SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Licenciatura em Ciências da Educação
Inovação e Educação
Docente: Rosa Nogueira

Discentes:
• Andreia Durães
• Carla Vieira
• Mónica Maia
• Patrícia Garcia

1
 APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO
 GTO LX – CONTACTOS
 GTO LX – ACÇÕES
 METODOLOGIAS
 CARACTERIZAÇÃO

DO

TRABALHO DESENVOLVIDO

 PROJECTOS GTO LX A DECORRER
 FORMAÇÃO
 GTO LX COMO PROJECTO INOVADOR
 PARCERIAS
2
Caracterização:
 Organização Não Governamental (ONG) que usa a ferramenta do Teatro
do Oprimido
 Trabalha directamente com a população
 Objectivos:
 estimular a participação activa e consciente dos cidadãos na
construção da sociedade através do desenvolvimento de projectos de
empowerment;

 utilizar o teatro como ferramenta lúdica para criar debate e reflexão
sobre os problemas da sociedade moderna;
 transformar o cidadão passivo em indivíduo pró-activo, consciente dos
seus direitos e deveres.
 A metodologia do Teatro do Oprimido foi desenvolvida por Augusto Boal no
Brasil, em meados da década de 60, e é hoje praticada em mais de 70
países.
3
DIRECTORA
•Gisella Mendonza
ARTÍSTICA

EQUIPA
EXECUTIVA

•Diogo Mesquita
•Magda Novais
4
 Projectos de empowerment social com comunidades
críticas;
 Formação nas técnicas do Teatro do Oprimido;

 Acompanhamento na construção e na apresentação
perante a comunidade de espectáculos de Teatro Fórum
sobre as suas problemáticas.
5
TEATRO
JORNAL

ARCO – IRIS DO
DESEJO

TEATRO
IMAGEM

TEATRO
INVISIVEL

TEATRO
LEGISLATIVO

TEATRO
FORUM
6
Os espectáculos promovidos pela GTOLX são o resultado de processo de
formação e empowerment que a organização defende, e:
 são criados pelos actores e actrizes que constituem os grupos;
 são apoiados pelos formadores que os acompanham e por profissionais
das artes de palco que colaboram com o GTOLX.
 todas as criações partem da realidade dos membros dos grupos e
abordam temas eminentemente sociais como a discriminação, a igualdade
de género, o envelhecimento ou a apropriação da democracia.
 formar técnicos na comunidade capazes de continuarem a desenvolver
e criar novos projectos com aquelas populações.

7
DRK [Grupo de Teatro Fórum da Cova da Moura e Zambujal]
População: Jovens
Comunidade: Cova da Moura e Zambujal
Parceiros: Associação Moinho da Juventude, ESTC-IPL, IHRU
Financiadores: ACIDI, QREN-POPH

-------------------------ValArt [Grupo de Teatro Fórum do Vale da Amoreira]
População: Jovens
Comunidade: Vale da Amoreira
Parceiros: Escola Secundária da Baixa da Banheira, Extensão de Saúde de Vale da Amoreira, IHRU
Financiadores: ACIDI, QREN-POPH

-------------------------Às vezes a gente esquece-se [Grupo de Acção Comunitária do Bairro da Horta Nova]
População: Doentes mentais
Comunidade: Lisboa
Financiadores: Grupo de Acção Comunitária do Bairro da Horta Nova

--------------------------Tudo menos caspa [Grupo de Teatro Fórum do Bairro da Picheleira]
População: Idosos
Comunidade: Bairro da Picheleira
Parceiros: Médicos do Mundo
Financiadores: GEBALIS

---------------------------8
Teatro na nossa Escola [Grupos de Teatro Fórum da Escola D. José I]
População: Jovens
Comunidade: Alta de Lisboa
Parceiros: APAEL, K’Cidade, Escola EB 2,3 D. José I
Financiadores: Gebalis
-----------------------------Grupo de A cena é Outra [Grupo de Teatro Fórum do Bairro dos Lóios]
População: Jovens
Comunidade: Bairro dos Lóios, Lisboa
Parceiros: CDC do Bairro dos Lóios – SCML
Financiadores: SCML
------------------------------Depois dos Entas [Grupo de Teatro Fórum Centro Social e Cultural da
Casa do Povo de Fajã de Baixo]
População: Idosos
Comunidade: S. Miguel, Açores
Parceiros: Casa do Povo de Fajã de Baixo
Financiadores: IAS – Instituto de Acção Social dos Açores
------------------------------9
O GTO LX promove também formações pontuais sobre as técnicas do
Teatro Fórum para os mais diversos públicos, nomeadamente técnicos
sociais, formadores e público em geral.

ACÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO (4H)
Os participantes conhecem de uma forma prática e sucinta a técnica do
Teatro Fórum. Ao longo de 4 horas, os participantes conseguem perceber se
é possível, ou não, a implementação desta ferramenta dentro das suas
organizações e/ou com os seus públicos.
Destinatários: Qualquer pessoa interessada em usar o teatro como
ferramenta de diálogo e transformação social com as comunidades –
Técnicos
sociais,
dinamizadores
de
grupos,
activistas
sociais, professores, formadores, estudantes e profissionais do espectáculo.
Não é necessária experiência prévia.

10
FORMAÇÃO INICIAL EM TEATRO FÓRUM (17H)
Nesta formação, os participantes aprendem os conceitos e princípios que se
encontram na base do Teatro do Oprimido, aplicando-os através da
experimentação da técnica do teatro fórum. Ao longo da formação os
participantes adquirem as competências necessárias para enriquecer as suas
actividades através da experimentação do teatro fórum com os seus grupos
de trabalho.
Destinatários: Qualquer pessoa interessada em usar o teatro como
ferramenta de discussão e transformação social com as comunidades. Em
particular técnicos sociais, dinamizadores de grupos, activistas
sociais, professores, formadores, estudantes e profissionais do espectáculo.

11
FORMAÇÃO AVANÇADA NAS TÉCNICAS DO TEATRO FÓRUM (20H)
Nesta formação intensiva, os participantes irão desenvolver e discutir
estratégias práticas de implementação da técnica do teatro do fórum em
processos de aprendizagem formal ou não formal. Será investigada de forma
mais aprofundada a componente estética e política do processo criativo, de
apresentação e dinamização do espectáculo, assim como, o papel do curinga
como facilitador.

Destinatários: Pessoas já familiarizadas com o Teatro do Oprimido e/ou
facilitadores de outras disciplinas.

12
FORMAÇÃO PARA CURINGAS (14H)
Esta formação intensiva incide sobre as competências específicas do curinga
como facilitador de toda a experiência, desde a criação do espectáculo até à
sua dinamização com o público.

Destinatários: Pessoas já familiarizadas com o Teatro do Oprimido e/ou
facilitadores de outras disciplinas.

13
Entendemos o projecto GTOLx como parte integrante do que se denomina
de Educação não formal, e consideramo-lo inovador porque acreditamos
que a Escola não é a única via para o conhecimento e a conscientização

(termo utilizado por Paulo freire para designar a dinâmica mental do indivíduo
que se inicia no processo cíclico de observar, reflectir e agir).
Defendemos

que

essa

postura

“escolarizante”

da

nossa

sociedade, defendida nem sempre de forma muito directa pelo mundo
académico, pode resultar em afastamento dos indivíduos que já se
encontram, à partida, em situação social desfavorecida, porque os adultos
têm dificuldades em regressar à escola, e, quando inseridos em

comunidades onde a cultura escolar não é predominante, essas
resistências aumentam substancialmente.
14
15
16

Mais conteúdo relacionado

Destaque

3.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.03.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.0manjosp
 
Manualcalameo
ManualcalameoManualcalameo
Manualcalameomanjosp
 
Noam chomsky el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
Noam chomsky   el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...Noam chomsky   el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
Noam chomsky el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...Guilhermina Miranda
 
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo mira
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo miraResposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo mira
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo miraGuilhermina Miranda
 
O discurso da qualidade e a qualidade do discurso.
O discurso da qualidade e a qualidade do discurso. O discurso da qualidade e a qualidade do discurso.
O discurso da qualidade e a qualidade do discurso. Andreia Durães
 
Durães, Maia & Matos, (2010). Trabalho Colaborativo: Uma estratégia para a Re...
Durães, Maia & Matos, (2010). Trabalho Colaborativo: Uma estratégia para a Re...Durães, Maia & Matos, (2010). Trabalho Colaborativo: Uma estratégia para a Re...
Durães, Maia & Matos, (2010). Trabalho Colaborativo: Uma estratégia para a Re...Andreia Durães
 
´Projecto FInal - Módulo de Formação
´Projecto FInal - Módulo de Formação´Projecto FInal - Módulo de Formação
´Projecto FInal - Módulo de FormaçãoAndreia Durães
 
Overview of the evaluation field
Overview of the evaluation fieldOverview of the evaluation field
Overview of the evaluation fieldAndreia Durães
 
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem onlineFinal.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem onlineGuilhermina Miranda
 
Tecnologias educacionais Wordle
Tecnologias educacionais WordleTecnologias educacionais Wordle
Tecnologias educacionais WordleAdriana Carvalho
 
Atividade: Trabalho em Grupo II
Atividade: Trabalho em Grupo IIAtividade: Trabalho em Grupo II
Atividade: Trabalho em Grupo IIAndreia Durães
 
ANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLAR
ANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLARANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLAR
ANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLARAndreia Durães
 
Atividade: O Trabalho em Grupo I
Atividade: O Trabalho em Grupo IAtividade: O Trabalho em Grupo I
Atividade: O Trabalho em Grupo IAndreia Durães
 
Manual prezi-aluno
Manual prezi-alunoManual prezi-aluno
Manual prezi-alunomanjosp
 
Modelo de competências pdf
Modelo de competências pdfModelo de competências pdf
Modelo de competências pdfAndreia Durães
 
Database Presentation
Database PresentationDatabase Presentation
Database Presentationa9oolq8
 

Destaque (20)

3.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.03.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.0
 
Manualcalameo
ManualcalameoManualcalameo
Manualcalameo
 
Noam chomsky el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
Noam chomsky   el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...Noam chomsky   el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
Noam chomsky el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
 
Trabalhos em wordle
Trabalhos em wordle Trabalhos em wordle
Trabalhos em wordle
 
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo mira
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo miraResposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo mira
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo mira
 
O discurso da qualidade e a qualidade do discurso.
O discurso da qualidade e a qualidade do discurso. O discurso da qualidade e a qualidade do discurso.
O discurso da qualidade e a qualidade do discurso.
 
Durães, Maia & Matos, (2010). Trabalho Colaborativo: Uma estratégia para a Re...
Durães, Maia & Matos, (2010). Trabalho Colaborativo: Uma estratégia para a Re...Durães, Maia & Matos, (2010). Trabalho Colaborativo: Uma estratégia para a Re...
Durães, Maia & Matos, (2010). Trabalho Colaborativo: Uma estratégia para a Re...
 
´Projecto FInal - Módulo de Formação
´Projecto FInal - Módulo de Formação´Projecto FInal - Módulo de Formação
´Projecto FInal - Módulo de Formação
 
Paulo de Morais entrevista
Paulo de Morais entrevistaPaulo de Morais entrevista
Paulo de Morais entrevista
 
Uivo
UivoUivo
Uivo
 
Overview of the evaluation field
Overview of the evaluation fieldOverview of the evaluation field
Overview of the evaluation field
 
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem onlineFinal.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
 
Tecnologias educacionais Wordle
Tecnologias educacionais WordleTecnologias educacionais Wordle
Tecnologias educacionais Wordle
 
Atividade: Trabalho em Grupo II
Atividade: Trabalho em Grupo IIAtividade: Trabalho em Grupo II
Atividade: Trabalho em Grupo II
 
ANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLAR
ANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLARANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLAR
ANÁLISE COMPARATIVA DOS REGIMES DE GESTÃO ESCOLAR
 
Questionário
QuestionárioQuestionário
Questionário
 
Atividade: O Trabalho em Grupo I
Atividade: O Trabalho em Grupo IAtividade: O Trabalho em Grupo I
Atividade: O Trabalho em Grupo I
 
Manual prezi-aluno
Manual prezi-alunoManual prezi-aluno
Manual prezi-aluno
 
Modelo de competências pdf
Modelo de competências pdfModelo de competências pdf
Modelo de competências pdf
 
Database Presentation
Database PresentationDatabase Presentation
Database Presentation
 

Semelhante a Inovação Educativa

A cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção social
A cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção socialA cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção social
A cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção socialMário Cruz
 
Projeto cinema no bairro para salvador
Projeto cinema no bairro para salvadorProjeto cinema no bairro para salvador
Projeto cinema no bairro para salvadorreinaldosantosI
 
Perfil Do Asc/regadas Fafe
Perfil Do Asc/regadas FafePerfil Do Asc/regadas Fafe
Perfil Do Asc/regadas Fafeguest564c19
 
Teatro+do+oprimido
Teatro+do+oprimidoTeatro+do+oprimido
Teatro+do+oprimidoDenise Neiva
 
Conexões: movimento social, educação popular e cinema
Conexões: movimento social, educação popular e cinema Conexões: movimento social, educação popular e cinema
Conexões: movimento social, educação popular e cinema Emanuel Santana
 
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoLaboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoJosé Carlos Mota
 
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5casaredondacultural
 
Projeto cinema no bairro para lauro de freitas
Projeto cinema no bairro para lauro de freitasProjeto cinema no bairro para lauro de freitas
Projeto cinema no bairro para lauro de freitasreinaldosantosI
 
Plano de ensino Informática Educativa Fabrício Araújo
Plano de ensino Informática Educativa Fabrício AraújoPlano de ensino Informática Educativa Fabrício Araújo
Plano de ensino Informática Educativa Fabrício AraújoFabrício Araújo
 
Projeto cinema nas escolas para salvador
Projeto cinema nas escolas para salvadorProjeto cinema nas escolas para salvador
Projeto cinema nas escolas para salvadorreinaldosantosI
 
Apresentação Projecto Catapulta
Apresentação Projecto CatapultaApresentação Projecto Catapulta
Apresentação Projecto CatapultaProjecto Catapulta
 
Ementa: Oficina de financiamento coletivo
Ementa: Oficina de financiamento coletivoEmenta: Oficina de financiamento coletivo
Ementa: Oficina de financiamento coletivoEvoé
 
Dança e Inclusão Social
Dança e Inclusão SocialDança e Inclusão Social
Dança e Inclusão SocialBhuvana Vasques
 
Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"
Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"
Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"Sintese Sergipe
 
Conclusoes finalencontrorededanca09 V
Conclusoes finalencontrorededanca09 VConclusoes finalencontrorededanca09 V
Conclusoes finalencontrorededanca09 Vrede.danca
 
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...Universidade Estadual do Ceará
 
Temos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que MerecemosTemos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que Merecemosguestdd7f55
 

Semelhante a Inovação Educativa (20)

A cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção social
A cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção socialA cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção social
A cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção social
 
Projeto cinema no bairro para salvador
Projeto cinema no bairro para salvadorProjeto cinema no bairro para salvador
Projeto cinema no bairro para salvador
 
Perfil Do Asc/regadas Fafe
Perfil Do Asc/regadas FafePerfil Do Asc/regadas Fafe
Perfil Do Asc/regadas Fafe
 
Teatro+do+oprimido
Teatro+do+oprimidoTeatro+do+oprimido
Teatro+do+oprimido
 
Projeto cine parque
Projeto cine parqueProjeto cine parque
Projeto cine parque
 
Apresenta...3pptoficial
Apresenta...3pptoficialApresenta...3pptoficial
Apresenta...3pptoficial
 
Conexões: movimento social, educação popular e cinema
Conexões: movimento social, educação popular e cinema Conexões: movimento social, educação popular e cinema
Conexões: movimento social, educação popular e cinema
 
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoLaboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
 
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5
 
Projeto cinema no bairro para lauro de freitas
Projeto cinema no bairro para lauro de freitasProjeto cinema no bairro para lauro de freitas
Projeto cinema no bairro para lauro de freitas
 
Plano de ensino Informática Educativa Fabrício Araújo
Plano de ensino Informática Educativa Fabrício AraújoPlano de ensino Informática Educativa Fabrício Araújo
Plano de ensino Informática Educativa Fabrício Araújo
 
Projeto cinema nas escolas para salvador
Projeto cinema nas escolas para salvadorProjeto cinema nas escolas para salvador
Projeto cinema nas escolas para salvador
 
Apresentação Projecto Catapulta
Apresentação Projecto CatapultaApresentação Projecto Catapulta
Apresentação Projecto Catapulta
 
Marrom
MarromMarrom
Marrom
 
Ementa: Oficina de financiamento coletivo
Ementa: Oficina de financiamento coletivoEmenta: Oficina de financiamento coletivo
Ementa: Oficina de financiamento coletivo
 
Dança e Inclusão Social
Dança e Inclusão SocialDança e Inclusão Social
Dança e Inclusão Social
 
Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"
Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"
Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"
 
Conclusoes finalencontrorededanca09 V
Conclusoes finalencontrorededanca09 VConclusoes finalencontrorededanca09 V
Conclusoes finalencontrorededanca09 V
 
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
 
Temos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que MerecemosTemos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que Merecemos
 

Mais de Andreia Durães

Introdução ao coaching
Introdução ao coachingIntrodução ao coaching
Introdução ao coachingAndreia Durães
 
Planeamento Educativo - Projetos Educativos de Escola
Planeamento Educativo - Projetos Educativos de EscolaPlaneamento Educativo - Projetos Educativos de Escola
Planeamento Educativo - Projetos Educativos de EscolaAndreia Durães
 
Sociologia - Inserção dos Jovens na Vida Ativa
Sociologia - Inserção dos Jovens na Vida AtivaSociologia - Inserção dos Jovens na Vida Ativa
Sociologia - Inserção dos Jovens na Vida AtivaAndreia Durães
 
A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...
A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...
A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...Andreia Durães
 
Conferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROS
Conferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROSConferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROS
Conferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROSAndreia Durães
 
Análise da Aplicação: A B C da Segurança
Análise da Aplicação: A B C da SegurançaAnálise da Aplicação: A B C da Segurança
Análise da Aplicação: A B C da SegurançaAndreia Durães
 
ApresentaçãO Pessoal TE I
ApresentaçãO Pessoal TE IApresentaçãO Pessoal TE I
ApresentaçãO Pessoal TE IAndreia Durães
 

Mais de Andreia Durães (11)

Gestão de tempo
Gestão de tempoGestão de tempo
Gestão de tempo
 
Introdução ao coaching
Introdução ao coachingIntrodução ao coaching
Introdução ao coaching
 
Planeamento Educativo - Projetos Educativos de Escola
Planeamento Educativo - Projetos Educativos de EscolaPlaneamento Educativo - Projetos Educativos de Escola
Planeamento Educativo - Projetos Educativos de Escola
 
Trabalho final aoe
Trabalho final aoeTrabalho final aoe
Trabalho final aoe
 
Sociologia - Inserção dos Jovens na Vida Ativa
Sociologia - Inserção dos Jovens na Vida AtivaSociologia - Inserção dos Jovens na Vida Ativa
Sociologia - Inserção dos Jovens na Vida Ativa
 
Constituicao ipss
Constituicao ipssConstituicao ipss
Constituicao ipss
 
Avaliação de Projetos
Avaliação de ProjetosAvaliação de Projetos
Avaliação de Projetos
 
A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...
A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...
A LIDERANÇA EDUCACIONAL DA DIRECÇÃO ESCOLAR EM ESPANHA: ENTRE A NECESSIDADE E...
 
Conferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROS
Conferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROSConferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROS
Conferência: RUMO À ESCOLA SEM MUROS
 
Análise da Aplicação: A B C da Segurança
Análise da Aplicação: A B C da SegurançaAnálise da Aplicação: A B C da Segurança
Análise da Aplicação: A B C da Segurança
 
ApresentaçãO Pessoal TE I
ApresentaçãO Pessoal TE IApresentaçãO Pessoal TE I
ApresentaçãO Pessoal TE I
 

Último

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 

Último (20)

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 

Inovação Educativa

  • 1. Licenciatura em Ciências da Educação Inovação e Educação Docente: Rosa Nogueira Discentes: • Andreia Durães • Carla Vieira • Mónica Maia • Patrícia Garcia 1
  • 2.  APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO  GTO LX – CONTACTOS  GTO LX – ACÇÕES  METODOLOGIAS  CARACTERIZAÇÃO DO TRABALHO DESENVOLVIDO  PROJECTOS GTO LX A DECORRER  FORMAÇÃO  GTO LX COMO PROJECTO INOVADOR  PARCERIAS 2
  • 3. Caracterização:  Organização Não Governamental (ONG) que usa a ferramenta do Teatro do Oprimido  Trabalha directamente com a população  Objectivos:  estimular a participação activa e consciente dos cidadãos na construção da sociedade através do desenvolvimento de projectos de empowerment;  utilizar o teatro como ferramenta lúdica para criar debate e reflexão sobre os problemas da sociedade moderna;  transformar o cidadão passivo em indivíduo pró-activo, consciente dos seus direitos e deveres.  A metodologia do Teatro do Oprimido foi desenvolvida por Augusto Boal no Brasil, em meados da década de 60, e é hoje praticada em mais de 70 países. 3
  • 5.  Projectos de empowerment social com comunidades críticas;  Formação nas técnicas do Teatro do Oprimido;  Acompanhamento na construção e na apresentação perante a comunidade de espectáculos de Teatro Fórum sobre as suas problemáticas. 5
  • 6. TEATRO JORNAL ARCO – IRIS DO DESEJO TEATRO IMAGEM TEATRO INVISIVEL TEATRO LEGISLATIVO TEATRO FORUM 6
  • 7. Os espectáculos promovidos pela GTOLX são o resultado de processo de formação e empowerment que a organização defende, e:  são criados pelos actores e actrizes que constituem os grupos;  são apoiados pelos formadores que os acompanham e por profissionais das artes de palco que colaboram com o GTOLX.  todas as criações partem da realidade dos membros dos grupos e abordam temas eminentemente sociais como a discriminação, a igualdade de género, o envelhecimento ou a apropriação da democracia.  formar técnicos na comunidade capazes de continuarem a desenvolver e criar novos projectos com aquelas populações. 7
  • 8. DRK [Grupo de Teatro Fórum da Cova da Moura e Zambujal] População: Jovens Comunidade: Cova da Moura e Zambujal Parceiros: Associação Moinho da Juventude, ESTC-IPL, IHRU Financiadores: ACIDI, QREN-POPH -------------------------ValArt [Grupo de Teatro Fórum do Vale da Amoreira] População: Jovens Comunidade: Vale da Amoreira Parceiros: Escola Secundária da Baixa da Banheira, Extensão de Saúde de Vale da Amoreira, IHRU Financiadores: ACIDI, QREN-POPH -------------------------Às vezes a gente esquece-se [Grupo de Acção Comunitária do Bairro da Horta Nova] População: Doentes mentais Comunidade: Lisboa Financiadores: Grupo de Acção Comunitária do Bairro da Horta Nova --------------------------Tudo menos caspa [Grupo de Teatro Fórum do Bairro da Picheleira] População: Idosos Comunidade: Bairro da Picheleira Parceiros: Médicos do Mundo Financiadores: GEBALIS ---------------------------8
  • 9. Teatro na nossa Escola [Grupos de Teatro Fórum da Escola D. José I] População: Jovens Comunidade: Alta de Lisboa Parceiros: APAEL, K’Cidade, Escola EB 2,3 D. José I Financiadores: Gebalis -----------------------------Grupo de A cena é Outra [Grupo de Teatro Fórum do Bairro dos Lóios] População: Jovens Comunidade: Bairro dos Lóios, Lisboa Parceiros: CDC do Bairro dos Lóios – SCML Financiadores: SCML ------------------------------Depois dos Entas [Grupo de Teatro Fórum Centro Social e Cultural da Casa do Povo de Fajã de Baixo] População: Idosos Comunidade: S. Miguel, Açores Parceiros: Casa do Povo de Fajã de Baixo Financiadores: IAS – Instituto de Acção Social dos Açores ------------------------------9
  • 10. O GTO LX promove também formações pontuais sobre as técnicas do Teatro Fórum para os mais diversos públicos, nomeadamente técnicos sociais, formadores e público em geral. ACÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO (4H) Os participantes conhecem de uma forma prática e sucinta a técnica do Teatro Fórum. Ao longo de 4 horas, os participantes conseguem perceber se é possível, ou não, a implementação desta ferramenta dentro das suas organizações e/ou com os seus públicos. Destinatários: Qualquer pessoa interessada em usar o teatro como ferramenta de diálogo e transformação social com as comunidades – Técnicos sociais, dinamizadores de grupos, activistas sociais, professores, formadores, estudantes e profissionais do espectáculo. Não é necessária experiência prévia. 10
  • 11. FORMAÇÃO INICIAL EM TEATRO FÓRUM (17H) Nesta formação, os participantes aprendem os conceitos e princípios que se encontram na base do Teatro do Oprimido, aplicando-os através da experimentação da técnica do teatro fórum. Ao longo da formação os participantes adquirem as competências necessárias para enriquecer as suas actividades através da experimentação do teatro fórum com os seus grupos de trabalho. Destinatários: Qualquer pessoa interessada em usar o teatro como ferramenta de discussão e transformação social com as comunidades. Em particular técnicos sociais, dinamizadores de grupos, activistas sociais, professores, formadores, estudantes e profissionais do espectáculo. 11
  • 12. FORMAÇÃO AVANÇADA NAS TÉCNICAS DO TEATRO FÓRUM (20H) Nesta formação intensiva, os participantes irão desenvolver e discutir estratégias práticas de implementação da técnica do teatro do fórum em processos de aprendizagem formal ou não formal. Será investigada de forma mais aprofundada a componente estética e política do processo criativo, de apresentação e dinamização do espectáculo, assim como, o papel do curinga como facilitador. Destinatários: Pessoas já familiarizadas com o Teatro do Oprimido e/ou facilitadores de outras disciplinas. 12
  • 13. FORMAÇÃO PARA CURINGAS (14H) Esta formação intensiva incide sobre as competências específicas do curinga como facilitador de toda a experiência, desde a criação do espectáculo até à sua dinamização com o público. Destinatários: Pessoas já familiarizadas com o Teatro do Oprimido e/ou facilitadores de outras disciplinas. 13
  • 14. Entendemos o projecto GTOLx como parte integrante do que se denomina de Educação não formal, e consideramo-lo inovador porque acreditamos que a Escola não é a única via para o conhecimento e a conscientização (termo utilizado por Paulo freire para designar a dinâmica mental do indivíduo que se inicia no processo cíclico de observar, reflectir e agir). Defendemos que essa postura “escolarizante” da nossa sociedade, defendida nem sempre de forma muito directa pelo mundo académico, pode resultar em afastamento dos indivíduos que já se encontram, à partida, em situação social desfavorecida, porque os adultos têm dificuldades em regressar à escola, e, quando inseridos em comunidades onde a cultura escolar não é predominante, essas resistências aumentam substancialmente. 14
  • 15. 15
  • 16. 16