreja, porque desta forma, não estaria colaborando com toda a estratégia de confusão em si. E mesmo antes destes, vários outros, assim como os Cátaros conheciam a verdadeira historia do verdadeiro Kristus-Lúcifer e também foram exterminados completamente. Ainda temos este texto de II Pe.: "E temos ainda mais firme a palavra profética à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma candeia que alumia em lugar escuro, até que o dia amanheça e a estrela da alva surja em vossos corações;" II Pe. 1:19 Em grego nós temos (destacando a palavra Eosforos):
  30. 30. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       30   "καὶ ἔχοµεν βεβαιότερον τὸν προφητικὸν λόγον, ᾧ καλῶς ποιεῖτε προσέχοντες ὡς λύχνῳ φαίνοντι ἐν αὐχµηρῷ τόπῳ, ἕως οὗ ἡµέρα διαυγάσῃ καὶ φωσφόρος ἀνατείλῃ ἐν ταῖς καρδίαις ὑµῶν· ΠΕΤΡΟΥ Β 1:19 Agora vamos ver a mesma tradução em LATIM (e veja o nome em destaque): "Et habemus firmiorem propheticum sermonem, cui bene facitis attendentes quasi lucernae lucenti in caliginoso loco, donec dies illucescat, et lucifer oriatur in cordibus vestris," II PETRI I:XIX Por que isso aconteceu? Certamente que se está argüindo nesse nível é porque no mínimo deve ter noções de grego e de latim (ainda que nos seminários evangélicos não se ensine o Latim), mas já se perguntaram por que todas as citações de Jesus no livro grego foram tiradas da LXX? É mais do que óbvio que as escrituras cristãs foram escritas tendo como base não o texto hebraico e sim a LXX, daí as muitas confusões estratégicas e o acobertamento da verdadeira farsa do Jesus de Nazaré, um mestre ascenso da Fraternidade Branca. Podemos também nos perguntar, por que ao enumerar 45 cidades na Galiléia, Josepho se esqueceu de listar entre elas Nazaré? Por que não há uma única referência histórica séria a cidade de Nazaré antes do IV século da era comum? Por que não há uma única referência em toda a Tanach a cidade de Nazaré? Porque fazem parte da confusão estratégia dos agentes da Sinarquia e de Chang Shambalah (Sede da Hierarquia Branca dos Siddhas Traidores). Por isto usamos o termo Kristus-Lúcifer e como sabemos Estrela D'alva é Vênus (planeta), de onde atravessaram de Thule os Espíritos livres.
  31. 31. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       31   O CRISTIANISMO E SUA FARSA Cristo (Kristus) é um título e não um nome como muitos interpretam. Significa o Ungido (sua etimologia também é palco para diversas origens diferentes). E no ocidente ficou mais conhecido como Cristo o Nazareno, Jesus. Jesus de Nazareth foi um mestre ascenso da Fraternidade Branca que veio para confundir os povos SUBSTITUINDO POR SEU CULTO A MEMÓRIA DO VERDADEIRO KRISTUS, QUE VIVEU HÁ MAIS DE 11 MIL ANOS ANTES DELE. Navutan, o real Kristus, veio de Hiperbórea e aceitou descer ao Inferno (esta realidade, nosso mundo também chamado de Valplads, o campo de batalha) para ensinar a Sabedoria Hiperbórea aos primeiros homens; dele surgiu o Mito de Odin (ou Wotan, Na-Wotan, Navutan, etc.) do deus caolho que pendeu nove dias e noites da Columna Universalis (ou a Árvore mágica do jardim do Criador, que os judeus chamam de Rimmon, Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, Árvore Sephiroth, e conhecido no Odinismo como Yrminsul, a Árvore do Terror), no mistério da crucifixão milênios antes da cópia Cananéia para adquirir o conhecimento da morte e a sabedoria das runas não- criadas. Adquiriu a chave e o mistério da libertação do espírito, com a ajuda de sua esposa-irmã-mãe (que seduziu e se prostituiu aos traidores que possuíam as peças que compõem a chave do segredo: a chave Kalachakra) Frya (ou Freya mesma, mas erroneamente os Odisnistas associam como sendo diferentes). Conseguiu descer da Árvore, voltou dos mortos e, Frya dançou (ginástica rúnica, yoga, etc.) para expressar as peças da chave em seu sangue, assim ele descobre e entende por si mesmo o aprisionamento. Comunica aos homens o segredo da Krista (o ângulo reto, o V, a Arista) e sai com seus mais próximos da corte atravessando o mundo legando a vida pautada pelo Valor Guerreiro e a busca pela Liberdade do Espírito, desta forma ficou assim conhecido como Deus da Guerra e outros mitos, por vários povos, pois assim declarou guerra a criação deste universo e reuniu diversos exércitos e seguidores. Como já observamos antes, existem traços de sua passagem até mesmo nas Américas onde foi conhecido por Quetzalcoatl, Viracocha e outros deuses toltecas e sioux, hopi e navajos. Na Europa ele aparecia sempre como alguma variação de Odin, mas foi também conhecido como Phosphoro, Eosforós, Héspero, Lúcifer, Lucibel, o Zeus pré-clássico e tantas outras variações de acordo com cada linguagem dos respectivos povos onde passou. Em contrapartida, o Cristo de Nazaré veio pregar o amansamento pela via do amor à criação, a passividade cordeira na confiança plena no deus do destino e seus sacerdotes, a penitência e a remissão dos pecados, a vida através do sofrimento na punição do Karma através da promessa ilusória de uma esperança ao céu. Todos os valores entorpecentes que são o contrário do que a Sabedoria Hiperbórea tem como saudável ao espírito. Em decorrência do surgimento de “culturas” hiperbóreas como ESPARTA e especificamente ROMA que detiveram e destruíram os povos do pacto cultural
  32. 32. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       32   afirmando assim, definitivamente no mundo, as RUNAS e os SIMBOLOS ETERNOS HIPERBOREOS; durante 500 anos detiveram o avanço das culturas sinarca e cercaram e isolaram meio mundo da estratégia do Deus Uno. Este ato de guerra realizado pelos grandes guerreiros construtores, PONTIFICES HIPERBOREOS como ALEXANDRE MAGNO O GRANDE, JULIUS CAESAR, AUGUSTUS e tantos viryas de sangue puro guerreiro da estirpe hiperbórea como os BERSERKERES Vikings, horrorizou aos deuses demônios (Siddhas Traidores) que sentiram como o GRANDE ROSTO DO ANCIAO HAVIA LANÇADO UM UIVO de pranto ao ver como seus povos eleitos e seus planos eram exterminados e sua obra fracassava; é por isso que desde SHAMBALAH ele se precipitou e encarnou em seu próprio mundo de dor, desta vez com seu rosto e poder - Jesus, Cristianismo - PODENDO DESSA MANEIRA DETER SEU PROPRIO FIM. O cristianismo foi um golpe terrível contra as doutrinas secretas e povos que ainda mantiveram parcialmente a Sabedoria Hiperbórea, apesar de todas as guerras e resistência da Sinarquia e as potencias da matéria. Foi covarde e atroz, pois usou a Voz de Sangue dos povos despertos contra eles mesmos; enganando-os com um engodo, uma farsa copiada do Kristus-Lúcifer primordial e espalhando a Sinarquia do povo eleito (então infiltrados pela ordem dos beneditinos, que guiaram a Igreja cristã por mais de mil anos) numa Europa subjugada e cordeira. E depois porque muito diferente com o que se relata nas escrituras sagradas do cristianismo, Jesus não morreu fisicamente, e sim Kristus-Lúcifer que praticou o sacrifício próprio descendo ao inferno (não por Deus algum) a fim de descobrir o sistema de aprisionamento deste mundo criado, tudo por sua própria vontade. Alguns rabinos hoje em dia já reconhecem este “Messias”. Jesus, Mestre Ascenso da Fraternidade Branca treinado em Cabala acústica pela nata dos sacerdotes levitas, que ainda vive depois da Cruz e foi acolhido por sua Ordem (Melquisedec); retornou a Shambalah e ainda está lá, cumprindo sua missão manifesta, de pronto retornara para reeguer o templo de Jerusalem. Sua energia é emanada como o Metatron, o Homem Arquetípico, e isso tem como efeito que O PRÓPRIO IMPULSO EVOLUTIVO DA CULTURA HUMANA QUE CAMINHA, A PARTIR DE JESUS, NA DIREÇÃO DE METATRON, O HOMEM DE BARRO, O JUDEU ARQUETÍPICO. Através do Logos Solar e seus argumentos planetários emana sua ação através de símbolos sagrados e superestruturas, sistemas reais e etc. Chamado também como Deus de uma Idade, um mito ou símbolo sagrado, e neste caso, que foi a Era de Peixes. E dentro desta estratégia do cristianismo, implica automaticamente com a quase universal crença na igualdade, na democracia, no sentimentalismo dos direitos facilitados, nas histórias e dogmas que o Povo Eleito impôs àqueles que eles mesmos, os judeus, chamam de Gentios. Tornou-se então um impulso natural na razão humana a partir de Jesus. Na Sabedoria Hiperbórea, Israel é chamado ANAHATA CHAKRA (o Chakra do Coração ou o Coração da Terra, porque todos os seus argumentos se dão a partir da
  33. 33. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       33   esfera sentimental, da piedade, da comiseração, da fraternidade pacifista, do amor a todas as coisas criadas). Os sacerdotes cabalistas chamam tal fenômeno aplicado aos gentios de TROCAR A ÁGUIA PELA POMBA: da ave altiva e orgulhosa dos guerreiros, à frágil e servil pomba da paz dos cordeiros obedientes. Por isto a pomba branca esta simbolizando universalmente a Paz, e também a presença de Deus e o Espírito Santo e ou a Shekinah (um dos 10 aspectos da árvore sephirótica de YHVH, representando a manifestação física do Demiurgo). Mas houve os que resistiram, e a exemplo dos Cátaros, mesmo se dizendo crentes em Kristus, excluíram toda a Bíblia, e chamavam a Igreja Cristã e o Vaticano de "o trono de Satanás". Para os Cátaros Jeovah era Satanás, e Kristus era o verdadeiro portador da luz não-criada, não é para menos que cada vez mais, pessoas estavam envoltas nessa estratégia cátara de conversão coletiva, e incomodando a Sinarquia, mais uma vez ela agiu, aplicando o genocídio e a Cruzada Albigense, contra os Cátaros, com a ordem de matar a todos e queimá-los sem distinção por heresia. E neste período também, por sustentar tal culto é que ocorreu o desastre de Teutoburger Wald e que os Cinco Mil de Verden seriam ritualmente assassinados. A casa real dinamarquesa dos Kollman fugiu com metade de seu povo para a América, onde foram conhecidos pelos Incas como Atumurunas, o Povo da Lua. Também foram organizadas cruzadas pelos papas beneditinos para destruir a igreja de Nossa Senhora de Thule em Garðar, Groelândia. De igual modo os cavaleiros Teutônicos ajudaram a escapar alguns Cátaros para a região hoje conhecida como o Paraguai, assim trazendo o Graal a salvo. Assim ocorreu com todos que se opuseram ao Cristo falso e ao judeo- cristianismo.
  34. 34. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       34   JESUS, A TENTATIVA DESESPERADA DO ENGANO “Porque de tal maneira amou Deus ao Mundo”… Ou seja: como resultado lhe agradou a sua maneira… Jesus veio ao mundo para silenciar a fúria adquirida do sangue de Caim. A fim de redimir o sangue “impuro”, o “pecado”, que corre em nosso sangue herdado da Serpente. “Veneno” que caso não se corta, seria a morte da alma. Veio para combater esse “veneno”, nosso signo da origem, com o bálsamo de seu Amor, o Poder de seu Amor que enche os corações da mentira e ilusão e adormece a fúria justa, que consola de pouco a pouco e se vai acalmando, amansando, ovelhizando, “purificando” e “convertendo” em sangue de SERVO, sangue de TEMOR, sangue de PASTOR, sangue AMOROSO, sangue de ABEL, sangue de um FRACO. Sangue do Redentor grato ao Criador.
  35. 35. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       35   A GNOSIS PRIMORDIAL A Gnosis Primordial é um conhecimento que se remonta a proto-história da humanidade. Seu quase total desconhecimento, irrisoriamente, se deve a enorme distância de tempo que nos separa dos fatos, senão a tenacidade com a qual foi combatida pelos sistemas religiosos e sociais antagônicos, que tem submetido a uma degradação permanente: destruindo documentos milenares, mutilando os símbolos que a sustentavam e deturpando a história do ser humano, em prol de seus interesses contrários ao direito para a ETERNIDADE DO HOMEM POR SUA LINHAGEM ESPIRITUAL E SEU LIVRE-ARBÍTRIO QUANTO AO SEU DESTINO (eternidade, não imortalidade). NÃO É UMA RELIGIÃO, é Conhecimento deixado pelos Hiperbóreos: A RAÇA DA ORIGEM; para ser usado como uma eficaz e INFALÍVEL ESTRATÉGIA de LIBERTAÇÃO para os ESPÍRITOS APRISIONADOS e para o ser humano; perdido no mundo da ilusão da matéria e ignorante de sua origem e destino. Se hoje ficam VESTIGIOS desta Ciência, é porque tem se sobrevivido no seio de antigos Agrupamentos Gnósticos terrivelmente herméticos. Informações, conhecimentos e símbolos se conservaram, até o presente e através deles, a MEMÓRIA DA ORIGEM, DO ETERNO. Podemos reconhecer muitos aspectos desta Sabedoria no Gnosticismo em geral, no Maniqueísmo, Catarismo, Teosofísmo, Rosa-cruzes, Maçonaria, Budismo, Hinduísmo, Judaísmo, Cristianismo, Sofismo, Xintoísmo, Taoísmo, Artes Marciais de cunho esotérico e outras tantas escolas de Conhecimento do Oriente e Ocidente; conhecimento IMCOMPLETO E, EM MUITÍSSIMOS DETALHES, DETURPADO. Através do tempo e mediante o medo, o terror, a astúcia, o assassinato, a traição, a substituição, o engano e a mentira; os INIMIGOS DA ORIGEM, com a finalidade de confundir, têm enterrado e cortado o fio dourado, DA AURA CÁTENA, A GNOSIS PRIMORDIAL que leva a VERDADE DA ORIGEM, em um labirinto do qual nada consegue sair por si mesmo. Conhecimento que hoje, a medida de disfarces, tem se convertido em outras RELIGIÕES QUE SE AJOELHAM E CURVAM SUAS CABEÇAS DIANTE DO CRIADOR E SEU UNI-VERSO, POR AMOR AO HOMEM DE BARRO E AO MUNDO ILUSÓRIO DA MATÉRIA, CAMINHANDO ESPERANÇADO PELA PROMESSA DA IMORTALIDADE, FILHA PREDILETA DA ILUSÃO DO TEMPO, QUE TERMINARÁ INEVITÁVELMENTE EM SEU PRALAYA (PERÍODO DE TEMPO DO CICLO DE EXISTÊNCIA DOS PLANETAS EM QUE NÃO OCORRE ATIVIDADE), QUANDO O UNO RECOLHE EM SEU SEIO, UMA VEZ MAIS, SEU ALENTO, SEU VERBO CRIADOR E SUA DEMENTE OBRA E TUDO QUE HÁ NELA.
  36. 36. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       36   O ESQUECIDO “A idéia de que os homens, partindo da bestialidade e do selvagerismo, evoluíram lentamente até a civilização, é recente. É um mito judeu-cristão, imposto nas consciências, para expulsar um mito mais antigo, vigoroso e revelador. Quando a Humanidade era mais nova, mais próxima de seu passado, nos tempos em que nenhuma conspiração bem sucedida tinha sido expulsa ainda de sua própria memória, sabia que descendia de deuses, de gigantes dos quais haviam aprendido tudo. Recordava uma idade de ouro em que os superiores, nascidos antes que ela, lhe ensinaram a agricultura, a metalurgia, as artes, as ciências e o manejo da Alma.” Louis Paules e Jaques Bergier em “Retorno dos Bruxos” Estas novas correntes religiosas e esotéricas, sustentam que a origem de nossa espécie e da inteligência, esta unicamente na alma, na matéria, nos antropóides e o tempo; repetimos, é um mito judeu-cristão sustentado pela cultura a qual se dirige para eclipsar a lembrança de outro mais antigo, vigoroso e verdadeiro.
  37. 37. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       37   ALMA E ESPÍRITO Somos reflexos caídos, projeções de espíritos revertidos e aprisionados na substância animada por almas, e esta sustentada pela vontade de um espírito animalesco, que em estado de fantasia tem se precipitado sua potência ordenando a matéria, e se tem convertido em um demiurgue (criador), de uma versão (latim: universus) de um mundo bestial, plasmado por seu verbo formador (Logos), e dirigida até sua perfeição, porque é imperfeita. Um mundo, no qual suas criações necessitam se destroçar entre si para poder saciar a fome, motor de sua existência animalesca. Levamos conosco um fator, que não é criado, que não tem princípio nem fim, que é reflexo de mais além do infinito, fora do criador; isto é, da Eternidade, da Pátria do Espírito, o “lugar” desde o qual nossos Espíritos enganados, olham até nós, e seu olhar se reflete no sangue causando o fator que chamamos “EU”, que nos faz inteligentes, individuais, voluntariosos, aristocráticos e verdadeiramente estrangeiros no universo da comunidade animalesca das almas, absolutamente inferiores, ante a Aristocracia de nossos Espíritos.
  38. 38. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       38   PAGANISMO E MONOTEÍSMO Nosso Eu, ao ser reflexo do espírito que vive na eternidade, é intuitivamente pagão, porque recordara Aristocracia de sua existência na Pátria do Espírito junto a Corte dos Não-criados, dos Deuses e da Liberdade. Nosso Eu, é pois: Leal, Aristocrata, Voluntarioso, Imperial, Nacionalista. A alma, ao ser como uma gota que cai aventurada entre milhões na tormenta da criação, busca desesperadamente agrupar-se em multidões, para cobrar força e regressar em comunidades ao oceano da substância, na que dormiam, e dormirão quando ao final regressem a seu criador. Lágrima esperançada, confiado ao cordeiro, marcha através da “boa aventura” até o final, agrupada na Red-il do bom pastor. Um criador, uma substância, um Red-entor, uma Bem-aventura, um final. A Alma é, pois, gregária, comum em todos os seres criados, é verdadeiramente comunista, confiada, tem fé em seu Pastor e em seu destino, é “internacional- comunista”, “global”.
  39. 39. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       39   LIBERTADOR E SALVADOR Fala-se de libertação: quem se liberta é um Prisioneiro, um Escravo, um Encarcerado, ou seja, alguém privado de Liberdade. Se fala de Salvação: Salvarmos de que? Da morte, da enfermidade, da fome, da dor, do trabalho, da ilusão, da insatisfação, da não retribuição, da pobreza, do sofrimento, etc.? Porém, não é isso, ser um “bem-aventurado”? Não é esse, o calvário de todos nós nesta Criação? Não é Verdadeiramente Enigmático, que o criador pretenda “salvarmos” de sua própria criação? Não é irônico que se faça apologia da debilidade, do sofrimento da fome, do pranto, da pobreza do Espírito como faz o Cristianismo Jesuístico dirigido ao ocidente em suas “bem-aventuranças”?
  40. 40. Introdução à Sabedoria Hiperbórea WarriorTharos www.fenestrainfernalis.com       40   SITUAÇÃO REAL, ATUAL DO VIRYA Para adquirir a Sabedoria Hiperbórea, é necessária a paciência. Ter paciência de onde se pode ter não é o verdadeiro, porém ao ter de onde habitualmente não se pode tê-la então diremos que adquiriu a paciência. É a paciência uma das maiores virtudes humanas que distingue o homem verdadeiro do homem comum. Poderia dizer que ela determina o grau de domínio de si mesmo, e dizer as capacidades de conhecimento ontológico que tem o homem sobre si mesmo. Deste modo podemos afirmar que desde um ponto de vista filosófico e ontológico o SER pode chegar a pertencer plenamente ao indivíduo, sempre e quando ele havia chegado a dominar inteiramente a sua paciência, pois a mesma é a chave interna para o conhecimento de si. Ontologicamente (onto = ser; estudo do ser e de todas suas possibilidades) podemos afirmar que o indivíduo deve orientar seu EU NOOLÓGICO (Noo = Via do Espírito) até sua própria realidade psicológica e anímica, posto que esta seja a única forma de conhecer-se e chegar à máxima aspiração noológica, ontológica e gnosiológica que é a INDIVIDUALIZAÇÃO ABSOLUTA. O caminho e o estudo contidos neste tratado que especifica como concretizar a realização das três vias iniciáticas que deve recorrer o Guerreiro Hiperbóreo, imprescindíveis para despertar e converter-se em um GUERREIRO SÁBIO, em um homem auto-eleito e deificado por sua própria vontade egóica livre e orientada nas linguagens hiperbóreas e nos símbolos eternos. O homem vive ocupado em uma estrutura cultural e social que o mantém atomizado, confinado a certas pautas morais que o hão convertido em um ser totalmente coletivo e gregário; esta situação tem desagregado seu EU em uma pluralidade de Eus e Egos que estruturados em complexos o tem levado a viver em uma constante TENSÃO DRAMÁTICA, que lenta, porém paulatinamente o vai destruindo em seu ânimo e em seu espírito. Mas no homem existe uma possibilidade de ser, um destino que transcende os estágios de consciência ordinária. neste caminho, a GNOSIS HIPERBÓREA o chama de A VIA DA INDIVIDUALIZAÇÃO. Individualização significa chegar a ser um ente singular e absoluto, com pleno conhecimento de si mesmo e fundamentalmente ORIENTADO, afirmado no EU ETERNO e em uma sabedoria que o permite conhecer e compreender profundamente a REALIDADE. Lamentavelmente, a comédia da vida se tem transformado em um drama que lentamente nos leva à tragédia e isto se deve em forma particular a perda que houve no homem do CENTRO, DE SEU SER. As tensões dramáticas tem criado um conflito interno e externo que nos tem levado a uma crise existencial de onde estamos imersos em uma nebulosa de desejos que somente nos criam um estado de perdição e confusão. Desta forma somos desbordados por nossos complexos que são o fruto de nossos desejos que, ao não poder consciencializar-los, controlá-los por falta de conhecimentos e sabedoria nos levam irremediavelmente em uma crise moral e social da qual cada vez é mais difícil sair. Neste desespero apelamos a pedir assistência em certas instituições

×