SlideShare uma empresa Scribd logo

Overview of the evaluation field

Este documento discute a história e os princípios da avaliação educacional. Apresenta as cinco fases históricas da avaliação e explica porque a avaliação é importante para melhorar a sociedade. Também define avaliação segundo o Joint Committee on Standards for Educational Evaluation e discute como a avaliação deve ser implementada e reportada.

1 de 16
Baixar para ler offline
Overview of the evaluation field
ÍNDICE
 Desenvolvimento Histórico da Avaliação Educacional
 Porque é que a Avaliação é importante?
 Objectos da Avaliação e disciplinas subjacentes à mesma
 A avaliação é suficiente para controlar a qualidade, guiar a melhoria e proteger os
consumidores?
 Relação da avaliação com outras áreas e profissões
 O que é a avaliação? Definição de avaliação e seus princípios defendidos pela JCSEE
 Multiplicidade de valores na avaliação
 Como devem ser usadas as avaliações?
 Operacionalização da Avaliação (segundo a definição adoptada pela JCSEE)
DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DA AVALIAÇÃO
EDUCACIONAL
Período Pré-
Tyleriano
(1840 – 1930)
Período
Tyleriano
(1930 – 1945)
Período da
Inocência
(1946 – 1957)
Período do
Realismo
(1958-1972)
Período do
Profissionalismo
(1973-actualidade)
PERÍODO PRÉ-TYLERIANO (EFICIÊNCIA E TESTES)
- Eficiência dos programas, escolas e professores
- Inquéritos
- Testes
PERÍODO TYLERIANO
- Avaliação Educacional
- Visão integrada do currículo e da avaliação
- Objectivos definidos vs resultados alcançados
PERÍODO DA INOCÊNCIA
- Expansão da Educação
- Avaliação: uma prática sem linhas orientadoras e sem
preocupações
- Avaliação educacional fora da responsabilidade do Estado
PERÍODO DO REALISMO
- Prestação de Contas, Utilidade e Relevância
- Novos programas curriculares
- Quatro abordagens de avaliação
- Programa “Title I”
PERÍODO DO PROFISSIONALISMO
- Profissionalização da Avaliação
- Aparecimento de literatura e programas de formação
- Joint Committé Standards for Educational Evaluation (1981)
- American Evaluation Association (2004)
- International Handbook of Educational Evaluation (2003)
 PORQUE É QUE A AVALIAÇÃO É IMPORTANTE?
- Proporciona a melhoria da sociedade em geral (educação, saúde, justiça, economia
etc.)
- Dá aos cidadãos informações na qual podem confiar
- Distingue o mérito e o valor de determinado objecto, programa avaliado
- Permite a certificação, a emissão de juízos de valor
 OBJECTOS DA AVALIAÇÃO E DISCIPLINAS SUBJACENTES À MESMA
- Scriven (1981) distingue EVALUAND como sendo aquilo que está a ser avaliado
(programa, projectos, políticas, etc.) de EVALUEE que se caracteriza por serem as
pessoas cujas qualificações e desempenho estão a ser avaliados
- Este texto foca-se na AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS
- São várias as áreas no domínio social em que a avaliação pode incidir
ASPECTOS RELEVANTES SOBRE A AVALIAÇÃO
 A AVALIAÇÃO É SUFICIENTE PARA CONTROLAR A QUALIDADE, GUIAR A MELHORIA
E PROTEGER OS CONSUMIDORES?
- A avaliação deve ser útil à sociedade
 RELAÇÃO DA AVALIAÇÃO COM OUTRAS ÁREAS E PROFISSÕES
- American Evaluation Association
- Joint Committee on Standards for Educational Evaluation
- A avaliação é um processo transversal a todas as áreas da sociedade
- Quanto mais sistemática e completo for o processo de avaliação, maior será o seu
impacto
- Está presente para melhorar, definir a qualidade
ASPECTOS RELEVANTES SOBRE A AVALIAÇÃO
O QUE É A AVALIAÇÃO?
Joint Committee on Standards for Educational Evaluation
MÉRITO VALOR
AVALIAÇÃO COMO PROCESSO
SISTEMÁTICO, CLARO E ÉTICO
NECESSIDADES
AVALIAÇÃO DAS
NECESSIDADES
O QUE É A AVALIAÇÃO?
Joint Committee on Standards for Educational Evaluation - JCSEE
Princípios orientadores da avaliação
ÉTICA
INTEGRIDADE
EXEQUIBILIDADE SEGURANÇA SIGNIFICADO EQUIDADE
MULTIPLICIDADE DE VALORES
 O avaliador deve ter em conta a diversidade de stakeholders (valores
subjacentes aos mesmos)
 O avaliador deverá ter em conta a “missão” do programa e os seus
valores, necessidades e prioridades e os seus destinatários
 O conflito de valores não é uma tarefa fácil para o avaliador
 O avaliador não deve ter uma visão apaixonada, obsessiva das necessidades
dos diferentes grupos de valores associados a uma avaliação
COMO DEVEM SER USADAS AS AVALIAÇÕES?
Avaliação
formativa para a
melhoria
Avaliação sumativa
para a prestação
de contas
Relação entre
avaliação
formativa e
sumativa
Avaliação
orientada para os
consumidores
Avaliação
orientada para a
investigação
OPERACIONALIZAÇÃO DA DEFINIÇÃO DE AVALIAÇÃO (JCSEE)
1) DEFINIR/DELINEAR
Definir
claramente o
objecto da
avaliação
Efectuar uma
análise de
necessidades
Identificar as
questões
centrais e as
audiências
Estabelecer os
valores e
critérios
pertinentes
Determinar os
requisitos da
informação
Definir as regras
e metodologias
Identificar novas
audiências
Fazer emergir mais
informação e mais
necessidades
Descrever o
contexto
relação de
confiança
mútua
2) IMPLEMENTAR
Infirmar
confirmar/alterar
conclusões
Interpretar os dados
de forma
sistemática e
transparente
Analisar a informação
recolhida
Recolher informação
válida, credível e
significativa
Planeamento
Estratégico
através de:
negociação, auscultação de
audiências, observação,
entrevistas, estudo de
caso, análise de conteúdo,
de documentos, de sites,
estatística, etc.
3) REPORTAR
AVALIADOR
CLIENTE
STAKEHOLDES
RELATÓRIO FINAL
INFORMAÇÃO DESCRITIVA
•Descreve objectivamente as
operações, procedimentos e os
resultados.
• Identifica forças, fraquezas.
JUÍZOS DE VALOR
•Fornece orientações para a
tomada de decisão.
comunicação eficaz
feedback constante
CLIENTE
OUTROS UTILIZADORES
4) APLICAR
MOBILIZAÇÃO DAS
EVIDÊNCIAS
TOMADA DE DECISÃO
AVALIAÇÃO CENTRADA NO CLIENTE
O avaliador deve disponibilizar-se para assistir a aplicação das
evidências.
Através de:
workshops,
follow-up,
recolha de
opiniões, etc.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• Fernandes, D. (2010). Acerca da articulação de perspectivas e da construção teórica em avaliação
educacional. In M.T. Estrela e A. J. Afonso (Orgs), Olhares e Interfaces: Reflexões críticas sobre a avaliação,
pp.15-44. São Paulo: Cortez Editora.
• Fernandes, D. (2005). Dos Fundamentos e das Prática. In D. Fernandes, Avaliação das Aprendizagens:
Desafios às Teorias, Práticas e Políticas (pp.55-63). Cacém: Texto Editores
• Fernandes, D. (1992). Práticas e perspectivas de avaliação (Dois anos de experiência no Instituto de
Inovação Educacional). Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.
• Rodrigues, P. (1999). A Avaliação Curricular. In A. Estrela & A. Nóvoa (Eds.), Avaliações em Educação: Novas
Perspectivas (pp. 25-32). Porto: Porto Editora.
• Stufflebeam, D. & Shinkfield, a. (2007). Evaluation theory, models, & applications. San Francisco: Jossey-
Bass (pp.3-56).
Referências Bibliográficas Online:
• Joint Commitee on Standards for Educational Evaluation (www.jcsee.org)
• American Evaluation Association (www.eval.org)
• Sriven, M (2007). Evaluation Checlist. Michigan: Western Michigan University
(http://www.wmich.edu/evalctr/archive_checklists/kec_feb07.pdf)

Recomendados

Aulas avaliacao capes (1)
Aulas avaliacao capes (1)Aulas avaliacao capes (1)
Aulas avaliacao capes (1)João Alberto
 
Conceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da FormaçãoConceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da FormaçãoJoão Lima
 
´Projecto FInal - Módulo de Formação
´Projecto FInal - Módulo de Formação´Projecto FInal - Módulo de Formação
´Projecto FInal - Módulo de FormaçãoAndreia Durães
 
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo mira
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo miraResposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo mira
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo miraGuilhermina Miranda
 
Tutorial issuu
Tutorial issuuTutorial issuu
Tutorial issuumanjosp
 
3.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.03.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.0manjosp
 
Durães, Maia & Matos, (2010). Trabalho Colaborativo: Uma estratégia para a Re...
Durães, Maia & Matos, (2010). Trabalho Colaborativo: Uma estratégia para a Re...Durães, Maia & Matos, (2010). Trabalho Colaborativo: Uma estratégia para a Re...
Durães, Maia & Matos, (2010). Trabalho Colaborativo: Uma estratégia para a Re...Andreia Durães
 

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Noam chomsky el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
Noam chomsky   el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...Noam chomsky   el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
Noam chomsky el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...Guilhermina Miranda
 
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem onlineFinal.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem onlineGuilhermina Miranda
 
Tecnologias educacionais Wordle
Tecnologias educacionais WordleTecnologias educacionais Wordle
Tecnologias educacionais WordleAdriana Carvalho
 
Conteudos 2.a sessao
Conteudos 2.a sessaoConteudos 2.a sessao
Conteudos 2.a sessaomanjosp
 
O discurso da qualidade e a qualidade do discurso.
O discurso da qualidade e a qualidade do discurso. O discurso da qualidade e a qualidade do discurso.
O discurso da qualidade e a qualidade do discurso. Andreia Durães
 
Manualcalameo
ManualcalameoManualcalameo
Manualcalameomanjosp
 
Apresentação regina
Apresentação reginaApresentação regina
Apresentação reginareginacunha1
 
Atividade: Trabalho em Grupo II
Atividade: Trabalho em Grupo IIAtividade: Trabalho em Grupo II
Atividade: Trabalho em Grupo IIAndreia Durães
 
ANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLAR
ANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLARANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLAR
ANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLARAndreia Durães
 
Atividade: O Trabalho em Grupo I
Atividade: O Trabalho em Grupo IAtividade: O Trabalho em Grupo I
Atividade: O Trabalho em Grupo IAndreia Durães
 
Manual prezi-aluno
Manual prezi-alunoManual prezi-aluno
Manual prezi-alunomanjosp
 
Database Presentation
Database PresentationDatabase Presentation
Database Presentationa9oolq8
 
Modelo de competências pdf
Modelo de competências pdfModelo de competências pdf
Modelo de competências pdfAndreia Durães
 
Introdução ao coaching
Introdução ao coachingIntrodução ao coaching
Introdução ao coachingAndreia Durães
 
Teste5 fev
Teste5 fevTeste5 fev
Teste5 fevmanjosp
 

Destaque (20)

Noam chomsky el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
Noam chomsky   el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...Noam chomsky   el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
Noam chomsky el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
 
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem onlineFinal.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
 
Tecnologias educacionais Wordle
Tecnologias educacionais WordleTecnologias educacionais Wordle
Tecnologias educacionais Wordle
 
Trabalhos em wordle
Trabalhos em wordle Trabalhos em wordle
Trabalhos em wordle
 
Conteudos 2.a sessao
Conteudos 2.a sessaoConteudos 2.a sessao
Conteudos 2.a sessao
 
O discurso da qualidade e a qualidade do discurso.
O discurso da qualidade e a qualidade do discurso. O discurso da qualidade e a qualidade do discurso.
O discurso da qualidade e a qualidade do discurso.
 
Inovação Educativa
Inovação EducativaInovação Educativa
Inovação Educativa
 
Manualcalameo
ManualcalameoManualcalameo
Manualcalameo
 
Paulo de Morais entrevista
Paulo de Morais entrevistaPaulo de Morais entrevista
Paulo de Morais entrevista
 
Apresentação regina
Apresentação reginaApresentação regina
Apresentação regina
 
Atividade: Trabalho em Grupo II
Atividade: Trabalho em Grupo IIAtividade: Trabalho em Grupo II
Atividade: Trabalho em Grupo II
 
ANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLAR
ANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLARANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLAR
ANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLAR
 
Questionário
QuestionárioQuestionário
Questionário
 
Atividade: O Trabalho em Grupo I
Atividade: O Trabalho em Grupo IAtividade: O Trabalho em Grupo I
Atividade: O Trabalho em Grupo I
 
Manual prezi-aluno
Manual prezi-alunoManual prezi-aluno
Manual prezi-aluno
 
Database Presentation
Database PresentationDatabase Presentation
Database Presentation
 
Modelo de competências pdf
Modelo de competências pdfModelo de competências pdf
Modelo de competências pdf
 
Trabalho Polya
Trabalho Polya Trabalho Polya
Trabalho Polya
 
Introdução ao coaching
Introdução ao coachingIntrodução ao coaching
Introdução ao coaching
 
Teste5 fev
Teste5 fevTeste5 fev
Teste5 fev
 

Semelhante a Overview of the evaluation field

2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt
2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt
2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.pptGiovan Santana
 
Gestão de indicadores de desempenho roberto de assis nogueira
Gestão de indicadores de desempenho roberto de assis nogueiraGestão de indicadores de desempenho roberto de assis nogueira
Gestão de indicadores de desempenho roberto de assis nogueiraWilsonSilveira12
 
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação Roberto C. S. Pacheco
 
Apresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptx
Apresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptxApresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptx
Apresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptxBelzemiroSantiabo
 
Apostila .empreendedorismo
Apostila .empreendedorismoApostila .empreendedorismo
Apostila .empreendedorismoPaulo Noetzold
 
Transferência de treinamento
Transferência de treinamentoTransferência de treinamento
Transferência de treinamentoWalner Mamede
 
Avaliaco online aprendizagens_novos conceito
Avaliaco online aprendizagens_novos conceitoAvaliaco online aprendizagens_novos conceito
Avaliaco online aprendizagens_novos conceitoNeuza Pedro
 
Apostila Gestão de Processos
 Apostila Gestão de Processos Apostila Gestão de Processos
Apostila Gestão de ProcessosFlavia Bandeira
 
Sistemas De InformaçõEs, AvaliaçãO De Desempenho E
Sistemas De InformaçõEs, AvaliaçãO De Desempenho ESistemas De InformaçõEs, AvaliaçãO De Desempenho E
Sistemas De InformaçõEs, AvaliaçãO De Desempenho Emilkinha
 
Métricas de Controle de Processo
Métricas de Controle de ProcessoMétricas de Controle de Processo
Métricas de Controle de ProcessoFernando Berlitz
 
1ª Tarefa da 4ª Sessão
1ª Tarefa da 4ª Sessão1ª Tarefa da 4ª Sessão
1ª Tarefa da 4ª SessãoOdete Almeida
 
O Modelo de Auto-Avaliação
O Modelo de Auto-AvaliaçãoO Modelo de Auto-Avaliação
O Modelo de Auto-AvaliaçãoAna Covas Grilo
 
1ª Tarefa da 4ª Sessão
1ª Tarefa da 4ª Sessão1ª Tarefa da 4ª Sessão
1ª Tarefa da 4ª SessãoOdete Almeida
 
4.Metodologia GePlanes_ind e meta.pptx
4.Metodologia GePlanes_ind e meta.pptx4.Metodologia GePlanes_ind e meta.pptx
4.Metodologia GePlanes_ind e meta.pptxJonasDias35
 

Semelhante a Overview of the evaluation field (20)

AvaliaçãO Do Desempenho
AvaliaçãO Do DesempenhoAvaliaçãO Do Desempenho
AvaliaçãO Do Desempenho
 
2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt
2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt
2 -AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL GESTÃO ESCOLAR.ppt
 
Gestão de indicadores de desempenho roberto de assis nogueira
Gestão de indicadores de desempenho roberto de assis nogueiraGestão de indicadores de desempenho roberto de assis nogueira
Gestão de indicadores de desempenho roberto de assis nogueira
 
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
 
Scriven
Scriven Scriven
Scriven
 
Apresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptx
Apresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptxApresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptx
Apresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptx
 
Apostila .empreendedorismo
Apostila .empreendedorismoApostila .empreendedorismo
Apostila .empreendedorismo
 
Avaiação de desempenho
Avaiação de desempenhoAvaiação de desempenho
Avaiação de desempenho
 
Transferência de treinamento
Transferência de treinamentoTransferência de treinamento
Transferência de treinamento
 
Avaliaco online aprendizagens_novos conceito
Avaliaco online aprendizagens_novos conceitoAvaliaco online aprendizagens_novos conceito
Avaliaco online aprendizagens_novos conceito
 
Apostila Gestão de Processos
 Apostila Gestão de Processos Apostila Gestão de Processos
Apostila Gestão de Processos
 
Sistemas De InformaçõEs, AvaliaçãO De Desempenho E
Sistemas De InformaçõEs, AvaliaçãO De Desempenho ESistemas De InformaçõEs, AvaliaçãO De Desempenho E
Sistemas De InformaçõEs, AvaliaçãO De Desempenho E
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Métricas de Controle de Processo
Métricas de Controle de ProcessoMétricas de Controle de Processo
Métricas de Controle de Processo
 
1ª Tarefa da 4ª Sessão
1ª Tarefa da 4ª Sessão1ª Tarefa da 4ª Sessão
1ª Tarefa da 4ª Sessão
 
O Modelo de Auto-Avaliação
O Modelo de Auto-AvaliaçãoO Modelo de Auto-Avaliação
O Modelo de Auto-Avaliação
 
1ª Tarefa da 4ª Sessão
1ª Tarefa da 4ª Sessão1ª Tarefa da 4ª Sessão
1ª Tarefa da 4ª Sessão
 
4.Metodologia GePlanes_ind e meta.pptx
4.Metodologia GePlanes_ind e meta.pptx4.Metodologia GePlanes_ind e meta.pptx
4.Metodologia GePlanes_ind e meta.pptx
 
ICDA_4.ª sessão_2junho.pptx
ICDA_4.ª sessão_2junho.pptxICDA_4.ª sessão_2junho.pptx
ICDA_4.ª sessão_2junho.pptx
 
Framework
FrameworkFramework
Framework
 

Mais de Andreia Durães

Planeamento Educativo - Projetos Educativos de Escola
Planeamento Educativo - Projetos Educativos de EscolaPlaneamento Educativo - Projetos Educativos de Escola
Planeamento Educativo - Projetos Educativos de EscolaAndreia Durães
 
Sociologia - Inserção dos Jovens na Vida Ativa
Sociologia - Inserção dos Jovens na Vida AtivaSociologia - Inserção dos Jovens na Vida Ativa
Sociologia - Inserção dos Jovens na Vida AtivaAndreia Durães
 
A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...
A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...
A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...Andreia Durães
 
Conferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROS
Conferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROSConferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROS
Conferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROSAndreia Durães
 
Análise da Aplicação: A B C da Segurança
Análise da Aplicação: A B C da SegurançaAnálise da Aplicação: A B C da Segurança
Análise da Aplicação: A B C da SegurançaAndreia Durães
 
ApresentaçãO Pessoal TE I
ApresentaçãO Pessoal TE IApresentaçãO Pessoal TE I
ApresentaçãO Pessoal TE IAndreia Durães
 

Mais de Andreia Durães (10)

Gestão de tempo
Gestão de tempoGestão de tempo
Gestão de tempo
 
Planeamento Educativo - Projetos Educativos de Escola
Planeamento Educativo - Projetos Educativos de EscolaPlaneamento Educativo - Projetos Educativos de Escola
Planeamento Educativo - Projetos Educativos de Escola
 
Trabalho final aoe
Trabalho final aoeTrabalho final aoe
Trabalho final aoe
 
Sociologia - Inserção dos Jovens na Vida Ativa
Sociologia - Inserção dos Jovens na Vida AtivaSociologia - Inserção dos Jovens na Vida Ativa
Sociologia - Inserção dos Jovens na Vida Ativa
 
Constituicao ipss
Constituicao ipssConstituicao ipss
Constituicao ipss
 
Avaliação de Projetos
Avaliação de ProjetosAvaliação de Projetos
Avaliação de Projetos
 
A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...
A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...
A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...
 
Conferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROS
Conferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROSConferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROS
Conferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROS
 
Análise da Aplicação: A B C da Segurança
Análise da Aplicação: A B C da SegurançaAnálise da Aplicação: A B C da Segurança
Análise da Aplicação: A B C da Segurança
 
ApresentaçãO Pessoal TE I
ApresentaçãO Pessoal TE IApresentaçãO Pessoal TE I
ApresentaçãO Pessoal TE I
 

Último

Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxColmeias
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...apoioacademicoead
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...azulassessoriaacadem3
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...azulassessoriaacadem3
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...excellenceeducaciona
 
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Prime Assessoria
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIAHenrique Pontes
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...azulassessoriaacadem3
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...excellenceeducaciona
 
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial AniversárioDeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial AniversárioIsabelPereira2010
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...Prime Assessoria
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial AniversárioDeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 

Overview of the evaluation field

  • 2. ÍNDICE  Desenvolvimento Histórico da Avaliação Educacional  Porque é que a Avaliação é importante?  Objectos da Avaliação e disciplinas subjacentes à mesma  A avaliação é suficiente para controlar a qualidade, guiar a melhoria e proteger os consumidores?  Relação da avaliação com outras áreas e profissões  O que é a avaliação? Definição de avaliação e seus princípios defendidos pela JCSEE  Multiplicidade de valores na avaliação  Como devem ser usadas as avaliações?  Operacionalização da Avaliação (segundo a definição adoptada pela JCSEE)
  • 3. DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DA AVALIAÇÃO EDUCACIONAL Período Pré- Tyleriano (1840 – 1930) Período Tyleriano (1930 – 1945) Período da Inocência (1946 – 1957) Período do Realismo (1958-1972) Período do Profissionalismo (1973-actualidade)
  • 4. PERÍODO PRÉ-TYLERIANO (EFICIÊNCIA E TESTES) - Eficiência dos programas, escolas e professores - Inquéritos - Testes PERÍODO TYLERIANO - Avaliação Educacional - Visão integrada do currículo e da avaliação - Objectivos definidos vs resultados alcançados PERÍODO DA INOCÊNCIA - Expansão da Educação - Avaliação: uma prática sem linhas orientadoras e sem preocupações - Avaliação educacional fora da responsabilidade do Estado
  • 5. PERÍODO DO REALISMO - Prestação de Contas, Utilidade e Relevância - Novos programas curriculares - Quatro abordagens de avaliação - Programa “Title I” PERÍODO DO PROFISSIONALISMO - Profissionalização da Avaliação - Aparecimento de literatura e programas de formação - Joint Committé Standards for Educational Evaluation (1981) - American Evaluation Association (2004) - International Handbook of Educational Evaluation (2003)
  • 6.  PORQUE É QUE A AVALIAÇÃO É IMPORTANTE? - Proporciona a melhoria da sociedade em geral (educação, saúde, justiça, economia etc.) - Dá aos cidadãos informações na qual podem confiar - Distingue o mérito e o valor de determinado objecto, programa avaliado - Permite a certificação, a emissão de juízos de valor  OBJECTOS DA AVALIAÇÃO E DISCIPLINAS SUBJACENTES À MESMA - Scriven (1981) distingue EVALUAND como sendo aquilo que está a ser avaliado (programa, projectos, políticas, etc.) de EVALUEE que se caracteriza por serem as pessoas cujas qualificações e desempenho estão a ser avaliados - Este texto foca-se na AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS - São várias as áreas no domínio social em que a avaliação pode incidir ASPECTOS RELEVANTES SOBRE A AVALIAÇÃO
  • 7.  A AVALIAÇÃO É SUFICIENTE PARA CONTROLAR A QUALIDADE, GUIAR A MELHORIA E PROTEGER OS CONSUMIDORES? - A avaliação deve ser útil à sociedade  RELAÇÃO DA AVALIAÇÃO COM OUTRAS ÁREAS E PROFISSÕES - American Evaluation Association - Joint Committee on Standards for Educational Evaluation - A avaliação é um processo transversal a todas as áreas da sociedade - Quanto mais sistemática e completo for o processo de avaliação, maior será o seu impacto - Está presente para melhorar, definir a qualidade ASPECTOS RELEVANTES SOBRE A AVALIAÇÃO
  • 8. O QUE É A AVALIAÇÃO? Joint Committee on Standards for Educational Evaluation MÉRITO VALOR AVALIAÇÃO COMO PROCESSO SISTEMÁTICO, CLARO E ÉTICO NECESSIDADES AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES
  • 9. O QUE É A AVALIAÇÃO? Joint Committee on Standards for Educational Evaluation - JCSEE Princípios orientadores da avaliação ÉTICA INTEGRIDADE EXEQUIBILIDADE SEGURANÇA SIGNIFICADO EQUIDADE
  • 10. MULTIPLICIDADE DE VALORES  O avaliador deve ter em conta a diversidade de stakeholders (valores subjacentes aos mesmos)  O avaliador deverá ter em conta a “missão” do programa e os seus valores, necessidades e prioridades e os seus destinatários  O conflito de valores não é uma tarefa fácil para o avaliador  O avaliador não deve ter uma visão apaixonada, obsessiva das necessidades dos diferentes grupos de valores associados a uma avaliação
  • 11. COMO DEVEM SER USADAS AS AVALIAÇÕES? Avaliação formativa para a melhoria Avaliação sumativa para a prestação de contas Relação entre avaliação formativa e sumativa Avaliação orientada para os consumidores Avaliação orientada para a investigação
  • 12. OPERACIONALIZAÇÃO DA DEFINIÇÃO DE AVALIAÇÃO (JCSEE) 1) DEFINIR/DELINEAR Definir claramente o objecto da avaliação Efectuar uma análise de necessidades Identificar as questões centrais e as audiências Estabelecer os valores e critérios pertinentes Determinar os requisitos da informação Definir as regras e metodologias Identificar novas audiências Fazer emergir mais informação e mais necessidades Descrever o contexto relação de confiança mútua
  • 13. 2) IMPLEMENTAR Infirmar confirmar/alterar conclusões Interpretar os dados de forma sistemática e transparente Analisar a informação recolhida Recolher informação válida, credível e significativa Planeamento Estratégico através de: negociação, auscultação de audiências, observação, entrevistas, estudo de caso, análise de conteúdo, de documentos, de sites, estatística, etc.
  • 14. 3) REPORTAR AVALIADOR CLIENTE STAKEHOLDES RELATÓRIO FINAL INFORMAÇÃO DESCRITIVA •Descreve objectivamente as operações, procedimentos e os resultados. • Identifica forças, fraquezas. JUÍZOS DE VALOR •Fornece orientações para a tomada de decisão. comunicação eficaz feedback constante
  • 15. CLIENTE OUTROS UTILIZADORES 4) APLICAR MOBILIZAÇÃO DAS EVIDÊNCIAS TOMADA DE DECISÃO AVALIAÇÃO CENTRADA NO CLIENTE O avaliador deve disponibilizar-se para assistir a aplicação das evidências. Através de: workshops, follow-up, recolha de opiniões, etc.
  • 16. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • Fernandes, D. (2010). Acerca da articulação de perspectivas e da construção teórica em avaliação educacional. In M.T. Estrela e A. J. Afonso (Orgs), Olhares e Interfaces: Reflexões críticas sobre a avaliação, pp.15-44. São Paulo: Cortez Editora. • Fernandes, D. (2005). Dos Fundamentos e das Prática. In D. Fernandes, Avaliação das Aprendizagens: Desafios às Teorias, Práticas e Políticas (pp.55-63). Cacém: Texto Editores • Fernandes, D. (1992). Práticas e perspectivas de avaliação (Dois anos de experiência no Instituto de Inovação Educacional). Lisboa: Instituto de Inovação Educacional. • Rodrigues, P. (1999). A Avaliação Curricular. In A. Estrela & A. Nóvoa (Eds.), Avaliações em Educação: Novas Perspectivas (pp. 25-32). Porto: Porto Editora. • Stufflebeam, D. & Shinkfield, a. (2007). Evaluation theory, models, & applications. San Francisco: Jossey- Bass (pp.3-56). Referências Bibliográficas Online: • Joint Commitee on Standards for Educational Evaluation (www.jcsee.org) • American Evaluation Association (www.eval.org) • Sriven, M (2007). Evaluation Checlist. Michigan: Western Michigan University (http://www.wmich.edu/evalctr/archive_checklists/kec_feb07.pdf)