Armando Cobra –CEEJA - Jorge
Barbosa –M. Sonnewend
“Quando há parceria não existe dominação. As
partes envolvidas em uma mesma situação
comungam suas habilidades e talentos ...
A
PA
RC
ER
I

ES
Õ
AÇ

ALUNO

RESPONSABILIZAÇÃO
RESPONSABILIZAÇÃO

AÇÕES

ALUNO
PLANEJAMENTO

PARCERIA

DIREÇÃO
COORDENAÇÃO
SUPERVISÃO
PROFESSORES
entre as escolas
IA

diagnóstico

PA

R

C

ER

entre as funções

AÇ
RESPONSABILIZAÇÃO

S

papel de
cada um

ÕE

ALUNO
Avaliação
Institucional

Diagnóstico

Acompanhamento das
ações realizadas nas
escolas

PAP
PROGRAMA
DE AÇÃO
PARTICIPATIV
O...
Supervisor/Diretor: Decreto
57.141/2011 e Resolução 70/2010
Professor Coordenador: Res. SE
88/207 alterada pela Res. SE 42...
I - exercer, por meio de visita, a supervisão e fiscalização das
escolas incluídas no setor de trabalho que for atribuído ...
Compete ao Diretor, em parceria com o Supervisor de
Ensino e, em sua esfera de competência, garantir, a
concretização da f...
I - acompanhar e avaliar o ensino e o processo de aprendizagem, bem
como os resultados do desempenho dos alunos;
II - atua...
I - apresentar competência como gestor pedagógico, sendo capaz de planejar,
acompanhar e avaliar os processos de ensinar e...
Ppt i encontro_25_02_2014
Ppt i encontro_25_02_2014
Ppt i encontro_25_02_2014
Ppt i encontro_25_02_2014
Ppt i encontro_25_02_2014
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ppt i encontro_25_02_2014

314 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
314
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ppt i encontro_25_02_2014

  1. 1. Armando Cobra –CEEJA - Jorge Barbosa –M. Sonnewend
  2. 2. “Quando há parceria não existe dominação. As partes envolvidas em uma mesma situação comungam suas habilidades e talentos para criar uma meta compartilhada. Caminhar juntos em direção a essa meta, conscientes do processo que isso implica, é a verdadeira parceria, na qual os “opostos” descobrem que são absolutamente complementares.” Autor desconhecido
  3. 3. A PA RC ER I ES Õ AÇ ALUNO RESPONSABILIZAÇÃO
  4. 4. RESPONSABILIZAÇÃO AÇÕES ALUNO PLANEJAMENTO PARCERIA DIREÇÃO COORDENAÇÃO SUPERVISÃO PROFESSORES
  5. 5. entre as escolas IA diagnóstico PA R C ER entre as funções AÇ RESPONSABILIZAÇÃO S papel de cada um ÕE ALUNO
  6. 6. Avaliação Institucional Diagnóstico Acompanhamento das ações realizadas nas escolas PAP PROGRAMA DE AÇÃO PARTICIPATIV O Instrumento próprio para realização desse processo de avaliação institucional
  7. 7. Supervisor/Diretor: Decreto 57.141/2011 e Resolução 70/2010 Professor Coordenador: Res. SE 88/207 alterada pela Res. SE 42/2012 Professor Coordenador de Apoio à Gestão Pedagógica: Res. SE 03/2013 alterada pela Res. SE 18/2013
  8. 8. I - exercer, por meio de visita, a supervisão e fiscalização das escolas incluídas no setor de trabalho que for atribuído a cada um, prestando a necessária orientação técnica e providenciando correção de falhas administrativas e pedagógicas, sob pena de responsabilidade, conforme previsto no inciso I do artigo 9º da Lei Complementar nº 744, de 28 de dezembro de 1993; II - assessorar, acompanhar, orientar, avaliar e controlar os processos educacionais implementados nas diferentes instâncias do Sistema; III - assessorar e/ou participar, quando necessário, de comissões de apuração preliminar e/ou de sindicâncias, a fim de apurar possíveis ilícitos administrativos;
  9. 9. Compete ao Diretor, em parceria com o Supervisor de Ensino e, em sua esfera de competência, garantir, a concretização da função social da escola, liderando o processo de construção de identidade de sua instituição, por meio de uma eficiente gestão, nas seguintes dimensões: * de resultados educacionais do ensino e da aprendizagem; * participativa; * pedagógica; * dos recursos humanos; * dos recursos físicos e financeiros.
  10. 10. I - acompanhar e avaliar o ensino e o processo de aprendizagem, bem como os resultados do desempenho dos alunos; II - atuar no sentido de tornar as ações de coordenação pedagógica espaço coletivo de construção permanente da prática docente; III - assumir o trabalho de formação continuada, a partir do diagnóstico dos saberes dos professores para garantir situações de estudo e de reflexão sobre a prática pedagógica, estimulando os professores a investirem em seu desenvolvimento profissional; IV - assegurar a participação ativa de todos os professores do segmento/nível objeto da coordenação, garantindo a realização de um trabalho produtivo e integrador; V - organizar e selecionar materiais adequados às diferentes situações de ensino e de aprendizagem; VI - conhecer os recentes referenciais teóricos relativos aos processos de ensino e aprendizagem, para orientar os professores; VII - divulgar práticas inovadoras, incentivando o uso dos recursos tecnológicos disponíveis.
  11. 11. I - apresentar competência como gestor pedagógico, sendo capaz de planejar, acompanhar e avaliar os processos de ensinar e aprender, bem como o desempenho de gestores, professores e alunos; II - ter dinamismo, espírito de liderança e saber se relacionar com os demais profissionais da escola, de forma cordial e organizada; III - saber trabalhar em equipe como parceiro; IV - conhecer as concepções que subsidiam práticas de gestão e curriculares, tais como de gestão democrática e participativa, bem como concepções pertinentes às áreas e disciplinas que compõem o currículo dos níveis e modalidades de ensino; V – promover a integração horizontal e vertical do currículo no ensino fundamental e médio; VI – estimular abordagens multidisciplinares, por meio de metodologia de projeto e ou de temáticas transversais significativas para os alunos; VII - ter atitudes proativas no sentido de melhorar sua própria formação profissional, bem como a dos demais gestores e professores; VIII – analisar índices e indicadores externos de avaliação de sistema e desempenho da escola, para tomada de decisões em relação à proposta pedagógica e projetos desenvolvidos no âmbito da escola; IX – analisar indicadores internos de frequência e avaliação da aprendizagem dos alunos, tanto da avaliação da aprendizagem em processo quanto das avaliações realizadas pelos respectivos docentes, de forma a promover ajustes contínuos das ações de apoio necessárias à aprendizagem.

×