Alfabetização cientifica slide2

1.586 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.586
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
311
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
53
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alfabetização cientifica slide2

  1. 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DISCIPLINA: ALFABETIZAÇÃO CIENTIFICA EM SALA DE AULA: CONCEITOS E PRÁTICAS DOCENTES: PROFª. DRA. ADRIANE Halmann PROFª. DRA. VIVIANE BRICCIA DISCENTES: SOLANGE G. S. DE OLIVEIRA ROZIANE A. DOS SANTOS ALFABETIZAÇÃO CIENTIFICA NOS ANOS INICIAIS: ESCRITA E DESENHO NAS AULAS DE CIÊNCIAS Ilhéus, BA 2014
  2. 2. OBJETIVO Discorrer sobre a escrita e o desenho demonstrando a importância destas ferramentas para o desenvolvimento, organização e refinamento de idéias dos alunos nos estudos de ciências.
  3. 3. Neste trabalho utilizamos as ideias das autoras Carla Marques Alvarenga de Oliveira, Anna Maria Pessoa de Carvalho (2005) com o artigo “Escrevendo em aulas de ciências” O segundo artigo foi o de Lúcia Helena Sasseron e Carvalho (2010) “Escrita e Desenho: Análise de registros elaborados por alunos do Ensino Fundamental em aulas de Ciências” APRESENTAÇÃO
  4. 4. Partindo de uma reflexão da prática escolar, para relacionar os estudos de Ciências realizados com os estudos de linguagem.
  5. 5. É fundamental ao professor de Ciências restabelecer a humanidade e as incertezas da ciência produzida pelo homem. Nas aulas os alunos devem Experimentar Hipotetizar ARGUMENTAR O ENSINO DE CIÊNCIAS
  6. 6. “Experiência é uma parte de ciência, mas também é Escrever e Falar" (SUTTON,1998). O emprego dessas duas atividades de linguagem na construção do conhecimento científico é fundamental para a solidarização e consolidação do conhecimento.
  7. 7. Vygotsky (1962) e Bruner (1964 apud WARWICH, SPARKS e STEPHENSON, 1999) apontaram para a verbalização como um “INSTRUMENTO COGNITIVO” Explicar, ou escrever analiticamente requer uma posição lógica reflexiva que estimula os estudantes a refinar seu pensamento, aumentando assim seu entendimento do tema estudado. (RIVARD e STRAW, 2000).
  8. 8. O desenho atua como uma forma auxiliar na exposição dos significados por eles construídos sobre aquele assunto em específico, reforçando afirmações feitas ou complementando o significado daquelas ideias que ainda não conseguem ser explicitadas em um texto escrito. (SASSERON e CARVALHO, 2008)
  9. 9. Modelo de ensino-aprendizagem construtivista Formação de um sistema conceitual coerente dos alunos; Discussão de ideias ; O registro escrito.
  10. 10. 1- O professor propõe o problema; 2- Os alunos agem sobre os objetos para ver como eles reagem; 3- Os alunos agem sobre o objeto para obter o efeito desejado; 4- Os alunos tomam consciência de como foi produzido o efeito desejado; 5- Os alunos dão as explicações causais; 6- Os alunos escrevem e/ou desenham; 7- O professor e os alunos relacionam a atividade e o Etapas da aplicação das atividades em Sala de Aula
  11. 11. Identificando os Eixos Estruturantes a serem considerados no planejamento de propostas que objetivem a Alfabetização Científica. Baseia-se no conteúdo associado à sequência didática e na forma como o mesmo é explorado e explicitado pelos alunos em sua escrita e desenho. (SASSERON 2008, SASSERON e CARVALHO, 2008)
  12. 12. A ideia de que a linguagem ocorre a partir de enunciados orais ou escritos, como resultado da atividade humana. Segundo Bakhtin (1997, p. 302), "os gêneros do discurso organizam nossa fala da mesma maneira que organizam as formas gramaticais (sintáticas)". ASPECTOS RELEVANTES DA LINGUAGEM PARA O ESTUDO
  13. 13. ASPECTOS TIPOLÓGICOS CAPACIDADE DE LINGUAGEM DOMINANTE EXEMPLOS DE GÊNEROS ORAIS E ESCRITOS Narrar Mimesis da ação por meio da criação da intriga no domínio verossímil. Conto de Fadas, Fábulas, Lenda, Romance, Conto, Novela, Etc. Relatar Representação pelo discurso de experiências vividas, situadas no tempo. Notícia, Reportagem, Relato de experiência vivida, Biografia, Etc. Argumentar Sustentação, refutação e negociação de tomada de posição. Textos de opinião, Editorial, Resenhas críticas, Carta de reclamação, Etc. Expor Apresentação textual de diferentes formas de saberes Conferência, Resenhas, Relatório científico, Resumo de textos, Etc. Descrever Ações Regulação mútua de comportamentos Instrução de uso, Receita, Regra de jogo, Textos prescritivos, Etc. Noção de capacidades de linguagem apresentada por Dolz, Pasquier e Bronckart (apud DOLZ e SCHNEUWLY, 1996).
  14. 14. Iremos analisar os registros escritos, levando em consideração os aspectos tipológicos e as capacidades de linguagem dominante do indivíduo apresentados, assim como, deve ser levado em consideração a intenção comunicativa do autor no ato da ação de linguagem e os elementos disponibilizados por ele para a composição desse registro.
  15. 15. ANALISE DA EXPERIÊNCIA Escola de Aplicação da Feusp. Instituição pública Vinculada à faculdade de Educação da universidade de São Paulo Secretaria de Educação do Estado 1º ano do Ensino fundamental 3º do Ensino Médio
  16. 16. Classe de 30 alunos Problema do submarino Problema do barquinho Problema da pressão Gravação e filmagem das aulas ANALISE DA EXPERIÊNCIA Coleta de dados Produções escritas
  17. 17. POPULAÇÃO DOS DADOS DA PESQUISA Registro escrito por 30 alunos 3 atividades Trabalhou com 10 alunos Recorte de 10 alunos Apresenta texto de 2 estudantes Total de 30 textos
  18. 18. “O problema do submarino” Materiais necessários: um modelo de plástico, que seria usado como se fosse um submarino; um bocal de plástico para cada aluno assoprar e um recipiente transparente, com água. Este aqui é o submarino (pega o modelo de plástico), ele vai ser chamado submarino, ele vai ser colocado aqui no balde com água (aponta para o balde já com água) e vocês vão arrumar um jeito, descobrir uma forma do submarino afundar e levantar, afundar e flutuar dentro desse balde d'água. Vamos lá? (Transcrição da fala da professora LS).
  19. 19. Eles começam a tomar consciência das coordenações dos eventos. Pensando no que fez, para poder falar, para contar para o professor e para a classe, o aluno vai fazendo ligações lógicas, estabelecendo conexões entre as suas ações e as reações dos objetos. Carvalho (apud OLIVEIRA E CARVALHO, 2005, p. 355).
  20. 20. ANALISE DOS DADOS  Analise da escrita do texto e a imagem produzidas  Que tipo de textos estão sendo escritos  Uso da primeira pessoa ou não  Uso do verbo de ação  Uso da cronologia  Comparação entre os desenhos e a escrita  Se os textos há explicações legais ou causais
  21. 21. NATUREZA DAS EXPLICAÇÕES LEGAL CAUSAL Está no domínio da observação Envolve relações aplicados do sujeito aos objetos, descreve o fenômeno físico Ultrapassa o domínio da observação / explica o fenômeno e exige a construção de uma inovação, uma nova palavra
  22. 22. ESCREVENDO EM AULA DE CIÊNCIA Registro de Marcela Colocamos o submarino na água e assopramos. Assopramos ele flutuava e quando sugamos o ar ele afundava. Atividade do submarino - Marcela
  23. 23. CONSIDERAÇÃO DO REGISTRO DE MARCELA  Relata as ações realizadas  Segue uma ordem cronológica dos fatos ocorridos  O desenho auxiliou na compreensão do texto escrito, ilustra com detalhes todo aparato necessário para realizar a experiência  Mesmo status de importância para o texto escrito e o desenho  usa o verbo de ação na primeira pessoa do plural ( colocamos, assopramos e sugamos)  Explicação do tipo legal
  24. 24. Registro do Maurício Todos nós comsiguimos chegar a o objetivo que era comsiguir afumdar e flutuar o submarino. Nós sugamos o canudinho e o submarino afundou e quamdo a gente assoprava e o submarino subia e ficava sobrea água Proque quando a gente assopra e sobe pro que ele fica com menor água e sobe ele dese quando a gente suga ele fica com mais água e afunda. Atividade do submarino - Maurício
  25. 25. CONSIDERAÇÃO DO REGISTRO DE MAURICIO  Desenvolveu o texto com inicio meio e fim;  Atencioso com a ordem cronológica;  O desenho trás detalhes da atividade executada contribuindo para melhor compreensão do texto escrito;  No texto mostra a preocupação de Mauricio em expor uma explicação para o fenômeno;  Usa o verbo de ação na primeira pessoa do plural (sugamos e assopramos) ;  Explicação legal
  26. 26. ANÁLISE GERAL DOS REGISTROS Como são os registros escritos feitos pelos alunos nas aulas de Ciências, quando são usadas as atividades de conhecimento físico?  Predominou o relato;  A representação pelo discurso de experiências vividas, situadas no tempo, tendo como gênero escrito o relato de experiências vividas;  Apareceu em menor escala a exposição de ideias;  Em todos os textos analisados a ordem dos fatos foram organizadas cronologicamente;  Predominância da primeira pessoa do plural;  O desenho contribuiu muito para a compreensão do texto escrito
  27. 27. 30 registros 8 auto-suficiente Como conseguiram resolver o problema 2 dos textos apresentaram uma explicação Não compreenderam a proposta da atividade Em análise às explicações dos fenômenos, que apareceram nos textos escritos 2 consideradas do tipo causal Analisar as relações de causa e efeito Atribuir as ações ao objeto tipo legal Domínio das observáveis, descrevendo as ações dos sujeitos no objeto e suas regularidades
  28. 28.  A metodologia das aulas de conhecimento físico evidencia também a importância do saber fazer e compreender, os alunos são levados a resolver problemas por meio da experimentação, mas também a refletir, relatar, discutir e explicar suas ações (OLIVEIRA E CARVALHO 2005, P. 364)  Rivarde e Straw (2000) A explicação por parte dos alunos exige uma posição lógica reflexiva e o ato de escrever demanda um maior esforço cognitivo. Relacionando essas afirmações com os textos analisados, constatamos que escrever uma explicação demanda um esforço cognitivo muito maior que nem todos os alunos estão prontos para atender.
  29. 29. Considerações Ao discutir ideias e desenvolver a escrita de textos consolidam um importante mecanismo para a criação de um sistema conceitual coerente nas aulas de ciências. Sendo assim, falar, ouvir e procurar uma explicação a respeito do que está estudando, escrever e desenhar, configura uma expressão em diversas linguagens que ajuda a solidificar e sistematizar o que já foi aprendido.
  30. 30. REFERÊNCIAS OLIVEIRA, C. M. A de; CARVALHO A. M. P de. Escrevendo em aulas de Ciências. Ciência & Educação (Bauru), vol.11, núm.3, 2005, p. 347-366. SASSERON, L.H. e CARVALHO, A.M.P. Escrita e Desenho: Análise de registros elaborados por alunos do Ensino Fundamental em aulas de Ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. Vol. 10 Nº2, 2010
  31. 31. PERGUNTA De que forma a Leitura, a Escrita e o Desenho podem favorecer a Alfabetização Científica dos alunos nos Anos Iniciais?
  32. 32. Obrigada!

×